Meu cinema em 2010 ― 2/2 | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Workbook de Carl Honoré é transformado em lives
>>> Experiência Quase Morte é o tema do Canal Angelini
>>> 20 anos de Bicho de Sete Cabeças: Laís Bodanzky, Rodrigo Santoro e Gullane se reúnem em bate-papo
>>> Arquivivências: literatura e pandemia
>>> Festival Mia Cara promove concurso culinário “Receitas da Nonna”
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Influências da década de 1980
>>> 20 de Dezembro #digestivo10anos
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas Obsoletas sobre os Protestos
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
>>> Pode guerrear no meu território
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> A Vida e o Veneno de Wilson Simonal, por Ricardo Alexandre
Mais Recentes
>>> Homem Aranha Nº 63 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2007)
>>> Homem Aranha Nº 74 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2008)
>>> La Razon de Mi Vida de Eva Peron pela Peuser (1953)
>>> mem Aranha Nº 67 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2007)
>>> Homem Aranha Nº 44 Marvel Millennium - 5G de Marvell pela Panini (2005)
>>> Nw de Zadie Smith pela Penguin Books (2013)
>>> Homem Aranha Nº 59 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2006)
>>> Oi, Gente: Histórias para Você Ler de Evanildo Bechara pela Edicoes Consultor (2008)
>>> Homem Aranha Nº 58 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2006)
>>> Homem Aranha Nº 69 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2007)
>>> Box - A Segunda Guerra Mundial - 3 Volumes de Martin Gilbert pela Leya (2019)
>>> Pato Donald - Perdidos nos Andes de Carl Barks - Walt Disney pela Abril (2016)
>>> A Língua de fora de Carlos Eduardo Novaes pela Nordica (1979)
>>> Psicologia aplicada à administração de empresas de Cecília Whitaker Bergamini pela Atlas (1988)
>>> Vacas, Porcos, Guerras e Bruxas: Os enigmas da Cultura de Marvin Harris pela Civilização Brasileira (1978)
>>> Nordeste Alternativas da Agricultura de Manuel C. de Andrade pela Papirus (1988)
>>> O Distante Eufrates de Aryeh Lev Stollman pela Bertrand Brasil (2000)
>>> Homem Aranha Nº 25 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2021)
>>> Maravilhas do Conto Francês de Diaulas Riedel (org.) pela Cultrix
>>> O Erotismo: Fantasias e Realidades do Amor e da Sedução de Francesco Alberoni pela Círculo do Livro (1992)
>>> Administração de Marketing: Análise, Planejamento, Implementação e Controle de Philip Kotler pela Atlas (1994)
>>> Ensino Fundamental - 3º Ano, 2ª Série - 1ª Volume de Patrícia Waltiach pela Positivo (2009)
>>> Estudo Geral dos Metais de Bernardo Samu e Chinya Assahina pela Grêmio Politécnico (1953)
>>> Maigret et les Braves Gens de Georges Simenon pela Uge Poche (1996)
>>> Walt Disney World de Walt Disney Company pela Walt Disney Company (1986)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2010

Terça-feira, 4/1/2011
Meu cinema em 2010 ― 2/2
Wellington Machado

+ de 8400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Dando continuidade à minha coluna anterior, seguem os outros filmes:

O escritor fantasma (Roman Polanski, França/ Alemanha/ Reino Unido, 2010) ― Um roteiro ágil e engenhoso faz deste thriller um dos melhores filmes do gênero. O foco da história são as relações promíscuas de poder dentro do governo e entre esferas pública e privada. Um ghost-writer é contratado para escrever sobre um poderoso político britânico e acaba se envolvendo em uma trama na qual se torna investigador. Se ele tinha o papel de elogiar o biografado, a história toma outro rumo quando o escritor descobre que há muito de ruim nas relações de poder. Um filme inteligente, com um final surpreendente.

Tudo pode dar certo (Woody Allen, Estados Unidos/ França, 2009) ― Boris é um professor aposentado que, por invencionices "woodyalleanas", abandona um casamento estável e se envolve com uma garota de 20 anos (qualquer semelhança com a vida privada do diretor pode não ser mera coincidência). A trama ganha corpo quando a mãe e o pai da moça começam a entrar na vida do professor ranzinza. Ocorre uma sucessão de encontros e desencontros de casais em busca do par perfeito, não importando a idade ou o sexo. Só mesmo o Woody Allen para colocar tantas referências em 90 minutos. O filme aborda principalmente as várias possibilidades de as pessoas se envolverem afetivamente. Bem como a concessão do cético (Boris) ao místico (uma vidente picareta que desperta dúvidas no professor). Diversão inteligente, com diálogos impagáveis.

À prova de morte (Quentin Tarantino, EUA, 2007) ― Com dois anos de atraso, o filme só chegou ao Brasil em 2010. Os diálogos despretensiosos entre cinco garotas ao passear pela cidade de carro, a caminho de um pub, dão o tom do suspense: algo de grave acontecerá a qualquer momento com as inocentes viajantes. O surgimento de um excêntrico "maníaco das estradas", cujo fetiche é provocar violentos acidentes de carro em alta velocidade, dá um ritmo frenético ao filme até então despretensioso. Carregado de referências cinematográficas dos anos 70 (Dirty Harry, o cultuado Corrida contra o destino etc.), o filme mostra sequências implacáveis de perseguição e suspense. À prova de morte é o mais Tarantino dos Tarantinos.

Dois irmãos (Daniel Burman, Argentina, 2010) ― Um filme simples, mas sensível. Aborda a relação entre dois irmãos (solteirões) na terceira idade, após perderem a mãe. A irmã, uma corretora de imóveis, é possessiva e insiste em ditar o destino do irmão. Acaba alugando uma casa para ele em uma pequena e pacata cidade no Uruguai, onde há uma escola de teatro ministrada por um importante diretor. O que parecia ser um fim de vida depressivo naquela cidade, acaba sendo uma renovação quando o irmão entra para a escola, passa a atuar e fazer novos amigos. Daniel Burman é um jovem diretor com um currículo já de peso. Realizou Abraço partido (2004), As leis de família (2006) e Ninho vazio (2008), sempre com a temática voltada para os dramas familiares. Dois irmãos é mais um bom filme que concilia boas atuações com roteiro simples, alternando momentos dramáticos e engraçados.

José e Pilar (Miguel Gonçalves Mendes, Portugal/ Brasil/ Espanha, 2010) ― É um documentário com altos e baixos, mas que merece ser visto. O seu grande mérito é fazer jus ao nome: dar igual importância a Pilar e Saramago. O filme retrata um momento crítico do casal. Há dois ou três anos antes de morrer, o escritor foi acometido por uma doença respiratória gravíssima, que o debilitou bastante. Sua esposa, uma mulher de fibra e personalidade forte, assumiu literalmente a carreira do marido ― o que não era pouco, principalmente após Saramago ganhar o Nobel. Ela lia cuidadosamente e fazia uma triagem na correspondência que recebiam (cerca de 200 cartas/dia). O documentário também quebra o mito em torno do escritor: a de uma figura ranzinza e mal-humorada. O que poucos sabiam era que ele raramente recusava um convite para visitar um país quando era solicitado. Também ignorava o cansaço (e por isso adoeceu) no cumprimento da agenda de palestras e lançamentos de seus livros. Chegava a assinar, com inacreditável paciência, mais de mil exemplares em uma noite. O filme mostra como Saramago virou pop star.

Dos lançamentos, não consegui (ainda) ver A ilha do medo (Martin Scorsese), A fita branca (Michael Haneke) e Um homem sério (Joel e Ethan Coen), que certamente comporiam minha lista. Não vi, também, A suprema felicidade, do Arnaldo Jabor (tenho minhas dúvidas se o incluiria nesta lista). Valendo-me das locadoras, revi os sensacionais Cortina de fumaça (Wayne Wang), Cães de aluguel (Tarantino), Spider (David Cronenberg), e o melhor filme do Hector Babenco, Coração iluminado.

Além da lista anual, tenho mania de promover "mostras particulares", fazendo "cortes" por diretor. Em 2010 conheci, graças também às locadoras, os principais filmes de Luis Buñuel, Louis Malle e Daniel Burman. A decepção do ano foi o péssimo À procura de Eric, de Ken Loach ― que não é um mau diretor.

Como estamos "fechando uma década", fiz minha lista dos melhores filmes brasileiros da década (por ordem de preferência):

1. Amarelo Manga (Cláudio Assis, 2003)
2. Lavoura Arcaica (Luiz Fernando Carvalho, 2001)
3. Cinema, Aspirinas e Urubus (Marcelo Gomes, 2005)
4. Latitude Zero (Toni Venturi, 2001)
5. Bicho de Sete Cabeças (Laís Bodansky, 2000)
6. O invasor (Beto Brant, 2001)
7. O cheiro do Ralo (Heitor Dhalia, 2007)
8. Nina (Heitor Dhalia, 2004)
9. Árido Movie (Lírio Ferreira, 2006)
10. Cidade de Deus (Fernando Meirelles, 2002)

Não assisti, por opção, a Avatar, Chico Xavier, Nosso lar e O bem amado. E, depois de Drácula de Bram Stoker (Francis F. Coppola) e A dança dos vampiros (Roman Polanski), impossível contemplar algum outro "crepúsculo"...


Wellington Machado
Belo Horizonte, 4/1/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pílulas Poéticas para uma quarentena de Luís Fernando Amâncio
02. O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância de Duanne Ribeiro
03. Crônica de Aniversário de Julio Daio Borges
04. Ruy Proença: poesia em zona de confronto de Jardel Dias Cavalcanti
05. Anotações de um amante das artes de Márwio Câmara


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2011
01. Meu cinema em 2010 ― 2/2 - 4/1/2011
02. Ascensão e queda do cinema iraniano - 8/2/2011
03. O palhaço, de Selton Mello - 15/11/2011
04. Woody Allen quer ser Manoel de Oliveira - 19/7/2011
05. Steve Jobs e a individualidade criativa - 18/10/2011


Mais Especial Melhores de 2010
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/1/2011
09h50min
Achei o documentário "José e Pilar" maravilhoso, mas não acho que este filme coloque Pilar e Saramago no mesmo patamar. Achei a Pilar uma predadora. Uma mulher que forçava a barra para Saramago atender a todos. Ele gostava disso, sim, era vaidoso. Mas ela exigia dele uma rotina enlouquecedora. Durante o filme vemos várias vezes ele pedir para sair, para parar, para comer e ela sempre querendo que ele desse mais um pouco de sua energia para as pessoas. Fiquei bem mal impressionada com ela. Ele era conivente, mas por vaidade e amor a ela, e não porque queria efetivamente fazer as coisas. Ele adorava a casa onde morava e não conseguia parar lá. Ela estava sempre inventando uma viagem. Não deixava este homem parar para escrever... Para mim o documentário foi revelador...
[Leia outros Comentários de Ana Luísa Lacombe]
21/2/2011
22h31min
Gostei da sua lista dos melhores filmes brasileiros da década. A maioria deles também faria parte da minha lista. Filmes muito diferentes entre si, mostrando a diversidade e amplitude da produção nacional. Senti falta na lista de outro filme do Cláudio Assis - "Baixio das bestas", que mostra bem a hipocrisia de parte da sociedade e o comportamento dos políticos e seus filhos (explica até os passaportes diplomáticos para os filhos e netos do Lulla), com interpretação magistral da Dira Paes. A atuação do Matheus Nachtergaele nos dois filmes do Cláudio é surpreendente, convencendo tanto como homossexual quanto machão. Os dois filmes do Heitor Dhalia são surpreendentes, inovadores. Rodrigo Santoro mostrou o que sabe em "Bicho de sete cabeças". Outro que poderia fazer parte da lista é "Estômago", sem muita invenção formal, mas bem realizado. Lista é lista, cada um tem a sua!
[Leia outros Comentários de José Frid]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Moderna Plus Literatura Volume Unico
Maria Luiza Abaurre
Modernaplus
(2012)



Leyendas - Cuarta Edicion
Gustavo Adolfo Becquer
Alianza Editorial (madri)
(1984)



As pontes de Madison
Robert James Waller
Planeta
(2003)



A Construção de Algoritmos. Solução de Problemas Numéricos
Antônio Marcos de Lima Araújo
Ciência Moderna
(2017)



O Último Trem para Paris
João Paulo dos Reis Velloso
Nova Fronteira
(1986)



Adoráveis Mulheres Outonais
Maria Helena Gouveia
Gente
(1999)



Gravatas de Pedra. Competencias, Mitos e Herois
Marcelo Marques Galvao
Qualitymark
(2006)



Nunca Recusar Ninguém
Roberto Magini
Amparo Material



Persuasion
Jane Austen
Barne & Noble Classics
(2004)



Mulheres Que Fazem São Paulo
Goimar Dantas; Viviane Pereira
Celebris
(2004)





busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês