Homens x Mulheres, ainda | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
57904 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> POETICAS de um outro || BELIZARIO Galeria
>>> Livro ajuda crianças a compreender novas configurações familiares
>>> Sesc Pinheiros recebe Paulinho Moska em ‘Beleza e Medo’,
>>> Sesc 24 de Maio recebe o espetáculo O Pessoa nas Pessoas com Mônica Salmaso e mais artistas
>>> Evento literário em BH reúne João Anzanello Carrascoza, Nelson Cruz e Anna Cunha
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Big Brother da Palmada
>>> Família
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Não, não gosto de Harry Potter
>>> A pequena grande obra de Josefina Vicens
>>> PARÁBOLA
>>> Haydn: 200 anos da morte
>>> Paquetá: Ilha Ditosa e Florida
>>> Listen Again
>>> Microcontos ou micropoemas?
Mais Recentes
>>> Coleção Eu Gosto Mais Matemática 2º ano(Edi. Refomulada) de Célio Passos pela Ibep (2012)
>>> Vida de Droga de Walcyr Carrasco pela Ática (2002)
>>> Box Música Clássica para Crianças de Folha de São Paulo pela Folha (2013)
>>> Dicionário De Direito, Economia E Contabilidade Português-Inglês de Marcilio Moreira de Castro pela Gen forense (2010)
>>> Mitos e Lendas - a Criação do Mundo de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Marca da escuridão - Livro 1 de Sylvia Day pela Faro Editorial (2015)
>>> Box Coleção Música Clássica para Crianças de Folha de São Paulo pela Folha (2013)
>>> En Busca De La Excelencia de Thomas J. Peters pela Atlantida (1982)
>>> A Ladeira da Saudade de Ganymédes José pela Moderna (2000)
>>> Wagner de Coleção Música Clássica para Crianças pela Folha (2013)
>>> Reino Colorido da Criança de Não Informado pela Farmar
>>> Round The World In Eighty Days - Level 5 de Jules Verne pela Penguin Readers (1999)
>>> Donoso Cortés Y Su Teoría Política de Santiago Calindo Herrero pela Badajos (1957)
>>> Jornada de Esperança Grandes Sucessos de Brian Aldiss pela Abril (1982)
>>> Regulamento Interno e dos Serviços Gerais (risg) de Ministério da Defesa pela Do Auto (1999)
>>> Uma História de Amor de Carlos Heitor Cony pela Ediouro (2002)
>>> Uma Canção Nas Trevas Grandes Sucessos de Edgar Wallace pela Abril (1982)
>>> Giovanni Grandes Sucessos de James Baldwin pela Abril (1981)
>>> A Comunidade do Rei de Howard Snyder pela Abu (2004)
>>> Tudo Que Você Sempre Quis Saber Sobre o Céu... de Robin Schmidt pela Gw (2005)
>>> Istambul Memória e Cidade de Orhan Pamuk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Olhai os Lírios do Campo de Erico Verissimo pela Globo (2001)
>>> Passos de Gigante de Anthony Robbins pela Viva Livros (2013)
>>> Longe Daqui de Amy Bloom pela Nova Fronteira (2008)
>>> Longe Daqui de Amy Bloom pela Nova Fronteira (2008)
COLUNAS

Quinta-feira, 18/2/2010
Homens x Mulheres, ainda
Marcelo Spalding

+ de 4000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Desde os tempos de Xou da Xuxa ou Programa do Gugu até os estúdios atuais da Record ― onde Rodrigo Faro é uma espécie de dublê do Gugu ―, sempre as competições se dão entre Homens x Mulheres, Eles x Elas, Meninos x Meninas. Essa dicotomia faz parte do imaginário contemporâneo mesmo depois das conquistas femininas do século XX (ou talvez por causa delas), e está presente dos almoços em família às redações de vestibular. Não poderia ser diferente na literatura.

Eu e Você, Você e Eu (Record, 2009, 144 págs.), de Martha Mendonça e Nelito Fernandes, é mais um romance que explora essa dicotomia, mas de uma forma curiosa: temos uma história com dois narradores, e cada narrador é construído por um autor diferente. Marcelo, o narrador-personagem de Nelito Fernandes, começa como um jovem, promissor e ambicioso advogado de família. Mariana, a narradora-personagem de Martha, começa como uma jovem, bonita e independente estudante de psicologia. Ex-colegas de colégio, quando se reencontram rola uma atração, e daí surge um relacionamento. E, claro, as dúvidas: o que Marcelo pode fazer? Convidar Mariana para jantar ou ir a um motel? Decidir ou pedir que ela decida? Nessas horas, uma frase fora do lugar pode pôr fim a qualquer clima que esteja surgindo. E, mais do que isso, é quase impossível para um saber o que se passa na cabeça do outro:

"Eu sugeri outro lugar porque o restaurante estava um pouco cheio, tinha fila na porta, e eu detesto esperar de pé pra comer, parece coisa de gado indo pro pasto. Mas ela aceitou assim de pronto, será que está pensando em motel? Sim, porque uma coisa é o sujeito perguntar 'Vamos pra outro lugar?', a outra é dizer 'Vamos a outro restaurante?'. Se ela estiver realmente pensando que meu convite foi pra trepar, vai me achar um banana. Sinuca, Marcelo. Como saio dessa? Bom, deixá-la decidir é o melhor. 'Onde você quer ir?', perguntei. Pronto, a bola está com ela.

Onde eu quero ir? Mas será que ele está perguntando em que restaurante eu quero ir, em que motel eu quero ir ou se quero ir ao restaurante ou ao motel? Ou será que ele quer mesmo é que eu decida o nosso destino? Esperto. Mas não vou devolver a bola, não. 'Dizem que no Vip's a comida é boa e a vista é linda.' Ele sorriu e pegou o retorno para a avenida Niemeyer.

Gostei da resposta direta da Mariana. Uma das coisas que eu mais odeio em mulher é essa história de fazer joguinhos. Quer dar, mas prefere ficar cheia de rodeios. Quer uma coisa, diz outra. A gente não tem como adivinhar tudo, pô.

Ai, será que fiz mal? Será que ele tá me achando uma vagabunda??"

E assim vai, passando pelas várias fases do relacionamento, a primeira briga, o dia de conhecer a família de um, a família de outro, a decisão sobre o casamento, o dia do casamento, a primeira crise, a separação, a educação do filho em meio à separação, a reaproximação... Só não vou contar o final, até porque, segundo o próprio livro, todas as histórias são iguais.

É nesse ponto, aliás, que está a maior fraqueza do romance. Pela temática universal e pela abordagem coloquial e leve dos autores, a leitura flui maravilhosamente e nos faz dar boas gargalhadas, mas o texto ganharia em profundidade caso se livrasse de alguns estereótipos, como o advogado bem-sucedido e comedor, a psicóloga de família que escreve livros de autoajuda, o homem que trabalha demais e não dá atenção à mulher, a lua de mel em Paris. Porque todos os relacionamentos passam por fases, mas nenhum relacionamento é igual ao outro. Pelo simples motivo de que as pessoas não são iguais às outras, as condições não são iguais, os resultados não são iguais. E embora o livro conte especificamente a história de Marcelo e Mariana, em alguns trechos cai na tentação de generalizar para que o leitor se aproxime mais da história do casal, ame exageradamente como eles, transe enlouquecidamente como eles e sofra ensadecidamente como eles.

Talvez por trás dessa impossibilidade de generalizar esteja também a impossibilidade de dividirmos o mundo entre homens e mulheres, como fazia o programa da Xuxa e faz os domingos da Record. Isso pode render algumas risadas, vender livros, transformar filmes em sucessos de bilheteria ― Se eu fosse você talvez seja o exemplo mais recente ―, mas encerra um reducionismo inaceitável nos dias de hoje, pois fosse Marcelo um jovem artista ou professor, provavelmente sua visão de mundo e sua expectativa em relação às mulheres fosse completamente diferente; fosse Mariana filha de um rico industrial ou neta da faxineira do rapaz, certamente sua reação diante do outro seria completamente diferente. Ou seja, não é por ser homem que Marcelo pensa e age daquela forma, não é por ser mulher que Mariana pensa e reage daquela maneira.

O leitor dirá que a estratégia do narrador duplo funciona muito bem, e é verdade, mas não necessariamente pela diferença entre homens e mulheres, mas pela diferença entre as personalidades. Duas mulheres pensariam de forma diferente e dariam resposta diferente a pergunta de Marcelo: "Onde você quer ir?". Possivelmente muitas diriam o nome de um belo restaurante, mesmo querendo ir para um motel, outras fariam o contrário, algumas fariam questão que ele decidisse e há aquelas que agarrariam o rapaz ali mesmo no carro.

Na epígrafe do livro há uma citação de Cenas de um casamento, de Ingmar Bergman, que diz que homens e mulheres não falam a mesma língua. Mas se pensarmos um pouco parece é que as pessoas em geral parecem estar falando línguas distintas. Pais e filhos, professores e alunos, professores e diretores, patrões e empregados, irmãos, todos têm problemas sérios de comunicação em suas relações familiares, e talvez a maior dificuldade seja se colocar no lugar do outro, tentar compreender as respostas e reações do outro em vez de julgá-las ou defini-las com padrões.

E nesse ponto, aliás, está um grande mérito do livro, pois ao termos as duas vozes com a mesma importância e intensidade, colocamo-nos no lugar de um e outro, percebemos os reflexos das atitudes de um na vida do outro, e aí não importa se a dicotomia em questão é homem e mulher, pai e filho ou patrão e empregado, importa é que precisamos, cada vez mais, nos preocupar com o outro.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 18/2/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti
02. A Conquista de Nenhuma de Marilia Mota Silva
03. Autobiografia musical de Gian Danton
04. House M.D. de Rafael Fernandes
05. Haverá sangue de David Donato


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2010
01. O hiperconto e a literatura digital - 8/4/2010
02. A quem interessa uma sociedade alienada? - 2/9/2010
03. Free: o futuro dos preços é ser grátis - 11/11/2010
04. Bastardos Inglórios e O Caso Sonderberg - 27/5/2010
05. O espiritismo e a novela da Globo - 30/9/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/2/2010
13h35min
Que análise bacana, Spalding. Concordo plenamente contigo. Antes de me casar, fiz um curso para noivos e a ideia apresentada foi exatamente essa - a de que somos seres individuais e únicos, moldados pelas experiências da vida. É interessante ver como o casamento faz uma mistura de algumas coisas. Outras permanecem iguais para sempre. Isso pode gerar conflitos ou fortalecer a união, e a cumplicidade, conforme a abertura e a maturidade de cada um - o que também depende das experiências anteriores... Viver é mesmo uma arte! Viver junto, é mais que isso - é uma en-ge-nha-ria.
[Leia outros Comentários de Débora Carvalho]
17/8/2012
11h21min
Adorava assistir a Xuxa quando criança e sempre quis me casar. Hoje isso é passado...
[Leia outros Comentários de Rebeca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Renegado
Honoré de Balzac
Clube do Livro
(1983)



Beauvoir Apaixonada (lacrado)
Irene Frain
Verus
(2013)



Gestão Financeira de Negócios
Aurélio Hess
Cart Impress
(2004)



A Nova era um Guia para Viver Em um Novo Tempo
Lorna St. Aubyn
Roca
(1992)



Morte e Vida Severina
João Cabral de Melo Neto
Nova Fronteira
(1994)



A mulher só - das relações degradantes à vida solitária
Harold Robbins
Abril Cultural
(1985)



O Tao da Liderança Pessoal
Diane Dreher
Ediouro
(1998)



Como Desenvolver Conteúdos Explorando as Inteligências Múltiplas
Celso Antunes
Vozes
(2002)



As Lágrimas da Girafa Novos Casos da Agência Nº 1 de Mulheres Detetive
Alexander Mccall Smith
Companhia das Letras
(2003)



Literatura Brasileira em foco IV - o eu e o outro
Ana Cristina & Fátima Cristinas Dias Rocha (orgs.)
Casa Doze
(2011)





busca | avançada
57904 visitas/dia
1,9 milhão/mês