O escritor pode | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
Mais Recentes
>>> A Loucura de Tristão (La Folie Tristan) de Anônimo Francês do Século XII(Trad.? Autografo): G. D. Leoni pela Rassegna Brasiliana/ SP. (1965)
>>> A Religião viva do Cristo de Cesar D' Almeida Campos pela Livraria Cultura (1951)
>>> Evangelho da Solidão de Eduardo de Oliveira pela Cupolo (1969)
>>> Villa-Rica de Alcibiades Delamare pela Nacional (1935)
>>> Revista do Arquivo Municipal Clxvii (167) de Nicanor Miranda/alceu Maynard Araújo pela Depart. de Cultura (1962)
>>> La Celestina de Fernando de Rojas pela Madrid (1959)
>>> Economia e Sociologia de Adolf Lowe pela Revista Forense (1956)
>>> Movimento Praieiro:imprensa, Ideologia e Poder Politico de Izabel Andrade Marson pela Contemporanea (1980)
>>> Perfil do Mercado Consumidor:de Santo André e da Grande São Paulo de Felicio P. Benatti pela Fund. Santo André (1969)
>>> A Força Invisível de Wayne W. Dyer pela Sextante (2007)
>>> Revista de Educação:AEC, A Atualidade do Começo. Ano. 35 julho / Se... de Olmira Bernadete Dassoler pela Salesianas (2006)
>>> As Tres Prosas: a Pobre, a Rica e a Nova- Rica (conferência...) de Agostinho de Campos pela Livr. Ailaud e Bertrand/ Lisboa (1923)
>>> XXll de Agosto de Nelson de Souza Carneiro pela Nacional (1933)
>>> São Francisco de Sales de Abbe Jacques Leclerq pela Vozes (1957)
>>> Os Dogmas do Espiritismo de Rosalina Calmon dos Santos pela Arte Moderna
>>> La puerta Cerrada de Simón H. pela Esoteria (1981)
>>> Os Galos da Aurora de Hélio Pólvora pela Civilização Brasileira (1958)
>>> O Triumpho das Forças Mentaes de O. S. Marden pela América Latina (1929)
>>> Anuário Militar 1987 de John Pimlott pela Globo (1987)
>>> Cannaviaes de Alberto Deodato pela Rio de Janeiro (1922)
>>> Introdução á Poesia de Augusto dos Anjos de Júlio de Oliveira Martins pela Livraria Brasil (1958)
>>> Um dia depois do outro de Antonio de Almeida Prado pela Clube do Livro (1965)
>>> Um dia depois do outro de Antonio de Almeida Prado pela Clube do Livro (1965)
>>> As Tres Prosas: a Pobre, a Rica e a Nova- Rica (conferência...) de Agostinho de Campos pela Livr. Ailaud e Bertrand/ Lisboa (1923)
>>> Trinta Anos Depois da Volta de Octavio Costa pela Biblioteca do Exército (1976)
>>> 2194 Giorni Di Guerra de Mondadori pela Ediouro (1979)
>>> Encyclopedia of the Vietnam War de Stanley I. Kutler pela Charles Scribners (1996)
>>> O Encontro Marcado de Fernando Sabino pela Record (1988)
>>> Foguetes e Mísseis da III Guerra Mundial de Robert Berman e Bill Gunston pela Livro Técnico S/A (1983)
>>> A Segunda guerra mundial (Vol. 2 Somente esse Volume) de Raymond Cartier pela Primor (1975)
>>> Os Aviões de Enzo Angelucci pela Arnoldo Mondadori (1975)
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
COLUNAS

Quarta-feira, 19/10/2005
O escritor pode
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

No século XV, enquanto ingleses, espanhóis e portugueses se preocupavam em viajar por mares nunca d'antes navegados, singrar águas cheias de monstros mitológicos e desafiar as então definitivas leis da física, outros tantos europeus mais comedidos dedicavam-se a inventar maneiras de imprimir livros sem precisar copiá-los a mão.

Gutenberg, na Alemanha, foi o felizardo que conseguiu, engenhosamente, reunir na prensa uma série de pequenas outras invenções, tais como o tipo móvel e engenhocas menos articuladas. O inventor do recurso e do novo método de impressão de códices imprimiu, então, a Bíblia de 44 linhas, com um tipo de letra peculiar à sua oficina. E assim essa nova tecnologia foi se espalhando pela Europa e ganhando outras oficinas e tornando famosos outros impressores.

A invenção e a difusão de uma tecnologia ultrapassam a abrangência local e fazem efeitos sociais de suma importância (nem sempre percebida prontamente) para uma cidade, um estado, um país e até mesmo para o mundo. A invenção de Gutenberg é tratada como um dos fatores que teriam levado à Reforma Protestante (já que a Bíblia poderia chegar mais facilmente às mãos do leitor e à sua leitura direta, sem intermediários) e, conseqüentemente, à Contra-Reforma Católica. Também é a utilização da prensa para imprimir livros que vai sendo apropriada de outras formas por outros tipos de suporte. Para encurtar história, o jornal vai se utilizar da engenhoca até virar o que é hoje, assim como a revista.

E são tão importantes essas ações tecnológicas e humanas que as profissões e as ocupações também se redimensionam e passam a se enquadrar em novos modelos de escrita e leitura, novas ações sociais para a comunicação.

Até a época de Gutenberg e mesmo muito depois, o autor como dono do texto não tinha importância, muito menos a importância e a projeção que tem hoje. Autores muitas vezes eram quem ditava um texto a um escriba que mal sabia ler, mas sabia escrever. Os títulos dos textos e dos livros eram sua primeira linha em destaque. Não havia a preocupação em compor um título que resumisse as idéias principais (como aprendemos na escola desde crianças) e nem muito menos a de conferir aos textos e aos livros nomes impactantes, como aprendem os comunicólogos e os vendedores de manchetes.

O autor como conhecemos hoje começou a se configurar no Romantismo, movimento literário que deu ao escritor os ares que ele ainda tem, o criador de um objeto de apreciação, dono absoluto até mesmo dos sentidos que o leitor poderia dar à obra. Nessa época é que os escritores (aqueles que sabem e podem fazer com que um texto tenha algum valor estético) tornaram-se jornalistas. Embora nós, os que nascemos no século XX, tenhamos conhecido Machado de Assis como romancista, contista e poeta, foi nos jornais cariocas que o bruxo lançou seus folhetins, publicados com suspense no final do capítulo e tudo. Machado era pacato, não viajava, não saía da então capital do país e tornou-se, à época, jornalista, profissão recém-aparecida, que nem precisava de formação especial.

Foi numa dessas empreitadas jornalísticas que José de Alencar, antes de Machado, em 1856, lançou o folhetim completo Cinco minutos como brinde no ato da compra do jornal. A mesma idéia que tem a imprensa até hoje.

O escritor, então, era um misto de jornalista e escritor, cronista do cotidiano ou de grandes fatos, que podia, no entanto, mesclar a escrita precisa e insossa do jornalismo puro à beleza do texto composto com a argamassa literária difícil de conceituar e de apontar.

Essa situação ambígua e a relação entre escritores e jornalistas, seja ela de rivalidade ou de consórcio, vem sendo discutida desde então, apesar de todos os baques históricos e psicanalíticos que vêm sofrendo o conceito e a figura do autor.

No século XXI, o que se tem escutado fora das redações é que a profissão tornou-se, há muito, talvez desde Alencar e Machado, o ganha-pão de 8 entre 10 escritores (mesmo os de renome), não porque sejam todos eles apaixonados pela linguagem e pelas pirâmides invertidas, mas porque ao menos podem escrever textos quando não devem escrever literatura.

Também os escritores-jornalistas contemporâneos são confrontados diariamente com a realidade das contas a pagar e a vencer e não têm outra solução, especialmente neste país, que não seja encontrar uma ocupação que lhes renda salário. Mesmo tendo pauteiros e editores-chefes para lhes lembrar de que notícias têm prazo e de que os leads não são poemas, esses autores fazem do jornalismo sua profissão para sustentar a outra atividade, verdadeira paixão, essa, sim, irreprimível e necessária: a escrita criativa.

Dizia o escritor Coelho Neto (1864-1934): "Quanto à literatura que publicamos nos jornais, lembra os livros impressos no tempo do Santo Ofício: não têm o visto da Inquisição, mas têm o visto do redator-chefe". E é esse conflito de escritor-funcionário que ataca as consciências daqueles que precisam escrever para ganhar dinheiro e, quando podem, para continuar vivendo sem tanta angústia. Imagine-se, então, quando o escritor tem uma profissão que nem é o jornalismo? Há registros de relações também estreitas entre dois tipos de escrita, por exemplo, escritores-publicitários, escritores-professores, escritores-engenheiros, escritores-filósofos, etc. E, acreditem, além de ter que ganhar dinheiro, já que a literatura não o provê, pode ser que o escritor ame as duas coisas. É comum que escritores-professores se movam por duas paixões, à maneira dos amantes com seus dois pares, cada qual para sua função.

O jornalista recebe ordens, pautas, critérios de redação, limitação de tamanho, tema, número de caracteres, língua padrão, concisão, clareza. Cobertura, crítica superficial, alinhamento. Trabalho jogado no lixo todos os dias. Chão de gaiola de passarinho, fundo de sacola de feira, papelote no cabelo das meninas, embrulho de jarra de vidro. Já o livro, não. É acondicionado, guardado, apreciado ou, mesmo que revendido no sebo, artigo de luxo, fundo de foto quando o político quer mostrar que tem cultura, tem status.

É essa paixão que move um escritor. E as condições para escrever lhe são dadas quando ele garante o texto pautado apenas pelo que lhe move, a observação dos olhos dele, sem redator-chefe e sem cobertura de evento. O escritor pode tudo no texto. Trabalho de campo de escritor é na linguagem. O do jornalista é no texto e na pauta vinda de cima. Sorte quando os dois são o mesmo, ainda que as suas escritas sejam duas, uma para a cama, outra para a mesa.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 19/10/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Daniel Piza, sempre aberto ao diálogo de Humberto Pereira da Silva
02. Ad Usum Juventutis de Ricardo de Mattos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005
05. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/10/2005
17h19min
Prezada Ana Elisa, gostei muito de seu texto "O escritor pode". Tenho mais de 3 mil entrevistas de escritores e estou recolhendo respostas sobre a relação Literatura-jornalismo. Realizo também uma bibliografia sobre esta relação, e o seu texto já está devidamente inserido. No futuro pretendo editar um livro renindo todo o material: respostas dos escritores jornalistas e vice-versa e bibliografia comentada. Grato pela contribuição. Cordialmente, J.D. Brito
[Leia outros Comentários de J. D. Brito ]
21/10/2005
01h01min
Ana Elisa, adorei esse texto sobre o ofício(?) do escritor. É uma pena que no Brasil pouquíssimos escritores possam viver dos seus livros. E é uma pena maior que os debates sobre o tema se detenham no famoso círculo vicioso: poucos leitores, poucos livros, pouca venda, baixa remuneração do escritor. Muitos dizem que a saída está na educação, lá embaixo, com as crianças. Tudo bem: a literatura infantil é a saída e está muito bem-servida no Brasil - e tem muita criança lendo mesmo. Mas o que me preocupa, como professor de filosofia do ensino médio, é que os adolescentes se deparam com um hiato entre (1) a fantasia, o onírico, proporcionados pela literatura até a pré-adolescência, e (2) a realidade - da qual já têm consciência - pela frente. É aí que o livrinho infantil, que fomentaria o desejo de se embrenharem pelos deliciosos caminhos da literatura adulta, perde sua função. Explico. O livro (assim como a educação, em geral) sofre uma desleal concorrência dos objetos, programas, mídias disponíveis aos adolescentes neste século 21. Internet, celulares, MP3, TVs (que atraem o telespectador com a força publicitária de uma companhia de cigarros) e shopping centers. A própria velocidade desses “protótipos” requer um lazer também mais veloz. E convenhamos: a leitura de um livro, como deleite, é uma atividade lenta. Infelizmente. Pedir para um adolescente ler uma página em sala de aula é um chiste. Outro dia fui trabalhar com uma música de Chico Buarque (“Apesar de Você”) em sala de aula e fui massacrado. Disseram que era música antiquada, que os pais deles que ouviam aquilo... Enfim, como a música era um samba, pediram um ritmo mais... moderninho. Pobres Mozart, Bach, Beethoven! Enfim, o mercado editorial melhorou sim, mas há muita literatura(?) direcionada para esse público “volátil”. Triste Brasil! Quando começam a ler, fazem-no por vias tortas. Abraços, Wellington Machado, BH
[Leia outros Comentários de wellington machado ]
1/11/2005
14h42min
Suassuna disse certa vez que resolveu ter uma profissão para não fazer concessões à sua arte, a literatura ficcional. Melhor seria se não abrissemos concessão e conseguissemos viver da nossa arte. Mas, enquanto isso não vem...
[Leia outros Comentários de fabiano novais]
2/12/2005
08h58min
Parabéns pelo texto. É importante ter uma profissão e viver uma vida comum para ser escritor. Quantos grandes livros, de grandes escritores, saíram por eles terem tido acesso a informações por conta de sua profissão? Enfim, não acho que seja necessário, nem tão necessário assim, viver do que se escreve.
[Leia outros Comentários de Gustavo Henn]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A IMIGRAÇÃO JAPONÉSA EM SÃO BERNARDO DO CAMPO
ADEMIR MEDICI
FAC
(1983)
R$ 100,00



MISTÉRIOS DA PINDORAMA
MARION VILLAS BOAS
BIRUTA
(2000)
R$ 21,59



CIDADE DOS ANJOS CAÍDOS (VOL.4 OS INSTRUMENTOS MORTAIS)
CASSANDRA CLARE
GALERA RECORD
(2014)
R$ 19,00



CRIATURA CONTRA CRIADOR
SARAH K.
SM
(2016)
R$ 10,00



UMA PROVA DE CORAGEM
RITA FOELKER
EME
(1993)
R$ 8,00



MEMORIAS DE UM SARGENTO DE MILICIAS
MANUEL ANTONIO DE ALMEIDA
OBJETIVO
(1997)
R$ 5,00



LOUCURAS DE UMA PAIXÃO
MARIA ESTELA ORLANDELI
PETIT
(2018)
R$ 18,00



MORTE E VIDA POSITHIVA
BETO VOLPE
REALEJO
(2016)
R$ 46,00



TERAPIA DA SOLIDÃO
DANIEL GRIPPO
PAULUS
(2005)
R$ 6,90



GO GIRL - TODA HISTÓRIA TEM DOIS LADOS - VERDADE OU DESAFIO?
MEREDITH BADGER
FUNDAMENTO
(2011)
R$ 34,50





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês