Declínio e Queda do Império dos Comentários | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
80302 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
>>> Inscrições abertas para 4ª Residência Artística Virtual Compartilhada
>>> Exposição 'Mundo Sensível dos Mitos' abre dia 29 de julho em Porto Alegre
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A mulher madura
>>> Banheiros
>>> Semana da Canção Brasileira
>>> Poesia vira imagem: Ronald Polito e Guto Lacaz
>>> Um imenso Portugal
>>> 6 anos esta noite
>>> As noites insanas de Zizi Possi
>>> Sobre cafés e diversão 0800
>>> Temporada de Gripe
>>> Você viveria sua vida de novo?
Mais Recentes
>>> Livro Psicologia Memórias Sonhos Reflexões de C. G. Jung pela Nova Fronteira (1963)
>>> Catedral das Sombras de Daniel Mastral, Isabela Mastral pela Agape (2014)
>>> Meu Anjo Da Guarda de Mercedes Llimona pela Paulinas (2009)
>>> Nós Matamos O Cão Tinhoso de Luís Bernardo Honwana pela Kapulana (2017)
>>> Livro Literatura Brasileira As Melhores Crônicas de Fernando Sabino de Fernando Sabino pela Record (1986)
>>> Mauá - Empresário do Império de Jorge Caldeira pela Companhia Das Letras (1995)
>>> Para Entender o Texto Leitura e Redação de Platão & Fiorin pela Ática (2008)
>>> Science 2003 Human Body Student Edition (softcover) Grade 1 de Scott Foresman pela Scott Foresman (2006)
>>> O Livro dos Sustos - O Que Fazer nas Situações Horripilantes da Vida de Rosana Rios pela Atica (2006)
>>> Declarando - se Culpado de Scott Turow pela Record (1993)
>>> Draguinho - Diferente De Todos, Parecido Com Ninguém de Claudio Galperin pela Ática (2005)
>>> Livro Psicologia Eu Sou As Escolhas Que Faço Como Resolver o Dilema Entre o Que o Mundo Espera de Você e o Que Você Quer do Mundo de Elle Luna pela Sextante (2016)
>>> Manual de Direito Comercial1 de Fabio Ulhoa Coelho pela Saraiva (2002)
>>> Psicologia Escolar de Jack I. Bardon ; Virgínia C. Bennett pela Zahar (1975)
>>> Livro Pedagogia Quem Educa Quem? de Fanny Abramovich pela Summus (1985)
>>> O Nome do Vento - A Crônica do Matador do Rei - Primeiro Dia de Patrick Rothfuss pela Arqueiro (2009)
>>> Guilherme de Inglaterra ( Pocket ) de Chrétien de Troyes pela Lacerda (1997)
>>> Que E Respeitar O Shabat?, O - Um Guia Para Seu Cumprimento E Compreensao de Daian Dr. Isidor Grunfeld pela Sêfer (2024)
>>> Diario Sem Data De Uma Gata de Dilan Camargo pela Editora Cassol (2010)
>>> Let's Go 1: Student Book (let's Go Second Edition) de R. Nakata, K. Frazier, B. Hoskins, S. Wilkinson pela Oxford University Press (2000)
>>> Livro Auto Ajuda O Poder Do Agora Um Guia Para Iluminação Espiritual de Eckhart Tolle pela Sextante (2002)
>>> Amado Timóteo - Uma Coletânea De Cartas Ao Pastor de Thomas K. Ascol (compilador) pela Fiel (2008)
>>> A Death in Vienna de Daniel Silva pela Putnam Adult (2004)
>>> Um Porco Vem Morar Aqui! de Claudia Fries pela Brinque-book (2000)
>>> Environments and Energy de Houghton Mifflin pela Houghton Mifflin (2008)
COLUNAS

Sexta-feira, 30/1/2009
Declínio e Queda do Império dos Comentários
Julio Daio Borges
+ de 9300 Acessos
+ 9 Comentário(s)

Foi em 2002-2003. Nós achávamos que os comentários iriam acabar com o site. Eu tentava passar um fim de semana normal, mas comentários ofensivos invadiam barbaramente as páginas e, na segunda-feira, a discussão já havia se alastrado de tal maneira que perdíamos horas apagando sem querer prejudicar as verdadeiras conversas. Quando um comentador inconveniente era denunciado pela comunidade estabelecida pelo fórum, adotava logo um pseudônimo e voltava à carga mais intensamente. Quando era revelado pelo seu endereço IP, mudava de computador e, agora, nada conseguiria detê-lo...

Se expulsávamos um comentador inconveniente (e todos os seus nicknames), éramos logo acusados de "censura"; se não, éramos acusados de favorecer à doutrina política identificada com o sujeito. Não importava o assunto, havíamos entrado numa briga de torcidas sem perceber, e o site se tornara o campo de batalha deles. Os textos mais polêmicos se convertiam em páginas e mais páginas de debates estéreis (ainda não havia a limitação para o número de caracteres). Comentadores adotando pseudônimos começavam a criar blogs independentes (a fim de parecer mais críveis). E comentadores-de-comentadores resolviam, igualmente, surgir. Colaboradores nos acusavam de favorecer esse ou aquele texto... A situação beirava o insustentável.

Foi quando eu fechei os comentários pré-aprovados, e só passamos a publicá-los depois de lê-los.

Eu não sabia, mas estávamos no meio de um momento histórico da internet brasileira: quando as ferramentas de autopublicação ainda não eram tão populares e muitas pessoas achavam que o único jeito de aparecer na Web era comentando um texto. O Blogger de Evan Williams estava para ser vendido ao Google e, no Brasil, a versão ".com.br" faria parte do lançamento do portal Globo.com — que, claro, ameaçava dominar a internet. A blogosfera tupiniquim já existia, cronologicamente falando, mas os blogs eram malvistos, as ferramentas não eram user friendly (para quem não sabia inglês) e entre lançar um endereço do zero e entrar numa discussão em que a audiência já estava garantida, a maioria costumava preferir virar "comentarista" alheio.

Os fóruns, naturalmente, já existiam, mas nenhum autor conhecido entrava neles (não com o nome verdadeiro...). O Orkut seria inaugurado muitos meses depois e a popularização de suas comunidades, no Brasil, ainda estava a alguns anos de distância. Se a pessoa procurava por emoções fortes, também não arriscaria uma homepage, porque suas páginas eram em HTML e o máximo que o visitante poderia fazer era enviar um e-mail (ou "assinar" o soporífero livro de visitas). Quando inauguramos os comentários aqui em 2001-2002, queríamos idealmente promover a "discussão de idéias" — mas estávamos, no mais da vezes, "amplificando a voz dos idiotas" (ao contrário do que o Millôr sugere fazer)...

No mesmo dia do "fechamento" dos comentários, a sensação foi de que um tsunami havia passado (tudo bem que essa palavra seria incorporada só depois). Os comentários diminuíram, óbvio, mas a integridade do site estava preservada. A audiência seguiu crescendo ao longo dos anos — de qualquer maneira —, e eu nunca me arrependi de ter expulsado os chefes de torcida organizada das nossas páginas. Se eu pudesse me arrepender de alguma coisa (em retrospecto), seria de não haver criado uma ferramenta brasileira de autopublicação. Porque, de certa forma, eu criei, mas ela não estava disponível fora do Digestivo. Poderia ter se convertido num problema de hospedagem mais adiante — num tempo em que hospedar era mais oneroso —, mas havia a chance de vender com um bom lucro (mais todos os spams e trolls dentro)...

Meu ponto, contudo, é que as ferramentas de autopublicação explodiram com a chamada Web 2.0, a partir de 2005, e suas subsequentes ondas de "user-generated content". Já os comentários... quase se extinguiram. Eu poderia decretar, aqui, a "morte dos comentários", como alguns já decretaram a "morte dos blogs" e até a "morte dos trackbacks" (matar, nesse sentido, pode ser um esporte bem divertido). Mas os comentários subsistem, mesmo que na UTI da Web. Eu ainda poderia — a título de curiosidade (meus professores é que gostavam de "a título de") — tirar a média dos comentários por texto no Digestivo, ao longo dos anos, e concluir que a queda é uma tendência irrefreável. (Mesmo considerando-se que os textos, no site, sempre aumentaram em número e que, da Web 2.0 pra cá, vamos, deliberadamente, borrando a linha que separa um comentador de um colaborador...)

Enfim, o que eu quero dizer é que os comentários viraram "outra coisa", porque os comentadores deixaram de ser audiência para se tornar, eles mesmos, protagonistas de suas histórias. Na internet, esse discurso de "passividade da velha mídia" versus "interatividade da nova mídia" é clichê, eu sei (e você não vai lê-lo, aqui, mais uma vez)... A questão é que, em vez de comentar os textos dos outros, os leitores foram abrir seus próprios blogs (o Inagaki e o Edney conseguiram dignificar a atividade), foram montar perfis no Orkut (e espalhar scraps como a abelha da polinização) e foram, mais recentemente, bafejar no Twitter (quase o haicai dos blogs de antigamente)... Ninguém mais quer ser mero "espectador" quando pode ser a estrela de seu próprio show, quando pode ser famoso para (no mínimo) quinze pessoas, quando pode receber um tweet (ou um direct) de uma celebridade eletrônica.

Uma outra teoria é a de que todo mundo, subitamente, virou publisher e audiência — para todo mundo (também) — e, com a "horizontalidade" da internet, o feedback deixa de ser apenas "comentário", para assumir novas e inusitadas formas. Quem publica na internet, portanto, deve se dar por satisfeito se receber um mero link (antigo), uma tinyurl no Twitter (novíssima), uma "declaração de guerra" numa comunidade do Orkut ou, mesmo, um esculacho num blog de algum internauta arrivista. Ninguém mais vai perder seu tempo, e se desdobrar em comentários longos e pormenorizados (isso existe?), se puder, imediatamente, repassar para os amigos, "favoritar" (e esquecer num escaninho) ou, mesmo, copiar, colar e "monetizar" em cima.

Essa corrente diz que os comentários (e os comentaristas) perderam a inocência, mas eu prefiro acreditar que eliminamos quase todo o ruído de outrora para ouvir melhor agora (em termos de comentários, pelo menos). Eu, por exemplo, comento muito mais hoje. (Fora do Digestivo, quero dizer.) Já discuti muito e com muito comentador vagabundo, mas atualmente prefiro "agregar" informação do que convencer um missivista irredutível. Quase não respondo a e-mails sobre textos meus — isso é verdade —, mas, em compensação, retribuo visitando a URL do sujeito. A mesma "horizontalidade" me diz que ele pode merecer uma citação minha no Blog do Digestivo; ou que — num dia de sorte — podemos encontrar um novo colaborador (e o ciclo se encerra, mais uma vez).

Ocorre que se os comentários estiverem, mesmo, à beira da falência, devemos começar a nos perguntar se poderemos viver sem eles...


Julio Daio Borges
São Paulo, 30/1/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crônica do Judiciário: O Processo do Sapo de Ricardo de Mattos


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2009
01. Lendo Dom Quixote - 2/10/2009
02. A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb - 4/12/2009
03. Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana - 5/6/2009
04. Verdades e mentiras sobre o fim dos jornais - 29/5/2009
05. Considerações sobre Michael Jackson - 7/8/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/1/2009
14h02min
Pô, Julio, vou ser a primeira a comentar? (rsrsrs) Vc tem razão que a depuração dos comentários, ocasionada pelas possibilidades das pessoas irem "detonar" em outra ferramenta, pode tornar as conversas num blog menos desgastantes. Mas a pergunta é quem quer conversar - por que quem não comenta, não alimenta o diálogo? E como em geral temos muitíssimos mais pageviews que comentários, é preciso reconhecer que são inúmeros os leitores que ainda não se apropriaram da cultura de dialogar na Rede, o que é uma pena. Quem conversa e usa as diversas ferramentas está acompanhando uma coisa interessante: a conversa distribuída. Nesse momento é no blog, amanhã pode continuar num comentário do RSS ou na lista de discussão. Agora, como não perder o track dessa conversa? Esse é um risco... abços
[Leia outros Comentários de Lilian Starobinas]
30/1/2009
16h58min
Olá, Julio. Eu, como comentadora antiga do DC, tenho notado a redução de comentários mais detalhados neste site. Talvez seja também pelo número excessivo de novos textos - a digestão se torna mais difícil. Mas, de qualquer modo, o DC é um sucesso e a cada dia novas pessoas integram o grupo de comentaristas, embora as discussões não sejam tão acirradas como antes. Por enquanto, comento um texto aqui, outro acolá, mas não dá para ler todos. Em tempo, meus parabéns pelo seu níver ontem. Bjo de sua fiel e jurássica leitora.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
2/2/2009
14h32min
Oi, Julio! Nunca pus a ferramenta de comentários, porque é cada bobagem que a gente até se desanima (como aqueles do BigBrotherBrasil). Como não faço crônicas, nem artigos sobre assuntos atuais, e apenas posto agenda semanal, contos, críticas de livros/filmes e minhas poesias, acabo preferindo que a pessoa interessada em dialogar entre em contato diretamente comigo...
[Leia outros Comentários de Paula Cajaty]
2/2/2009
23h06min
Prezado Julio! Em aula, costumo "impor" algumas regras de convivência, entre elas, o celular colocado no silencioso, afinal, parece que todos usam celular, mas poucos sabem usá-lo. Talvez, este raciocínio possa valer para os comentários, expressões do tipo "muito massa", "urra, legal" não satisfazem, é preciso ter conteudo próprio, idéias próprias (e, portanto, leituras e uma mínima noção do mundo circundante) para postar comentários "inteligentes". Ouso pensar que nos faltam pessoas inteligentes, carecemos de indivíduos capazes de se posicionarem, afinal, no país do "sifu" e do presidente que afirma, categoricamente, que não lê, o que se pode esperar???
[Leia outros Comentários de Elaine dos Santos]
4/2/2009
13h43min
É visível que os comentaristas diminuiram, que o número de blogs explodiu e que os egos andam cada vez mais aflorados, porém há outras questões que contribuem para a diminuição dos comentários. Dentro dos blogs a regra "quem comenta muito, tem mais comentários" é real. Mas para isso é preciso tempo e não dispomos tanto dele. Em Brasília, imagino que a grande maioria dos blogueiros trabalhe em algum órgão público. Eu trabalho e vários blogs e endereços são bloqueados. Fazia comentários naqueles minutos de folga que tiramos durante o dia durante o trabalho. O fenômero dos feeds ajuda bastante. Uso o Google Reader e por ele não tenho como comentar, então às vezes não comento porque o site está bloqueado no trabalho ou a página demorou para abrir. E ainda tem o que a Adriana disse, o volume de textos aumentou muito. E os bolhas, trolls e péssimos comentadores continuam por aí, sem nada melhor para fazer. Mas gosto de tecer comentários em blogs, o diálogo proporcionado ainda é o melhor...
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
10/2/2009
12h07min
Não me importo com as bobagens, só com palavrões e etc.
[Leia outros Comentários de roberto]
11/2/2009
16h34min
Diante de textos como este confirmo minha teoria que texto se justifica pelo leitor. Confesso não compreender a resistência de alguns a interferência/licença de alguns leitores quando comentam textos postados. Vejo com naturalidade a participação, qualificada ou não, dos leitores na relação com o texto lido. Se a mídia utilizada permite uma relação próxima, tanto melhor; se a proximidade incomoda, crie filtros ou obstrua os canais de interação que aproximam os leitores dos produtores de texto. Quanto à qualidade dos comentários postados, isto é processo; se o texto apresenta qualidade e coerência, além de propor um desafio ao leitor, acredito que receba comentários qualificados de leitores idem. Minha visão atual é de muitos textos fracos em forma e conteúdo, carentes de coesão e incoerências buscando disciplinar leitores enquanto mascaram uma certa pobreza no trato com a linguagem. Senhores escritores, não discutam vossos textos: a culpa é do leitor, aqui tratado por comentador.
[Leia outros Comentários de Carlos E F Oliveira]
13/2/2009
06h49min
Opa, Julio! Os bons comentaristas têm sumido, também, porque, na maior parte do blogues, os comentários não são conversas (não há feedback) são apenas enfeites! A maior parte, diria a esmagadora parte dos blogues, ainda está deslumbrada com o poder de escrever, mas não descobriu o poder de conversar!
[Leia outros Comentários de Sérgio Lima]
19/2/2009
17h34min
Olá, Julio: quando li a chamada deste texto no Digestivo Cultural, pensei em comentar. Não fiz isto. Hoje resolvi escrever como descobri o DC e revejo o texto. Está, então, em boa hora, certo? Concordo com o Sergio Lima: Na maioria dos blogs, não existe conversa e nem resposta (de seu comentário). Fica então muito sem graça comentar. Sabe como é? Falando para as paredes...
[Leia outros Comentários de Anna (Anny)]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Guerra Dos Tronos - Vol. 3 (quadrinhos)
George R. R. Martin
Casa Da Palavra
(2014)



O Sertão Ainda é Mandacaru (lacrado)
Naide Araujo
Clube de Autores
(2018)



Desejos Bestiais
Maicol Cristian
Ficção Barata
(2022)



A Irmandade Do Santo Sudário
Julia Navarro
Ediouro
(2004)



Hitler's games
Duff Hart-Davis
Harper Row
(1986)



Livro Literatura Estrangeira Manhã, Tarde & Noite
Sidney Sheldon
Record
(1995)



À Procura de um Culpado
Sulamita dos Santos - Magarida da Cunha
Lumen
(2009)



Livro Literatura Estrangeira Onze Minutos
Paulo Coelho
Rocco
(2003)



New York Restaurant Guide - Epicurean Rendezvous
N/c
Epicurean Rendezvous
(1994)



Livro Religião (Re)conhecendo o Sagrado Reflexões Teórico-metodológicas dos Estudos de Religiões e Religiosidades
Eduardo Meinberg de Albuquerque Maranhão Org
Fonte
(2013)





busca | avançada
80302 visitas/dia
2,1 milhões/mês