Canto Infantil Nº 2: A Hora do Amor | Daniel Aurelio | Digestivo Cultural

busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fantasmas do antigo Recife
>>> Luther King sobre os fracos
>>> O centenário do Castor
>>> O comercial do Obama
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> Mininas no Canto Madalena
>>> Quase cinquenta
>>> Bate-papo com Odir Cunha
>>> Entrevista com Sérgio Rodrigues
>>> Leblon
Mais Recentes
>>> Eu Fico Loko -As Desventuras de Um Adolescente Nada Convencional de Christian Figueiredo de Caldas pela Novas Páginas (2015)
>>> Teoria Geral do Direito e Marxismo de Evguiéni B. Pachukanis pela Boitempo (2017)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Abril Cultural (1981)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1974)
>>> A Questão Urbana de Manuel Castells pela Paz e Terra (1983)
>>> Esquerdismo Doença Infantil do Comunismo de V. I. Lenin pela Expressão Popular (2014)
>>> Crônicas de Nuestra América de Augusto Boal pela Codecri (1977)
>>> A Desumanização da Arte de José Ortega y Gasset pela Cortez (1991)
>>> Homens Em Tempos Sombrios de Hannah Arendt pela Companhia De Bolso (2013)
>>> A Música do Tempo Infinito de Tales A. M .Ab'Sáber pela Cosac & Naify (2012)
>>> Poesia e Filosofia de Antonio Cicero pela Civilização Brasileira (2012)
>>> A Estrada da Noite de Joe Hill pela Sextante (2007)
>>> O ornamento da massa de Siegfried Kracauer pela Cosac & Naify (2009)
>>> O Horror Econômico de Viviane Forrester pela Unesp (1997)
>>> Merleau-ponty e a Educação de Marina Marcondes Machado pela Autentica (2010)
>>> Revoluções de Michael Lowy pela Boitempo (2009)
>>> O Anticristo de Friedrich Nietzsche pela Lpm pocket (2008)
>>> E no Final a Morte de Agatha Christie pela Lpm pocket (2010)
>>> Estetica da Emergencia de Reinaldo Laddaga; Magda Lopes pela Martins Fontes (2012)
>>> Pós-produção: Como a Arte Reprograma o Mundo Contemporâneo de Nicolas Bourriaud pela Martins Fontes (2009)
>>> A saga da família Klabin-Lafer de Ronaldo Costa Couto pela Klabin (2020)
>>> Tudo Pelo Amor Dele de Sandie Jones pela Única (2019)
>>> Um Encontro de Sombras de V E Schwab pela Record (2017)
>>> O Vilarejo de Raphael Montes pela Suma das Letras (2015)
>>> Dança da Escuridão de Marcus Barcelos pela Faro (2016)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/11/2003
Canto Infantil Nº 2: A Hora do Amor
Daniel Aurelio
+ de 18100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

A primeira das sete vezes em que li "A Hora do Amor", do romancista Álvaro Cardoso Gomes, foi por urgência. Aos doze anos, eu não passava de um mau aluno estudando em uma má escola pública, que ladeava suas divisas territoriais com o que havia de menos dócil na periferia. Eu tinha tudo para dar errado.

Minha mãe fora convocada pela diretoria da EMPG. Motivo de briga, eu acho. Eu tinha tudo para dar errado, mas ainda sim me pelava com as chineladas maternas. Um completo merdinha. Um merdinha que, apesar dos pesares, consumia sozinho uma página semanal do controle de empréstimos na biblioteca.

Eu precisava despistar o temor. Melhor que ela chegasse logo, com os ouvidos ainda queimando expurgos contra o caçula da prole, que o ínterim é de uma angústia atroz. Precisava ler qualquer coisa. E na estante do meu irmão desbotava-se o livro, herança das obrigações de sua oitava série. Gostei do título: ouvia muita música romântica, Michael Bolton, essas coisas. Naturalmente, eu estava apaixonado pela garota mais bonita da sala, e cultivava uma foto sua - tirada por um amigo numa dessas Cânon antiqüíssimas, toda disforme - debaixo da gaveta de cuecas. Nunca escondi que sou um cara comum, escrevendo sobre coisas comuns. E um cara comum se apaixona pela garota mais bonita da sala, perdendo o foco da lousa a cada trinta segundos. A "Hora do Amor" parecia um título animador.

Não escapuli do merecido castigo. E a leitura não me tele-transportou para paraísos infinitos e multicoloridos, como insinuava uma antiga propaganda do Ministério da Cultura. Não é estritamente necessário perpetrar espaços metafísicos para achar beleza e encantamento. O amor interiorano-interiorizado de Beto e Lúcia Helena fincou meus dois pés no firmamento. O tal cavalgar no arco íris de Bandeira começava a fazer sentido.

A história descrevia a sessentista Americana dos bailinhos, sorvetes, estilingues e pés de goiabeira no quintal, uma excentricidade para quem nasceu e cresceu em uma metrópole cinza-chumbo, amotinado defronte a tv e o vídeo-game.

Eu nunca soube dependurar-me em árvores.

Que faz de um enredo simples e reiterado - a paixão juvenil - arrebatador a ponto de sobressaltar-se na avalanche de paradidáticos despejados a cada temporada no mercado de livros?

A resposta, em parte, está na biografia do autor, ali no ano de nascimento: 1944. Cardoso Gomes atravessou sua juventude no período, um fator que, se não serve de regra inflexível para a construção minuciosa de um cenário, tem a seu favor a placidez da reminiscência pessoal, a pincelada de emotividade que uma obra do gênero pressupõe. Tendo um infanto-juvenil escrito e engavetado pela ditadura da "linha editorial", atesto o quão saboroso é embrenhar-se por um tempo que lhe pertenceu quando moleque.

Outro aspecto importante, e que não costuma ser privilegiado na escolha do catálogo das editoras especializadas - a julgar pela predileção por contadores de causos operários, ou seja, com metas de publicação a bater - é o refinamento do autor. E Álvaro Cardoso Gomes é um de nossos melhores prosadores, constituindo uma sólida trajetória na literatura adulta, apesar de ser deletado do senso coletivo e reconhecido por uma minoria de iniciados.

Ao cerrar seu mundinho em códigos datados, a obra abarca um mundaréu jovem com o mínimo tino para a leitura. Não é preciso saber quem foi Sivuca para tornar-se cúmplice das desventuras do protagonista.

O traço econômico, marcado por pontuações rápidas e capítulos curtos é a estrutura perfeita para o desfile de preocupações que marcam Cardoso Gomes e seus pares contemporâneos. A sisudez do sistema de ensino - historicamente incapaz de lidar com a adolescência - e os pudores silenciosos das relações familiares, no ato contínuo de castrar-se o indivíduo em um meio marcado pelo rigor e zelo ao "futuro do menino". E Beto encontrara o amor. Mas também os padrões de ascensão social, como a figura fraudulenta do Tagliato, premiado com um dez por uma redação escrita pelo pai, toda ela recheada de inofensivo parnasianismo, enquanto o potencial inventivo de Beto, insinuado em diversas passagens do livro, era tomado - aos gritos pelo mestre - como personificação do blasfemo. E tinha o Mário António, seu algoz. O cara que roubara sua paixão de tímido flerte, a Lúcia Helena.

Impossível não reconhecer um Mário António por ai, com sua pose galante e narcíseo ao limite. Não que Mário António fosse uma figura do mal, apesar de nos compadecermos pelo Beto: o antagonista era um cidadão sem crimes, sugado pela mentira de sucesso que projeta aos outros e seguramente deve ter tido, a despeito de sua clamorosa superficialidade, uma vida tranqüila mais para frente, com as nádegas a esquentar alguma cadeira de escritório. No teatro da vida, Beto ousara amar. E respeitar a inteligência da amada, desvelando-se um rapaz confuso, sem saber ao certo como dançar a música tão apreciada pelos convivas.

E foi o cosmopolita e letrado Lelo, seu irmão mais velho, quem ensinou o significado da palavra marginal. No sentido amplo e restrito. E também o apresentou à "literatura proibida" de Julio Ribeiro e Balzac. Beto adorou saber disso. Por breve interlúdio, acabou marginal restrito e não é difícil entender o por quê.

O mocinho errante encontrou seu rumo e, no vagão de trem que rumava para a capital, a Lucia Helena. Se nos sentimos vingados por ele, sabemos também que ali se encontrava, nos braços de sua enamorada garota, o "homem mais feliz do mundo". O começo do fim. O cidadão enlaçado. Não pelo amor. Mas pela via de tráfego mais fácil. O Beto é um cara comum, que optou pela honradez de uma boa noite de sono ao carnaval que sempre tem um fim. Sou mais Beto que Mário António. Só não sei isso é alguma vantagem.

E desde então que peguei essa mania de, ao entrar em desatino, abrir um livro desconhecido. Mania boa essa a minha.

Para ir além






Daniel Aurelio
São Paulo, 7/11/2003

Quem leu este, também leu esse(s):
01. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte de Jardel Dias Cavalcanti
02. 10º Búzios Jazz e Blues de Marília Almeida
03. O enigma da 21ª letra de Luis Eduardo Matta
04. 1964-2004: Da televisão à internet – um balanço de Julio Daio Borges
05. Reflexões a respeito de uma poça d´água de Paulo Polzonoff Jr


Mais Daniel Aurelio
Mais Acessadas de Daniel Aurelio em 2003
01. Canto Infantil Nº 2: A Hora do Amor - 7/11/2003
02. Canto Infantil Nº 1: É Proibido Miar - 26/9/2003
03. O Sociólogo Machado de Assis - 5/9/2003
04. O Calígrafo de Voltaire - 13/6/2003
05. Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes - 19/12/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/11/2003
15h26min
Daniel: Fiquei sensibilizado com seu texto sobre meu despretensioso "A hora do amor" que, apesar dos pesares, virou um best seller. Por que será? Sei lá, talvez por algumas das coisas que você tão bem aponta. Foi mesmo um prazer lê-lo. Um abraço do Álvaro Cardoso Gomes
[Leia outros Comentários de Álvaro Cardoso Gomes]
11/6/2004
17h51min
Daniel você não é o unico que leu esse livro a força. No meu caso(há anos) foi quase que por acaso e hoje é o meu livro de cabeceira, que me deixa calmo e me faz esquecer da correria do dia-a-dia de nossas cidades grandes. Já perdi as contas de quantas vezes li esse livro e toda a vez que eu o leio faz parecer que é a primeira vez (dou risadas sozinho, choro, fico com raiva do Mario Antonio...) e minha esposa pergunta mais uma vez: vai ler de novo este livro?
[Leia outros Comentários de Wellington Farias]
25/8/2009
19h36min
Adorei lê-lo! Dava altas risadas, entrei na história mesmo... amei! :D Queria saber se tem o número 2 dele :X Qualquer coisa, me avisa? Abraço *-*
[Leia outros Comentários de Maria Izabel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mens Sana: a Angústia do Homem Em Busca da Felicidade / Vol 3
Albino Aresi / Capa Dura
Mens Sana
(1984)



Livro - O Encouraçado Potemkin
Folha de São Paulo
Moderna
(2011)



Novelas - Concursos Literários do Piauí
Sergio Batista e Outros
Publique
(2005)



O Pirata eletrônico e o Samurai
Jeff Goodell
Campus
(1996)



A Lenda do Muri- Keko
Marcos Bagno
Sm
(2005)



Senhora Rezadeira
Denise Rochael
Cortez
(2004)



A Camada de Ozonio
M. Bright
Melhoramentos
(2000)



Descubra Seu Corpo
Nigel Nélson
Impala
(1996)



O Patinho Feio
Vários Autores
Ftd
(1996)



O Fio do Destino (1991)
Zibia Gasparetto
Vida e Consciencia
(1991)





busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês