Chantibeijos | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Nós que Amávamos tanto a Revolução de Dany Cohn Bendit pela Brasiliense (1987)
>>> Sterminateli! de Christian Bernadac pela Fratelli Melita (1991)
>>> Hitler Il Figlio della Germania de Antonio Spinosa pela Oscar Mondadori (1993)
>>> Operación Peter Pan ( Un caso de Guerra Psicológica Contra Cuba) de Ramón Torreira Crespo pela Política /La Habana (2000)
>>> Quem Sequestrou Marta Jane? de Isabel Vieira pela Ftd (1995)
>>> Mort Du Général de Gaulle de Jean Mauriac pela Grasset (1972)
>>> O Burrinho Pedrês de João Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (1995)
>>> Ao vivo do campo de batalha ( Do Vietnã a Bagdá 35 anos em Zonas de Combate de Todo o Mundo) de Peter Arnett pela Rocco (1994)
>>> Os Cavalos da República de Moacyr Scliar pela Ática (2005)
>>> Os Últimos 100 dias (02 Volumes) de John Toland pela Nova Fronteira (1966)
>>> Dengos e Carrancas de um Pasto de Jorge Miguel Marinho pela Ftd (1987)
>>> Le Crime L' Invasion Irakienne Du Koweit de Badr Jassem Al Yacoub pela C.i.k.c (1991)
>>> Éramos Seis de Maria José Dupre pela Ática (1991)
>>> A Menina que fez a América de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2002)
>>> Praga Quando os Tanques Avançaram de Pierre Desgraupes pela Expressão e Cultura (1968)
>>> O Feijão e o Sonho de Orígenes Lessa pela Ática (1991)
>>> Pearl Harbor de A. J. Barker pela Renes (1973)
>>> A Flauta do Sótão de Lúcia Pimentel Góes pela Paulus (2003)
>>> USA Em Perigo de General Curtis E. Le May e Major General Dale O. Smith pela Biblioteca do Exército (1970)
>>> Sem Medo de Viver de Zíbia Gasparetto pela Vida&consciência (2007)
>>> Caça ao Cometa Halley de Roberto Pereira de Andrade pela Traco (1985)
>>> Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher e de Nancy Chodorow pela Rosa dos Tempos (1999)
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
COLUNAS

Quinta-feira, 18/10/2007
Chantibeijos
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3700 Acessos
+ 2 Comentário(s)


ilustra: Luli Penna

Chantibeijos é quase uma idealização - mais do que isso, é uma aceitação prazerosa dos defeitos, perda da consciência em pleno deslumbre. Aquilo que parece que não existe, mas é onde bate um coração apressado, é chantibeijos.

Não é algo que se encontre no Google ou Houaiss. Palavra inutilizada pelos escritores, chantibeijos não consta nos clássicos da literatura brasileira. Ouvia-se no rádio? Se estivesse nas revistas de fofocas e celebridades, chantibeijos sairia na capa em letras brancas, num quadrado vermelho.

Chantibeijos não se compra, nem se encontra à venda. Toca a campainha e sai correndo em seguida. Torta na cara de políticos e homens sérios, na seqüência uma lambida. Adjetivo todo-poderoso, diga-se de passagem.

É usar rosa sem receio da opinião alheia. Acordar numa manhã de inverno, enxergar o rosto sujo e decidir cortar a barba. Estar um pouquinho acima do peso, e mesmo assim, irresistível. É ter cabelos de propaganda de xampu Elsève e ser desejado pelos cabeleireiros. Também é molhar as madeixas na pia achando que vai ajudar a baixar a crista.

Chantibeijos, que se adapta a qualquer situação e vive em constante gemido, se desfaz em picolé de baunilha quando atinge picos de felicidade. Acompanha cantando as músicas que ouve no rádio, mas não sabe as letras de cor. Sabe tocar apenas uma canção no violão. Por trás da corpulência de chantibeijos se esconde ainda mais exuberância. Mal se nota quando desafina...

Chantibeijos, essencial e dispensável, é muito mais do que tudo de bom, excelente ou fantástico. É gostar de lavar louça, ainda que não limpe bem as panelas. Dormir fora de casa sem ter de dar explicações a ninguém. É prometer que sempre estará disponível. Não ter vergonha de falar com ninguém, estar à beira de um escândalo público.

Ser chantibeijos é não ter medo de ser brega, qualquer coisa multifaces, mas reconhecível em figura geométrica, porque chantibeijos pode ser uma atitude, um jeito adorado de ser, homem ou lugar... é tomar uma pose, ora de soneto moderno, ora de minueto, sem que se dissipe a unidade essencial.

É uma pâtissier cor-de-rosa com mesinhas de ferro formando arabescos; sabonete à base de gordura vegetal e nunca testado em animais. Uma tia de sonhos loucos e expressões inusitadas que cozinha bolo de chocolate com gosto de terra.

Quem sai serelepe pelas ruas com um spray de chantilly, pichando os muros e as casas, estalando um beijo molhado em cada alvo-bochecha. Caprichar no visual para o trabalho, mas às vezes não dar a mínima se a roupa está combinando. Investigar-se no espelho com o desdém que os metrossexuais não têm. Bruto e delicado, tem mãos crespas de agricultor e palmas macias de escritório.

Distraidamente concentrado, Chantibeijos respeita muito seu chefe, mantém uma leve rotina doméstica, tem uma gaveta cheia de moedas e tranqueiras que vai jogando sem qualquer critério. Desarma qualquer um com seu sorriso de marfim (mil pontas), se excita com facilidade.

É mulher nua montada no querido pônei, ou qualquer outra relação constrangedora e absurda. É gritar por comida, como criança. É o ridículo estourando - mensagem no espelho com batom vermelho. Ainda dizem, numa outra imagem pitoresca da palavra, que é um beijo no cume de uma montanha de chantilly fresco. Mas se chantibeijos fosse chanteclair!

É o lugar-comum de se dizer perfeccionista quando alguém pergunta seu maior defeito. Encontrar o que se perdeu onde menos se espera. Encontrar o que não se espera. Caixa-surpresa explodindo em palhaço engraçado ou caixinha-de-música de bailarina.

Não ter hora para chegar em casa e sequer pensar nela. Fumar de vez em quando com os amigos e continuar com os dentes branquinhos. Ter cara de mocinho e jeito de bandido. Achar que as séries de ação americanas são os melhores programas do mundo. Ter preguiça de ler e de escrever.

É dizer as coisas espontaneamente, e ainda assim não chocar. Ter um bom humor inabalável e uma lucidez assustadora. Também é desejar ser feliz, esperar algo grandioso da vida, e ainda não saber como será possível. Adorar viajar, um dia casar e ter filhos, mas não levar muito jeito para a coisa.

Ser chantibeijos é dormir com a facilidade de um gato. Ficar em paz com o estômago depois de comer dois cachorros-quentes e uma porção de batata-frita. Os olhos grandiosos e brilhantes são glóbulos capazes de engolir o mundo, porque o mundo é dele se ele estalar seus dedos mágicos.


Elisa Andrade Buzzo
Bordeaux, 18/10/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nem cobra, nem aranha: peçonhenta é a burocracia de Adriana Baggio
02. Carta de um jovem contestador de Rafael Rodrigues


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2007
01. Ecos digitais: poema-em-música - 4/1/2007
02. Casa cor-de-rosa - 8/11/2007
03. A Via Láctea de Lina Chamie - 27/12/2007
04. Meninas eu vi - 26/4/2007
05. A brasileira - 22/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/10/2007
17h57min
Maravilhoso, mágico e delicioso esse texto, Elisa. Na correria do dia-a-dia, mal percebemos nossos chantibeijos, mas era só querer. Acrescentar uma pitada de chantily e um leve toque cor-de-rosa... O texto passa a sensação de felicidade plena, encantadoramente eterna... Muitos chantibeijos pra você!
[Leia outros Comentários de Débora Costa e Silva]
1/11/2007
15h49min
Amei este texto, todos somos e vivemos chantibeijos eventualmente. Parabéns!!
[Leia outros Comentários de Aloi Schneider]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PLATAFORMA 1365: AS URNAS CONTRA O IMPÉRIO
LUIZ ALFREDO SALOMÃO
NÃO IDENTIFICADA
R$ 22,00



CARTAS DE MEU SILÊNCIO
LUIZ GOULART
INDEPENDENTE
R$ 4,00



EU SOU UM SER EMOCIONAL
EVE ENSLER; ALEX BOULWARE; JULIA NEIVA
GRYPHUS
(2015)
R$ 14,00



MATEI JEOVÁ...
ALDEONOFF POVOAS
RIDENDO
(1952)
R$ 70,00



COMENTARIOS E ALTERAÇOES DA LEI DO INQUILINATO
LUIZ ANTONIO SCAVONE JUNIOR
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2009)
R$ 12,00



NANÁ
ÉMILE ZOLA
ABRIL CULTURAL
(1985)
R$ 10,00



FORAS DA LEI BARULHENTOS - BOLHAS RAIVOSAS E ALGUMAS ...
CLEMENT FREUD, JON SCIESZKA
COSAC NAIFY
(2012)
R$ 40,00



ELETROSTÁTICA
MARCOS HERVÉ PINHEIRO
ADN
R$ 29,30
+ frete grátis



O VENDEDOR TOTAL
ROBERTO PROCÓPIO
LIVRUS
(2012)
R$ 18,00



ERA DOS EXTREMOS - O BREVE SÉCULO XX - 1914-1991
ERIC HOBSBAWM
COMPANHIA DAS LETRAS
(1995)
R$ 45,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês