O cânone na berlinda | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
62566 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nem morta!
>>> Nem morta!
>>> YouTube, lá vou eu
>>> O bom, o ruim (e o crítico no meio)
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> No III Seminário da Cásper
>>> Não gaste o seu latim
>>> Gilberto Gil: Cultura Viva (2)
>>> A convergência das mídias
>>> 4 de Setembro #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Profecias de Pietro Ubaldi pela Fundapu (1982)
>>> A Grande Síntese de Pietro Ubaldi pela Fundapu (1988)
>>> A Solução Está na Fé de Norman Vincent Peale & Smiley Blanton pela Record (1950)
>>> A Nova Arte de Viver de Norman Vincent Peale pela Cultrix (1981)
>>> Mensagens Para a Vida Diária de Norman Vincent Peale pela Cultrix
>>> É Fácil Viver Bem de Norman Vincent Peale pela Cultrix
>>> O Poder do Entusiasmo de Norman Vincent Peale pela Cultrix (1977)
>>> O Poder do Pensamento Positivo de Norman Vincent Peale pela Cultrix (1999)
>>> Vicente de Carvalho Nossos Classicos de Fausto Cunha Editor pela Agir (1977)
>>> Pílulas Para Viver Melhor de Fernando Luchese pela L&PM Pocket (2008)
>>> Desembarcando A Hipertensão de Fernando Luchese pela L&PM Pocket (2005)
>>> Desembarcando O Diabetes de Fernando Luchese pela L&PM Pocket (2002)
>>> Confissões & Conversões - 25 Regras para o Tempo de Mudar de Fernando Luchese pela L&PM (2007)
>>> Cervicobraquialgia: Espondilose e Hérnia Cervical. Diagnóstico e Tratamento. de Caio Villela Nunes pela Epuc. (1994)
>>> Te cuida! Guia para uma vida saudável. de Dr. Cláudio Domênico pela Casa da Palavra (2012)
>>> Antiguidades Modernas. Crônicas do cotidiano escolar. de Celso Antunes pela ArtMed (2003)
>>> Direito Civil. Parte Geral. Série Prova e Concursos. de Christianne Garcez pela Campus (2008)
>>> O Novo Mercado de Trabalho. Guia para iniciantes e sobreviventes. de Marco A. Oliveira pela Senac - RJ (2000)
>>> Um Grande Garoto. de Nick Hornby pela Rocco (2000)
>>> Breve Romance de Sonho. de Arthur Scgnitzler pela Globo (2003)
>>> História do Cerco de Lisboa. de José Saramago pela Globo (2003)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo. de Allan Kardec pela BesouroLux (2016)
>>> Morgoths Ring the History of Middle-earth Volume 10 de J. R. R. Tolkien; Christopher Tolkien pela Harper Collins (2002)
>>> Lugares dos Mortos na Cidade dos Vivos de Cláudia Rodrigues pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro (1997)
>>> The War of the Ring the History Ofthe Lord of the Rings Part 3 de J. R. R. Tolkien; Christopher Tolkien pela Harper Tolkien (2002)
>>> The Treason of Isengard the History of the Lord of the Rings Part 2 de J. R. R. Tolkien; Christopher Tolkien pela Harper Collins (2002)
>>> The Return of the Shadow 6 the History of the Lord of the Rings Part 1 de J. R. R. Tolkien; Christopher Tolkien pela Harper Collins (2002)
>>> A Idéia Republicana no Brasil Através dos Documentos de Reynaldo Carneiro Pessoa (Org.) pela Alfa-Omega (1973)
>>> The Shaping of Middle-earth the History of Middle-earth Volume 4 de J. R. R. Tolkien; Christopher Tolkien pela Harper Collins (2002)
>>> The Lays of Beleriand the History of Middle-earth Volume 3 de J. R. R. Tolkien pela Harper Collins (2002)
>>> The Book of Lost Tales II (the History of Middle-earth, Book 2) de J. R. R. Tolkien pela Harper Tolkien (2002)
>>> The Book of Lost Tales (the History of Middle-earth, Book 1) de J. R. R. Tolkien pela Harper Collins (2002)
>>> Tempo de Transcendência – O Ser Humano Como um Projeto Infinito de Leonardo Boff pela Sextante (2000)
>>> Jesus Cristo Libertador de Leonardo Boff pela Vozes (1972)
>>> O Livro de Ouro da Felicidade. Um guia prático aos estágios de meditação. de Sua Santidade, o Dalai Lama. pela Agir (2003)
>>> Viver Sem Tensão de Joseph Murphy pela Record (1959)
>>> Segredos do Iching – Os Mistérios da Sabedoria Oriental de Joseph Murphy pela Record (1970)
>>> A Magia do Poder Extra-Sensorial de Joseph Murphy pela Record (1994)
>>> Direito Constitucional 19ª ed. de Alexandre de Moraes pela Atlas (2006)
>>> A Paz Interior de Joseph Murphy pela Record (1979)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (Coleção O Poder do Subconsciente) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> O Poder Do Subconsciente de Joseph Murphy pela Record (1963)
>>> Mesa & Harmonia de Editores pela Companhia União dos Refinadores (1992)
>>> Festas & Férias de Editores pela Companhia União dos Refinadores (1989)
>>> Gibi Magali N°96 O Sumiço dos panetones de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2014)
>>> Gibi Almanaque da Magali N°22 de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2010)
>>> Gibi Magali N°34 A estrela cadente! de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2009)
>>> Gibi Magali. N°55. Lady Magaga. de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2011)
>>> Lições Positivas de Lauro Trevisan pela Da Mente (1993)
>>> Gibi Cebolinha N°30 de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2009)
COLUNAS >>> Especial Machado de Assis

Quarta-feira, 25/6/2008
O cânone na berlinda
Luiz Rebinski Junior

+ de 3100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Machado de Assis conseguiu aquilo que todo e qualquer escritor persegue desde a primeira linha: marcar a ferro quente seu tempo por meio da literatura. E não apenas porque foi um cronista excepcional ― na melhor acepção que o termo pode sugerir, pois soube, ainda que muitos digam o contrário, refletir sobre os acontecimentos de seu tempo ―, mas porque trouxe à literatura nacional inventividade e elegância nunca antes vistas. Da tão comentada ironia machadiana, até a conversa bem-humorada com o leitor, passando pelas sondagens psicológicas, Machado sempre soube surpreender. Isso, certamente, bastaria para lhe dar um lugar cativo no panteão dos nossos grandes escritores. Mas Machado fez mais. Com o fabuloso Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881), uma narrativa repleta de digressões, idas e vindas e inovações que começam já no primeiro parágrafo, Machado de Assis se autodeclara gênio. Brás Cubas reúne praticamente todas as inovações que Machado trouxe à literatura ao longo de sua carreira como escritor ao contar uma história repleta de pessimismo e auto-ironia e que antecipa procedimentos utilizados pelas vanguardas do século XX.

Mas passados cem anos da morte de Machado de Assis, a qualidade da obra do Bruxo do Cosme Velho parece fora de questão, já que motivos e gente para enumerá-los não faltam. Há, claro, quem não aprecie. Como tudo na vida, na literatura o subjetivismo também dá o ar da graça. Dessa forma, a literatura de Machado de Assis suscita ódios com a mesma intensidade que gera paixões. Até aí, tudo bem. Afinal, escritores e livros estão sujeitos ao crivo popular como qualquer outro artista ou obra. Uns gostam, outros não. Ainda mais compreensível quando se trata de alguém considerado gênio e que detém o lugar mais alto no cânone das letras nacionais. Mas é interessante notar como há uma geração de leitores (ou seria não-leitores?), que vêem na figura de Machado um antídoto contra a literatura. Machado de Assis lidera ― talvez com uma cabeça à frente de Guimarães Rosa, e um corpo, quem sabe, de Clarice Lispector ―, o ranking dos escritores nacionais com maior índice de rejeição. Há um sem-número de pessoas que adquiriram verdadeira ojeriza de literatura a partir da leitura ― forçada e equivocada, em algum momento de sua vida escolar ― de algum dos clássicos de Machado, sempre presentes nas listas dos vestibulares mais concorridos do país. Não é difícil encontrar quem se diga não-leitor de ficção graças a Machado de Assis, Bentinho, Capitu, Quincas Borba ou Brás Cubas.

Mas a rejeição a Machado não pára por aí. Também não é raro ver leitores aficionados contestar a genialidade atribuída ao fundador da Academia Brasileira de Letras. E mais: não faltam escritores consagrados dispostos a minimizar a importância do Bruxo para as nossas letras. É cada vez mais raro também ver um jovem escritor citar de bate-pronto Machado como influência maior. Quem e quantos são os nossos escritores com menos de 30 anos que se dizem devedores da prosa e poesia do Bruxo? No Brasil, hoje, há toda uma geração de escritores que está muito mais para Jack Kerouac do que para Machado, ainda que a influência de Machado se dê por osmose nesta e em outras gerações (o tão falado diálogo empreendido por Machado não se equivaleria à troca de informações pretendida pelos blogueiros/escritores de hoje?).

Ainda assim, isso não quer dizer que Machado esteja esquecido. Basta ver a lista de eventos e novas publicações que este ano vão homenagear os cem anos da morte do escritor. A já tradicional Flip (Festa Literária Internacional de Parati), por exemplo, terá Machado como grande homenageado. Sem contar os diversos colóquios (USP), simpósios (Unesp) e ciclo de palestras (Casa de Rui Barbosa).

Mas o fato é que a idolatria em torno do nome de Machado de Assis por parte substancial da crítica especializada gerou um sentimento passional na massa de leitores. Para aqueles que não se sentem seduzidos pela obra do escritor, Machado virou símbolo de uma literatura meio anacrônica, que pouco ou nada revela sobre os tempos atuais. Em suma, um autor que foi engolido pelos novos tempos e ficou preso ao século XIX. Já para quem costuma defender a literatura do escritor, não gostar de Machado de Assis, ou ainda, não reconhecer a qualidade do escritor como artista, é mais ou menos como atestar a própria ignorância. Para o crítico britânico John Gledson, por exemplo, "há um velho preconceito que diz que Machado é monótono, que a gama de emoções e até de idéias e situações na sua ficção é limitada". Tal preconceito, segundo Gledson, "vai de mãos dadas com a incapacidade que muitas pessoas têm de entender a ironia machadiana". Em resumo, não há como passar incólume por Machado de Assis.

Em seu livro A Literatura na poltrona, José Castello, ao discutir o mito que se criou em torno da figura de Jorge Amado, diz que "Jorge Amado é um escritor aprisionado em seu nome ― seu próprio nome, que se tornou um mito, mas também um clichê. Se gostamos de Jorge Amado, somos vistos com suspeita, como vítimas da grande trapaça do exotismo, do sensualismo e da escrita prolixa que, para muitos, define sua literatura, mas é também o contrário do que a literatura deve ser. Se não gostamos, somos olhados com suspeita também: isso evidencia, provavelmente, nosso elitismo, nossa aversão às obras de sucesso, nossa arrogância. Não existe saída, amar ou não amar a literatura de Jorge Amado é sempre um problema". Com Machado de Assis o problema é bastante parecido. Mas em Machado é a crítica que parece estar, incondicionalmente, ao lado do escritor, sendo que a oposição vem, essencialmente, de leitores. Assim como Jorge Amado, Machado teve que carregar nas costas o ônus do mito que lhe atribuem há pelo menos um século.

Mas o fato é que em literatura não há fórmulas fechadas. Assim como uma obra de arte nunca é entendida sob o mesmo prisma, um livro nunca é lido da mesma forma. Gostar ou não de determinado escritor ou obra é uma questão particular, sempre será. Por mais festejado ou criticado que um autor possa ser, é o "filtro" pessoal de cada leitor que vai dizer se ele serve ou não. E com Machado não é diferente.

"Gênio", "milagre" ou escritor defasado, o certo é que este ano não faltará oportunidade para que detratores e adoradores do escritor façam valer seus argumentos.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 25/6/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 'As vantagens do pessimismo', de Roger Scruton de Celso A. Uequed Pitol
02. Bosnian Rainbows - Bosnian Rainbows (2013) de Guilherme Carvalhal
03. Contos fantásticos no labirinto de Borges de Gian Danton
04. Caipiras sobre Rodas de Daniel Bushatsky
05. Baudelaire, um pária genial (parte II) de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008
05. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008


Mais Especial Machado de Assis
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/7/2008
14h49min
Perfeito!!! Como poucos, o autor soube demonstrar os posicionamentos pró e contra a literatura machadiana, sem desmerecer Machado. Só me desagrada o fato de o próprio povo que o Mestre retrata (visto que sua obra continua atemporal) não entendê-lo e nem fazer o mínimo esforço para conseguir depreender a grandeza da escrita machadiana. Seria bom, para nós, brasileiros, observarmos o que portugueses pensam de Camões, o que os espanhóis pensam de Cervantes, e os ingleses de Shakespeare. Simplesmente, escritores à frente de seus tempos (e do nosso também).
[Leia outros Comentários de Daniela]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A INSPETORA E O QUARTO SECRETO
SANTOS DE OLIVEIRA
EDIOURO
(1975)
R$ 75,00



BÍBLIA SAGRADA - TRADUÇÃO DA CNBB
FOLHA
FOLHA
(2010)
R$ 9,90



HOW TO READ BRIDGES: A CRASH COURSE IN ENGINEERING AND ARCHITECTURE
EDWARD DENISON
RIZZOLI INTERNATIONAL PUBLICATIONS
(2012)
R$ 79,00



O MISTÉRIO DO AZUL TURQUESA
ALBERTO BEUTTENMULLER
ATUAL
(1992)
R$ 7,00



APRENDA A USAR O COMPUTADOR E A INTERNET ATRAVÉS DE IMAGENS
RUTH MARAN
READERS DIGEST
(1999)
R$ 5,00



A FREIRA NO SUBTERRANEO
CAMILLO CASTELLO BRANCO
CHARDRON
R$ 10,00



TRANSFORMANDO ADVERSIDADES EM BÊNÇÃOS
SILAS MALAFAIA
CENTRAL GOSPEL
(2010)
R$ 8,00



A GRANDE PIRÂMIDE REVELA SEU SEGREDO
ROSELIS VON SASS
ORDEM DO GRAAL NA TERRA
(1972)
R$ 8,00



GESTÃO DE VIDA E DOS NEGOCIOS
RICARDO FERRARI
DO AUTOR
(2006)
R$ 9,00



INVASÃO DA CATEDRAL LITERATURA E ENSINO EM DEBATE
LIGIA CHIAPPINI M. LEITE
MERCADO ABERTO
(1988)
R$ 27,00





busca | avançada
62566 visitas/dia
2,2 milhões/mês