O Original de Laura | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 2/6/2010
O Original de Laura
Guilherme Pontes Coelho

+ de 3200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Vladimir Nabokov. Suíça, cerca de 1975. Horst Tappe/Getty Images.
Vladimir Nabokov. Suíça, 1975. Horst Tappe/Getty Images.

A história da última publicação a ter o nome Vladimir Nabokov como seu autor é assim. Nabokov trabalhava num novo romance, escrevendo-o ― como era seu costume ― em fichas catalográficas. O ano em que começou este trabalho foi 1975. Mesmo ano em que contraiu uma doença não diagnosticada, uma febre que sucedeu à queda de uma encosta, em Davos, enquanto caçava borboletas, e que evoluiria numa bronquite congestiva que o mataria em 1977, aos 78 anos.

Durante esses dois anos finais, Nabokov jamais se recuperou daquela doença enigmática e sua saúde geral desvigorava a cada hora. Tendo consciência de que minguava explicitamente, ele deixou claro à sua esposa, Vera, que se morresse sem ter concluído a obra a que então se dedicava ela deveria destruí-la. Esta era a missão de sua esposa, "anular, expungir, apagar, deletar, remover, eliminar, obliterar" seus rascunhos derradeiros.

Morre Vladimir Nabokov. Vera não destrói aqueles rabiscos catalográficos e adia por tempo tanto a ordem do marido ("ordem" sendo uma palavra muito suave ao tipo de mulher que ela foi para ele) que ela mesma acaba morrendo, em 1991. Como razões à procrastinação de Vera, o único filho do casal, Dmitri, diz que foi por conta de "idade, fraqueza e incomensurável amor".

O dever de administrar a herança literária nabokoviana passa ao óbvio Dmitri, hoje um septuagenário. O pacote incluía a destruição dos rabiscos finais de seu pai. Disto, aliás, Dmitri sabia desde quando a saúde do Nabokov pai deteriorava lá na Suíça.

Dmitri, por sua vez, emulou o comportamento da mãe ― e foi além.

Em novembro de 2009, chegou às livrarias do mundo O Original de Laura (Alfaguara, 2009, 304 págs.), título àquele conjunto de fichas em que Nabokov trabalhava antes de morrer. Nabokov filho ignorou o mandamento do pai ― e ninguém, sob a ótica exclusivamente artística, saiu ganhando com isto. Financeiramente, no entanto, esta publicação trouxe felicidade a vários editores mundo afora. A Dmitri também. E dinheiro parece ser a única razão para contrariar a vontade de um autor que foi um dos grandes do século XX e que sempre exerceu controle absoluto sobre sua criação.

As duas edições de Laura que tive em mãos, a da Alfaguara e a da Random House (a primeira, temporariamente à minha frente, na estante, ao lado da Lolita da Penguin Books), são lindas. A brasileira traz as fichas reproduzidas à esquerda e sua imediata tradução, pelo competente José Rubens Siqueira, à direita. A da editora norte-americana, idealizada pelo designer Chip Kidd, o mesmo que assina as capas de Nabokov editadas pela Companhia das Letras, vem com um recurso interessante: as fichas do autor reproduzidas frente e verso em papel de alta gramatura, serrilhadas em seu contorno, prontas para o leitor destacá-las e rearranjá-las como bem entender. Uma solução bem humorada para uma obra que não existe.

Vladimir Nabokov foi bem claro sobre Laura. Mas a recusa a queimar um Nabokov original tinha precedente. Ao fim da década de 1940, Vera salvou do fogo um ancestral de Lolita. Este antepassado, batizado de O feiticeiro (Volshebnik), uma novela, não era, àquela época, "nem parte de um trabalho em andamento nem a versão russa de uma obra existente", segundo Dmitri. Salvo o original pela mãe, o filho o traduz e o publica na década de 1980. Ainda segundo Dmitri, para seu pai faria mais sentido que esta novela fosse traduzida para o inglês "pelos Nabokov". (Um cheiro estranho no ar...)

O resgate d'O feiticeiro por Vera e sua publicação traduzida por Dmitri, mais, talvez, um alheamento e supervalorização da obra de Nabokov por ambos, incluindo na soma a mal disfarçada cobiça do filho, contaram para que o delineamento do que um dia seria um romance chamado Laura, ou A Laura original, ou mesmo O Original de Laura, não virasse cinzas.

Dmitri, na rocambolesca e um tanto soberba introdução a O Original de Laura, menciona Max Brod, editor encarregado de destruir a obra do amigo Franz Kafka. Uma vontade de Kafka. Mas Brod não destruiu a obra do amigo, ainda bem. Hoje, Kafka é um dos três autores fundamentais para literatura do século XX. (Os outros dois seriam Joyce e Faulkner. Se você quiser incluir Proust entre os três, eu não sei quem ficaria de fora. Eu não o incluiria.) Esta alusão a Brod/Kafka, contudo, é fora de propósito. Deixando de lado a questão de saber se foi ou não um joguinho mental do autor tcheco, ele pediu a Brod, em carta, que tudo o que escrevera fosse destruído, desde obras já publicadas (era o caso d'A Metamorfose) a cartas, diários, esboços etc. Nabokov se referia especificamente a uma obra, ainda em andamento.

O Original de Laura são 138 fichas catalográficas. A unidade entre elas se dissipa à medida em que a leitura avança. Durante os trinta minutos, e não demora mais que isso, em que li estes fragmentos, vi aqui e ali manifestações esparsas da prosa nabokoviana ("The conspicuous knobs of her hipbones framed a hollowed abdomen, so flat as to belie the notion of 'belly'"), da eterna efebofilia ("Os seios do tamanho de taças daquela beleza impaciente de vinte e quatro anos pareciam doze anos mais novos que ela, com aqueles mamilos pálidos e a forma firme") e da recorrente ideia de controle ("Sofrósina, um termo platônico para autocontrole ideal que provem do cerne racional do homem").

Essas fichas esboçam a história do "brilhante neurologista" Philipe Wild, um homem gordo e velho, casado com uma adúltera, Flora. Os esboços ora são na primeira, ora na terceira pessoa. Dois parecem ser os fenômenos temáticos centrais da proto-narrativa: a infidelidade de Flora rende um romance chamado "Laura", escrito por um de seus amantes, e a ideia de autodestruição sistemática (começando pelos pés e subindo) do dr. Philipe, para a qual é preciso estar em transe.

É isso.

Não é um romance, não é uma novela, não é um conto. São fragmentos de uma ideia, esboçadas por um senhor enfermo, de antemão receoso de não a concluir a tempo.

O Original de Laura tem o mérito relativo de mostrar parte do processo criativo de Nabokov e satisfazer pequenas curiosidades (foi a primeira vez que vi a letra dele e não era o que esperava). Nós, leitores, às vezes gostaríamos de saber o porquê de tal cena ser assim ou assado, e esses manuscritos iniciais nos ajudam a compreender melhor o ponto de vista do autor e como ele o desenvolveu durante a criação da narrativa. Por exemplo, a ideia inicial era de que Crime e Castigo fosse escrito em primeira pessoa; mas os tormentos de Raskolnikov em primeira pessoa não correspondiam aos propósitos de Dostoiévski. Só que, neste caso, existe o romance Crime e Castigo para leitores, biógrafos e estudiosos fazerem as comparações entre a obra pronta e seus ensaios.

No caso de Laura, não existe a obra, só seu esboço, que nem existir deveria. Pode ter sido que, em algum momento no Hospital Universitário de Lausanne, Nabokov visse Laura simétrica e leve, borboleteando em sua mente. Ele morreu e sua última criação será eternamente crisálida.

Para ir além






Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 2/6/2010


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2010
01. Nas redes do sexo - 25/8/2010
02. A literatura de Giacomo Casanova - 19/5/2010
03. O preconceito estético - 29/12/2010
04. O retorno à cidade natal - 24/2/2010
05. O mundo pós-aniversário - 3/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/6/2010
12h36min
Bela resenha, Guilherme. Você pegou um dos aspectos importantes pelos quais "O Original de Laura" deveria mesmo ter sido publicado: a possibilidade de olharmos sobre os ombros do escritor. Nabokov não era um autor linear, não escrevia o capítulo 2, depois do 1, o 3, depois do 2, etc. Ele era hipertextual. Preenchia os espaços, dizia. Em 09/2009, eu participei de uma mesa na Academia Brasileira de Letras com o professor Brian Boyd (maior especista na obra de Vladimir) em que se comparou as obras de Machado de Assis e Nabokov. Na mesma época, o entrevistei para o Prosa Online, dois meses depois, eu mesmo também publiquei uma resenha de "Laura" no JB. Com o advento e popularização da internet, penso que "Laura", 30 anos depois de seu doloroso nascimento - sendo que, para isso, da forma como "nasceu", tenha sido necessária a morte de seu autor -, tenha sido publicado no momento certo. Abs, CS
[Leia outros Comentários de C. S. Soares]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INOCÊNCIA - COLECAO TRAVESSIAS
VISCONDE DE TAUNAY
MODERNA
(1998)
R$ 8,00



O ESPIÃO INVISÍVEL
MARK FOWLER
SCIPIONE
(1993)
R$ 8,88



85 VEZES SILVIO SANTOS AS MELHORES CARICATURAS DO REI DOS DOMINGOS
VÁRIOS AUTORES
ASTRAL
(2016)
R$ 27,44



GUIA PORTUGAL. O GUIA DE VIAGEM MAIS FACIL DE USAR
VÁRIOS AUTORES
PUBLIFOLHA
(2009)
R$ 70,00



A PSICOLOGIA DO ANORMAL E A VIDA CONTEMPORÂNEA
JAMES C. COLEMAN
PIONEIRA
(1973)
R$ 60,00



SEMPRE SERÁS LEMBRADA
JOSUÉ MONTELLO
NOVA FRONTEIRA
(1999)
R$ 7,48



MONTEIRO LOBATO VIDA E OBRA TOMO I
EDGARD CAVALHEIRO
COMPANHIA NACIONAL
(1956)
R$ 14,00



ESTORIAS PARA CRIANÇAS QUE OS ADULTOS DEVEM LER ESCONDIDOS
RICARDO BANDEIRA
DO AUTOR
(1977)
R$ 5,00



PAIXÃO E CRIME O PROCESSO DO DR. JACCOUD
CARLOS LACERDA
NOVA FRONTEIRA
(1965)
R$ 10,00



ECLIPSE
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2008)
R$ 34,90
+ frete grátis





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês