O sublime ridículo | Guilherme Conte | Digestivo Cultural

busca | avançada
58188 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Aquele apoio
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Pouca gente sabe
>>> O chilique do cabeleireiro diante da modelo
>>> Paradiso por Metheny
>>> A nova propaganda anda ruim
Mais Recentes
>>> Poeta, mostra a tua cara de Berecil Garay pela Toazza (1992)
>>> Nós Nus de Ione França pela Do autor (1989)
>>> Evolução de Alejandro Roldán pela Editorial Atlântida S. A. (1958)
>>> O bom filho a casa torra de Leila Miccolis pela Edicon (1992)
>>> Grandes Frases (Pocket) de Zibia Gasparetto pela Evd/ Vida e Consciência (2017)
>>> Sexo das Flores de Pedro Jofre Marodin pela Ermitagem (1989)
>>> O Brazil em face do Prata de Gustavo Barroso pela Imprensa Nacional (1930)
>>> Coreto de papel de Noel Nascimento pela Vicentina (2003)
>>> Projeto de Ensino de Geografia: Geografia Geral de Demétrio Magnoli; Regina Araujo pela Moderna (2004)
>>> A Serpente de Nelson Rodrigues pela Nova Fronteira (1980)
>>> Reencontro com Voce - Psicologia Aplicada de Julia Blanque pela Romero Santiago (2010)
>>> Ontem Agora = Poemas inéditos de Helena Kolody pela Regina Benitez (1991)
>>> Contabilidade Aplicada ao Setor Público de Francisco Glauber Lima Mota pela Brasília (2009)
>>> Mentes Perigosas o psicopata mora ao lado - Psicologia de Ana beatriz Barbosa Silva pela Fontanar (2008)
>>> Código Penal Comentado de Guilherme de Souza Nucci pela Revista dos Tribunais (2008)
>>> Asas de Jaime Vieira pela Edicon (1989)
>>> "Pássaro sem Asas" de Maria do Karmo Santos pela Tudo Novo
>>> Privatize Já: Pare de Acreditar em Intrigas Eleitorais e Entenda Como a Privatização Fará do Brasil um País Melhor de Rodrigo Constantino pela Leya (2012)
>>> O Filho de Netuno de Rick Riodan pela Intrinseca (2012)
>>> Les fleurs du mal de Baudelaire pela Didier (1961)
>>> Poetas contemporâneos Brasileiros = vol 4 de Diversos autores pela Toazza (1990)
>>> A Cauda Longa a Nova dinamica de Marketing- Administração de Chris Anderson pela Campus (2006)
>>> O Outro Lado de Mim de Sidney Sheldon pela Record (2005)
>>> Poetas contemporâneos Brasileiros = vol 3 de Diversos autores pela Toazza (1990)
>>> Em Busca de Respostas (Versão Pocket) de Zibia Gasparetto pela Evd/ Vida e Consciência (2017)
>>> Poetas contemporâneos Brasileiros = vol. 2 de Diversos autores pela Toazza (1990)
>>> O Mar de Monstros de Rick Riodan pela Intrinseca (2009)
>>> Poetas contemporâneos Brasileiros = vol. 1 de Diversos autores pela Toazza (1990)
>>> Como Organizar sua vida Financeira - Administração de Gustavo Cerbasi pela Campus (2009)
>>> Viagem no Espelho de Helena Kolody pela Criar (1988)
>>> As Luzes de Setembro de Carlos Ruiz Zafón pela Objetiva (2013)
>>> Fuja Logo e Demora para Voltar de Fred Vargas pela Companhia das Letras (2004)
>>> O Menino Sem Imaginação de Carlos Eduardo Novaes pela Ática (2008)
>>> Olhos d'água de Conceição Evaristo pela Pallas (2014)
>>> Mulheres Comida & Deus -medicina de Geneen Roth pela Lua de Papel (2010)
>>> História de Leves Enganos e Parecenças de Conceição Evaristo pela Malê (2017)
>>> A Gloria que Passou - Literatura de Taylor Caldwell pela Record (1979)
>>> O Genocídio do Negro Brasileiro de Abdias Nascimento pela Perspectiva (2016)
>>> Gramática da Língua Portuguesa de Pasquale Cipro Neto; Ulisses Infante pela Scipione (2008)
>>> O Espiritismo Perante a Ciencia - Espirita de Gabriel Delanne pela Feb (1937)
>>> Livro de Memórias de Maria Cristina Cachapuz Berleze pela Imprensa Livre (2015)
>>> Coleção 5 Gibis - Turma da Mônica de Mauricio de Souza pela Panini Comics (1500)
>>> Coleção 5 Gibis - Turma da Mônica de Mauricio de Souza pela Panini Comics (1500)
>>> A Dança Cósmica das Feiticeiras: Guia de Rituais para Celebrar a Deusa de Starhawk pela Nova Era (2003)
>>> Coleção 5 Gibis - Turma da Mônica de Mauricio de Souza pela Panini Comics (1500)
>>> Ansiedde o que e, os Principios Transtornos e como Tratar de Daniel Freeman e Jason Freeman pela L&pm Pocket (2018)
>>> Revisão Final ABIN: Com base nos editais nº 1-ABIN de 02.01.2018 e nº2-ABIN de 05.01.2018 (retificação) - Revisão ponto a ponto de Leandro Bortoleto; Paulo Lépore; Rogério Sanches Cunha pela Juspodivm (2018)
>>> Danças Folclóricas do Rio Grande de Deífilo Gurgel pela Edufrn (1990)
>>> Manual Pratico do Espirita - Espirita de Ney Prieto Peres pela Pensamento (2006)
>>> Coleção 5 Gibis - Turma da Mônica de Mauricio de Souza pela Panini Comics (1500)
COLUNAS

Quarta-feira, 17/8/2005
O sublime ridículo
Guilherme Conte

+ de 3700 Acessos

"Eu sou um homem ridículo. Agora eles me chamam de louco. Isso seria uma promoção, se eu não continuasse sendo para eles tão ridículo quanto antes." Assim começa uma profunda viagem aos subterrâneos do inconsciente de um funcionário público. Um homem comum, médio. Um homem ridículo.

Talvez ninguém tenha sido tão bom em traduzir a "alma russa" quanto Fiódor Dostoievski. Sua obra possui consistência e atualidade impressionantes, em uma prosa elegantíssima. É de um conto homônimo seu que nasceu o imperdível monólogo Sonho de um homem ridículo, em cartaz até o dia 18 de setembro. A montagem inaugura o Instituto Cultural Capobianco, no Centro de São Paulo.

É a volta de Celso Frateschi - também responsável pela dramaturgia da montagem -, que completa 35 anos de palco, ao teatro. Nos últimos quatro anos, Frateschi esteve à frente da Secretaria Municipal de Cultura, durante a gestão de Marta Suplicy na capital paulistana.

"Quando passamos por experiências marcantes, como foi o caso da secretaria, conseguimos fazer balanços objetivos muito claros. Mas os balanços subjetivos, para mim, só se realizam na experiência estética", conta Frateschi. Poucos minutos de conversa com o ator são necessários para que ele transpareça o envolvimento despertado por Sonho de um homem ridículo.

Em meio a mensalões e Comissões de Ética, o texto é providencial. Os corrompidos, os descaminhados, a verdade - a associação é imediata.

Um homem cético, descrente. Ocorre um episódio-chave, que o coloca em auto-questionamento. Há um flerte com o suicídio. Ele adormece e sonha. Detalhe: sonha diante do revólver. Ambiente carregado, opressor. O sonho é fantástico, extremamente expressivo. O raciocínio se constrói a olhos vistos: ele mergulha e a platéia mergulha junto. O homem viaja pelas estrelas. Há o vislumbre de uma vida fora da Terra, harmônica, ética. Utópica, de certa maneira.

Em meio à corrupção, ao mal e à mentira, ele vê a verdade. Só ele vê a verdade - é ridículo. Mais; é louco. Embora de postura niilista, extremamente crítica, o texto é no fundo esperançoso, quase otimista. Aí reside sua grandeza humanística. A experiência do público é intensa, mas alentadora. Me veio à cabeça uma passagem de Augusto dos Anjos e seu "Solilóquio de um Visionário": "Subi talvez às máximas alturas/ Mas se hoje volto assim, com a alma às escuras/ É necessário que eu ainda suba mais!"

"O texto coloca questões muito contundentes: a ética, a dimensão humana. É de uma dificuldade extrema", diz Frateschi. "Ao mesmo tempo, houve o trabalho de passagem do texto - originalmente um conto -, das letras no papel ao palco. Foi um desafio fascinante".

Frateschi brilha no palco. Alia profunda maturidade, técnica sólida e talvez o atributo mais notável ao vê-lo em cena ou conversando: a paixão pelo teatro. Atuando, está em casa; isso transparece em cada pequeno gesto, cada interjeição. É um grande ator, perfeito em um grande texto: não tem como dar errado.

Há de se destacar também a competente direção de Roberto Lage, atenta às possibilidades do texto, e aos belos cenários e figurinos assinados por Sylvia Moreira. É um espetáculo impecável, de beleza e sensibilidade raras. Para ir de coração aberto.

Para ir além
Sonho de um homem ridículo - Instituto Cultural Capobianco - Rua Álvaro de Carvalho, 97 - Centro - Quinta à sábado, 21h; domingo, 20h, R$ 30,00. Até 18/09.
Instituto Cultural Capobianco

Tarde demais?

Um homem em uma missa que não começa. Chove, e muito, do lado de fora. Três diálogos se estabelecem: com o antigo sócio de seu pai, com seu próprio pai e com o padre responsável pela celebração. Em pauta, a relação entre pai e filho. Entre eles, as barreiras que impedem o diálogo. Um acerto de contas. Em cartaz, no Teatro Procópio Ferreira, Adivinhe quem vem para rezar, surpreendente texto de estréia do jornalista Dib Carneiro Neto.

É um time de respeito. No palco, Paulo Autran e Cláudio Fontana encarnam uma tortuosa tentativa de diálogo, verdadeira dança de ironias, rancores e afetos sufocados. A direção fica por conta de Elias Andreato, a iluminação é de Wagner Freire e o cenário de Ulisses Cohn. A montagem reúne diversos aspectos interessantes. O mais notável talvez seja o fato de Paulo Autran encarar uma estréia de um jovem autor. Com 82 anos de idade, 55 destes no palco, Autran é um verdadeiro mito, a essência do teatro brasileiro. E seu vigor é invejável: além de Adivinhe, acabou de sair de cartaz com Visitando Sr. Green, terminou as filmagens do longa A Máquina, é responsável pelo programa Quadrante, na rádio BandNews FM (onde interpreta textos de autores brasileiros) e está para lançar um livro.

"Minha avó costumava dizer que macaco que se mexe muito quer chumbo. Mas eu não quero chumbo, não", conta, arrancando gargalhadas. Frio na barriga com a estréia? "Claro! O dia que não tiver, é melhor parar. Tenho dó desses atores que se dizem confortáveis em qualquer papel. Eles se tornam repetitivos", afirma. Ele diz que o texto de Dib lhe chamou a atenção logo de cara. "Me encantei. É uma peça totalmente original, diferente, impactante. Achei que seria um desafio interessante."

Quem também faz bonito é Cláudio Fontana, com uma personagem que não sai de cena um segundo sequer. Não é fácil dividir o palco com Autran; Fontana encara o desafio e se sai muito bem. É um papel arriscado, difícil - corria o risco de se tornar um chato, insosso: o que não ocorre. Muito pelo contrário: ele encarnou o papel com extrema competência.

"Quando li a peça, topei de frente com uma questão que não me dava trégua: por que ele não perguntou, o que o impediu?", conta Fontana. Ele também confessa ter ficado "fascinado" e tocado com o texto. "Assim que acabei de ler telefonei para o meu pai."

O texto de Dib é inclassificável pelos rótulos convencionais. Não chega a ser uma comédia, embora arranque, por vezes, gargalhadas. Tampouco é um drama. "Não a concebi como uma comédia, mas tive consciência dos momentos de humor", relata o autor. A cura pela palavra. A peça coloca questões difíceis, com grandes ressonâncias no público. "Quis mostrar como pode ser desastroso não conseguir conversar ou, pior, tentar conversar na hora errada", continua Dib. Ele partiu da premissa de que homens têm muito mais dificuldade para conversar do que as mulheres - ponto que aparece diversas vezes no texto.

As recorrências, aliás, são muito interessantes. Diversas frases se repetem na boca de diferentes personagens. Passado e presente se chocam. O tempo resolve tudo? Ainda faz sentido, é necessário abordar certas questões? "Afinal de contas, vai ter missa?"

Vale, e muito, a ida ao teatro. Uma experiência catártica, questionadora, mas com uma dose de alento. Melhor não deixar para amanhã.

Para ir além
Adivinhe quem vem para rezar - Teatro Procópio Ferreira - Rua Augusta, 2823 - Jardim Paulista - Quinta e sexta (R$ 60,00), 21h30; sábado (R$ 80,00), 21h; domingo (R$70,00), 20h. Até 18/12.


Guilherme Conte
São Paulo, 17/8/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Caetano, sem meio termo de Humberto Pereira da Silva
02. Selton Mello de Wellington Machado
03. Só sei que nada sei de André Pires
04. Um pouco de conservadorismo de Eduardo Mineo
05. A juventude nas livrarias de Luis Eduardo Matta


Mais Guilherme Conte
Mais Acessadas de Guilherme Conte em 2005
01. Fantasmas do antigo Recife - 31/8/2005
02. Um rio para lavar a dor - 12/10/2005
03. Crônicas de solidão urbana - 30/6/2005
04. Sobre o gênio que é Harold Pinter - 26/10/2005
05. Rindo de nossa própria miséria - 21/9/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VINDA COM A NEVE
ODETTE DE BARROS MOTT
MODERNA
(1984)
R$ 24,00
+ frete grátis



ETIQUETA SOCIAL PRONTA PARA USAR
JOSUÉ LEMOS DA SILVEIRA
MARCO ZERO
(2003)
R$ 14,50



COMORBIDADES - MICRO E MACROVASCULARES
JOSE LUIZ SANTELLO
BBS
(2008)
R$ 12,10



CHICO XAVIER - O APÓSTOLO DA FÉ
CARLOS A. BACCELLI
LEEP
(2007)
R$ 6,90



GUIA DA ECOLOGIA PARA ENTENDER E VIVER MELHOR A RELAÇÃO DO HOMEM
FABIO FELDMANN
GUIAS ABRIL
(1992)
R$ 5,00



O REINO DO DRAGÃO DE OURO
ISABEL ALLENDE
BERTRAND BRASIL
(2004)
R$ 18,00



MULHERES INTELIGENTES RELAÇÕES SAUDÁVEIS
AUGUSTO CURY
MACADEMIA
(2011)
R$ 25,90



SUPERINTERESSANTE AIDS A 1% DA CURA Nº 10
VARIOS AUTORES
ABRIL
(1996)
R$ 5,99



ARBITRAGEM NACIONAL E INTERNACIONAL
ANA LUIZA BACCARAT DA MOTTA PINTO
ELSEVIER
(2012)
R$ 48,00



EMÍLIO OU DA EDUCAÇÃO - 1ª EDIÇÃO
JEAN-JAQUES ROUSSEAU
EDIPRO
(2017)
R$ 110,00





busca | avançada
58188 visitas/dia
2,0 milhões/mês