Uma chave para o longe | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O fim da inocêcia blogueira
>>> Allen Stewart Konigsberg
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse
>>> Escrevendo com o inimigo
>>> FLAP! Uma bofetada na indiferença*
>>> Eles – os artistas medíocres
>>> Meu beijo gay
>>> A história de Rogério Xavier e da SPX (2023)
>>> Waldstein por Andsnes
Mais Recentes
>>> Livro Revista Jurídica De Jure VOL 12 nº 21 de Vários pela Del Rey / Ministério Público (2013)
>>> Livro Energia. As Razões Da Crise E Como Sair Dela de Ernesto Moreira Guedes Filho, Jose Marcio. Camargo, Juan Gabriel Perez Ferres pela Gente (2002)
>>> Livro Água Salobra de Bernadette Lyra pela Cousa (2017)
>>> Livro Sonata Ao Amor - Romance Esírita de Christina Nunes pelo Espírito Iohan pela Lumen (2012)
>>> Pra cima e pra baixo de Carla Irusta pela Palavras projetos (2021)
>>> Pelos olhos de minha mãe: Diários, memórias e outras lembranças de Laura Huzak Andreato pela Palavras projetos (2021)
>>> Para onde me levam os meus pés? de Cibele Lopresti Costa pela Palavras projetos (2021)
>>> Oswaldo Treinador Esportivo de Fernando A. Pires pela Palavras projetos (2023)
>>> Oswaaaaaldo! de Fernando A. Pires pela Palavras projetos (2023)
>>> Os pães de ouro da velhinha de Annamaria Gozzi pela Palavras projetos (2024)
>>> Ooobbaaaa! de pela Palavras projetos (2019)
>>> O Reciclador de Palavras de Barbara Parente pela Palavras projetos (2021)
>>> O gato que não parava de crescer de Fernando A. Pires pela Palavras projetos (2023)
>>> O dragão da Maldade e a Donzela Guerreira de Marco Haurélio pela Palavras projetos (2022)
>>> O almanaque de Lia de Luís Dill pela Palavras projetos (2022)
>>> No Museu de Susanna Mattiangeli pela Palavras projetos (2023)
>>> Nig-Nig de Andréia Vieira pela Palavras projetos (2023)
>>> Li M'in: uma criança de Chimel de Dante Rigoberta; Liano pela Palavras projetos (2018)
>>> Lábaro: O enigma da bandeira brasileira de Elifas Andreato pela Palavras projetos (2022)
>>> 80 Degraus de Luís Dill pela Palavras projetos (2018)
>>> Estamos Todas Bem de Ana Penyas pela Palavras projetos (2022)
>>> Duas asas de Cristina Bellemo pela Palavras projetos (2024)
>>> Divisão Azul: Um agente infiltrado de Fran Jaraba pela Palavras projetos (2021)
>>> Campos de concentração de Narcís Molins i Fábrega pela Palavras projetos (2023)
>>> Ave do Paraíso de Georgina martins pela Palavras projetos (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 6/5/2010
Uma chave para o longe
Elisa Andrade Buzzo
+ de 4300 Acessos
+ 2 Comentário(s)


foto: Sissy Eiko

Passa por este caminho já percorrido como se fora pela primeira vez. A primeira vez que pisou na terra do norte. Lembra do tom dourado de trigo dos prédios se descortinando como se fossem moedas de ouro lançadas para o alto. Existem apenas duas opções ― cara ou coroa. Assim também funciona com as passagens: ou se tem a chave, o segredo, ou elas se mantêm impassíveis, impossíveis de serem desvendadas. Uma cidade tem muitas portas, mas a chave só abrirá, ou não, a tranca de uma delas. A chave tem o contorno exato para uma reentrância, e esta é comprida, acobreada, quase entra nos dedos sua arruela. Agora respira este ar desconhecido. É como se respirasse o ar do nascimento, pois reabre os pulmões para uma nova experiência. O ambiente também é desconhecido, por isso vai tateando no escuro, ainda longe de entender o caminho prestes a ser percorrido. Aporta no velho novo mundo.

Água. A água límpida no espelho onde brincam crianças, caminham namorados, flutua o vapor no vento de verão. O espelho d'água está entornado pelo rio, pela praça de arquitetura colonial exuberante. Ao fundo, a torre da igreja, flecha empunhada contra o céu. Debaixo do espelho, o líquido escoa, para depois retornar murmurante. O gradeado subterrâneo esconde a verdade dos esgotos. Um Hércules de bronze em dezenas de pedaços é testemunha da colonização romana. Aqui continua a ser um jogo de montar peças: onde os pontos devem se encaixar para o encontro da forma ideal? A resposta está no museu da cidade, com a estátua de braços abertos, o peito recosturado, nada além do tronco pois metade do corpo se perdera. Um objeto distante de sua origem se recobre de mistério e parece ter perdido sua utilidade, como a chave dependurada na grade, quase despercebida. Fora de contexto, ela cria um ruído no ambiente, embora seja de uma simplicidade rasa, perfeitamente possível de ser compreendida. Ou mesmo outra peça, a chave comprida que encontra na mesa, pega entre as mãos e lê a identificação "grade da entrada".

Na igreja próxima ao espelho d'água há uma porta muito grande e antiga, cuja chave não a abre. A porta leva ao subterrâneo da igreja, frio, úmido, onde vivem caveiras sorridentes. Sobe as escadas de pedra escura e se depara com outra escada, clara, retorcida e estreita, que, desta vez, leva à torre da igreja. O ar adentra pelos poucos orifícios vertiginosos, por onde vislumbra a paisagem apequenar-se, e ainda que seja impossível passar por um deles, o corpo, magnetizado, insiste na possibilidade de lançar-se abaixo. Sobe os degraus altos com o mesmo vigor de outrem, gasta mais um pouco a superfície aparentemente dura, pois foi com a insistência de muitos que ela foi sendo moldada, deforma-a com seus pés. Sente-se preso ao jogo oprimente da construção, mas que o mantém ereto e em segurança nesta subida em que o corpo humano se encaixa à torre, da mesma forma que a chave se acopla à anatomia do segredo.

Do alto da sacada vê-se a cidade, amarela, disposta em fracionamentos ruidosos de vida, como utensílios em uma bandeja a tilintar; ouve-se tudo ao mesmo tempo, e então não há mais distinção entre as partes neste todo compacto, pois todas as opções engolfam-se nele, aleph; veem-se portas gigantes, sem maçanetas nem fechaduras, por onde o povaréu passa e repassa sem se dar conta do ato cotidiano de desvendar, de ter o segredo decomposto, pronto em suas mãos, o que lhes dá o direito de caminhar automaticamente, sem juntar as peças, sem a permissão da abertura ou o chaveamento. Avista um portão digno de rei ― é o do jardim público, com grades frescas em azul cujo topo recebe lanças banhadas a ouro. Onde está seu fecho? A chave, nua, por si mesma, servirá a qual propósito?

Mais distante ainda, o parque se espraia em uma paisagem esverdeada e compacta: a perspectiva infinita das vinhas, exército pacífico de Baco. Delimitando o início difuso que separa a cidade da corveia, há um outro gradeado alto, negro, portentoso, a partir de onde se avista a continuidade do vinhedo. Em cada ramo das fileiras recurvadas sobre si mesmas, grandes roseiras, eretas sentinelas, exibindo suas flores carnudas, escarlates, suas espinhas, vicejam a vida resguardada. Olha pelo buraco da fechadura do portão deste gradeado e lá vê mais um gradeado, onde há um outro portão, cuja chave o abre e leva ao caminho das estrelas.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 6/5/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Intervenção militar constitucional de Gian Danton
02. Ivanhoé de Gian Danton
03. Kardec, A Biografia, de Marcel Souto Maior de Ricardo de Mattos
04. A literatura infanto-juvenil que vem de longe de Marcelo Spalding
05. A arquitetura poética da pintura de Fabricius Nery de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2010
01. Tempo vida poesia 4/5 - 23/9/2010
02. Tempo vida poesia 2/5 - 19/8/2010
03. A arqueologia secreta das coisas - 4/2/2010
04. Tempo vida poesia 1/5 - 5/8/2010
05. Como se enfim flutuasse - 3/6/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/5/2010
10h48min
"Fora de contexto, ela cria um ruído no ambiente, embora seja de uma simplicidade rasa, perfeitamente possível de ser compreendida." Adorei este trecho...
[Leia outros Comentários de nilt]
12/5/2010
14h50min
Gostei desse trecho: "A chave tem o contorno exato para uma reentrância, e esta é comprida, acobreada, quase entra nos dedos sua aruela. Agora respira este ar desconhecido. É como se respirasse o ar do nascimento, pois reabre os pulmões para uma nova experiência". Lindo!
[Leia outros Comentários de Junior]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Julieta
Anne Fortier
Sextante
(2010)



Barbie veerinária - junte o verso dos livros e tenha uma linda ilustração
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2013)



Ramses O Filho Da Luz
Christian Jacq
Bertrand Brasil
(1999)



German Grammar
Peter Meech
Harraps
(1988)



Dashiell Hammett - Uma Vida
Diane Johnson
Companhia das Letras
(1986)



A Cidade e As Serras
Eça de Queiroz
Ática
(2011)



Inquebravel - a Legião (lacrado)
Kami Garcia
Galera
(2014)



Revista de Letras - V. 37/38 - 1997/1998
Unesp
Unesp
(1998)



Coleção Vovô Felício 6 Livros
Vicente Guimarães
Companhia Brasileira



Sociologia. Introdução A Ciência Da Sociedade
Cristina Costa
Moderna
(2005)





busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês