Sobre as estátuas de Viena | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
62561 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> DIADORIM | NONADA SP
>>> Porto Blue Sound, festival de música gratuito chega a Belo Horizonte em julho
>>> Projeto Memória leva legado de Lélia Gonzalez ao CCBB BH
>>> DJ Erick Jay participa de A Quebrada É Boa, evento realizado pelo Monarckas em Sapopemba
>>> Espetáculos gratuitos da São Paulo Escola de Dança acontecem na Pinacoteca e Teatro de Contêiner
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Código de Defesa do Consumidor e Maradona
>>> Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I)
>>> Meu Sagarana
>>> Enquanto agonizo, de William Faulkner
>>> Silêncio e grito
>>> O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues
>>> The News is Now Public
>>> Adeus, Tony Scott!
>>> Debret e o Brasil, pela editora Capivara
>>> Contrate seu Personal Twitter
Mais Recentes
>>> Hedge Funds - An Analytic Perspective (Revised and Expanded Edition) de Andrew W. Lo pela Princeton University Press (2010)
>>> Histórias que a vida conta de Luiz George de Oliveira Bello pela Porto Alegre (1978)
>>> Livro Teatro Romeu e Julieta & Tito Andronico Clássicos de Bolso de William Shakespeare; Carlos Alberto Nunes pela Ediouro
>>> Memórias da Rua do Ouvidor de Joaquim Manuel de Macedo pela Unb (1988)
>>> One Piece Blue Deep - Mundo De Personagens de Eiichiro Oda pela Panini Brasil (2019)
>>> Livro Literatura Estrangeira Betsabé de Torgny Lindgren pela Record (1984)
>>> Amor É Vida de Frei Anselmo Fracasso pela Vozes (1998)
>>> Voce Aguenta Ser Feliz? de Nizan Guanaes, Arthur Guerra pela Sextante (2022)
>>> R.U.R: Os Robôs Universais de Rossum Capa dura de Karel Capek pela Aleph (2024)
>>> Querido Diário de Christina Kilbourne pela Companhia Nacional (2013)
>>> R.U.R: Os Robôs Universais de Rossum Capa dura de Karel Capek pela Aleph (2024)
>>> Edifício Gaetano Donizetti - Contos Entrelaçados de Roberto de Castro Neves pela Outras Letras (2019)
>>> Livro Religião Nossa Vida é uma Festa de Nadir José Brun pela Santuário (1993)
>>> Coleção Mangás Pokémon Red Green Blue - Volumes 1 Ao 3 de Hidenori Kusaka pela Panini Comics (2016)
>>> HQ Rei da Polícia Montada de Rge pela Rge (1965)
>>> Principios Basicos Para Uma Vida Crista Vitoriosa de Reinhard Bonnke pela Bello Publicações (2014)
>>> Livro Sociologia Questões do Século XXI Edição Especial Tomo 1 Coleção Questões da Nossa Época Volume 100 Edição de Bolso de José Eustáquio Romão pela Cortez (2003)
>>> Pai Rico, Pai Pobre de Robert T. Kiyosaki, Sharon Lechter pela Campus (2000)
>>> Os Salmos de Davi : Interpretados por JHS de Sérgio O. Souza pela Sociedade Brasileira de Eubiose (1999)
>>> Fogo e fragrância de Andy Byrd e Sean Feucht pela Quatro Ventos (2018)
>>> Dez Anos que Encolheram o Mundo de Daniel Piza pela Leya (2011)
>>> Livro Gibis Lobo Solitário O Dia de Expurgar Demônios Volume 14 de Kazuo Koike; Goseki Kojima pela Panini Comics (2006)
>>> Pequenos Delitos de Tacito Naves Sanglard pela Do Autor (2009)
>>> Sabedoria Para Vencer de Mike Murdock pela Central Gospel (2010)
>>> Livro Literatura Estrangeira A Carta Roubada E Outras Histórias De Crime E Mistério Coleção L&PM Pocket Volume 331 de Edgar Allan Poe pela L&pm (2003)
COLUNAS >>> Especial Viagem

Quarta-feira, 11/7/2001
Sobre as estátuas de Viena
Paulo Polzonoff Jr
+ de 4700 Acessos

Não conheço Viena como a palma da minha mão. Pelo contrário, estive lá por cinco dias e posso dizer que pouco vi de realmente interessante sob um sol de quarenta graus, exceto pela catedral que a guerra quase matou e por um cemitério quase isolado, que se me revelou como uma das mais belas coisas que o homem já construiu para enaltecer o ato de morrer e, por consequência, o de viver.

Na verdade foi um acaso ter descoberto o cemitério. Ia embora naquele dia e estava cansado e um tanto quanto triste. Mesmo no calor Viena entristece por sua solidão. Olha-se para os lados e pensa-se: então aqui é a Solidão. Nem o Volkspark tira-nos esta impressão. Strauss era um homem triste em Viena, mas mais tristes ainda eram Bethoveen, Mozart e Freud. Por alguns dias, compartilhei desta tristeza.

E pude perceber que parte desta tristeza deve vir do cemitério. Sim, os gênios entraram no cemitério e se encontraram com as estátuas. Sentaram na grama rala, olharam em volta as árvores viçosas que se alimentavam dos cadáveres de seus amigos. E compreenderam.

O momento da compreensão é sempre o mais difícil. A boca entorta um pouco, os olhos encolhem-se e tudo fica marejado como o Danúbio. Neste instante, as estátuas começam a falar e você, quase sem querer, com elas está dialogando um diálogo de pedra e de eternidade. Não faço aqui um guia turístico porque sei serem poucos os que são iluminados pelo silêncio das estátuas do cemitério em Viena. É preciso um conjunto de fatores que o eleva como a um monge budista e o faz tocar fogo em sua alma em frente às câmeras de Deus, para renascer, súbito.

Há ainda aqueles que, num primeiro momento, desdenham para as estátuas. Cá está um deles a lhes narrar esta história. Sentei-me num dos muitos bancos. Sabia que dali podia-se sentir algo mais do que a morte centenária das lápides. E bastou-me olhar uma mulher para saber o que era.

Se você, leitor, estiver achando mórbido demais esta história de falar sobre as estátuas de um cemitério em Viena, tenho de lhe avisar que começou o tão esperado capítulo da novela, no qual sicrano diz que ama fulana. Imperdível.

Voltando ao cemitério: quando eu a vi inúmeras foram as comparações que fiz. Primeiro pensei nas estátuas greco-romanas, mas, ora, que comparação mais pífia eu poderia fazer! Aquele monte de japonês tirando foto de uma estátua greco-romana não fazia jus a ela. Então procurei nos desvãos de minha memória algo tão forte e belo. Claro, Beethoven. Claro, A Nona Sinfonia. Ainda assim eu estava num plano inferior aos olhos. Muitos pensam que a Nona de Beethoven não ouve, quando na verdade seu único defeito é não enxergar.

Numa noite triste, contudo, a quilômetros do cemitério em Viena, compreendi que ela se assemelhava não a uma, mas a todas as estátuas daquele cemitério. Mais: ela era a grama rala, os tipos deteriorados das lápides, os chorões convidando ao abrigo, as raízes profanando túmulos. Ah, eu disse noite triste e todos já vão pensar que a tristeza é destas coisas que fazem a gente pensar em morrer. Enganam-se, os ingênuos: a tristeza é o que nos faz não pensar ou, pior, pensar que somos felizes.

Triste sim, não porque eu ousasse não pensar (é defeito conhecido que penso demais), mas porque deixei-me, naquela hora, iludir-me com a idéia da felicidade. E sobre este termo tenho mais ainda a dizer, porque é a ele que está ligada a idéia das estátuas do cemitério de Viena.

Mais um aviso ao leitor, que teve paciência de até aqui chegar. Se para o senhor a felicidade é tão-somente rir diante de uma piada, corra que o senhor ainda pode pegar a segunda parte daquele filme legal com aquele ator legal. Corre!

Pois bem. A felicidade às vezes está num olhar melancólico. Há inúmeras mulheres que vejo pela rua e tenho a intenção de interpelá-las e perguntar-lhes o porquê da melancolia, o porquê daquela felicidade que, bem sei, ela não vai notar, porque está mais preocupada em cuidar de suas olheiras e de sua maquiagem prestes a borrar por conta do choro que escorrerá lindo pela face rosada que odeia. Oh, meu Deus, por que me deste a percepção da melancolia, a adoração da melancolia, a paixão da melancolia? Destas mulheres, muitas chegarão em casa e deitarão em suas camas e pensarão que são infelizes. Até verem as estátuas de Viena, claro.

Aproximar-se, por exemplo, de um anjo, só é possível neste cemitério - e depois da "iluminação". Dele estive perto, contemplei-lhe o olho caído, o queixo quase a encostar no peito, as asas sem vida. E sob este anjo, tão divinamente melancólico, o túmulo de um nome alemão que desconheço, mas cujos restos, sob a terra, exalavam um sincero ar de felicidade. O anjo estava rente ao muro e sua expressão era de uma resignação acalentadora. Assim são os colos das mães e das mulheres após o amor: acalentadores. Como o olhar daquele anjo.

Um anjo, contudo, é um ser que às vezes pode ser traiçoeiro. Melhor pensarmos nas figuras infantis que enfeitam os túmulos daquele cemitério em Viena. Por Deus, não há lugar onde a vida se faça tão expressiva quanto naquele anjo balofo e morto sobre o túmulo de uma criança, pela qual desesperou-se a mãe!

Aqui já bastaria para dar um exemplo da felicidade que é poder compará-la sutilmente ao cemitério de Viena. Sua doce melancolia, seus olhos fundos e sem explicação, seu sorriso travesso, seu andar maduro, sua voz que conflui para um sinfonia de Tchaikovsky, por mais que dele desgostem os experts. Sua melancolia é como aquele quadro de Hopper sobre o qual falávamos naquela noite: uma mulher em tons de verde, segurando um papel, provavelmente uma carta, decidindo ir embora para sempre daquele quarto de hotel, guardar num porão no lóbulo temporal direito todas as agruras e até mesmo todas as alegrias daquele dia, concluindo, por fim, que a vida vale a pena, nem que seja para, num átimo, estar sob as estátuas num cemitério remoto em Viena.

Esqueci de mencionar outra figura comum entre as ruelas esverdeadas do cemitério: a donzela. Pelo menos imagino ser uma donzela. É uma figura sempre quebrada: faltam-lhe os braços ou a cabeça ou ambos. Pode-se perceber um capuz que se transforma num manto escondendo as omoplatas. O olhar é como o do anjo: baixo. É tão pungente o seu sofrer que não condenaria um vândalo que porventura a destruísse. Eu quero ver uma lágrima de sangue sair dos olhos pétreos da donzela, mas tudo que vejo são fungos e uma boca para sempre silenciosa, num lamento profundo, sobre o qual nossa percepção diz muito pouco. Esta donzela é a beleza em seu estado maior. Deve ter sido feita às dúzias por um escultor qualquer. Não tem beleza diante de turistas japoneses no Louvre. Sobre aquele túmulo, contudo, é sublime.

Assim encerro este texto que fala das estátuas do cemitério de Viena e do jeito como a tristeza pode ser subvertida em seu significado mais vulgar. Foi pensando nisso tudo, foi lhe beijando e pensando naquele maldito poeta cujo nome sempre me escapa e que disse uma vez que quem ama por uma noite ama eternamente, foi assim que lhe disse que queria te fazer feliz.

Queria muito. Mas como isto não é possível, porque somos dois seres melancólicos, queria fazer com que sua melancolia fosse a mais linda de todas as tristezas que já vi e vivi. Queria que sua melancolia se parecesse com as eternas estátuas dos túmulos de Viena. Queria que as mulheres, num futuro, brancas e pálidas e tristes, com olhos verdes mais tristes que os seus, invejassem-na porque você teve a mim, um homem que fez de sua melancolia sinônimo subvertido da felicidade.



Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 11/7/2001

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Onde os 'barbeiros' passeiam de Carla Ceres


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


Mais Especial Viagem
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Fuja das Dietas Aprendendo a Comer: Escolha Isso, Não Aquilo!
Antonio H. L. Junior, Luciana O. P. Lancha
Manole
(2012)



Livro Gibis Bone Volume 10 A Princesa Revelada
Jeff Smith
Via Lettera
(2006)



Livro Administração Gerenciamento de Projetos
Paul Campbell Dinsmore; Fernando Henrique
Qualitymark
(2004)



Como Educar sem Usar a Violência (lacrado)
Dora Lorch
Summus
(2007)



Viagem pela História do Brasil
Jorge Caldeira
Companhia das Letras
(1997)



Livro Das Princesas 580
Meg Cabot
Galera Record
(2014)



Os Inimigos
Máximo Górki
Brasiliense
(1966)



Enquanto Eu Estivesse Fora...
Sue Miller
Bertrand
(2000)



Livro Literatura Brasileira A Solidão do Livro Emprestado Coleção Rinoceronte
André Giusti
7 Letras
(2003)



Livro História do Brasil História da República
José Maria Bello
Companhia Nacional
(1954)





busca | avançada
62561 visitas/dia
2,3 milhões/mês