Sinopse da Corte | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Alfredo Bosi e a dignidade da crítica
>>> Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa
>>> Sábia, rubra, gorda (e gentil)
>>> Sol sem luz
>>> Letícia Sabatella #EuMaior
>>> Réquiem reloaded
>>> Fábio Porchat no Comedia em Pé
>>> La dolce vita
>>> Discurso de Isaac B. Singer
>>> O Iconoclasta, de Gregory Berns
Mais Recentes
>>> O livro da dança de Inês Bogéa e pela Companhia das Letrinhas (2002)
>>> O Deserto é Fertil de Dom Helder Câmara pela Civilização Brasileira (1976)
>>> Poemas de Fagundes Varela de Fagundes Varela pela Cultrix
>>> A Polaquinha de Dalton Trevisan pela Record (1986)
>>> O Voo do Cisne de José Luiz Tejon Megido- Autografado pela Gente (2004)
>>> Maggie e a Guerra do Chocolate de Michelle Mulder e Renata Tufano Ho pela Melhoramentos (2010)
>>> Porque é Importante Sonhar de Clovis Tavares pela Gente (1999)
>>> A Utopia de Thomas Morus pela Ediouro
>>> Facil Viagem a Outros Planetas de A C Bhaktivedanta Swami Prabhupada pela Fundação Bhaktivedanta (1986)
>>> Sociedade M a Força do Trabalho Em Equipe de William Gouchi pela Nobel (1985)
>>> Panorama do Movimento Simbolista Brasileiro-vol. II de Andrade Muricy- Organizador pela Imprensa Nacional (1951)
>>> Desespero Blue de Lucila Nogueira pela Bagaço (2003)
>>> A Ponte de Haven de Francine Rivers pela Verus (2015)
>>> A Poesia Piauiense no Seculo xx de Assis Brasil- Organizador pela Imago (1995)
>>> O Profeta da Inovação de Thomas K. Mccraw pela Record (2012)
>>> Bandeira, uma Poética de Multiplos Espaços de Eduardo Martins pela Edufro (2003)
>>> A Mão na Massa de Marina Colassanti pela Rovelle (2021)
>>> Mananciais do Deserto de Lettie Cowman pela Betania (1986)
>>> Bairro do Recife Porto de Muitas Historias de Antonio Torres Montenegro e Outros pela Grafica Recife (1989)
>>> Trabalho Dirigido de Filosofia de Parisi Cotrim pela Saraiva (1987)
>>> Elite da Tropa de Luiz Eduardo Soares André Batista Rodrigo Pimentel pela Objetiva (2005)
>>> Treze Noites De Terro de Luiz Roberto Guedes pela Do Autor (2001)
>>> Caminhos de Gusmão e Outros Contos de José Américo de Lima pela Fccr (1981)
>>> Iacocca uma Autobiografia de Lee Iacocca pela Cultura (1985)
>>> Os Escravos de Castro Alves pela Livraria Progresso (1950)
COLUNAS

Sexta-feira, 5/11/2004
Sinopse da Corte
Eduardo Carvalho

+ de 4600 Acessos
+ 2 Comentário(s)

No seu auge - em 95, 96 -, com sua coluna no Estadão e participações no Manhattan Connection, Paulo Francis encantava uma molecada que, como eu, não estava muito preocupada com os seus assuntos. Era o seu estilo que nos viciava, no texto ou na televisão: a mistura da erudição e do deboche, da seriedade e das caretas, da informação e das amenidades. Seu comentário sobre a eleição presidencial americana, por exemplo, não deixava escapar a qualidade da gravata do candidato. Esse seu tom acessível, cômico, captava nossa atenção. E acabou tendo também uma função pedagógica. Para muita gente, Francis apresentou possibilidades inimagináveis - como a de se divertir lendo Flaubert.

Nós, aos 14, 15 anos, tínhamos várias atividades e curiosidades - mas ópera e política, por exemplo, não nos interessavam diretamente. Francis, mesmo assim, era uma referência constante - e para todos os assuntos. Me lembro de um telespectador do Manhattan que escreveu para o programa pedindo a Francis recomendações de whisky. Francis disse que já não bebia mais, mas citou seus preferidos. No programa seguinte, o telespectador agradeceu, informando sua idade: tinha 15 anos. Paulo Francis tinha admiradores improváveis - de idades e interesses, podemos dizer, bem variados. Francis morreu em 97, e deixou essa multidão de órfãos intelectuais.

Em 1998, nas férias de julho, eu estava na fazenda, em Barretos, quando pela primeira vez esbarrei na coluna "Sinopse", do Daniel Piza, ainda na Gazeta Mercantil. A qualidade do seu texto, em primeiro lugar, me chamou a atenção. Era leve, rápido, direto - sem "poréns" desnecessários, e com informações e insights úteis. Foi quase um choque. Havia vida em sua coluna. Havia ali um jornalista curioso, inteligente, criativo - e acessível, escrevendo de forma clara, bonita. A impressão que tenho é de que os grandes jornais têm duas equipes: uma de jornalistas profissionais, que encurtam, alongam ou reciclam resenhas de assessorias de imprensa; e outra de escritores, ou aspirantes a, que escrevem de forma mais pessoal - mas tão pessoal que acaba interessando apenas, no fim das contas, ao assunto do colunista naquela semana (que pode ser, eventualmente, a família de lagartixas que vive em seu sobrado). Daniel Piza não se enquadrava nesses modelos: ele se dedicava a assuntos como a importância da leitura, numa sexta-feira, e na semana seguinte - ou na nota seguinte - reclamava do excesso de caminhões em nossas estradas.

Passei as férias acompanhando a "Sinopse". E percebi, logo nas primeiras semanas, certa influência de Francis. Mas Piza estava longe da imitação, ou da cópia de um estilo que, mesmo adaptado à sua personalidade, ficaria ridículo. Dizer que Daniel Piza tenta ser, ou é, uma espécie de herdeiro de Francis, como acusam alguns, é sacanagem. Piza, é verdade, aprendeu muito com as qualidades de Francis - emite opiniões abertamente, trata de temas diversos, escreve rápido e bem -, mas dispensou os seus defeitos, que, aliás, não lhe cairiam bem. O exagero de Francis, que lhe rendeu inimigos e fãs, por exemplo, não combina com o jornalismo de Piza, mais comedido, equilibrado. Francis foi, no começo da carreira de Piza, um orientador atencioso, a quem o autor da "Sinopse" reconhece a dívida. Daniel Piza, em 96, aliás, selecionou as melhores notas e trechos dos "Diários da Corte" (a coluna de Francis na Folha e, depois, no Estado), e compôs Waaal, um livro que resume, em aproximadamente 300 páginas, o jornalismo de Francis: um texto ágil, divertido, passando por todos os assuntos (como televisão, drogas, literatura) e vários autores, atores, políticos, cineastas, etc.

Não é só Daniel Piza que tem essa dívida com Francis - mas é um dos poucos a reconhecer. Uma geração inteira de brasileiros - e não só jornalistas - aprenderam com ele: foram atrás das suas indicações, descobriram novas referências, consideraram suas opiniões. O jornalismo brasileiro, no mínimo, deve a ele o texto mais informal, despretensioso, que hoje vigora nas redações. E economistas, dentistas, engenheiros, jogadores de futebol, etc., descobriram que é importante, num país democrático, o debate aberto de opiniões sustentadas, firmes. Chamar Francis de "do contra" é assumir que existe - ou existia -, no Brasil, uma opinião convencional; ou ele seria contra o quê? Alguém precisava desafiar essa unanimidade.

Daniel Piza publicou, em outubro, Paulo Francis - Brasil na Cabeça (Relume Dumará), um pequeno perfil biográfico do jornalista. Para quem estava com saudades - ou para quem queria conhecer mais sobre o jornalista, e não encontrava, em livro, nada sério a seu respeito. Alguém já devia ter feito essa pesquisa, ou escrito um livro semelhante. Daniel Piza - na falta de quem cumprisse a tarefa - assumiu mais uma vez o trabalho. E o cumpriu com competência: seu livro é, ao mesmo tempo, uma pequena biografia e um depoimento afetivo, sem escorregar para a descrição factóide da vida de Francis nem para um relato meloso de suas relações pessoais. Acertou em todas as pontas. Nós aguardamos agora os seus próximos trabalhos - mesmo se, ou especialmente se, não forem dedicados a Francis.

Porque sua coluna "Sinopse", hoje aos domingos, no Estado, também serviu para muita gente como estímulo à curiosidade. Principalmente gente da minha idade, que começou a acompanhá-lo, com 17, 18 anos, na Gazeta Mercantil. Esse passeio que Daniel Piza faz semanalmente, por temas e lugares, é, com altos e baixos, o que há de melhor na imprensa brasileira hoje. Temos também uma dívida com ele. Ou duas: pela coluna que tem mantido e, agora, pelo excelente perfil de Francis que escreveu.

Estado

O Estado de São Paulo, aliás, modernizou sua diagramação, lançou novos cadernos, incluiu mais colunistas - os do caderno "Link", pelo menos. Os leitores agradecem. Mas seus revisores - ou quem? - continuam falhando demais. Domingos atrás, por exemplo, a própria coluna do Daniel Piza, assunto acima, saiu com a primeira frase repetida. E como pode a mesma matéria sair duas vezes, um dia depois do outro, na capa do "Caderno2"? Imagem não é tudo.

Outras revistas

Na lista que montei, na coluna passada, sobre as melhores revistas do mundo, repare: fiquei apenas nas dedicadas a política e economia, basicamente (com exceção da New Yorker, mais forte em, digamos, temas culturais). Um amigo lembrou da Wallpaper; eu havia me esquecido - de citar, pelo menos - a Vanity Fair. São estilos diferentes, mas podem interessar ao mesmo público. Assino as duas, então - mais uma vez - vamos lá.

A Vanity Fair é muito confundida com um enorme catálogo de propagandas. Faz sentido, mas seus textos longos, bem escritos, são às vezes imperdíveis. É verdade também que ensaios ou reportagens, na maioria, servem apenas de enfeite - como que um contraponto inteligente àquele monte de sapatos, perfumes e jaquetas. Mas essa conversa entre alta costura e alta educação é saudável - para não deixar ninguém alienado. E os textos carregam assinaturas consagradas, como de Cristopher Hitchens e Harold Bloom, o que, por si só, justifica a leitura.

Ainda assim, a revista mais antenada, mais ligada a temas atuais - design, arquitetura, viagem, etc. -, é a Wallpaper. O texto, aí, existe, e é prático, breve - mas cumpre papel secundário. São as imagens que se destacam: de hotéis bacanas (Amanresort, no Butão), casas diferentes e inteligentes (a de Le Corbusier, no sul da França), lugares em destaque (Belgrado, em processo de revitalização) - e outras mais, para ficarmos na edição de novembro.

A melhor entre as duas? São diferentes. Mas como tudo, claro, é diferente, e às vezes precisamos fazer opções, fica a minha: a Wallpaper é, para muita gente, leitura fundamental.

Para ir além






Eduardo Carvalho
São Paulo, 5/11/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Livro fora e dentro do papel de Jardel Dias Cavalcanti
02. Mário Faustino e a poesia de Fabio Silvestre Cardoso
03. Wittgenstein, o fazedor de símiles de Julio Daio Borges


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2004
01. A melhor revista do mundo - 8/10/2004
02. De uma volta ao Brasil - 23/7/2004
03. Como mudar a sua vida - 21/5/2004
04. O chinês do yakissoba - 5/3/2004
05. Por que não estudo Literatura - 24/9/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/11/2004
19h54min
Caramba! Daniel Piza é muito bom. Cansei de "furtar" o Gazeta Mercantil do diretor do banco em que trabalhava, só para ler a coluna Sinopse da sexta-feira. Já o Paulo Francis, às vezes pecava pelo excesso.
[Leia outros Comentários de Gui]
11/12/2004
11h19min
Nós gostávamos de Francis quando blogs ainda näo existiam. E agora, quando qualquer um se sente no direito e dever de opinar sobre o que bem (ou mal, muito mal) entende, nós nos apegamos ao julgamento mais realista e sereno de Daniel Piza. Questão de velocidade de conexão, diria Machado. Donde concluo que, como leitores, nós, de nossa geracão, estamos mais para uma Virgília às avessas. (Sabe, fico tentado a desenvolver mais longamente o texto acima apenas para coroá-lo com um título que me ocorreu. Mas já que estamos aqui num espírito Brás Cubaniano, transcrevo o título, que é belo e perspicaz (HOJE, COMPANHEIROS, A AVENTURA É OUTRA), e deixo o texto insosso de lado. Grande abraco.
[Leia outros Comentários de Diego Ferraz]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Magia Em Você!
ômar Souki
Souki House
(2002)



Realidades de Israel
Ellen Hirsch
Centro de Informação de Isra
(1993)



Italy - a Photographic Journey
Rupert Matthews
Crescent Books
(1991)



Coleção Núcleo de Literatura - o Guarani
José de Alencar
Nucleo
(1993)



Sermões
João Wesley
Imprensa Metodista
(1994)



Dictionary of Design and Designers
Simon Jervis
Penguin Books
(1984)



Uma Idéia Cem por Cento - Porcentagem
Vários Autores
Ftd



Les Français a Table: Depuis 2000 Ans
Historia Hors Serie Nº 42 de 1975
Librairie Jules Tallandier
(1975)



Todos os Tempos de Tempos de Paz. a História de um Filme
Regina Zappa
Casa da Palavra
(2009)



Manual Prático de Direito do Trabalho - para Concursos
Eduardo A. V. Fernandez
Bh
(2005)





busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês