Eleição para boi dormir? | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
68461 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
>>> Inscrições abertas para 4ª Residência Artística Virtual Compartilhada
>>> Exposição 'Mundo Sensível dos Mitos' abre dia 29 de julho em Porto Alegre
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A memória vegetal
>>> VergonhaBrasil
>>> Juditha Triumphans, de António Vivaldi
>>> A trilogia Qatsi
>>> A pata da gazela transviada
>>> dinosonic
>>> Entrevista com Claudio Willer
>>> E assim se passaram dez anos...
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> Sermão ao cadáver de Amy
Mais Recentes
>>> Livro Mulheres Dos Anos Dourados de Carla Bassanezi Pinsky pela Contexto (2014)
>>> Liveo Eclipse - Série Crespúslo de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> 100 Camisas Que Contam As Historias De Todas As Copas de Marcelo Duarte pela Panda Books (2024)
>>> Speakout Advanced 2nd Edition Students' Book With Dvd-rom And Myenglishlab Access Code Pack de Antonia Clare, Jj Wilson pela Pearson Education (2018)
>>> Traits Writing Student Handbook Grade 4 de Ruth Culham pela Ruth (2024)
>>> Livro Do Queijo de Juliet Harbutt (org. ) pela Globo (2010)
>>> Scooby Doo And The Weird Water Park (scooby-doo 8x8) de Jesse Leon Mccann pela Scholastic Paperbacks (2000)
>>> Spider-man 2: Hurry Up, Spider-man! de Kate Egan pela Festival (2004)
>>> Spider-man 3: Meet The Heroes And Villains (i Can Read: Level 2) de Harry Lime pela Harper Trophy (2024)
>>> Bakugan: Finding Drago de Tracey West pela Scholastic Inc. (2009)
>>> Medicina Integrativa: A Cura Pelo Equilibrio de Lima pela Mg (2024)
>>> Bem-vindo, Doutor: A Construção De Uma Carreira Baseada Em Credibilidade E Confiança de Renato Gregorio pela 62608 (2024)
>>> Problemas Atuais De Bioética de Leocir Pessini pela Edições Loyola (2020)
>>> À Meia Noite Levarei Sua Alma - O Estranho Mundo do Zé do Caixão de Laudo pela Nova Sampa (1995)
>>> Inglês Em Medicina de Vários Autores pela Manole (2024)
>>> Firestone de Roberto, Firestone Tire And Rubber Company Bascchera pela Dezembro Editorial (2024)
>>> Guia Josimar Melo 2004 de Josimar Melo pela Dba Dória Books And Art (2024)
>>> O Que Todo Médico Deve Saber Sobre Impostos, Taxas E Contribuições de Fábio K. Ejchel pela Edgard Blücher (2009)
>>> Compass American Guides: California Wine Country, 5th Edition (full-color Travel Guide) de John Doerper, Constance Jones, Sharron Wood Fodor's pela Compass America Guides (2007)
>>> Professoras Na Cozinha. Pra Você Que Não Tem Tempo Nem Muita Experiencia de Laura De Souza Chaui pela Senac (2024)
>>> The Penguin Good Australian Wine Guide 2007 de Huon Hooke pela Penguin Books Australia (2007)
>>> Guia Ilustrado Zahar: Azeite - Eyewitness Companio de Charles Quest-ritson pela Jorge Zahar (2011)
>>> Vinho Sem Segredos de Patricio Tapia pela Planeta (2024)
>>> Sentidos Do Vinho, Os de Kramer pela Conrad (2024)
>>> Buyer's Guide To New Zealand Wines 2007 de Michael Cooper pela Michael (2024)
COLUNAS >>> Especial Eleições 2010

Terça-feira, 7/9/2010
Eleição para boi dormir?
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 5000 Acessos
+ 1 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

A eleição para Presidente da República está marcada pela preferência majoritária por três candidatos: Dilma Rousseff, José Serra e Marina Silva. Eles são o ponto nevrálgico da disputa. É em torno deles que se constitui toda a retórica das eleições. Vou comentar abaixo individualmente sobre cada um deles.

Dilma Rousseff
Já saindo com uma vantagem invejável, a candidata do PT, Dilma, tem por trás dessa posição um governo que, querendo ou não, caiu nas graças da população. A economia sobcontrole (ao menos aparentemente, pois há muita água suja por trás desse controle) satisfaz um eleitorado que há muito não ouve estatísticas assustadoras sobre desemprego, inflação galopante, desestabilização da economia. Isso gera uma sensação de conforto que discurso opositivo nenhum consegue desmontar. Ninguém quer sair desse conforto produzido pelos 8 anos de PT no poder. As classes média, baixa e alta estão despreocupadas. E isso é bom para a candidatura de Dilma.

Depois de eleito, Lula (e o PT, consequentemente) conseguiu afastar de si a imagem do operário, proletário, radical, sendo reconhecido mundialmente por sua história sindical (não revista criticamente ainda) e por ter se tornado líder "operário" de um país com aspirações liberais e democráticas e em estado de franco desenvolvimento. A imagem do Brasil no exterior cresceu em importância (somos um potencial em consumidores, ora bolas) e pensa-se que isso se deve a Lula unicamente, esquecendo-se das várias atuações de Fernando Henrique Cardoso fora do Brasil, anos atrás, preparando o terreno para o que Lula computou para si mesmo como atributo positivo de sua política de relações exteriores e não virtude do governo anterior.

Dilma, substituta de Lula escolhida pelo PT, aproveita a boa imagem do governo Lula e já tem quase certa sua vitória. Ninguém mexeria em time que está ganhando. Há um componente simbólico também na eleição de uma mulher, o primeiro presidente do sexo feminino no Brasil, como aconteceu no Chile com Michelle Bachelet. (Antes de ser presidente, Bachelet apoiou o Partido Socialista na clandestinidade e, por este motivo, foi presa com sua mãe em 10 de janeiro de 1975, sendo torturada e interrogada. Depois de um ano de reclusão, mãe e filha partiram ao exílio na Austrália, para partir mais tarde para a Alemanha Oriental). Isso em tempos que temos como memória recente a emocionante vitória de Barack Obama como primeiro presidente negro dos EUA... Uma vitória que simbolicamente redime décadas do estúpido racismo americano. Portanto, os tempos são outros, com ventos favoráveis a uma democracia que afasta velhos clichês, sejam eles sexistas ou racistas. Mulheres e negros no poder são sintomas de que o velho mundo não vale mais nada e que se assentava em preconceitos marcadamente equivocados e medíocres.

Evidente que tudo isso por si só não garante qualidade governamental, mas torcemos que sim. Dilma é uma candidata que, se não tivesse a garantia de um governo por trás de si, talvez não aguentasse sozinha o páreo da disputa com Serra e Marina, pois tem dificuldades visíveis para se confrontar com entrevistadores, opositores, deixando claras as suas contradições e insegurança. As plásticas que a rejuvenesceram (sugestão de nossa querida Marta Suplicy?; essa, sim, a candidata de meus sonhos) lhe deram segurança quanto à aparência, mas não quanto a exposição clara de seu programa de governo. Afinal, vamos avançar em relação aos buracos deixados por Lula ou não? Pois sabemos que estamos ainda num país onde se concentra uma grande riqueza nas mãos de poucos e muita miséria na vida da maioria da população. Conseguir pagar um carro em centenas de prestações não nos livra da falta de hospitais e médicos para a população, da falta de escolas públicas de qualidade e professores bem pagos, de salários decentes para todos (ou seja, distribuição de renda).

Dilma, nossa próxima presidenta, representa o PT moderado, que expulsou seus radicais de seu quadro e se adéqua bem ao liberalismo moderno exigido pela democracia europeia e americana, sem prejuízos maiores para os donos do poder (banqueiros e industriais, principalmente).

José Serra
O candidato José Serra tem para si o segundo lugar garantido. Ele conjuga votos de pessoas geralmente de classe média, que se sentem mal com o cheiro do povo representado num partido como o PT (e seu ícone operário Lula) com afeições pelo MST, Cuba, Hugo Chaves etc. Além disso, Serra representa a classe alta paulista, antipopular em sua representação, e o passado do governo FHC, com sua tentativa de privatizar nossas empresas e riquezas, universidades, que fez o povo sentir na pele a alta dos preços de tudo etc. Uma péssima lembrança para uma população que via todo dia a maquininha de marcar preço em produtos de supermercado em ação.

Para professores ele é uma péssima impressão também, de um governante que deixou policiais espancarem os educadores dos filhos da classe pobre e média deste país. Professor mal pago e magoado não é boa política. Tratar manifestação de professores como caso de polícia é cutucar onça com vara curta. E Serra carrega essa imagem nas costas. Não quero discutir o valor de Serra ― que ele tem, com certeza ―, mas o efeito que sua imagem causa no eleitorado.

Portanto, o candidato preferido pelo PSBD, que afastou a liderança mineira menos carrancuda de Aécio Neves, não tem uma impressão tão positiva como Dilma a passar para o eleitorado. Ou o PSDB renova sua atitude, se tornando humilde e escolhendo um candidato mais popular, ou vai derrapar na areia movediça de seu ego inflado (aristocrático?).

Marina Silva
A Marina Silva, terceiríssimo lugar, com uma margem de voto pequena e o peso de ser evangélica, vai conseguir votos de fiéis da sua igreja e ingênuos defensores do ambiente, que veem nela uma espécie de terceira via para o quadro acima esboçado.

À imagem da mulher pobre, magricela, desnutrida, alfabetizada depois de adulta, se junta aquela de uma guerreira, heroína, que venceu os dissabores da vida e aponta para uma área de interesse coletivo: a proteção do meio ambiente.

Fugindo nos debates de questões modernas e de interesse geral, como, por exemplo, o aborto e as drogas, Marina tem se esquivado de ser ela mesma, de defender seus próprios pontos de vista, acionando, como político velho de guerra, estratégias de falsa retórica para se desviar do perigo de ser tachada de atrasada, religiosa e perigosa para a democracia liberal.

Vendendo a imagem de "pura", como se sua política se opusesse a do governo Lula por não aceitar suas ligações com setores do poder para lá de comprometidos com corrupção, com roubalheira, crimes do colarinho branco etc., Marina não conseguiria governar sem fazer os mesmo conchavos que o PT tem feito (até com pessoas como Collor, Sarney e Maluf, filhotes da ditadura, que hoje defendem o governo Lula em troca de benesses governamentais).

A lisura de Marina não se sustentaria (se sustenta com o vice que escolheu, o presidente da Natura?), tendo que conseguir governar ao preço de vender sua suposta pureza de caráter para velhos políticos, sedentos não de impor suas ideologias, mas de permanecer a todo custo no poder onde mamam desavergonhadamente em tetas bem gordas e que dão leite como o mel que nasce no paraíso: a custo de nada e do esforço de toda a população.

Conclusão
Nessa guerra onde está antecipadamente definida a vitória de Dilma, talvez não tenhamos a esperança de uma renovação mais radical do fato mais urgente desse país: a distribuição de renda.

Continuamos com problemas seriíssimos a resolver e que custariam ao menos os dedos e os braços dos donos do poder. Mas estes não estão dispostos a perder a posição em que se encontram, preferindo sonhar com a benevolência de um governo petista acomodado ao poder e distante do pesadelo que poderiam produzir se constestassem de uma vez por todas o poder daqueles que exploram a vida e o trabalho dos mal pagos trabalhadores brasileiros. Esse pesadelo eles não vão ter, pois a rédea curta que prende o PT é construída com o legítimo e refinado coro da conformidade que o poder cria.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 7/9/2010

Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


Mais Especial Eleições 2010
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/9/2010
22h53min
E pensar que política já foi discutida por Platão, Maquiavel, Hobbes, Rousseau, Marx. E hoje vemos tipos como Netinho, Ronaldo Esper, Tiririca, Batoré, Marta, Mulher Melão, pastor fulano e Padre Beltrano. Alguém acredita ainda em política? Dilma, Serra ou Marina, que importa? Quem governa é Deus (Barack).
[Leia outros Comentários de Marcos Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Filho Da Crise
Rogério Godinho
Matrix
(2011)



Pão Diário Nº 16
Vários autores
Rbc
(2012)



Enciclopédia do Patrimônio da Humanidade - Volume 1 (Grécia a Chipre)
Jilena Castillo (Ed.)
Altaya
(1998)



People Empowerment Agaist
Miguel G. Coronel
Foreword
(1996)



A Psicossomática
Marc Dumas
Loyola
(2004)



Livro Administração Precisa-se (de) Ser Humano Valores na Formação Profissional
Robson Goudard Santarém
Qualitymark
(2004)



A nova lógica do sucesso
Roberto Shinyashiki
Gente
(2015)



Playboy Edição Colecionador- 1975 -2003 - A História da Revista Em 337 Capas
Revista Playboy
Abril
(2003)



Livro Capa Dura Infanto Juvenis 18 Histórias de Princesas e Fadas
Vários Autores
Ciranda Cultural
(2006)



Crescer, Não Destruir
Robert M. Tomasko
Campus
(1997)





busca | avançada
68461 visitas/dia
2,1 milhões/mês