O revolucionário conservador: um sofisma | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
Mais Recentes
>>> O apelo do amor de Danielle Stell pela Record (1983)
>>> Agora e sempre de Danielle Stell pela Record (1985)
>>> O Princípio Constitucional da Igualdade e o Direito do Consumidor de Adriana Carvalho Pinto Vieira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Histórias Anunciadas de Djalma França pela Decálogo/ belo Horizonte (2003)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
>>> O Espião que saiu do Frio de John Le Carré pela Abril cultural (1980)
>>> A Primeira Reportagem de Sylvio Pereira pela Ática (1988)
>>> Distúrbios Psicossomáticos da Criança de Haim Grunspun pela Atheneu
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
COLUNAS

Quarta-feira, 4/7/2001
O revolucionário conservador: um sofisma
Paulo Polzonoff Jr

+ de 2800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Ano passado, nas eleições municipais para a prefeitura de Curitiba, ousei dizer que votaria no candidato do PFL. Não por uma ligação com a linha do partido ou por qualquer tipo de interesse financeiro, mas simplesmente porque achava o candidato do PT uma ameba ambulante, um completo incapacitado para gerenciar uma cidade do tamanho de Curitiba. Fui vaiado, xingado, expurgado do convívio dos meus (esta última parte é mentira, mas a expressão dá um belo tom dramático, não?). Por coincidência, neste período entrevistei o auto-intitulado filósofo Olavo de Carvalho, para o jornal em que trabalho. Tinha já travado algumas conversas com Olavo de Carvalho via email, lia seus textos na internet havia pouco tempo e achei que era uma pauta interessante. Para minha maior infelicidade, o PFL usou a entrevista em um de seus jornais de campanha, sem minha autorização (mais tarde vim a saber que não precisavam dela). Novamente: fui vaiado, xingado, expurgado do convívio dos meus.

Um ano antes, em 1998, um grupo de sem-terra havia acampado em frente ao Palácio Iguaçu, sede do governo paranaense. Mandaram-me cobrir a invasão e eu escrevi um dos mais belos textos de minha lavra, na minha nada modesta opinião. Não havia nada de essencialmente jornalístico naquele texto. Tampouco havia uma só gota de ideologia; procurava este romântico cronista contar como estavam acampados os sem-terra, quem eram e como se portavam na presença de um estranho que não se identificava como repórter. Publicado o artigo, a esquerda novamente pegou no meu pé (vaiado, xingado, expurgado do convívio dos meus), simplesmente porque dizia que aqueles seres humanos, em sua patente miséria e em sua quietude na manhã gelada de Curitiba, em nada lembravam os bravos e bárbaros homens que, de foice em riste, desafiavam a polícia em cenas vistas e revistas na televisão.

A esta altura do texto convém explicar que a denominação esquerda e direita há muito tempo vem sendo empregada erradamente. Ou melhor, o termo ao longo de dois séculos, vulgarizou-se a tal modo que perde seu sentido tradicional, oriundo da Revolução Francesa. A saber: durante a Revolução (não sei exatamente em qual período e estou sem tempo para pesquisar. Me desculpem a inexatidão, pois), sentaram-se à mesa de negociação nobres e plebeus. À esquerda ficaram os plebeus, que queriam reformas profundas. À direita ficaram os nobres, que queriam a manutenção de seus ancestrais privilégios. Por algum desvio que eu identifico como religioso, possivelmente relacionado com a figura de Cristo numa mesa, com apóstolos de um lado e de outro, a esquerda ficou sendo sinônimo de pobres e, por conseguinte, bonzinhos ("é mais fácil uma camelo..."); já a direita ficou sendo sinônimo de ricos mauzinhos. É bom explicar, ainda, que entre a esquerda original, por assim dizer, o que menos havia eram pobres. Os plebeus eram, em sua maioria, burgueses sem título.

No século que passou (ainda acho estranho escrever isso, mas), o termo ganhou outra conotação. Esquerda ficou sendo sinônimo de comunista; direta, de capitalista. Santa ignorância, Batman.

Se retomarmos o sentido original dos termos, veremos que eles podem ser traduzidos em sinônimos muito mais eficazes a esta hora da noite: conservadores e reformistas. E, por este aspecto - veja só quanta confusão! - nada mais reformista do que ser conservador.

Sim, porque vivemos num mundo em que é essencial transmutar-se o tempo todo. Hoje eu sou homem, amanhã, só deus sabe. Hoje eu te amo, amanhã te odeio. A manutenção de um status quo, qualquer um, é vista com maus olhos pela sociedade. Não é à toa, por exemplo, que os manuais do bom executivo dizem que você não pode (não pode!, não pode!, não pode!) ficar mais de cinco anos na mesma empresa. Casado por vinte anos? Só se estiver louco. Esta é a era das transformações e você tem de agir segundo sua era, bicho!

E o que a sua era, de contestação inata, lhe diz? Para amar o Caetano Veloso (coisa que você nasce aprendendo), para não ter preconceitos, para transar antes dos 13 anos e para experimentar de tudo entre quatro paredes, para votar no PT, claro, para entrar no movimento estudantil, para jamais aceitar emprego num banco, para ler Sartre, para usar calça rasgada com camiseta rasgada, para escutar rock misturado com música eletrônica comendo um hambúrguer.

Se você chegou até aqui e está espumando de raiva, sugiro que pare e olhe ao seu redor e veja se pelo menos um dos que te cercam não é assim, escrito, lavado e escarrado.

Meu argumento, neste sofisma, é que a direita virou esquerda. Nada mais reformista, revolucionário, prafrentex, do que ser conservador. Escutar Beethoven ou Carmen, de Bizet (como faço agora, por exemplo). Ir a um alfaiate (alguém aí ainda sabe o que é um alfaiate?). Ler A República, de Platão. A Poética, de Aristóteles. Não precisa votar no PFL, não; mas também não precisa sentir esta ojeriza coletiva e burra com relação a nomes como Roberto Campos, por exemplo. Taí uma coisa extremamente revolucionária: saber admirar os opostos. Ler os clássicos. Sentir-se à vontade para não transar, ou só transar com uma (um) parceira. Ser fiel - quer coisa mais revolucionária?! Não precisar gritar Fora FHC! Nem precisar fazer carteirinha da UNE para encher o cu do movimento estudantil de dinheiro. Sair da faculdade e querer um emprego decente. Tomar uísque 12 anos (como o que tomo agora. Old Parr).

Citei os exemplos acima para que se perceba o quanto estas pessoas que se dizem de esquerda são conservadoras em suas atitudes. Todas elas reclamando de uma provável "ditatura branca", não aceitavam que este cronista escrevesse uma linha a respeito de um nome que discordassem de suas idéias. Também não permitiam que se revelasse os sem-terra sem as linhas vermelhas que lhes escondem a vergonha da propaganda maoísta.

O cúmulo de ser revolucionário hoje em dia: permitir-se a pluralidade de idéias. Coisa que ninguém, ninguém mesmo, com uma camiseta do Che Guevara, vestido em saias compridas ou calça boca-de-sino, escutando rock ou Caetano Veloso, com Marx debaixo de um braço, vai conseguir entender jamais. Porque são "direita" demais. Se é que me faço entendido, neste (não tão) humilde (assim) sofisma.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 4/7/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
02. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II) de Jardel Dias Cavalcanti
03. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
04. Ler para ficar acordado de Cassionei Niches Petry
05. Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Um repórter a mil calorias por dia* - 5/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/6/2009
00h38min
Só concordo com uma parte. É realmente sofístico o raciocínio que tenta induzir nos leitores a ideia de que, hoje, não há nada mais revolucionário do que ser conservador. Só pra ficar no exemplo tão profícuo da revolução francesa, o que a "direita" buscava conservar era um sistema social e a "esquerda" ansiava por alterar. Nosso sistema social, excetuando-se TALVEZ o wellfare state e o comunismo muito mal implantado mundo afora, não sofreu grandes alterações desde que a burguesia comprou o poder político, e é precisamente isto o que se busca revolucionar hoje, não o consumo de bebidas alheias à nossa realidade histórica ou a leitura e a oitiva (muito proveitosa) de clássicos...
[Leia outros Comentários de Luca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BIOLOGIA- VOLUME ÚNICO - 4° EDIÇÃO
ARMÊNIO UZUNIAN ERNESTO BIRNER
HARBRA
(2013)
R$ 54,90



CONHEÇA SEUS DIREITOS
READERS DIGEST
READERS DIGEST LIVROS
(2000)
R$ 14,90



CURSO DE DIREITO INTERNACIONAL
HAROLDO T. VALLADÃO E OUTROS
FGV (RJ)
(1977)
R$ 19,82



TENDA DOS MILAGRES
JORGE AMADO
MARTINS
(1969)
R$ 30,00



ANTITRUST - NORMATIVA ITALIANA E COMUNITARIA: IL FENOMENO DELLE C
ADRIANO PROPERSI E MARIA RITA ASTORINA
PIROLA
(1991)
R$ 22,28



VIRANDO A PRÓPIRA MESA 4ª
RICARDO SEMLER
BEST SELLER
(1988)
R$ 10,15
+ frete grátis



O RAPTO DA COROA
ELENICE MACHADO DE ALMEIDA
MODERNA
(1985)
R$ 8,00



O TEXTO NO NÍVEL DA MICROESTRUTURA: COESÃO
LORENA BRANDLI ZAMBON
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 202,00



ARTEMIS FOWL - UMA AVENTURA NO ÁRTICO
EOIN COLFER
RECORD
(2002)
R$ 5,00



DEUS MAIOR
ÉLOI LECLERC
PAULUS
(1998)
R$ 19,28





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês