Por que Edward Bloom? | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
42810 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 9/2/2009
Por que Edward Bloom?
Eduardo Mineo

+ de 4700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Porque é pelo menos um bom nome. Soa bem. E isso é o que importa. Vocês não sentem pena de quem não tem um bom nome? Quem não tem um bom nome já começou errado. "Ah, esse é seu nome? Não faz mal, daremos um jeito nisso", disse alguém da Warner em A star is born quando uma garota de nome feio se apresenta. Acho até válido formar opiniões sobre alguém se baseando apenas em seu nome. Posso parecer indelicado, mas no nome está contida a essência da formação de uma pessoa, pois denuncia o bom senso e os conceitos de seus pais. Além disso, o nome influi no comportamento de cada um. O teor cômico de Joaquim Maria, por exemplo, teria arruinado para sempre a vida de Machado de Assis, se ele não o escondesse frequentemente. Na infância, seria alvo de chacota dos outros garotos, roubariam seu lanchinho. Ter um coleguinha chamado Machado de Assis é perfeitamente normal, vai dizer que não? Já Joaquim Maria é zoeira na certa. E futuramente teria sérios problemas profissionais, uma vez que um editor sensato jamais publicaria o livro de alguém com esse nome. Diante da capa de seu exemplar, o editor sensato alisaria seu espesso bigode e diria "Joaquim Maria? Mas que porra de nome é esse?", e tudo estaria acabado. Portanto, escolhi Edward Bloom como pseudônimo para escrever na internet antes de começar esta coluna no Digestivo Cultural. E agora que estou deixando de ser colunista aqui, queria colocar os acentos nos porquês ― e ai do Rafael Rodrigues, editor-assistente e grande entusiasta da reforma, de tirá-los. Ouviu? Ahn? Ahn?

Antes de prosseguirmos, coloquemos nossas fucinheiras e vamos à minha demissão da coluna.

Acredito que, se Deus existir, deve ser um tipo de taxista bêbado que acha que sabe mais que você sobre sua vida. "Acho que era pra entrar ali", você diz, mas Deus não ouve, não vai ouvir. Você então xinga, esperneia, diz que não vai pagar: tudo em vão. Agora você já passou cinco quadras e não tem mais retorno. No meu caso aqui, o taxista passou reto mais uma vez e acabei não conseguindo encontrar um retorno para minha vida nesta coluna. Chegou a hora do adeus.

Ou talvez não seja tão dramático assim. Nada dura para sempre, mas as coisas podem durar bastante; depende das partes. A resposta padrão nesta situação é a de que ando ocupado demais com meus afazeres pessoais, o que não deixa de ser verdade, mas não vou usar essa desculpa esfarrapada para meu relapso com a coluna. Escrever nunca me foi natural; tenho que me esforçar demais: este é o fato. Leio e escrevo porque é uma das últimas coisas que ainda me dão algum divertimento sincero, uma forma de me orgulhar de mim mesmo após cada frase espertinha, após cada comentário mal-educado. Porém, meu negócio é outro; minha cabeça só funciona do outro lado. Ou seja, não é justo com o Digestivo Cultural deixar o vácuo na coluna que eu estava deixando. E também não é justo com pessoas que conseguiriam contribuir muito mais do que eu. Não vou empurrar com a barriga.

Agora minha consciência está pulando no meu ombro para que eu fale sobre Big Fish, filme que conta a vida de Edward Bloom, dono do meu pseudônimo. É um filme bonito, suave, de bom gosto. A total ausência de atores brasileiros reforça o que eu disse. É um filme muito bom, mesmo. E tem roubo a banco, bruxa, guerra, gigante, soco na cara, pessoas sendo atiradas por canhões, enfim, tudo muito legal. E o Bloom. Ele é um velhinho todo simpático que tem um filho idiota, que é o que os filhos são. Acho curiosa essa capacidade dos pais em ver seus filhos, que há pouco babavam, agora revirando os olhos pra eles sem dar-lhes um murro na boca. O maior insulto à dignidade de um homem é um piá remelento revirando os olhos para ele por considerá-lo obsoleto, como se andar de calça arriada fosse parâmetro de atualidade, parâmetro de alguma coisa. Passei boa parte da minha vida revirando os olhos para meu pai e hoje penso que, se tivesse que viver novamente minha adolescência, gastaria toda ela me dando murros na boca. Mas, enfim, o Bloom não esmurra seu filho. Deveria, deveria pelo menos um pouquinho, mas não.

Também é verdade que algumas cenas são sentimentais demais. São cenas bem feitas, bem trabalhadas, mas sentimentais demais e exigem um pouco de autocontrole para não se correr o risco de lhe flagrarem tremendo o queixo com olhinhos de piedade. Seria ridículo, pelo amor de Deus, comporte-se. Mas tem boas cenas de humor também, de bom humor. Tem uma cena, a minha preferida, que o Bloom está caminhando pela rua quando vê um cachorro fazendo cocô e pensa consigo "Aí está a essência do modernismo!". Ele ri sozinho e continua caminhando, contente e superior.

Tudo bem, eu inventei essa cena, mas eu gostaria de vê-la com Albert Finney. Me tornaria mais feliz, eu acho (não tanto quanto se eu comprasse a Suécia, digamos, mas ficaria feliz, sim). Gosto da pessoa que Finney criou para Edward Bloom; me identifiquei bastante com ela. Não é como o pai do Andrew, de War and Peace, que eu não me identifico, mas considero como modelo. É diferente. O pai de Andrew é um modelo de pessoa, de pai, de como alguém deve tratar seu filho, de como demonstrar afeição e ao mesmo tempo rigidez, mas sem se portar como um retardado ou um estúpido. Quando Andrew se despede para ir à guerra, seu pai diz a única coisa que um pai poderia dizer a um filho nessa situação:

"Remember this, Prince Andrew, if they kill you, it will hurt me, your old father (...) but if I hear that you have not behaved like a son of Nicholas Bolkónski, I shall be ashamed!"

(Tradução: "Lembre-se disto, Príncipe Andrew, se eles o matarem, isto me machucará, seu velho pai (...), mas se eu ouvir que você não se comportou como um filho de Nicholas Bolkónski, eu sentirei vergonha!")

Todo pai deveria ter o direito de dizer isso, um dia. Faria de qualquer moleque remelento e com calça arriada, um homem de verdade.

Já com Bloom, há de fato uma identificação; me vejo nele durante todo o tempo. Tenho o mesmo temperamento, o mesmo senso de humor, a mesma fidelidade e com certeza também faria as mesmas bobagens que ele fez durante o filme, como ficar três anos sem falar com um filho besta ou tomar a maior surra do mundo para poder pedir uma garota em casamento. Assista ao filme e eu sou mais ou menos aquilo lá: um pouco mais novo, um pouco mais baixo, um pouco mais gordo, mas ainda aquilo lá. E digo isso alisando meu espesso bigode de gente sensata e que tem um bom nome, pelo menos.


Eduardo Mineo
São Paulo, 9/2/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Relatório de compra de Ana Elisa Ribeiro
02. Paisagem interna agreste de Elisa Andrade Buzzo
03. Entrevista com Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
04. Melhor que muito casamento de Ana Elisa Ribeiro
05. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. Projeto Itália ― Parte I - 1/6/2010
03. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
04. Projeto Itália ― Parte II - 14/6/2010
05. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/2/2009
22h26min
Que pena!!! Já lamentei bastante vc ter acabado com o blog, agora não tenho nem o prazer de matar as minhas saudades aqui!
[Leia outros Comentários de Dzu]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PIANISTA NO BORDEL
JUAN LUIS CEBRIÁN
OBJETIVA
(2009)
R$ 20,00



OS ECONOMISTAS
LEONARD SIK
ZAHAR
(1976)
R$ 10,00



MRTYUKÃLA: HORA DA MORTE
MARIA HELENA DE BASTOS FREIRE
CCJ
(2004)
R$ 81,85



NEW YORK FLOW SYSTEMS CAN AUTOMATE YOUR CUTTING OPERATIONS
REVISTA GRAPHIC ARTS MONTHLY, Nº 7, VOL 50
TECHNICAL PUBLISHING
(1978)
R$ 31,28



TECNICAS CONSTRUTIVAS DE ARGUMENTACAO E DEBATE
GEORGE L HINDIS E RUPERT L CORTRIGHT
IBRASA
(1968)
R$ 12,00



ARTE-EDUCAÇÃO NO BRASIL - ANA MAE T. B. BARBOSA
ANA MAE T. B. BARBOSA
PERSPECTIVA
(1978)
R$ 18,00



TAMBORES E VIOLINOS - 1ª ED.
MARIA TERESA HELLMEISTER FORNACIARI
WRITERS
(2000)
R$ 5,74



THE FUTUTRE OF BRANDS
RITA CLIFTON - ESTHER MAUGHAN
NEW YORK UNIVERSITY
(2000)
R$ 90,00



ERA UMA VEZ UM PIRATA HOLANDÊS
JOSÉ MAVIAEL MONTEIRO
ÁTICA
(1995)
R$ 6,90



ATOS IMPUROS
HENRY A. GIROUX
ARTMED
(2003)
R$ 63,00





busca | avançada
42810 visitas/dia
1,2 milhão/mês