Oversharing: que negócio é esse? | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exuberância - Moisés Patrício
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quem somos nós para julgar Michael Jackson?
>>> Culture to Digest
>>> Os novos filmes de Iñárritu
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> One-man show
>>> A difícil arte de fazer arte
>>> O Exército de Pedro
>>> Doida pra escrever
>>> Alguns momentos com Daniel Piza
>>> Desonra, por J.M. Coetzee
Mais Recentes
>>> O Guardião de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> Um Homem de Sorte de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> Noites de Tormenta de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2010)
>>> O Casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> O Casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2010)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> A Escolha de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Amor para Recordar de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> A última Música de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
>>> Primeiro Amor de James Patterson pela Novo Conceito (2014)
>>> Pelos Caminhos de Pedras e de Folhas Secas de Maria José Mamede Galvão pela Caravela (2018)
>>> Violetas na Janela de Patrícia Espirita pela Petit (2020)
>>> Divergente Uma Escolha Pode Te Transformar de Verônica Roth pela Rocco (2012)
>>> Traité Clinique Et Pratique des Maladies Puerpérales Suites de Couches de E Hervieux pela Adrien Delahaye Libraire Éditeur (1870)
>>> Commentaires Thérapeutiques du Codex medocamentarius de Adolphe Gubler pela J B Bailliére Et Fils (1868)
>>> A Esperança de Suzanne collins pela Rocco (2012)
>>> Dictionnaire de Medicine de Chirurgie, de Pharmacie de E Littrè & Ch Robin pela J B Bailliére Et Fils (1865)
>>> Os Pensadores - Fichte de Johann Gottlieb Fichte pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Grandes Profetas de Nova Cultura pela Nova Cultural (1985)
>>> Reflexões Sobre a Historia Moderna de Hans Kohn pela Fundo de Cultura (1965)
>>> História da América Portuguesa de Rocha Pita pela Senado Federal (2011)
>>> Guia de Conversação Langenscheidt Inglês de Vários Autores pela Martins Fontes (1998)
>>> Dicionário Inglês Português / Português Inglês de Amanda Marques & David Draper pela Ática (1988)
>>> Francês Para Viagem e Dicionário de Vários Autores pela Berlitz (1991)
>>> No Giro do Mundo os Periódicos do Real Gabinete Português de Leitura 1 de Eduardo da Cruz ( Org. ) pela Real Gabinete Português de Leitura (2014)
>>> Dicionário Espanhol Português / Português Espanhol de Vários Autores pela Dcl
>>> RL - Uma Autobiografia de Rita Lee pela Globo Livros (2016)
>>> Minidicionário Ruth Rocha de Ruth Rocha & Hindenburg da Silva Pires pela Scipione (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1994)
>>> Dicionário Júnior da Língua Portuguesa de Geraldo Mattos pela Ftd (1996)
>>> Bá, Tchê! – Dicionário Temático de Luis Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros 1 - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1977)
>>> Dicionário de Porto-Alegrês de Luís Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (1999)
>>> Resistência dos Materiais de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1982)
>>> O Constitucionalismo democrático latino-americano em debate de Leonardo Avritzer/Lilian Cristina Bernardo Gomes (Org) pela Autêntica (2017)
>>> Reiki - Medicina Energética de Libby Barnett e Magie Chambers pela Nova Era (1999)
>>> Revista do Livro Ano V Número 20 Dezembro de 1960 de Lêdo Ivo, Mário de Andrade, Heitor Lyra e outros pela Instituto Nacional do Livro (1960)
>>> The Argumentative Indian - Writings on Indian History, Culture de Amartya Sen pela Picador (2005)
>>> O Encanto da Montanha & Caminho ao Lar de Linda Howard pela Harlequin Books (2010)
>>> Afrodiáspora 6 e 7 - Revista de estudos do mundo negro de Vários Autores pela Ipeafro (1985)
>>> Aventura Ardente de Diana Palmer pela Harlequin Books (2013)
>>> Indiscreta de Candace Camp pela Harlequin Books (2005)
>>> Meu Anjo de Sherryl Woods pela Harlequin Books (2005)
>>> Pido la Paz y la Palabra de Blas de Otero pela Cantalapiedra (1955)
>>> Steve Jobs de Walter Isaacson pela Companhia das Letras (2011)
>>> Sem Perdão de Frederick Forsyth pela Abril Cultural (1985)
>>> Comunidades imaginadas de Benedict Anderson pela Companhia Das Letras (2019)
>>> A Segunda Vitória de Morris West pela Abril Cultural (1985)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Rio Gráfica (1985)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/6/2010
Oversharing: que negócio é esse?
Vicente Escudero

+ de 16800 Acessos


GRETA GARBO: Eu quero ficar sozinha, Mark...
MARK: Só se for comigo.

Redes sociais exploram uma atividade econômica de interesse público e devem ser tratadas com o mesmo rigor legal dispensado a outras empresas que armazenam bancos de dados de informações privadas. Se o criador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, não foi informado disso, ou acredita que quinhentos milhões de pessoas não se importam em ter as informações de seus perfis compartilhadas com outros sites, é melhor abrir rapidamente o capital da empresa na bolsa de valores e pedir para os investidores começarem a assinar os cheques das indenizações de cada uma das class actions que vêm por aí.

A maioria das redes sociais nasceu com o propósito banal de permitir a seus membros que dividissem algumas informações, fotos e mensagens com amigos, sem se preocupar em compartilhá-las com outros sites ou terceiros.

Participar delas é uma escolha individual, naturalmente.

E isso tem uma razão bem simples: não são todos que querem ter suas informações divulgadas abertamente, permitindo a devassa diária da privacidade, seja por um amigo, um desocupado mal-intencionado ou um estelionatário pronto para aplicar algum golpe.

Depois de alguns anos, elas se multiplicaram. Todas as pessoas que você conhece criaram um perfil. Algumas redes cresceram valorizando a fidelidade de seus membros, respeitando os limites legais (Orkut), outras desapareceram no meio do caminho (ConnectU) e apenas uma delas quer ditar as regras do jogo, ser a dona da bola, do campo e, acredite ou não, dos jogadores: Facebook.

Foram seis anos estendendo seus tentáculos por todo o território dos Estados Unidos. Hoje, a maior rede social do mundo já fechou contratos com mais de quinhentos milhões de pessoas no mundo todo para armazenar suas informações. E mudou, constantemente, os termos de cada um deles.

As configurações dos perfis de seus membros, nos primórdios do Facebook, eram limitadas à máxima publicidade interna da pesquisa no próprio site. Hoje, o perfil padrão compartilha com toda a internet o nome do membro, seus posts, fotos, rede de amigos e indicações de sites, restando de fora desta publicidade plena apenas as informações de contato e a data de aniversário. Toda esta transformação ocorreu sob os olhares desconfiados de uma pequena parte dos usuários nestes últimos seis anos, culminando na enxurrada de críticas do início deste ano.

Pior do que não resolver estes abusos foi a forma como as alterações foram apresentadas por Zuckerberg. Nas palavras do sujeito que entregava cartões de negócios supostamente contendo a singela frase "I'm CEO... bitch!", as alterações nos perfis dos usuários realizadas unilateralmente pelo site representam uma nova forma de navegar na web e dividir as informações com o público. Um observador atento, conhecedor de todas as alterações ao longo do tempo nos padrões de compartilhamento das informações dos perfis, poderia identificar no discurso revolucionário a hipocrisia de quem alterou a rota do barco antes mesmo de sair do porto, sem avisar a tripulação. O discurso oficial do Facebook tem sido uma mistura de eufemismos e boas intenções que tentam esconder o desejo não de dominar a internet, mas de ser a internet. Hoje você utiliza seu navegador e compra alguns livros na Amazon. Daqui a alguns anos, você vai se conectar ao Facebook para comprar alguns livros no aplicativo que roda no site, customizado de acordo com suas informações pessoais e com o conteúdo escolhido por alguém do Facebook.

Censores? Entre os meses de abril e maio de 2009, as mensagens particulares enviadas através do site, que continham links do PirateBay foram bloqueadas sem nenhuma explicação. Ao contrário das contas de e-mail comuns, em que os arquivos são analisados em busca de vírus e os spams são separados em uma caixa específica, o sistema do Facebook impedia o envio das mensagens e informava ao remetente que não havia sido possível entregá-la pela identificação de conteúdo abusivo. Alguns analistas levantaram a hipótese de que o site estaria infringindo a lei sobre escutas telefônicas e de dados ao analisar o conteúdo das mensagens, alegando ainda que a medida também seria abusiva pois os arquivos do sistema de torrents não são produto de pirataria ou ilegais em sua totalidade.

Os efeitos destes atos praticados pelo Facebook estão ligados diretamente ao fenômeno do oversharing, a exposição de informações em excesso na internet. No caso das redes sociais, uma exposição sem considerar os limites da privacidade e os problemas decorrentes de sua violação. Enquanto a maioria das pessoas não sofre suas consequências nefastas, a publicidade total de conversas, fotos e informações pessoais parece não ser um problema. Mas quando se olha para o oriente, especificamente para a China, onde milhares de funcionários do governo estão vasculhando diariamente a internet para vigiar o comportamento dos cidadãos, especificamente sobre suas opiniões políticas, não é confiável permitir que um terceiro disponibilize publicamente, sem aviso prévio, todas as opiniões de chineses sobre a democracia e o mal que faz a sua falta.

O Facebook é uma boa rede social pelas pessoas que a integram e não pela forma desorganizada que é administrada. Mark Zuckerberg e seu alto escalão não imaginam as consequências judiciais que podem sofrer com essa escalada de rompantes autoritários na direção da empresa, durante todos esses anos. Assim como as informações públicas dos usuários do Facebook, todas as decisões tomadas pelo Facebook são analisadas por toda a internet, ainda que o CEO e sua equipe pareçam acreditar no contrário, como no caso da doação feita por Zuckerberg à candidata declarada a concorrente do Facebook, a startup Diáspora.

Vale ressaltar que todas as mudanças nos padrões de publicidade das informações dos usuários do Facebook, até hoje, sempre foram defendidas em discursos maçantes pelo CEO, com o mesmo argumento vazio de que havia chegado a hora de mudar a forma de compartilhar as informações na internet, diminuindo a privacidade ao mínimo. Mas duas perguntas nunca foram respondidas por Zuckerberg: por que as pessoas precisam de menos privacidade e qual a vantagem desta mudança para a sociedade.

Alguém precisa informar Zuckerberg e sua trupe que o oversharing de decisões atabalhoadas e as constantes violações da privacidade dos usuários do Facebook vão tornar os passados irreversíveis e os futuros imutáveis. Para aqueles que utilizam o Facebook e para seus criadores...


Vicente Escudero
Campinas, 24/6/2010


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2010
01. Oversharing: que negócio é esse? - 24/6/2010
02. Colocando o preto no branco das câmeras digitais - 12/8/2010
03. WikiLeaks, o melhor de 2010 - 9/12/2010
04. Ausência do mal? - 15/4/2010
05. Cultura do livro digital? - 11/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SOCIEDADE PÓS-CAPITALISTA
PETER DRUCKER
PIONEIRA
(1999)
R$ 13,00



HUMOR 100% SEXUAL
NANI
DESIDERATA
(2007)
R$ 12,00



NINTENDO WORLD--6--NOS TEMOS A FORÇA!
CONRAD
CONRAD
R$ 18,00



ENFIM SÓS!...
MÁRCIA LEITE
SCIPIONE
(1991)
R$ 5,00



NEOCONSUMIDOR DIGITAL, MULTICANAL & GLOBAL
MARCOS GOUVEA DE SOUZA
GS & MD
(2009)
R$ 20,00



CHICO XAVIER E NOSSO LAR EM CORDEL F. A. LISBOA
F. A. LISBOA
CLARIM
(1994)
R$ 5,00



A SOLUÇÃO VIAGRA A CURA DA IMPOTÊNCIA
DR. STEVEN LAMM
RECORD
(1998)
R$ 26,91



GRANDE ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL 18
VÁRIOS AUTORES
NOVA CULTURAL
(1998)
R$ 6,90



SENTIDO DINÂMICO DA DEMOCRACIA
ELIAS CHAVES NETO
BRASILIENSE
(1982)
R$ 25,00



O OBSCENO PÁSSARO DA NOITE
JOSÉ DONOSO
CÍRCULO DO LIVRO
(1990)
R$ 21,00





busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês