Outros estilos | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 6/2/2004
Outros estilos
Eduardo Carvalho

+ de 5500 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Diferentes estilos

A língua portuguesa - assim como um bambu verde e comprido - entorta quando envergada com força, mas é quase inquebrável: voltando, quando a alavanca cede, à sua posição original. O inglês, porém, se aproxima mais de uma vara pequena e seca: ela se quebra com um curto movimento, mas é preciso ser forte para rompê-la. O português, por isso, fica mais agradável em movimento, como o balanço que acompanha o vento - seguindo seu fluxo, que é constante, e seu sentido, que surpreende. O inglês, por sua vez, tem uma dinâmica diferente: ele se mantém mais duro e firme, numa posição quase sempre imóvel, mas com pequenas variações em seus detalhes - é na criação e na combinação de palavras em que reside o movimento da língua. A flexibilidade do inglês, assim, se limita à composição das palavras; enquanto o português - com palavras praticamente intocáveis - impõe seu ritmo na composição das frases.

Esse aspecto ao mesmo tempo rígido e maleável da língua portuguesa lhe permitiu atravessar séculos, preservando uma reconhecível identidade - para não dizermos que o português, relativamente - se comparado ao inglês, por exemplo -, quase não variou. Escrevo, é claro, sobre um português, digamos assim, razoavelmente educado, que não é nem o utilizado em academias isoladas nem em ilhas desertas. (A língua, nesses lugares, se distorce artificialmente, afetada por particularidades do ambiente.) Trato aqui da língua como é praticada por pessoas comuns, que se revela com nitidez, no Brasil, na prosa de cronistas competentes.

É o caso de Franklin de Oliveira, por exemplo: um ensaísta esquecido, que com impressionante naturalidade discorria, num mesmo texto, sobre os mais diferentes assuntos - e fazia com que todos se encaixassem, ligados por um estilo casual e fluente. A próxima seqüência de palavras de Franklin é sempre imprevisível, porque a organização das suas frases, de um modo geral, seguem um esquema aberto - ou seja, esquema nenhum. Quer dizer: Franklin escrevia como se falasse, buscando palavras e assuntos de modo aleatório, com uma prosa aparentemente fácil. Que, na verdade, é resultado da intimidade do escritor com a língua que trabalha: e, como toda intimidade, é conseqüência de uma longa relação, que - se proveitosa para ambos os lados - evolui com o tempo. Foi assim: Franklin, durante décadas, cultivou o hábito da leitura; e, ao mesmo tempo, aplicou em seus ensaios o que aprendeu com os dos outros. E desenvolveu um estilo que é - como um estilo tem que ser - muito natural e muito pessoal. E que reflete, no fim das contas, a mais atrevida característica da língua portuguesa: sua capacidade de rebolar de repente, sem que o texto perca o sentido ou a forma.

Eu não disse que o português é mais bonito do que o inglês, e não acho: o que disse é que o ponto onde as línguas vibram é outro. O português permite maior elasticidade na frase - enquanto o inglês, por sua vez, relaxa o vocábulo. Em português, transformamos uma frase em rocambole, invertendo passagens e brincando com vírgulas - e, às vezes, fica bacana. Mas em inglês esse método normalmente não funciona. Um artigo de Louis Menand, por exemplo, que considero imperdível e impecável, também - como Franklin - mantém uma fluência perfeita. Mas, ao escrever em outra língua, ele acerta em outro aspecto: ao contrário de Franklin, é evidente, para o leitor, que ele releu o texto e reescreveu passagens, alcançando um estilo que - antes dele - já existia. O estilo ideal da língua inglesa. É mais ou menos isso que quero dizer: em português, essa forma - ou fôrma - não existe; e em inglês ela é invisível mas precisa, puxando um texto para ajustar ao seu padrão.

Isso não significa, veja bem, que Franklin não revia seus ensaios, ou que Menand sue desesperadamente para escrever. É o produto que nos interessa - e a impressão que ele passa. E a habilidade de dois ótimos escritores, um em cada língua, para manusearem seus recursos: Franklin escreveu como um orador improvisado, e Menand, por sua vez, como um cientista preparado. Mas ambos preocupados com a harmonia dos seus estilos e com a lógica das suas estruturas. E, portanto, com o leitor - que, em especial o brasileiro, está sofrendo calado, ultimamente, com tanta feiúra impressa.

Os erros são diversos, mas repetidos. Um deles, por exemplo, é interpretar a avaliação que fiz da língua portuguesa como o seguinte: como se eu estivesse dizendo que a "lógica da língua portuguesa é diferente" - e não algo mais sutil, que se refere exclusivamente ao estilo. Muita gente acredita nisso: e acha até que deveríamos todos escrever de olhos fechados, sobre um assunto qualquer, e que apenas essa espontaneidade é linda. Isso, para citar nomes, é o que o João Ubaldo faz - e acaba combinando a inexistência da forma com o vazio do conteúdo. Do outro lado, estão especialistas metódicos, que pensam que seus textos estão carregados de conteúdo indispensável - e que, portanto, a função didática do seu artigo é suficiente. É o caso, desta vez, do Delfim Neto, que se desgasta agrupando uma imensidão de dados para justificar uma opinião previsível - expressa na mais cansativa lentidão, incorrigível mesmo pelos revisores que ajeitam suas barbaridades gramaticais.

O resultado, então, é que nossos cronistas e articulistas - desconhecendo propriedades básicas da língua em que escrevem - escrevem mal. Uns procuram um estilo mecânico, afastando o gingado do texto, perdendo sua graça e sua velocidade. Outros pensam que, para encontrar esse requebrado, devem escrever como as idéias lhes vêm à cabeça - e demonstram, no próprio texto, que não vem idéia nenhuma. A impressão é de que a situação do escritor com o idioma está irresolvida.

O que falta, nesses casos, é uma relação de amizade - ou, se quiser, de namoro - com a língua. Como numa proximidade antiga e satisfeita, quando se conhece nos detalhes e em profundidade sua parceira - sem porém se entediar dela. Ao contrário: aprendendo, a cada dia, novidades, afinando e engrandecendo a relação - e concluindo num casamento feliz. É preciso que certos escritores - em vez de tratar o português com desprezo e maldade - aprendam a compreendê-lo e admirá-lo. O que parece, no entanto, na maioria dos casos, é que eles vivem em constante conflito com a língua. E acabam brigando em público. Fica, para o leitor, uma situação desagradável. Nós não gostamos de reality show.

Quer dizer: não desse tipo, pelo menos - que, de tão desinteressante, acaba concorrendo com certos programas de televisão. Mas reconheço que seria divertido reunir, numa mesma casa, Marcel Proust, Pete Sampras, David Rockfeler, Harold Ross, Anastácio Agulha, Blaise Pascal, Garrincha, Micheal Porter, Rasputin e Jonh Hunter. As conversas seriam engraçadas, garanto. E Proust, editado por Harold Ross, transformaria os melhores momentos em literatura. Praticamente o que Franklin fazia, só que em francês. E aí - voltando ao assunto inicial - o estilo é outro.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 6/2/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vosso Reino de Luís Fernando Amâncio
02. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
03. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
04. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
05. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2004
01. A melhor revista do mundo - 8/10/2004
02. Como mudar a sua vida - 21/5/2004
03. De uma volta ao Brasil - 23/7/2004
04. O chinês do yakissoba - 5/3/2004
05. Por que não estudo Literatura - 24/9/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/2/2004
10h56min
Enquanto lia o artigo, me lembrei de uns trabalhos que andei lendo, nos quais há uma mistura terrivelmente indigesta de estilos, resultado numa compilação torturante e mal resolvida de coisas que o cara leu. Esses 'escritores', pra mim, são até piores do que os sem estilo algum. Aliás, a língua inglesa sabiamente diz: A little knowledge is a terrible thing.
[Leia outros Comentários de Bárbara Pollacsek]
10/2/2004
16h03min
Fantástico artigo. Quem sabe não serve de acelerador pro metalismo intelectual de alguns de nossos escritores, que torturam nossa cabeça com textos mal escritos e flagelam nossa língua.
[Leia outros Comentários de Juliana Nolasco]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INOCÊNCIA - COLECAO TRAVESSIAS
VISCONDE DE TAUNAY
MODERNA
(1998)
R$ 8,00



O ESPIÃO INVISÍVEL
MARK FOWLER
SCIPIONE
(1993)
R$ 8,88



85 VEZES SILVIO SANTOS AS MELHORES CARICATURAS DO REI DOS DOMINGOS
VÁRIOS AUTORES
ASTRAL
(2016)
R$ 27,44



GUIA PORTUGAL. O GUIA DE VIAGEM MAIS FACIL DE USAR
VÁRIOS AUTORES
PUBLIFOLHA
(2009)
R$ 70,00



A PSICOLOGIA DO ANORMAL E A VIDA CONTEMPORÂNEA
JAMES C. COLEMAN
PIONEIRA
(1973)
R$ 60,00



SEMPRE SERÁS LEMBRADA
JOSUÉ MONTELLO
NOVA FRONTEIRA
(1999)
R$ 7,48



MONTEIRO LOBATO VIDA E OBRA TOMO I
EDGARD CAVALHEIRO
COMPANHIA NACIONAL
(1956)
R$ 14,00



ESTORIAS PARA CRIANÇAS QUE OS ADULTOS DEVEM LER ESCONDIDOS
RICARDO BANDEIRA
DO AUTOR
(1977)
R$ 5,00



PAIXÃO E CRIME O PROCESSO DO DR. JACCOUD
CARLOS LACERDA
NOVA FRONTEIRA
(1965)
R$ 10,00



ECLIPSE
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2008)
R$ 34,90
+ frete grátis





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês