Twitter e as amebas | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nuvem Negra*
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Os Incríveis
>>> Erik Satie
>>> Ronnie James Dio em 1983
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
>>> Façam suas apostas
>>> Tempo de aspargos
Mais Recentes
>>> A Vida Secreta dos Profissionais Durante e Depois do Expediente de Suely Cândido e Outros pela Ser Mais (2012)
>>> As 100 Melhores Ideias para Terminar o Dia Com a Sensação de Missão... de Richard Templar pela Saraiva (2011)
>>> A Verdade é Insuportável: Ensaio sobre a Hipocrisia de Andrei Venturini Martins pela Filocalia (2019)
>>> O Pus Dei de Giorgio Agamben pela Boitempo (2013)
>>> Fisioterapia: História, Reflexões e Perspectivas de Marcus Vinícius Gava pela Metodista (2004)
>>> Memorias de uma Menina Católica de Mary McCarthy pela Companhia das Letras (1987)
>>> Quimica Geral - Volume 1 de Alceu Totti Silveira pela Do Autor (2014)
>>> Livro - Brasil: Terra e Gente (1871) - Coleção o Brasil Visto por Estrangeiros de Oscar Canstatt pela Senado Federal (2002)
>>> A Escola e o Conhecimento - Fundamentos Epistemológicos e Políticos de Mario Sergio Cortella pela Cortez (2008)
>>> O Assassinato do Casal de Velhos de Rodrigues Corrêa pela Mercado Aberto (1995)
>>> O Evangelho Perdido: Como o Mundo Veio a Conhecer a Versão de Judas... de Herbert Krosney pela National Geographic (2006)
>>> Econometria de Wonnacott/Wonnacott pela Livros técnicos e científicos
>>> Historias da Biblia para a familia - Gênesis o Principio de Anne de Graaf pela Abril Coleções (2010)
>>> Spining de Tillie Walden pela Veneta (2019)
>>> Coração de Vidro de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramentos
>>> Código de Processo Civil de Legislação Brasileira pela Saraiva (2005)
>>> Livro - Prazeres e Riscos de Martba Medeiros e outros pela L&pm (2001)
>>> Livro - Homossexualidade: uma História de Colin Spencer pela Record (1995)
>>> Revista Brasileira de Análise Transacional de Vários pela Parma (2003)
>>> Manual de Socorro de Emergência de Raimundo Rodrigues Santos; Marcelo Dominguez Canetti; Célio Ribeiro Júnior; Fernando Suarez Alvarez pela Atheneu (2000)
>>> Esta Noite a Liberdade de Dominique Lapierre/ Larry Collins pela Difel (1976)
>>> Era Uma Vez Um Sonho de J.D.Vance pela LeYa (2017)
>>> Livro de bolso - Além do Azul do Céu de Nora Roberts pela Harlequin (2011)
>>> Curso Completo do Novo Processo Civil de Rodolfo Kronemberg Hartmann pela Impetus (2016)
>>> 25 Anos Perdido no Lobby de Claudio Maksoud pela Markbook (2003)
COLUNAS >>> Especial Twitter

Quarta-feira, 23/7/2008
Twitter e as amebas
Rafael Fernandes

+ de 6000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Criei uma conta no Twitter para participar do Especial de junho, cujo tema é exatamente essa nova ferramenta da comunicação on-line. É o tal do "microblogging", que, como o próprio nome diz, pega a idéia de um blog, mas em pequenas pílulas de informação ― no máximo 140 toques. Também é uma rede social, como o Orkut ou MySpace, em que adicionamos amigos, ídolos ou pessoas que achamos interessantes. Agora, nós "seguimos" quem queremos, e somos "seguidos" por quem não necessariamente queremos. Achei que pudesse ser uma grande bobagem, um lugar onde um monte de gente chata falaria besteiras do tipo "acabei de ir ao banheiro", "está chovendo", "que dia chato", "quero matar meu chefe" etc. Mas não é isso. Quero dizer, é isso também, mas como na grande maioria das coisas que existe na internet é preciso escolher o que e como usar. O Orkut pode ser uma inutilidade se servir para contar amigos ou bisbilhotar a vida alheia, mas é ótimo para manter contato com pessoas de longe ou achar informações em certas comunidades que não se encontra em outros lugares ― lá continua sendo minha principal fonte de notícias de algumas bandas. Como um blog pode ser um marasmo se só colocarmos banalidades e se não nos conectarmos com outros blogs relevantes.

Na primeira experiência como usuário do Twitter, recebi uma série de mensagens de erro, que parecem ser uma constante do servidor, talvez pelo excesso de gente. Comecei a adicionar os prezados colegas deste site, além de duas figuras que acompanho também em blogs: o Fred Wilson e o Seth Godin. Aqui, um dos primeiros problemas: como tenho o RSS de ambos no Google Reader, acabo tendo duplicidade de informação. Mas nada que incomode tanto. Um lado, digamos, "positivo" é saber que não é só você que tem dificuldades em organizar o tempo, colocar a leitura em dia etc ― uma reclamação constante nas mensagens alheias. Um outro ponto pró foi percebido pela Verônica: "Mas o fantástico do Twitter é a volta em grande estilo de aforismos e frases de efeito! O espírito de Wilde que paire sobre nós". A possibilidade de encontrar pequenas pérolas por lá me é mais instigante do que a possibilidade de encontrar besteiras. Como colocado no parágrafo anterior, uma das grandes sacadas da internet é a possibilidade de escolher o que se quer ver. Por outro lado, o Twitter segue um perigo da rede: pode viciar, pode se tornar uma perda de tempo ou um labirinto de informações se não for bem controlado.

Outro fator interessante não só do Twitter, mas de todas as redes sociais, é ligar pessoas de lugares diversos e que se julgam diferentes ― e obviamente são, mas que se encontram em intersecções que nunca imaginariam ― seja em músicas, assuntos de interesse ou pensamentos. Esse é um dos motes do Last.fm, em que, a cada página de usuários que adentramos, somos comparados em termos de gostos musicais. E há surpresas. De algumas pessoas que achávamos ter gosto parecido, há discrepância; e de quem achávamos tão distantes, observamos grandes conexões. Também é interessante observar nessas redes ― tanto em nós quanto em nossos "amigos", seguidores, ou seja lá o que for ― a característica de grande diversidade de gostos, comportamento e atitudes. É muito difícil encontrar um "total" erudito nas artes, ou alguém que se interesse só por business e não por alguma manifestação artística. Os gostos estão muitos misturados, não há mais "pureza" ou regra. Na verdade, nunca houve, mas agora fica mais explícito. Todo mundo tem um "ponto fraco" ― aquele filme babaca dentro de um catálogo de películas de arte, uma música do Roupa Nova ouvida por um admirador de black metal e assim vai. Como a maioria das pessoas tem interesses e aspirações em campos que antes julgávamos tão distantes ― aquele matemático nerd pode ser um ótimo ator amador.

Posso entender quem não goste ou não tenha paciência para essas coisas. Tudo está no limite da histeria, da mania de ter amigos virtuais, de sempre procurar a mais incrível novidade daquele momento ― que na internet pode mudar em uma semana (ou menos). O que se convencionou de chamar de hype, que pode ser substituído sem grandes perdas por "oba-oba", é a constante celebração de uma suposta genialidade em tudo que aparece de novo, em qualquer área que observamos, e com força na internet ― em que a questão do "tempo real" eleva a situação a várias potências. Isso de certa forma está virando um pesadelo, que pode destruir a elaboração, o preparo, a concentração, a contemplação em prol do efêmero, da necessidade de ser cada vez mais atual, de saber o que ninguém sabia, de tentar absorver tudo ao mesmo tempo e pular para o próximo em segundos. Uma urgência que por vezes nos tira o fôlego. Mas se por um lado essas redes sociais podem trazer os malefícios da exposição, distração e excesso de informações, por outro podemos ver a riqueza e diversidade desse caleidoscópio que é o ser humano. Temos de procurar entender como usá-los adequadamente para as nossas necessidades e aspirações ― não há receita de uso pronta.

E me parece que, principalmente no Brasil, algumas pessoas (ainda) insistem em não (querer) entender a internet. E quando falo internet me refiro a sites, e-mail, Google, AdSense, redes sociais, troca de arquivos, constante troca de informações, Web 2.0 (agora também a 3.0), compras on-line, internet banking etc. etc. etc. Tem quem ainda ache que internet é apenas um poço de lixo. Isso se agrava com as redes sociais ― "é coisa de adolescente". Ou quem diz que o tempo antes da internet é que era bom. Não canso (ou melhor, canso, sim) de ler textos de gente querendo o "novo Tolstói" da internet. O mundo não precisa de um novo Tolstói ― para quê? Já tem um! Precisamos de coisas novas. Vejo gente que diz, com pouco ou nenhum conhecimento de causa, que tudo é muito chato, que bom mesmo "era no meu tempo". O mundo muda, as transformações sociais ocorrem a cada segundo ― não dá pra esperar que os anos __ (insira o seu preferido aqui) voltem. A mutação da humanidade é constante e como em todas as épocas acarreta seus prós e contras. Se a geração anterior sempre é a melhor, vamos descobrir que bom mesmo era quando éramos amebas.


Rafael Fernandes
Sorocaba, 23/7/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann de Jardel Dias Cavalcanti
02. Fechado para balanço, a poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
03. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura de Jardel Dias Cavalcanti
05. 12 tipos de cliente do revisor de textos de Ana Elisa Ribeiro


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2008
01. High School Musical e os tweens - 9/1/2008
02. Violões do Brasil - 13/8/2008
03. Tritone: 10 anos de um marco da guitarra rock - 10/9/2008
04. Videogame também é cultura - 10/12/2008
05. Blog precisa ser jornalismo? - 9/4/2008


Mais Especial Twitter
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/7/2008
18h00min
E você não tenha dúvidas: nos tempos que éramos amebas tudo era bem melhor! Não havia blog, não havia Orkut, nem Internet para tantos energúmenos escreverem as suas baboseiras, seus poeminhas (já notou que todo mundo é poeta?), suas crônicas metidas a intelectuais... E o pior: não havia comentários dessas baboseiras todas. Pode crer, para muitos, o melhor seria ter continuado ameba. E tem tanta ameba por aí, que só vendo!
[Leia outros Comentários de Pilar Terraz]
24/7/2008
09h22min
Essa frase demonstra apenas o saudosismo babaca de alguém ensimesmado. Vivemos um momento de inclusão, onde até as amebas podem manifestar-se. Isso é positivo. O "certo" e "errado", o limite de bom senso de cada um determina. Quem não se sente ameba, mas se arma de juízo de valores preconceituosos e tendenciosos, sai machucado. Temos mais voz ativa hoje do que ontem. Podemos desperdiçar nosso tempo: a) simplesmente perseguindo alguém que cria abelhas, no twitter; b) comentando um poema "lifehaking"; c) ou usá-lo num texto de vingança de 6042 caracteres, em 1038 palavras, para descrever o encontro pessoal de uma escritora-mineira com um jornalista-carioca-metido-a-sabichão, num boteco-paulistano, o que não interessa pra ninguém - as 3 coisas. O desafio do twitter, e o Rafael indicou, é expressar-se em 100 caracteres, o que estimula a capacidade de síntese e demanda raciocínio relevante. Isso é positivo. Quem não se expressa em 1 frase, gasta 1000 justicando o óbvio.
[Leia outros Comentários de Guto Maia]
10/12/2008
16h35min
Realmente, concordo com a idéia de que o mundo evolui e que ficar pensando somente no passado não ajuda. Acredito que o Twitter se torne mais uma forma de comunicação e de se fazer novas conexões entre pessoas. Não que ele será usado por todos, até porque o Orkut, MSN e outros têm seus adeptos e inimigos anos após seu lançamento.
[Leia outros Comentários de Antonio Pedro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Mudança - Romance
Andrea Canobbio
Mandarim
(1998)



Deu no Jornal
Moacyr Scliar
Edelbra
(2009)



As Mulheres, O Poder e a Família
Eni de Mesquita Samara
marco zero
(1989)



Sabedoria Todo Dia
Lourival Lopes
Otimismo
(2007)



A Emergência da Criança Divina
Rick Phillips
pensamento
(1990)



As Duas Vidas de Martinha
Agostinho Stacciarini
Paulo de Tarso
(2002)



Eco Empreendedor - Oportunidades de Negocios Decorrentes da Revol
Steven J. Bennett
Makron
(1992)



Teoria e Prática de Crédito Rural
Felipe Meira Aguiar
Herba
(1977)



Descobertas e Refutações: A Lógica do Método Psicanalítico
Jorge L. Ahumada
imago
(1999)



Livro - the Rough Guide to the Usa
Samantha Cook / J D Dickey
Rough Guides
(2011)





busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês