Twitter e as amebas | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Feliz Natal, Charlie Brown!
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Marketing de cabras
>>> Simplesmente tive sorte
>>> Sete tecnologias que marcaram meu 2006
>>> Maria Helena
>>> Sombras
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Perfil (& Entrevista)
Mais Recentes
>>> Elas e as Letras de Aldirene Máximo e Julie Veiga (org.) pela Versejar (2018)
>>> América Latina hoje: conceitos e interpretações de José Maurício Domingues e Maria Maneiro pela Civilização Brasileira (2006)
>>> Biblioteca de Ouro da Literatura Universal - O Cortiço - Tomo 1 de Aluísio Azevedo pela Minha (1988)
>>> Encadernado em capa dura: Wolverine - Thor - Camelot 3000 de Chris Claremont. Frank Miller. Walter Simonson. Mike W. Barr e Brian Bolland pela Abril Jovem (1987)
>>> Evolução Sócio-Econômica do Brasil de Otto Alcides Ohlweiler pela Tchê! (1988)
>>> Avenida Presidente Vargas: Um desfile pela história do Brasil de Eduardo Bueno. Paula Taitelbaum. Fernando Bueno e Dudu Contursi pela Arco (2010)
>>> A Mangueira da nossa infância de Alexandre Nobre pela Ficções (2012)
>>> Sobre a universidade de Max Weber pela Cortez (1989)
>>> Em Busca do Tempo Perdido vol 4 de Marcel Proust pela Nova Fronteira (2014)
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Ática (1999)
>>> Acqua Toffana de Patrícia Melo pela Companhia das Letras (1994)
>>> Anjos travados de Zé Elias pela n/d (1984)
>>> Legado de Mateus Ornellas e Lua Costa pela Independente (2016)
>>> Trato de Sara Lambranho pela Fundação Clóvis Salgado (2013)
>>> O Perfume de Patrick Süskind pela Círculo do Livro (1985)
>>> O Mestre de Quéops de Albert Salvaó pela Ediouro (2000)
>>> Garten der Lüste de Hieronymus Bosch pela Prestel (2003)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queiroz pela Ática (2009)
>>> Inimigo Rumor 20 de Vários autores pela 7 letras/ Cosac Naify (2007)
>>> As Aventuras de Tartufo do Majestoso Mississipi de Phyllis Shalant pela Bertrand Brasil (2008)
>>> Bellini e a esfinge de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (1995)
>>> The Black Angel de John Connolly pela Pocket Books International (2005)
>>> Na Casamata de Si de Pedro Tostes pela Patuá (2018)
>>> Cineastas e Imagens do Povo de Jean-Claude Bernardet pela Brasiliense (1985)
>>> Médée de Pier Paolo Pasolini pela Arléa (2007)
COLUNAS >>> Especial Twitter

Quarta-feira, 23/7/2008
Twitter e as amebas
Rafael Fernandes
+ de 6500 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Criei uma conta no Twitter para participar do Especial de junho, cujo tema é exatamente essa nova ferramenta da comunicação on-line. É o tal do "microblogging", que, como o próprio nome diz, pega a idéia de um blog, mas em pequenas pílulas de informação ― no máximo 140 toques. Também é uma rede social, como o Orkut ou MySpace, em que adicionamos amigos, ídolos ou pessoas que achamos interessantes. Agora, nós "seguimos" quem queremos, e somos "seguidos" por quem não necessariamente queremos. Achei que pudesse ser uma grande bobagem, um lugar onde um monte de gente chata falaria besteiras do tipo "acabei de ir ao banheiro", "está chovendo", "que dia chato", "quero matar meu chefe" etc. Mas não é isso. Quero dizer, é isso também, mas como na grande maioria das coisas que existe na internet é preciso escolher o que e como usar. O Orkut pode ser uma inutilidade se servir para contar amigos ou bisbilhotar a vida alheia, mas é ótimo para manter contato com pessoas de longe ou achar informações em certas comunidades que não se encontra em outros lugares ― lá continua sendo minha principal fonte de notícias de algumas bandas. Como um blog pode ser um marasmo se só colocarmos banalidades e se não nos conectarmos com outros blogs relevantes.

Na primeira experiência como usuário do Twitter, recebi uma série de mensagens de erro, que parecem ser uma constante do servidor, talvez pelo excesso de gente. Comecei a adicionar os prezados colegas deste site, além de duas figuras que acompanho também em blogs: o Fred Wilson e o Seth Godin. Aqui, um dos primeiros problemas: como tenho o RSS de ambos no Google Reader, acabo tendo duplicidade de informação. Mas nada que incomode tanto. Um lado, digamos, "positivo" é saber que não é só você que tem dificuldades em organizar o tempo, colocar a leitura em dia etc ― uma reclamação constante nas mensagens alheias. Um outro ponto pró foi percebido pela Verônica: "Mas o fantástico do Twitter é a volta em grande estilo de aforismos e frases de efeito! O espírito de Wilde que paire sobre nós". A possibilidade de encontrar pequenas pérolas por lá me é mais instigante do que a possibilidade de encontrar besteiras. Como colocado no parágrafo anterior, uma das grandes sacadas da internet é a possibilidade de escolher o que se quer ver. Por outro lado, o Twitter segue um perigo da rede: pode viciar, pode se tornar uma perda de tempo ou um labirinto de informações se não for bem controlado.

Outro fator interessante não só do Twitter, mas de todas as redes sociais, é ligar pessoas de lugares diversos e que se julgam diferentes ― e obviamente são, mas que se encontram em intersecções que nunca imaginariam ― seja em músicas, assuntos de interesse ou pensamentos. Esse é um dos motes do Last.fm, em que, a cada página de usuários que adentramos, somos comparados em termos de gostos musicais. E há surpresas. De algumas pessoas que achávamos ter gosto parecido, há discrepância; e de quem achávamos tão distantes, observamos grandes conexões. Também é interessante observar nessas redes ― tanto em nós quanto em nossos "amigos", seguidores, ou seja lá o que for ― a característica de grande diversidade de gostos, comportamento e atitudes. É muito difícil encontrar um "total" erudito nas artes, ou alguém que se interesse só por business e não por alguma manifestação artística. Os gostos estão muitos misturados, não há mais "pureza" ou regra. Na verdade, nunca houve, mas agora fica mais explícito. Todo mundo tem um "ponto fraco" ― aquele filme babaca dentro de um catálogo de películas de arte, uma música do Roupa Nova ouvida por um admirador de black metal e assim vai. Como a maioria das pessoas tem interesses e aspirações em campos que antes julgávamos tão distantes ― aquele matemático nerd pode ser um ótimo ator amador.

Posso entender quem não goste ou não tenha paciência para essas coisas. Tudo está no limite da histeria, da mania de ter amigos virtuais, de sempre procurar a mais incrível novidade daquele momento ― que na internet pode mudar em uma semana (ou menos). O que se convencionou de chamar de hype, que pode ser substituído sem grandes perdas por "oba-oba", é a constante celebração de uma suposta genialidade em tudo que aparece de novo, em qualquer área que observamos, e com força na internet ― em que a questão do "tempo real" eleva a situação a várias potências. Isso de certa forma está virando um pesadelo, que pode destruir a elaboração, o preparo, a concentração, a contemplação em prol do efêmero, da necessidade de ser cada vez mais atual, de saber o que ninguém sabia, de tentar absorver tudo ao mesmo tempo e pular para o próximo em segundos. Uma urgência que por vezes nos tira o fôlego. Mas se por um lado essas redes sociais podem trazer os malefícios da exposição, distração e excesso de informações, por outro podemos ver a riqueza e diversidade desse caleidoscópio que é o ser humano. Temos de procurar entender como usá-los adequadamente para as nossas necessidades e aspirações ― não há receita de uso pronta.

E me parece que, principalmente no Brasil, algumas pessoas (ainda) insistem em não (querer) entender a internet. E quando falo internet me refiro a sites, e-mail, Google, AdSense, redes sociais, troca de arquivos, constante troca de informações, Web 2.0 (agora também a 3.0), compras on-line, internet banking etc. etc. etc. Tem quem ainda ache que internet é apenas um poço de lixo. Isso se agrava com as redes sociais ― "é coisa de adolescente". Ou quem diz que o tempo antes da internet é que era bom. Não canso (ou melhor, canso, sim) de ler textos de gente querendo o "novo Tolstói" da internet. O mundo não precisa de um novo Tolstói ― para quê? Já tem um! Precisamos de coisas novas. Vejo gente que diz, com pouco ou nenhum conhecimento de causa, que tudo é muito chato, que bom mesmo "era no meu tempo". O mundo muda, as transformações sociais ocorrem a cada segundo ― não dá pra esperar que os anos __ (insira o seu preferido aqui) voltem. A mutação da humanidade é constante e como em todas as épocas acarreta seus prós e contras. Se a geração anterior sempre é a melhor, vamos descobrir que bom mesmo era quando éramos amebas.


Rafael Fernandes
São Paulo, 23/7/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (III) de Cassionei Niches Petry
02. 4 livros de 4 mulheres para conhecer de Ana Elisa Ribeiro
03. Hugo Cabret exuma Georges Méliès de Wellington Machado
04. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 1 de Rafael Fernandes
05. A semente da impunidade de Diogo Salles


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2008
01. High School Musical e os tweens - 9/1/2008
02. Violões do Brasil - 13/8/2008
03. Tritone: 10 anos de um marco da guitarra rock - 10/9/2008
04. Videogame também é cultura - 10/12/2008
05. Blog precisa ser jornalismo? - 9/4/2008


Mais Especial Twitter
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/7/2008
18h00min
E você não tenha dúvidas: nos tempos que éramos amebas tudo era bem melhor! Não havia blog, não havia Orkut, nem Internet para tantos energúmenos escreverem as suas baboseiras, seus poeminhas (já notou que todo mundo é poeta?), suas crônicas metidas a intelectuais... E o pior: não havia comentários dessas baboseiras todas. Pode crer, para muitos, o melhor seria ter continuado ameba. E tem tanta ameba por aí, que só vendo!
[Leia outros Comentários de Pilar Terraz]
24/7/2008
09h22min
Essa frase demonstra apenas o saudosismo babaca de alguém ensimesmado. Vivemos um momento de inclusão, onde até as amebas podem manifestar-se. Isso é positivo. O "certo" e "errado", o limite de bom senso de cada um determina. Quem não se sente ameba, mas se arma de juízo de valores preconceituosos e tendenciosos, sai machucado. Temos mais voz ativa hoje do que ontem. Podemos desperdiçar nosso tempo: a) simplesmente perseguindo alguém que cria abelhas, no twitter; b) comentando um poema "lifehaking"; c) ou usá-lo num texto de vingança de 6042 caracteres, em 1038 palavras, para descrever o encontro pessoal de uma escritora-mineira com um jornalista-carioca-metido-a-sabichão, num boteco-paulistano, o que não interessa pra ninguém - as 3 coisas. O desafio do twitter, e o Rafael indicou, é expressar-se em 100 caracteres, o que estimula a capacidade de síntese e demanda raciocínio relevante. Isso é positivo. Quem não se expressa em 1 frase, gasta 1000 justicando o óbvio.
[Leia outros Comentários de Guto Maia]
10/12/2008
16h35min
Realmente, concordo com a idéia de que o mundo evolui e que ficar pensando somente no passado não ajuda. Acredito que o Twitter se torne mais uma forma de comunicação e de se fazer novas conexões entre pessoas. Não que ele será usado por todos, até porque o Orkut, MSN e outros têm seus adeptos e inimigos anos após seu lançamento.
[Leia outros Comentários de Antonio Pedro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pareidolia
Luiz Franco
Escape
(2016)



Der Seewolf
Jack London
Deutsche Buch-Gemeinschaft
(1954)



Livro de bolso Guerra Primeira Guerra Mundial Pocket Encyclopaedia 886
Michael Howard
Lpm
(2013)



Invente alguma coisa
Chuck Palahniuk
Leya
(2020)



Automóveis de Ouro para um Povo Descalço
Vasconcelos Torres
Brasília
(1977)



Iniciação ao Estudo da Sociologia
Caroline B. Rose
Zahar
(1976)



A sabedoria do não 334
Mariliz Vargas
Rosea Nigra
(2009)



Curso Completo de Fotografia 1
Diversos
Rio Gráfica
(1981)



Intervalos
Francisco C. Xavier
O Clarim
(1981)



Privatização das Prisões
João Marcello de Araujo Junior
Revista dos Tribunais
(1995)





busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês