Poesia em zona de perigo: Donizete Galvão | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> ABERTURA DA EXPOSIÇÃO “O CAMINHO DAS PEDRAS'
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Notas de um ignorante
>>> Alumbramento
>>> Por que o Lula Inflado incomoda tanto
>>> Rumos do cinema político brasileiro
>>> Black Sabbath 1970
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Manual prático do ódio
>>> Rhyme and reason
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
Mais Recentes
>>> Reaprendendo o Português [Capa Dura] de Carlos Eduardo de Bruin Cavalheiro (org.) pela Edic (2010)
>>> Revista Conexão Geraes: Seguridade Social Ampliada n6 ano 4 de Taysa Silva Santos; Soraya Magalhães Pelegrini; Matheus Thomaz da Silva pela Crssmg (2015)
>>> Revista Conexão Geraes: A Dimensão Técnico-Operativa no Serviço Social n3 ano 2 de Kênia Augusta Figueiredo; Elaine Rossetti Behring; Ana Cristina Brito Arcoverde pela Crssmg (2013)
>>> Revista Conexão Geraes: Expressões socioculturais n5 ano 3 de Carlos Montano; Cézar Henrique Maranhão; Yolanda Demétrio Guerra pela Crssmg (2014)
>>> Revista Conexão Geraes: Relatório de Gestão n8 ano 6 de Luana Braga; Rosilene Tavares; Marisaura pela Crssmg (2017)
>>> Revista Conexão Geraes:30 Horas Lei é Para Cumprir n7 ano 5 de Ivanete Boschetti; Ricardo Antunes; Marisaura dos Santos Cardoso pela Crssmg (2016)
>>> Revista Conexão Geraes: Direito à Cidade n4 ano 3 de Maria Lúcia Martinelli; Duriguetto; Joviano Mayer pela Crssmg (2014)
>>> Saúde Mental no SUS: Os Centros de Atenção Psicossocial de Ministério da Saúde pela Sas (2004)
>>> Ensaios Ad Hominem 1: Tomo 3 - Política de J. Chasin pela Ad Hominem (2000)
>>> Revista Histórica de Contagem 102 Anos de Ciro Carpentieri Filho pela Fundac (2013)
>>> O Brasil Desempregado de Jorge Mattoso pela Perseu Abramo (1996)
>>> Caderno do Plano de Manejo Orgânico de Mapa pela Secretaria de Cooperativismo (2014)
>>> Manual de Arborização Capa Verde de Cemig pela Cemig
>>> Manual de Arborização de Cemig pela Cemig (1996)
>>> Mata Atlântica: Mapa da Área de Aplicação da Lei n 11.428 de Ibge pela Ibge
>>> MG Biota v. 11 n 1 de Biologia Floral; aposematismo pela Ief (2018)
>>> MG Biota v. 10 n. 2 de Anfíbios pela Ief (2017)
>>> MG Biota v. 10 n. 1 de Germinação; Capões de Mata pela Ief (2017)
>>> MG Biota v. 10 n. 3 de Recuperação de Áreas Degradadas pela Ief (2017)
>>> MG Biota v. 6 n. 1 de Cerrado; Vale do Jequitinhonha pela Ief (2017)
>>> Informe Agropecuário 244 de Áreas Degradadas pela Epamig (2008)
>>> Informe Agropecuário 285 de Déficit Hídrico pela Epamig (2015)
>>> Informe Agropecuário 287 de Agricultura Orgânica e Agroecologia pela Epamig (2015)
>>> Contos de Amor e Morte de Arthur Schnitzler; George Bernard Sperber (trad.); Wolfgang Bader (apr.) pela Companhia das Letras (1999)
>>> Um Jovem Americano de Edmund White; Augusto de Oliveira (trad.) pela Siciliano (1995)
COLUNAS

Terça-feira, 21/9/2010
Poesia em zona de perigo: Donizete Galvão
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O novo livro de poesias de Donizete Galvão tem um tom grave. Diferente dos outros, onde o poeta buscava uma certa transcendência através da transfiguração dos elementos do mundo, o que se publica agora desvela perdas, retalhos, estilhaços. Mais doloridos, os poemas não são melancólicos como em outras safras. Aferram-se a uma certa brutalidade dos fatos.

Talvez uma resposta irritada a um estado de coisas que já o cansou. Decide, por isso, aceitar mais o fato (com nervos expostos, é claro) de que nós e, por que não, o mundo, temos como marca principal o fato de termos nos tornados seres inacabados, como sugere o título do seu livro O homem inacabado, editado pela Portal Editora.

Diferente da ideia de se tirar leite das pedras, agora Galvão decide dar ouvido às pedras por elas mesmas. Revela "o grão amargo do equívoco", mas sabe que "ninguém sai dele de mãos vazias", como sugere no poema "Saturação". E a ideia do próprio título do poema não revela o que eu disse acima? Saturado, o poeta deixa os estilhaços aparecerem na sua poética, às vezes em belíssimas imagens, plásticas, mas violentas, como no fantástico poema "A romã": "aberta/ ― cicatriz risonha ―/ a exibir dentes de rubis", mas sangrenta fruta como "ninfa deflorada".

Não há mais morada tranquila nessa poesia que é "cicatriz de um ninho quente", "infância onde o homem já não cabe", como no poema "(Abrigo)". O abrigo do título do poema se fecha em parênteses como proteção ou prisão? Ao terminar o livro com o poema "Um outro homem inacabado" não faz mais que concluir de forma dura o sentido da existência na cidade moderna, onde "cada homem é estilhaço,/ entulho jogado na caçamba".

Na incerteza do existir, na total ausência de concretude, tomado pelo mundo flutuante, o poeta anota a identidade entre a "cidade impermanente" e o fato de que ali o "homem jamais está inteiro". Retalhos, mutações, perdas, demolições, palavras que revelam a total irrelevância de se tentar construir um lar para si mesmo, que seria o mesmo que plantar uma "flor amarela que teima em brotar/ em zona de perigo".

O sinal mais trágico dessa poesia se revela na irrelevância da transcendência, ainda no poema "(Abrigo)", quando o poeta mira uma "casa branca" e "imaterial" como possibilidade perdida de guarida, pois "a vida/ já perdeu/ o seu sal". Resultado de uma depreciação do humano no mundo fetichista de uma existência falsa, apenas imagética, onde não se precisará da organicidade do suor do rosto, nem do rosto, posto que os seus músculos são apenas "um objeto em desuso".

Os poemas são, um após o outro, uma "guerra íntima", sem "nenhum indício de paz", já que a existência se concretiza apenas na negação, como no poema "Esquivo", onde a sombra do poeta é fora de foco, do eixo, da ordem, da forma, "vulcão de afeto,/ tua desavença/ com o mundo".

Retomando a ideia da alienação do trabalho, tal como Marx a via, o poeta denuncia o vazio sisifiano do existir: "Preso no círculo da repetição/ morre um pouco/ ao fim de cada dia". Não é um poema social, mas, ao contrário, uma percepção existencial da impossibilidade de se realizar inteiramente em qualquer tarefa, já que, como no poema "Uso", "o que o homem gasta/ em suas mãos/ adquire a aura/ de suas dores".

O que pensar do poema "Vida minúscula" se não que o poeta, esse ser descentrado, teve uma destinação traída, alimentado por "um veneno/ que o aparta dos seus", fazendo-o viver "num mundo/ que sempre lhe será estranho". Errado nos dois mundos, o da terra, da enxada, das tarefas e "da descoberta da língua" desordinária (da poesia), ele se condena à errância. A imagem que se adéqua a essa ideia pode ser lida em alguns dos versos do poema "Relento":

"na terra e no vento
no desamparo da queda
sem colo
ventre
útero
como último abrigo".

O poeta se conscientiza de sua total inadequação e também de sua total inutilidade. Poemas para quê? Metáfora disso está em "O cortador de bambus":

"Cortei bambu: para ti, meu filho
quando não precisamos mais de bambus
se temos cimento e tijolos?".

Um outro poema merece destaque, é "Night Windows". Talvez um dos mais pessimistas do livro, pois leva às últimas consequências a ideia do fracasso da existência deste "homem inacabado". Consumido na solidão das noites, "está por um fio" e poder vir a ser "um corpo que cairá no negrume da noite":

"O quarto está deserto
Uma das janelas está aberta.
O vento suga a cortina branca para fora da casa.
Alguém está por um fio.
Alguém aposta sua última ficha.
Um corpo cairá no negrume da noite".

Vários poemas no livro podem estar falando da condição do poeta, ou da condição humana como um todo, como uma condenação ao desterro. Em "Anedota japonesa" as imagens da vida negativa desfilam para um final no mínimo pessimista. Imagens de peixes mecânicos, terno de vidro quebrado, armários de espanto, corvos com bicos de ferro que furam o cérebro, vísceras de Mishima... imagens de uma solidão atroz pela qual "Nenhum cão na imensa Tóquio ganirá".

A orelha do livro, escrita por Reynaldo Damazio, relembra "a imagem do anjo de Klee, contemplando as ruínas do mundo, evocando a situação do poeta no tempo presente". E se o corpo, lugar da existência aos pedaços, é pura miséria na poesia de Galvão, as ilustrações do artista plástico Rogério Barbosa radiografam os destroços.

Donizete Galvão afina sua língua nesse novo livro com poesias agora mais ácidas e fruto de tormentos, mas se o que emite é "grito, gemido, uivo, corte, ferimento", o que se pode ver é que aqui é que sua poesia tem ainda mais "cabimento".

Nota do autor
Para comprar o livro acesse www.portaleditora.com.br.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 21/9/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz de Heloisa Pait
03. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura de Jardel Dias Cavalcanti
04. Américas Antigas, de Nicholas Saunders de Ricardo de Mattos
05. Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/9/2010
11h07min
O bom da poesia é que o poeta aprende a juntar o concreto com o abstrato, ou até mesmo com o lúdico. E viaja na poesia, como quem busca o finito do infinito.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amor na boca do túnel
Edilberto coutinho
tempo brasileiro
(1992)



Metadologia da Pesquisa Juridica
Eduardo C B Bittar
Saraiva
(2002)



Consolidação das Leis do Trabalho Constituição Federal e Legislação
Rideel
Rideel
(2011)



Antologia Poética de Lêdo Ivp - Coleção Prestigio
Walmir Ayala
Ediouro
(1991)



Formaturas Infernais
Meg Cabot
Galera
(2009)



Amar é Servir
Isabel Lins
Construir
(2003)



Administração
Peter F Drucker
Pioneira
(1975)



Terra Espetacular
Seleções do Readers Digest
Readers Digest
(1997)



As Fúrias Invisíveis
Ricardo Ramos
Círculo do Livro



Galileu - Pensamento, Vida e Obra
Vários Autores
Ct
(2011)





busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês