Oversharing: que negócio é esse? | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
44715 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/6/2010
Oversharing: que negócio é esse?
Vicente Escudero

+ de 16700 Acessos


GRETA GARBO: Eu quero ficar sozinha, Mark...
MARK: Só se for comigo.

Redes sociais exploram uma atividade econômica de interesse público e devem ser tratadas com o mesmo rigor legal dispensado a outras empresas que armazenam bancos de dados de informações privadas. Se o criador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, não foi informado disso, ou acredita que quinhentos milhões de pessoas não se importam em ter as informações de seus perfis compartilhadas com outros sites, é melhor abrir rapidamente o capital da empresa na bolsa de valores e pedir para os investidores começarem a assinar os cheques das indenizações de cada uma das class actions que vêm por aí.

A maioria das redes sociais nasceu com o propósito banal de permitir a seus membros que dividissem algumas informações, fotos e mensagens com amigos, sem se preocupar em compartilhá-las com outros sites ou terceiros.

Participar delas é uma escolha individual, naturalmente.

E isso tem uma razão bem simples: não são todos que querem ter suas informações divulgadas abertamente, permitindo a devassa diária da privacidade, seja por um amigo, um desocupado mal-intencionado ou um estelionatário pronto para aplicar algum golpe.

Depois de alguns anos, elas se multiplicaram. Todas as pessoas que você conhece criaram um perfil. Algumas redes cresceram valorizando a fidelidade de seus membros, respeitando os limites legais (Orkut), outras desapareceram no meio do caminho (ConnectU) e apenas uma delas quer ditar as regras do jogo, ser a dona da bola, do campo e, acredite ou não, dos jogadores: Facebook.

Foram seis anos estendendo seus tentáculos por todo o território dos Estados Unidos. Hoje, a maior rede social do mundo já fechou contratos com mais de quinhentos milhões de pessoas no mundo todo para armazenar suas informações. E mudou, constantemente, os termos de cada um deles.

As configurações dos perfis de seus membros, nos primórdios do Facebook, eram limitadas à máxima publicidade interna da pesquisa no próprio site. Hoje, o perfil padrão compartilha com toda a internet o nome do membro, seus posts, fotos, rede de amigos e indicações de sites, restando de fora desta publicidade plena apenas as informações de contato e a data de aniversário. Toda esta transformação ocorreu sob os olhares desconfiados de uma pequena parte dos usuários nestes últimos seis anos, culminando na enxurrada de críticas do início deste ano.

Pior do que não resolver estes abusos foi a forma como as alterações foram apresentadas por Zuckerberg. Nas palavras do sujeito que entregava cartões de negócios supostamente contendo a singela frase "I'm CEO... bitch!", as alterações nos perfis dos usuários realizadas unilateralmente pelo site representam uma nova forma de navegar na web e dividir as informações com o público. Um observador atento, conhecedor de todas as alterações ao longo do tempo nos padrões de compartilhamento das informações dos perfis, poderia identificar no discurso revolucionário a hipocrisia de quem alterou a rota do barco antes mesmo de sair do porto, sem avisar a tripulação. O discurso oficial do Facebook tem sido uma mistura de eufemismos e boas intenções que tentam esconder o desejo não de dominar a internet, mas de ser a internet. Hoje você utiliza seu navegador e compra alguns livros na Amazon. Daqui a alguns anos, você vai se conectar ao Facebook para comprar alguns livros no aplicativo que roda no site, customizado de acordo com suas informações pessoais e com o conteúdo escolhido por alguém do Facebook.

Censores? Entre os meses de abril e maio de 2009, as mensagens particulares enviadas através do site, que continham links do PirateBay foram bloqueadas sem nenhuma explicação. Ao contrário das contas de e-mail comuns, em que os arquivos são analisados em busca de vírus e os spams são separados em uma caixa específica, o sistema do Facebook impedia o envio das mensagens e informava ao remetente que não havia sido possível entregá-la pela identificação de conteúdo abusivo. Alguns analistas levantaram a hipótese de que o site estaria infringindo a lei sobre escutas telefônicas e de dados ao analisar o conteúdo das mensagens, alegando ainda que a medida também seria abusiva pois os arquivos do sistema de torrents não são produto de pirataria ou ilegais em sua totalidade.

Os efeitos destes atos praticados pelo Facebook estão ligados diretamente ao fenômeno do oversharing, a exposição de informações em excesso na internet. No caso das redes sociais, uma exposição sem considerar os limites da privacidade e os problemas decorrentes de sua violação. Enquanto a maioria das pessoas não sofre suas consequências nefastas, a publicidade total de conversas, fotos e informações pessoais parece não ser um problema. Mas quando se olha para o oriente, especificamente para a China, onde milhares de funcionários do governo estão vasculhando diariamente a internet para vigiar o comportamento dos cidadãos, especificamente sobre suas opiniões políticas, não é confiável permitir que um terceiro disponibilize publicamente, sem aviso prévio, todas as opiniões de chineses sobre a democracia e o mal que faz a sua falta.

O Facebook é uma boa rede social pelas pessoas que a integram e não pela forma desorganizada que é administrada. Mark Zuckerberg e seu alto escalão não imaginam as consequências judiciais que podem sofrer com essa escalada de rompantes autoritários na direção da empresa, durante todos esses anos. Assim como as informações públicas dos usuários do Facebook, todas as decisões tomadas pelo Facebook são analisadas por toda a internet, ainda que o CEO e sua equipe pareçam acreditar no contrário, como no caso da doação feita por Zuckerberg à candidata declarada a concorrente do Facebook, a startup Diáspora.

Vale ressaltar que todas as mudanças nos padrões de publicidade das informações dos usuários do Facebook, até hoje, sempre foram defendidas em discursos maçantes pelo CEO, com o mesmo argumento vazio de que havia chegado a hora de mudar a forma de compartilhar as informações na internet, diminuindo a privacidade ao mínimo. Mas duas perguntas nunca foram respondidas por Zuckerberg: por que as pessoas precisam de menos privacidade e qual a vantagem desta mudança para a sociedade.

Alguém precisa informar Zuckerberg e sua trupe que o oversharing de decisões atabalhoadas e as constantes violações da privacidade dos usuários do Facebook vão tornar os passados irreversíveis e os futuros imutáveis. Para aqueles que utilizam o Facebook e para seus criadores...


Vicente Escudero
Campinas, 24/6/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Man in the Arena 100 (e uma história do Gemp) de Julio Daio Borges
02. Contra a breguice no Facebook de Marta Barcellos
03. Tempo vida poesia 1/5 de Elisa Andrade Buzzo
04. Quanto vale blogar? de Rafael Fernandes
05. No chão em que você pisa com seu salto agulha de Elisa Andrade Buzzo


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2010
01. Oversharing: que negócio é esse? - 24/6/2010
02. Colocando o preto no branco das câmeras digitais - 12/8/2010
03. Ausência do mal? - 15/4/2010
04. WikiLeaks, o melhor de 2010 - 9/12/2010
05. Cultura do livro digital? - 11/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MÁQUINAS ELÉTRICAS ELETRICISTA DE MANUTENÇÃO
SENAI
SENAI
(1998)
R$ 20,00



SUONO E RITMO
EMILIA GUBITOSI
CURCI
(1950)
R$ 40,85



CONTROLE EXTERNO ESTUDOS TEMÁTICOS
EVANDRO MARTINS GUERRA SEBASTIÃO HELVELCIO RAMOS
FORUM
(2007)
R$ 12,00



PSICOLOGIA MODERNA
ANTÔNIO XAVIER TELES
ÁTICA
(1985)
R$ 5,00



AS MAIS BELAS ORAÇÕES DE TODOS OS TEMPOS
ROSE MARIE MURARO/RAIMUNDO CINTRA SELEÇÃO E TRADUÇ
LIVRARIA JOSÉ OLYMPIO
(1970)
R$ 7,00



A MORENINHA
JOAQUIM MANUEL DE MACEDO
SEDEGRA
(1963)
R$ 50,00



FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO VOLUME 3 - ELETRICIDADE, FÍSICA MODERNA
KAZUHITO YAMAMOTO / LUIZ FELIPE FUKE
SARAIVA
(2010)
R$ 5,00



MAR DE HISTÓRIAS - ANTOLOGIA DO CONTO MUNDIAL - VOLUME 3: ROMANTISMO
AURÉLIO BUARQUE DE HOLLANDA E PAULO RONAI (ORG.)
NOVA FRONTEIRA
(1980)
R$ 12,00



TIRA DÚVIDAS DE PORTUGUÊS
MARIA DA CONCEIÇÃO
EUROPA
(1990)
R$ 5,00



UM CERTO CAPITÃO RODRIGO
ERICO VERISSIMO
GLOBO
(1981)
R$ 6,00





busca | avançada
44715 visitas/dia
1,3 milhão/mês