O revolucionário conservador: um sofisma | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
80302 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
>>> Inscrições abertas para 4ª Residência Artística Virtual Compartilhada
>>> Exposição 'Mundo Sensível dos Mitos' abre dia 29 de julho em Porto Alegre
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A mulher madura
>>> Banheiros
>>> Semana da Canção Brasileira
>>> Poesia vira imagem: Ronald Polito e Guto Lacaz
>>> Um imenso Portugal
>>> 6 anos esta noite
>>> As noites insanas de Zizi Possi
>>> Sobre cafés e diversão 0800
>>> Temporada de Gripe
>>> Você viveria sua vida de novo?
Mais Recentes
>>> Irmao E Irma de Joanna Trollope pela Record (2008)
>>> Livro Auto Ajuda Fora de Série Outliers Descubra Por Que Algumas Pessoas Têm Sucesso e Outras Não de Malcom Gladwell pela Sextante (2008)
>>> Livro Psicologia Psicoterapia de Grupo Um Guia de Abraham S. Luchins pela Cultrix (1964)
>>> As Gemeas Do Gelo de S.k. Tremayne pela Bertrand (2016)
>>> Livro Literatura Estrangeira As Brumas De Avalon O Prisioneiro Da Árvore Volume 4 de Marion Zimmer Bradley pela Imago (2008)
>>> Literatura Brasileira Capitalismo De Laços de Sérgio G. Lazzarini pela Bei (2018)
>>> Senhorita Ninguem de Tomek Tryzna pela Record (1999)
>>> Muito Carisma E Pouco Caráter de Renato Rubim pela Edificar (2006)
>>> Livro Literatura Estrangeira Minha Querida Sputnik de Haruki Murakami pela Objetiva, Afaguara (2008)
>>> Livro Artes John Dewey E O Ensino Da Arte No Brasil de Ana Mae Barbosa pela Cortez (2001)
>>> Gibis Blue Exorcist Volume 14 de Kazue Kato pela Jbc (2015)
>>> Diga Trinta E Três de Dr. Nick Trout pela Ediouro (2008)
>>> Livro História Geral Vila Madalena Crônica Histórica E Sentimental de Enio Squeff pela Boitempo (2002)
>>> Literatura Brasileira Operação Portuga de Sergio Xavier Filho pela Arquipélago
>>> Crescimento Integral Da Igreja de Pastor Paschoal Piragine Jr. pela Vida (2006)
>>> Livro Pedagogia Formação Continuada De Professores De Ciências de Luis Carlos De Menezes pela Nupes (2001)
>>> Começo Do Adeus: Aprendendo A Se Despedir de Anne Tyler pela Novo Conceito (2012)
>>> Almoço No Restaurante Da Saudade de Anne Tyler pela Mandarim (1998)
>>> Começo Do Adeus: Aprendendo A Se Despedir de Anne Tyler pela Novo Conceito (2012)
>>> Livro Guerra O Diário De Anne Frank de Alves Calado (tradução) pela Record2 (2014)
>>> Livro Sociologia Imagens De Ordem A Doutrina Católica Sobre Autoridade No Brasil, 1922-1933 Coleção Prismas de Romualdo Dias pela Unesp (1996)
>>> O Jogo Da Vida de Anne Tyler pela Mandarim (2000)
>>> Livro Literatura Estrangeira Hibisco Roxo de Chimamanda Ngozi Adichie pela Companhia Das Letras (2019)
>>> Tudo Pode Mudar de Jonathan Tropper pela Arqueiro (2012)
>>> A Arte Do Contorno Corporal: Uma Abordagem Abrangente de Al Aly/ Fabio Nahas pela Thieme Revinter
COLUNAS

Quarta-feira, 4/7/2001
O revolucionário conservador: um sofisma
Paulo Polzonoff Jr
+ de 3800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Ano passado, nas eleições municipais para a prefeitura de Curitiba, ousei dizer que votaria no candidato do PFL. Não por uma ligação com a linha do partido ou por qualquer tipo de interesse financeiro, mas simplesmente porque achava o candidato do PT uma ameba ambulante, um completo incapacitado para gerenciar uma cidade do tamanho de Curitiba. Fui vaiado, xingado, expurgado do convívio dos meus (esta última parte é mentira, mas a expressão dá um belo tom dramático, não?). Por coincidência, neste período entrevistei o auto-intitulado filósofo Olavo de Carvalho, para o jornal em que trabalho. Tinha já travado algumas conversas com Olavo de Carvalho via email, lia seus textos na internet havia pouco tempo e achei que era uma pauta interessante. Para minha maior infelicidade, o PFL usou a entrevista em um de seus jornais de campanha, sem minha autorização (mais tarde vim a saber que não precisavam dela). Novamente: fui vaiado, xingado, expurgado do convívio dos meus.

Um ano antes, em 1998, um grupo de sem-terra havia acampado em frente ao Palácio Iguaçu, sede do governo paranaense. Mandaram-me cobrir a invasão e eu escrevi um dos mais belos textos de minha lavra, na minha nada modesta opinião. Não havia nada de essencialmente jornalístico naquele texto. Tampouco havia uma só gota de ideologia; procurava este romântico cronista contar como estavam acampados os sem-terra, quem eram e como se portavam na presença de um estranho que não se identificava como repórter. Publicado o artigo, a esquerda novamente pegou no meu pé (vaiado, xingado, expurgado do convívio dos meus), simplesmente porque dizia que aqueles seres humanos, em sua patente miséria e em sua quietude na manhã gelada de Curitiba, em nada lembravam os bravos e bárbaros homens que, de foice em riste, desafiavam a polícia em cenas vistas e revistas na televisão.

A esta altura do texto convém explicar que a denominação esquerda e direita há muito tempo vem sendo empregada erradamente. Ou melhor, o termo ao longo de dois séculos, vulgarizou-se a tal modo que perde seu sentido tradicional, oriundo da Revolução Francesa. A saber: durante a Revolução (não sei exatamente em qual período e estou sem tempo para pesquisar. Me desculpem a inexatidão, pois), sentaram-se à mesa de negociação nobres e plebeus. À esquerda ficaram os plebeus, que queriam reformas profundas. À direita ficaram os nobres, que queriam a manutenção de seus ancestrais privilégios. Por algum desvio que eu identifico como religioso, possivelmente relacionado com a figura de Cristo numa mesa, com apóstolos de um lado e de outro, a esquerda ficou sendo sinônimo de pobres e, por conseguinte, bonzinhos ("é mais fácil uma camelo..."); já a direita ficou sendo sinônimo de ricos mauzinhos. É bom explicar, ainda, que entre a esquerda original, por assim dizer, o que menos havia eram pobres. Os plebeus eram, em sua maioria, burgueses sem título.

No século que passou (ainda acho estranho escrever isso, mas), o termo ganhou outra conotação. Esquerda ficou sendo sinônimo de comunista; direta, de capitalista. Santa ignorância, Batman.

Se retomarmos o sentido original dos termos, veremos que eles podem ser traduzidos em sinônimos muito mais eficazes a esta hora da noite: conservadores e reformistas. E, por este aspecto - veja só quanta confusão! - nada mais reformista do que ser conservador.

Sim, porque vivemos num mundo em que é essencial transmutar-se o tempo todo. Hoje eu sou homem, amanhã, só deus sabe. Hoje eu te amo, amanhã te odeio. A manutenção de um status quo, qualquer um, é vista com maus olhos pela sociedade. Não é à toa, por exemplo, que os manuais do bom executivo dizem que você não pode (não pode!, não pode!, não pode!) ficar mais de cinco anos na mesma empresa. Casado por vinte anos? Só se estiver louco. Esta é a era das transformações e você tem de agir segundo sua era, bicho!

E o que a sua era, de contestação inata, lhe diz? Para amar o Caetano Veloso (coisa que você nasce aprendendo), para não ter preconceitos, para transar antes dos 13 anos e para experimentar de tudo entre quatro paredes, para votar no PT, claro, para entrar no movimento estudantil, para jamais aceitar emprego num banco, para ler Sartre, para usar calça rasgada com camiseta rasgada, para escutar rock misturado com música eletrônica comendo um hambúrguer.

Se você chegou até aqui e está espumando de raiva, sugiro que pare e olhe ao seu redor e veja se pelo menos um dos que te cercam não é assim, escrito, lavado e escarrado.

Meu argumento, neste sofisma, é que a direita virou esquerda. Nada mais reformista, revolucionário, prafrentex, do que ser conservador. Escutar Beethoven ou Carmen, de Bizet (como faço agora, por exemplo). Ir a um alfaiate (alguém aí ainda sabe o que é um alfaiate?). Ler A República, de Platão. A Poética, de Aristóteles. Não precisa votar no PFL, não; mas também não precisa sentir esta ojeriza coletiva e burra com relação a nomes como Roberto Campos, por exemplo. Taí uma coisa extremamente revolucionária: saber admirar os opostos. Ler os clássicos. Sentir-se à vontade para não transar, ou só transar com uma (um) parceira. Ser fiel - quer coisa mais revolucionária?! Não precisar gritar Fora FHC! Nem precisar fazer carteirinha da UNE para encher o cu do movimento estudantil de dinheiro. Sair da faculdade e querer um emprego decente. Tomar uísque 12 anos (como o que tomo agora. Old Parr).

Citei os exemplos acima para que se perceba o quanto estas pessoas que se dizem de esquerda são conservadoras em suas atitudes. Todas elas reclamando de uma provável "ditatura branca", não aceitavam que este cronista escrevesse uma linha a respeito de um nome que discordassem de suas idéias. Também não permitiam que se revelasse os sem-terra sem as linhas vermelhas que lhes escondem a vergonha da propaganda maoísta.

O cúmulo de ser revolucionário hoje em dia: permitir-se a pluralidade de idéias. Coisa que ninguém, ninguém mesmo, com uma camiseta do Che Guevara, vestido em saias compridas ou calça boca-de-sino, escutando rock ou Caetano Veloso, com Marx debaixo de um braço, vai conseguir entender jamais. Porque são "direita" demais. Se é que me faço entendido, neste (não tão) humilde (assim) sofisma.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 4/7/2001

Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/6/2009
00h38min
Só concordo com uma parte. É realmente sofístico o raciocínio que tenta induzir nos leitores a ideia de que, hoje, não há nada mais revolucionário do que ser conservador. Só pra ficar no exemplo tão profícuo da revolução francesa, o que a "direita" buscava conservar era um sistema social e a "esquerda" ansiava por alterar. Nosso sistema social, excetuando-se TALVEZ o wellfare state e o comunismo muito mal implantado mundo afora, não sofreu grandes alterações desde que a burguesia comprou o poder político, e é precisamente isto o que se busca revolucionar hoje, não o consumo de bebidas alheias à nossa realidade histórica ou a leitura e a oitiva (muito proveitosa) de clássicos...
[Leia outros Comentários de Luca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




À Procura da Felicidade
Chris Gardner
Novo Conceito
(2011)



Revelando Um Acervo
Carlos Martins
Bei Comunicacao
(2000)



Maquiavel - Belfagor o Arquidiabo a Mandragora
Ciro Mioranza
Escala
(2007)



A Espada Selvagem de Conan 41
Conan
Panini Comics
(2021)



Livro Gibis Tempest
Senno Knife
Conrad
(2006)



Poesia brasileira/Romantismo
Valentim Facioli e Antonio Carlos Olivieri
Ática
(2011)



O Ateneu
Raul Pompeia
Nova Cultural
(2003)



365 dias com os salmos
Paulo Bazaglia
Paulus
(1994)



Solidariedade a Rede Como Mecanismo de Interação Social
Lia Regina Castaldi Sampaio
Interação



A Cruz de Roma
Pietro Mele
Das Américas





busca | avançada
80302 visitas/dia
2,1 milhões/mês