Sinopse da Corte | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sessão Única com Jogo de Escape Game e debate do filme 'Os Bravos Nunca se Calam' em SP
>>> OBRAS INSPIRADAS DURANTE A PANDEMIA GANHAM DESTAQUE NO INSTITUTO CERVANTES, EM SÃO PAULO
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> iPad
>>> iPad
>>> iPad
>>> Sátiro e ninfa, óleo s/ tela em 7 fotos e 4 movies
>>> poeta del vacío existencial
>>> Croft & Kidman
>>> Histórias de gatos
>>> Whitesnake, 1987
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> A árvore da vida
Mais Recentes
>>> Livro - A Ararajuba - Série natureza brasileira 2 de Rubens Matuck pela Biruta (2003)
>>> Arsène Lupin e Victor, da Brigada Anticrime (como novo) de Maurice Leblanc pela Principis (2021)
>>> Livro - Os Pássaros - Coleção Infanto Juvenil de Germano Zullo Albertine pela 34 (2013)
>>> Livro - Betina de Nilma Lino Gomes pela Maza (2009)
>>> Agente em campo (como novo) de John le Carré pela Record (2021)
>>> Fantasma sai de cena (muito bom) de Philip Roth pela Cia das letras (2008)
>>> Gota d’água - Coleção Teatro Hoje de Chico Buarque (Autor), Paulo Pontes (Autor) pela Civilização Brasileira (1977)
>>> Privação Cultural e Educação Pré-Primária de Maria Helena Souza Patto pela Livraria José Olympio (1977)
>>> Lisbela e o Prisioneiro de Osman Lins pela Planeta (2015)
>>> A Franco Maçonaria. Origem Historia e Influencia (raro exemplar) de Robert Ambelain pela Gnose (1990)
>>> O Desmonte de Amarildo Felix pela Patuá (2021)
>>> Diário de um Ladrão de Jean Genet pela Nova Fronteira (2005)
>>> Comédias para se ler na escola de Luis Fernando Verissimo pela Objetiva (2001)
>>> Auto da Barca do Inferno Farsa de Inês Pereira Auto da Índia de Gil Vicente pela Atica (2005)
>>> Eu não disse? (muito bom) de Mauro Chaves pela Perspectiva (2004)
>>> Os Sofrimentos Do Jovem Werther de Johann Wolfgang Von Goethe pela Martins Fontes (1998)
>>> O Quarto Reich (capa dura- ótimo estado) de M. A. Costa pela Livros de guerra (2018)
>>> A Inocência do Padre Brown (raro exemplar) de G. K. Chesterton pela Record
>>> Ventos de Quaresma (muito bom) de Leonardo Padura Fuentes pela Cia das letras (2008)
>>> Perseguido (muito bom) de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Cia das letras (2003)
>>> O Rei De Girgenti (muito bom) de Andrea Camilleri pela Record (2004)
>>> D. Pedro I (Perfis Brasileiros) de Isabel Lustosa pela Companhia das Letras (2006)
>>> Quatro Estações de Stephen King pela Objetiva (2001)
>>> Wicca Gardneriana de Mario Martinez pela Gaia (2005)
>>> O Feitiço do Cinema Ensaios de Griffe Sobre a Sétima Arte de Juan Guillermo D. Droguett e Flavio F. A. Andrade pela Saraiva (2009)
COLUNAS

Sexta-feira, 5/11/2004
Sinopse da Corte
Eduardo Carvalho

+ de 5000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

No seu auge - em 95, 96 -, com sua coluna no Estadão e participações no Manhattan Connection, Paulo Francis encantava uma molecada que, como eu, não estava muito preocupada com os seus assuntos. Era o seu estilo que nos viciava, no texto ou na televisão: a mistura da erudição e do deboche, da seriedade e das caretas, da informação e das amenidades. Seu comentário sobre a eleição presidencial americana, por exemplo, não deixava escapar a qualidade da gravata do candidato. Esse seu tom acessível, cômico, captava nossa atenção. E acabou tendo também uma função pedagógica. Para muita gente, Francis apresentou possibilidades inimagináveis - como a de se divertir lendo Flaubert.

Nós, aos 14, 15 anos, tínhamos várias atividades e curiosidades - mas ópera e política, por exemplo, não nos interessavam diretamente. Francis, mesmo assim, era uma referência constante - e para todos os assuntos. Me lembro de um telespectador do Manhattan que escreveu para o programa pedindo a Francis recomendações de whisky. Francis disse que já não bebia mais, mas citou seus preferidos. No programa seguinte, o telespectador agradeceu, informando sua idade: tinha 15 anos. Paulo Francis tinha admiradores improváveis - de idades e interesses, podemos dizer, bem variados. Francis morreu em 97, e deixou essa multidão de órfãos intelectuais.

Em 1998, nas férias de julho, eu estava na fazenda, em Barretos, quando pela primeira vez esbarrei na coluna "Sinopse", do Daniel Piza, ainda na Gazeta Mercantil. A qualidade do seu texto, em primeiro lugar, me chamou a atenção. Era leve, rápido, direto - sem "poréns" desnecessários, e com informações e insights úteis. Foi quase um choque. Havia vida em sua coluna. Havia ali um jornalista curioso, inteligente, criativo - e acessível, escrevendo de forma clara, bonita. A impressão que tenho é de que os grandes jornais têm duas equipes: uma de jornalistas profissionais, que encurtam, alongam ou reciclam resenhas de assessorias de imprensa; e outra de escritores, ou aspirantes a, que escrevem de forma mais pessoal - mas tão pessoal que acaba interessando apenas, no fim das contas, ao assunto do colunista naquela semana (que pode ser, eventualmente, a família de lagartixas que vive em seu sobrado). Daniel Piza não se enquadrava nesses modelos: ele se dedicava a assuntos como a importância da leitura, numa sexta-feira, e na semana seguinte - ou na nota seguinte - reclamava do excesso de caminhões em nossas estradas.

Passei as férias acompanhando a "Sinopse". E percebi, logo nas primeiras semanas, certa influência de Francis. Mas Piza estava longe da imitação, ou da cópia de um estilo que, mesmo adaptado à sua personalidade, ficaria ridículo. Dizer que Daniel Piza tenta ser, ou é, uma espécie de herdeiro de Francis, como acusam alguns, é sacanagem. Piza, é verdade, aprendeu muito com as qualidades de Francis - emite opiniões abertamente, trata de temas diversos, escreve rápido e bem -, mas dispensou os seus defeitos, que, aliás, não lhe cairiam bem. O exagero de Francis, que lhe rendeu inimigos e fãs, por exemplo, não combina com o jornalismo de Piza, mais comedido, equilibrado. Francis foi, no começo da carreira de Piza, um orientador atencioso, a quem o autor da "Sinopse" reconhece a dívida. Daniel Piza, em 96, aliás, selecionou as melhores notas e trechos dos "Diários da Corte" (a coluna de Francis na Folha e, depois, no Estado), e compôs Waaal, um livro que resume, em aproximadamente 300 páginas, o jornalismo de Francis: um texto ágil, divertido, passando por todos os assuntos (como televisão, drogas, literatura) e vários autores, atores, políticos, cineastas, etc.

Não é só Daniel Piza que tem essa dívida com Francis - mas é um dos poucos a reconhecer. Uma geração inteira de brasileiros - e não só jornalistas - aprenderam com ele: foram atrás das suas indicações, descobriram novas referências, consideraram suas opiniões. O jornalismo brasileiro, no mínimo, deve a ele o texto mais informal, despretensioso, que hoje vigora nas redações. E economistas, dentistas, engenheiros, jogadores de futebol, etc., descobriram que é importante, num país democrático, o debate aberto de opiniões sustentadas, firmes. Chamar Francis de "do contra" é assumir que existe - ou existia -, no Brasil, uma opinião convencional; ou ele seria contra o quê? Alguém precisava desafiar essa unanimidade.

Daniel Piza publicou, em outubro, Paulo Francis - Brasil na Cabeça (Relume Dumará), um pequeno perfil biográfico do jornalista. Para quem estava com saudades - ou para quem queria conhecer mais sobre o jornalista, e não encontrava, em livro, nada sério a seu respeito. Alguém já devia ter feito essa pesquisa, ou escrito um livro semelhante. Daniel Piza - na falta de quem cumprisse a tarefa - assumiu mais uma vez o trabalho. E o cumpriu com competência: seu livro é, ao mesmo tempo, uma pequena biografia e um depoimento afetivo, sem escorregar para a descrição factóide da vida de Francis nem para um relato meloso de suas relações pessoais. Acertou em todas as pontas. Nós aguardamos agora os seus próximos trabalhos - mesmo se, ou especialmente se, não forem dedicados a Francis.

Porque sua coluna "Sinopse", hoje aos domingos, no Estado, também serviu para muita gente como estímulo à curiosidade. Principalmente gente da minha idade, que começou a acompanhá-lo, com 17, 18 anos, na Gazeta Mercantil. Esse passeio que Daniel Piza faz semanalmente, por temas e lugares, é, com altos e baixos, o que há de melhor na imprensa brasileira hoje. Temos também uma dívida com ele. Ou duas: pela coluna que tem mantido e, agora, pelo excelente perfil de Francis que escreveu.

Estado

O Estado de São Paulo, aliás, modernizou sua diagramação, lançou novos cadernos, incluiu mais colunistas - os do caderno "Link", pelo menos. Os leitores agradecem. Mas seus revisores - ou quem? - continuam falhando demais. Domingos atrás, por exemplo, a própria coluna do Daniel Piza, assunto acima, saiu com a primeira frase repetida. E como pode a mesma matéria sair duas vezes, um dia depois do outro, na capa do "Caderno2"? Imagem não é tudo.

Outras revistas

Na lista que montei, na coluna passada, sobre as melhores revistas do mundo, repare: fiquei apenas nas dedicadas a política e economia, basicamente (com exceção da New Yorker, mais forte em, digamos, temas culturais). Um amigo lembrou da Wallpaper; eu havia me esquecido - de citar, pelo menos - a Vanity Fair. São estilos diferentes, mas podem interessar ao mesmo público. Assino as duas, então - mais uma vez - vamos lá.

A Vanity Fair é muito confundida com um enorme catálogo de propagandas. Faz sentido, mas seus textos longos, bem escritos, são às vezes imperdíveis. É verdade também que ensaios ou reportagens, na maioria, servem apenas de enfeite - como que um contraponto inteligente àquele monte de sapatos, perfumes e jaquetas. Mas essa conversa entre alta costura e alta educação é saudável - para não deixar ninguém alienado. E os textos carregam assinaturas consagradas, como de Cristopher Hitchens e Harold Bloom, o que, por si só, justifica a leitura.

Ainda assim, a revista mais antenada, mais ligada a temas atuais - design, arquitetura, viagem, etc. -, é a Wallpaper. O texto, aí, existe, e é prático, breve - mas cumpre papel secundário. São as imagens que se destacam: de hotéis bacanas (Amanresort, no Butão), casas diferentes e inteligentes (a de Le Corbusier, no sul da França), lugares em destaque (Belgrado, em processo de revitalização) - e outras mais, para ficarmos na edição de novembro.

A melhor entre as duas? São diferentes. Mas como tudo, claro, é diferente, e às vezes precisamos fazer opções, fica a minha: a Wallpaper é, para muita gente, leitura fundamental.

Para ir além






Eduardo Carvalho
São Paulo, 5/11/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Amor é Sexualmente Transmissível de Isabella Ypiranga Monteiro
02. Meu dente (quase) caiu de Ana Elisa Ribeiro
03. Futebol: 10 mandamentos e 5 mitos de Rafael Fernandes
04. A marca do fútil de Daniel Bushatsky
05. Meu assassino de Guilherme Pontes Coelho


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2004
01. A melhor revista do mundo - 8/10/2004
02. De uma volta ao Brasil - 23/7/2004
03. Por que não estudo Literatura - 24/9/2004
04. Como mudar a sua vida - 21/5/2004
05. O chinês do yakissoba - 5/3/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/11/2004
19h54min
Caramba! Daniel Piza é muito bom. Cansei de "furtar" o Gazeta Mercantil do diretor do banco em que trabalhava, só para ler a coluna Sinopse da sexta-feira. Já o Paulo Francis, às vezes pecava pelo excesso.
[Leia outros Comentários de Gui]
11/12/2004
11h19min
Nós gostávamos de Francis quando blogs ainda näo existiam. E agora, quando qualquer um se sente no direito e dever de opinar sobre o que bem (ou mal, muito mal) entende, nós nos apegamos ao julgamento mais realista e sereno de Daniel Piza. Questão de velocidade de conexão, diria Machado. Donde concluo que, como leitores, nós, de nossa geracão, estamos mais para uma Virgília às avessas. (Sabe, fico tentado a desenvolver mais longamente o texto acima apenas para coroá-lo com um título que me ocorreu. Mas já que estamos aqui num espírito Brás Cubaniano, transcrevo o título, que é belo e perspicaz (HOJE, COMPANHEIROS, A AVENTURA É OUTRA), e deixo o texto insosso de lado. Grande abraco.
[Leia outros Comentários de Diego Ferraz]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Procura- Se Hugo / 8ª Ed
Diléa Frate
Ediouro
(2002)



II Simposio Estadual do Café
Cetcaf
Cetcaf
(1996)



Cenas Brasileiras
Rachel de Queiroz
ática
(2002)



Alice no País das Maravilhas
Lewis Carroll; Adaptado por Débora J. Durães
Abril
(2011)



Não Faça Tempestade Em Copo DÁgua no Trabalho
Richard Carlson
Rocco
(1999)



Meditação dos Guias Interiores
Edwin C. Steinbrecher
siciliano
(1990)



Os Mestres Secretos do Tempo
Jacques Bergier
hemus
(1974)



Guia Prático para a Ascensão
Tony Stubbs
pensamento
(2004)



Antologia Poética
Manuel Bandeira
Global
(2013)



Inocência
Visconde Te Taunay
Escala
(1992)





busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês