As ligações perigosas | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
78548 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto outubro - Sesc Carmo - literatura infantojuvenil
>>> Projeto seleciona as melhores imagens de natureza produzida por fotógrafos de Norte a Sul do país
>>> Infantil com a Companhia de Danças de Diadema tem sessão presencial em Ilhabela e Caraguatatuba
>>> Teatro do Incêndio realiza roda de conversa na Rua 13 de Maio sobre carnaval e identidade do Bixiga
>>> Mauro Mendes Dias lança Entre Baratas e Rinocerontes no encerramento da Semana da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O legado de Graciliano Ramos
>>> Extraordinary Times
>>> Ensaio sobre a surdez
>>> The Search, John Battelle e a história do Google
>>> As ligações perigosas
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Consulta
>>> Dia do Sabino
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> So much that was good but is gone
Mais Recentes
>>> LEVIATÃ, ou Matéria, Forma e Poder de um Estado Eclesiástico e Civil de Thomas Hobbes (1588-1679) pela Martin Claret (2014)
>>> O Inverno Chegou de Cynthia Freeman pela Nova Cultural (1987)
>>> Parábolas de Jesus: texto e contexto de Haroldo Dutra Dias pela Federação Espírita do Paraná (2011)
>>> Nunca Houve um Castelo de Martha Batalha pela Companhia das Letras (2018)
>>> O segredo de fátima de Irmã lúcia pela Loyola (1991)
>>> Iniciação À Arte De Curar Pelo Magnetismo Humano de Paul-Clément Jagot pela Pensamento
>>> Venda mais - DEUS na empresa. A espiritualidade ajuda a vender? Ano 9 - Nº108 de Vários pela Quantum (2003)
>>> Meu Recife de Outrora: Crônicas do Recife Antigo de Fernando Pio pela Departamento de Cultura (1969)
>>> Aparência Rio de Janeiro - 60 Notícia Histórica Descritiva da Cidade de Gastão Cruls pela José Olympio (1949)
>>> Experiências Psíquicas Além da Cortina de Ferro de Sheila Ostrander e Outro pela Cultrix (1970)
>>> Aprender a pensar de Edward de Bono pela Plaza e Janés (1987)
>>> Nem cosme nem damião de Joaquim vaz de carvalho pela Giz (1993)
>>> A Tormenta de Espadas. As Crônicas de Gelo e Fogo - Volume 3 de George R R Martin pela Leya (2012)
>>> A Guerra dos Tronos. As Crônicas de Gelo e Fogo - Volume 1 de George R R Martin pela Leya (2012)
>>> A Dança Dos Dragões - Coleção As Crônicas De Gelo E Fogo. Volume 5 de George R R Martin pela Leya (2012)
>>> A Furia dos Reis: As Cronicas de Gelo e Fogo, Vol. 2 de George R R Martin pela Leya (2011)
>>> O Festim Dos Corvos - Coleção As Crônicas de Gelo e Fogo de George R R Martin pela Leya (2012)
>>> A Menina Submersa: Memórias: Um caso de amor para toda vida de Caitlin R. Kiernan pela Darkside (2015)
>>> D.Gray-Man, Volume 15 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2009)
>>> D.Gray-Man, Volume 14 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2009)
>>> D.Gray-Man, Volume 13 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2009)
>>> D Gray Man Vol. 12 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2010)
>>> D. Gray-man Volume 11 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2010)
>>> Manuel Bandeira- Análise e Interpretação Literária de Emanuel de Moraes pela José Olympio (1962)
>>> O Fantasma de Jo Nesbo pela Record (2017)
COLUNAS

Quarta-feira, 8/11/2006
As ligações perigosas
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5000 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Sempre gostei de falar. O telefone era apenas mais uma modalidade para longas conversas. No final do mês, estava lá meu pai batendo à porta do quarto, com a conta na mão. A bronca durava muitos minutos, com direito a ameaças e a confiscos variados. E todo mês a história se repetia, numa época em que as tarifas nem eram tão caras.

O telefone da casa dos meus pais é o mesmo desde que nasci. Outro dia, transformaram a linha em digital. Meu irmão logo assinou uma banda larga para a internet. Festa na casa.

Mas quando cresci, para dar fim às ameaças do pai, resolvi assinar minha linha particular de telefone, com direito a extensão e tudo. Do quarto para o escritório, que ficava no cômodo pequeno do andar de baixo da casa, daquele dia em diante eu telefonaria por quanto tempo quisesse. E arquei sempre com minhas contas.

Meu primeiro aparelho móvel era um Ultratac, da Motorola. Hoje talvez ele fosse exagerado, mas bem que me serviu durante mais de ano, nem sei para quê. Mais adiante, seguindo as modas celulares, comprei um Startac, quando ainda não conhecia os dotes da Nokia.

O número do telefone fixo mudou algumas vezes. Numa primeira mudança, troquei o serviço analógico pelo digital. Na segunda, fugi das ligações perigosas de um ex-namorado. Mais tarde, a mudança de casa, quando me casei. E sempre acontecia algo engraçado com os números.

O 3421 tinha mais engano do que telefone de açougue. E os enganos das espécies mais curiosas. O segundo número, do qual não me lembro, havia sido de um tal de Baltazar. E o Balta recebia apenas ligações de mulheres apaixonadas. Nunca eu havia atendido a tanta mulher! E todas queriam o Balta. Até que um dia me cansei de explicar que o número havia trocado de dono e tal e coisa. Resolvi acabar logo com a promiscuidade do Balta. Comecei a dar respostas diversas para cada moça que telefonava à procura do garanhão. A umas, disse que o Balta estava tomando banho na hidromassagem. A outras, disse que era a esposa do Balta e que teria prazer em dar qualquer recado a ele. E assim fui minando a lista de contatos femininos do Baltazar. Certo tempo depois, ninguém mais ligava para falar com o Balta e minhas ligações estavam normalizadas.

O 9281, celular, também me deu alegrias improváveis. Sempre gostei de gravar mensagens curiosas na secretária eletrônica, justamente para intimidar os recados. Meu irmão, exímio tocador de vinhetas famosas nos teclados eletrônicos, gravou para mim a musiquinha das ligações a cobrar (tã nã, tã nã nã, tã nã nã) e eu, com minha treinada voz de moça de aeroporto, gravei lá uma mensagem seríissima. As pessoas, mesmo os amigos, desligavam assim que a música tocava. Ninguém queria pagar para falar comigo. Mais tarde, noutro número, também com gravação eletrônica que me identificava (com nome e sobrenome), uma senhora, no meio de uma festa barulhenta, me deixou o seguinte recado: "Ô Zé, traz aquele doce de leite que está em cima da geladeira. Não esquece!". Alguns minutos depois, a mesma senhora inconformada me deixou novo recado: "Zé, o doce de leite, hein!".

É de se notar que o doce de leite jamais chegou à festa. O Zé deve ter levado um torra. A dona enganada deve ter ficado fula da vida com o doce encalhado em cima da geladeira.

Outras ocorrências engraçadas são aquelas em que eu pego no fone para discar e alguém já está na linha. Coincidência exata como 2 e 2 são 4. Ou quando tive contato com o identificador de chamadas e achava lindo quando o outro me atendia sabendo que era eu. Em casa, o identificador serve para preparar o espírito quando a conversa é chata. Ou para não atender. Ou, ainda, para retornar trotes com broncas ameaçadoras.

No 3426 ocorre outro tipo de engano. O ex-dono do número chamava-se Eduardo. Eduardo Brito. O prenome do meu filho de apenas 2 anos, que até pouco tempo não sabia falar e vivia na casa da vovó. E era comum as pessoas ligarem pedindo para falar com o Eduardo. E não era incomum que ficássemos ainda na dúvida se deveríamos chamá-lo.

Outra coisa foram as vezes em que meu pai, acostumado ao apelido do meu irmão caçula, o Bebeto, e desacostumado do nome real, Luiz, desligou o telefone dizendo sempre que não morava nenhum Luiz naquela casa. Ou os freqüentes enganos de quando pediam para falar com a Ana, prefixo tanto meu quanto de minha irmã (Ana Elisa e Ana Cristina). Não sei por quê, mas sempre a chamavam primeiro. E ela, esperta, conversava como se fosse eu, aproveitando-se da semelhança entre as vozes.

Quando éramos pequenos, o Flávio Cavalcante apresentava um programa chamado Boa noite, Brasil. E uma das brincadeiras da atração era que o Flávio poderia ligar para nossa casa. Para ganhar um prêmio, deveríamos atender dizendo Boa noite, Brasil. Pois bem. É claro que recebemos séries de ligações assim dos tios, que tentavam nos enganar e quase conseguiam.

A troca de trotes em família era habitual. A história que ficou para os anais aconteceu quando meu tio procurava um carro para comprar. Corcel II, vermelho, ano tal, em bom estado. E meu pai pagou anúncio no jornal que oferecia o carro dos sonhos do tio, em endereço que não existia, em bairro longínquo. E o tio foi atrás. Mas essas crônicas são outras histórias. Preciso ir que o telefone está tocando.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 8/11/2006


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/11/2006
10h13min
Muito bom, esse CAUSO. Foi contado, narrado, interpretado e rido dentro da sala. Obs.: existe a palavra RIDO, do verbo rir.
[Leia outros Comentários de Charles Davidson]
10/11/2006
11h25min
coitado do baltazar! vc nunca pensou que pode ter matado alguém de solidão, (ou por outro lado, já pensou que pode ter favorecido certo controle de natalidade ou evitado a propagação de chatos... digo, das doenças venéreas)? ri bastante do texto.
[Leia outros Comentários de eduardo martins]
14/11/2006
20h49min
Causo muito bem contado! Hoje mesmo atendi uma ligação no meu celular onde uma moça perguntava quem e de onde eu era, pois havia uma ligação no celular do marido dela para o meu número. Respondi na lata: Pergunta pra ele! Eu nem sei quem é seu marido, como é que posso responder a essa pergunta?
[Leia outros Comentários de Viva]
24/11/2006
08h00min
Ana... seus textos fluem como se estivéssemos ouvindo-a falar. Sou sua fã! Leila
[Leia outros Comentários de Leila]
24/11/2006
10h53min
já disse isso e repito. e ainda me arrancou risos numa manhã sem a menor vontade de rir... valeu.
[Leia outros Comentários de Dira]
24/11/2006
17h28min
Numa época, a empresa em que trabalhava comprou uma linha que havia sido da Caixa Econômica, imagina que delícia... Inventamos de atender cada vez de um jeito: Estação Orbital Mir, boa tarde!? Federal Reserve, em que posso ajudar?! Aos poucos as ligações pararam também...
[Leia outros Comentários de Adriana Carvalho]
25/11/2006
22h58min
Ana, comecei lendo e pensando: esse texto nao vai me interessar, porque essa coisa de telefone nao e' comigo, mas fui lendo, lendo e adorei! Muito bom! Abracao, Aurea
[Leia outros Comentários de Aurea]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Extraterritorial - A literatura e a revolução da linguagem
George Steiner
Companhia das letras
(1989)



Dieta Antiinflamatória
Dr. Alexandre Luiz Gomes de Azevedo
Qualynute
(2008)



O Peregrino Maldito
Neimar de Barros
O Recado
(1979)



Oscar Niemeyer: Traço, Palavra, Forma
Oscar Niemeyer e Outros
Santa Clara
(2004)



Rousseau os Pensadores
Jean-jacques Rousseau
Abril Cultural
(1978)



Melancia
Marian Keyes
Bertrand
(2007)



Lendas de Sangue. o Vampiro na História e no Mito
Flavia Idriceanu
Madras
(2011)



A Revolução dos Bichos - 2016
George Orwell
Companhia das Letras
(2016)



Revista Studia Kantiana volume 9
Christian Hamm ed.
Universidade Federal de Santa Maria
(2009)



Os Tijolos Nas Paredes das Casas
Kate Tempest
Casa da Palavra
(2016)





busca | avançada
78548 visitas/dia
1,8 milhão/mês