Maria Rita: música em estado febril | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
205 mil/dia
2,9 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo inspirado na vida cotidiana do Bixiga volta ao cartaz comemorando 28 anos do Teatro do In
>>> Semana Gastronômica do Granja
>>> Mulheres em meio ao conflito:sobre inclusão, acolhimento e sororidade incondicional
>>> Arsenal da Esperança faz ensaios de teatro com moradores em situação de rua
>>> Vem pra Feira do Pimp Estoque: Economia Circular com catadoras, catadores e artistas!
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
>>> O tipógrafo-artista Flávio Vignoli: entrevista
>>> Deixe-me ir, preciso andar, vou por aí a procurar
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
Colunistas
Últimos Posts
>>> Inteligência artificial e o fim da programação
>>> Temer fala... (2023)
>>> George Prochnik sobre Stefan Zweig (2014)
>>> Hoffmann e Khosla sobre inteligência artificial
>>> Tucker Carlson no All-In
>>> Keleti: de engenheiro a gestor
>>> LeCun, Bubeck, Harris e a inteligência artificial
>>> Joe Satriani tocando Van Halen (2023)
>>> Linger by IMY2
>>> How Soon Is Now by Johnny Marr (2021)
Últimos Posts
>>> Toda luz que não podemos ver: política e encenação
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Culpa não tem rima
>>> As duas faces de Janus
>>> Universos paralelos
>>> A caixa de Pandora do século XX
>>> Adão não pediu desculpas
>>> No meu tempo
>>> Caixa da Invisibilidade ou Pasme (depois do Enem)
>>> CHUVA
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> Ceremony, pelo Radiohead
>>> Defesa dos Rótulos
>>> A história de cada livro
>>> O poeta do pesadelo e do delírio
>>> Além do Mais em 2004
>>> Sites que mudaram o mundo
>>> Textos, contextos e pretextos
>>> Dicas da Semana
>>> 19 de Abril #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> O Amor Tudo Vence - biblioteca literatura moderna 2 de James Gould Cozzens (tradução de Luís Carlos Branco) pela Ibrasa (1960)
>>> Casar Para Crescer de João Mohana pela Globo (1984)
>>> Casa e Jardim Edição do Ano 1968 de Editora Efecê pela Efecê (1968)
>>> Casa e Jardim Edição do Ano 1979 de Editora Efecê pela Efecê (1979)
>>> Casa e Jardim Edição do Ano 1975 de Editora Efecê pela Efecê (1975)
>>> Casa e Jardim Edição do Ano ano não declarado de Editora Efecê pela Efecê
>>> Casa e Jardim Edição do Ano 1978 de Editora Efecê pela Efecê (1978)
>>> Casa e Jardim Edição do Ano de Editora Efecê pela Efecê
>>> Casa e Jardim Edição do Ano N. 1976 de Editora Efecê pela Efecê (1976)
>>> Casa e Jardim Edição do Ano N. 1969 de Editora Efecê pela Efecê (1969)
>>> Casa e Jardim Edição do Ano N. 073-1973 de Editora Efecê pela Efecê (1973)
>>> A Madeira Desde o Pau Brasil Até a Celulose de P. M. Bardi pela Sudameris (1982)
>>> A Escola das Facas 1ª edição. poesia 1975 - 1980 de João Cabral de Melo Neto pela José Olympio (1980)
>>> Pelejas de Amor: crônicas jovens, histórias e minipoemas de Homero Homem pela Orientação Culural (1978)
>>> Materialização do Amor de Humberto Vasconcelos pela F E Francisco Peixoto Lins (1994)
>>> A Reencarnaçao - Segundo a Bíblia e a Ciência de José Reis Chaves pela Martin Claret (1998)
>>> Liberte Seu Poder Extra de Pedro A. Grisa pela Edipappi (2001)
>>> Perda de Entes Queridos de Zilda Giuncetti Rosin pela Difusão Espirita (1979)
>>> Amar é Preciso - os caminhos para uma vida a dois de Maria Helena Matarazzo pela Record (2003)
>>> Os Grandes Processos da História XI: O Processo Dreyfus de Paul Richard pela Globo (1941)
>>> Depois do Suicídia de Cleunice Orlandi de Lima pela Dpl (1998)
>>> História das Cavernas ao Terceiro Milênio de Myriam Becho Mota e Patrícia Ramos Braick pela Moderna (2002)
>>> O Menino Valente de Hélio Fraga pela Impresa Oficial (1983)
>>> Professional C# e a Plataforma . Net 3. 5 Curso Completo de Andrew Troelsen pela Alta Books (2009)
>>> Gestão da Segurança da Informação de Marcos Sêmola pela Campus (2003)
COLUNAS

Terça-feira, 18/11/2003
Maria Rita: música em estado febril
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 8400 Acessos
+ 16 Comentário(s)

"Meu coração vai se entregar à tempestade"
(Maria Rita em "Santa chuva")

Com a morte de Elis Regina nos sobrou pouco em termos daquela força musical que brota de um repertório de qualidade, aliado à força pessoal do artista. Salvo alguns casos, mergulhamos no reino da música que alimenta o massificado e medíocre gosto comum. Como não havia possibilidade de comparação, fomos invadidos por uma pseudo-música que não nos tira de nós mesmos, que é incapaz de produzir pela força do seu estilo a mais forte, descontrolada e verdadeira emoção/fruição artística. Uma geração inteira viu-se, por isso, obrigada a ouvir uma música para menos que mediana - afinal, não havia parâmetro comparativo e a porcariada tomou conta das gravadoras/rádios/TVs. Mesmo grandes cantoras como Gal e Betânia, à força de não terem com quem competir, relaxaram muito no seu poder de impressionar (salve-se apenas Nana Caymi, integra até o fim, e a expressão vital e musical da jovem Cássia Eller).

Com o lançamento do seu primeiro CD e DVD, Maria Rita surge como um espectro para aterrorizar as cantoras de música popular brasileira. Podemos imaginar que todas (Marisa Monte, Zélia Duncan e outras) devem ter comprado o CD de Maria Rita e estão temerosamente se perguntando: "E agora, o que será de nós? Elis Regina voltou e estamos fadadas à categoria de medíocres cantorazinhas pasteurizadas pela indústria musical". Dotadas de uma pseudo-técnica e uma forma asséptica de aparição existencial/musical estas cantoras chinfrins estarão, a partir de agora, diminuídas no nosso juízo. Poderão e deverão ser avaliadas à luz de uma nova força musical, que surge do resgate da melhor tradição da nossa música e a partir de um repertório selecionado em função das necessidades das entranhas da cantora: dois elementos que marcam o estilo pessoal da grande Maria Rita.

A música bem comportada, racionalzinha, pasteurizada em seus sentidos patéticos e pré-determinados (para agradar a um público que consome música como mercadoria fácil e de terceira), está com seus dias contados. A força viva da emoção não calculada, o estilo pungente das variações vocais/emocionais e o acompanhamento de músicos criativos fazem do CD de Maria Rita uma luz no fim do túnel.

Sim, estamos nostálgicos de Elis Regina e seu sentido trágico da vida. Mas Maria Rita nos traz um dado novo, diferente da mãe. Uma alegria que vibra sem perder a força, uma tristeza que nos fala fundo do sublime em nós mesmos, um ritmo do qual não podemos escapar (tudo isso estava na mãe, mas, como dissemos, com uma tragicidade, talvez, maior).

Maria Rita canta de tal forma que exige de nós uma atenção, pode-se dizer, religiosa, que proporciona um mergulho total nos confins da emoção. Dado o envolvimento sincero da cantora com a poesia das letras, a sua capacidade de cruzar música e conteúdo cantado, a relação perfeita entre variações vocal e instrumental, sua música requer uma concentração que no final nos premia com um refinado sentido da verdadeira arte.

A aparição de Maria Rita acrescenta também um dado novo à música popular brasileira: os grandes compositores podem novamente se alegrar. Acabaram de ganhar uma intérprete à altura. Pense-se no caso de Milton Nascimento, que encontrou na voz de Elis uma parceira que só acrescentou à sua música. Agora Maria Rita se apresenta, indo ao seu encontro, trazendo para a música de Milton aquela força tão necessária ao cantor, uma espécie de força e fé que faz pensar na poderosa e sublime música religiosa colonial mineira.

É muito difícil traduzir em palavras uma experiência estética. Ser conduzido por uma voz, pelo sentido poético das letras e pelo timbre dos instrumentos a regiões obscuras de nós mesmos e, depois desta viagem, querer explicar o poder desta afetação parece um ato fadado ao fracasso.

O que interessa, para quem quiser ter uma prova do que se disse acima, é poder colocar o CD de Maria Rita para tocar e depois ouvir o que usualmente ouvíamos. Uma coisa com certeza vai anular a outra. Nós sabemos o que acontece ao nosso gosto quando nos acostumamos a beber o melhor vinho, das melhores safras, e depois, voltamos a beber o pior vinho, das piores safras: parece que estamos bebendo vinagre.

Também podemos apreciar as imagens do show de Maria Rita em seu DVD. Como não ser levado às lágrimas depois de ver/ouvir Tristesse, de Milton, na interpretação da filha de Elis? Sua presença no DVD começa suave, quase valsante, para terminar tragicamente, como seria Elis, se estivesse ainda entre nós.

Estamos tendo o prazer de ver nascer uma cantora de grande brilho, raro diamante num mar de lama comercial. Quem resistirá ao seu brilho radiante? A música popular está renascendo... e nós também. Neste momento, cale-se o mundo, que apenas Maria Rita cante.

Gostaria de terminar com umas palavras de Debussy: O grande público se compraz em obras de mau gosto. A partir do momento em que são atraídos pelo medíocre, é porque eles mesmos são medíocres. Quanto às belas obras, elas se imporão por seus próprios meios; e não é o grande público que importa nesse assunto, pois ele não entende nada disso.

"Meu coração se cansou de falsidade"
(Maria Rita em "Santa chuva")

Para ir além









Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 18/11/2003

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. Os bigodes do senhor autor de Renato Alessandro dos Santos
02. A margem negra de Gian Danton
03. 10 coisas que a Mamãe me ensinou de Julio Daio Borges
04. O livro do Natal de Marta Barcellos
05. O Muro de Palavras de Pedro Bidarra


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. A paixão pela arte: entrevista com Jorge Coli - 21/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/11/2003
19h58min
É Jardel... você realmente se não tivesse nascido, deveria ter sido inventado!!! A paixão, o tesão, e a autoridade pelas coisas que você gosta e admira são excepcionais!!! Adorei a comparação ao vinho... demais!!! Você realmente tem um gosto apurado e sabe o que é bom!!! A Maria Rita veio para ficar, mas não desprezo as outras! Cada uma tem o seu valor, assim como você tem o seu!!!!!!! Adoro ler seus comentários e saber o que você pensa!!! Até mais.. abraço, Rose.
[Leia outros Comentários de Rose]
18/11/2003
22h51min
jardel, adorei seu comentário sobre o CD da Maria Rita. concordo com você em tudo o que disse. não aguentava mais estas cantoras fabricadas pelas sanduicheiras das gravadoras. é isso. bom ataque! parabéns. claudia
[Leia outros Comentários de claudia]
18/11/2003
22h58min
Rose, obrigado pela leitura e pelo comentário. aproveite sempre o Digestivo, pois tem textos excepcionais de outros colunistas. abraço, jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
20/11/2003
21h57min
Jardel, realmente esse seu texto ficou fantástico. Você conseguiu traduzir em palavras todo o meu sentimento quando ouço ou vejo a Maria Rita. Quando a Elis morreu eu ainda era muito novo. Mas até hoje quando a ouço me emociono. E foi essa sensação de emoção que me tomou conta ao ouvir pela primeira vez essa grande Maria Rita nas participações em "Tristesse" e "Voa Bicho" no CD Pietá do Milton Nascimento. Alguns amigos estão dizendo que estou ficando fanático por ela, mas me sinto orgulhoso porque sou fã de alguém plausível e respeitável, de alguém que tem o dom de cantar e encantar, ou melhor, o dom de interpretar. Porque temos por aí muitas cantoras e cantores mas poucos intérpretes. Quiçá esse bebê que agora ela carrega no ventre seja uma menina para, no futuro, embalar os ouvidos de nossos netos e bisnetos.
[Leia outros Comentários de Azarias]
21/11/2003
10h48min
prezado azarias, obrigado pela leitura e pelos comentários. estamos em sintonia. uma nova sintonia. abraço, jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
25/11/2003
07h59min
Caro Jardel, fui ao show (BH) e tudo se confirmou: Maria Rita ri com alegria e tristeza ao mesmo tempo. A cada música que interpreta, vira única, a cada palavra, sílaba, tudo ganha um efeito musical que eu chamaria de combinação perfeita entre voz, instrumentos (ouça o piano e o baixo) e emoção. Afinal o que as pessoas tem contra a emoção? Ou tudo é mercadoria? O disco de Maria Rita mostra que não é, que podemos ainda acreditar na excelência musical das interpretes. Se Maria Rita não compor nada, diria que tudo que ela canta vira composição dela. O seu texto é muito pungente, verdadeiro e provocador. Só acho que não é necessário citar outros nomes, pois Maria Rita não precisa de comparações. Mas respeito sua opinião. Abraços, mário alex rosa
[Leia outros Comentários de mário alex rosa]
6/12/2003
10h55min
Perfeito tudo. A Maria Rita, o disco, a emoção, as críticas, as palavras de Jardel, a tentativa da seleção e da divisão inúteis da nossa sociedade em "quem gosta e em quem não gosta de Maria Rita"; Surge uma emoção nova, para alguns, uma emoção de resgate, agora podendo ser vivenciada na maturidade de muitos. Mas, cuidado, entre outras coisas, Elis era atormentada justamente pelos críticos e suas emoções... Dependia da ardência de suas opiniões. A Grande Elis hoje é unanimidade, mas como gostaria de tê-la visto livre de tudo isso! Vejo a euforia da crítica como algo limitante ao artista. Maria Rita é um feliz talento. Maria Rita é tudo isso que você Jardel falou, mas não se esqueça de dar espaço para o seu próprio caminhar para que não venha assim impedir de permiti-la levá-lo a emoções outras que deseje compartilhar. Desculpe o desabafo, é que não gosto de assistir à mesmice histórica: hoje queremos, colocamos no topo, amanhã quem sabe se teremos a capacidade de compreender a evolução daquele que ajudamos a colocar no topo. Quem sabe?
[Leia outros Comentários de Monica Facó]
7/12/2003
16h58min
Minha mãe diz que estou louca e meio psicótica, meio anestesiada de tanto vivenciar e viver a música e fatos em volta da Maria Rita... Acho normal para quem não pôde ter ídolos na adolescência e na juventude como ela pôde ter, aliás ela vivia atrás da Elis em festivais, ehehe, minha avó me contou antes de morrer que meu avô quebrava discos do Elvis e proibia a ela de ir a esses movimentos, detalhe, ela fugia, dizia que ia estudar na casa de amigas e lá se ia ela, quer pior? E aí? Eu não tenho festivais, não tenho a qualidade que ela tinha em sua época, mas tenho uma dentre todas e todos os que estão por aí e o nome dela é: MARIA RITA!!! Bjinhos
[Leia outros Comentários de Cristiana Passinato]
9/12/2003
08h27min
Ela canta tanto assim? Conheço inúmeros casos de pessoas que se recordam de Elis Regin, viva e fenomenal, e choram em shows de Maria Rita. Acho que ela é uma baita cantora, melhor do que 95% das interpretes de sua geração, mas e Mônica Salmaso e outras? É fácil estabelecer como linha média da MPB Anas Carolina, Marisa Monte ou Ivete Sangalo e fazer uma comparação direta: mesmo o senso comum, aquele que aponta seu gosto sob os ditames das rádios, percebe que há uma gritante diferença. Mas, sinceramente, é para tanto? Ela é a única grande cantora do país? É droga para se consumir até a overdose? Maria Rita canta muito, tem uma rara sensibilidade para o repertório e é hábil em conduzir sua imagem. Mas que fique só na arte, não adentre a esfera do mito. Ainda é cedo.
[Leia outros Comentários de Daniel Aurélio]
18/12/2003
09h53min
Perfeito, Jardel. Não desmerecendo outros cantares, Maria Rita é uma singular e grata surpresa... Nossos ouvidos agradecem, e com certeza, nossas emoções também.
[Leia outros Comentários de Leila Eme]
18/12/2003
10h25min
Quando alguem surge e de alguma forma impressiona, naturalmente e louvado. Neste mundo carente de densidade, e natural a exaltaçao. Ai misturam-se sentimentos de todos os tipos, emoçao, contrariedade, inveja, devoçao. Somente pessoas de talento especial provocam este efeito... E compreenssível todas as reaçoes. Maria Rita surge e assume-se como uma cantora que esta em principio de carreira, com muito a crescer. E começa muito bem, com um timbre que lembra Elis mas pode ser explorado de outras formas, atraves dos artificios de interpretaçao. Ela vai crescer com certeza! Fui ao seu show e e um pecado afirmar que ela nao tem "emoçao", como fez uma leitora abaixo em seu comentario. Afirmaçao estranha, pois que ser humano nao tem emoçao?? E se M. Rita nao tivesse emoçao ao interpretar nao provocaria reaçoes que estamos vendo... Acho que ela e seus musicos podem experimenar mais nos arranjos para que soem mais contemporaneos, mas do jeito que esta funciona muito! M. Rita vai inspirar novos talentos e motivar as gravadoras a apostarem novamente em qualidade artistica.
[Leia outros Comentários de Patricia Rocha]
4/1/2004
17h24min
Maria Rita Moreno veio com certeza dar uma beliscada na musica popular brasileira, despertando a do seu sono profundo. Sua voz nos causa ao mesmo tempo um arrepio funesto e um "frisson" de felicidade : ela ressucita a voz da nossa Elis tao amada ao mesmo tempo que faz renascer uma nova musa tocando em nossa alma. Um grande futuro para Maria Rita ja deve estar programado pelas gravadoras, ela fara o seu caminho como tantas outras da MPB. Lembro me de quando Marisa Monte lançou o seu primeiro disco em 1989. Uma verdadeira maravilha! Nao devemos nos esquecer da critica que a aclamava no final dos anos 80 e nem obstante que Marisa continua umas das maiores vozes da nossa musica.
[Leia outros Comentários de Rogério]
9/1/2004
10h07min
Amigo, comprei o DVD ontem e hoje li o seu comentário, que é extamente o que sentia ao terminar de ouvir ela cantando a primeira música!!
[Leia outros Comentários de Cleiton César]
11/8/2006
16h28min
Texto brilhante, consegue captar exatamente tudo o que Maria Rita é. Uma cantora que leva sua arte, tendo sua personalidade e sua interpletação, de uma forma que deixa claro o grande talento que tem. É claro que comparações com Elis sempre vão existir, mas quem é um bom entendedor de sua música e da obra de sua mãe percebe as diferenças. Muitas criticas são feitas, mas ninguém critica aquilo que realmente tem de ser criticado. Mas, de qualquer forma, eu achei muito inteligente seu texto, e eu, como fã incondicional da Maria Rita, adorei.
[Leia outros Comentários de Pablo]
15/12/2014
14h30min
É, o tempo é que faz o bom vinho. E o apressado come cru, já dizia minha bisavó. A Maria Rita transformou-se em decepção. Era apenas um espectro. Se mostrou tão péssima quanto as "fadadas à categoria de medíocres cantorazinhas pasteurizadas". Maria Rita e suas caras e bocas, até que é bonitinha, mas péssima cantora. Por fim aprendemos um grande lição musical: Nada que vem da indústria do entretenimento presta.
[Leia outros Comentários de Alexander José]
16/12/2014
09h29min
Alexandre, sou levado a concordar com você, que houve uma decaída. Achei que o drama da vida poderia ser o diferencial na postura musical dela. Ela está tranquila, (com ansiolíticos?), e a dor pungente que atormentava Elis não atormenta a filha.
[Leia outros Comentários de jardel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tempos sagrados ritos de passagem e festivais sazonais
William Bloom
Triom
(1997)



1932 Corações Partidos
Nelson Câmara
Lettera
(2012)



Harry e Seus Fãs
Melissa Anelli
Rocco
(2011)



Jesus o divino amigo
Irmão Virgílio
Petit
(2012)



Amor de Perdição - Serie Grandes Leituras
Camilo Castelo Branco
Ftd
(1999)



Alma Simples
Achilles Almeida
S. Paulo
(1917)



Livro Comportamento Sempre Às Vezes Nunca
Fábio Arruda
Arx
(2003)



Biology is Technology
Robert H. Carlson
Sem
(2010)



Teorias e Políticas de Gênero na Contemporaneidade
Marlene Tamanini
Ufpr
(2017)



Vieira da Silva
Dora Vallier
Editiosn Weber
(1971)





busca | avançada
205 mil/dia
2,9 milhões/mês