O cânone na berlinda | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
71334 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Machado de Assis

Quarta-feira, 25/6/2008
O cânone na berlinda
Luiz Rebinski Junior

+ de 2900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Machado de Assis conseguiu aquilo que todo e qualquer escritor persegue desde a primeira linha: marcar a ferro quente seu tempo por meio da literatura. E não apenas porque foi um cronista excepcional ― na melhor acepção que o termo pode sugerir, pois soube, ainda que muitos digam o contrário, refletir sobre os acontecimentos de seu tempo ―, mas porque trouxe à literatura nacional inventividade e elegância nunca antes vistas. Da tão comentada ironia machadiana, até a conversa bem-humorada com o leitor, passando pelas sondagens psicológicas, Machado sempre soube surpreender. Isso, certamente, bastaria para lhe dar um lugar cativo no panteão dos nossos grandes escritores. Mas Machado fez mais. Com o fabuloso Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881), uma narrativa repleta de digressões, idas e vindas e inovações que começam já no primeiro parágrafo, Machado de Assis se autodeclara gênio. Brás Cubas reúne praticamente todas as inovações que Machado trouxe à literatura ao longo de sua carreira como escritor ao contar uma história repleta de pessimismo e auto-ironia e que antecipa procedimentos utilizados pelas vanguardas do século XX.

Mas passados cem anos da morte de Machado de Assis, a qualidade da obra do Bruxo do Cosme Velho parece fora de questão, já que motivos e gente para enumerá-los não faltam. Há, claro, quem não aprecie. Como tudo na vida, na literatura o subjetivismo também dá o ar da graça. Dessa forma, a literatura de Machado de Assis suscita ódios com a mesma intensidade que gera paixões. Até aí, tudo bem. Afinal, escritores e livros estão sujeitos ao crivo popular como qualquer outro artista ou obra. Uns gostam, outros não. Ainda mais compreensível quando se trata de alguém considerado gênio e que detém o lugar mais alto no cânone das letras nacionais. Mas é interessante notar como há uma geração de leitores (ou seria não-leitores?), que vêem na figura de Machado um antídoto contra a literatura. Machado de Assis lidera ― talvez com uma cabeça à frente de Guimarães Rosa, e um corpo, quem sabe, de Clarice Lispector ―, o ranking dos escritores nacionais com maior índice de rejeição. Há um sem-número de pessoas que adquiriram verdadeira ojeriza de literatura a partir da leitura ― forçada e equivocada, em algum momento de sua vida escolar ― de algum dos clássicos de Machado, sempre presentes nas listas dos vestibulares mais concorridos do país. Não é difícil encontrar quem se diga não-leitor de ficção graças a Machado de Assis, Bentinho, Capitu, Quincas Borba ou Brás Cubas.

Mas a rejeição a Machado não pára por aí. Também não é raro ver leitores aficionados contestar a genialidade atribuída ao fundador da Academia Brasileira de Letras. E mais: não faltam escritores consagrados dispostos a minimizar a importância do Bruxo para as nossas letras. É cada vez mais raro também ver um jovem escritor citar de bate-pronto Machado como influência maior. Quem e quantos são os nossos escritores com menos de 30 anos que se dizem devedores da prosa e poesia do Bruxo? No Brasil, hoje, há toda uma geração de escritores que está muito mais para Jack Kerouac do que para Machado, ainda que a influência de Machado se dê por osmose nesta e em outras gerações (o tão falado diálogo empreendido por Machado não se equivaleria à troca de informações pretendida pelos blogueiros/escritores de hoje?).

Ainda assim, isso não quer dizer que Machado esteja esquecido. Basta ver a lista de eventos e novas publicações que este ano vão homenagear os cem anos da morte do escritor. A já tradicional Flip (Festa Literária Internacional de Parati), por exemplo, terá Machado como grande homenageado. Sem contar os diversos colóquios (USP), simpósios (Unesp) e ciclo de palestras (Casa de Rui Barbosa).

Mas o fato é que a idolatria em torno do nome de Machado de Assis por parte substancial da crítica especializada gerou um sentimento passional na massa de leitores. Para aqueles que não se sentem seduzidos pela obra do escritor, Machado virou símbolo de uma literatura meio anacrônica, que pouco ou nada revela sobre os tempos atuais. Em suma, um autor que foi engolido pelos novos tempos e ficou preso ao século XIX. Já para quem costuma defender a literatura do escritor, não gostar de Machado de Assis, ou ainda, não reconhecer a qualidade do escritor como artista, é mais ou menos como atestar a própria ignorância. Para o crítico britânico John Gledson, por exemplo, "há um velho preconceito que diz que Machado é monótono, que a gama de emoções e até de idéias e situações na sua ficção é limitada". Tal preconceito, segundo Gledson, "vai de mãos dadas com a incapacidade que muitas pessoas têm de entender a ironia machadiana". Em resumo, não há como passar incólume por Machado de Assis.

Em seu livro A Literatura na poltrona, José Castello, ao discutir o mito que se criou em torno da figura de Jorge Amado, diz que "Jorge Amado é um escritor aprisionado em seu nome ― seu próprio nome, que se tornou um mito, mas também um clichê. Se gostamos de Jorge Amado, somos vistos com suspeita, como vítimas da grande trapaça do exotismo, do sensualismo e da escrita prolixa que, para muitos, define sua literatura, mas é também o contrário do que a literatura deve ser. Se não gostamos, somos olhados com suspeita também: isso evidencia, provavelmente, nosso elitismo, nossa aversão às obras de sucesso, nossa arrogância. Não existe saída, amar ou não amar a literatura de Jorge Amado é sempre um problema". Com Machado de Assis o problema é bastante parecido. Mas em Machado é a crítica que parece estar, incondicionalmente, ao lado do escritor, sendo que a oposição vem, essencialmente, de leitores. Assim como Jorge Amado, Machado teve que carregar nas costas o ônus do mito que lhe atribuem há pelo menos um século.

Mas o fato é que em literatura não há fórmulas fechadas. Assim como uma obra de arte nunca é entendida sob o mesmo prisma, um livro nunca é lido da mesma forma. Gostar ou não de determinado escritor ou obra é uma questão particular, sempre será. Por mais festejado ou criticado que um autor possa ser, é o "filtro" pessoal de cada leitor que vai dizer se ele serve ou não. E com Machado não é diferente.

"Gênio", "milagre" ou escritor defasado, o certo é que este ano não faltará oportunidade para que detratores e adoradores do escritor façam valer seus argumentos.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 25/6/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Amor e relacionamentos em tempos de transição de Luis Eduardo Matta
02. Sobre o Caminho e o Fim de Ricardo de Mattos
03. Primavera dos Livros do Rio 2005 de Cassiano Viana
04. Moderno antes do Modernismo de Sergio Amaral Silva


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008
05. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008


Mais Especial Machado de Assis
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/7/2008
14h49min
Perfeito!!! Como poucos, o autor soube demonstrar os posicionamentos pró e contra a literatura machadiana, sem desmerecer Machado. Só me desagrada o fato de o próprio povo que o Mestre retrata (visto que sua obra continua atemporal) não entendê-lo e nem fazer o mínimo esforço para conseguir depreender a grandeza da escrita machadiana. Seria bom, para nós, brasileiros, observarmos o que portugueses pensam de Camões, o que os espanhóis pensam de Cervantes, e os ingleses de Shakespeare. Simplesmente, escritores à frente de seus tempos (e do nosso também).
[Leia outros Comentários de Daniela]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CLAVÍCULA DE SALOMÃO - 1ª EDIÇÃO
IRENE LIBER
PALLAS
(2004)
R$ 47,70



LIVRO DE JOGOS
UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL
ESCOTEIRA
(1980)
R$ 45,00
+ frete grátis



OS SETE MINUTOS
IRVING WALLACE
RIOGRÁFICA
(1986)
R$ 9,09



COMO ORGANIZAR A NOSSA RÚSSIA - ALEXANDRE SOLJENITSIN (LITERATURA RUSSA)
ALEXANDRE SOLJENITSIN
NOVA FRONTEIRA
(1991)
R$ 15,00



ESAÚ E JACÓ 2
MACHADO DE ASSIS
CLUBE DO LIVRO
(1956)
R$ 5,00



FOME DE PÃO E DE BELEZA
FREI BETTO
SICILIANO
R$ 19,90
+ frete grátis



ASSÉDIO SEXUAL NA EMPRESA; IMPACTOS DO NOVO CÓDIGO CIVIL SOBRE O
REVISTA DO TRTEEMATRA: ANO 4 NÚMERO 5
AMÉRICA JURÍDICA (RJ)
(2000)
R$ 30,28



CONTOS ORIENTAIS
MARGUERITE YOURCENAR
NOVA FRONTEIRA
(1983)
R$ 25,00



JULGADOS DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA
LUCILVA PEREIRA DA SILVA
EDIPRO
(1993)
R$ 17,00



NA LUZ DO EVANGELHO
SEBASTIÃO ANSELMO - PELO ESPÍRITO TETSUE
PETIT
(1993)
R$ 5,00





busca | avançada
71334 visitas/dia
1,4 milhão/mês