O escritor pode | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Manual prático do ódio
>>> Por que Faraco é a favor da mudança ortográfica
>>> Modernismo e Modernidade
>>> A favor do voto obrigatório
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> Sobre o Ronaldo gordo
>>> A nova escola
>>> 100 homens que mudaram a História do Mundo
>>> Entrevista com Ruy Castro
Mais Recentes
>>> Aços e Ferros Fundidos 6ª Ed de Vicente Chiaverini pela Associação Brasileira de Metal (1990)
>>> Historias Disparatadas de Vic Parker pela Silver Dolphim (2021)
>>> O Monge e o Filosofo: o Budismo Hoje de Jean-françois Revel e Matthieu Ricard pela Mandarim (1998)
>>> Kaplan GMAT 800, 2005-2006 de Vários Autores pela Kaplan Publishing (2005)
>>> Crónica de la Colonia Galesa de la Patagonia de Abraham Matthews pela El Regional (1975)
>>> Le New York de Paul Auster de Gérard de Cortanze , James Rudnick pela Du Chêne (1993)
>>> Effective horsemanship de Noel Jackson pela Arco Publishing (1967)
>>> Livro - Guias de campo- O ceu de Guias de campo pela Escala educacional
>>> Eclipse de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2008)
>>> Famílias Terrivelmente Felizes de Marçal Aquino pela Cosac Naify (2003)
>>> Crepusculo de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2008)
>>> O Olho Mais Azul de Toni Morrison pela Companhia das Letras (2019)
>>> The White Face de Carl Ruthven Offord pela Robert M. McBride Company (2023)
>>> Belas Maldições de Neil Gaiman Terry Pratchett pela Bertrand do Brasil (2017)
>>> Um dia minha alma se abriu por inteiro de Iyanla Vazant pela Sextante (2000)
>>> Marley e eu de John Grogan pela Prestigio (2006)
>>> Na Companhia de Soldados - o Dia-a-dia da Guerra do Iraque de Rick Atkinson pela Bertrand Brasil
>>> Leila Diniz de Joaquim Ferreira dos Santos pela Companhia das Letras (2008)
>>> A casa das sete torres de Nathaniel Hawthorne pela Nova Fronteira (2019)
>>> A cabana de William P Young pela Sextante (2008)
>>> Política - uma brevíssima introdução de Kenneth Minogue pela Jorge Zahar (1998)
>>> Cinquenta tons mais escuros de E L James pela Intrinseca (2012)
>>> Ensino da Gramática. Opressão? Liberdade? de Evanildo Bechara pela Atica (1995)
>>> Os cem melhores poemas brasileiros do século de Italo Moriconi pela Objetiva (2001)
>>> Cadê meu travesseiro? de Ana Maria Machado pela Salamandra (2004)
COLUNAS

Quarta-feira, 19/10/2005
O escritor pode
Ana Elisa Ribeiro
+ de 3800 Acessos
+ 4 Comentário(s)

No século XV, enquanto ingleses, espanhóis e portugueses se preocupavam em viajar por mares nunca d'antes navegados, singrar águas cheias de monstros mitológicos e desafiar as então definitivas leis da física, outros tantos europeus mais comedidos dedicavam-se a inventar maneiras de imprimir livros sem precisar copiá-los a mão.

Gutenberg, na Alemanha, foi o felizardo que conseguiu, engenhosamente, reunir na prensa uma série de pequenas outras invenções, tais como o tipo móvel e engenhocas menos articuladas. O inventor do recurso e do novo método de impressão de códices imprimiu, então, a Bíblia de 44 linhas, com um tipo de letra peculiar à sua oficina. E assim essa nova tecnologia foi se espalhando pela Europa e ganhando outras oficinas e tornando famosos outros impressores.

A invenção e a difusão de uma tecnologia ultrapassam a abrangência local e fazem efeitos sociais de suma importância (nem sempre percebida prontamente) para uma cidade, um estado, um país e até mesmo para o mundo. A invenção de Gutenberg é tratada como um dos fatores que teriam levado à Reforma Protestante (já que a Bíblia poderia chegar mais facilmente às mãos do leitor e à sua leitura direta, sem intermediários) e, conseqüentemente, à Contra-Reforma Católica. Também é a utilização da prensa para imprimir livros que vai sendo apropriada de outras formas por outros tipos de suporte. Para encurtar história, o jornal vai se utilizar da engenhoca até virar o que é hoje, assim como a revista.

E são tão importantes essas ações tecnológicas e humanas que as profissões e as ocupações também se redimensionam e passam a se enquadrar em novos modelos de escrita e leitura, novas ações sociais para a comunicação.

Até a época de Gutenberg e mesmo muito depois, o autor como dono do texto não tinha importância, muito menos a importância e a projeção que tem hoje. Autores muitas vezes eram quem ditava um texto a um escriba que mal sabia ler, mas sabia escrever. Os títulos dos textos e dos livros eram sua primeira linha em destaque. Não havia a preocupação em compor um título que resumisse as idéias principais (como aprendemos na escola desde crianças) e nem muito menos a de conferir aos textos e aos livros nomes impactantes, como aprendem os comunicólogos e os vendedores de manchetes.

O autor como conhecemos hoje começou a se configurar no Romantismo, movimento literário que deu ao escritor os ares que ele ainda tem, o criador de um objeto de apreciação, dono absoluto até mesmo dos sentidos que o leitor poderia dar à obra. Nessa época é que os escritores (aqueles que sabem e podem fazer com que um texto tenha algum valor estético) tornaram-se jornalistas. Embora nós, os que nascemos no século XX, tenhamos conhecido Machado de Assis como romancista, contista e poeta, foi nos jornais cariocas que o bruxo lançou seus folhetins, publicados com suspense no final do capítulo e tudo. Machado era pacato, não viajava, não saía da então capital do país e tornou-se, à época, jornalista, profissão recém-aparecida, que nem precisava de formação especial.

Foi numa dessas empreitadas jornalísticas que José de Alencar, antes de Machado, em 1856, lançou o folhetim completo Cinco minutos como brinde no ato da compra do jornal. A mesma idéia que tem a imprensa até hoje.

O escritor, então, era um misto de jornalista e escritor, cronista do cotidiano ou de grandes fatos, que podia, no entanto, mesclar a escrita precisa e insossa do jornalismo puro à beleza do texto composto com a argamassa literária difícil de conceituar e de apontar.

Essa situação ambígua e a relação entre escritores e jornalistas, seja ela de rivalidade ou de consórcio, vem sendo discutida desde então, apesar de todos os baques históricos e psicanalíticos que vêm sofrendo o conceito e a figura do autor.

No século XXI, o que se tem escutado fora das redações é que a profissão tornou-se, há muito, talvez desde Alencar e Machado, o ganha-pão de 8 entre 10 escritores (mesmo os de renome), não porque sejam todos eles apaixonados pela linguagem e pelas pirâmides invertidas, mas porque ao menos podem escrever textos quando não devem escrever literatura.

Também os escritores-jornalistas contemporâneos são confrontados diariamente com a realidade das contas a pagar e a vencer e não têm outra solução, especialmente neste país, que não seja encontrar uma ocupação que lhes renda salário. Mesmo tendo pauteiros e editores-chefes para lhes lembrar de que notícias têm prazo e de que os leads não são poemas, esses autores fazem do jornalismo sua profissão para sustentar a outra atividade, verdadeira paixão, essa, sim, irreprimível e necessária: a escrita criativa.

Dizia o escritor Coelho Neto (1864-1934): "Quanto à literatura que publicamos nos jornais, lembra os livros impressos no tempo do Santo Ofício: não têm o visto da Inquisição, mas têm o visto do redator-chefe". E é esse conflito de escritor-funcionário que ataca as consciências daqueles que precisam escrever para ganhar dinheiro e, quando podem, para continuar vivendo sem tanta angústia. Imagine-se, então, quando o escritor tem uma profissão que nem é o jornalismo? Há registros de relações também estreitas entre dois tipos de escrita, por exemplo, escritores-publicitários, escritores-professores, escritores-engenheiros, escritores-filósofos, etc. E, acreditem, além de ter que ganhar dinheiro, já que a literatura não o provê, pode ser que o escritor ame as duas coisas. É comum que escritores-professores se movam por duas paixões, à maneira dos amantes com seus dois pares, cada qual para sua função.

O jornalista recebe ordens, pautas, critérios de redação, limitação de tamanho, tema, número de caracteres, língua padrão, concisão, clareza. Cobertura, crítica superficial, alinhamento. Trabalho jogado no lixo todos os dias. Chão de gaiola de passarinho, fundo de sacola de feira, papelote no cabelo das meninas, embrulho de jarra de vidro. Já o livro, não. É acondicionado, guardado, apreciado ou, mesmo que revendido no sebo, artigo de luxo, fundo de foto quando o político quer mostrar que tem cultura, tem status.

É essa paixão que move um escritor. E as condições para escrever lhe são dadas quando ele garante o texto pautado apenas pelo que lhe move, a observação dos olhos dele, sem redator-chefe e sem cobertura de evento. O escritor pode tudo no texto. Trabalho de campo de escritor é na linguagem. O do jornalista é no texto e na pauta vinda de cima. Sorte quando os dois são o mesmo, ainda que as suas escritas sejam duas, uma para a cama, outra para a mesa.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 19/10/2005

Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005
05. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/10/2005
17h19min
Prezada Ana Elisa, gostei muito de seu texto "O escritor pode". Tenho mais de 3 mil entrevistas de escritores e estou recolhendo respostas sobre a relação Literatura-jornalismo. Realizo também uma bibliografia sobre esta relação, e o seu texto já está devidamente inserido. No futuro pretendo editar um livro renindo todo o material: respostas dos escritores jornalistas e vice-versa e bibliografia comentada. Grato pela contribuição. Cordialmente, J.D. Brito
[Leia outros Comentários de J. D. Brito ]
21/10/2005
01h01min
Ana Elisa, adorei esse texto sobre o ofício(?) do escritor. É uma pena que no Brasil pouquíssimos escritores possam viver dos seus livros. E é uma pena maior que os debates sobre o tema se detenham no famoso círculo vicioso: poucos leitores, poucos livros, pouca venda, baixa remuneração do escritor. Muitos dizem que a saída está na educação, lá embaixo, com as crianças. Tudo bem: a literatura infantil é a saída e está muito bem-servida no Brasil - e tem muita criança lendo mesmo. Mas o que me preocupa, como professor de filosofia do ensino médio, é que os adolescentes se deparam com um hiato entre (1) a fantasia, o onírico, proporcionados pela literatura até a pré-adolescência, e (2) a realidade - da qual já têm consciência - pela frente. É aí que o livrinho infantil, que fomentaria o desejo de se embrenharem pelos deliciosos caminhos da literatura adulta, perde sua função. Explico. O livro (assim como a educação, em geral) sofre uma desleal concorrência dos objetos, programas, mídias disponíveis aos adolescentes neste século 21. Internet, celulares, MP3, TVs (que atraem o telespectador com a força publicitária de uma companhia de cigarros) e shopping centers. A própria velocidade desses “protótipos” requer um lazer também mais veloz. E convenhamos: a leitura de um livro, como deleite, é uma atividade lenta. Infelizmente. Pedir para um adolescente ler uma página em sala de aula é um chiste. Outro dia fui trabalhar com uma música de Chico Buarque (“Apesar de Você”) em sala de aula e fui massacrado. Disseram que era música antiquada, que os pais deles que ouviam aquilo... Enfim, como a música era um samba, pediram um ritmo mais... moderninho. Pobres Mozart, Bach, Beethoven! Enfim, o mercado editorial melhorou sim, mas há muita literatura(?) direcionada para esse público “volátil”. Triste Brasil! Quando começam a ler, fazem-no por vias tortas. Abraços, Wellington Machado, BH
[Leia outros Comentários de wellington machado ]
1/11/2005
14h42min
Suassuna disse certa vez que resolveu ter uma profissão para não fazer concessões à sua arte, a literatura ficcional. Melhor seria se não abrissemos concessão e conseguissemos viver da nossa arte. Mas, enquanto isso não vem...
[Leia outros Comentários de fabiano novais]
2/12/2005
08h58min
Parabéns pelo texto. É importante ter uma profissão e viver uma vida comum para ser escritor. Quantos grandes livros, de grandes escritores, saíram por eles terem tido acesso a informações por conta de sua profissão? Enfim, não acho que seja necessário, nem tão necessário assim, viver do que se escreve.
[Leia outros Comentários de Gustavo Henn]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Bricabraque (2005)
Hugo Passolo
Companhia Ed Nacional
(2005)



Triste Fim de Policarpo Quaresma (com Questões do Enem)
Lima Barreto
Cered Objetivo
(2004)



Fisico Quimica
Vera Lucia Duarte
Atual
(1982)



Livro - Memórias Póstumas de Brás Cubas - Col Núcleo de Literatura
Machado de Assis
Núcleo
(1996)



No Carrossel do Zodíaco
Maria R. Mizrahi
Berkana
(1996)



O Caçador de Pipas - Confira!
Khaled Hosseini
Nova Fronteira
(2005)



Vocabulário para Ortodontia & Ortopedia Funcional dos Maxilares
Ana Julia Perrotti-garcia
Sbs
(2003)



Mangá Blade 24
Hiroaki Samura
Conrad
(2004)



Misturas e Substâncias Reações Químicas - Série Ciências para o 1
Angélica Ambrogi, Julio Cezar Foschilini Lisb
Hamburg
(1973)



Vila Sésamo o Livro das Perguntas - a Terra
Vários Autores
Folio
(2007)





busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês