Bubble: uma nova revolução no cinema. Será? | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
63997 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 17/7/2006
Bubble: uma nova revolução no cinema. Será?
Marcelo Miranda

+ de 6900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O diretor americano Steven Soderbergh é um cara esquisito. Junto com Quentin Tarantino, ele foi o papa do renascimento do cinema independente dos EUA nos anos 90. Assim como Tarantino com Pulp Fiction (1992), Soderbergh conseguiu que seu primeiro longa, sexo, mentiras e videotape (1989), saísse do Festival de Cannes com a Palma de Ouro - isso, três anos antes do colega, praticamente abrindo as portas para a retomada de narrativas e linguagens fora dos padrões impostos pela grande indústria e liberando passagem para a criatividade e o talento de jovens realizadores, que descobriram não precisar de orçamentos gigantescos para colocar na tela as suas idéias normalmente fora do senso (não) estético da máquina de Hollywood.

A esquisitice irônica e oportuna de Soderbergh fez ele, quase um ícone da década de 90 no cinema de baixo orçamento, ter entrado nos anos 2000 com produções milionárias como Erin Brockovich e Onze Homens e Um Segredo - intercaladas a projetos mais autorais, dentre eles O Estranho, Traffic e Full Frontal. E então, quando parecia ter se rendido ao cinemão depois de Doze Homens e Outro Segredo, o diretor surge com o recente Bubble, em cartaz no Brasil neste mês de julho.

Bubble é o Elefante de Steven Soderbergh. Assim como o filme de Gus Van Sant deu uma guinada na carreira do cineasta e retornou sua obra às origens mais focadas nas contradições do ser humano e menos no espetáculo de melodramas como Gênio Indomável, a nova empreitada de Soderbergh também devolve a ele a pecha de ousado e experimental. Não que Bubble seja uma pérola rara e absolutamente imperdível e revolucionária. Longe disso: afora o estilo seco e pouco narrativo do filme, tudo é absolutamente convencional. Dentro de uma pretensa modernidade, uma modernidade de fachada, está um enredo básico, simples (simplista, até), entremeado pela mão pesada do realizador e pela proposta de parecer novamente independente e livre de amarras impostas na indústria.

Bubble

Então, o que atrai em Bubble? Há duas formas de pensar a questão. A primeira está dentro do filme; a outra, fora. A questão externa talvez se torne a mais relevante no futuro e dentro do atual contexto de distribuição cinematográfica. Bubble foi filmado em digital, ao custo de U$ 1,6 milhão, protagonizado por atores não-profissionais usando suas verdadeiras casas para locações (como fez Van Sant ao usar os alunos na própria escola em Elefante), diálogos improvisados e duração de meros 73 minutos. Quando lançado nos EUA, em 2005, o filme chegou quase simultaneamente em cinema, DVD e televisão - o espaço entre um veículo e outro não passou de três dias. A idéia, segundo o diretor, era deixar o espectador escolher a melhor forma de se assistir ao filme: indo a uma sala de exibição, alugando na locadora ou vendo num canal de TV a cabo. A "operação" era até então inédita. Isto, sim, foi revolucionário ao se pensar em Bubble: nunca a janela entre o filme na telona e na telinha foi tão pequena (Ricardo Calil, em No Mínimo, levantou discussão sobre o assunto).

O filme não foi bem de bilheteria. Na verdade, tornou-se um fracasso de público. Mas assim como sexo, mentiras e videotape serviu de pontapé para uma geração de diretores se mostrar ao mundo mesmo sem dinheiro para filmar, Bubble talvez tenha a força de estimular os adeptos das pequenas janelas de lançamento - ainda mais porque Soderbergh é um nome que, goste-se ou não, possui respeito e respaldo na comunidade cinematográfica. Se ele fez um experimento desses, por que outros não o fariam? Não me admira se começarem a pipocar filmes diretamente em cinema, DVD e TV inspirados pela prática do cineasta. Mesmo os figurões da indústria adorariam. Afinal, o DVD é atualmente responsável pela maior parte do faturamento de um filmão, muito mais que as salas de exibição. Quanto mais rápido o filme for para as prateleiras, mais brevemente ele recupera seu investimento. E os ingressos custando os altos valores de hoje, pode-se esperar uma debandada do público de cinema.

E como fica Bubble, o filme, na principal acepção deste termo? O enredo mostra dois personagens - Kyle, jovem rapaz de uns 25 anos, e Martha, senhora de aproximadamente 45 - numa pequena cidade do interior americano. Eles são trabalhadores braçais de uma fábrica de bonecas infantis. O moço mora com a mãe e tem outro emprego, à noite, o que o impossibilita de manter vida social. A mulher cuida do pai idoso e dá carona ao colega todos os dias. A rotina de ambos se resume a acordar, cumprir afazeres domésticos, ir trabalhar, lanchar e voltar para casa. Tudo é apresentado por Soderbergh de uma forma quase mecânica, sendo a cena da fotografia, logo no início, emblemática. Os dois personagens, com seus olhares ocos e a falta de pensamentos e perspectivas (Kyle guarda dinheiro "para alguma emergência", e só), não se diferem tanto das bonecas que eles fabricam todos os dias. Diferente de um David Lynch, que usaria essa calmaria na pequena cidade para mostrar as mazelas da sociedade conservadora dos EUA, Soderbergh prefere apenas exibir, sem grandes julgamentos, a realidade criada nas suas lentes digitais.

Bubble

Mas eis que surge um "ruído" no cotidiano certinho de Kyle e Martha. É a bela Rose, que chega para trabalhar na fábrica e logo se enturma com a dupla de colegas. Aparentemente tão oca e vazia quanto seus novos conhecidos, Rose vai se revelando uma espécie rara na cidade: alguém com atitude. Ela vem de um outro emprego, num asilo. O antigo trabalho é definido por ela como "limpar o traseiro dos velhinhos". Rose reclama da vida, não se mostra satisfeita com a realidade, quer um serviço digno, é mãe solteira, não guarda boas lembranças do pai de seu bebê e rouba dinheiro quando tem oportunidade. Rose é uma ameaça ao status quo daquela comunidade. Ela é uma bolha ("bubble") que vai crescendo e crescendo, tomando espaço e ganhando forma - principalmente quando se aproxima de Kyle a ponto de saírem para um agradável encontro, deixando Martha cuidando de sua criança.

Essa bolha não pode perdurar para sempre. A certa altura, um acontecimento inesperado (para o público e para os personagens) vai simbolizar o estouro da bolha - algo que, a princípio, era óbvio desde o começo. Ali está um universo que não aceita modificações e não tolera o olhar para a frente. É um universo já constituído, ainda que de forma praticamente acéfala. À medida que os protagonistas vão descobrindo o que aconteceu com a bolha, não há surpresa. O olhar vazio de boneca parece expressar indiferença, ou até um certo alívio. A terra retirada por um trator na cena inicial do filme vai, simbolicamente, voltar para o seu lugar de origem ao final. Ninguém na cidade está interessado no aprofundamento de relações (afetivas, familiares, fraternas, sexuais). A terra não deve ser cavada.

Soderbergh faz um filme de personagens conservadores usando uma estética que mistura o clássico e o moderno. A narrativa guarda em si um desenvolvimento tipicamente comum, com começo, meio e fim, mas tratada de uma forma assumidamente mais dura na maneira de inserir os personagens na imagem. O diretor não realiza tomadas mirabolantes. A câmera está parada o tempo todo, os cortes são bruscos e a música delineia sentimentos - interessante, aliás, o uso da música: no começo, ela soa como forma de apresentação ao universo retratado no filme; no desfecho, a mesma composição parece expressar a frustração (mais do público do que dos personagens) por tudo que deveria acontecer, mas não acontece.

Há certo simplismo da parte de Soderbergh no encaminhamento das situações e na composição de planos, o que não invalida o resultado final. Bubble é um filme instigante e leva à tela conflitos essencialmente humanos. Só de Soderbergh não aparentar piedade de seus personagens, e sim tratá-los como meros peões num tabuleiro sem grandes chances de xeque-mate, já eleva a produção a um patamar razoavelmente superior.


Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 17/7/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A escrita boxeur de Marcelo Mirisola de Jardel Dias Cavalcanti
02. Quem ainda compra música? de Rafael Fernandes
03. Leituras Inglesas (I) - W.S. Maugham de Ricardo de Mattos
04. O Diário de Anne Frank de Nanda Rovere
05. Duas cantoras independentes de Waldemar Pavan


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Tabus do Orkut - 6/2/2006
02. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
03. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
04. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/7/2006
11h48min
É impressão minha ou "Bubble" tem um "quê" de "Dogville"?
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CRISTO ESTÁ VIVO
MICHEL QUOIST
LIVRARIA DUAS CIDADES
(1982)
R$ 10,00



ADOBE PHOTOSHOP CS4
FERNANDO DOS SANTOS COSTA
EASYCOMP
(2009)
R$ 5,00



FAÇA DAR CERTO 7693
LUIZ ANTONIO GASPARETTO
ESPAÇO VIDA E CONSCIÊNCIA
(1995)
R$ 10,00



ZUNGUNGA
FLORO FREITAS DE ANDRADE
MELHORAMENTOS
(1986)
R$ 10,00



GORBATCHÓV POR ELE MESMO
GORBATCHÓV
MARTIN CLARET
R$ 6,90



O RIO TRISTE
FERNANDO NAMORA
NORDICA
(1982)
R$ 35,90



MEMÓRIAS DE UM FUSCA
ORIGENES LESSA
EDIÇÕES DE OURO
(1972)
R$ 18,30



AMOR AS VEZES
ARY QUINTELLA
RECORD
(1987)
R$ 5,00



DE FRENTE E DE PERFIL
SPENCER LUÍS MENDES
RAZÃO CULTURAL
(1999)
R$ 9,80



VIVER COM SABEDORIA MENSAGENS PARA A BUSCA DA FELICIDADE ETERNA - AUTO AJUDA
SELEÇOES
SELEÇOES
(2004)
R$ 23,00





busca | avançada
63997 visitas/dia
1,8 milhão/mês