As cores de Pamuk | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
70483 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Primeira edição do ZporZ Fest Verão acontece em janeiro
>>> Sesc Cultura ConVIDA! apresenta mostras temáticas
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eu acho que alguém aqui pirou
>>> Ideologias em forma de spam
>>> Neste Natal etc. e tal
>>> Lula, o filme
>>> Mauro Henrique
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> Ele, Francis
>>> A crítica e o custo Brasil
>>> Manual prático do ódio
>>> Greatest hits em forma de coluna
Mais Recentes
>>> Geografia 8º Ano – Volume 3 – Coleção Perspectiva de Cláudia Magalhães, Lilian Sourient, Marcos Gonçalves e Roseni Rudek pela Do Brasil (2010)
>>> Coleção Sinopses Para Concursos Vol. 1 - Direito Penal - Parte Geral de Alexandre Salim e Marcelo André de Azevedo pela Juspodivm (2017)
>>> Rio de Janeiro - Histórias Concisas de uma Cidade de 450 Anos de Vários Autores pela Prefeitura do Rio de janeiro (2015)
>>> Elite da Tropa de Luiz Eduardo - Soares Andre Batista - Rodrigo Pimentel pela Objetiva (2006)
>>> Geografia Nos Dias de Hoje 7º Ano de Cláudio Giardino, Ligia Ortega & Rosaly Braga Chianca pela Leya (2012)
>>> Geografia 7º Ano – Projeto Athos de Sonia Castellar & Ana Paula Seferian pela Ftd (2014)
>>> Geografia 7º Ano – Roteiros de Aprendizagem - Projeto Athos de Sonia Castellar & Ana Paula Seferian pela Ftd (2014)
>>> História 7º Ano – Projeto Athos de Joelza Esther pela Ftd (2014)
>>> História 7º Ano – Roteiros de Aprendizagem - Projeto Athos de Joelza Esther pela Ftd (2014)
>>> Filhos talentosos lideres grandiosos de Pat Williams pela Landscape (2006)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Círculo do Livro (1975)
>>> Morte Em Veneza - Tonio Kröger de Thomas Mann pela Círculo do Livro
>>> Perversas - Pretty Little Liars de Sara Shepard pela Rocco (2009)
>>> Fricções - Traço, Olho e Letra de Vera Casa Nova pela Ufmg (2008)
>>> The Phantom of the Opera - Audio Cd Included de Gaston Leroux pela Macmillan Readers (2005)
>>> Redenção de Karen Kingsbury; pela Portico (2015)
>>> De Repente, Nas Profundezas do Bosque de Amós Oz pela Companhia das Letras (2013)
>>> Guia de Alimentos da Dieta de South Beach de Arthur Agatston M. D. pela Sextante (2003)
>>> Só o Amor é Real - uma História de Almas Gêmeas Que Voltam a Se Unir de Brian L. Weiss pela Salamandra (1996)
>>> O Vento de Oalab de João Luiz Guimarães pela Sm (2016)
>>> A Criatura - Série Barco a Vapor de Laura Bergallo pela Sm (2005)
>>> Frankenstein - Audio Cd Included de Mary Shelley pela Sm (2005)
>>> Stanley Kubrick de Museu da Imagem e do Som pela Museu da Imagem e do Som (2014)
>>> Casa de Máscaras de Péricles Prade pela Iluminuras (2013)
>>> Irmãos Unidos de Francisco Cândido Xavier - Autores Diversos pela Geem (1988)
>>> Affermazioni de Stuart Wilde pela Macro Edizioni (2005)
>>> O Desafio da Guerra - Dois Séculos de Guerra - 1740-1974 de Gaston Bouthoul e René Carrère pela Biblioteca do Exército (1978)
>>> Um Oceano nos Separa de Robin Pilcher pela Bertrand Brasil (2021)
>>> Constituições Brasileiras Volume I 1824 de Octaciano Nogueira pela Senado Federal (2004)
>>> A Menina Que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca (2010)
>>> A Lebre com Olhos de Âmbar de Edmund de Waal pela Intrinseca (2011)
>>> Entre Abrir e Fechar a Boca de Máximo Ravenna pela Guarda-chuva (2012)
>>> O Filho Eterno de Cristovão Tezza pela Record (2007)
>>> Serafina e a Capa Preta - Volume 1 de Robert Beatty pela Valentina (2018)
>>> Kadish por uma Criança Não Nascida de Imre Kertsz pela Imago (2002)
>>> Quarto de Emma Donoghue pela Verus (2016)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Record (2006)
>>> The Unbearable Lightness of Being de Milan Kundera pela Harper Perennial (2005)
>>> A Construção da verdade autoritária de Maria das Graças Andrade Ataíde de Almeida pela Usp (2021)
>>> Legislação Trabalhista e Rotinas Trabalhistas EAN: 9788582129739 de Silvano Alves alcantra pela Intersaberes (2014)
>>> Constituições Brasileiras Volume VII 1988 de Caio Tácito pela Senado Federal (2002)
>>> Elixir de Hilary Duff pela Id (2011)
>>> Língua Portuguesa 7º Ano – Projeto Athos de Maria Tereza Arruda Campos, Salete Toledo, Lucas Sanches Oda & Daniela Utescher pela Ftd (2014)
>>> Sabor de Pecado e Outras Essências de Ademar Inácio da Silva pela Assis (2012)
>>> Língua Portuguesa 7º Ano – Roteiros de Aprendizagem - Projeto Athos de Maria Tereza Arruda Campos, Salete Toledo, Lucas Sanches Oda & Daniela Utescher pela Ftd (2014)
>>> Ciências 7º Ano – Projeto Athos de José Trivellato, Silvia Trivellato, Marcelo Motokane, Júlio Foschini Lisboa & Carlos Kantor pela Ftd (2014)
>>> Beber Jogar [email protected]#er de Andrew Gottlieb pela Planeta (2009)
>>> Ciências 7º Ano – Roteiros de Aprendizagem - Projeto Athos de José Trivellato, Silvia Trivellato, Marcelo Motokane, Júlio Foschini Lisboa & Carlos Kantor pela Ftd (2014)
>>> Já Podeis da Pátria Filhos de João Ubaldo Ribeiro pela Alfaguara (2009)
>>> Matemática 7º Ano – Projeto Athos de José Roberto Bonjorno, Paulo Câmara Sousa, Regina Bonjorno & Tânia Gusmão pela Ftd (2014)
COLUNAS

Terça-feira, 3/5/2011
As cores de Pamuk
Wellington Machado

+ de 3900 Acessos

"O ponto de partida da verdadeira literatura é o homem que fecha a porta e se recolhe com seus livros". A frase foi proferia pelo escritor turco, Orhan Pamuk, em seu discurso durante a entrega do prêmio Nobel de 2006. Recolhimento, reclusão, foco em leituras e na escrita. Assim se construiu ― e se mantém ― Pamuk.

Recolhido diariamente em seu escritório, Ohran Pamuk vive em meio a milhares de livros, objetos pessoais, rascunhos, canetas, cadernos; várias histórias contadas e muitas outras a narrar. Da janela do escritório, o escritor tem uma vista privilegiada: o Ocidente. Um continente inteiro na outra margem do Estreito de Bósforo.

Essa "fissura", que divide Istambul em "lado ocidental" e "lado oriental", não é uma mera divisão geográfica. O estreito separa, grosso modo, o "legado" turco (árabes, Oriente Médio, ditaduras, desertos, petróleo) da Europa (democracia, desenvolvimento econômico e tecnológico, liberdade religiosa etc.).

O Bósforo simboliza também a grande dúvida vacilante do povo turco: ocidentalizar-se ou não? A proximidade com a Europa faz da Turquia o país de maioria muçulmana mais "influenciado" da Ásia. O país vem, aos poucos, se credenciando política e economicamente para fazer parte da Comunidade Europeia.

Ler Outras cores (Companhia das Letras, 2010), de Orhan Pamuk, é adentrar nesse recolhimento pessoal a que ele se referiu no discurso do Nobel. O livro é uma reunião de pequenos textos (ensaios, contos, anotações sobre o cotidiano, memórias etc.), que podem ser divididos genericamente em escritos pessoais, literários e políticos.

Pamuk abre e compartilha sua valise com o leitor. Nota-se um autor metódico, extremamente dedicado em lapidar seus textos, com um notório prazer em narrar ― ao contrário de muitos escritores, para quem o ato da escrita é um sofrimento. Além da atividade literária, o escritor é um intelectual politicamente engajado. Não hesita em emitir suas opiniões acerca dos rumos políticos da Turquia. Muitas vezes paga caro pelo que fala, pois ainda paira no país uma certa ditadura velada.

Motivado pelas leituras dos clássicos e pelas constantes viagens à Europa e aos Estados Unidos (onde leciona regularmente), Orhan Pamuk procura levar uma vida "de ocidental" na Turquia. Ao contrário de uma parcela resistente do povo turco, o escritor não vê problema em consumir produtos industrializados no Ocidente, principalmente produtos americanos. Paumk é globalizado, contemporâneo, antenado nas transformações sociais, tecnológicas e políticas dos novos tempos.

Em Outras cores, Orhan Pamuk fala sobre suas manias e rituais quando se põe a escrever. Mostra seu método para construir seus roteiros, esquemas, que resultam em romances. Relata o seu imenso prazer em contar histórias. Em um dos seus escritos pessoais, uma curiosidade: Ohran poderia ter sido um grande pintor ― tinha habilidade para tal; pintava desde os sete anos. Mas aos 22, deu uma guinada e decidiu seguir a carreira de escritor.

Pamuk também fala sobre seu estilo, marcado por frases longas e cuidadosamente construídas, que geralmente resultam em calhamaços enormes. Nota-se que o escritor é um fervoroso herdeiro de As mil e uma noites. O autor é profícuo, diz nunca querer terminar um livro. Vem da infância essa sua maneira de narrar infinitamente.

Sentado à mesa em seu escritório, situado a poucas quadras de sua residência, Pamuk escreve incansavelmente à mão, utilizando uma caneta-tinteiro. Trabalha de dez a doze horas por dia, intercalando idas à janela para ver os turcos apressados na rua, e para se deleitar com o pôr-do-sol alaranjado do outro lado do Bósforo.

As cores, aliás, são metáfora para os prazeres diários do autor: as leituras, a satisfação ao escrever, a convivência com os filhos, as viagens. Essa veneração em ver tudo colorido, como se a vida pulsasse a cada segundo, parece ser uma fixação do escritor, haja vista os nomes de seus livros: O castelo branco, O livro negro, Meu nome é vermelho, Neve e Outras cores.

Nos textos de cunho literário, Pamuk relata suas experiências e emoções na leitura dos os grandes clássicos. Reverencia Dostoiévski, Nabokov, Proust, Thomas Bernhard, Vargas Llosa e Camus. Ohran é um eterno "releitor". Retoma sempre a leitura dos cânones ― já está na quarta (re)leitura de muitos deles.

Ao versar sobre suas releituras, o autor sempre as compara com as leituras anteriores, como se quisesse apontar ― e defender ― os "acréscimos" proporcionados pela nova leitura. Sua formação de leitor tem no pai uma figura fundamental, pois ele viajava constantemente para a Europa e trazia os clássicos (em inglês) para o filho. O surgimento de Ohran Pamuk para o mundo foi um rebento, pois a Turquia sempre foi um país de poucos leitores. O leitor turco, para ele, "é uma aberração [exceção]; e não uma norma".

Ao contrário de muitos autores, Pamuk não lê "só" por prazer. Ele é um árduo defensor das leituras "por dever". Leituras dos livros herméticos, inovadores em sua linguagem; dos livros "de ruptura", que enriquecem o arsenal de qualquer escritor. Mas também exalta ― chega a invejar ― os autores que escrevem de maneira simples, agradável, mas ao mesmo tempo com exatidão e profundidade.

Três capítulos de Outras cores são dedicados a Dostoiévski, seu maior ídolo, ao que parece. Mas nota em Memórias do subsolo uma certa implicância do autor russo com tudo o que vinha da Europa ― assim como os turcos conservadores. Elege Os Demônios o melhor romance político de todos os tempos.

Dos contemporâneos, Pamuk cita várias vezes o escritor Mario Vargas Llosa. Não hesita em afirmar que já leu todos os seus romances. Sobre os ensaios do autor peruano, afirma que "Llosa é bom até quando discordamos de sua opinião".

A reflexão sobre a situação política da Turquia é recorrente em Outras Cores. O autor aborda a situação de "democracia incompleta" vigente no país. Existem ainda casos de perseguições políticas, torturas, assassinatos na calada da noite, e pouca liberdade de expressão. O autor mesmo foi processado pelas autoridades turcas por uma entrevista que concedeu a um jornal estrangeiro, na qual criticava o conservadorismo da Turquia e a sua lentidão em se tornar um país realmente democrático.

* * *

Um bom complemento a Outras cores, para pensar a questão política na Turquia, é o livro anterior de Pamuk, Neve (2006) ― considerado seu romance mais politizado. Nele é narrada a saga de um poeta turco que retorna à sua cidade natal (Kars), após um período de sete anos na Alemanha por conta de um mestrado. O personagem principal, Ka, uma espécie de alterego do escritor turco, retorna à fria Kars para cobrir um fenômeno estranho: os recorrentes suicídios de moças na região. Uma série de reportagens seria feita pelo poeta para um jornal alemão sobre o fenômeno.

Com uma capacidade de narrar extraordinária, Pamuk delineia o ambiente (geográfico, político e religioso) e as personagens (com intricadas relações políticas e afetivas), fazendo-nos lembrar de Stendhal, em O Vermelho e o Negro. Há dois conflitos em Neve: um religioso e um político.

O primeiro se dá na justificativa dos suicídios. Com os ecos democráticos do Ocidente reverberando no país, o governo determinou o fim do uso do manto para as mulheres. Evidencia-se, portanto, um conflito entre secularistas (governo, escolas, "ocidentalizados"), favoráveis ao fim do uso do manto, e fundamentalistas islâmicos, resistentes em abrir mão do uso da vestimenta. As moças suicidas fazem parte dessas famílias conservadoras, defensoras da "pureza religiosa". As moças se matam porque não admitem tirar o véu.

E a questão política é abordada diagonalmente na figura de Ka, o jornalista-poeta. Ele passa a ser perseguido (ditadura velada) quando o governo se dá conta de que o episódio dos suicídios pode ser divulgado internacionalmente, através da reportagem enviada ao jornal alemão. Ao mesmo tempo tem de transitar entre os fundamentalistas. A presença de Ka na cidade incomoda e motiva o acirramento de antigas questões de poder conflituosas, provocando um cenário de assassinatos, perseguições e sumiço de estudantes.

Pelo que se lê em Outras cores, Pamuk é um autor dividido. De um lado está o ficcionista, recluso em seu escritório, lendo seus clássicos ou escrevendo as histórias que sua imaginação fértil cria com invejável facilidade; de outro há o homem político, retratado também em Neve, buscando um país mais culto e moderno. Apesar da ainda capenga liberdade de expressão na Turquia, o escritor continua desafiando o poder e publicando seus livros e emitindo suas opiniões políticas. Não pensa em sair do país, pois afirma estarem ali suas raízes. Sonha um dia chegar às margens do Bósforo, olhar pra frente e continuar vendo o Ocidente; e olhar pra trás e ver um Oriente mais democrático.

Para ir além









Wellington Machado
Belo Horizonte, 3/5/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Jagunço degolado de Wellington Machado
02. 50 tons de Anastasia, Ida e outras protagonistas de Elisa Andrade Buzzo
03. A escolha de Gauguin de Humberto Pereira da Silva
04. O tipo que faz promessa de Ana Elisa Ribeiro
05. O risco de se tornar um sem-noção de Marta Barcellos


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2011
01. Meu cinema em 2010 ― 2/2 - 4/1/2011
02. Ascensão e queda do cinema iraniano - 8/2/2011
03. O palhaço, de Selton Mello - 15/11/2011
04. Woody Allen quer ser Manoel de Oliveira - 19/7/2011
05. Steve Jobs e a individualidade criativa - 18/10/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Yoga Além da Prática
Ruth Barros; Mario Americo
Integrare
(2010)
R$ 10,00



Antologia Casa do Poeta Rio-Grandense
Vários Autores
Caravela
(2015)
R$ 10,00



O Reizinho da Estrada
Pedro Bandeira
Melhoramentos
R$ 10,00



Tá Gravando e Agora?
Kéfera Buchmann
Paralela
(2016)
R$ 10,00



Ciranda de Pedra
Lygia Faguntes Telles
Livraria José Olympio
R$ 10,00



Sexo sem Vergonha
Gilda Bacal Fucs
Gente
(1998)
R$ 10,00



O Filho Renegado de Deus
Urariano Mota
Bertrand Brasil
(2013)
R$ 10,00



Zé Carioca N° 1788
Editora Abril
Abril
(1986)
R$ 10,00



Tantos animais e outras lengalengas de contar
Manuela Castro Neves
Sesi
(2014)
R$ 10,00



Sherlock Holmes - O Jogador Desaparecido
Arthur Conan Doyle
Melhoramentos
(2013)
R$ 10,00





busca | avançada
70483 visitas/dia
2,4 milhões/mês