As Mil e Uma Noites de Nélida | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> À beira do caminho
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> Vale Emprego
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> internet jornalismo revolução
>>> Façam suas apostas
>>> Estômago, com João Miguel
>>> A política brasileira perdeu a agenda
>>> Iniciantes, de Raymond Carver
>>> A Teoria de Tudo
Mais Recentes
>>> 31 - Profissão Solteira de Claudia Aldana pela Primavera Editorial (2008)
>>> El Mastín de los Baskerville de Sir Arthur Conan Doyle pela Promocionales (2016)
>>> A Marca de Uma Lágrima ( Livro+Encarte ) de Pedro Bandeira pela Moderna (1997)
>>> Meu Estado é Meu País Ceará de índigo pela Escala Educacional (2007)
>>> Concreto Armado, Vol. 1: Introdução de Walter Pfeil pela Ltc (1985)
>>> O Menino do São Benedito de Luís Nassif pela Senac (2002)
>>> Sucesso Em Português e Redação de Álvaro Ricardo de Mello Gouveia Veia pela Litteris (2016)
>>> Quem Pensas Tu Que Eu Sou? Coleção Aldus 32 de Abrão Slavutzky pela Unisinos (2011)
>>> Coleção Formação de Professores; Formação Continuada... 2 Edição de L. C. Menezes pela Autores Associados (2001)
>>> A Ilha Perdida - Coleção vaga-Lume de Maria José Dupré pela Atica (1996)
>>> Curso de Direito Administrativo - 3.ª Edição de Rafael Carvalho Rezende Oliveira pela Método (2015)
>>> Crônicas dos Senhores de Castelo - Livro 3 de G. Brasman & G. Norris pela Varus (2014)
>>> Real Estate Finance and Investments de William Brueggeman pela Mcgraw Hill
>>> Antitruste Em Setores Regulados de Marco Aurélio G. Valério pela Lemos & Cruz (2006)
>>> Longman Dictionary of Contemporary English With Cd de Longman do Brasil pela Longman do Brasil (2008)
>>> Caravana de Carina Castro pela Patuá (2013)
>>> Leituras de Jocy de Rodrigo Cicchelli Velloso pela Sesi-sp
>>> Ecomotion/pro Chapada Diamantina Bahia Brasil Bilingue de Vários Autores pela Eda
>>> Manual de Direito Penal, V. 1 - Parte Geral de Julio Fabbrini Mirabete; Renato N. Fabbrini pela Atlas (2010)
>>> Nada a Perder - Meus Desafios Diante do Impossível de Edir Macedo pela Planeta (2013)
>>> Fundamentos de Direito do Trabalho - Décima Sexta Edição de Sergio Pinto Martins pela Atlas (2015)
>>> Gerenciamentos da Comunicação Em Projetos 4 Ed de Lúcio Henrique e Outros pela Fgv (2014)
>>> Televisão Ponto de Apoio de Ciro Marcondes Filho pela Scipione (1994)
>>> Ainda os Lobos de Jozailto Lima pela Patuá (2016)
>>> O Grande Conflito: Paze Vitória Afinal! de Ellen G. White pela Condensada
COLUNAS

Terça-feira, 11/5/2004
As Mil e Uma Noites de Nélida
Luis Eduardo Matta

+ de 12000 Acessos

Um clássico da Literatura árabe e uma das peças literárias mais fascinantes de todos os tempos, a coletânea de contos de As Mil e Uma Noites atravessou séculos encantando gerações com a atmosfera inebriante e sedutora de um Oriente longínquo, mágico e quase mítico. O Califa de Bagdá, após descobrir a infidelidade da sua esposa que o traíra com um escravo, a mata e decide vingar-se de todas as donzelas do reino, deitando-se com uma a cada noite e assassinando-as no dia seguinte. A filha do Vizir, a, sagaz e impetuosa Scherezade, a mais linda princesa da corte, decide arriscar a própria vida para por um fim a essa matança indiscriminada e oferece-se para passar uma noite com o soberano, pedindo-lhe, apenas, a companhia de sua irmã, Dinazarda na câmara nupcial. O Califa concorda e, no meio da noite, Dinazarda, obedecendo ao plano previamente arquitetado pela irmã, pede a Scherezade que lhe conte uma de suas fábulas maravilhosas. Seduzido pela narrativa, o Califa adia a execução da jovem por um dia a fim de poder conhecer o seu final. No entanto, a habilidade de Scherezade em contar histórias, aliada a uma bem urdida tática de sempre reservar o desfecho para a noite seguinte a fim de atiçar a curiosidade do soberano, faz com que sua morte seja postergada indefinidamente por mil e uma noites, ao término das quais o Califa, irremediavelmente apaixonado pela jovem, renuncia à sua sede de vingança.

Símbolo da tradição oral dos povos muçulmanos, a maior parte das histórias de As Mil e Uma Noites teria sido redigida no Egito no século XIV e sua primeira versão para o Ocidente, realizada pelo francês Antoine Galland, data do XVII. Por se tratar de uma obra tão antiga e cativante - e, por isso mesmo, já suficientemente explorada por escritores, dramaturgos e artistas em todo o mundo - debruçar-se sobre ela com o intuito de recontá-la sem cair na armadilha da repetição fácil, é um desafio com enormes chances de fracasso. É preciso que o autor possua uma sensibilidade e um talento imaginativo tão extraordinários quanto os da própria Scherezade, além de uma profunda intimidade com a natureza da obra e das suas personagens, para conseguir recriá-las de forma lúdica e atraente sem, contudo, trair a sua essência original.

Com a recente publicação do romance Vozes do Deserto (Record; 352 páginas; 2004), a escritora e acadêmica Nélida Piñon foi além dessas expectativas e brindou os leitores com um verdadeiro tratado sobre o exercício da criação literária, ao magnificar duas das grandes metáforas presentes na história: a relação entre autor e leitor - representados respectivamente por Scherezade e pelo Califa - e a própria formação do escritor e o gradual aprimoramento da sua técnica, simbolizados pelas noites seguidas nas quais a princesa tenta seduzir o soberano com suas fábulas, pondo repetidamente à prova a sua capacidade imaginativa. Dessa forma, Nélida expõe com rara habilidade todos os mistérios, dilemas e angústias inerentes ao ofício literário, que vão desde a escrita propriamente dita até o desafio de cativar leitores através das palavras, convidando-os a abrir mão, por alguns instantes, da realidade e imergir no universo onírico da ficção. Uma bela homenagem da autora à arte milenar de contar histórias.

Valendo-se da linguagem elegante, refinada e fluente característica dos seus livros, como A República dos Sonhos e A Casa da Paixão, Nélida transpõe com maestria a história, originalmente ambientada na Pérsia, para a esplendorosa e vibrante Bagdá do apogeu do Califado Abássida. A escritora dedicou cinco anos ao estudo minucioso da história e da cultura árabe e islâmica a fim de reproduzir com fidelidade atmosfera, hábitos e sensações do Oriente Médio de mil anos atrás, tomando, porém, o cuidado de não lotear o livro com informações em excesso, uma verdadeira tentação para os escritores às voltas com pesquisas aprofundadas, longas e, muitas vezes, apaixonantes. É justamente nesse ponto que reside, a meu ver, um dos maiores méritos do livro: o seu caráter inovador dentro do contexto da Literatura brasileira. Ao optar pelo Oriente Médio medieval como cenário de seu livro - uma região pródiga e extraordinária na criação, a começar pela invenção do Deus monoteísta, segundo a própria escritora - Nélida Piñon contrariou uma espécie de regra informal vigente entre os escritores brasileiros de, unicamente, conceber livros sobre o Brasil, ambientados no Brasil ou, ao menos, protagonizados por brasileiros, sob pena de terem os seus trabalhos tachados como pastiches sem identidade. O Brasil, talvez por conta da sua eterna e insaciável busca por uma imagem e um sentido que satisfaçam aos anseios das elites e dos intelectuais e, ao mesmo tempo, se ajustem à realidade nacional sem mais ousar adaptá-la a um desejado e inacessível modelo puramente europeu, sempre desprezou aqueles que buscaram lançar um olhar para além das nossas fronteiras, provavelmente por julgar que temos muitos problemas por aqui que necessitam ser continuamente debatidos e aprofundados. Não deixa de haver uma certa lógica neste raciocínio, ainda mais se considerarmos que os grandes cérebros são escassos em nosso país, mas a Literatura e a arte de um modo geral, não podem se deixar confinar por esses limites, pois isso vai contra a sua natureza insubordinada e liberta. Uma obra como a monumental O Último Refúgio, da inglesa M. M. Kaye, uma saga apaixonante ambientada na Índia da segunda metade do século XIX e um dos melhores romances lidos por mim até hoje, certamente jamais alcançaria a projeção que alcançou, caso houvesse sido escrita por um brasileiro (e, naturalmente, encontrasse alguma editora disposta a lançá-la). Da mesma forma, o peruano Mario Vargas Llosa não conseguiria publicar autênticas obras-primas como A Festa do Bode (passado na República Dominicana do ditador Trujillo) ou A Guerra do Fim do Mundo (sobre o conflito de Canudos), nem Shakespeare teria escrito peças célebres do quilate de Romeu e Julieta e Hamlet, se vivessem no Brasil, pois o patrulhamento intelectual disfarçado de patriotismo não permitiria.

Se bem que, se pensarmos com cuidado, tanta artilharia não encontraria munição suficiente no caso particular de Vozes do Deserto, uma vez que a saga de Scherezade não é exclusiva dos povos árabes; ela pertence a todos que prezam a imaginação e o fabulário como patrimônios intransferíveis do homem. Inclusive, mostrando através de histórias como as de Aladim, Simbad e Ali Babá que não há fronteiras para o exercício da criação. Vozes do Deserto, além de um romance primoroso, funciona como uma aula sobre a prática de narrar, de inventar, de não ter pudores em mergulhar no mundo da imaginação e da fantasia. Todo ficcionista que der as mãos a Nélida Piñon e a Scherezade e se entregar com atenção e arrebatamento às páginas deste livro, certamente terminará a leitura com um sorriso no rosto e a certeza de ter auferido um inestimável conhecimento técnico e sensorial a partir da experiência da mais célebre contadora de histórias da Literatura universal.

Para ir além






Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 11/5/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Retrato arredio de cavalo de Elisa Andrade Buzzo
02. E por falar em aposentadoria de Fabio Gomes
03. Um safra de documentários de poesia e poetas de Elisa Andrade Buzzo
04. Ler para ficar acordado de Cassionei Niches Petry
05. Inimigos da política de Celso A. Uequed Pitol


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2004
01. Os desafios de publicar o primeiro livro - 23/3/2004
02. A difícil arte de viver em sociedade - 2/11/2004
03. Beirute: o renascimento da Paris do Oriente - 16/11/2004
04. A discreta crise criativa das novelas brasileiras - 17/2/2004
05. Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 1 - 13/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cetros Partidos
Gilvanize Balbino Pereira
Petit



Acesso. Vinte Anos de Boas Notícias
Angela Cassiano / Suze Smaniotto

(2002)



Fundamentos de Php
Julie C Meloni
Ciência Moderna
(2000)



Atire a Primeira Pedra
Harold Robbins
Record
(1982)



Economic Growth
David N. Weil
Addison-wesley Longman
(2009)



Isto É São Paulo!
Ottokar Hanns/Melhoramentos
Melhoramentos
(1963)



The New Illustrated Science and Invention - Vol. 3
Não Identificado
H. S. Stuttman
(1989)



Gramática e Redação da Teoria á Pratica
Ivani a Martins da Silva
Catalise



Os 100 Erros do Crm: Mitos, Mentiras e Verdades
Pedro Reinares
Thomson
(2007)



Os homoeróticos
Delcio Monteiro de Lima
Francisco Alves
(1983)





busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês