Paranóias Persecutórias | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O escritor está nu
>>> Lamartine Babo e futebol, uma simbiose
>>> Quem é Daniel Lopes
>>> Arte é intriga
>>> Primavera e Jukebox
>>> 20 anos de Trapo
>>> Bonjour, tristesse
>>> Big Bang
>>> 2013: mulheres escritoras e suas artes
>>> Les Misérables
Mais Recentes
>>> Guia Completo Do Tricô de Denise Gianoglio pela Escala (2019)
>>> Livro Literatura Estrangeira Um luxo de Perfume de Roberto D’Angelo pela Caravana
>>> Educação Escolar das Relações Étnico-raciais de José Antônio Marçal, Silvia Maria Amorim Lima pela Intersaberes (2015)
>>> Batman - A Maldição do Caveliro Branco de Sean Murphy pela Panini Comics (2020)
>>> A Guardia Da Minha Irma de Jodi Picoult pela Verus (2011)
>>> Livro Psicologia Motivação, Liderança e Lucro A trilogia para uma empresa de sucesso de Marco Aurélio Ferreira Vianna pela Gente (1999)
>>> Heróis De Verdade: Pessoas Comuns Que Vivem Na Sua Essência de Roberto Shinyashiki pela Gente (2005)
>>> Leonardo Da Vinci E Seu Supercérebro de Michael Cox pela Seguinte (2004)
>>> Ponto de Criação - Contos e Crônicas de Temáticas Livre de Alfer Medeiros pela Andross (2016)
>>> Finding Sky Die Macht Der Seelen: Roman de Joss Stirling pela Dtv Verlagsgesellschaft (2014)
>>> A Menina Que Contava Histórias de Jodi Picoult pela Verus (2015)
>>> Livro Filosofia Platão de Nova Cultural Ltda. pela Nova Cultural Ltda. (2004)
>>> Prosperity? de Ken, Maura, Michael, Piper, John, Grudem, Wayne, Mbewe, Conrad Mbugua pela Acts Kenya (2016)
>>> Introdução a psicologia de Donald Olding Hebb pela Atheneu (1971)
>>> Livro Literatura Estrangeira Meridian Um romance sobre o movimento dos direitos civis e a luta das mulheres negras de Alice Walker pela José Olympio (2022)
>>> O Despertar de Snyder, Murphy pela Panini Comics
>>> Ensaios de Michel De Montaigne pela Edit 34 (2016)
>>> Livro Turismo Mil Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> Coleção Biblioteca Infantil Encyclopedia Britânica do Brasil 10 Livros do Eu + Das Cores + Animais + Formas + Palavras + Números + Animais + Tempo de Christine Timmons pela Encyclopedia Britannica do Brasil Publicações (1979)
>>> Diálogos Da Perplexidade de Bernardo Kucinski pela Fundacao Perseu Abramo (2009)
>>> Livro Literatura Brasileira O Sedutor do Sertão de Ariano Suassuna pela Nova Fronteira (2020)
>>> Introducao À Leitura De Hegel de Alexandre Kojève pela Contraponto (2014)
>>> Encontrando Deus em O Senhor dos Anéis de Kurt Bruner, Jim Ware pela Bompastor (2002)
>>> O Poder Da Mente de R. Stanganelli pela Martin Claret (2006)
>>> Livro Poluição do Ar Polêmica Coleção Polêmica de Samuel Murgel Branco; Eduardo Murgel pela Moderna (2004)
COLUNAS >>> Especial Terror nos EUA

Terça-feira, 25/9/2001
Paranóias Persecutórias
Rafael Lima
+ de 4100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Fatos: no dia do atentado às torres gêmeas do World Trade Center, a Wal-Mart, rede de hipermercados nos Estados Unidos da América, registrou um aumento substancial nas compras de água e gêneros de primeira necessidade. Cessados os estrondos e postos ao chão os arranha-céus, os itens campeões de venda nos mesmos Wal-Mart no dia seguinte foram bandeirinhas e ornamentos de teor nacionalista, tais como papel crepom azul, vermelho e branco. Dois dias depois do atentado, o que cresceu foi o consumo de armas, principalmente “aquela espingardinha para deixar debaixo da cama”, o que levou algumas lojas a retirar de suas prateleiras armas caseiras para inibir uma possível escalada de violência doméstica. Um amigo meu fez, com raciocínio jocoso, a seguinte interpretação: “Primeiro, a gente se defende; depois, arruma uma boa desculpa para poder sair matando os outros”.

A questão toda é que o terrorismo conseguiu cumprir à excelência sua tarefa, qual seja a de aterrorizar, a de criar insegurança nas pessoas. Depois da queda, não houve cidadão norte-americano que não olhasse para o céu sem rabo no olho, sem aquele mínimo de desconfiança que faz pensar que qualquer avião pode cair em cima da gente. A situação é tão trágica que só pode ser visualizada apelando-se para o absurdo, e o que o sentimento de insegurança mais me lembra é um texto do Ivan Lessa publicado no volume 2 da Antologia Brasileira do Humor chamado Paranóia (50!) Qual é a sua? Escolha, uma coletânea de frases curtas e numeradas expressando aquele irredutível medo do desconhecido, tipo:
12 - Cigarro mentolado provoca a impotência
15 – O elevador vai ficar parado entre o 7º e o 8º
21 – O papa é judeu
26 – A pá do ventilador vai se soltar e me decepar a cabeça
38 – Por que é que escreveram meu nome errado?

Utilizando a mesma lógica insana para explicar o atentado, teríamos algo assim:
- Aqueles árabes estavam com um sorriso estranho no aeroporto
- Por que eles não param de falar entre si?
- Ele está levantando e não está com cara de quem vai ao banheiro
- O avião saiu da rota
- Acho que ele está voando baixo demais, e na nossa direção
- Vai bater.... Vai bater....

A maior prova dessa lógica do absurdo é que a última frase também aparece no texto do Ivan Lessa, um texto humorístico, diga-se de passagem. E de que essa proclamada guerra contra o terrorismo vai ser muito mais difícil do que se supõe, já que, como foi mostrado, o terror não segue a lógica cartesiana das normas de segurança. Que o serviço de inteligência norte-americano tenha falhado: quem imaginaria que um suicida potencial treinaria pilotar e sequestraria um avião com o objetivo de arremessá-lo de encontro a um prédio? É até possível trabalhar com esse tipo de hipótese, porém, fica evidente que o terrorismo, assim como o tráfico de drogas, ou qualquer tipo de banditismo (pequena ou larga escala) sempre estará na frente das forças policiais em termos de inovação, de criatividade, de invenção de métodos e logística. Bandido quando se organiza, ninguém segura – como já me disseram.

Tome-se como exemplo os suspeitos do sequestro dos aviões que atingiram o WTC. Contaram-me que um dos assaltantes tinha estudado 4 anos de engenharia na Alemanha além de fazer o curso de pilotagem já nos EUA. Não é um guerrilheiro latino-americano esfomeado, não é um africano subdesenvolvido que recebeu lavagem cerebral para guerrear até a morte; é alguém com potencial de planejamento de decisão imensos, é alguém com autonomia para realizar seu ataque; é um civil: como suspeitar, rastrear e perseguir um sujeito assim? O que nos leva de volta à questão da paranóia – a mesma que teria feito George W. Bush dar aquela espiadinha rápida para o céu depois de desembarcar do helicóptero que o trouxera da base militar de Nebraska, horas antes de fazer seu discurso para a televisão do dia 11. Nem ele estaria a salvo. E agora, fechar o espaço aéreo? Por quanto tempo? Aumentar a revista nos aeroportos? Permitir que todos os passageiros embarquem armados? Armar só o piloto? Sacaram como é complicado?

Como se torna, na prática, impossível o rastreio de todos os virtuais suspeitos, em geral a consequência é uma suspeita generalizada a todo e qualquer cidadão de origem árabe residente nos EUA, e a criação de dispositivos para controle de suas atividades, tais como a obrigação ao porte de documentos especiais, preenchimento de relatórios periodicamente em departamentos do governo e por aí a fora. Dois problemas emergem como efeitos colaterais aqui. Primeiro: até onde vai esse controle? Segundo: como esse controle afeta os cidadãos norte-americanos? Não é preciso fazer mais perguntas. O FBI já começou a instalar o software Carnivore em servidores de mensagens grátis, tais como o Hotmail, como conta esse artigo da Wired. O que o Carnivore – e seu correlato europeu, Echelon – faz, fundamentalmente, é ler o conteúdo das mensagens com um filtro qualquer para identificar trocas de informações suspeitas. Diz-se que criar uma conta com Allah no nome e qualquer coisa encriptada em árabe no corpo é receita certa para visita dos homens de preto. O que mais espanta nessa história não é nem ver mais uma tentativa frustrada de acabar com o crime tirando o sofá, ou, na melhor das hipóteses, o bode, da sala; é saber que os norte-americanos aceitaram de boa vontade essa violação flagrante de sua privacidade em nome da segurança, mostrando que estão jogando no lixo ensinamentos logo de um dos seus Founding Fathers, Ben Franklin (vai no original para não correr o risco de se corromper na tradução): "Those who trade liberty for security will have neither”. Ou, como colocou Brigid McMenamim em seu artigo, “América é construída na saudável descrença do poder do governo”. Porque esse povo não consegue largar daquela velha síndrome de Dr. Frankstein: primeiro exuma os cadáveres e os rouba aos pedaços, costura tudo e enche o bruto de choques, e depois que o bicho sai por aí fazendo estrago, fica gritando que criou um monstro...


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 25/9/2001

Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. O Tigrão vai te ensinar - 12/3/2001
03. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
04. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
05. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001


Mais Especial Terror nos EUA
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/1/2002
12h56min
Rafael: passarinho que come pedra é que sabe o cu que tem. Paranóia é exercício interpretativo e imaginativo. Assassinato em massa tipo emboscada, fora de contexto explícito de guerra é outra coisa.
[Leia outros Comentários de Lioran]
4/1/2002
19h56min
Lioran, se voce passar 100% do seu tempo desperto preocupado com 479 possibilidades de perigo, e pelo menos uma delas acontecer, voce vai ter motivo para dizer que as suas preocupações eram fundamentadas, mas isso não muda o fato de que voce perdeu tempo demais se preocupando. Outra coisa: cuidado que a maneira como voce define "contexto explícito de guerra" pode se enquadrar exatamente no que certas pessoas entendem por "cotidiano".
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
7/1/2002
08h47min
Rafael, seu texto é ótimo, extremamente lúcido e claro. O que será que as pessoas que ficaram chocadas com o atentado do dia 11 (terrível) acham da chacina que está ocorrendo no Afganistão?
[Leia outros Comentários de Sonia Pereira]
7/1/2002
09h32min
E desde quando a liberação de um país de um regime criminoso e tirano pode ser chamada de chacina? Não sei, pode ser que a senhora esteja usando um dicionário diferente do meu, mas me parece que a palavra foi mal-empregada. Claro que fatalidades e erros ocorreram, mas acho curioso como algumas pessoas insistem que a guerra foi algo tão prejudicial aos afegães, quando eles mesmos dizem o contrário!
[Leia outros Comentários de Roque V.]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Em Busca da Espiritualidade
James Van Praagh
Sextante
(1999)



Os Presidentes - Afonso Pena
Hélio Silva
Grupo de Comunicação Três
(1983)



Arquitetos Do Brasil - Athie/Wohnrath
Varios autores
Victoria Books
(2008)



Tratado de Direito Processual Civil
Celso Marcelo de Oliveira
Juridica Brasileira
(2006)



Padre Nostro: Preghiera Della Liberazione Integrale
Leonardo Boff
Cittadella
(1989)



O Poder do Clímax - Fundamentos de Roteiro de Cinema e Tv
Luiz Carlos Maciel
Record
(2003)



Histórias À Brasileira A Donzela Guerreira e outras
Ana Maria Machado
Companhia Das Letrinhas
(2010)



Um Lugar para Todos
Thrity Umrigar
Nova Fronteira
(2008)



Contabilidade Introdutória - livro texto
Stephen Charles Kanitz; Sérgio De Iudícibus; Luiz Benatti
Atlas
(2011)



O Prazer Do Poema. Uma Antologia Pessoal
Ferreira Gullar
Edições De Janeiro
(2014)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês