Machado de Assis, Huysmans e os rabos de gato | Eugenia Zerbini | Digestivo Cultural

busca | avançada
59113 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 27/6/2013
Machado de Assis, Huysmans e os rabos de gato
Eugenia Zerbini

+ de 3400 Acessos


Raoul Dufy(1877-1953)

Ao contrário de duas linhas paralelas, que se cruzam apenas no infinito, as obras de dois escritores do século XIX - o brasileiro Machado de Assis (1839-1908) e o francês J.K. Huysmans (1848-1907) - podem ter convergido, ao menos uma vez, para o mesmo ponto

Contemporâneos, embora com personalidades e estilos distintos, ambos lançaram mão de idêntico artifício - o apelo à presença doméstica de seus felinos - para resolver a tensão dos delírios de seus textos. Machado, na conclusão de um dos capítulos de Memórias Póstumas de Brás Cubas, obra seminal na literatura brasileira. Huysmans, em Croquis Parisiens, volume de menor destaque no conjunto de sua obra, cuja peça central é o romance A Rebours (Às avessas, na magistral tradução para o português de Pedro Paulo Paes, publicada pela Companhia das Letras), a bíblia do decadentismo, livro que instiga até hoje.

Machado de Assis alcançou uma estatura nas letras brasileiras que ultrapassa os limites concedidos à Huysmans na literatura francesa. Não obstante, haverá sempre espaço para uma crítica mais afiada, no sentido de que o brilho do escritor francês encontrou limite na sombra projetada por melhores concorrentes. O autor de Memórias Póstumas de Brás Cubas, entretanto, só tardiamente teve seu talento reconhecido fora do Brasil. É Susan Sontag, discorrendo sobre Epitaph of a small winner (título da tradução inglesa) quem afirma, em ensaio reunido em Questão de ênfase, que "Machado seria mais conhecido se não fosse brasileiro e se não tivesse passado toda sua vida no Rio de Janeiro - se, digamos, fosse italiano ou russo, ou mesmo português".

Huysmans teve a sorte de ser francês, no tempo em que a França era o dínamo cultural do Ocidente. O livro que o imortalizou, Às avessas, publicado em 1884, nas palavras do próprio autor, "caiu como um meteorito na quermesse literária" e logo se projetou internacionalmente. Seis anos depois, Oscar Wilde, em O retrato de Dorian Gray, já se referiu à obra. Atrás do livro amarelo que Lord Henry Wotton coloca nas mãos do protagonista está o Against the Nature, como é conhecido em inglês.

A intersecção das linhas representada pelos dois criadores ocorrerá, como já adiantado no início, através das páginas de Memórias Póstumas, de autoria daquele primeiro, e de Croquis Parisiens, deste último. Croquis é uma coletânea de textos curtos e híbridos, alguns com um pé no naturalismo, outros fora dessa objetividade. Assim, de um lado, encontram-se perfis de tipos parisienses (como a clássica passante, o vendedor de castanhas); descrições de locais de Paris (tais como a Rue de La Chine e o rio La Bièvre, hoje oculto em sua passagem pela cidade); outros, ainda, lembrando esboços de uma obra maior (as oito partes dedicadas ao Folies-Bergère).

De outro lado, na seção final intitulada "Fleurs de narine" ("Flores de narina"), foram incluídas duas peças de tom diferente, uma delas sob o título "Les similitudes" ("As semelhanças"). Fugindo da dicção naturalista das descrições e adiantando o estilo transbordante e precioso de Às avessas, Huysmans comporá a cena de um turbilhão de sensações despertadas por perfumes, que se transmutam em mulheres, que em seguida evocam cores. Esse amálgama, que no início se insinua delicado, muda de aparência, tornando-se terrível, cruel, com figuras femininas titânicas, extra-naturais e até de outros planetas. É a orquestração de um portentoso delírio, que começa do nada e, como em uma peça musical, em ritmo sempre crescente, alcança o quase insuportável para, de modo brusco, ser interrompido por meio do despertar e do reencontro do prosaico do cotidiano. Essa âncora para o real é personificada em uma gata, Ícara. Feminino pouco usual para Ícaro - aquele que pagou com a morte a audácia de desejar alcançar o céu. De modo sintético, cita-se o início, dá-se uma amostra do meio e passa-se à conclusão desse texto:

"As cortinas ergueram-se e as estranhas beldades que se comprimiam atrás da janela avançaram em minha direção, umas em seguida às outras. Primeiro foram as mornidões vagas, vapores morrentes do heliotrópio e da íris, da verbena e do resedá que me penetraram com esse charme tão bizarramente queixoso dos céus nebulosos do outono, as brancuras fosfóricas das luas em suas plenitudes, mulheres de aparências indecisas, contornos flutuantes, cabelos de um loiro acinzentado, pele rosa azulado das hortênsias, e suas saias irisadas por luares que se apagavam.
...........................................
Depois vieram as aparições espectrais, os abortos de pesadelos, assombro das alucinações, destacando-se sobre fundos impetuosos, sobre fundos verde acinzentados e sulfurosos, nadando em brumas de pistache, em azuis de fósforo, belezas enlouquecidas e inspiradoras de infelicidades, mergulhando seus estranhos encantos físicos na surda tristeza dos violetas, no amargo brilhante dos alaranjados, mulheres de Edgard Allan Poe e de Baudelaire, de poses atormentadas, lábios cruelmente sangrentos, olhos marcados por ardentes nostalgias, aumentados por alegrias sobre-humanas, Górgonas e Titânides, mulheres extraterrestres
..................................................
Eu acordo - mais nada. - Sozinha, aos pés de meu leito, Ícara, minha gata, havia erguido a coxa direita e lambia com sua língua rosa seu vestido de ruivos pelos".

Pelo fato de Memórias Póstumas de Brás Cubas ser um clássico conhecido, leitura obrigatória nas escolas do país, dispensa-se a transcrição do capítulo VII, "O delírio". Cavalgando um hipopótamo, Brás viaja até as origens dos séculos, encontrando Pandora. Cada vez mais aturdido pela espiral do desfile dos séculos, o protagonista vê de repente sua montaria diminuir "até ficar do tamanho de um gato". Conclui o personagem: "Encarei-o bem; era o meu gato Sultão, que brincava à porta da alcova com uma bola de papel...".

O delírio de Huysmans é ligado aos sentidos, construído em cima da teoria das correspondências, tão cara aos poetas simbolistas. As semelhanças a que se refere são sensuais, ainda que de uma sensualidade trágica e dolorida. O sonho machadiano, focalizado na passagem do homem através da História, apesar de delírio, seria - diga-se - instrutivo, ao descrever as fragilidades da condição humana. Em ambos, porém, a presença do mesmo feminino terrível, Pandora, que se apresenta como mãe e inimiga.

Nessas duas grandes cenas fazem-se presentes os mesmos elementos estruturantes: paradoxos, idas e vindas, à maneira das variações musicais sobre o mesmo tema, com o aumento gradativo da pressão sobre o narrador que, acuado pelas visões, encontra uma válvula de escape inesperada, por meio de um elemento doméstico - Ícara, no caso de Huysmans; Sultão, no texto de Machado de Assis.

A esta altura, a única indagação pertinente recai sobre a possibilidade das datas.Memórias Póstumas, como é sabido, foi publicado em forma de livro em 1881. Mas, no formato de folhetim, foi objeto de publicação na Revista Brasileira, a partir de março do ano anterior. Seria impossível que Croquis Parisiens, saído da prensa em fevereiro de 1880, tivesse desembarcado no Rio de Janeiro a tempo de influenciar Machado. Ocorre que "Les similitudes", em forma mais curta e com outra introdução, fora publicado bem antes, em 6 de agosto de 1876, no semanário francês Republique des Lettres, de larga circulação internacional.

Pouco muda nessa primeira versão do texto, exceto que será um anão que irá levantar a cortina que dará acesso ao narrador ao mundo surreal dos sentidos e aparições, sendo mantida com todas as letras a cena final, protagonizada pela gata Ícara, símbolo da queda daqueles que almejam equiparar-se aos Divinos.

Doravante, portanto, aos textos que influenciaram o Bruxo do Cosme Velho e foram trazidos para o corpo de sua obra máxima, caberá fazer justiça à sua leitura dos escritos de Huysmans, seu contemporâneo em Paris. Conforme o prólogo de Memórias Póstumas, Machado confessadamente adotou a forma livre de Laurence Sterne e de Xavier de Maistre, assumindo depois também a influência de Almeida Garret. No capítulo VII - segundo Francisco Achcar, comentador de sua obra, "a primeira narrativa fantástica no Brasil" - inconfessadamente valeu-se da ideia daquele escritor francês.

Nota do Editor::
Leia também os textos "Sultão e Bonifácio", de Guilherme Pontes, e "Histórias de Gatos", de Carla Ceres.


Eugenia Zerbini
São Paulo, 27/6/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bates Motel, o fim do princípio de Luís Fernando Amâncio
02. Notas confessionais de um angustiado (VI) de Cassionei Niches Petry
03. Super-heróis ou vilões? de Cassionei Niches Petry
04. Omissão de Ricardo de Mattos
05. A selfie e a obsolescência do humano de Marta Barcellos


Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessadas de Eugenia Zerbini em 2013
01. Anna Karenina, Kariênina ou a do trem - 21/2/2013
02. Era Meu Esse Rosto - 18/4/2013
03. Clube de Leitura Cult - 21/3/2013
04. Livros na ponta da língua - 24/1/2013
05. Clube de leitura da Livraria Zaccara: um ano! - 23/5/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INICIACAO A ADMINISTRACAO DE RECURSOS HUMANOS
IDALBERTO CHIAVENATO
MANOLE
(2010)
R$ 14,90



DOM QUIXOTE
MIGUEL DE CERVANTES
DELPRADO
R$ 22,00



CONVERSAS COM GERDA ALEXANDER
HEMSY DE GAINZA, VIOLETA
SUMMUS EDITORIAL
(1997)
R$ 45,18



APRENDER NA ESCOLA - TÉCNICAS DE ESTUDO E APRENDIZAGEM
ARTUR NOGUEROL
ARTMED
(1999)
R$ 34,00



INTRODUÇÃO DO PENSAMENTO POLÍTICO DE HEGEL
DENIS ROSENFIELD
ÁTICA
(1993)
R$ 30,00
+ frete grátis



PRINCÍPIOS DE VIDA
SAI BABA
NOVA ERA
(2000)
R$ 20,00



DIAGNÓSTICO E PREVENÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR EM NEONATOLOGIA
APECIH
ROSANA RICHTMANN (COORD)
(2001)
R$ 16,00



COLEÇÃO DE ARTE BRASILEIRA
JOÃO MARINO
FORD
(1983)
R$ 65,00



ACOLHENDO A PESSOA AMADA - UM ENSAIO SOBRE O AMOR E O CRESCIMENTO ESP.
STEPHEN E ONDREA LEVINE
MANDARIM
(1996)
R$ 20,00



FRANCISCO XAVIER - 9428
MIGUEL BERZOSA MARTÍNEZ
LOYOLA
(2002)
R$ 10,00





busca | avançada
59113 visitas/dia
1,1 milhão/mês