Abril em pedaços | Rafael Azevedo | Digestivo Cultural

busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 20/7/2001
Abril em pedaços
Rafael Azevedo

+ de 2200 Acessos

"Abril despedaçado", de Ismail Kadaré, lembrou-me um pouco Lituma nos Andes, de Mário Vargas Llosa, representantes de um gênero já quase batido de livros (histórias "realistas" ou mesmo verídicas passadas em locais exóticos, tão típicas da segunda metade do século XX). Há neles muita coisa em comum, partindo da ambientação no desolado ambiente montanhoso; há ainda o recurso de estilo, comum tanto a Vargas Llosa quanto a Gore Vidal (em seus romances históricos), de escrever histórias simultâneas e aparentemente independentes, pontos de vista que se entrelaçam e se separam à medida que o tempo passa, e sempre uma dessas "visões" pertencendo a uma pessoa tão estranha àquele contexto quanto nós (quase sempre jornalista), que "traduz" este mundo remoto que está sendo apresentado, para nós, alheios e assustados leitores.
Em Lituma nos Andes acompanha-se o cotidiano duro, monótono e sombrio das pessoas que habitam as regiões mais inóspitas da cordilheira, os descendentes modernos dos antigos incas; Abril despedaçado nos leva ao cotidiano duro, monótono e sombrio das pessoas que habitam a região do Rrafsh, no norte da Albânia (os chamados Alpes albaneses), lar de um povo alheio há séculos de qualquer domínio exterior, e que obedecem unicamente seu próprio código de leis, sintetizado num pequeno livro chamado Kanun. É precisamente esse Kanun que mantém esse povo imerso na escuridão, nestas brumas primitivas que lhes afastam de qualquer chance de civilização, de uma vida minimamente moderna, impondo através de um sistema altamente complexo de vingança, e assassinatos, toques de recolher a famílias inteiras. Mas o Kanun não regula apenas brigas e mortes. Como a águia negra que adorna o centro da bandeira albanesa, o Kanun paira ameaçador sobre todos os atos de todos os habitantes deste lugar do planeta, interferindo na vida de todos eles. E é esse contexto que fascina Bessian Vorps, um escritor da capital, Tirana, que resolve passar a lua-de-mel com sua encantadora esposa Diana no alto das montanhas, a convite de um figurão que entrevistou, a autoridade máxima da região, chamado "príncipe do Kanun", chefe do clã de Orosh. O sujeito que faz com que o Kanun seja aplicado, e que coleta os tributos em dinheiro relativos às vinganças, que devem ser pagos depois de todas as mortes, e que basicamente manda em todos no pedaço. Além do sr. Vorps e sua mulher, que representam claramente a visão pessoal do autor (e seu estranhamento) em relação àquela região, possuidor dum misto de estranheza e fascínio, o narrador acompanha outros dois personagens - um jovem rapaz, Georg Berisha, que vê sua vida chegar a um fim, com data e hora marcada, apenas por ter sido mais um elo numa macabra e imensa cadeia de assassinos e assassinados, que já levou mais de 20 jovens da sua família, os Berisha, e do clã rival, os Kryeqyq. Mais adiante, apresenta-se a nós o terceiro personagem, Mark Ukaçjerra, espécie de "tesoureiro" do príncipe de Orosh, que passa uma noite envolvido em questionamentos existenciais (altamente improváveis para uma pessoa do nível sócio-filosófico que lhe é conferido no livro!), aflito pelos problemas causados pela mudança dos tempos às finanças do príncipe e como isso pode fazer com que sua situação pessoal antes absolutamente intocável seja repentinamente prejudicada pela simples mudança (em seu modo de ver, decadência) dos antigos costumes na região.
O livro não explora, ou se aborda o faz superficialmente, os relacionamentos pessoais. Talvez isso se deva à falta de diálogo. Os habitantes do lugar são, como os sertanejos de literatura brasileira, indivíduos fechados, soturnos e reservados, que dificilmente conversam entre si abertamente. O casal de jornalistas também o faz muito pouco, mas por motivos diferentes; há uma evidente falta de sintonia entre ambos, um insistindo em esconder do outro coisas que se revelam explosivas ao fim do livro. As mais expressivas formas de comunicação estão, por incrível que pareça, em três curtíssimos episódios, três breves encontros, três olhares, trocados por três destes personagens principais e que desencadearão pensamentos e acontecimentos irreversíveis, como já disse Diogo Mainardi, em sua crítica na Veja. Esse recurso do olhar comunicativo é um recurso mais do que batido na literatura, como bem frisou o mesmo Mainardi - mas que em minha opinião funciona bem aqui - convence, e não soa falso nem forçado. Se há algo forçado, é a insistência do autor em tentar inserir de qualquer maneira detalhes sobre a cultura daquela região da Albânia, beirando o didatismo, como nas novelas da Globo em que os personagens intelectuais se põem a discutir o livro que estão lendo da maneira mais artificial possível. A tradução talvez não seja a mais fiel possível, está compreensível e clara demais para ter sido feita de uma língua tão bizarra como o albanês...
Anyway, não é um grande livro, e aparentemente só o peculiar interesse por situações, pessoas, lugares e culturas tão diferentes da nossa possa motivar sua leitura; pelo menos foi o que motivou a minha. Mas uma reflexão posterior à leitura mostra-o razoavelmente mais interessante que uma mera curiosidade antropológica.
A editora, Companhia das Letras, colocou de maneira repulsiva na capa uma tarja grotesca, gigantesca, vermelha, com os seguintes dizeres: "O Livro que inspirou o novo filme de Walter Salles". O marketing barato me enojou, a ponto de quase não ter comprado o livro. Me intriga pensar o que o nosso glorioso "Waltinho" terá que fazer para adaptar essa história para o Nordeste. Afinal, a constatação de que ambas as sociedades (do sertão nordestino e do Rrafsh) dispões de códigos de honra estritos não quer dizer que o que se passe numa possa ser facilmente ambientado na outra; confesso que estou curioso. Mas, não espero boa coisa: em se tratando do cinema brasileiro, pode-se sempre contar com o pior.

Algumas frases em homenagem à última coluna do Rafael Lima
"Discurse sobre a virtude e eles passam como rebanhos; assobie e dance, e terá uma platéia."
"Porque não chicotear o professor quando o pupilo se comporta mal?"
"Na casa dum rico não há lugar para se cuspir senão em sua cara."
"Pra que serve um filósofo que não machuca os sentimentos de alguém?"
(Diógenes de Sínope, "o cínico", em Heráclito e Diógenes)

"Se não fosse Alexandre, gostaria de ser Diógenes."
(Alexandre, o Grande, sobre o célebre filósofo)



Rafael Azevedo
São Paulo, 20/7/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assunto de Mulher de Marilia Mota Silva
02. Apresentação - Luís Fernando Amâncio de Luís Fernando Amâncio
03. Por que a discussão política tem de evoluir de Julio Daio Borges
04. O gueto dos ricos de Marta Barcellos
05. O fim do PT de Julio Daio Borges


Mais Rafael Azevedo
Mais Acessadas de Rafael Azevedo em 2001
01. A TV é uma droga - 23/11/2001
02. Os males da TV - 6/7/2001
03. A primeira batalha do resto da guerra - 30/11/2001
04. Só existe um Deus, e Bach é seu único profeta - 2/11/2001
05. A Má Semente - 19/2/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TEATRO INFANTIL
RUBEM ROCHA FILHO
LIDADOR
(1970)
R$ 12,00



O DESMONTE DE VÊNUS - CONTOS E CRÔNICAS
ALEXANDRU SOLOMON
TOTALIDADE
(2009)
R$ 15,17



A ROTA SANGRENTA
SVEN HASSEL
RECORD
(1977)
R$ 20,00



ANÁLISE DA INTELIGÊNCIA DE CRISTO: O MESTRE DA SENSIBILIDADE-LIVR
AUGUSTO JORGE CURY
ACADEMIA DE INTELIGENCIA
(2000)
R$ 10,00



MAIS FORTE EM MENOS TEMPO, EXERCÍCIOS DIÁRIOS PARA GANHAR O MÁXIM
BRIAN PAUL KAUFMAN E SID KIRCHHEIMER
LYON
(2001)
R$ 67,98



CATEGORIAS CONCEITUAIS DA SUBJETIVIDADE
FABIO THÁ
ANNABLUME
(2007)
R$ 18,00



CONTOS E CAUSOS DO RIO ARAGUAIA
FERNANDO ANTÔNIO SGRECCIA
EDIÇÃO DO AUTOR
R$ 8,00



SERVIÇO SOCIAL - DOCUMENTO HISTÓRICO
MARIA ESOLINA PINHEIRO
CORTEZ
(1985)
R$ 34,90



A QUESTÃO AMBIENTAL
LUIZ EDMUNDO DE MAGALHÃES COORDENADOR
TERRAGRAPH
(1994)
R$ 50,00



ARQUITETURA CIVIL III MOBILIÁRIO E ALFAIAS
VÁRIOS AUTORES
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
(1975)
R$ 45,00





busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês