Sobre as estátuas de Viena | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
63997 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Viagem

Quarta-feira, 11/7/2001
Sobre as estátuas de Viena
Paulo Polzonoff Jr

+ de 4000 Acessos

Não conheço Viena como a palma da minha mão. Pelo contrário, estive lá por cinco dias e posso dizer que pouco vi de realmente interessante sob um sol de quarenta graus, exceto pela catedral que a guerra quase matou e por um cemitério quase isolado, que se me revelou como uma das mais belas coisas que o homem já construiu para enaltecer o ato de morrer e, por consequência, o de viver.

Na verdade foi um acaso ter descoberto o cemitério. Ia embora naquele dia e estava cansado e um tanto quanto triste. Mesmo no calor Viena entristece por sua solidão. Olha-se para os lados e pensa-se: então aqui é a Solidão. Nem o Volkspark tira-nos esta impressão. Strauss era um homem triste em Viena, mas mais tristes ainda eram Bethoveen, Mozart e Freud. Por alguns dias, compartilhei desta tristeza.

E pude perceber que parte desta tristeza deve vir do cemitério. Sim, os gênios entraram no cemitério e se encontraram com as estátuas. Sentaram na grama rala, olharam em volta as árvores viçosas que se alimentavam dos cadáveres de seus amigos. E compreenderam.

O momento da compreensão é sempre o mais difícil. A boca entorta um pouco, os olhos encolhem-se e tudo fica marejado como o Danúbio. Neste instante, as estátuas começam a falar e você, quase sem querer, com elas está dialogando um diálogo de pedra e de eternidade. Não faço aqui um guia turístico porque sei serem poucos os que são iluminados pelo silêncio das estátuas do cemitério em Viena. É preciso um conjunto de fatores que o eleva como a um monge budista e o faz tocar fogo em sua alma em frente às câmeras de Deus, para renascer, súbito.

Há ainda aqueles que, num primeiro momento, desdenham para as estátuas. Cá está um deles a lhes narrar esta história. Sentei-me num dos muitos bancos. Sabia que dali podia-se sentir algo mais do que a morte centenária das lápides. E bastou-me olhar uma mulher para saber o que era.

Se você, leitor, estiver achando mórbido demais esta história de falar sobre as estátuas de um cemitério em Viena, tenho de lhe avisar que começou o tão esperado capítulo da novela, no qual sicrano diz que ama fulana. Imperdível.

Voltando ao cemitério: quando eu a vi inúmeras foram as comparações que fiz. Primeiro pensei nas estátuas greco-romanas, mas, ora, que comparação mais pífia eu poderia fazer! Aquele monte de japonês tirando foto de uma estátua greco-romana não fazia jus a ela. Então procurei nos desvãos de minha memória algo tão forte e belo. Claro, Beethoven. Claro, A Nona Sinfonia. Ainda assim eu estava num plano inferior aos olhos. Muitos pensam que a Nona de Beethoven não ouve, quando na verdade seu único defeito é não enxergar.

Numa noite triste, contudo, a quilômetros do cemitério em Viena, compreendi que ela se assemelhava não a uma, mas a todas as estátuas daquele cemitério. Mais: ela era a grama rala, os tipos deteriorados das lápides, os chorões convidando ao abrigo, as raízes profanando túmulos. Ah, eu disse noite triste e todos já vão pensar que a tristeza é destas coisas que fazem a gente pensar em morrer. Enganam-se, os ingênuos: a tristeza é o que nos faz não pensar ou, pior, pensar que somos felizes.

Triste sim, não porque eu ousasse não pensar (é defeito conhecido que penso demais), mas porque deixei-me, naquela hora, iludir-me com a idéia da felicidade. E sobre este termo tenho mais ainda a dizer, porque é a ele que está ligada a idéia das estátuas do cemitério de Viena.

Mais um aviso ao leitor, que teve paciência de até aqui chegar. Se para o senhor a felicidade é tão-somente rir diante de uma piada, corra que o senhor ainda pode pegar a segunda parte daquele filme legal com aquele ator legal. Corre!

Pois bem. A felicidade às vezes está num olhar melancólico. Há inúmeras mulheres que vejo pela rua e tenho a intenção de interpelá-las e perguntar-lhes o porquê da melancolia, o porquê daquela felicidade que, bem sei, ela não vai notar, porque está mais preocupada em cuidar de suas olheiras e de sua maquiagem prestes a borrar por conta do choro que escorrerá lindo pela face rosada que odeia. Oh, meu Deus, por que me deste a percepção da melancolia, a adoração da melancolia, a paixão da melancolia? Destas mulheres, muitas chegarão em casa e deitarão em suas camas e pensarão que são infelizes. Até verem as estátuas de Viena, claro.

Aproximar-se, por exemplo, de um anjo, só é possível neste cemitério - e depois da "iluminação". Dele estive perto, contemplei-lhe o olho caído, o queixo quase a encostar no peito, as asas sem vida. E sob este anjo, tão divinamente melancólico, o túmulo de um nome alemão que desconheço, mas cujos restos, sob a terra, exalavam um sincero ar de felicidade. O anjo estava rente ao muro e sua expressão era de uma resignação acalentadora. Assim são os colos das mães e das mulheres após o amor: acalentadores. Como o olhar daquele anjo.

Um anjo, contudo, é um ser que às vezes pode ser traiçoeiro. Melhor pensarmos nas figuras infantis que enfeitam os túmulos daquele cemitério em Viena. Por Deus, não há lugar onde a vida se faça tão expressiva quanto naquele anjo balofo e morto sobre o túmulo de uma criança, pela qual desesperou-se a mãe!

Aqui já bastaria para dar um exemplo da felicidade que é poder compará-la sutilmente ao cemitério de Viena. Sua doce melancolia, seus olhos fundos e sem explicação, seu sorriso travesso, seu andar maduro, sua voz que conflui para um sinfonia de Tchaikovsky, por mais que dele desgostem os experts. Sua melancolia é como aquele quadro de Hopper sobre o qual falávamos naquela noite: uma mulher em tons de verde, segurando um papel, provavelmente uma carta, decidindo ir embora para sempre daquele quarto de hotel, guardar num porão no lóbulo temporal direito todas as agruras e até mesmo todas as alegrias daquele dia, concluindo, por fim, que a vida vale a pena, nem que seja para, num átimo, estar sob as estátuas num cemitério remoto em Viena.

Esqueci de mencionar outra figura comum entre as ruelas esverdeadas do cemitério: a donzela. Pelo menos imagino ser uma donzela. É uma figura sempre quebrada: faltam-lhe os braços ou a cabeça ou ambos. Pode-se perceber um capuz que se transforma num manto escondendo as omoplatas. O olhar é como o do anjo: baixo. É tão pungente o seu sofrer que não condenaria um vândalo que porventura a destruísse. Eu quero ver uma lágrima de sangue sair dos olhos pétreos da donzela, mas tudo que vejo são fungos e uma boca para sempre silenciosa, num lamento profundo, sobre o qual nossa percepção diz muito pouco. Esta donzela é a beleza em seu estado maior. Deve ter sido feita às dúzias por um escultor qualquer. Não tem beleza diante de turistas japoneses no Louvre. Sobre aquele túmulo, contudo, é sublime.

Assim encerro este texto que fala das estátuas do cemitério de Viena e do jeito como a tristeza pode ser subvertida em seu significado mais vulgar. Foi pensando nisso tudo, foi lhe beijando e pensando naquele maldito poeta cujo nome sempre me escapa e que disse uma vez que quem ama por uma noite ama eternamente, foi assim que lhe disse que queria te fazer feliz.

Queria muito. Mas como isto não é possível, porque somos dois seres melancólicos, queria fazer com que sua melancolia fosse a mais linda de todas as tristezas que já vi e vivi. Queria que sua melancolia se parecesse com as eternas estátuas dos túmulos de Viena. Queria que as mulheres, num futuro, brancas e pálidas e tristes, com olhos verdes mais tristes que os seus, invejassem-na porque você teve a mim, um homem que fez de sua melancolia sinônimo subvertido da felicidade.



Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 11/7/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 4 filmes sobre publicar livros de Ana Elisa Ribeiro
02. O Vosso Reino de Luís Fernando Amâncio
03. Treliças bem trançadas de Ana Elisa Ribeiro
04. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker de Heloisa Pait


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


Mais Especial Viagem
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A FUSÃO DO FEMININO
CHRIS GRISCOM
SICILIANO
(1991)
R$ 5,00



DIREITO COMERCIAL 1
JOSÉ MARCELO MARTINS PROENÇA
SARAIVA
(2005)
R$ 6,90



SUCESSO ESCOLAR
MÁRIO DE NORONHA E ZÉLIA DE NORONHA
PLÁTANO
(1998)
R$ 17,86



O PECADO DE JOÃO AGONIA - BERNARDO SANTARENO (TEATRO PORTUGUÊS)
BERNARDO SANTARENO
EDIÇÕES ÁTICA
(1969)
R$ 20,00



COLEÇÃO PRIMEIROS PASSOS: O QUE É EDUCAÇÃO FISICA
VITOR MARINHO DE OLIVEIRA
BRASILIENSE
(1985)
R$ 5,00



HISTÓRIA EM REVISTA 1850-1900: SENHORES COLONIAIS
EDITORA ABRIL
ABRIL
(1996)
R$ 7,90



O SORRISO DA SOCIEDADE: INTRIGA E CRIME NO MUNDO LITERÁRIO DA BELLE ÉPOQUE (LITERATURA BRASILEIRA)
ANNA LEE
OBJETIVA
(2006)
R$ 20,00



SINOPSES JURÍDICAS. PROCESSO PENAL. PROCEDIMENTOS, NULIDADES RECURSOS
ALEXANDRE CEBRIAN ARAÚJO VICTOR EDUARDO
SARAIVA
(2007)
R$ 9,99



ESTÁ ESCRITO: DOCUMENTOS QUE ASSINALARAM ÉPOCAS
PAUL FRISCHAUER (2ª EDIÇÃO)
MELHORAMENTOS
(1973)
R$ 9,00



OLHAI OS LÍRIOS DO CAMPO - 60ª ED.
ÉRICO VERÍSSIMO
GLOBO
R$ 7,99





busca | avançada
63997 visitas/dia
1,8 milhão/mês