Sobre Os Clássicos | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Bibliotecas públicas, escolares e particulares
>>> O Vendedor de Passados
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
Mais Recentes
>>> Chamado ás Nações de Shoghi Effendi pela Bahai do Brasil (1979)
>>> Jesus Cristo de Karl Adam pela Vozes (1950)
>>> Mi Filosofia y Mi Religion de Rodolfo Waldo Trine pela Antonio Roch
>>> Análise das Cousas de Paul Gibier pela Federação Espírita Brasileira (1934)
>>> Doctrina del Conocimiento de Franz Hartmann pela Juan Torrents Y Coral
>>> Força Interior de Carlos França pela Círculo do Livro S.A. (1988)
>>> Dizionario di Scienze Occulte e Lessico Ultrafanico de Cesira Corti pela Ceschina (1962)
>>> O Cardial Cerejeira no Brasil de Federação das Associação Portuguesas do Brasil pela Alba (1934)
>>> Apologies des Religions Apologie du Bouddhisme de Carlo Formichi pela Nilsson
>>> Histoire de la Frane Maçonnerie Universelle ( Vol. 03 Somente este) de G. Serbanesco pela S.A.I.E. Moriame (1966)
>>> Histore de la Franc Maconnerie Universelle Volume 2 de G. Serbanesco pela S.A.I.E. Moriame (1964)
>>> Historia de las Creencias ( Em 02 volumes) de Fernando Nicolay pela Anaconda (1946)
>>> Simplicidade e Plenitude de Sarah Ban Breathnach pela Ediouro (2000)
>>> A Sciencia Secreta ( Em 02 volumes) de Henri Durville pela Pensamento (1926)
>>> Il Nuovo Catechismo Olandese de Elle Di Ci pela Torino Leumann (1969)
>>> Magnetismo Pessoal de Heitor Durville pela Pensamento
>>> Orfeo los misterios de Dionysos de Eaduardo Schuré pela Orintalista (1929)
>>> La curacion por la Magia de C.J.S. Thompson pela Ahr (1955)
>>> Biografia de Joaquim Gonçalves Lêdo de Nicola Aslan pela Maçonaria
>>> Christus Manual de historia de las religiones de José Huby pela Angelus (1952)
>>> A comunicação com além de Rubens B. Figueiredo pela Fase (1982)
>>> Darkness at Noon de Arthur Koestler pela The Macmillan Company (1946)
>>> Cartas Esotericas de Vandeto pela Pensamento
>>> Le Langage Secret des Symboles de David Fontana pela Solar (1993)
>>> From Bethlehem to Calvary de Alice A. Bailey pela Lucis Publishing (1937)
>>> Methodologies of Hypnosis de Peter W. Sheehan pela Lea (1976)
>>> La vida Interna de C.W. Leadbeater pela Glem (1958)
>>> Madru o filho das Estrelas de Frederik Hetmann pela Circulo do Livro (1984)
>>> O Livro do Juízo Final de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1976)
>>> História das Religiões de Charles Francis Potter pela Universitária (1944)
>>> Faca sem Ponta, Galinha sem Pé de Ruth Rocha pela Nova Fronteira (1983)
>>> Diccionario de Astrologia de Nicolás de Vore pela Argos S.A. (1951)
>>> Ramsés - o Filho da Luz de Christian Jacq pela Berttrand Brasil (1999)
>>> O Reino dos Deuses de Geoffrey Hoddson pela Feeu (1967)
>>> Introdução ao Estudo do Novo Testamento Grego de William Carey Taylor pela Juerp (1966)
>>> São José de Anchieta de Gabriel Romeiro e Guilherme Cunha Pinto pela Círculo do Livro S.A. (1978)
>>> Na terra da Grande Imagem de Mauricio Collis pela Civilização - Porto (1944)
>>> Oito Syntheses Doutrinarias de Vários pela Roland Rohe (1929)
>>> O Livro do Juízo Final de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1976)
>>> Vietnam a Guerrilha Vista por Dentro de Wilfred G. Burchett pela Record (1968)
>>> O Papa e o Concílio de Janus pela Elos
>>> Cristianismo Rosacruz ( Em 02 volumes) de Max Heindel pela Kier (1913)
>>> A Grande pirâmide revela seu segredo de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1972)
>>> Obras Interpretação Sintética do Apocalipse de Cairbar Schutel pela O Clarim (1943)
>>> Poesias Completas de Mário de Andrade pela Martins (1974)
>>> As Cruzadas - Livro 1 - a Caminho de Jerusalém de Jan Guillou pela Berttrand Brasil (2006)
>>> O Romance da Astrologia ( Em 03 volumes) de Omar Cardoso pela Iracema
>>> A Grande Caçada de Robert Jordan pela Intrinseca (2014)
>>> Livro Vermelho dos Pensamentos de Millôr de Millôr Fernandes pela Nordica (1974)
>>> Outra Você de Newton Tornaghi pela Rio de Janeiro (1977)
COLUNAS >>> Especial Clássicos

Quinta-feira, 3/2/2005
Sobre Os Clássicos
Ricardo de Mattos

+ de 3900 Acessos
+ 3 Comentário(s)

"Diferem contudo dos grandes poetas, isto é, dos regulares, porque os grandes fizeram versos com palavras e arte regular; êstes, porém, por acaso, como se disse. Portanto, quanto mais de perto os imitarmos (os grandes), tanto mais perfeitamente faremos versos. (...) E por isso, confessem a própria estultice aquêles que privados de arte e de ciência, confiados únicamente no próprio engenho, se põem a cantar de modo sumo, coisas supremas; desistam de tão grande presunção e se pela preguiça natural, são gansos, não queiram imitar a águia que vôa nas alturas" (Dante Alighieri, De Vulgari Eloquentia, Livro Segundo)

Foi obra de Servius Tulius, sexto rei de Roma, a divisão do povo em cinco classes de acordo com a riqueza, profissão e estirpe de cada cidadão. Segundo a tradição, o termo classicus identificava os membros da classe mais alta. O uso ampliou gradativamente a abrangência e o adjetivo passou a referir-se ao resultado de toda arte ou técnica empregada com excelência. Já na antiguidade romana chamava-se "clássico" ao trabalho do poeta, do pintor, do escultor, ou do arquiteto cujo esmero fosse patente. A realização d'um exame rigoroso e a eleição da obra como "clássica" implicava não só em reconhecer-lhe a perfeição, mas também elegê-la como modelo. O que o artista fez para obter uma obra excelente transformava-se em princípio a ser obedecido pelos neófitos. Séculos passaram e a palavra foi usada para opor a arte da antiguidade greco-romana à da Idade Média, considerada então menos perfeita. Conhece-se a fartar o emprego pejorativo da expressão "Idade Média", tida como um mero período entre uma época de grandeza artística e outra de renascimento d'esta grandeza. Avancemos ainda mais no tempo e "clássico" torna-se a qualificação das melhores obras de determinado período, país ou movimento artístico.

Se a Eneida pode ser chamada simplesmente de obra clássica, o emprego moderno clama maiores cuidados. "Madame Bovary é um clássico do século XIX". Clássico de qual idioma? Do francês? Mas de qual movimento? Do Romantismo, do Realismo ou do Simbolismo? É o significado moderno do termo "clássico" que primeiro deseja-se exprimir ao assim nomear determinada obra. Corrente a classificação - a organização em classes - mas não suficiente. Dostoievski e Turguiêniev são clássicos da Literatura Russa do século XIX, mas não convém confundir a escrita tempestuosa do primeiro com os cuidados estilísticos do segundo.

O mundo é vasto e antigo, o sentido dilui-se. Pode-se falar, sem grande alteração de sentido, em obras capitais ou máximas. Contudo, nunca ouvi falar em "música capital". Se pergunto à vendedora a localização da estante de música "clássica", ela encaminhar-me-á à seção onde alguém reuniu nomes e estilos tão diferentes quanto Mahler e Vivaldi, rococó e vanguardas do século XX. Ultimamente, ao vê-lo mencionado, noto apegada uma idéia acessória que torna o conhecimento um dever. O clássico passa a ser o monumento d'aqui ou d'ali a ser necessariamente conhecido pelo estudioso. Se interesso-me pela Literatura Brasileira, eu devo ler Dom Casmurro. Pode ser um meio de constranger o escolar, mas pessoalmente causa-me antipatia. Enfim, a seleção empírica de várias obras significativas resultou n'um monte indefinível e variável que se sói chamar "clássicos": estou ouvindo um clássico, n'estas férias lerei alguns clássicos, irei ao museu contemplar um clássico do impressionismo.

Quem são clássicos: os autores ou as obras? Se os autores, que dizer das anônimas? Quais os autores e quais as obras clássicas? Variam. Se os nomes gozam de certa estabilidade nos cânones publicados, as obras têm posição inconstante. Platão fatalmente será citado, mas qual de suas obras o leitor não deve morrer sem ler? A República ou As Leis; O Banquete ou Fédon? O brasileiro sequer lembra-se de quem foi Theophille Gautier, mas experimente-se não o citar, na França, n'uma seleta de clássicos franceses. As Mil E Uma Noites foi tudo o que o Oriente produziu? A Bíblia pode ser também considerada um clássico literário ou deve ser reservada exclusivamente à esfera religiosa? Ateus e agnósticos vê-la-ão como literatura, religiosos hesitarão em responder. O Alcorão é literatura n'um país, fonte de religiosidade n'outro e texto legal n'um terceiro, uma vez que estabelece direitos e obrigações.

Escrevo ouvindo a Missa Solene, de Beethoven, que além de peça sacra traz embutida no Benedictus um suabilíssimo duo para violino e voz. Por que ela é menos "clássica" que as sinfonias, sonatas e trios? Os especialistas arrolarão vários pontos, entretanto costumo deixá-los praguejando sozinhos. Não é o leigo nem a academia quem define a obra clássica, mas ela mesma. Impõe-se sozinha e por isso merece atenção. Se o Decameron alcança-nos séculos depois, algum mérito possui. O conceito de clássico esfarelou-se de tal forma que arrisca o leitor impaciente. Se eu lesse Balzac a partir da famigerada A Mulher de Trinta Anos dificilmente voltaria a ele e mesmo nem o cumprimentaria na rua.

Moby Dick permanece, mas deixo-o para mais tarde. O mesmo faz a escritora Ana Miranda com Gargântua e Pantagruel. Por vezes o espírito demora a acolher uma d'estas obras máximas. Desconfio do moleque espinhento a vangloriar-se da leitura completa de Em Busca Do Tempo Perdido. Se elaboradas por escritores maduros, exigem leitores maduros. Sabe o que digo quem leu o livro certo na idade certa e apreendeu mais. Confesso ter retido menos do oferecido por À Sombra Das Raparigas Em Flor. É n'este ponto que se dá razão à Nelson Rodrigues e Jorge Luis Borges quando acentuam a importância da releitura. Todos gritam a importância da leitura, mas poucos lembram de recomendar o retorno ao texto. Decifrar letras difere do trabalho maior de abarcar o espírito. Uma obra que lerei novamente em alguns anos é Guerra e Paz. A quase santa princesa Maria, inspirada na esposa de Tolstoi, a beleza pérfida de Helena, o angustiado André Bolkonski, o intelectualmente inquieto Pedro, entre muitos outros: parece cinismo afirmar merecerem nova atenção.

Na coluna anterior eu argumentei propondo a distinção entre clássicos locais e clássicos estrangeiros. Buscando a coerência e atento ao relevo da releitura, este ano eu relerei Os Lusíadas. Tenho para mim que nenhum lusófono deve por de lado a obra máxima da língua portuguesa. Quero expor sem ranços de nacionalismo ou vício semelhante e espero conseguir. Enfada-me o pretenso cosmopolitismo de quem não conhece sequer a rua da própria casa. Ulysses é lido obrigatoriamente, até no município de Nhecolândia celebra-se o Bloom's Day e esquece-se quem foi Adamastor, despreza-se a conciliação camoniana entre os mitos antigos e a religião católica e sua exposição da história de Portugal da origem até perto d'um século de muito interesse para os brasileiros.

Retrato III
Dona Quequé de Viana Moura


Há vinte anos Dona Quequé de Viana Moura está morrendo. Nascida Maria Raquel de Azevedo Viana, é filha do finado coronel Bartolomeu Erasmo de Azevedo Viana, último Barão de Azevedo Viana, e de sua esposa, a também finada Eudóxia Bruckner de Azevedo Viana. O barão destacou-se por ser de início contra a abolição da escravatura e depois, ante a próxima intervenção monárquica no assunto, conceder voluntariamente a alforria aos cativos. Quem decide o que fazer com os meus pretos sou eu, não o imperador nem a moça filha d'ele. De sua parte, Dona Quequé nada fez que acrescentasse aos nomes de seus antepassados nem cuidou da continuação da dignidade da estirpe. Renome foi um capital pequeno do qual ela extraiu o máximo de juros. Dos cinco filhos que teve, um morreu antes de completar o primeiro semestre. O trauma incubado no orgulho impediu-a de levantar a mão ou falar rispidamente com os demais. Somente quem já passou sabe o que é isso. Resultou que Dona Quequé não educou quatro filhos, e sim, criou quatro tarados. O importante é que estão todos com saúde.

Atualmente Dona Quequé vive entre a sala, o quarto e a cozinha da casa germinada construída no exato terreno onde um dia elevou-se o casarão da família. Suas lembranças estão literalmente sepultadas n'aquele solo, e só abandoná-lo-á morta. Dona Quequé conhece o estado de imundície atual de sua residência, envergonha-se e não recebe ninguém. Contudo não admite reformas, engolindo com relutância a menor melhoria. A sala tem cortinas novas pois as antigas estavam podres e a Italiana, pobre do seu filho, rasgou-as todas quando providenciou a troca. Os trapos foram cuidadosamente lavados e guardados para o caso de precisar. Reformar implicar em gastar dinheiro e quando a casa esvaziar-se de sua última moradora, o gasto revelar-se-á inútil.

Para esta singular senhora, o mundo termina nos limites de Sant'Ana do Jecoaba. Não os limites atuais, porém os de sua meninice e juventude. Ficaria indignada se visse bairros inteiros construídos onde estendiam-se os cafezais do barão, terras hipotecadas e depois perdidas por seu irmão. O mesmo irmão que na revolução de 1.932 fugiu do alistamento vestido de mulher e retornou trazendo pela mão uma criança inexplicável. Em sua mente, Jecoaba foi adquirindo a forma d'um disco irregular a gravitar em torno d'um planeta de confusa lembrança. Aos seus recomenda não irem além dos limites pois é perigoso despencar.

A queda é um medo constante. Há muitos anos que Dona Quequé não sai às ruas, pois ainda lembra do dia em que sua irmã Leontina caiu na calçada e foi socorrida por estranhos. Jamais este papel seria admitido consigo. Se há risco em andar pelas calçadas e repetir a gracinha de Tintina, então melhor ficar em casa. Ironicamente, ela não freqüenta o próprio quintal desde quando foi buscar a gaiola d'um passarinho, escorregou no degrau e tombou quebrando o braço. Evite-se, pois, ir até lá. Já considerou humilhação suficiente seu neto Leopoldo falar para o ortopedista e suas enfermeiras que ela estava de fogo. No ano seguinte, Dona Quequé teve a desventura de ser internada às pressas devido a um edema pulmonar agudo. Recebendo alta, seu alívio foi maior por voltar à casa do que por melhorar. Manda a Prudência que se não saia ao jardim, pois uma corrente de ar pode trazer novamente o mal. Esta lição serve para o banho: bem quente, com um pano, semanal e rápido. Como morrerá quem nunca viveu, eis o enigma que cabe a ela Quequé decifrar.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 3/2/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Tapa na pantera e a casa do lago de Marcelo Miranda
02. A novela América e o sensacionalismo de Oprah de Marcelo Maroldi
03. Política de incentivo à leitura de Marcelo Maroldi


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2005
01. O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté - 23/12/2005
02. Cultura e Democracia Na Constituição Federal - 17/3/2005
03. Como E Por Que Ler O Romance Brasileiro - 20/1/2005
04. Anotações do Jardineiro - 10/11/2005
05. Anjos Caídos, de Tracy Chevalier - 31/3/2005


Mais Especial Clássicos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/2/2005
12h36min
Clássico, popular, erudito, vanguarda, toda essa classi-ficação não parece coisa de quem está mais preocupado em classi-ficar do que em sentir, experimentar ou experienciar mesmo a obra?
[Leia outros Comentários de Barbara Pollac]
8/2/2005
21h34min
Relembremos Calvino: "Os clássicos são livros que, quanto mais pensamos conhecer por ouvir dizer, quando são lidos de fato mais se revelam novos, inesperados, inéditos".
[Leia outros Comentários de Roberson Guimarães]
20/2/2005
23h50min
um fato importante foi traçado aqui: a releitura... a maturidade na experimentação da catarse que o texto oferece...
[Leia outros Comentários de Camila Zaguini]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SEJA INSENSATO: O MODO POUCO CONVENCIONAL DE ALCANÇAR RESULTADOS
PAUL LEMBERG
BEST SELLER
(2009)
R$ 8,28



ANATOMIA DA COMUNICAÇÃO
JAMES J. THOMPSON
BLOCH
(1973)
R$ 14,00



ASAS DO TEMPO: CRÔNICAS E CONTOS - 1ª EDIÇÃO
GLORINHA MOURÃO SANDOVAL (AUTOGRAFADO)
EFUSÃO
(1992)
R$ 14,00



HISTÓRIAS SOBRE ÉTICA PARA GOSTAR DE LER
LA FONTAINE E OUTROS
ÁTICA
(2012)
R$ 14,90



JUST RIGHT - AMERICAN EDITION - INTERMEDIATE - WB W/KEY + A/CD
JEREMY HARMER - WORKBOOK
MARSHALL-CAVENDISH
(2007)
R$ 279,00



ESPUMA FLUTUANTES
CASTRO ALVES
KLICK
R$ 8,50



O ÓDIO COMO POLÍTICA - A REINVENÇÃO DAS DIREITAS NO BRASIL
ESTHER SOLANO GALLEGO (ORG)
BOITEMPO
(2019)
R$ 15,00



OS PENSADORES
HEGEL
NOVA CULTURAL
(1999)
R$ 15,00



O LIVRO DOS AMULETOS
GABRIELA ERBETTA E MICHELLE SEDDIG JORGE
PUBLIFOLHA
(2004)
R$ 8,80



AMANTE INDÓCIL
JANET DAILEY
CIRCULO DO LIVRO
(1980)
R$ 9,00





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês