Declínio e Queda do Império dos Comentários | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
27956 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Palavraria Conversa e Versa
>>> Supercombo no Templo Music: Tour “Adeus, Aurora'
>>> Barracão Cultural estreia montagem de rua a partir de livro de Eva Furnari
>>> Marina Peralta lança novo EP, 'Leve'
>>> Dan Stulbach faz ensaio aberto de Morte Acidental de um Anarquista para alunos da Escola Wolf Maya
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
>>> Paris branca de neve
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Oficina do diabo
>>> Rosa dos ventos
>>> Pelagem de flor II: NEGRO
>>> Efervescências
>>> Justoresoluto
>>> Em segundo plano
>>> A ver navios
>>> As esquinas dos amores
>>> Pelagem de flor I: VERMELHO
>>> Idade Mídia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os escritores jovens
>>> Guinga e sua Casa de Villa
>>> Pascal e a condição humana
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> O Jovem e o Mar
>>> Luz em agosto
>>> Palestra de Guilherme Wisnik
>>> Jobs e o Macintosh
>>> Boa Tarde Às Coisas Aqui Em Baixo, de A L Antunes
>>> Um Furto
Mais Recentes
>>> Parcelamento Tributário & Moratória de Fábio Junqueira - Maria Inês Murgel pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2019)
>>> Tratado de Infectologia de Ricardo Veronesi & Roberto Focaccia pela Atheneu (2009)
>>> Otimismo sem Limites: Levante Hoje para Lutar e Vencer! de Ômar Souki pela Landscape (2007)
>>> Otimismo sem Limites: Levante Hoje para Lutar e Vencer! de Ômar Souki pela Landscape (2007)
>>> Estrela da Manhã de Manuel Bandeira pela Global (2012)
>>> El Mito de Faeton en La Literatura Española (ilustrações Fcs. Fora do de A. Gallego Morell pela Madrid (1961)
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Pregão Nas Licitações Municipais de Marcelo Palavéri pela Del Rey/ Belo Horizonte (2005)
>>> La Cancion Petrarquista en La Lirica Española del Siglode Oro:... de E. Segura Covarsi pela Madrid (1949)
>>> Evolução Política do Brasil e Outros Estudos de Caio Prado JR. pela Cia. das Letras (2012)
>>> La Transcripcion Castellana de los Nombres Proprios Griecos de Manuel F. Galiano pela Soc. de Estudios Clasicos/ Madrid (1961)
>>> A Condição Espacial de Ana Fani Alessandri Carlos pela Contexto (2015)
>>> Estudo Progressivo da Morfo- Sintaxi Latina de Prof. Oscarino da Silva Ivo pela Edit. da UFMG (1974)
>>> Estudo Progressivo da Morfo- Sintaxi Latina de Prof. Oscarino da Silva Ivo pela Edit. da UFMG (1974)
>>> Manual de Gramática Histórica Española de R. Menéndez Pidal (Ramón) pela Espasa- Calpe/ Madrid (1944)
>>> Um ano para enriquecer - 52 mensagens de otimismo e motivação de Napoleon Hill pela Record (2019)
>>> Controles Internos nas Organizações de Paulo N. Migliavacca pela Edicta (2004)
>>> Dante Vivo de Giovanni Papini pela Editorial Tor/ Buenos Aires (1942)
>>> A nova dependência (dívida externa e monetarismo) de Celso Furtado pela Paz e Terra (1983)
>>> Sans Frontieres 1 - méthode de français de Michele Verdelhan, Michel Verdelhan, Philippe Dominique pela Clé international (1982)
>>> Tom Jones (encadernado.- Completo Em 01 Volume) de Henri Fielding pela Circulo do Livro/ SP. (1985)
>>> Cozinha Prática - Massas de Cristian Muniz pela Pae (2015)
>>> Chico Buarque do Brasil de Rinaldo de Fernandes. Organizador pela Garamond (2004)
>>> A Religiosa/ Capa Dura de Diderot (denis) pela Circulo do Livro (2019)
>>> Sursis/ Classicos Modernos/ Encadernado de Jean- Paul Sartre / Tradução: Sergio Milliet pela Abril (1974)
>>> MacWEEK Guide to desktop video - cd rom included de Erik Holsinger pela ZIff-Davis Press (1993)
>>> Ação Cominatória e Outras Peculiares - Doutrina, Jurisprudência ... de Ulderico Pires dos Santos pela Paumape (1989)
>>> O líder em você. Como fazer amigos, influenciar pessoas e ter sucesso em um mundo em mutação de Stuart R. Levine e Michael A. Crom pela Record (1997)
>>> El Genio Latino de Anatole France pela Ed. Grandes Autores/ B. Aires (1943)
>>> Nacha Regules (novela) de Manuel Galvez pela Editorial Tor/ B. Aires (1933)
>>> O Direito Como Fato Social de José Florentino Duarte pela Sergio Antonio Fabris (1982)
>>> A Tributação Sobre Consumo de Bens e Serviços de Alessandra Machado Brandão Teixeira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Lições preliminares de direito de Miguel Reale pela Saraiva (1995)
>>> Seguro: Teoria e Prática - Doutrina - Jurisprudência - Prática Forens de João Roberto Parizatto/ Autografado pela Edipa: Ed. Parizatto (2004)
>>> Manual Prático do Horóscopo Chinês de Minami Keizi pela Traço (1988)
>>> Reiki - Amor, Saúde e Transformação de Johnny de Carli pela Alfabeto (2017)
>>> As Novelas de Torquemada de Benito Pérez Galdós pela Paz e Terra (1989)
>>> A Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen de Eugen Herrigel pela Pensamento (1990)
>>> Umanesimo Positivo e Emacipazione Marxista de Galvano Della Volpe pela Sugar Editore (1964)
>>> Ciência e Tecnologia Hoje de Nicolas Witkowski pela Ensaio (1995)
>>> Luvas Brancas de John Kotre pela Mandarim (1997)
>>> I-Ching - A Alquimia dos Números de Wu Jyu Cheng pela Objetiva (1993)
>>> Computer Crimes de Maria Helena Junqueira Reis pela Del Rey/ Belo Horizonte (1997)
>>> O Budismo vivo e o mundo contemporâneo de Lama Anagarika Govinda pela Siciliano (1994)
>>> Luxúria. Coleção Sete Pecados Capitais de Simon Blackburn pela Arx (2005)
>>> Mundo, Vida e Esperança de Angela Coutinho ditado por Emmanuel pela Elevação (1999)
>>> O Budismo e o Caminho da Vida de Christmas Humphreys pela Cultrix (1995)
>>> Avareza. Coleção Sete Pecados Capitais de Phillis A. Tickle pela Arx (2005)
COLUNAS

Sexta-feira, 30/1/2009
Declínio e Queda do Império dos Comentários
Julio Daio Borges

+ de 6300 Acessos
+ 9 Comentário(s)

Foi em 2002-2003. Nós achávamos que os comentários iriam acabar com o site. Eu tentava passar um fim de semana normal, mas comentários ofensivos invadiam barbaramente as páginas e, na segunda-feira, a discussão já havia se alastrado de tal maneira que perdíamos horas apagando sem querer prejudicar as verdadeiras conversas. Quando um comentador inconveniente era denunciado pela comunidade estabelecida pelo fórum, adotava logo um pseudônimo e voltava à carga mais intensamente. Quando era revelado pelo seu endereço IP, mudava de computador e, agora, nada conseguiria detê-lo...

Se expulsávamos um comentador inconveniente (e todos os seus nicknames), éramos logo acusados de "censura"; se não, éramos acusados de favorecer à doutrina política identificada com o sujeito. Não importava o assunto, havíamos entrado numa briga de torcidas sem perceber, e o site se tornara o campo de batalha deles. Os textos mais polêmicos se convertiam em páginas e mais páginas de debates estéreis (ainda não havia a limitação para o número de caracteres). Comentadores adotando pseudônimos começavam a criar blogs independentes (a fim de parecer mais críveis). E comentadores-de-comentadores resolviam, igualmente, surgir. Colaboradores nos acusavam de favorecer esse ou aquele texto... A situação beirava o insustentável.

Foi quando eu fechei os comentários pré-aprovados, e só passamos a publicá-los depois de lê-los.

Eu não sabia, mas estávamos no meio de um momento histórico da internet brasileira: quando as ferramentas de autopublicação ainda não eram tão populares e muitas pessoas achavam que o único jeito de aparecer na Web era comentando um texto. O Blogger de Evan Williams estava para ser vendido ao Google e, no Brasil, a versão ".com.br" faria parte do lançamento do portal Globo.com — que, claro, ameaçava dominar a internet. A blogosfera tupiniquim já existia, cronologicamente falando, mas os blogs eram malvistos, as ferramentas não eram user friendly (para quem não sabia inglês) e entre lançar um endereço do zero e entrar numa discussão em que a audiência já estava garantida, a maioria costumava preferir virar "comentarista" alheio.

Os fóruns, naturalmente, já existiam, mas nenhum autor conhecido entrava neles (não com o nome verdadeiro...). O Orkut seria inaugurado muitos meses depois e a popularização de suas comunidades, no Brasil, ainda estava a alguns anos de distância. Se a pessoa procurava por emoções fortes, também não arriscaria uma homepage, porque suas páginas eram em HTML e o máximo que o visitante poderia fazer era enviar um e-mail (ou "assinar" o soporífero livro de visitas). Quando inauguramos os comentários aqui em 2001-2002, queríamos idealmente promover a "discussão de idéias" — mas estávamos, no mais da vezes, "amplificando a voz dos idiotas" (ao contrário do que o Millôr sugere fazer)...

No mesmo dia do "fechamento" dos comentários, a sensação foi de que um tsunami havia passado (tudo bem que essa palavra seria incorporada só depois). Os comentários diminuíram, óbvio, mas a integridade do site estava preservada. A audiência seguiu crescendo ao longo dos anos — de qualquer maneira —, e eu nunca me arrependi de ter expulsado os chefes de torcida organizada das nossas páginas. Se eu pudesse me arrepender de alguma coisa (em retrospecto), seria de não haver criado uma ferramenta brasileira de autopublicação. Porque, de certa forma, eu criei, mas ela não estava disponível fora do Digestivo. Poderia ter se convertido num problema de hospedagem mais adiante — num tempo em que hospedar era mais oneroso —, mas havia a chance de vender com um bom lucro (mais todos os spams e trolls dentro)...

Meu ponto, contudo, é que as ferramentas de autopublicação explodiram com a chamada Web 2.0, a partir de 2005, e suas subsequentes ondas de "user-generated content". Já os comentários... quase se extinguiram. Eu poderia decretar, aqui, a "morte dos comentários", como alguns já decretaram a "morte dos blogs" e até a "morte dos trackbacks" (matar, nesse sentido, pode ser um esporte bem divertido). Mas os comentários subsistem, mesmo que na UTI da Web. Eu ainda poderia — a título de curiosidade (meus professores é que gostavam de "a título de") — tirar a média dos comentários por texto no Digestivo, ao longo dos anos, e concluir que a queda é uma tendência irrefreável. (Mesmo considerando-se que os textos, no site, sempre aumentaram em número e que, da Web 2.0 pra cá, vamos, deliberadamente, borrando a linha que separa um comentador de um colaborador...)

Enfim, o que eu quero dizer é que os comentários viraram "outra coisa", porque os comentadores deixaram de ser audiência para se tornar, eles mesmos, protagonistas de suas histórias. Na internet, esse discurso de "passividade da velha mídia" versus "interatividade da nova mídia" é clichê, eu sei (e você não vai lê-lo, aqui, mais uma vez)... A questão é que, em vez de comentar os textos dos outros, os leitores foram abrir seus próprios blogs (o Inagaki e o Edney conseguiram dignificar a atividade), foram montar perfis no Orkut (e espalhar scraps como a abelha da polinização) e foram, mais recentemente, bafejar no Twitter (quase o haicai dos blogs de antigamente)... Ninguém mais quer ser mero "espectador" quando pode ser a estrela de seu próprio show, quando pode ser famoso para (no mínimo) quinze pessoas, quando pode receber um tweet (ou um direct) de uma celebridade eletrônica.

Uma outra teoria é a de que todo mundo, subitamente, virou publisher e audiência — para todo mundo (também) — e, com a "horizontalidade" da internet, o feedback deixa de ser apenas "comentário", para assumir novas e inusitadas formas. Quem publica na internet, portanto, deve se dar por satisfeito se receber um mero link (antigo), uma tinyurl no Twitter (novíssima), uma "declaração de guerra" numa comunidade do Orkut ou, mesmo, um esculacho num blog de algum internauta arrivista. Ninguém mais vai perder seu tempo, e se desdobrar em comentários longos e pormenorizados (isso existe?), se puder, imediatamente, repassar para os amigos, "favoritar" (e esquecer num escaninho) ou, mesmo, copiar, colar e "monetizar" em cima.

Essa corrente diz que os comentários (e os comentaristas) perderam a inocência, mas eu prefiro acreditar que eliminamos quase todo o ruído de outrora para ouvir melhor agora (em termos de comentários, pelo menos). Eu, por exemplo, comento muito mais hoje. (Fora do Digestivo, quero dizer.) Já discuti muito e com muito comentador vagabundo, mas atualmente prefiro "agregar" informação do que convencer um missivista irredutível. Quase não respondo a e-mails sobre textos meus — isso é verdade —, mas, em compensação, retribuo visitando a URL do sujeito. A mesma "horizontalidade" me diz que ele pode merecer uma citação minha no Blog do Digestivo; ou que — num dia de sorte — podemos encontrar um novo colaborador (e o ciclo se encerra, mais uma vez).

Ocorre que se os comentários estiverem, mesmo, à beira da falência, devemos começar a nos perguntar se poderemos viver sem eles...


Julio Daio Borges
São Paulo, 30/1/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
02. Crônica de Aniversário de Julio Daio Borges
03. As crianças do coração do Brasil de Elisa Andrade Buzzo
04. Cavaleiros e o Inexplicável de Duanne Ribeiro
05. O Brasil não é a Seleção Brasileira de Diogo Salles


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2009
01. A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb - 4/12/2009
02. Lendo Dom Quixote - 2/10/2009
03. Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana - 5/6/2009
04. Verdades e mentiras sobre o fim dos jornais - 29/5/2009
05. O Free, de Chris Anderson - 16/10/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/1/2009
14h02min
Pô, Julio, vou ser a primeira a comentar? (rsrsrs) Vc tem razão que a depuração dos comentários, ocasionada pelas possibilidades das pessoas irem "detonar" em outra ferramenta, pode tornar as conversas num blog menos desgastantes. Mas a pergunta é quem quer conversar - por que quem não comenta, não alimenta o diálogo? E como em geral temos muitíssimos mais pageviews que comentários, é preciso reconhecer que são inúmeros os leitores que ainda não se apropriaram da cultura de dialogar na Rede, o que é uma pena. Quem conversa e usa as diversas ferramentas está acompanhando uma coisa interessante: a conversa distribuída. Nesse momento é no blog, amanhã pode continuar num comentário do RSS ou na lista de discussão. Agora, como não perder o track dessa conversa? Esse é um risco... abços
[Leia outros Comentários de Lilian Starobinas]
30/1/2009
16h58min
Olá, Julio. Eu, como comentadora antiga do DC, tenho notado a redução de comentários mais detalhados neste site. Talvez seja também pelo número excessivo de novos textos - a digestão se torna mais difícil. Mas, de qualquer modo, o DC é um sucesso e a cada dia novas pessoas integram o grupo de comentaristas, embora as discussões não sejam tão acirradas como antes. Por enquanto, comento um texto aqui, outro acolá, mas não dá para ler todos. Em tempo, meus parabéns pelo seu níver ontem. Bjo de sua fiel e jurássica leitora.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
2/2/2009
14h32min
Oi, Julio! Nunca pus a ferramenta de comentários, porque é cada bobagem que a gente até se desanima (como aqueles do BigBrotherBrasil). Como não faço crônicas, nem artigos sobre assuntos atuais, e apenas posto agenda semanal, contos, críticas de livros/filmes e minhas poesias, acabo preferindo que a pessoa interessada em dialogar entre em contato diretamente comigo...
[Leia outros Comentários de Paula Cajaty]
2/2/2009
23h06min
Prezado Julio! Em aula, costumo "impor" algumas regras de convivência, entre elas, o celular colocado no silencioso, afinal, parece que todos usam celular, mas poucos sabem usá-lo. Talvez, este raciocínio possa valer para os comentários, expressões do tipo "muito massa", "urra, legal" não satisfazem, é preciso ter conteudo próprio, idéias próprias (e, portanto, leituras e uma mínima noção do mundo circundante) para postar comentários "inteligentes". Ouso pensar que nos faltam pessoas inteligentes, carecemos de indivíduos capazes de se posicionarem, afinal, no país do "sifu" e do presidente que afirma, categoricamente, que não lê, o que se pode esperar???
[Leia outros Comentários de Elaine dos Santos]
4/2/2009
13h43min
É visível que os comentaristas diminuiram, que o número de blogs explodiu e que os egos andam cada vez mais aflorados, porém há outras questões que contribuem para a diminuição dos comentários. Dentro dos blogs a regra "quem comenta muito, tem mais comentários" é real. Mas para isso é preciso tempo e não dispomos tanto dele. Em Brasília, imagino que a grande maioria dos blogueiros trabalhe em algum órgão público. Eu trabalho e vários blogs e endereços são bloqueados. Fazia comentários naqueles minutos de folga que tiramos durante o dia durante o trabalho. O fenômero dos feeds ajuda bastante. Uso o Google Reader e por ele não tenho como comentar, então às vezes não comento porque o site está bloqueado no trabalho ou a página demorou para abrir. E ainda tem o que a Adriana disse, o volume de textos aumentou muito. E os bolhas, trolls e péssimos comentadores continuam por aí, sem nada melhor para fazer. Mas gosto de tecer comentários em blogs, o diálogo proporcionado ainda é o melhor...
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
10/2/2009
12h07min
Não me importo com as bobagens, só com palavrões e etc.
[Leia outros Comentários de roberto]
11/2/2009
16h34min
Diante de textos como este confirmo minha teoria que texto se justifica pelo leitor. Confesso não compreender a resistência de alguns a interferência/licença de alguns leitores quando comentam textos postados. Vejo com naturalidade a participação, qualificada ou não, dos leitores na relação com o texto lido. Se a mídia utilizada permite uma relação próxima, tanto melhor; se a proximidade incomoda, crie filtros ou obstrua os canais de interação que aproximam os leitores dos produtores de texto. Quanto à qualidade dos comentários postados, isto é processo; se o texto apresenta qualidade e coerência, além de propor um desafio ao leitor, acredito que receba comentários qualificados de leitores idem. Minha visão atual é de muitos textos fracos em forma e conteúdo, carentes de coesão e incoerências buscando disciplinar leitores enquanto mascaram uma certa pobreza no trato com a linguagem. Senhores escritores, não discutam vossos textos: a culpa é do leitor, aqui tratado por comentador.
[Leia outros Comentários de Carlos E F Oliveira]
13/2/2009
06h49min
Opa, Julio! Os bons comentaristas têm sumido, também, porque, na maior parte do blogues, os comentários não são conversas (não há feedback) são apenas enfeites! A maior parte, diria a esmagadora parte dos blogues, ainda está deslumbrada com o poder de escrever, mas não descobriu o poder de conversar!
[Leia outros Comentários de Sérgio Lima]
19/2/2009
17h34min
Olá, Julio: quando li a chamada deste texto no Digestivo Cultural, pensei em comentar. Não fiz isto. Hoje resolvi escrever como descobri o DC e revejo o texto. Está, então, em boa hora, certo? Concordo com o Sergio Lima: Na maioria dos blogs, não existe conversa e nem resposta (de seu comentário). Fica então muito sem graça comentar. Sabe como é? Falando para as paredes...
[Leia outros Comentários de Anna (Anny)]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SUPER INTERESSANTE 328 - SEJA MAIS CRIATIVO
VARIOS AUTORES
ABRIL
(2014)
R$ 12,00



ORIGAMI BRILHANTE
DAVID BRILL
MADRAS
(2007)
R$ 40,00



NASCE UM POVO
MICHEL BERGMANN
VOZES
(2019)
R$ 7,00



ANÁLISE COMPARATIVA DO COMPORTAMENTO DE META-HEURÍSTICAS
MARCELO LOTIF UND ANDRÉ L. V. COELHO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 279,00



O ENCONTRO ANALÍTICO : TRANSFERÊNCIA E RELACIONAMENTO HUMANO
MÁRIO JACOBY
CULTRIX
(1987)
R$ 18,99



COMO TELHADOS VERDES ALTERAM O BALANÇO TÉRMICO EM AMBIENTES INTERNOS?
THOMAS JEFERSON VIEIRA, LUCIANO FLEISCHFRESSER UND LUCAS AUGUSTO PRUDENTE
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



O MANUSCRITO PERDIDO 8353
JOSÉ BAROHONA (PREF. NELSON PEREIRA DOS SANTOS)
TORDESILHAS
(2012)
R$ 12,00



GRANDES VIDAS, GRANDES OBRAS - BIOGRAFIAS
SELEÇÕES DO READERS DIGEST
READERS DIGEST
(1968)
R$ 13,00



A NUDEZ DA VERDADE
FERNANDO SABINO
ÁTICA
(2001)
R$ 15,00



CÂMERA NA MÃO, O GUARANI NO CORAÇÃO - 6ª ED.
MOACYR SCLIAR
ÁTICA
(2002)
R$ 13,90





busca | avançada
27956 visitas/dia
890 mil/mês