O revolucionário conservador: um sofisma | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Two lost souls living in a fish bowl
>>> Brochadas, romance inquietante de Jacques Fux
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> A agonia das semanais nos EUA
>>> Entre a simulação e a brincadeira
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Iron Maiden com Clive Burr
Mais Recentes
>>> Downbeat Magazine April 2020 de Gregory Porter pela Db (2020)
>>> Le Coté de Guermantes de Marcel Proust pela Gllimard (1945)
>>> House & Garden July/August 2020 de Where the Hearts pela Condé Nast (2020)
>>> Uncut Magazine July 2020 de Bob Marley pela Bandlab (2020)
>>> Drogas e Álcool no Local de Trabalho de Drusilla Campbell e Marilyn Graham pela Nórdica (1991)
>>> Uncut Magazine June 2020 de Prnce pela Bandlab (2020)
>>> Uncut Magazine May 2020 de George Harrison pela Bandlab (2020)
>>> Os Deuses subterrâneos de Cristovam Buarque pela Record (2005)
>>> Uncut Magazine December 2019 de Bob Dylan pela Bandlab (2019)
>>> O livro da sabedoria dos pais de Edward Holffman pela Dcl (2010)
>>> O prazer da produção científica de Israel Belo de Azevedo pela Unimep (1998)
>>> O leque de Oxum de Vasconcelos Maia pela Ponte da Memória (2006)
>>> O mar, o Marujo de Mauro a. L. Hespanhol pela Chiado (2012)
>>> Os 4 pilares da lucratividade de Leslie H. Moeller; Edward C. Landry pela Campus (2010)
>>> A fuga de João Goulart de Hélio Silva pela Três (1998)
>>> A Majestade do Xingu de Moacyr Scliar pela Deagostini (2004)
>>> Memórias Sentimentais de João Miramar de Oswald de Andrade pela José Olympio (1973)
>>> Noventa e Três de Victor Hugo pela Otto (1980)
>>> A Queda de Albert Camus pela Circulo do Livro (1986)
>>> Você - A idéia mais fantástica de Deus de Max Lucado pela Thomas Nilson (2007)
>>> The abolition of the Brazilian slave trade de Leslie Bethell pela Cambridge University Press (2009)
>>> O processo de Franz Kafka pela Globo (1997)
>>> A brincadeira de Milan Kundera pela Circulo do Livro (1967)
>>> Vôo Noturno de A. de Saint - Exupery pela Circulo do Livro (1985)
>>> A Segunda Dama de Irving Wallace pela Circulo do Livro (1980)
>>> O RETRATO DE dORIAN gray de Oscar Wilde pela Circulo do Livro (1975)
>>> Os Condenados da Terra de Frantz Fanon pela Ufjf (2006)
>>> Imaginologia e radiologia odontológica - 4D de Plauto Watanabe pela GEN Guanabara Koogan (2013)
>>> Ten Cate Histologia oral - 4D de Antonio Nanci pela Elsevier (2013)
>>> sturdevant arte e ciência da dentística operatória - 4C de Harald pela Elsevier (2013)
>>> O Folclore da Caixa = Contos de Gil Gouvêa Macieira pela Dupligráfica (1984)
>>> Craig Materiais Dentários Restauradores - 3C de Ronald L. Powers, John M.^Sakaguchi pela Elsevier (2012)
>>> Curso de Folclore Musical Brasileiro de José Teixeira D'Assumpção pela Livraria Freitas Bastos (1967)
>>> Como Desenhar Mangá Método Profissional de Produção Nobu Chinen / Daniel de Rosa pela Escala (2009)
>>> Danças Folclóricas da Europa de Maria Amalia Corrêa Giffoni pela Melhoramentos (1974)
>>> A Linguagem Secreta dos Relacionamentos de Gary Goldschneider; Joost Elffers pela Elsevier (2000)
>>> Aquela Canção de Vários autores pela Publifolha (2005)
>>> Histologia veterinária de Dellmann - 3C de Jo Ann Eurell pela Manole (2012)
>>> Terapia assistida por animais - 3D de Marie Odile Monier Chelini pela Manole (2015)
>>> Manual Saunders Terapia Veterinaria - Pequenos E Grandes Animais - 6B de Mark G. Papich pela Elsevier (2012)
>>> Comportamento e bem-estar de animais domésticos - 6D de D. M. Broom pela Manole (2010)
>>> Cirurgia de Pequenos Animais - 7C de Theresa Theresa Fossum pela GEN Guanabara Koogan (2014)
>>> ...E Nossos Filhos Cantam as Mesmas Canções 8800 de Malcolm Montgomery pela Integrare (2008)
>>> ...E o Mundo Silenciou de Ben Abraham pela Wg Comunicações (1972)
>>> ...E Quem Quiser Que Conte Outra de Tatiana Belinky pela Imprensa Oficial (2007)
>>> ...Uma Proposta Irrecusável de Jill Manselll pela Novo Conceito (2011)
>>> 1, 2... Feijão Com Arroz - Educação Alimentar de Maria José Paes Leme & Maria da Luz F. Perim pela Mercado das Letras (1997)
>>> 1. 000 Perguntas e Respostas de Direito Internacional Público e Privad de José Cretella Júnior / José Cretella Neto pela Forense (2002)
>>> 1° Festival Internacional de Humor do Rio de Janeiro 2008 de Vários Autores pela Gráfica Minister (2008)
>>> 10 Minutos de Exercício por Dia - 10385 de Jacqueline Lysycia pela Texto Editores (2005)
COLUNAS

Quarta-feira, 4/7/2001
O revolucionário conservador: um sofisma
Paulo Polzonoff Jr

+ de 3100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Ano passado, nas eleições municipais para a prefeitura de Curitiba, ousei dizer que votaria no candidato do PFL. Não por uma ligação com a linha do partido ou por qualquer tipo de interesse financeiro, mas simplesmente porque achava o candidato do PT uma ameba ambulante, um completo incapacitado para gerenciar uma cidade do tamanho de Curitiba. Fui vaiado, xingado, expurgado do convívio dos meus (esta última parte é mentira, mas a expressão dá um belo tom dramático, não?). Por coincidência, neste período entrevistei o auto-intitulado filósofo Olavo de Carvalho, para o jornal em que trabalho. Tinha já travado algumas conversas com Olavo de Carvalho via email, lia seus textos na internet havia pouco tempo e achei que era uma pauta interessante. Para minha maior infelicidade, o PFL usou a entrevista em um de seus jornais de campanha, sem minha autorização (mais tarde vim a saber que não precisavam dela). Novamente: fui vaiado, xingado, expurgado do convívio dos meus.

Um ano antes, em 1998, um grupo de sem-terra havia acampado em frente ao Palácio Iguaçu, sede do governo paranaense. Mandaram-me cobrir a invasão e eu escrevi um dos mais belos textos de minha lavra, na minha nada modesta opinião. Não havia nada de essencialmente jornalístico naquele texto. Tampouco havia uma só gota de ideologia; procurava este romântico cronista contar como estavam acampados os sem-terra, quem eram e como se portavam na presença de um estranho que não se identificava como repórter. Publicado o artigo, a esquerda novamente pegou no meu pé (vaiado, xingado, expurgado do convívio dos meus), simplesmente porque dizia que aqueles seres humanos, em sua patente miséria e em sua quietude na manhã gelada de Curitiba, em nada lembravam os bravos e bárbaros homens que, de foice em riste, desafiavam a polícia em cenas vistas e revistas na televisão.

A esta altura do texto convém explicar que a denominação esquerda e direita há muito tempo vem sendo empregada erradamente. Ou melhor, o termo ao longo de dois séculos, vulgarizou-se a tal modo que perde seu sentido tradicional, oriundo da Revolução Francesa. A saber: durante a Revolução (não sei exatamente em qual período e estou sem tempo para pesquisar. Me desculpem a inexatidão, pois), sentaram-se à mesa de negociação nobres e plebeus. À esquerda ficaram os plebeus, que queriam reformas profundas. À direita ficaram os nobres, que queriam a manutenção de seus ancestrais privilégios. Por algum desvio que eu identifico como religioso, possivelmente relacionado com a figura de Cristo numa mesa, com apóstolos de um lado e de outro, a esquerda ficou sendo sinônimo de pobres e, por conseguinte, bonzinhos ("é mais fácil uma camelo..."); já a direita ficou sendo sinônimo de ricos mauzinhos. É bom explicar, ainda, que entre a esquerda original, por assim dizer, o que menos havia eram pobres. Os plebeus eram, em sua maioria, burgueses sem título.

No século que passou (ainda acho estranho escrever isso, mas), o termo ganhou outra conotação. Esquerda ficou sendo sinônimo de comunista; direta, de capitalista. Santa ignorância, Batman.

Se retomarmos o sentido original dos termos, veremos que eles podem ser traduzidos em sinônimos muito mais eficazes a esta hora da noite: conservadores e reformistas. E, por este aspecto - veja só quanta confusão! - nada mais reformista do que ser conservador.

Sim, porque vivemos num mundo em que é essencial transmutar-se o tempo todo. Hoje eu sou homem, amanhã, só deus sabe. Hoje eu te amo, amanhã te odeio. A manutenção de um status quo, qualquer um, é vista com maus olhos pela sociedade. Não é à toa, por exemplo, que os manuais do bom executivo dizem que você não pode (não pode!, não pode!, não pode!) ficar mais de cinco anos na mesma empresa. Casado por vinte anos? Só se estiver louco. Esta é a era das transformações e você tem de agir segundo sua era, bicho!

E o que a sua era, de contestação inata, lhe diz? Para amar o Caetano Veloso (coisa que você nasce aprendendo), para não ter preconceitos, para transar antes dos 13 anos e para experimentar de tudo entre quatro paredes, para votar no PT, claro, para entrar no movimento estudantil, para jamais aceitar emprego num banco, para ler Sartre, para usar calça rasgada com camiseta rasgada, para escutar rock misturado com música eletrônica comendo um hambúrguer.

Se você chegou até aqui e está espumando de raiva, sugiro que pare e olhe ao seu redor e veja se pelo menos um dos que te cercam não é assim, escrito, lavado e escarrado.

Meu argumento, neste sofisma, é que a direita virou esquerda. Nada mais reformista, revolucionário, prafrentex, do que ser conservador. Escutar Beethoven ou Carmen, de Bizet (como faço agora, por exemplo). Ir a um alfaiate (alguém aí ainda sabe o que é um alfaiate?). Ler A República, de Platão. A Poética, de Aristóteles. Não precisa votar no PFL, não; mas também não precisa sentir esta ojeriza coletiva e burra com relação a nomes como Roberto Campos, por exemplo. Taí uma coisa extremamente revolucionária: saber admirar os opostos. Ler os clássicos. Sentir-se à vontade para não transar, ou só transar com uma (um) parceira. Ser fiel - quer coisa mais revolucionária?! Não precisar gritar Fora FHC! Nem precisar fazer carteirinha da UNE para encher o cu do movimento estudantil de dinheiro. Sair da faculdade e querer um emprego decente. Tomar uísque 12 anos (como o que tomo agora. Old Parr).

Citei os exemplos acima para que se perceba o quanto estas pessoas que se dizem de esquerda são conservadoras em suas atitudes. Todas elas reclamando de uma provável "ditatura branca", não aceitavam que este cronista escrevesse uma linha a respeito de um nome que discordassem de suas idéias. Também não permitiam que se revelasse os sem-terra sem as linhas vermelhas que lhes escondem a vergonha da propaganda maoísta.

O cúmulo de ser revolucionário hoje em dia: permitir-se a pluralidade de idéias. Coisa que ninguém, ninguém mesmo, com uma camiseta do Che Guevara, vestido em saias compridas ou calça boca-de-sino, escutando rock ou Caetano Veloso, com Marx debaixo de um braço, vai conseguir entender jamais. Porque são "direita" demais. Se é que me faço entendido, neste (não tão) humilde (assim) sofisma.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 4/7/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II) de Jardel Dias Cavalcanti
02. Toma! de Adriane Pasa
03. Memória insuficiente de Vicente Escudero
04. Livros e Saúde de Ricardo de Mattos
05. House e o retorno dos fãs de Carla Ceres


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/6/2009
00h38min
Só concordo com uma parte. É realmente sofístico o raciocínio que tenta induzir nos leitores a ideia de que, hoje, não há nada mais revolucionário do que ser conservador. Só pra ficar no exemplo tão profícuo da revolução francesa, o que a "direita" buscava conservar era um sistema social e a "esquerda" ansiava por alterar. Nosso sistema social, excetuando-se TALVEZ o wellfare state e o comunismo muito mal implantado mundo afora, não sofreu grandes alterações desde que a burguesia comprou o poder político, e é precisamente isto o que se busca revolucionar hoje, não o consumo de bebidas alheias à nossa realidade histórica ou a leitura e a oitiva (muito proveitosa) de clássicos...
[Leia outros Comentários de Luca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONFLITOS E EMOÇÕES - CONQUISTE O BEM-ESTAR
MARIA INÊS FELIPPE
QUALITYMARK
(1997)
R$ 32,00



O MULATO
ALUÍSIO AZEVEDO
ÁTICA
(1981)
R$ 5,00



O LEOPARDO
TOMASI DI LAMPEDUSA
DIFUSÃO EUROPÉIA
(1960)
R$ 22,44



DIVIRTA-SE SAIBA TORNAR SEU AMBIENTE DE TRABALHO AGRADÁVEL E DIVERTIDO
DAVE HEMSATH & LESLIE YERKES
FUTURA
(1998)
R$ 7,50



DIREITO E INTERNET
LILIANA MINARDI PAESANI
ATLAS
(2008)
R$ 35,90



PSICOLOGIA INDUSTRIAL I
JOSEPH TIFFIN ERNEST J. MCCORMICK
HERDER
(1969)
R$ 12,00



PALAVRAS DE UM DIA E DE OUTRO
ALOYSIO DE CASTRO
MONTEIRO LOBATO
(1922)
R$ 29,40



PRINCÍPIOS DE ANÁLISE E PROJETO BASEADOS EM OBJETOS
JAMES MARTINS
CAMPUS
(1994)
R$ 30,00



ANTROPOFAGIA: PALIMPSESTO SELVAGEM
BEATRIZ AZEVEDO
SESI-SP
(2018)
R$ 49,89



O DESPERTAR DA GUILLENT
JULIANA VELONESSI
NETBOOKS
(2012)
R$ 15,71





busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês