Strindberg e o inferno de todos nós | Guilherme Conte | Digestivo Cultural

busca | avançada
29020 visitas/dia
891 mil/mês
Mais Recentes
>>> CRIANÇAS DE HELIÓPOLIS REALIZAM CONCERTO DE GENTE GRANDE
>>> Winter Fest agita Jurerê Internacional a partir deste final de semana
>>> Coletivo Roda Gigante inicia temporada no Jazz B a partir de 14 de julho
>>> Plataforma Shop Sui dança dois trabalhos no Centro de Referência da Dança
>>> Seminário 'Dança contemporânea, olhares plurais'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> É cena que segue...
>>> Imagens & Efeitos
>>> Segredos da alma
>>> O Mundo Nunca Foi Tão Intenso Nem Tão Frágil
>>> João Gilberto
>>> Retalhos ao pôr do sol
>>> Pelagem de flor: AMARELO
>>> Muriel e o vovô
>>> Opção de cada um
>>> Páginas pautadas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Detefon, almofada e trato
>>> Noturno para os notívagos
>>> YouTube, lá vou eu
>>> O papel aceita tudo
>>> Orgulho e preconceito, de Jane Austen
>>> O Mistério dos Incas
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> Fritas acompanham?
>>> K 466
Mais Recentes
>>> A Cabala - Tradição Secreta do Ocidente - Com quadros e ilustrações de Papus pela Pensamento (2005)
>>> Cavaleiros do Zodíaco - Saint Seiya - Vol 17 de Masami Kurumada pela Jbc (2012)
>>> As Artes Adivinhatórias - Grafologia - Quiromancia - Morfologia de Papus pela Ciências Ocultas (1989)
>>> No Caminho da Evolução - pelo Espírito Simone de Aparecida D. Talhari pela João Batista (2010)
>>> A Escolha de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Uma Carta de Amor de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2014)
>>> Um Amor para Recordar de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2015)
>>> À primeira vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2014)
>>> O melhor de mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> O Casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Noites de Tormenta de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> Negro e Amargo Blues de James Lee Burke pela Record/ RJ. (1998)
>>> Marcas de Nascença de Sarah Dunant pela Record/ RJ. (1998)
>>> Mistério À Americana- 2: Uma Antologia dos Melhores contos Norte-americanos de Mistério... de Lawrence Block (Editor Convidado/ Vários autores) pela Record/ RJ. (2003)
>>> Mistério À Americana- 2: Uma Antologia dos Melhores contos Norte-americanos de Mistério... de Lawrence Block (Editor Convidado/ Vários autores) pela Record/ RJ. (2003)
>>> Camaradas de Miami de José Latour pela Record/ RJ. (2007)
>>> Camaradas de Miami de José Latour pela Record/ RJ. (2007)
>>> Manual de Sobrevivência Em Recepções Com e Coquetéis Com Bufê Escasso de Angelo Machado/ Ilustrações: Lor pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1998)
>>> Os Corvos de Hollywood de Joseph Wambaugh pela Record/ RJ. (2011)
>>> Querido John de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
>>> Livro Fisiologia Clínica do Sistema Digestório de Carlos Roberto Douglas pela Tecmed (2004)
>>> Primeiros Passos 050 - O que é Magia de João Ribeiro Júnior pela Brasiliense / Abril Cultural (1985)
>>> Livro Defesas no Código de Trânsito Brasileiro de Omar Zanette Tobias pela Tradebook (2014)
>>> Planejamento Tributário à Luz da Jurisprudência de Coordenador: Douglas Yamashita pela Lex (2007)
>>> Tutela Cautelar Nas Falências e Concordatas de Caio Graccho Barretto Junior pela Saraiva/ Sp. (1995)
>>> Livro Estimulação Precoce: Inteligência Emocional e Cognitiva de 0 a 1 Ano de José Luiz França pela Grupo Cultural (2018)
>>> Código Comercial e Legislação Complementar Anotados de Fábio Ulhôa Coelho pela Saraiva/ Sp. (1996)
>>> Direito e Internet - Liberdade de Informação, Privacidade e responsabilidade Civil de Liliana Minardi Paesani pela Atlas (2008)
>>> Dicionário de Estudos Bíblicos de Francisco de Jesus Maria Sarmento pela Rideel (2016)
>>> Livro Transtornos de Aprendizagem e Autismo de Ana Maria Salgado Gómez pela Grupo Cultural (2014)
>>> Livro Patologia de Arnaldo Rocha pela Rideel (2017)
>>> Praticabilidade e Justiça Tributária - Exequibilidade de Lei Tributária e Direitos do Contribuinte de Regina Helena Costa pela Malheiros (2007)
>>> Ayuda o Recolonización? Lecciones de un Fracaso (ed. Ltda) de Tibor Mende pela Siglo Veintuno/ México (1974)
>>> Eficácia nas Concessões, Permissões e Parcerias: Comntários. Jurisprudênci e LegislçãoContém Instrução... de Carlos Pinto Coelho Motta pela Del Rey/ Belo Horizonte (2008)
>>> Livro Atividades para o desenvolvimento da inteligência emocional nas crianças de Rafael Bisguerra pela Ciranda Cultural (2010)
>>> As Lanças do Crepúsculo de Philippe Descola pela Cosac Naify (2006)
>>> Código Civil Comentado - XV de Luiz Edson Fachin e Carlos Eduardo Pianovski Ruzyz pela Jurídico Atlas (2003)
>>> Viagem ao Afeganistão de Arthur Omar pela Cosac Naify (2010)
>>> Cadernos Etíopes de J.R. Duran pela Cosac Naify (2008)
>>> Dvdteka Español Sì O Curso De Espanhol Da Abril de Abril Coleções pela Abril Coleções (2011)
>>> Photo Poche Nº 5 de Sebastião Salgado pela Cosac Naify (2011)
>>> Coleção Foto Poche Nº 12 de Seydou Keita pela Cosac Naify (2014)
>>> Grande Dicionário Barsa da Língua Portuguesa - 4 Vols + DVD de Equipe Barsa Planeta pela Barsa Planeta (2005)
>>> Código Civil Comentado - Volume XX de Euclides de Oliveira pela Jurídico Atlas (2004)
>>> O manual da raiva de Dr. Les Carter / Dr. Frank Minirth pela Thomas Nelson (2013)
>>> Coleção Barsa Hello Hoobs - Inglês para crianças de Barsa Planeta pela Barsa Planeta (2007)
>>> Coleção Explorando o Ensino Antártica de Diversos Autores pela Ministério da Educação (2009)
>>> Livro História do Brasil Barsa - 4 Livros + CD Interativo de Paulo Nascimento Verano pela Barsa Planeta (2011)
>>> Código Civil Comentado XI - Direito de Empresa de Priscilla M. Correa da Fonseca, Rachel Sztajn pela Atlas (2008)
>>> Introdução á Psicologia Aplicada á Administração de C.G Chaarron -S.M Evers -E.C Fenner pela Saraiva (1976)
COLUNAS

Sexta-feira, 29/9/2006
Strindberg e o inferno de todos nós
Guilherme Conte

+ de 6600 Acessos

Nicole Cordery, Tony Giusti e Patricia Pichamone (Foto: João Caldas / Divulgação)

"Nenhuma obra corresponde melhor do que a de Strindberg ao conceito de Antonin Artaud, segundo o qual o teatro foi feito para abrir coletivamente os abscessos." A análise de Sábato Magaldi* é precisamente adequada ao espetáculo Camaradagem, mais recente produção do Grupo TAPA, sob direção de Eduardo Tolentino de Araújo.

A peça foca a corrosão das relações entre um jovem casal de pintores, Axel (Tony Giusti) e Berta (Patricia Pichamone), que estabeleceram um casamento incomum, com imposições da parte dela. "Aqui está minha mão, se você prometer só ver em mim um amigo e nunca me tratar como uma mulher. Se você quiser ser o exemplo do homem que se sacrifica por uma mulher", diz Berta.

Os ânimos se acirram e os papéis são colocados em xeque quando os dois resolvem participar de um mesmo concurso de pintura. O narcisismo - evidenciado pela brilhante metáfora das molduras vazias e dos espelhos - e as motivações que movem o casal explodem em um violento embate de forças. O homem e a mulher, na literatura strindbergiana, em sua natureza fundamental: o choque.

Salta aos olhos, nessa montagem do TAPA, a subversão de valores e papéis proposta por Strindberg. As mulheres aqui usam ternos, fumam, exercem autoridade. Axel não usa gravata, é submisso, "veste-se como uma mulher". É um homem desvirilizado.

Strindberg é o pai da modernidade do teatro. Os caminhos traçados durante o século XX foram apontados por ele. Com sua convergência para a chamada "dramaturgia do eu" e a subervsão do diálogo cartesiano, linear - que encontra seu melhor paralelo no cinema pelas mãos do cineasta Ingmar Bergman -, ele operou a transição para que surgissem Beckett, Pinter, Fosse etc. Estes elementos estão evidentes em Camaradagem.

Na peça inexiste a até então costumeira fórmula de apresentação do conflito, resolução e desfecho. A tensão e a violência dos diálogos são ininterruptas, num ritmo vertiginoso e asfixiante. O jogo é constante - e as personagens que gravitam em torno do casal contribuem para este cenário emocionalmente belicoso.

Os protagonistas são marcados por uma absoluta vacuidade. Estão à deriva, reféns dessa condição quase trágica da relação homem-mulher enxergada por Strindberg. A falência é inerente à própria tentativa de conciliação. A misoginia, assim, emerge como uma força inabalável. E é neste embate fundamental que personagens como Carl (Sérgio Mastropasqua), um machista convicto zeloso de seu papel, ou Abel (Nicole Cordery), a ambígua e provocativa amiga, ganham sua real dimensão. Eles estão sempre agindo vetorialmente no desequilíbrio da "balança nupcial".

Tony Giusti e Patricia Pichamone (Foto: João Caldas / Divulgação)

O diretor Eduardo Tolentino conta que a escolha do texto deu-se a partir de oficinas que o grupo fez focadas no aprofundamento do ator. "Foi o texto que mais provocou o conjunto, gerando uma série de opiniões divergentes", conta. Esse fato lhe chamou a atenção para a discussão que ele poderia gerar.

Ele optou por alterar o título original, Camaradas, para retirar qualquer leitura política que pudesse ser suscitada. O olhar aqui deita-se sobre as relações humanas. "Acho que vivemos uma crise muito grande dos papéis sexuais", analisa Tolentino. "Há uma grande insatisfação. Os papéis estão turvos." É uma crise que nada tem a ver com machismo, mas com uma certa fragilidade híbrida das relações.

O processo de criação, como é do feitio do grupo, foi extremamente cuidadoso. Foram três anos desde os primeiros contatos com a obra. Tolentino conta que foi um grande desafio achar uma linguagem que não esbarrasse no melodrama, tão intrinsecamente ligado à nossa cultura. "Ainda não demos conta de que não falamos português, mas brasileiro", brinca. Os atores tinham que perder um pouco do sentimento, mas sem ficarem frios.

O resultado é uma montagem primorosa em todos os aspectos. O elenco brilha como força de conjunto e dá um colorido correto e adequado a um texto difícil. É alentador ver essa geração mais recente do TAPA mantendo a excelência do fazer teatral que marca a trajetória do grupo. E é um privilégio ver atores com mais tempo de casa, casos de Brian Penido Ross e Clara Carvalho, mostrando do que são capazes, dando vida às menores sutilezas do texto.

Reina, aqui, o equilíbrio. Das atuações mais discretas à iluminação de Nelson Ferreira, passando pelos cenários e figurinos de Lola Tolentino, reina uma harmonia que dá ao texto de Strindberg as melhores condições. Não há excessos ou lacunas; tudo está em seu lugar.

Brian Penido Ross e Clara Carvalho (Foto: João Caldas / Divulgação)

Essa montagem de Camaradagem coroa toda uma concepção de teatro defendida corajosamente pelo TAPA há quase três décadas. Verdadeiro bastião de resistência da dramaturgia, de um teatro cuidadosamente talhado e ciente de seu papel na sociedade, o grupo segue lutando apaixonado pela busca da essência do homem brasileiro. É um teatro que suscita a reflexão, que nos convida a olhar sobre nós mesmos.

Tolentino aponta no exercício de busca dessa essência a tarefa do teatro do TAPA. "Nossa tradição passou por cima de muita coisa", afirma. Para ele, nossas raízes - essa verdadeira essência -, foram filtradas por todo um processo de formação que bebeu principalmente na fonte das chanchadas e que hoje está personificado na teledramaturgia.

"Devemos preservar a essência. A forma como isso se manifesta é espelho de mecanismos", diz. É aí que entra o teatro: para colocá-los em xeque. "Essa é a briga real, de ir até essa essência, de não se deixar seduzir pelo exotismo cultural."

Em um mundo de valores tão subvertidos, de relações cada vez mais frágeis e fugazes, em que a delicadeza há muito parece perdida, Camaradagem aparece com uma atualidade impressionante que torna difícil de acreditar que o texto foi escrito há mais de 130 anos. Bom que existe o TAPA para nos tirar de nossa cômoda e comezinha imobilidade. Que se abram os abscessos.

Para ir além
Camaradagem - Viga Espaço Cênico - R. Capote Valente, 1.323 - Pinheiros - Tel. (11) 3801-1843 - R$ 20 (quinta e sexta) e R$ 30 (sábado e domingo) - Quinta a sábado, 21h; domingo, 19h - 120 min. - Até 29/10.

* Sábato Magaldi, "O Inferno de Strindberg", em O texto no teatro, Ed. Perspectiva, 1989.

* * *

Paulo Autran e o espírito da modernidade

Seria injusto escrever sobre esta montagem de O Avarento em cartaz em São Paulo focando na figura do ator Paulo Autran, a grande estrela do espetáculo. A montagem é ótima, o elenco é apuradíssimo, a direção é inteligente, o cenário é belo... Enfim, tudo contribui para o alto nível do espetáculo.

Por outro lado, não seria menos injusto escrever sobre a peça tentando dar conta de todos os aspectos que cercam a montagem. Isso seria diminuir a importância da presença de Autran, a verdadeira alma do espetáculo. Como uma homenagem à esta que é sua 90ª montagem, aos 84 anos, optei pela primeira injustiça.

A peça traz Autran no papel de Harpagon, o clássico pão-duro, às voltas com o seu casamento e o de seus filhos. Nessa comédia, que traz por trás do riso discussões sérias sobre as pequenezas humanas, todos estão atrás de algum objetivo e fazendo de tudo para conseguí-lo. Com motivações mais ou menos nobres, todos estão agindo em busca de benefício próprio.

Ir ao teatro para assistir a O Avarento é deleitar-se com Autran esbanjando todo o seu talento. Para compreender a real dimensão de sua figura e o valor desta montagem é necessário fazer um pequeno recuo histórico até o ano de 1947, quando Autran integrou a montagem de Os artistas amadores, de J. B. Priestley, com o grupo Os Artistas Amadores. Eram os primeiros passos da fase amadora do Teatro Brasileiro de Comédia - o TBC - e da divisão de águas do teatro brasileiro.

Os anos 50 trouxeram o advento do teatro moderno no Brasil. Em primeiro plano, a figura do encenador e a força de conjunto. O texto ganhou nova dimensão. Era agora propriamente estudado, com outras perspectivas. Até então os palcos brasileiros eram marcados por encenações que visavam puramente entretenimento. Os atores muitas vezes nem tinham contato com o texto todo, mas só de suas falas e das "deixas" dos colegas.

Paulo Autran e Karin Rodrigues em 'O Avarento' (Foto: Priscila Prade / Divulgação)

Paulo Autran é o ator moderno por excelência. Sabe da importância do grupo. Assim, cercou-se de atores talentosos e de um diretor visionário - Felipe Hirsch, uma das cabeças por trás da Sutil Cia. - para mergulhar em um projeto que celebra a alma desta modernidade cênica. Molière ganhou, assim, uma montagem à altura de sua envergadura.

A fim de atenuar a injustiça perpetrada por este colunista, reitero mais uma vez o alto nível do elenco. São atuações afinadas, na medida certa para o texto. Não há deslizes. Destaco também o belo cenário de Daniela Thomas, feito de caixas vazias, símbolo da austeridade ávara de Harpagon. Tudo contribui para que Autran brilhe.

Na definição de Yan Michalski*, "culto, discreto, elegante em cena como fora dela, exaltado por todos os que com ele trabalham como um colega exemplar, Paulo Autran talvez possa ser adequadamente definido como um ator visceralmente e em todos os sentidos, civilizado".

O Avarento é, portanto, o testemunho da generosidade de um dos maiores atores da história do teatro brasileiro. Assitir a ele é um privilégio.

Para ir além
O Avarento - Teatro Cultura Artística - Sala Esther Mesquita - R. Nestor Pestana, 196 - Consolação - Tel. (11) 3258-3344 - Quinta a sábado, 21h; domingo, 18h - De R$ 30 a R$ 80 - 100 min. - Até novembro.

* Yan Michalski, Pequena Enciclopédia do Teatro Brasileiro Contemporâneo, CNPq, 1989.


Guilherme Conte
São Paulo, 29/9/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Joan Brossa, inéditos em tradução de Jardel Dias Cavalcanti
02. Margeando a escuridão de Elisa Andrade Buzzo
03. Os olhos brancos de Deus de Elisa Andrade Buzzo
04. Essa tal de Dança Contemporânea de Airton Tomazzoni
05. Histórias de superação que não fazem sucesso de Elisa Andrade Buzzo


Mais Guilherme Conte
Mais Acessadas de Guilherme Conte em 2006
01. Sua majestade, o ator - 18/1/2006
02. Um Brecht é um Brecht - 5/4/2006
03. 13º Porto Alegre em Cena - 15/9/2006
04. A essência da expressão dramática - 26/4/2006
05. Strindberg e o inferno de todos nós - 29/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A PAIXÃO DO PODER
ARELO SEDERBERG
RECORD
(1980)
R$ 8,00



PAISAGENS POETICAS
LAURO DARÓS; VALENTINA FRAIZ
FTD
(2015)
R$ 21,90



O ANJO ESTÁ PERTO
DEEPAK CHOPRA
ROCCO
(2001)
R$ 21,00



STEP BY STEP - ITALIAN
PARRAGON BOOKS
PARRAGON
(2012)
R$ 28,00



MODELAGEM MATEMÁTICA DE RESPOSTAS ESTRUTURAIS EM PAVIMENTOS FLEXÍVEIS
LEANDRO BLASS, LUCIANO PIVOTO SPECHT UND PEDRO A. P. BORGES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



OS DEZ MANDAMENTOS (+ UM)
FLUIZ FELIPE PONDÉ
TRÊS ESTRELAS
R$ 25,00



REFERENCE DATA FOR RADIO ENGINEERS : THIRD EDITION
FEDERAL TELEPHONE AND RADIO CORPORATION
AMERICAN BOOK STRATFORD
(1951)
R$ 30,00



CRISTOVÃO COLOMBO
MARTINE SASSIER; ANIIE CLAUDE MARTIN
AUGUSTUS
(1998)
R$ 8,49



A LEI DE PARKINSON NOS GRANDES NEGÓCIOS - 5438
C. NORTHCOTE PARKINSON
HEMUS
(1975)
R$ 7,00



EXPLICANDO DEUS NUMA CORRIDA DE TÁXI
PAUL ARDEN
INTRÍNSECA
(2009)
R$ 10,00





busca | avançada
29020 visitas/dia
891 mil/mês