Sobre as estátuas de Viena | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
Mais Recentes
>>> O Ponto de Mutação de Fritjof Capra pela Círculo do Livro (1990)
>>> Plexus de Henry Miller pela Record (1967)
>>> Uma Questão de Fé de Jodi Picoult pela Planeta (2008)
>>> Vivendo seu Amor de Carolyn Rathbun Sutton e Ardis Dick Stenbakken (compilação) pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> O Significado da Astrologia de Elizabeth Teissier pela Bertrand (1979)
>>> Um amor de gato de Glenn Dromgoole pela Publifolha (2002)
>>> Origami & Artesanato em Papel de Paul Jackson & Angela A'Court pela Edelbra (1995)
>>> Gestão de Pessoas de Idalberto Chiavenato pela Campus (2010)
>>> Album de família de Danielle Stell pela Record
>>> Passageiros da ilusão de Danielle Stell pela Record (1988)
>>> Casa forte de Danielle Stell pela Record
>>> Segredo de uma promessa de Danielle Stell pela Record
>>> Enquanto o amor não vem de Iyanla Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Relembrança de Danielle Stell pela Record
>>> O Egypto de Eça de Queiroz pela Porto (1926)
>>> Momentos de paixão de Danielle Stell pela Record
>>> Um desconhecido de Danielle Stell pela Record
>>> Uma vez só na vida de Danielle Stell pela Record
>>> O apelo do amor de Danielle Stell pela Record (1983)
>>> Agora e sempre de Danielle Stell pela Record (1985)
>>> O Princípio Constitucional da Igualdade e o Direito do Consumidor de Adriana Carvalho Pinto Vieira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Histórias Anunciadas de Djalma França pela Decálogo/ belo Horizonte (2003)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
COLUNAS >>> Especial Viagem

Quarta-feira, 11/7/2001
Sobre as estátuas de Viena
Paulo Polzonoff Jr

+ de 3800 Acessos

Não conheço Viena como a palma da minha mão. Pelo contrário, estive lá por cinco dias e posso dizer que pouco vi de realmente interessante sob um sol de quarenta graus, exceto pela catedral que a guerra quase matou e por um cemitério quase isolado, que se me revelou como uma das mais belas coisas que o homem já construiu para enaltecer o ato de morrer e, por consequência, o de viver.

Na verdade foi um acaso ter descoberto o cemitério. Ia embora naquele dia e estava cansado e um tanto quanto triste. Mesmo no calor Viena entristece por sua solidão. Olha-se para os lados e pensa-se: então aqui é a Solidão. Nem o Volkspark tira-nos esta impressão. Strauss era um homem triste em Viena, mas mais tristes ainda eram Bethoveen, Mozart e Freud. Por alguns dias, compartilhei desta tristeza.

E pude perceber que parte desta tristeza deve vir do cemitério. Sim, os gênios entraram no cemitério e se encontraram com as estátuas. Sentaram na grama rala, olharam em volta as árvores viçosas que se alimentavam dos cadáveres de seus amigos. E compreenderam.

O momento da compreensão é sempre o mais difícil. A boca entorta um pouco, os olhos encolhem-se e tudo fica marejado como o Danúbio. Neste instante, as estátuas começam a falar e você, quase sem querer, com elas está dialogando um diálogo de pedra e de eternidade. Não faço aqui um guia turístico porque sei serem poucos os que são iluminados pelo silêncio das estátuas do cemitério em Viena. É preciso um conjunto de fatores que o eleva como a um monge budista e o faz tocar fogo em sua alma em frente às câmeras de Deus, para renascer, súbito.

Há ainda aqueles que, num primeiro momento, desdenham para as estátuas. Cá está um deles a lhes narrar esta história. Sentei-me num dos muitos bancos. Sabia que dali podia-se sentir algo mais do que a morte centenária das lápides. E bastou-me olhar uma mulher para saber o que era.

Se você, leitor, estiver achando mórbido demais esta história de falar sobre as estátuas de um cemitério em Viena, tenho de lhe avisar que começou o tão esperado capítulo da novela, no qual sicrano diz que ama fulana. Imperdível.

Voltando ao cemitério: quando eu a vi inúmeras foram as comparações que fiz. Primeiro pensei nas estátuas greco-romanas, mas, ora, que comparação mais pífia eu poderia fazer! Aquele monte de japonês tirando foto de uma estátua greco-romana não fazia jus a ela. Então procurei nos desvãos de minha memória algo tão forte e belo. Claro, Beethoven. Claro, A Nona Sinfonia. Ainda assim eu estava num plano inferior aos olhos. Muitos pensam que a Nona de Beethoven não ouve, quando na verdade seu único defeito é não enxergar.

Numa noite triste, contudo, a quilômetros do cemitério em Viena, compreendi que ela se assemelhava não a uma, mas a todas as estátuas daquele cemitério. Mais: ela era a grama rala, os tipos deteriorados das lápides, os chorões convidando ao abrigo, as raízes profanando túmulos. Ah, eu disse noite triste e todos já vão pensar que a tristeza é destas coisas que fazem a gente pensar em morrer. Enganam-se, os ingênuos: a tristeza é o que nos faz não pensar ou, pior, pensar que somos felizes.

Triste sim, não porque eu ousasse não pensar (é defeito conhecido que penso demais), mas porque deixei-me, naquela hora, iludir-me com a idéia da felicidade. E sobre este termo tenho mais ainda a dizer, porque é a ele que está ligada a idéia das estátuas do cemitério de Viena.

Mais um aviso ao leitor, que teve paciência de até aqui chegar. Se para o senhor a felicidade é tão-somente rir diante de uma piada, corra que o senhor ainda pode pegar a segunda parte daquele filme legal com aquele ator legal. Corre!

Pois bem. A felicidade às vezes está num olhar melancólico. Há inúmeras mulheres que vejo pela rua e tenho a intenção de interpelá-las e perguntar-lhes o porquê da melancolia, o porquê daquela felicidade que, bem sei, ela não vai notar, porque está mais preocupada em cuidar de suas olheiras e de sua maquiagem prestes a borrar por conta do choro que escorrerá lindo pela face rosada que odeia. Oh, meu Deus, por que me deste a percepção da melancolia, a adoração da melancolia, a paixão da melancolia? Destas mulheres, muitas chegarão em casa e deitarão em suas camas e pensarão que são infelizes. Até verem as estátuas de Viena, claro.

Aproximar-se, por exemplo, de um anjo, só é possível neste cemitério - e depois da "iluminação". Dele estive perto, contemplei-lhe o olho caído, o queixo quase a encostar no peito, as asas sem vida. E sob este anjo, tão divinamente melancólico, o túmulo de um nome alemão que desconheço, mas cujos restos, sob a terra, exalavam um sincero ar de felicidade. O anjo estava rente ao muro e sua expressão era de uma resignação acalentadora. Assim são os colos das mães e das mulheres após o amor: acalentadores. Como o olhar daquele anjo.

Um anjo, contudo, é um ser que às vezes pode ser traiçoeiro. Melhor pensarmos nas figuras infantis que enfeitam os túmulos daquele cemitério em Viena. Por Deus, não há lugar onde a vida se faça tão expressiva quanto naquele anjo balofo e morto sobre o túmulo de uma criança, pela qual desesperou-se a mãe!

Aqui já bastaria para dar um exemplo da felicidade que é poder compará-la sutilmente ao cemitério de Viena. Sua doce melancolia, seus olhos fundos e sem explicação, seu sorriso travesso, seu andar maduro, sua voz que conflui para um sinfonia de Tchaikovsky, por mais que dele desgostem os experts. Sua melancolia é como aquele quadro de Hopper sobre o qual falávamos naquela noite: uma mulher em tons de verde, segurando um papel, provavelmente uma carta, decidindo ir embora para sempre daquele quarto de hotel, guardar num porão no lóbulo temporal direito todas as agruras e até mesmo todas as alegrias daquele dia, concluindo, por fim, que a vida vale a pena, nem que seja para, num átimo, estar sob as estátuas num cemitério remoto em Viena.

Esqueci de mencionar outra figura comum entre as ruelas esverdeadas do cemitério: a donzela. Pelo menos imagino ser uma donzela. É uma figura sempre quebrada: faltam-lhe os braços ou a cabeça ou ambos. Pode-se perceber um capuz que se transforma num manto escondendo as omoplatas. O olhar é como o do anjo: baixo. É tão pungente o seu sofrer que não condenaria um vândalo que porventura a destruísse. Eu quero ver uma lágrima de sangue sair dos olhos pétreos da donzela, mas tudo que vejo são fungos e uma boca para sempre silenciosa, num lamento profundo, sobre o qual nossa percepção diz muito pouco. Esta donzela é a beleza em seu estado maior. Deve ter sido feita às dúzias por um escultor qualquer. Não tem beleza diante de turistas japoneses no Louvre. Sobre aquele túmulo, contudo, é sublime.

Assim encerro este texto que fala das estátuas do cemitério de Viena e do jeito como a tristeza pode ser subvertida em seu significado mais vulgar. Foi pensando nisso tudo, foi lhe beijando e pensando naquele maldito poeta cujo nome sempre me escapa e que disse uma vez que quem ama por uma noite ama eternamente, foi assim que lhe disse que queria te fazer feliz.

Queria muito. Mas como isto não é possível, porque somos dois seres melancólicos, queria fazer com que sua melancolia fosse a mais linda de todas as tristezas que já vi e vivi. Queria que sua melancolia se parecesse com as eternas estátuas dos túmulos de Viena. Queria que as mulheres, num futuro, brancas e pálidas e tristes, com olhos verdes mais tristes que os seus, invejassem-na porque você teve a mim, um homem que fez de sua melancolia sinônimo subvertido da felicidade.



Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 11/7/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nos braços de Tião e de Helena de Renato Alessandro dos Santos
02. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker de Heloisa Pait
04. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti
05. Minha Terra Tem Palmeiras de Marilia Mota Silva


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Um repórter a mil calorias por dia* - 5/9/2001


Mais Especial Viagem
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MARCADA
P. C. CAST E KRISTIN CAST
NOVO SÉCULO
(2009)
R$ 17,85



DAVID COPPERFIELD
CHARLES DICKENS
EDIOURO
R$ 53,91
+ frete grátis



IMPÉRIOS ACIDENTAIS
ROBERT X. CRINGELY
EDIOURO
(1995)
R$ 12,00



MORE CHORES - R: CONTROLLED VOWELS (OR)
SUZANNE BARCHERS
LEAP
(2010)
R$ 20,82



VITÓRIA
ANKA MUHLSTEIN
CIA DAS LETRAS
(1999)
R$ 31,50
+ frete grátis



RELAÇÕES LITERÁRIAS E CULTURAIS ENTRE RÚSSIA E BRASIL
LEONID A. SHUR
PERSPECTIVA
(1986)
R$ 4,00



ESPORTE PARA A SAÚDE NOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL
VILMA LENÍ NISTA- PICCOLO E WAGNER WEY MOREIRA
ED. CORTEZ
(2012)
R$ 50,16



TOM JONES VOL. 50
HENRY FIELDING
ABRIL CULTURAL
(1973)
R$ 4,00



O SENTIDO DA FILOSOFIA
MARCEL CONCHE
MARTINS FONTES
(2006)
R$ 20,00
+ frete grátis



LIVROS DIDÁTICOS 1º ANO ENSINO MÉDIO EDEBE
VÁRIOS AUTORES
EDEBÉ
(2013)
R$ 129,00





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês