453 – São Paulo para gregos e troianos | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
>>> A princesa insípida e o caçador
Mais Recentes
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
>>> Para Todos os Amores Errados de Clarissa Corrêa pela Gutenberg (2012)
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Principis (2019)
>>> Antologia poetica de fernando pessoa de Walmir ayala pela Ediouro
>>> Sermões de Padre Antônio Vieira pela Principis (2019)
>>> Minha Paris de Gail Scott pela Autêntica (2014)
>>> Uma longa Jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> O Ciclista de Walter Moreira Santos pela Autêntica (2008)
>>> Dark Eden de Patrick Carman pela Gutenberg (2012)
>>> A primeira vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Querido John - de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
COLUNAS

Segunda-feira, 29/1/2007
453 – São Paulo para gregos e troianos
Verônica Mambrini

+ de 9100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Ou minha pequena contribuição para amar uma cidade tão detestável

Todo mundo sabe que São Paulo era só uma vilinha à toa, jogada no meio do nada, servindo de missão jesuítica, primeiro, e depois, de entreposto comercial. Mesmo os ciclos do ouro e do café não mudaram tanto o jeitão pacato e interiorano de São Paulo de Piratininga. Mas de repente, um lugarejo perdido na mata atlântica virou um monstro de conurbações e ferocidade asfaltada. Começou com a vinda dos imigrantes italianos, em fins do século XIX, seguiu com café e indústria; daí, o trem descarrilou. Deixo os detalhes para vocês lerem aqui. O que importa é que eu nasci na cidade mais urbanizada e difícil do País, e que na última semana fez aniversário - 453 anos.

São Paulo é praticamente um "poço de lixo", já que a barreira natural da Serra do Mar não deixa a poluição massiva gerada aqui se dispersar. A rotatividade da mão-de-obra é uma das maiores do Brasil. Se isso é um problema grave para quem já está enraizado na cidade há gerações, para quem vem de fora concretiza a imagem perfeita da "terra das oportunidades". Isso traz uma infinidade de conseqüências, como crescimento desenfreado, violência urbana, insuficiência na infra-estrutura, e por aí vai. A lista de motivos para fugir de São Paulo é enorme. Mas Sampa continua crescendo, absorvendo pessoas, tendências, mudanças. Essa receptividade toda, junto com os contrastes econômicos, culturais e sociais esculpiram a relação de amor e ódio pela cidade tão típica de quem vive aqui.

Nesse aniversário, a cidade está bem caidinha. Um dos marcos que está abrilhantando a efeméride, de mãos dadas com o atual governo, é a inauguração da nova Avanhandava, rua do centro de São Paulo que acaba de passar por uma reforma completa. O restauranteur Walter Mancini (que já tinha três casas na rua e aproveitou a oportunidade para inaugurar mais três) fez um belo trabalho urbanístico, investindo pesado em conjunto com a operadora de cartão de crédito Visa e com a prefeitura. Mas - inevitável nesse tipo de consórcio - as benfeitorias giram em torno do consumo. Caso semelhante aconteceu com a rua Oscar Freire. Se é bom que a iniciativa privada se responsabilize pela conservação e urbanismo do seu entorno, é perigoso que o poder público concentre seus investimentos onde há interesse de capital privado. Caetano Veloso já matou a charada faz tempo: é "a força da grana que ergue e destrói coisas belas". A depender desse tipo de parceria, não havendo interesses comerciais, as regiões mais pobres da cidade continuam sem os investimentos necessários.

Essa questão - a do espaço público - é um dos problemas estruturais de São Paulo que mais me incomodam. Aqui, a coisa pública não está intrinsecamente ligada ao interesse coletivo. A classe média se satisfaz com shoppings centers e a classe alta cria seus bunkers, com lazer e segurança inclusos na taxa de manutenção do condomínio. Não há praças, parques e centros culturais pulverizados pelos bairros, de forma a atender a demanda de todos os estratos sociais da população. Para a maioria esmagadora dos paulistanos, não há onde praticar esportes, namorar, passear, conviver, sem precisar consumir. Minha avó, nascida e criada no Cambuci (bairro meio esquecido pela especulação imobiliária, ainda com suas vilinhas operárias italianadas por estreitos sobradinhos), é descendente de italianos e de espanhóis. Ela conta que conheceu meu avô no footing, costume antigo de passear com os amigos em alguma praça, geralmente perto de casa mesmo. Assim se construía a malha social, num espaço de todos e mais democrático.

Talvez por essa falta de espaços públicos de qualidade os cariocas que vêm parar por essas plagas fiquem tão perdidos. Solte um carioca em São Paulo e ele perde o chão. Além se desorientar com a falta de mar, a própria configuração da cidade conspira pela solidão. Não tem o contraste da natureza estonteantemente bela e sobretudo da praia, que democratiza a felicidade. No Rio de Janeiro, o sofá da sala de estar fica virado para a janela, para a paisagem. É o contrário de São Paulo, cidade de interiores, onde tudo se volta para dentro. Desse defeito nasce também uma qualidade inequívoca (ajudada pela imigração de gente do mundo todo para cá): a variedade da gastronomia que se encontra na cidade. Mais um clichê para engrossar a lista: programa de paulistano é sair para jantar. A bem da verdade, no Brasil, São Paulo é o paraíso para quem gosta de comer bem. Dá para achar restaurantes de todos os níveis e tipos, para todos gostos e bolsos. Além de a padaria e mais ainda, a pizzaria, serem verdadeiras instituições paulistanas. Basta dar uma olhada em qualquer guia turístico: a maioria das atrações de Sampa City vêm acompanhadas de garfo e faca.

São Paulo bate sim, em quem vem para cá. Mas é uma relação rodrigueana, um tapa seguido de carícias. E mesmo que essa receptividade seja meio torta, todo mundo acaba se encaixando aqui de um jeito ou de outro (com exceção, talvez, dos cariocas), porque a cidade é tão esquizofrênica, comporta tantas cidadelas se sobrepondo celeremente, que em alguma delas a pessoa se há de ajustar. Daí, São Paulo é tantas cidades que não é nenhuma. Sempre fica um buraco, um pedaço faltando - possivelmente seja isso que dê um mínimo sentido de integração. Parafraseando Tom Jobim, viver em São Paulo é uma merda mas é bom. Fora daqui, é bom, mas é uma merda. Nada resta aos paulistanos senão sermos doentes por essa cidade.

Nota do Editor
Leia também "Para amar São Paulo"


Verônica Mambrini
São Paulo, 29/1/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Casa das Aranhas, de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
02. Teatro sem Tamires de Elisa Andrade Buzzo
03. Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
04. Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando de Elisa Andrade Buzzo
05. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini em 2007
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. 453 – São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
03. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
04. Insuportavelmente feliz - 17/9/2007
05. A Arte da Entrevista - 8/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/1/2007
19h13min
Verônica, muito pertinente seu texto. O aniversário dessa cidade não poderia passar batido neste DC. Acho que aqui, quando se chega, ou se coloca o rabo entre as pernas e volta rapidinho pra casa ou se apaixona de vez... Um abraço, Maroldi
[Leia outros Comentários de Marcelo Maroldi]
26/6/2007
21h53min
Verô, parabéns pelo texto! Você soube escrever parte do que sinto pela cidade. É aquele sentimento de quando se está longe e não vê a hora de chegar aqui para matar a saudade! Beijos!!!
[Leia outros Comentários de Nilson]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Metodologia das Ciencias Naturais - 4ª Edição
Geraldo Sampaio de Souza
Conquista
(1961)



The Barftastic Life of Louie Burger
Jenny Meyerhoff
Do Autor
(2013)



Crônicas Científicas
Anna Veronica Mautner
Escuta
(1994)



The Ambassadors Story: the United States and the Vatican in Worl
Thomas Patrick Melady
Our Sunday Visitor
(1994)



El Espiritu En El átomo: una Discusión Sore los Misterios de La Física
P. C. W. Davies - J. R. Brown
Alianza
(1989)



Carlos Gardel para Todos
Augusto Fernandez Capa Dura
Ediciones Porteñas
(1996)



Loteamentos e Condomínios Tomo I (2ª Edição)
Wilson de Souza Batalha (capa Dura)
Freitas Bastos (rj)
(1959)



As Duas Guerreiras
Troisi
Rocco
(2009)



A Vida e o Sagrado - 9º Ano
Coleção a Vida e o Sagrado
A Vida é Mais
(2012)



Pediatria Volume 2 Crescimento e Desenvolvimento
Med Curso
Med Curso
(2012)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês