Devaneios sobre Copa do Mundo | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
Mais Recentes
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
COLUNAS >>> Especial Copa 2006

Quarta-feira, 21/6/2006
Devaneios sobre Copa do Mundo
Rafael Fernandes

+ de 3800 Acessos

Fanatismo
Sou um fanático por futebol. Acontece. Há quem seja aficionado por sapatos, bolsas, revistas em quadrinhos, voyeurismo, selos, chantili. Eu sou por futebol. Não sou daqueles "almanaques" que sabem todos os nomes e datas. Mas basta passar qualquer joguinho na TV que eu assisto, pode ser "Desafio ao Galo" (alguém lembra disso?), o que for. Por isso, pra mim Copa é uma alegria, assisto tudo o que posso. Vejo também pelo Brasil, mas mais pelo futebol - pelo prazer de ver - e, sim, pelo escapismo (quem não precisa de um?).

E vai rolar a festa
Um ex-professor meu um dia matou a charada: "Brasileiro não é tão fanático por futebol, brasileiro gosta é de festa!". Está certo. Depois do Natal a Copa é talvez a maior desculpa para juntar família e amigos, decorar as ruas e falar besteira: são os torcedores de ocasião. Como os que só se interessam por livros em época de Bienal ou por artes plásticas quando ocorrem as "mega-exposições". Tudo pelo "evento". São também os torcedores de "melhores momentos", acostumados a ver só os grandes lances das partidas e quando vêem um jogo mais lento e truncado odeiam e só avaliam o placar. O interessante para quem gosta de futebol não é só gol, mas também procurar observar as alternativas táticas, lances brilhantes, sutilezas, dribles, lançamentos, defesas, mudanças psicológicas durante a partida; é curioso por ser o futebol capaz de provocar situações das mais geniais às mais banais e chulas; é divertido para xingar o narrador, o jogador, ficar desconfortável quando a câmera filma um jogador no exato momento em que está cuspindo no chão, rir de trapalhadas e lances bizarros.

Arte x Business?
Apesar de grande apreciador de futebol não o vejo como algo "sagrado" que estaria sendo "corrompido" pelo dinheiro, fama e "entretenimento". Acho que, afinal de contas, esporte - de alto nível - é para isso mesmo: diversão, um escapismo sadio que proporciona (quando bem jogado) interessantes desafios ao ser humano - necessidade de alta capacidade física, psicológica, técnica. Claro que há excesso de dinheiro e um "complexo de celebridade", mas isso é um fenômeno geral no entretenimento - e o futebol caminha cada vez mais pra isso. Se bem que o que pagam para gente como Tom Cruise e Britney Spears para suas interpretações ridículas, Ronaldinho realmente merece o que ganha... Aliás, futebol como negócio não significa perda de qualidade, pelo contrário. Não à toa a Europa - e seu poderio financeiro - apresenta os melhores espetáculos do mundo. Nós da América Latina - dona da melhor mão-de-obra bruta, lapidada fora daqui - não temos o "negócio" futebol e o nosso está essa lástima (falo dos campeonatos domésticos e toda infra-estrutura que os envolvem). Não acham que os craques de 70 não gostariam de ter feito um pé de meia pra gerações inteiras de herdeiros? Grande parte dos craques dos últimos anos uniu vigor futebolístico e lucratividade; Ronaldinho e Kaká são os mais recentes exemplos: o período de maior exposição e fama coincidiu com suas ascensões no campo. Ou será que é melhor morrer pobre e esquecido como Garrincha? (Antes que me perguntem, comparações entre gerações são desnecessárias e infrutíferas).

Astrologia
Muitos - e até mesmo pessoas inteligentes - fazem dezenas de exercícios forçados de adivinhação quando o assunto é Copa. Uma dessas "visões" é que o Brasil não será campeão porque há muito "oba-oba" e excesso de confiança, que é uma das argumentações mais superficiais e arrogantes, parece que dizem que "o Brasil é o melhor, mas, como está uma festa, vai perder". Como se a competição não fosse apenas um esporte, permeado por diversas dinâmicas táticas, técnicas e emocionais - futebol é intensamente imprevisível. Por aí também é raciocínio "só perdemos para nós mesmos". Não tem outro time do outro lado? E há também os que cravam os craques do campeonato ou verdades "absolutas" antes mesmo do início da Copa.

Excessos
Já a cobertura da mídia da Copa da Alemanha é marcada mais ainda do que em outras Copas pelo excesso de informações, martelando Copa 24 horas por dia. Internet, blogs, rádio, TV aberta, TV a cabo, tudo gira em torno do futebol. E dessa vez as TVs a cabo cobrem até treinos. Para um fanático como eu é uma maravilha acompanhá-los. Mas narração e comentários de brincadeira de "bobinho" e treino de dois toques é um pouco além da conta. E há muito barulho por nada. Só faltaram armar uma "CPI das bolhas" ou a "CPI do percentual de gordura". Aliás, sobre o episódio Lula x Ronaldo foi interessante ver como cobraram de Ronaldo postura de presidente da República e relevaram a Lula a postura de jogador de futebol. E como em toda Copa, em todo jogo do Brasil a Globo mostra a festa o Pelourinho, a casa da prima-da-vizinha-da-irmã do Adriano, a Fátima Bernardes "madrinha" da seleção (nada como ser "amiguinha" da CBF...); há o Galvão errando nomes, falando besteira e instigando nacionalismo torto. Já as mesas-redondas beiram o insuportável, com sua união de mesmice e superficialidades, algumas apelando para o sensacionalismo. Retrato do jornalismo esportivo, que beira o medíocre (obviamente com exceções como Tostão, quem melhor enxerga futebol no Brasil), sempre preocupado com "bombas", "crises" e imediatismo. E pra que existem entrevistas de jogadores? As perguntas são sempre as mesmas e respostas, idem. Será que é pior ouvir as respostas ou as perguntas? É incrível, mas os jogadores parecem mais cientes disso e reclamam do excesso de entrevistas, enquanto os jornalistas reclamam quando elas não ocorrem. Até para um fanático como eu o excesso de ênfase na Copa incomoda - e muito.

Figuraças
Figuraças existem em todo o lugar, mas a Copa é um ambiente propício para suas atuações. Tem o chato (geralmente homem), que não larga da corneta e toca nos piores momentos possíveis (senão "não tem graça"). Tem o pessimista, também conhecido por "Eu não falei!?!?": acha que tudo está um lixo, o técnico é sempre burro, os jogadores "pipocam" e tudo pode desmoronar a qualquer momento. Quando acontece a "catástrofe", solta sua frase clássica. Tem o "fora de hora", que sempre comenta errado (desculpem mulheres, mas vocês são campeãs nesse quesito): erra nome de jogadores, faz comentários absurdos (recentemente um amigo me contou de uma senhora que perguntou se o jogo tinha 2 ou 3 tempos). Há o otimista: o Brasil pode estar perdendo por 4 a 0 no final do segundo tempo, mas ele "acha que dá". E o/a "mãezona", que sempre esta lá pra consolar, falar que "pelo menos eles lutaram", "daqui a quatro anos tem mais", ou o pior "calma, é só um jogo". O que tem síndrome de perseguição: "foi roubado, tudo armado". E os bêbados. Bom, esse são os mesmos em qualquer lugar.

Enfim...
Não sei o que haverá acontecido com o time brasileiro quando esse texto sair. Se for desclassificado, uma pena. Mas eu vou continuar até o final, assistindo todos os jogos. Loucura é isso mesmo.

Eu, boleiro: Memórias de Copas passadas

1986 - Me lembro de estar brincando de carrinho num jogo do Brasil e ouvia as pessoas berrando para eu sair da frente da TV. Dali alguns anos entenderia o porquê.

1990 - Minha única lembrança é a imagem de Cláudio Caniggia driblando Tafarel e matando o Brasil. Preciso dizer mais?

1994 - Vi recentemente o Pedro Bial usar a palavra "Parreirista" - "Sou um parreirista", dizia ele. Compactuo com sua visão. Particularmente depois do trabalho dele no Corinthians em 2002. Em 1994 foi absurdamente massacrado. Mas o que fazer? Aquele time era composto de jogadores fortes e corretos taticamente, mas não tinha craques (com a exceção, é claro, do 11). Aliás, a idéia de Parreira era utilizar Leonardo e Raí como armadores. Como Branco se recuperava de contusão, Leonardo foi pra lateral, Raí ficou só na promessa e jogou mal - não à toa foi substituído por mais um correto, Mazinho. Acusam a seleção de 94 de herança retranqueira - como a Itália de 1982 - mas a culpa não é de nenhum deles se os boleiros entenderam tudo errado: a mensagem não foi "joguem na retranca" e sim "falta de consistência tática não leva a nada". Tudo isso pra dizer que Parreira fez o que pôde com o que tinha. Afinal, um belo trabalho que resultou no tetra. E havia o 11...

1998 - Não gostava dessa seleção e não tive reação negativa quando perdeu. O time era fraco taticamente, previsível e com Júnior Baiano na zaga não dava pra achar que daria certo. Dunga, Bebeto (sempre achei que Edmundo deveria estar no lugar deste) e Aldair não eram sombra do que foram em 94, Leonardo não conseguiu dar muito brilho ao meio de campo. O Brasil foi à frente carregado nas costas por Rivaldo e Ronaldo (que jogou bem, mas não tudo o que podia - já com tendinite no joelho, que viria a resultar em cirurgias) protagonistas nos principais lances (como 2002, diga-se, mas sendo o time de Felipão melhor).

2002 - Os "idiotas da objetividade" condenavam Rivaldo e Ronaldo antes da Copa, e novamente eles foram os protagonistas. Ronaldinho dava mostras de sua genialidade (jogo contra a Inglaterra) e Felipão conseguiu arrumar o time, superior ao de 1998. O time conseguiu muitos golaços: Ronaldo, nos dois jogos contra a Turquia (sendo o do primeiro jogo quase um replay do lance contra a Holanda em 1998), Ronaldinho e Rivaldo (Inglaterra), Edmílson (Costa Rica), o 2º de Ronaldo na final. Maior destaque para os gols de Rivaldo contra a Inglaterra e o 2º de Ronaldo contra a Alemanha, que uniram aplicação e inteligência tática, desarme, espírito coletivo, malícia, criatividade, precisão e frieza.


Rafael Fernandes
São Paulo, 21/6/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio
02. De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho de Renato Alessandro dos Santos
03. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
04. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
05. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2006
01. 10 vídeos musicais no YouTube - 23/8/2006
02. Quem ainda compra música? - 2/8/2006
03. Ana Luiza e Luis Felipe Gama: bela parceria - 13/9/2006
04. Ney Matogrosso: ótimo intérprete e grande showman - 5/7/2006
05. Uma homenagem a Maysa - 25/4/2006


Mais Especial Copa 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CUPIDO E PSIQUE E OUTRAS NARRATIVAS DA LITERATURA MUNDIAL
PAULO SERGIO DE VASCONCELLOS (ORG)
OBJETIVO
R$ 6,00



TRABALHO VOCÊ E SUAS RELAÇÕES PROFISSIONAIS
BRUNO PORTO E OUTROS
SENAC
(2014)
R$ 10,00



FIND FENÔMENO INTERVENIENTE DE NATUREZA DESCONHECIDA
J. KAUFFMANN
NOVA ERA
(2003)
R$ 58,00



OS NÚMEROS NA HISTÓRIA DA CIVILIZAÇÃO - VIVENDO A MATEMÁTICA
LUIZ MÁRCIO IMENES MARCELO LELLIS
SCIPIONE
(2006)
R$ 12,00



INFÂNCIA DOS MORTOS
JOSÉ LOUZEIRO
CÍRCULO DO LIVRO
(1977)
R$ 20,97



DESENVOLVIMENTO DA METODOLOGIA LOPA-BAYESIANA EM DOIS ESTÁGIOS
EDLAINE CORREIA SINÉZIO MARTINS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



100 DÚVIDAS DE CARREIRA PARA EXECUTIVOS DE FINANÇAS
JOSÉ CLÁUDIO SECURATO / LUIZ ROBERTO CALADO
SAINT PAUL
(2009)
R$ 5,00



LA CRISIS DE LA INVESTIGACION EN EL CAMPO DE LA DIALÉCTICA MATERI
MAURO OLMEDA
VILLALAR
(1977)
R$ 28,28



OS 55 MAIORES JOGOS DAS COPAS DO MUNDO
PAULO VINICIUS COELHO
PANDA BOOKS
(2010)
R$ 19,90



STALINE: LE DERNIER DES TSARS
PIERRE NOUAILLE, CLAUDE GUILLAUMIN, A MANEVY
FAMOT (GENEVE)
(1974)
R$ 19,82





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês