Outros estilos | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sessão Única com Jogo de Escape Game e debate do filme 'Os Bravos Nunca se Calam' em SP
>>> OBRAS INSPIRADAS DURANTE A PANDEMIA GANHAM DESTAQUE NO INSTITUTO CERVANTES, EM SÃO PAULO
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> iPad
>>> iPad
>>> iPad
>>> Sátiro e ninfa, óleo s/ tela em 7 fotos e 4 movies
>>> poeta del vacío existencial
>>> Croft & Kidman
>>> Histórias de gatos
>>> Whitesnake, 1987
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> A árvore da vida
Mais Recentes
>>> Livro - A Ararajuba - Série natureza brasileira 2 de Rubens Matuck pela Biruta (2003)
>>> Arsène Lupin e Victor, da Brigada Anticrime (como novo) de Maurice Leblanc pela Principis (2021)
>>> Livro - Os Pássaros - Coleção Infanto Juvenil de Germano Zullo Albertine pela 34 (2013)
>>> Livro - Betina de Nilma Lino Gomes pela Maza (2009)
>>> Agente em campo (como novo) de John le Carré pela Record (2021)
>>> Fantasma sai de cena (muito bom) de Philip Roth pela Cia das letras (2008)
>>> Gota d’água - Coleção Teatro Hoje de Chico Buarque (Autor), Paulo Pontes (Autor) pela Civilização Brasileira (1977)
>>> Privação Cultural e Educação Pré-Primária de Maria Helena Souza Patto pela Livraria José Olympio (1977)
>>> Lisbela e o Prisioneiro de Osman Lins pela Planeta (2015)
>>> A Franco Maçonaria. Origem Historia e Influencia (raro exemplar) de Robert Ambelain pela Gnose (1990)
>>> O Desmonte de Amarildo Felix pela Patuá (2021)
>>> Diário de um Ladrão de Jean Genet pela Nova Fronteira (2005)
>>> Comédias para se ler na escola de Luis Fernando Verissimo pela Objetiva (2001)
>>> Auto da Barca do Inferno Farsa de Inês Pereira Auto da Índia de Gil Vicente pela Atica (2005)
>>> Eu não disse? (muito bom) de Mauro Chaves pela Perspectiva (2004)
>>> Os Sofrimentos Do Jovem Werther de Johann Wolfgang Von Goethe pela Martins Fontes (1998)
>>> O Quarto Reich (capa dura- ótimo estado) de M. A. Costa pela Livros de guerra (2018)
>>> A Inocência do Padre Brown (raro exemplar) de G. K. Chesterton pela Record
>>> Ventos de Quaresma (muito bom) de Leonardo Padura Fuentes pela Cia das letras (2008)
>>> Perseguido (muito bom) de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Cia das letras (2003)
>>> O Rei De Girgenti (muito bom) de Andrea Camilleri pela Record (2004)
>>> D. Pedro I (Perfis Brasileiros) de Isabel Lustosa pela Companhia das Letras (2006)
>>> Quatro Estações de Stephen King pela Objetiva (2001)
>>> Wicca Gardneriana de Mario Martinez pela Gaia (2005)
>>> O Feitiço do Cinema Ensaios de Griffe Sobre a Sétima Arte de Juan Guillermo D. Droguett e Flavio F. A. Andrade pela Saraiva (2009)
COLUNAS

Sexta-feira, 6/2/2004
Outros estilos
Eduardo Carvalho

+ de 6000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Diferentes estilos

A língua portuguesa - assim como um bambu verde e comprido - entorta quando envergada com força, mas é quase inquebrável: voltando, quando a alavanca cede, à sua posição original. O inglês, porém, se aproxima mais de uma vara pequena e seca: ela se quebra com um curto movimento, mas é preciso ser forte para rompê-la. O português, por isso, fica mais agradável em movimento, como o balanço que acompanha o vento - seguindo seu fluxo, que é constante, e seu sentido, que surpreende. O inglês, por sua vez, tem uma dinâmica diferente: ele se mantém mais duro e firme, numa posição quase sempre imóvel, mas com pequenas variações em seus detalhes - é na criação e na combinação de palavras em que reside o movimento da língua. A flexibilidade do inglês, assim, se limita à composição das palavras; enquanto o português - com palavras praticamente intocáveis - impõe seu ritmo na composição das frases.

Esse aspecto ao mesmo tempo rígido e maleável da língua portuguesa lhe permitiu atravessar séculos, preservando uma reconhecível identidade - para não dizermos que o português, relativamente - se comparado ao inglês, por exemplo -, quase não variou. Escrevo, é claro, sobre um português, digamos assim, razoavelmente educado, que não é nem o utilizado em academias isoladas nem em ilhas desertas. (A língua, nesses lugares, se distorce artificialmente, afetada por particularidades do ambiente.) Trato aqui da língua como é praticada por pessoas comuns, que se revela com nitidez, no Brasil, na prosa de cronistas competentes.

É o caso de Franklin de Oliveira, por exemplo: um ensaísta esquecido, que com impressionante naturalidade discorria, num mesmo texto, sobre os mais diferentes assuntos - e fazia com que todos se encaixassem, ligados por um estilo casual e fluente. A próxima seqüência de palavras de Franklin é sempre imprevisível, porque a organização das suas frases, de um modo geral, seguem um esquema aberto - ou seja, esquema nenhum. Quer dizer: Franklin escrevia como se falasse, buscando palavras e assuntos de modo aleatório, com uma prosa aparentemente fácil. Que, na verdade, é resultado da intimidade do escritor com a língua que trabalha: e, como toda intimidade, é conseqüência de uma longa relação, que - se proveitosa para ambos os lados - evolui com o tempo. Foi assim: Franklin, durante décadas, cultivou o hábito da leitura; e, ao mesmo tempo, aplicou em seus ensaios o que aprendeu com os dos outros. E desenvolveu um estilo que é - como um estilo tem que ser - muito natural e muito pessoal. E que reflete, no fim das contas, a mais atrevida característica da língua portuguesa: sua capacidade de rebolar de repente, sem que o texto perca o sentido ou a forma.

Eu não disse que o português é mais bonito do que o inglês, e não acho: o que disse é que o ponto onde as línguas vibram é outro. O português permite maior elasticidade na frase - enquanto o inglês, por sua vez, relaxa o vocábulo. Em português, transformamos uma frase em rocambole, invertendo passagens e brincando com vírgulas - e, às vezes, fica bacana. Mas em inglês esse método normalmente não funciona. Um artigo de Louis Menand, por exemplo, que considero imperdível e impecável, também - como Franklin - mantém uma fluência perfeita. Mas, ao escrever em outra língua, ele acerta em outro aspecto: ao contrário de Franklin, é evidente, para o leitor, que ele releu o texto e reescreveu passagens, alcançando um estilo que - antes dele - já existia. O estilo ideal da língua inglesa. É mais ou menos isso que quero dizer: em português, essa forma - ou fôrma - não existe; e em inglês ela é invisível mas precisa, puxando um texto para ajustar ao seu padrão.

Isso não significa, veja bem, que Franklin não revia seus ensaios, ou que Menand sue desesperadamente para escrever. É o produto que nos interessa - e a impressão que ele passa. E a habilidade de dois ótimos escritores, um em cada língua, para manusearem seus recursos: Franklin escreveu como um orador improvisado, e Menand, por sua vez, como um cientista preparado. Mas ambos preocupados com a harmonia dos seus estilos e com a lógica das suas estruturas. E, portanto, com o leitor - que, em especial o brasileiro, está sofrendo calado, ultimamente, com tanta feiúra impressa.

Os erros são diversos, mas repetidos. Um deles, por exemplo, é interpretar a avaliação que fiz da língua portuguesa como o seguinte: como se eu estivesse dizendo que a "lógica da língua portuguesa é diferente" - e não algo mais sutil, que se refere exclusivamente ao estilo. Muita gente acredita nisso: e acha até que deveríamos todos escrever de olhos fechados, sobre um assunto qualquer, e que apenas essa espontaneidade é linda. Isso, para citar nomes, é o que o João Ubaldo faz - e acaba combinando a inexistência da forma com o vazio do conteúdo. Do outro lado, estão especialistas metódicos, que pensam que seus textos estão carregados de conteúdo indispensável - e que, portanto, a função didática do seu artigo é suficiente. É o caso, desta vez, do Delfim Neto, que se desgasta agrupando uma imensidão de dados para justificar uma opinião previsível - expressa na mais cansativa lentidão, incorrigível mesmo pelos revisores que ajeitam suas barbaridades gramaticais.

O resultado, então, é que nossos cronistas e articulistas - desconhecendo propriedades básicas da língua em que escrevem - escrevem mal. Uns procuram um estilo mecânico, afastando o gingado do texto, perdendo sua graça e sua velocidade. Outros pensam que, para encontrar esse requebrado, devem escrever como as idéias lhes vêm à cabeça - e demonstram, no próprio texto, que não vem idéia nenhuma. A impressão é de que a situação do escritor com o idioma está irresolvida.

O que falta, nesses casos, é uma relação de amizade - ou, se quiser, de namoro - com a língua. Como numa proximidade antiga e satisfeita, quando se conhece nos detalhes e em profundidade sua parceira - sem porém se entediar dela. Ao contrário: aprendendo, a cada dia, novidades, afinando e engrandecendo a relação - e concluindo num casamento feliz. É preciso que certos escritores - em vez de tratar o português com desprezo e maldade - aprendam a compreendê-lo e admirá-lo. O que parece, no entanto, na maioria dos casos, é que eles vivem em constante conflito com a língua. E acabam brigando em público. Fica, para o leitor, uma situação desagradável. Nós não gostamos de reality show.

Quer dizer: não desse tipo, pelo menos - que, de tão desinteressante, acaba concorrendo com certos programas de televisão. Mas reconheço que seria divertido reunir, numa mesma casa, Marcel Proust, Pete Sampras, David Rockfeler, Harold Ross, Anastácio Agulha, Blaise Pascal, Garrincha, Micheal Porter, Rasputin e Jonh Hunter. As conversas seriam engraçadas, garanto. E Proust, editado por Harold Ross, transformaria os melhores momentos em literatura. Praticamente o que Franklin fazia, só que em francês. E aí - voltando ao assunto inicial - o estilo é outro.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 6/2/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Emprego? Exercite o desapego de Adriana Baggio
02. O blogueiro: esse desconhecido de Alessandro Garcia


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2004
01. A melhor revista do mundo - 8/10/2004
02. De uma volta ao Brasil - 23/7/2004
03. Por que não estudo Literatura - 24/9/2004
04. Como mudar a sua vida - 21/5/2004
05. O chinês do yakissoba - 5/3/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/2/2004
10h56min
Enquanto lia o artigo, me lembrei de uns trabalhos que andei lendo, nos quais há uma mistura terrivelmente indigesta de estilos, resultado numa compilação torturante e mal resolvida de coisas que o cara leu. Esses 'escritores', pra mim, são até piores do que os sem estilo algum. Aliás, a língua inglesa sabiamente diz: A little knowledge is a terrible thing.
[Leia outros Comentários de Bárbara Pollacsek]
10/2/2004
16h03min
Fantástico artigo. Quem sabe não serve de acelerador pro metalismo intelectual de alguns de nossos escritores, que torturam nossa cabeça com textos mal escritos e flagelam nossa língua.
[Leia outros Comentários de Juliana Nolasco]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Procura- Se Hugo / 8ª Ed
Diléa Frate
Ediouro
(2002)



II Simposio Estadual do Café
Cetcaf
Cetcaf
(1996)



Cenas Brasileiras
Rachel de Queiroz
ática
(2002)



Alice no País das Maravilhas
Lewis Carroll; Adaptado por Débora J. Durães
Abril
(2011)



Não Faça Tempestade Em Copo DÁgua no Trabalho
Richard Carlson
Rocco
(1999)



Meditação dos Guias Interiores
Edwin C. Steinbrecher
siciliano
(1990)



Os Mestres Secretos do Tempo
Jacques Bergier
hemus
(1974)



Guia Prático para a Ascensão
Tony Stubbs
pensamento
(2004)



Antologia Poética
Manuel Bandeira
Global
(2013)



Inocência
Visconde Te Taunay
Escala
(1992)





busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês