453 – São Paulo para gregos e troianos | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
60317 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Alfredenses são receptivos, afirma turista
>>> Por um trânsito mais humano, artistas pintam os muros de escolas públicas em Embu das Artes
>>> PAULUS Editora lança a obra clássica 'A Revolução dos Bichos', de George Orwell
>>> Tik lança EP autoral que transita entre rock, jazz e indie
>>> CASA MUSEU EVA KLABIN RELEMBRA A SEMANA DE ARTE MODERNA DE 1922 EM FESTIVAL NO MÊS DE MAIO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Poesia e papo furado
>>> Saints and Sinners
>>> Memorial de Berlim
>>> Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma relação orgânica com a rede
>>> BBB e Narciso
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Apesar de vocês
>>> Bloom sobre Shakespeare
Mais Recentes
>>> Moderna Plus Biologia 2 Parte I de Amabis Martho pela Moderna (2009)
>>> Bio - Volume único + Testes de Vestibulares e Enem de Sonia Lopes pela Saraiva (2013)
>>> A Conquista da Matemática - 7º Ano - Sebo Tradição de Giovanni; Giovanni Jr.; Castrucci pela Ftd (2012)
>>> Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei de Paulo Coelho pela Rocco (1994)
>>> Estratégia de Empresas de David Menezes Lobato pela Fgv (2009)
>>> Dead Lagoon de Michael Dibdin pela Faber and Faber (1994)
>>> Tristão e Isolda de Cecília Casas pela Ediouro (2003)
>>> Toda Sua de Sylvia Day pela Best Seller (2012)
>>> O Exame Final de Julio Cartázar pela Civilização Brasileira (1996)
>>> Suicídio Político / Eleanor & Abel / Vínculos de Sangue / Jornada... de Michael Palmer e Outros pela Readers Digest (2015)
>>> A Educação Física e Recreação para o Pré - Escolar de Nilce V Machado pela Do Autor (1985)
>>> Abz do Rock Brasileiro de Marcelo Dolabela pela Estrela do Sul (1987)
>>> Duzinha 3 Edição de Clotilde Chaparro Rocha pela Coleção Itiquira (2010)
>>> Às Portas da Noite de Dalva Agne Lynch pela Blocos (2003)
>>> Às Portas da Noite de Dalva Agne Lynch pela Blocos (2003)
>>> O Poder da Amizade de Tom Rath pela Sextante (2007)
>>> The Glam Decor de Formaplas pela Dnp (2010)
>>> Sentimeento do Mundo de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1996)
>>> Visão do Paraíso de Sergio Buarque de Holanda pela Publifolha
>>> The Razors Edge de W. Somerset Maugham pela Penguin Books (1963)
>>> O Corpo Tem Suas Razões de Thérèse Bertherat Carol Bernstein pela Martins Fontes (2001)
>>> O que é Racismo de Joel Rufino dos Santos pela Brasiliense (1980)
>>> Garotas da rua Beacon - Cidade Fantasma de Annie Bryant pela Fundamento (2011)
>>> World Class Combo Split 2A with CD-ROM de Nancy Douglas, James R. Morgan pela National Geographic (2012)
>>> Sol da Liberdade de íris Paula Rocha pela Boa Nova (2000)
COLUNAS

Segunda-feira, 29/1/2007
453 – São Paulo para gregos e troianos
Verônica Mambrini

+ de 10100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Ou minha pequena contribuição para amar uma cidade tão detestável

Todo mundo sabe que São Paulo era só uma vilinha à toa, jogada no meio do nada, servindo de missão jesuítica, primeiro, e depois, de entreposto comercial. Mesmo os ciclos do ouro e do café não mudaram tanto o jeitão pacato e interiorano de São Paulo de Piratininga. Mas de repente, um lugarejo perdido na mata atlântica virou um monstro de conurbações e ferocidade asfaltada. Começou com a vinda dos imigrantes italianos, em fins do século XIX, seguiu com café e indústria; daí, o trem descarrilou. Deixo os detalhes para vocês lerem aqui. O que importa é que eu nasci na cidade mais urbanizada e difícil do País, e que na última semana fez aniversário - 453 anos.

São Paulo é praticamente um "poço de lixo", já que a barreira natural da Serra do Mar não deixa a poluição massiva gerada aqui se dispersar. A rotatividade da mão-de-obra é uma das maiores do Brasil. Se isso é um problema grave para quem já está enraizado na cidade há gerações, para quem vem de fora concretiza a imagem perfeita da "terra das oportunidades". Isso traz uma infinidade de conseqüências, como crescimento desenfreado, violência urbana, insuficiência na infra-estrutura, e por aí vai. A lista de motivos para fugir de São Paulo é enorme. Mas Sampa continua crescendo, absorvendo pessoas, tendências, mudanças. Essa receptividade toda, junto com os contrastes econômicos, culturais e sociais esculpiram a relação de amor e ódio pela cidade tão típica de quem vive aqui.

Nesse aniversário, a cidade está bem caidinha. Um dos marcos que está abrilhantando a efeméride, de mãos dadas com o atual governo, é a inauguração da nova Avanhandava, rua do centro de São Paulo que acaba de passar por uma reforma completa. O restauranteur Walter Mancini (que já tinha três casas na rua e aproveitou a oportunidade para inaugurar mais três) fez um belo trabalho urbanístico, investindo pesado em conjunto com a operadora de cartão de crédito Visa e com a prefeitura. Mas - inevitável nesse tipo de consórcio - as benfeitorias giram em torno do consumo. Caso semelhante aconteceu com a rua Oscar Freire. Se é bom que a iniciativa privada se responsabilize pela conservação e urbanismo do seu entorno, é perigoso que o poder público concentre seus investimentos onde há interesse de capital privado. Caetano Veloso já matou a charada faz tempo: é "a força da grana que ergue e destrói coisas belas". A depender desse tipo de parceria, não havendo interesses comerciais, as regiões mais pobres da cidade continuam sem os investimentos necessários.

Essa questão - a do espaço público - é um dos problemas estruturais de São Paulo que mais me incomodam. Aqui, a coisa pública não está intrinsecamente ligada ao interesse coletivo. A classe média se satisfaz com shoppings centers e a classe alta cria seus bunkers, com lazer e segurança inclusos na taxa de manutenção do condomínio. Não há praças, parques e centros culturais pulverizados pelos bairros, de forma a atender a demanda de todos os estratos sociais da população. Para a maioria esmagadora dos paulistanos, não há onde praticar esportes, namorar, passear, conviver, sem precisar consumir. Minha avó, nascida e criada no Cambuci (bairro meio esquecido pela especulação imobiliária, ainda com suas vilinhas operárias italianadas por estreitos sobradinhos), é descendente de italianos e de espanhóis. Ela conta que conheceu meu avô no footing, costume antigo de passear com os amigos em alguma praça, geralmente perto de casa mesmo. Assim se construía a malha social, num espaço de todos e mais democrático.

Talvez por essa falta de espaços públicos de qualidade os cariocas que vêm parar por essas plagas fiquem tão perdidos. Solte um carioca em São Paulo e ele perde o chão. Além se desorientar com a falta de mar, a própria configuração da cidade conspira pela solidão. Não tem o contraste da natureza estonteantemente bela e sobretudo da praia, que democratiza a felicidade. No Rio de Janeiro, o sofá da sala de estar fica virado para a janela, para a paisagem. É o contrário de São Paulo, cidade de interiores, onde tudo se volta para dentro. Desse defeito nasce também uma qualidade inequívoca (ajudada pela imigração de gente do mundo todo para cá): a variedade da gastronomia que se encontra na cidade. Mais um clichê para engrossar a lista: programa de paulistano é sair para jantar. A bem da verdade, no Brasil, São Paulo é o paraíso para quem gosta de comer bem. Dá para achar restaurantes de todos os níveis e tipos, para todos gostos e bolsos. Além de a padaria e mais ainda, a pizzaria, serem verdadeiras instituições paulistanas. Basta dar uma olhada em qualquer guia turístico: a maioria das atrações de Sampa City vêm acompanhadas de garfo e faca.

São Paulo bate sim, em quem vem para cá. Mas é uma relação rodrigueana, um tapa seguido de carícias. E mesmo que essa receptividade seja meio torta, todo mundo acaba se encaixando aqui de um jeito ou de outro (com exceção, talvez, dos cariocas), porque a cidade é tão esquizofrênica, comporta tantas cidadelas se sobrepondo celeremente, que em alguma delas a pessoa se há de ajustar. Daí, São Paulo é tantas cidades que não é nenhuma. Sempre fica um buraco, um pedaço faltando - possivelmente seja isso que dê um mínimo sentido de integração. Parafraseando Tom Jobim, viver em São Paulo é uma merda mas é bom. Fora daqui, é bom, mas é uma merda. Nada resta aos paulistanos senão sermos doentes por essa cidade.

Nota do Editor
Leia também "Para amar São Paulo"


Verônica Mambrini
São Paulo, 29/1/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Thomas Bernhard com espírito curitibano de Franco Caldas Fuchs
02. Depois do sexo... de Débora Costa e Silva
03. O desempenho da China no desenvolvimento de costas de Vicente Escudero
04. China, um lugar muito, muito distante de Taís Kerche
05. Sexo, drogas e rock’n’roll de Marcelo Spalding


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini em 2007
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. 453 – São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
03. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
04. A Arte da Entrevista - 8/10/2007
05. Insuportavelmente feliz - 17/9/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/1/2007
19h13min
Verônica, muito pertinente seu texto. O aniversário dessa cidade não poderia passar batido neste DC. Acho que aqui, quando se chega, ou se coloca o rabo entre as pernas e volta rapidinho pra casa ou se apaixona de vez... Um abraço, Maroldi
[Leia outros Comentários de Marcelo Maroldi]
26/6/2007
21h53min
Verô, parabéns pelo texto! Você soube escrever parte do que sinto pela cidade. É aquele sentimento de quando se está longe e não vê a hora de chegar aqui para matar a saudade! Beijos!!!
[Leia outros Comentários de Nilson]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Coleção Os Pensadores: Piaget
Piaget
Abril Cultural
(1983)



A Laranja Mecânica
Anthony Burgess;nelson Dantas (trad)
Ediouro
(1994)



A Quinta Onda dos Serviços no Varejo
Marcos Gouvêa de Souza
Gs & Md
(2007)



O Capital Grandes Mestres do Pensamento Volume 6
Karl Marx
Formar
(1978)



Un Pequeño Inconveniente
Eugenia Flávian
Ática
(2006)



31 Loucuras para mulheres que querem assumir de vez sua loucura por Jesus
Paty Barreto
Do Autor
(2016)



Vicent Verdú El futbol mitos, ritos y simbolos
Vários Autores
El Libro de Bolsillo



Almanaque Disney Nº149
Walt Disney
Abril
(1983)



Amor de Primavera
Anna Summer
Nova Cultural
(2005)



Manual da Constituição de 1988
José Afonso da Silva
Malheiros
(2002)





busca | avançada
60317 visitas/dia
1,8 milhão/mês