Internet 10 anos - 1995 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
57067 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Internet 10 anos

Sexta-feira, 4/11/2005
Internet 10 anos - 1995
Julio Daio Borges

+ de 4300 Acessos

Em 1995, eu estava na Poli. Antes, também, e antes eu já ouvira falar da internet. Da internet, não da WWW. Tem diferença? Tem. Internet é a rede; WWW é a interface. Vou explicar.

Antes de 1995, eu ouvia falar de uma rede em que as pessoas entravam. Era em DOS. Era antes do Windows 95. Você lembra? É bem provável que não. DOS era aquela interface com tela de fundo preto, onde você digitava comandos e onde o computador se reduzia ao Windows Explorer. Precário. Você podia listar diretórios (hoje, pastas), abrir diretórios, criar diretórios, renomear diretórios... e rodar arquivos. Arquivos de software — aplicações e outros quetais.

Mas não vou entrar muito nos primórdios, senão a gente perde o foco.

Meus colegas, quase todos da Computação da Elétrica da Poli — que faziam estágio lá dentro —, exploravam os diretórios da internet. Antes de 1995. E pegavam um monte de coisas no escuro. Eles listavam diretórios (ou pastas), iam entrando em árvores (de diretórios ou pastas), listavam os arquivos, escolhiam alguma coisa pelo nome e "baixavam" (download). Não sabiam para que a coisa servia; não tinham a menor idéia do que baixavam. Simplesmente baixavam e rodavam.

Às vezes encontravam coisas legais. Na época, quando queríamos dividir arquivos uns com os outros, passávamos disquetes e tínhamos de "compactar" (para caber mais). Não havia internet; não havia e-mail — lembra? (Não, você não lembra.) É muito simples: eu tinha um arquivo em Word, o relatório de uma experiência, por exemplo; queria que meu colega olhasse; copiava num disquete e passava. Era uma "internet" manual. Era a internet à manivela da época.

Muitas vezes, não eram apenas arquivos em Word. O próprio Word, por exemplo. Quando saiu a versão 6.0 do Word, da Microsoft — digo, do programa —, foi uma festa. Olhávamos aqueles menus (e aqueles ícones) espantados. (Quem lê tanta notícia?) Quem aperta tanto botão?

Acontece que o Word, o programa, era pesado. Não havia CD; não havia CD-ROM. (Você lembra?) Então a gente usava um negócio que chamava "ARJ". O ARJ era um "compactador", um Winzip da vida — antes do Winzip; antes do Zip (que era o mesmo compactador de hoje, em versão pré-Windows). É possível? É. Imagine um mundo com computador, mas sem Windows 95. Esse era o mundo antes de 1995.

Assim, meus amigos "baixavam" coisas dos diretórios da internet. E para você ter uma idéia de como eram aqueles anos, um dia, um deles chegou todo feliz porque havia baixado uma versão do ARJ para Windows. Que maravilha.

Pra que servia? Você pode se perguntar... Talvez para nada. A internet não era uma coisa pra gente normal; era a "internerd" ainda.

Nesse tempo de diretórios e arquivos, eu não acessava a internet. Eu não fazia estágio na Poli; eu só ouvia falar. A Web, a WWW, a World Wide Web, digo, era uma coisa insípida. Quem navegava pelos diretórios, em DOS, esnobava quem navegava pelas páginas (como nós navegamos agora). O pessoal dos diretórios dizia que a Web era muito lenta pra eles e que eles preferiam entrar em pastas atrás de arquivos...

Em 1994, já estávamos no terceiro ano da faculdade e a turma começava a fazer estágio. Começava a participar daqueles horrendos processos de seleção. Eu fui conseguir um estágio em 1995; o ano fatídico em que a internet comercial no Brasil começou.

Cansado das grandes empresas, e dos longos processos de seleção, de repente vi um anúncio no mural da Poli Elétrica, convidando para um estágio com reconhecimento de voz. Meus amigos que estagiavam na faculdade diziam que era boa lá a vida e que os professores eram mais compreensivos com os horários malucos da própria Poli (coisa que os empregadores nem sempre aceitavam). Então eu segui as diretivas do anúncio e me apresentei num determinado dia, num determinado horário.

Eu tinha uma parca noção do que era "reconhecimento de voz". Eu obviamente sabia que devia ser alguma coisa ligada a "comandos de voz" e talvez o máximo que eu conseguia evocar era o sujeito dirigindo o carro no seriado A Super Máquina (!). O professor, em linhas gerais, explicou o que era o estágio — e eu encerrei a entrevista com uma pergunta sobre aplicações, na vida real, desse tal de reconhecimento de voz. O professor murmurou alguma coisa sobre caixas eletrônicos de banco. Me pareceu interessante...

Dias depois, tocava o telefone da minha casa (celular havia, mas ainda era caro), informando que eu "havia ganho a bolsa", que eu — em bom português — havia sido aceito no estágio. Fiquei contente. E me apresentei na mesma sala de reuniões de novo.

O estágio começou. Apesar do glamour da história do "reconhecimento de voz", era mais uma coisa teórica em torno de "modelos lineares" (e não-lineares) para reconhecimento de voz humana. O que isso significava na prática? Significava que ficávamos programando em C++ (linguagem da qual você provavelmente não deve se lembrar) até encontrar um "modelo" (ou algoritmo) que gerasse (ou reconhecesse) determinadas ondas (ou freqüências) que correspondessem, sei lá, à vogal "A". Mais fácil: montávamos equações que representassem o "A" pronunciado pelo Homo sapiens. Qualquer Homo sapiens. Qualquer "A". E assim vai...

Nem preciso dizer que eu me aborreci logo. O que salvava o estágio era uma sala em que todos entravam e se encontravam. A sala da internet (vamos chamá-la assim, embora eu não me lembre do seu verdadeiro nome, na verdade). Está muito chato este relato?

Eu não estou certo de haver um motivo específico para a "sala da internet" ser tão freqüentada, a não ser pelo fato de que era justamente a sala onde a internet podia ser acessada... Ocorre que todo mundo passava por lá. Estagiários e não-estagiários; funcionários e não-funcionários; professores e não-professores; secretárias e não-secretárias... Havia um ou outro computador; o resto eram workstations ou "estações de trabalho", que rodavam Linux (eu lamento pela especificidade do vocabulário, mas aqui é inevitável...). O Linux de 1995 era grego pra mim; eu me limitava a alguns comandos. Criar pastas, gravar arquivos e navegar. Só.

Não lembro do primeiro site que fui visitar. Havia homepage nessa época? Também não sei mais. A internet, no Brasil, era basicamente universitária (pelo menos em matéria de acesso) e eu me lembro de um site da Unicamp. Mas meu interesse, na época, era música.

Eu estava descobrindo o Frank Sinatra e lembro que achei sua discografia completa na internet. Um achado. Também, uma porção de fotos que comecei a gravar. (Meus colegas mais nerds de estágio coletavam, previsivelmente, fotos de "mulher pelada" — e gravavam CDs para, depois, espalhar). Havia algum mecanismo de busca... Qual? O Yahoo!? Meus interesses musicais ainda se inclinavam para o rock pesado e, enquanto eu fazia minhas pesquisas sobre o Sinatra (ele estava vivo, lembra?), descobria os diários de gravação do Ozzy Osbourne. O Ozzy estava em Paris (muito antes do The Osbournes...) — ou em outro lugar da Europa — e contava, todo dia, no seu site, como havia sido a gravação do dia anterior. Não havia blog — mas era o primeiro blog que eu acessava.

Espalhei entre meus outros amigos a notícia da internet. E as reações, em 1995, eram as mais variadas. Uns pediam pra ver. Eu mostrava. Um amigo, fã dos vampiros da Anne Rice (era a época do Vampiro Lestat), pedia para "fazer uma busca" com a palavra-chave "rice". Caímos em sites de arroz. Plantas geneticamente modificadas... Outro amigo, ou quase, insistia praticamente todo dia pra eu lhe mostrar a WWW. "Quero ver essa porra funcionando", ele confessava, sem meias palavras.

Semanas depois, eu recebi o telefonema de um terceiro, na minha casa, querendo saber como acessar a internet da USP direto de sua casa. Era complicado. Eu sabia dessa história: sabia que — se você tivesse modem (lembra?) — havia um jeito de se conectar com a USP e de "puxar" a internet de lá. O negócio era tão novo que nem havia ainda o vocabulário. "Provedor?", nem pensar. Só em 1996. Mas, aí, já é outra história...


Julio Daio Borges
São Paulo, 4/11/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Silêncio de Ricardo de Mattos
02. O irmão alemão, de Chico Buarque de Jardel Dias Cavalcanti
03. Cidade surreal de Elisa Andrade Buzzo
04. Duros tempos da vida moderna de Elisa Andrade Buzzo
05. De como os medíocres atrapalham os bons de Rafael Rodrigues


Mais Julio Daio Borges

colunista_mais_acessadas_query=SELECT colunistas.iniciais, colunas.ano, colunas.acessos, colunas.codigo, colunas.titulo, colunas.dia, colunas.mes FROM chamadas, colunas, colunistas WHERE colunas.codigo = chamadas.coluna AND colunas.colunista = colunistas.codigo AND colunistas.iniciais = 'JDB' AND colunas.ano = 2005 ORDER BY colunas.acessos DESC LIMIT 10 Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2005
01. É Julio mesmo, sem acento - 1/4/2005
02. Melhores Blogs - 20/5/2005
03. Não existe pote de ouro no arco-íris do escritor - 29/7/2005
04. O 4 (e os quatro) do Los Hermanos - 30/12/2005
05. Schopenhauer sobre o ofício de escritor - 9/9/2005


Mais Especial Internet 10 anos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BOLOTA N° 89
EDITORA RIO GRAFICA
RIO GRAFICA
(1974)
R$ 30,00



A QUEDA DA FRANÇA VOL 3 - O COLAPSO DA TERCEIRA REPÚBLICA
WILLIAM L. SHIRER
RECORD
(1969)
R$ 8,00



SEU REI MANDOU DIZER
GISELDA LAPORTA NICOLELIS
MODERNA
(1986)
R$ 12,00



PATHOLOGIC PHYSIOLOGY : MECHANISMS OF DISEASE
WILLIAM A. SODEMAN
W B SAUNDERS
(1950)
R$ 29,40



O CAMAROTE VAZIO
JOSUÉ MONTELLO
NOVA FRONTEIRA
(1990)
R$ 7,00



ANATOMIA DO GRANDE EXECUTIVO
JOHN WAREHAM
BEST SELLER
(1991)
R$ 24,00



GOLD GREED AND GLORY - LEVEL B1 +
BRIAN SARGENT
CAMBRIDGE/DICOVERY EDUCATION
(2014)
R$ 17,87



MANEQUIM TRABALHOS 177
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(1974)
R$ 7,00



POESIA TRADIÇÃO E MODERNIDADE: INTERLOCUÇÕES
MELÂNIA SILVA DE AGUIAR E SUELY MARIA DE PAULA
VEREDAS & CENARIOS
(2008)
R$ 8,00



A MAIS REMOTA LEMBRANÇA
FRED D AGUIAR
RECORD
(1994)
R$ 5,00





busca | avançada
57067 visitas/dia
2,6 milhões/mês