Twitter e as amebas | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Twitter

Quarta-feira, 23/7/2008
Twitter e as amebas
Rafael Fernandes

+ de 4900 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Criei uma conta no Twitter para participar do Especial de junho, cujo tema é exatamente essa nova ferramenta da comunicação on-line. É o tal do "microblogging", que, como o próprio nome diz, pega a idéia de um blog, mas em pequenas pílulas de informação ― no máximo 140 toques. Também é uma rede social, como o Orkut ou MySpace, em que adicionamos amigos, ídolos ou pessoas que achamos interessantes. Agora, nós "seguimos" quem queremos, e somos "seguidos" por quem não necessariamente queremos. Achei que pudesse ser uma grande bobagem, um lugar onde um monte de gente chata falaria besteiras do tipo "acabei de ir ao banheiro", "está chovendo", "que dia chato", "quero matar meu chefe" etc. Mas não é isso. Quero dizer, é isso também, mas como na grande maioria das coisas que existe na internet é preciso escolher o que e como usar. O Orkut pode ser uma inutilidade se servir para contar amigos ou bisbilhotar a vida alheia, mas é ótimo para manter contato com pessoas de longe ou achar informações em certas comunidades que não se encontra em outros lugares ― lá continua sendo minha principal fonte de notícias de algumas bandas. Como um blog pode ser um marasmo se só colocarmos banalidades e se não nos conectarmos com outros blogs relevantes.

Na primeira experiência como usuário do Twitter, recebi uma série de mensagens de erro, que parecem ser uma constante do servidor, talvez pelo excesso de gente. Comecei a adicionar os prezados colegas deste site, além de duas figuras que acompanho também em blogs: o Fred Wilson e o Seth Godin. Aqui, um dos primeiros problemas: como tenho o RSS de ambos no Google Reader, acabo tendo duplicidade de informação. Mas nada que incomode tanto. Um lado, digamos, "positivo" é saber que não é só você que tem dificuldades em organizar o tempo, colocar a leitura em dia etc ― uma reclamação constante nas mensagens alheias. Um outro ponto pró foi percebido pela Verônica: "Mas o fantástico do Twitter é a volta em grande estilo de aforismos e frases de efeito! O espírito de Wilde que paire sobre nós". A possibilidade de encontrar pequenas pérolas por lá me é mais instigante do que a possibilidade de encontrar besteiras. Como colocado no parágrafo anterior, uma das grandes sacadas da internet é a possibilidade de escolher o que se quer ver. Por outro lado, o Twitter segue um perigo da rede: pode viciar, pode se tornar uma perda de tempo ou um labirinto de informações se não for bem controlado.

Outro fator interessante não só do Twitter, mas de todas as redes sociais, é ligar pessoas de lugares diversos e que se julgam diferentes ― e obviamente são, mas que se encontram em intersecções que nunca imaginariam ― seja em músicas, assuntos de interesse ou pensamentos. Esse é um dos motes do Last.fm, em que, a cada página de usuários que adentramos, somos comparados em termos de gostos musicais. E há surpresas. De algumas pessoas que achávamos ter gosto parecido, há discrepância; e de quem achávamos tão distantes, observamos grandes conexões. Também é interessante observar nessas redes ― tanto em nós quanto em nossos "amigos", seguidores, ou seja lá o que for ― a característica de grande diversidade de gostos, comportamento e atitudes. É muito difícil encontrar um "total" erudito nas artes, ou alguém que se interesse só por business e não por alguma manifestação artística. Os gostos estão muitos misturados, não há mais "pureza" ou regra. Na verdade, nunca houve, mas agora fica mais explícito. Todo mundo tem um "ponto fraco" ― aquele filme babaca dentro de um catálogo de películas de arte, uma música do Roupa Nova ouvida por um admirador de black metal e assim vai. Como a maioria das pessoas tem interesses e aspirações em campos que antes julgávamos tão distantes ― aquele matemático nerd pode ser um ótimo ator amador.

Posso entender quem não goste ou não tenha paciência para essas coisas. Tudo está no limite da histeria, da mania de ter amigos virtuais, de sempre procurar a mais incrível novidade daquele momento ― que na internet pode mudar em uma semana (ou menos). O que se convencionou de chamar de hype, que pode ser substituído sem grandes perdas por "oba-oba", é a constante celebração de uma suposta genialidade em tudo que aparece de novo, em qualquer área que observamos, e com força na internet ― em que a questão do "tempo real" eleva a situação a várias potências. Isso de certa forma está virando um pesadelo, que pode destruir a elaboração, o preparo, a concentração, a contemplação em prol do efêmero, da necessidade de ser cada vez mais atual, de saber o que ninguém sabia, de tentar absorver tudo ao mesmo tempo e pular para o próximo em segundos. Uma urgência que por vezes nos tira o fôlego. Mas se por um lado essas redes sociais podem trazer os malefícios da exposição, distração e excesso de informações, por outro podemos ver a riqueza e diversidade desse caleidoscópio que é o ser humano. Temos de procurar entender como usá-los adequadamente para as nossas necessidades e aspirações ― não há receita de uso pronta.

E me parece que, principalmente no Brasil, algumas pessoas (ainda) insistem em não (querer) entender a internet. E quando falo internet me refiro a sites, e-mail, Google, AdSense, redes sociais, troca de arquivos, constante troca de informações, Web 2.0 (agora também a 3.0), compras on-line, internet banking etc. etc. etc. Tem quem ainda ache que internet é apenas um poço de lixo. Isso se agrava com as redes sociais ― "é coisa de adolescente". Ou quem diz que o tempo antes da internet é que era bom. Não canso (ou melhor, canso, sim) de ler textos de gente querendo o "novo Tolstói" da internet. O mundo não precisa de um novo Tolstói ― para quê? Já tem um! Precisamos de coisas novas. Vejo gente que diz, com pouco ou nenhum conhecimento de causa, que tudo é muito chato, que bom mesmo "era no meu tempo". O mundo muda, as transformações sociais ocorrem a cada segundo ― não dá pra esperar que os anos __ (insira o seu preferido aqui) voltem. A mutação da humanidade é constante e como em todas as épocas acarreta seus prós e contras. Se a geração anterior sempre é a melhor, vamos descobrir que bom mesmo era quando éramos amebas.


Rafael Fernandes
São Paulo, 23/7/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
02. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima
03. 40 anos sem Carpeaux de Celso A. Uequed Pitol
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World de Heloisa Pait
05. De Middangeard à Terra Média de Celso A. Uequed Pitol


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2008
01. High School Musical e os tweens - 9/1/2008
02. Tritone: 10 anos de um marco da guitarra rock - 10/9/2008
03. Videogame também é cultura - 10/12/2008
04. Blog precisa ser jornalismo? - 9/4/2008
05. 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1 - 7/5/2008


Mais Especial Twitter
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/7/2008
18h00min
E você não tenha dúvidas: nos tempos que éramos amebas tudo era bem melhor! Não havia blog, não havia Orkut, nem Internet para tantos energúmenos escreverem as suas baboseiras, seus poeminhas (já notou que todo mundo é poeta?), suas crônicas metidas a intelectuais... E o pior: não havia comentários dessas baboseiras todas. Pode crer, para muitos, o melhor seria ter continuado ameba. E tem tanta ameba por aí, que só vendo!
[Leia outros Comentários de Pilar Terraz]
24/7/2008
09h22min
Essa frase demonstra apenas o saudosismo babaca de alguém ensimesmado. Vivemos um momento de inclusão, onde até as amebas podem manifestar-se. Isso é positivo. O "certo" e "errado", o limite de bom senso de cada um determina. Quem não se sente ameba, mas se arma de juízo de valores preconceituosos e tendenciosos, sai machucado. Temos mais voz ativa hoje do que ontem. Podemos desperdiçar nosso tempo: a) simplesmente perseguindo alguém que cria abelhas, no twitter; b) comentando um poema "lifehaking"; c) ou usá-lo num texto de vingança de 6042 caracteres, em 1038 palavras, para descrever o encontro pessoal de uma escritora-mineira com um jornalista-carioca-metido-a-sabichão, num boteco-paulistano, o que não interessa pra ninguém - as 3 coisas. O desafio do twitter, e o Rafael indicou, é expressar-se em 100 caracteres, o que estimula a capacidade de síntese e demanda raciocínio relevante. Isso é positivo. Quem não se expressa em 1 frase, gasta 1000 justicando o óbvio.
[Leia outros Comentários de Guto Maia]
10/12/2008
16h35min
Realmente, concordo com a idéia de que o mundo evolui e que ficar pensando somente no passado não ajuda. Acredito que o Twitter se torne mais uma forma de comunicação e de se fazer novas conexões entre pessoas. Não que ele será usado por todos, até porque o Orkut, MSN e outros têm seus adeptos e inimigos anos após seu lançamento.
[Leia outros Comentários de Antonio Pedro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O CAMPANÁRIO CÓSMICO - 4ª EDIÇÃO
TRIGUEIRINHO
PENSAMENTO
(2012)
R$ 14,40



PSSAGENS DA ANTIGUIDADE AO FEUDALISMO
PERRY ANDERSON
BRASILIENSE
(1995)
R$ 20,00



TRATADO DE ENDOCRIMINOLOGIA CLÍNICA
BERNARDO LÉO WAJCHENBERG
FARMACÊUTICA
(2014)
R$ 190,00



INTRODUÇÃO À SEMÂNTICA: BRINCANDO COM A GRAMÁTICA
RODOLFO ILARI
CONTEXTO
(2001)
R$ 30,00



RONIN - VOL. 1
FRANK MILLER
ABRIL
(1991)
R$ 6,90



FIGURAS DO MEU CONVIVIO RETRATOS DE FAMILIA E DE MESTRES E EDUCADORES
FERNANDO DE AZEVEDO
DUAS CIDADES
(1973)
R$ 17,64



PIAUÍ 34 DILMA DO PRESÍDIO AO PLANALTO
VÁRIOS AUTORES
PIAUÍ 34
(2009)
R$ 13,00



HIDROLOGIA AMBIENTAL 3
VÁRIOS
ABRH
(1991)
R$ 190,00



A IDÉIA DE EUROPA NO MARCELISMO 1968 1974
JOSÉ MANUEL TAVARES CASTILHO
AFRONTAMENTO
(2000)
R$ 60,00



A VOLTA AO MUNDO EM 80 DIAS
JÚLIO VERNE
HEMUS
R$ 20,00





busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês