A novíssima arena de experimentação literária | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
79202 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bate-papo com Jeanette Rozsas
>>> Mais Kaizen
>>> O Cabotino reloaded
>>> Deleter
>>> O roteirista profissional: televisão e cinema
>>> Clínica de Guitarra de Brasil
>>> Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum
>>> Circo Roda Brasil
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães
Mais Recentes
>>> Prehistoric Animals (ages 4, Back Pack Books) de Philippe Legendre pela Walter Foster Publishing , Inc (2002)
>>> The Battle Of Kursk de Richard Harrison pela Helion And Company (2016)
>>> Disney Frozen - Uma aventura congelante de Abril pela Abril
>>> Geração Alpha Portugues 7 Ed 2019 - Bncc de Cibele Lopresti Costa pela Sm (2019)
>>> Resistindo à Pressão dos Colegas de Jim Auer pela Paulus (2012)
>>> Os Cinco Príncípios Essenciais De Napoleon Hill de Napoleon Hill pela Citadel Press (2022)
>>> Porque podemos viver 120 anos de Erik Frontier pela Germinando (2004)
>>> Que Sera (spanish Edition) de Michael Dertouzos pela Planeta (1997)
>>> Conexões Com A Física 3º Ano de Blaidi Sant Anna pela Moderna (didaticos) (2010)
>>> The Real History Of The Vietnam War: A New Look At The Past de Alan Axelrod pela Sterling (2013)
>>> Roma Antiga de Companhia pela Companhia Das Letrinhas (2007)
>>> Educação Através do Teatro de Hilton Carlos de Araujo pela Editex (1974)
>>> Livro Democracia E Defesa Nacional: A Criacâo Do Ministério Da Defesa Na Presidência De FHC de Eliézer Rizzo De Oliveira pela Manole (2005)
>>> Projeto de vida e atitude empreendedora 6 de Leo Fraiman pela Ftd (2020)
>>> Fighting For The Soviet Motherland: Recollections From The Eastern Front de Dmitriy Loza pela University Of Nebraska Press (1998)
>>> Hora De Alimentar As Serpentes de Marina Colasanti pela Global (2013)
>>> Fast food around the world de Red Ballon pela Red Ballon
>>> Escolhas Que Brilham de Silvia (camila Mesquita, Illus.) Camossa pela Callis
>>> Administração Estratégica De Mercado de David A. Aaker pela Bookman (2007)
>>> Crianças famosas - Tchaikovsky de Callis pela Callis
>>> The Power Of Business Process Improvement de Susan Page pela Amacom (2010)
>>> A História Das Duas Irmãs - Volume 2 de Various pela Girassol (2015)
>>> Livro O PAPA E O Concílio - Volume 2 de Janus pela Leopoldo Machado (2002)
>>> Shared Services: A Manager's Journey de Daniel Melchior Jr. pela Wiley (2007)
>>> A Troca de Beth O'leary pela Intriseca (2020)
COLUNAS

Terça-feira, 1/6/2004
A novíssima arena de experimentação literária
Luis Eduardo Matta
+ de 6000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

A crescente difusão da Internet como um veículo ímpar de comunicação e informação vem, nos últimos anos, operando uma mudança significativa nos padrões de comportamento da parcela mais esclarecida da sociedade, influindo não somente na forma e na velocidade como os fatos são assimilados, como também na própria relação das pessoas com o seu meio. Por conta do seu caráter inovador, da sua formidável capacidade de driblar regulamentos e penetrar mesmo nos ambientes mais fechados com o intuito de subvertê-los e das ilimitadas possibilidades de uso e alcance, ela tornou-se uma arma poderosa e, muitas vezes, capital contra a arbitrariedade e a ganância de governos e grandes conglomerados, historicamente habituados a manipular e distorcer fatos e estatísticas em nome de interesses inconfessáveis. Um exemplo que ilustra bem esse argumento é o recente escândalo das torturas perpetradas pelas tropas lideradas pelos Estados Unidos no Iraque, cujos relatos e imagens aterradores só puderam vir à tona com o impacto devido graças à Internet, já que, por livre iniciativa, uma significativa parcela da grande imprensa norte-americana - ainda à mercê da selvagem onda patriótica deflagrada pelos atentados de setembro de 2001 - hesitaria bastante em fazer as denúncias espontaneamente, por medo de represálias do governo ou, simplesmente, por acreditar que a revelação ao mundo de tamanha barbárie cometida por um país que se vale da reputação de bastião supremo da democracia para legitimar a sua hegemonia global, atrapalharia a já alquebrada guerra contra o terrorismo, atraindo ainda mais a antipatia do mundo contra os americanos e, conseqüentemente, expondo-os a novos ataques.

Alguns acham exagero falar em revolução, talvez movidos pela crença de que as revoluções são sempre ruidosas, súbitas e drásticas, mas há um inegável componente revolucionário no papel da Internet, que vem se manifestando aos poucos com resultados interessantes e surpreendentes. Um dos mais visíveis atualmente, pelo menos no Brasil, é o fervoroso debate levantado em torno da novíssima Literatura, a dita "geração 00", muito intimamente ligada ao universo cibernético em todas as etapas da criação literária, desde a concepção dos textos até a sua difusão através de blogs e e-zines. É justamente o ineditismo dessa empreitada, possível graças a uma notável tecnologia ainda muito recente e sem paralelo em toda a História humana, que a torna tão interessante e estimulante. Com a Web, autores que pelos meios convencionais teriam chances reduzidas de se expressar, estão conseguindo publicar seus textos, auferir algum renome, estabelecer um canal de comunicação com leitores e outros escritores e, o que é mais importante, experimentar linguagens e estilos num ritmo vertiginoso, oferecendo uma perspectiva inteiramente nova para a Literatura e o próprio exercício da escrita.

Não quero discutir aqui a qualidade do que é publicado na Web, mesmo porque se trata de um suporte ainda incipiente cujas possibilidades não foram totalmente exploradas. É verdade, porém, que muitos dos textos disponíveis on-line atualmente são de má qualidade, para dizer o mínimo. Há um fluxo interminável de sites onde predomina o exibicionismo adolescente, a baixaria nonsense, a falta de criatividade e uma acentuada "verborragia umbilical", muito em voga atualmente, de gente que pouco ou nada tem a dizer de original, sem falar nos incontáveis atentados à língua portuguesa, reflexo de uma geração pouco letrada, assumidamente avessa às regras mais elementares de grafia e sintaxe, com um notório desprezo pelos livros e que leva a coloquialidade da fala a graus extremos em nome de uma fajuta noção de modernidade. E quando, conjugado a tudo isso, existem ambições literárias, instaura-se o grande desastre que leva uma considerável parcela do mundo editorial e acadêmico a ainda torcer solenemente o nariz à produção da Web, generalizando-a como um reduto de amadores ridiculamente pretensiosos.

É uma besteira, aliás como toda generalização. A Internet está longe de ser a grande culpada pela apatia cultural de hoje; apenas, vem tornando mais visível um universo real que permaneceria em silêncio caso ela não existisse. E, nesse universo, predominantemente inculto, frívolo, banal e vazio, brotam ilhas de excelência e efervescência criativa e é nesse ponto que eu quero chegar. Sou absolutamente isento para falar sobre Literatura na Internet. Nunca tive um blog meu. Sou jovem, escrevo livros há mais de dez anos, nunca utilizei a Web para publicar textos literários, sempre preferindo o suporte tradicional em papel e só vim a conhecer pessoalmente alguns poucos escritores de blogs, ainda que sem maiores intimidades, muito recentemente, por pura casualidade. Mesmo assim, sem tomar parte diretamente desse universo, passei a acompanhar com grande interesse a sua evolução. Desde o ano passado habituei-me a visitar alguns blogs e revistas eletrônicas regularmente, a me informar sobre as discussões existentes no meio, a me surpreender com a qualidade e o profissionalismo de algumas iniciativas - como o projeto Paralelos, que desde o ano passado reúne em suas páginas os representantes da nova Literatura carioca revelada, em grande parte, na Web e a editora Livros do Mal, criada por três jovens escritores gaúchos, colunistas do extinto e célebre e-zine CardosOnline - e a minha impressão tem sido bastante positiva. Tanto pelos resultados até aqui alcançados, como pelos caminhos que podem ser abertos daqui por diante. É todo um mundo novo e desconhecido que ainda está por ser desbravado.

Cabe a pergunta: se os autores não contassem com as facilidades da Internet, eles teriam fôlego e criatividade suficientes para escrever da forma como escrevem? É difícil responder com precisão, já que enveredaríamos pelo terreno nebuloso das hipóteses, mas a resposta mais provável acho que seria não. Por três razões que julgo fundamentais: a primeira é que, sem o canal de publicação oferecido pela Web, muitos autores não teriam estímulo suficiente para escrever, preferindo se concentrar em outras atividades que lhes rendessem algum retorno, ainda que meramente emocional; ou se escrevessem, o fariam de outra forma e com outra linguagem e o texto iria parar, quase invariavelmente, no fundo de alguma gaveta; a segunda é que, uma vez não tendo a Literatura como fonte de sustento - pelo menos não ainda - muitos desses escritores exercem outras atividades, muitas das quais - como o jornalismo, só para citar a mais óbvia - os levam a passar horas diárias diante de um computador o que lhes permite, de vez em quando, publicar um post novo sem que o chefe e os colegas se dêem conta; a terceira razão é a possibilidade que a Internet abre para a interatividade, tanto com leitores como com outros escritores; a troca de informações e experiências, nesse caso, pode ser extremamente enriquecedora e desembocar na formação de uma espécie de rede, coisa que aliás já vem acontecendo - vide a barra de links amigos e recomendados encontrada em diversos blogs. Além disso, há sempre a esperança que muitos aspirantes a escritores nutrem de serem descobertos pelas editoras através da Internet, que serviria, portanto, também como uma vitrine privilegiada de escritos, possível de ser apreciada de qualquer parte do mundo. Essa descoberta, felizmente, tem acontecido e alguns autores vêm conseguindo publicar no papel graças à repercussão dos seus blogs.

A despeito dos êxitos alcançados, há alguns desafios que precisam ser superados. O maior deles é a conquista de leitores, um histórico problema brasileiro, que ainda não foi enfrentado com a competência e a seriedade necessárias e cuja solução está, principalmente, dentro das salas de aula (leiam o meu artigo "Formando Não-Leitores", publicado em dezembro de 2003 neste site, para maiores esclarecimentos). Não só os blogs ganhariam com isso, como todo o mercado editorial e jornalístico, sem contar, obviamente, o próprio povo que veria se abrir diante de si um universo infinito de possibilidades. Há também a questão da consolidação da Internet como um suporte devidamente respeitado de leitura e publicação, coisa que ainda não aconteceu, mas que parece estar a caminho. Um escritor que deseje ser reconhecido, ainda precisa ter os seus textos publicados no formato livro o que é natural, se considerarmos que a revolução dos blogs tem menos de dez anos o que, em termos históricos, representa muito pouco. Nesse último caso, o melhor a fazer é continuar escrevendo e postando, aprimorar os textos cada vez mais, persistir e esperar. Nenhum espaço hoje parece oferecer um painel tão abrangente sobre a nova produção literária brasileira do que a Web; mas, mesmo assim, ainda é prematuro fazer prognósticos sobre o avanço ou não da Literatura on-line. Talvez nada mude e o livro tradicional continue a prevalecer, mas, o certo é que uma nova maneira de se fazer Literatura foi criada; e isso, para o bem ou para o mal, já constitui uma reviravolta irreversível que afetará cada vez mais os escritores em todo o Ocidente, influenciando decisivamente os rumos da prosa daqui para a frente.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 1/6/2004

Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2004
01. Os desafios de publicar o primeiro livro - 23/3/2004
02. A difícil arte de viver em sociedade - 2/11/2004
03. Beirute: o renascimento da Paris do Oriente - 16/11/2004
04. A discreta crise criativa das novelas brasileiras - 17/2/2004
05. Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 1 - 13/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/6/2004
13h28min
Excelente texto. Tanto no conteúdo, quanto na maneira de abordar um tema tão atual. Acredito ser uma dessas escritoras que utilizam a internet como vitrine e objeto de retorno do que escrevo. Durante muitos anos acumulei originais em gavetas, com o advento dos blogs, comecei a publicar meus textos e passei a utilizá-lo também como uma forma de disciplinar minha escrita. Sem dúvida, sinto que amadureci muito após o blog, sem contar que o retorno obtido via comentários, serve como crítica e ferramenta de aperfeiçoamento literário.
[Leia outros Comentários de Patricia Daltro]
1/6/2004
20h38min
Não imagino minha produção literária desvinculada da internet. O blog é uma excelente ferramenta de divulgação, contato com os leitores e experimentação.
[Leia outros Comentários de Ana Beatriz Guerra]
3/6/2004
08h59min
Não há dúvidas de que a internete tem causado uma revolução nos meios de comunicação. Quanto à literatura, fui uma das pioneiras na publicação de textos no portal hotbook.com.br. Logo na primeira experiência, fiquei encantada por estabelecer “imediatamente” um canal de comunicação com leitores que por sua vez colocam na rede sua opinião logo após a leitura. A literatura é uma rede dentro da rede! Se há textos ruins, a resposta é imediata. “Esse texto não dá para ler!” é a resposta mais educada. O escritor que coloca os textos na web tem de estar preparado, aceitar as críticas e melhorar. Tenho certeza de que a internet “no mínimo” ajuda o escritor a aprimorar seu texto.
[Leia outros Comentários de Vera Carvalho]
4/6/2004
09h04min
O mais importante desta revolução cultural é a democratização do conhecimento, do saber e de novos conceitos de arte e literatura. Com a internet aproximamos o autor e leitor, através dela conhecemos excelentes autores espalhados por este país. Existe vida inteligente além do eixo Rio-São Paulo.
[Leia outros Comentários de Henrique Chagas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




D. Pedro II: O Último Imperador Do Novo Mundo Revelado Por Cartas E Documentos Inéditos
Paulo Rezzutti
Leya
(2019)



Livro Artes Segredos de Paris - Livro De Colorir & Passeios Antiestresse
Zoé De Las Cases
Sextante
(2015)



Mãe de Dois
Maria Dolores
Civilizacao Brasileira
(2011)



Arte Carioca 2001
Celso Bastos
Edição do Autor
(2001)



Nascida de Novo
Renata Persson
Casa Publicadora Brasileira
(2001)



Dictionary of International Business Terms
John J. Capela
Barrons
(1996)



Principles and Practice of Pediatric Oncology
Philip A. Pizzo / David G. Poplack
Wolters Kluwer
(2015)



Livro Arte e Beleza na Estética Medieval
Umberto Eco
Globo
(1989)



Viagens de Gulliver
Jonathan Swift
Objetiva



Do Golpe ao Planalto
Ricardo Kotscho
Companhia das letras
(2006)





busca | avançada
79202 visitas/dia
2,3 milhões/mês