Um brasileiro no Uzbequistão (VI) | Arcano9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fantasmas do antigo Recife
>>> Luther King sobre os fracos
>>> O centenário do Castor
>>> O comercial do Obama
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> Mininas no Canto Madalena
>>> Quase cinquenta
>>> Bate-papo com Odir Cunha
>>> Entrevista com Sérgio Rodrigues
>>> Leblon
Mais Recentes
>>> Eu Fico Loko -As Desventuras de Um Adolescente Nada Convencional de Christian Figueiredo de Caldas pela Novas Páginas (2015)
>>> Teoria Geral do Direito e Marxismo de Evguiéni B. Pachukanis pela Boitempo (2017)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Abril Cultural (1981)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1974)
>>> A Questão Urbana de Manuel Castells pela Paz e Terra (1983)
>>> Esquerdismo Doença Infantil do Comunismo de V. I. Lenin pela Expressão Popular (2014)
>>> Crônicas de Nuestra América de Augusto Boal pela Codecri (1977)
>>> A Desumanização da Arte de José Ortega y Gasset pela Cortez (1991)
>>> Homens Em Tempos Sombrios de Hannah Arendt pela Companhia De Bolso (2013)
>>> A Música do Tempo Infinito de Tales A. M .Ab'Sáber pela Cosac & Naify (2012)
>>> Poesia e Filosofia de Antonio Cicero pela Civilização Brasileira (2012)
>>> A Estrada da Noite de Joe Hill pela Sextante (2007)
>>> O ornamento da massa de Siegfried Kracauer pela Cosac & Naify (2009)
>>> O Horror Econômico de Viviane Forrester pela Unesp (1997)
>>> Merleau-ponty e a Educação de Marina Marcondes Machado pela Autentica (2010)
>>> Revoluções de Michael Lowy pela Boitempo (2009)
>>> O Anticristo de Friedrich Nietzsche pela Lpm pocket (2008)
>>> E no Final a Morte de Agatha Christie pela Lpm pocket (2010)
>>> Estetica da Emergencia de Reinaldo Laddaga; Magda Lopes pela Martins Fontes (2012)
>>> Pós-produção: Como a Arte Reprograma o Mundo Contemporâneo de Nicolas Bourriaud pela Martins Fontes (2009)
>>> A saga da família Klabin-Lafer de Ronaldo Costa Couto pela Klabin (2020)
>>> Tudo Pelo Amor Dele de Sandie Jones pela Única (2019)
>>> Um Encontro de Sombras de V E Schwab pela Record (2017)
>>> O Vilarejo de Raphael Montes pela Suma das Letras (2015)
>>> Dança da Escuridão de Marcus Barcelos pela Faro (2016)
COLUNAS

Segunda-feira, 29/9/2003
Um brasileiro no Uzbequistão (VI)
Arcano9
+ de 4100 Acessos
+ 3 Comentário(s)


A madrassa Mir-i-Arab tem detalhes para horas de contemplação

Bukhara, 05.06

O sol nas cúpulas azuis da madrassa Mir-i-Arab. Fiquei sentado na praça em frente à colossal estrutura, desviando meu rosto dos raios de sol que, refletindo nos azulejos da cor do céu, cismavam em me perseguir. Tentava seguir com os olhos, a cada minuto, cada um dos detalhes do magnífico portal. As misteriosas inscrições em caligrafia árabe, como cobras, um tijolo, as cores de um mosaico. Os olhos buscam, desesperadamente, alguma simetria. Mas só depois de ver e rever é que tudo começa a se desenhar numa harmonia perfeita. Um caleidoscópio de pedra, construído no século XVI.

Havíamos chegado a Bukhara às 6h da manhã, como previsto. Minha cabeça doía de tantas vezes que bateu na janela do carro e do ônibus. Não consegui, obviamente, dormir direito. A chuva fraca perseguiu nosso carro em praticamente toda a extensão da viagem de Urgench a Bukhara. Ao longe, raios de tempestade violentíssimos iluminavam o deserto, árvore nenhuma bloqueava a visão branca azulada. Nos curtos momentos sem raios, a escuridão era interrompida pelos bloqueios policiais. Dezenas, não lembro quantos, em toda a extensão da estrada. Os policiais até que bastante educados, pedindo o meu passaporte e o de meus amigos franceses, levando-os para uma cabine ao lado das cancelas, checando-os sob uma luz fraca que parecia emanar de um lampião, e trazendo-os de volta. Não imagino quem seria imprudente a ponto de viajar nesta terra sem os documentos em dia.

To enter forbidden Turkistan without papers? I would sooner pay a call on the devil and his mother-in-law in hell.
- Gustav Krist, Alone in the Forbidden Land

Herança soviética? Provavelmente sim, mas não apenas. Parece que sempre foi e será difícil viajar por aqui. Se não são os papéis, é a língua. Se não é a língua, é a distância. Se não é a distância, é o medo.

Depois de vários bloqueios, percebi uma interjeição de claro descontentamento de nosso motorista e seu chapéu uzbeque. Deviam ser umas três da manhã. Meus colegas franceses pareciam cochilar, mas não seria por muito mais tempo. A temperatura do motor do Mercedes-Benz começara a aumentar, e continuou aumentando. Em breve, o motorista estaria parando no acostamento. Não estava chovendo, mas os raios continuavam no horizonte. Iluminado pela eletricidade do céu e pelos faróis do seu carro, ele tentava desesperadamente decifrar qual era a frescura que estava paralisando seu carro, que claramente não visitava um mecânico desde o milênio passado. Saí do veículo para tentar saber dele se estava tudo bem, mas minha habilidade lingüística em russo só me permitiu perguntar: "bom?". Pergunta idiota. "Não bom!", respondeu, com uma súbita raiva voltada contra mim.

Como pagamento, ele tentou arrancar da gente o preço total que havia sido combinado pela corrida até Bukhara, ao nos deixar numa milagrosa tendinha que encontramos na estrada (no Uzbequistão não há ranchos da pamonha). Entendi seu ponto de vista, afinal, já devíamos ter viajado muito, e ele estava agora à mercê das intempéries, esperando que algum mecânico aparecesse, por ter aceitado nossa oferta para nos levar. Mas lhe pagamos a metade e perguntamos como faríamos para chegar a Bukhara. "Um ônibus, logo", disse, com cara de poucos amigos. Nós rimos muito quando praticamente em seguida o tal coletivo parou a nosso lado. Muita coincidência, não sorte: sorte teria sido se tivéssemos chegado a Bukhara com aquele taxista e seu carro.

O ônibus foi uma experiência... interessante. Estava aos pedaços. Só havia exatamente três poltronas vagas, todas separadas, e nas três era meio difícil se sentar. A que eu escolhi, por exemplo, ficava atrás de uma que reclinava em quase 180 graus, porque estava quebrada. Meus joelhos permaneceram longas horas sem ser irrigados por sangue, e quando eu me mexia, o pobre coitado da frente acordava e resmungava. Aí, o meu fluxo de sangue era cortado nas coxas. Ou na virilha. Ao meu lado, um sujeito o tempo todo acabava com a cabeça no meu ombro, roncando. Olivier e Jean-Marie não estavam em situação melhor. Tirando o desconforto, tínhamos a impressão de ser parte da massa. Aqueles rostos de grandes e vermelhas bochechas, olhos puxados, aquelas roupas sociais gastas e aqueles cabelos negros escuros não eram chineses, não eram árabes, não eram turcos, não eram persas. Eram tudo isso, eram únicos, eram diferentes de nós. Tão inequivocamente distantes de nós, europeus ou americanos. Quantos milênios de gerações teríamos que voltar atrás para encontrar um ancestral comum entre eu e o sujeito com a cabeça no meu ombro? O desconforto sugeria uma ironia. Diferentes como água e vinho, agora nos comportávamos como irmãos, dormindo colados por absoluta falta de espaço.

Ao chegar em Bukhara, o sol nascente nos sorriu no céu azul, e dezenas de taxistas nos sorriram de volta. Estávamos arrebentados e fomos impiedosamente cercados pelos abutres ao descer do ônibus. Todos nos falavam ao mesmo tempo, como despertadores ruidosos. Querendo que barganhássemos a tarifa para que nos levassem do ponto na estrada na entrada da cidade onde o ônibus no deixou até o hotel onde iríamos ficar. Querendo dinheiro fácil. Eu não tinha cabeça para tentar falar com os taxistas. Em acordo com meus colegas, decidimos abandonar as frustrantes negociações por mímica e nos entregar ao motorista mais velho - geralmente esses são os mais honestos - e, dependendo da distância percorrida pelo táxi, pagar o que achássemos justo. Pagamos mil sums, ele queria três mil, mas não reclamou demais. Finalmente, camas para nós. E, horas depois, o sol nas cúpulas azuis da madrassa Mir-i-Arab.

* * *

A importância de Bukhara para o mundo muçulmano não pode ser menosprezada. Em seu auge, nos séculos IX e X, a cidade chegou a ser chamada de "pilar do Islã" e tinha nada menos que 113 madrassas, ou seminários islâmicos. Os árabes chegaram à região no início do século VIII, transformando a cidade num dos centros mundiais de educação para o Islã. A dinastia dominante, a samanida, desenvolveu Bukhara e a fez sua capital, permanecendo aliada ao califado sunita com sede em Bagdá. Mas a origem dos samanidas era persa e, como persas, tinham um apreço grande pela estética de seus prédios. Bukhara e a cor de areia de suas ruas e edificações, suas escolas, suas mesquitas e seus mercados serviram de palco para a vida de algumas das mais importantes figuras do universo árabe. Reza a lenda que Avicena, um dos pais da medicina, estudou em Bukhara. Longínqua e misteriosa, perdida no deserto além do Amu Daria, além de quilômetros proibidos para os ocidentais, durante séculos a cidade foi um mito. Como Eldorado, ou Shangri-lá. Tão bela foi por obra dos samanidas, que o próprio Genghis Khan, ao afastá-los de sua jóia mais valiosa em 1220, poupou algumas de suas edificações.

O minarete Kalon e as cicatrizes russasEsse não foi o caso da Mir-i-Arab, construída depois da saída de Genghis, mas ela sobreviveu um opressor à altura: Stalin. Depois de ter sido fechada nos anos que se seguiram à implantação do comunismo, foi reaberta pelo próprio líder soviético em 1944, depois de ele ter percebido que essa seria uma bela forma de obter o apoio dos muçulmanos do centro da Ásia ao seu esforço de guerra. Foi o único centro de formação de acadêmicos muçulmanos que permaneceu funcionando nos tempos soviéticos. Hoje, a Mir-i-Arab continua ativa, ensinando cerca de 250 jovens, e por isso não pode ser visitada por turistas. Em frente à madrassa, cruzando um largo de pedra, outras duas construções belíssimas, interligadas: a mesquita e o minarete Kalon. O minarete, que reluz em tons beges, é coberto por sucessivas fileiras de padrões geométricos horizontais, intricados e incomuns. Um desses padrões me pareceu até inspirado em alguma simbologia asteca (curiosos os caminhos da imaginação). O minarete foi construído em 1127 e, nessa época, provavelmente era a estrutura mais alta no mundo islâmico, com seus 47 metros. Sólido, com profundas estruturas, resistiu sem problemas fortes terremotos e foi um dos prédios poupados por Genghis Khan. Durante 850 anos não precisou de reformas. Mas a chegada dos russos, no final do século XIX, provou ser demais até para uma estrutura dura na queda como o minarete. Os simpáticos soldados russos decidiram usar a torre como alvo para seus canhões, criando inúmeros buracos que depois foram cobertos. As cicatrizes são visíveis.

Bukhara também tem uma forte tradição comercial, principalmente no tocante aos tapetes. Há um estilo de estampa associado à cidade que, aparentemente, é de fácil reconhecimento por especialistas. Trata-se de mais uma prova da profunda relação da cidade com os persas. Os carpetes são negociados nos bazares do centro velho da cidade. São barraquinhas em áreas cobertas, cada uma vendendo uma mercadoria diferente. Há tapetes, há facas, há bules, há chá, há chapéus, há roupas. Os bazares são o que há de mais característico em Bukhara. Em nenhum outro lugar no Uzbequistão a prática da barganha está tão enraizada, é tão venerada. Se barganhar é de fato uma religião para este povo, Bukhara é a Meca dessa religião. Ryszard Kapuscinski não ficou muito impressionado com a Mir-i-Arab, mas foi enfeitiçado pela veia mercantil desta terra quando passou por aqui em 1967, em pleno comunismo.

Em Bukhara, vi ainda uma multidão de coloridos e animados bazares. São bazares antigos, milenares, mas continuamente vivos. Erkin mostrou-me o bazar que Avicena costumava freqüentar. Mostrou-me também o bazar onde Ibn Batuta comprava tâmaras. Pequenas lojinhas, barracas, cada qual com o seu número, porque foram nacionalizadas. Segundo Erkin, o uzbeque prefere comprar nos bazares, embora estes vendam mais caro que as lojas. O bazar é tradição, ponto de encontro e conversa, uma segunda casa.
- Ryszard Kapuscinski, Imperium

A diferença em relação aos tempos soviéticos é que rublos não são mais aceitos, não há mais os números e o turista, antes raro, hoje é mais comum. Mais do que nunca, os vendedores competem numa corrida para vender a mercadoria mais vagabunda para o visitante mais trouxa. Com mais turistas, há muito mais bugiganga, escória industrializada, até mesmo coisas que não são do centro da Ásia, como aquelas bonecas russas de madeira, as matriuchas (um nacionalista uzbeque talvez ficasse revoltado com tal anacronismo). Todavia, há também coisas de qualidade esperando para ser namoradas. Comprei por um bom preço um saco de 100g de um delicioso chá, cujo aroma me deixou estonteado. Cinco ervas diferentes. O vendedor, sorrindo, disse que seu pai já trabalhava fazendo chá. E que suas ervas misturadas são uma tradição do mercado.

De tradição em tradição, há quem diga que esta cidade não mudou muito nos últimos séculos. Pode ter mudado, negociado parte de sua alma por alguns dólares. Mas sinto que há coisas que nem o século XXI poderá roubar da caleidoscópica Bukhara.

(Continua aqui)


Um dos bazares que funcionam há séculos em Bukhara



Arcano9
Miami, 29/9/2003

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Reflexões para um mundo em crise de Luis Eduardo Matta
02. O filósofo da contracultura de Gian Danton


Mais Arcano9
Mais Acessadas de Arcano9 em 2003
01. Quem somos nós para julgar Michael Jackson? - 10/2/2003
02. Um brasileiro no Uzbequistão (V) - 8/9/2003
03. Um brasileiro no Uzbequistão (III) - 28/7/2003
04. Um brasileiro no Uzbequistão (I) - 30/6/2003
05. Empolgação - 10/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/9/2003
12h26min
a descrição dos detalhes deste exótico lugar nos deixa com a imaginação atiçada, percebendo o quão pouco conhecemos deste globo...
[Leia outros Comentários de Modesto]
30/9/2003
23h18min
E pensar que isso é so um pedacinho...quantos filhos deixara gengis kan por ai... Dá para imaginar como o Bin Laden pode tãoo facilmente ter se escondido...
[Leia outros Comentários de jorge]
24/9/2008
14h35min
Com a perplexidade que o texto causa, a única coisa que dá para perceber é a habilidade do autor em trazer esse universo para nós, leitores. Depois de ler do início até aqui sem ter me prestado a deixar um recado, meus parabéns e obrigado, tu escreves muito bem. Quero ir ao Uzbequistão, agora!
[Leia outros Comentários de bruno ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mens Sana: a Angústia do Homem Em Busca da Felicidade / Vol 3
Albino Aresi / Capa Dura
Mens Sana
(1984)



Livro - O Encouraçado Potemkin
Folha de São Paulo
Moderna
(2011)



Novelas - Concursos Literários do Piauí
Sergio Batista e Outros
Publique
(2005)



O Pirata eletrônico e o Samurai
Jeff Goodell
Campus
(1996)



A Lenda do Muri- Keko
Marcos Bagno
Sm
(2005)



Senhora Rezadeira
Denise Rochael
Cortez
(2004)



A Camada de Ozonio
M. Bright
Melhoramentos
(2000)



Descubra Seu Corpo
Nigel Nélson
Impala
(1996)



O Patinho Feio
Vários Autores
Ftd
(1996)



O Fio do Destino (1991)
Zibia Gasparetto
Vida e Consciencia
(1991)





busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês