A filosofia fruto do tédio | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
44941 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 2/10/2003
A filosofia fruto do tédio
Adriana Baggio

+ de 5100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Filosofia, normalmente, não é um assunto que atraia muita gente. Parece ser coisa de iniciados, algo que necessita o domínio de um outro código para poder ser compreendido. Talvez seja para afastar essa impressão que o livro de Frédéric Schiffter tenha uma capa com lay out tão leve e agradável. O título do livro também desperta muito mais curiosidade do que outros que tratam de filosofia. Sobre o blablablá e o mas-mas dos filósofos (José Olympio, 2002), escrito em letras coloridas, pode despertar em alguns leitores o desejo reprimido de se vingar de seus professores de filosofia do segundo grau e da faculdade. Finalmente alguém vai dizer que os filósofos não falam nada com coisa alguma! Bem, quando se lê a orelha do livro e descobre-se que o próprio autor é filósofo, já dá para desconfiar.

A proposta de Schiffter é desmascarar os filósofos que procuram entorpecer a desconfiança e o espírito crítico e aqueles que privilegiam a essência em detrimento da realidade. Os primeiros são da ordem do blablablá, ou seja, charlatães. Os segundos pertencem à categoria do mas-mas, são uns afetados.

Essas reflexões são fruto do tédio do autor, conforme ele mesmo confessa. O professor animado, motivado, adorado pelos alunos, um pouco esnobe por pertencer à classe dos que conseguem discutir o amor em Platão ou o estético em Kirkegaard, deu lugar a um homem que recusa fazer qualquer esforço para tornar-se interessante. Desiludido com a vida acadêmica e com a disciplina, ele resolveu atacá-la.

A orelha do livro me diz que Frédéric Schiffter é professor de filosofia e que publicou mais dois livros, um deles ele próprio renega. Se na profissão de ensinar já perdeu interesse, resta apenas a de escritor. Tendo desistido de interagir, seja com os alunos, seja com o ambiente da academia, o autor deve estar buscando no tédio o subsídio para suas reflexões. Não que o tédio não seja um estado válido para ser considerado. No entanto, não é a primeira vez que vejo o tédio sendo utilizado como desculpa para alguém assumir posições polêmicas, por vezes despropositadas, com o objetivo de chamar a atenção.

À medida que evoluía na leitura, tive uma sensação de déja vu um pouco desagradável. No início não pude identificar muito bem de onde vinha, mas depois percebi que o oportunismo que permeia o texto é uma situação muito comum entre alguns escritores, críticos e cronistas. Já tendo tido contato com alguns deles, pude reconhecer em Schiffter a mesma motivação.

Uma das estratégias para quem se sente rejeitado no grupo ou no meio que freqüenta é desqualificar esse ambiente. A partir do momento em que não mais se aceita a sua legitimidade, as opiniões que dali vêm não têm mais validade. A partir do momento em que não se consegue mais ser o centro das atenções, será necessário buscar os holofotes através de outra estratégia: a polêmica. É como aquela fábula em que a raposa, ao não conseguir alcançar o parreiral, diz, como desculpa para sua incompetência ou incapacidade, que as uvas estão verdes. Assim, assumir que a vida é um tédio e conformar-se com isso isenta o indivíduo de procurar melhorar, progredir, buscar a simpatia, o afeto e a aprovação do próximo.

Apesar de fingir não querer a aprovação, esse tipo de pessoa precisa dela a todo custo para poder manter-se na ribalta. Por isso, joga com a raiva e com a compaixão. A raiva é o que gera a polêmica, é o que chama a atenção. A compaixão perdoa o indivíduo e evita que sofra as conseqüências das opiniões que emite. Para angariar esse sentimento, Schiffter desqualifica-se e fala das suas crises de epilepsia, assim como outros falam de suas depressões, de suas perversões e de toda sorte de males psíquicos.

O autor consegue causar polêmica ao desqualificar filósofos populares como Platão, que para ele não passa de um "charlatão", que é como ele define quem abusa de si mesmo para abusar dos outros depois. Como ele mesmo suspeita, essa é uma adaptação um pouco forçada da definição do Petit Robert para o termo charlatão. O que Schiffter quer dizer é que Platão recusa-se a ver a realidade das aparências para buscar uma versão idealizada e ilusória. Por isso, Platão é um representante da ordem do blablablá.

Já o filósofo do mas-mas é o afetado, aquele que, descontente consigo mesmo, acaba por estender sua aversão ao resto dos mortais. Mas não é um pouco isso que o autor faz?

Apesar das motivações do autor para essas considerações, elas não deixam de ser interessantes e de mostrar um outro ponto de vista. Mostrar a validade das aparências e desmascarar os progressistas e otimistas oportunistas, aqueles que maldizem o hoje para se colocarem como salvadores do amanhã, é uma ótima reflexão para os dias de hoje. Se a aparência é o que determina uma quantidade enorme de juízos e valores que fazemos dos outros, e se as aparências são aparências de uma essência, não há porque desprezá-las em detrimento de uma essência única, que talvez não exista. E desmascarar os demagogos é uma providência urgente para que se fale menos e faça-se mais.

Apesar de sentir no autor um cheiro de oportunismo e uma tentativa de se fazer notar pela polêmica, Schiffter conquistou minha simpatia ao criticar um tempo e uma sociedade onde somos obrigados a ter estampada no rosto uma motivação que nos obriga ao dever da diversão. Ou então ao dizer que nada pode ser mais tedioso do que um homem ou uma mulher dinâmicos que nunca se enfadam, que se recusam a se entregar à volúpia de ficarem tristes. Aliás, a felicidade, para ele, não é algo que se possa buscar ou que se mereça, o que vai contra toda a cultura cristã e católica na qual vivemos. A felicidade ou a infelicidade acontecem por acaso, e não há nada que se possa fazer para conquistar uma ou outra. É claro que ter saúde e dinheiro é melhor do que não tê-los, mas tê-los não é garantia para a felicidade. Esse ponto de vista desobriga o ser humano de correr atrás da felicidade, tornando-o mais tranqüilo para viver os momentos da maneira que se apresentam. Não ser responsável pela própria felicidade evita uma sensação de fracasso que acompanha quem vive em uma sociedade onde a felicidade é valor e não mais apenas um estado de espírito. Não basta mais se belo, inteligente e rico: é preciso ser feliz.

Enfim, um livrinho como esse dá muito pano pra manga. É pequeno, a linguagem é acessível e as referências são menos distantes do que as que normalmente fazem parte dos áridos textos filosóficos. Tirando o capricho do autor, suas idéias valem ser consideradas, principalmente à luz do modo como vivemos hoje.

Para ir além





Adriana Baggio
Curitiba, 2/10/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Quixote de Will Eisner de Celso A. Uequed Pitol
02. Do brócolis ao samba de Adriana Baggio


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2003
01. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
02. Aventuras pelo discurso de Foucault - 30/1/2003
03. Carga mais leve para Pedro e Bino - 8/5/2003
04. Apesar da Barra, o Rio continua lindo - 9/1/2003
05. Encontro com o peixe-boi - 16/1/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/10/2003
15h12min
Muito interessante Adriana. Falando em filosofia, um autor de quem jamais li "blablabla" ou "mas,mas", é o Bertrand Russell, em "História da Filosofia Ocidental". Que quase ninguem ouça falar desse livro hoje me parece sintomático da desconversa e enrolação que permeia esse assunto. Gostaria de saber sua opinião.
[Leia outros Comentários de Alessandro]
17/10/2003
17h24min
Sobre a felicidade, li um ótimo livro que esmiuça bem esse cansaço que nossos músculos faciais sentem hoje em dia em sempre estar sorrindo e sorrindo. Só não concordo com os autores, o que você analisou e, o que eu li, Pascal Bruckner ( A euforia perpétua - ensaio sobre o dever da felicidade)quando falam na religião católica. O próprio símbolo católico de jesus sacrificado na cruz é uma prova de que se Ele sofreu, digamos, o filho de Deus, imagine nós aqui na terra. A religião protestante, mais mercantilista que qualquer outra, retirou o Jesus banhado em sangue e com expressão facial tomada de sofrimento. No mais, concordo com tudo. O pior, é que não adianta só ser feliz, temos que provar que somos. E tome alto afirmação pessoal em qualquer canto que formos. Principalmente, em ambientes de trabalho. O pior é que muitos se dizem budistas e como mostra Bruckner, eles disvirtuam os ensinos de Buda. Eles praticamente exibem suas tripas interiores, ao invés de procurar o nirvana em um processo solitário em cada um deles. Sinceramente, haja babaquice!!!
[Leia outros Comentários de Izabela Pires Raposo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PROFISSIONAUTA
SIMON FRANCO
FUTURA
(2001)
R$ 10,00



TARSILA DO AMARAL - COLEÇÃO FOLHA GRANDES PINTORES BRASILEIROS VOL. 3
FOLHA DE S. PAULO
FOLHA DE S.PAULO
(2013)
R$ 35,00



NOVO MANUAL NOVA CULTURAL - BIOLOGIA
HÉLVIO N. MOISÉS E THAIS H. F. SANTOS
NOVA CULTURA
(1993)
R$ 10,00



HOMEM - ARANHA Nº 17
ROBERT CIVITA
ABRIL
(2001)
R$ 30,00



DEFESA DO CONSUMIDOR
IRACEMA A. VALVERDE, CARLOS SAMPAIO, CLAUDIO
ADCOAS; ESPLANADA
(2001)
R$ 41,28



PSICOLOGIA DA GRAVIDEZ: PARTO E PUERPÉRIO 17ª ED
MARIA TEREZA MALDONADO
SARAIVA
(2005)
R$ 29,00



INFÂNCIA E CULTURA DIGITAL - DIÁLOGO COM GERAÇÕES
JACKSON BENTES
APPRIS
(2016)
R$ 27,00



O DIÁRIO DE ANNE FRANK - 75ª EDIÇÃO ( EDIÇÃO DEFINITIVA / EDIÇÃO INTEGRAL)
OTTO H. FRANK & MIRJAM PRESSLER
RECORD
(2015)
R$ 44,95



AI, QUE ABSURDO!
NARCIZA TAMBORINDEGUY
MATRIX
(2010)
R$ 34,00



DESIGN FOR SAFETY
DAVID B. THURSTON
MCGRAW-HILL
(1980)
R$ 30,00





busca | avançada
44941 visitas/dia
1,3 milhão/mês