Lambidinha | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
61456 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Soul Bossa Nova
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> A proposta libertária
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> A morte absoluta
>>> O Marceneiro e o Poeta
>>> Dom Quixote, matriz de releituras
>>> À Sua imagem e semelhança
>>> Download: The True Story of the Internet
>>> Mistério em Moscou
Mais Recentes
>>> Conecte Gramática - Caderno de Revisão de William Cereja; Tereza Cochar pela Saraiva (2013)
>>> Robur, o Conquistador de Júlio Verne pela Matos Peixoto (1965)
>>> Imagens da América de Marcos Malafaia e Fernanda Graell pela Globo (2002)
>>> Entendo a Depressão de Fabíola Luz pela Paulus (1994)
>>> Assimilação Evangélica de João Nunes Maia/espíritos Diversos pela Fonte Viva (1986)
>>> Saúde da Mulher de José Aristodemo Pinotti pela Senac
>>> Conversa Com Criança - Vol. 1 - Presença - Caminho de Daniella Freixo de Faria pela São Paulo (2013)
>>> Filosofando - Introdução à Filosofia - Volume único- Aprova Enem de Maria Lúcia de Arruda Aranha; Maria H. P. Ma pela Moderna (2013)
>>> Música ao Longe de Érico Veríssimo pela Globo (1965)
>>> Milano da Scoprire de Bruno Pellegrino pela Milanoexpo (2010)
>>> Antologia Poética de Vinicius de Moraes pela Companhia de Bolso (2010)
>>> Como Exercer Sua Cidadania de Marcos Sá Corrêa pela Bei (2003)
>>> O Vencedor Está Só de Paulo Coelho pela Agir (2008)
>>> A Lei de Murphy de Gerenciamento de Projetos - 431 de Eduardo Gorges pela Brasport (2007)
>>> O Poder Através da Ioga de Anna Trökes pela Vitória Régia
>>> A Física de Jornada Nas Estrelas - Star Trek de Lawewnce M. Kruss pela Makron (1997)
>>> Gagueira e Subjetividade de Silvia Friedman pela Artmed (2001)
>>> O Livro de Mesa do Executivo de Auren Uris pela Biblioteca Pioneira (1987)
>>> Mothern: Manual da Mãe Moderna de Juliana Sampaio; Laura Guimarães pela Matrix (2005)
>>> O Retorno do Jovem Príncipe de A. G. Roemmers; Paulo Afonso pela Fontanar (2011)
>>> Marketing; Direto ao Ponto de Chris Ritchie pela Saraiva (2012)
>>> Ever After High Ciencia e Feitiçaria de Suzanne Selfors; Ligia Arata Barros pela Salamandra (2016)
>>> Prostate Troubles de Leon Chaitow pela Thorsons
>>> Elementos do Direito Processo Penal de Angela C. Cangiano Machado e Outros pela Premier (2008)
>>> Quando Paris Cintila de Betty Milan pela Best Bolso (2013)
COLUNAS

Sexta-feira, 11/12/2009
Lambidinha
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A curiosidade é o motor da ciência, das crianças e é, também, a responsável pela morte do gato. Assim mesmo, resolvi procurar o ano do nascimento da palavra "lamber", que me soa alguma coisa bem velha. Eu ficava imaginando que algo tão instintivo (primitivo mesmo) devesse ter sido batizado lá pelos idos do Cenozoico. Quando é que o homem surgiu na Terra? Sei lá, mas deve ter surgido lambendo. O Houaiss é que me tirou parte da dúvida: a palavra vem do latim do século XIV, o que não significa que as pessoas não lambessem antes. Provavelmente usavam a língua para diversas coisas, inclusive para engolir sapos.

O que é a língua? Diz o Aurélio que é um "órgão muscular alongado, móvel, situado na cavidade bucal, a cuja parede inferior está preso pela base, e que serve para a degustação e para a deglutição, e desempenha papel importante na articulação de sons". Na minha coleção de ideias a língua é um músculo que serve para lamber sorvete e chupar bala. Não vou me alongar na lista de ações que o órgão pode executar. Cada um tem o que merece. De outro lado, língua é também o nome que se dá ao idioma de um povo. Língua oficial, língua pátria, língua materna, língua nacional, língua de sinais. A gente fala uma língua e pronto, lambendo o céu da boca, dando uns estalinhos, tocando as pontas dos dentes, encolhendo e alongando o músculo móvel. No caso da língua de sinais, o órgão tem mais descanso, cedendo espaço para a atuação das mãos.

Lamber é "passar a língua sobre algo, sobre alguém ou sobre si próprio", diz o dicionário do Antônio. Em sentido figurado, pode ser roçar, polir, destruir, comer, regalar-se, desgastar, adular ou pegar fogo. Fico pensando nos contextos (situações de linguagem mesmo) em que a palavra tem cada um desses sentidos. "De lamber os beiços", "Vai lamber sabão", "O fogo lambeu a casa", "Lambi os lábios dele", "A roda do meu carro lambeu o meio-fio" e, finalmente, chego a "Lamber a cria". Ora, pois, neste exato momento o leitor entende a que veio este texto que, desta feita, trata do criador e da criatura.

Fiquei pensando na situação em que se lambe a cria. Gatos e cachorros fazem isso literalmente, dizem que para dar banho nos filhotes. Pais humanos corujas lambem suas crias em sentido figurado, mas bem que uma lambidinha de verdade no filho querido, até certa idade, não faz mal nenhum e não dá nojo, pelo menos enquanto ele não tem muito pelo. Mais uma vez, no sentido figurado, fiquei pensando nas crias que resultam de trabalho intelectual. Uma redação de colégio que seja pode ser lambida pelo autor, caso ele invista algo de si nela e o resultado seja bacana. Lembro bem de lamber crias no ensino fundamental. A professora nem sempre compartilhava comigo da lambidinha, mas o que importa? Melhor não compartilhar a baba com ninguém (línguas são molhadas). Naquela época, uns pontinhos a menos, mas o que isso determinou na minha vida? Pouca coisa. Não saí do rumo por conta das cuspidinhas dela.

Lembro bem do primeiro poema que saiu no jornal. Era o resultado de um concurso do Estado de Minas. Lambi demais aquelas páginas por dias e dias. Não mostrei para muita gente porque isso é tremendamente arriscado nos inícios de "carreira". Eu tinha 19 anos e essa história de ser poeta poderia pegar mal numa família de engenheiros.

O primeiro livro foi lambido avidamente. Lembro do cheiro que o papel deixava no ar depois que abri o pacotão da gráfica. Aquele aroma de brochura e grampo ficaria no meu quarto por muito tempo, enquanto não conseguisse distribuir os livrinhos para a família e os amigos. Hoje não o tenho mais e tiro onda de autora esgotada.

O segundo livro foi mais intenso ainda. A gráfica enviou os pacotes por entrega expressa, São Paulo-Belo Horizonte. Chegaram os códices costurados e colados que já paravam em pé na estante. Paquerei a capa e lambi a cria durante uns dias, até chegar o lançamento oficial.

O terceiro livro já passou bem menos aperto comigo. Lambi pouco essa cria independente, embora ela merecesse lambidinhas ferozes na capa preta e amarela. Já não era como lamber crias jovens. Era alguma coisa mais responsável, casamento desgastado.

Às vezes um poema apenas, solo, dá um desejo enorme de umas lambidas. Vê-lo estampado em algum lugar também é a experiência máxima da bolinação autoral. Conheço quem seja incestuoso muito mais do que eu, que mal toco as pontinhas dos dedos dos meus filhotes.

E onde ficam meus livros? Na estante fechada. Na aberta, eles podem tomar sol, vento, ar seco, chuva, pegar gripe ou amarelar. Ficam escondidinhos do mundo, ao menos aqueles exemplares de teste que me restaram. Os demais sabe lá Deus por onde andam. Tomara que lambendo as crias dos outros em estantes alheias, expostos à luz de bibliotecas de alguéns ou prensados entre os filhotes independentes de outros criadores.

Não deve ser difícil encontrar testemunhos de pais que lambem suas crias. Não estou falando de pedófilos repulsivos, mas de criadores esmerados que gostam de curtir suas obras, mesmo que elas nem sejam lá tão legais assim. É uma curtição gostosa observar a criatura prontinha (ou quase), posta no mundo. Lambidinha honesta e justificada. Saliva e carinho fazem bem, mesmo em criaturas de papel e tinta. Nas de carne e ossos, também.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 11/12/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Clássicos e a Educação Sentimental de Fabio Silvestre Cardoso
02. Onde estão os ídolos juvenis dos anos 80 de Denis Zanini Lima
03. A vitória da velhinha de Arcano9


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Cupido era o nickname dele - 1/5/2009
05. Eu + Você = ? - 27/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/12/2009
09h47min
Ana, tuas reflexões sobre lambidinhas provam a delíca que é provar algo que nos cativa: filhos, textos, livros, discos, enfim, tudo que nos pertence. Esse sentimento de posse, no entanto, é interessante, porque nos garante a primazia da lambida. Mas, durante a leitura de teu texto, ocorreu-me a lembrança de uma lambidinha que talvez nos escape, quando encontramos uma coisa que desejamos - mesmo sem saber que vamos encontrar. Isso me ocorre sempre quando encontro, por exemplo, um livro de Dinah Silveira de Queiroz. Já tive essa experiência/sensação por três vezes, depois que conheci a autora de "Margarida La Rocque": quando me deparei com "Floradas na Serra", "Verão dos Infiéis" e agora com esse "As Noites do Morro do Encanto", que estou acabando ler. São histórias bem interessantes, esses encontros, que pretendo contar, brevemente. Teu "Lambidinha", Ana, é humano, porque escrito com a alma. Parabéns e muito obrigado.
[Leia outros Comentários de Américo Leal Viana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




História 2º Ano Ensino Fundamental
Cândido Domingues Grangeiro
Cereja
(2014)



The Big Leaf Pile
Josephine Page
Cartwheel
(2001)



Creta
Antony Beevor
Record
(2008)



Cozinhe e Congele
Maria Thereza Sampaio Cintra
Do Autor
(1989)



No Olho do Outro
Oscar Cesarotto
Iluminuras
(1996)



Uma Guerra Americana
Omar El Akkad
Harper Collins Br
(2017)



Comentários à Lei de Falências e de Recuperação de Empresas
Fábio Ulhoa Coelho
Saraiva
(2005)



Sou Católico Vivo a Minha Fé
Vario
Cnbb
(2007)



A família Frank que sobreviveu: uma saga da segunda guerra
Gordon F. Sander
Zahar
(2007)



Alma de Rainha
Carol Marinelli
Harlequin
(2010)





busca | avançada
61456 visitas/dia
1,8 milhão/mês