Eugène Delacroix, um quadro uma revolução | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Adeus, Orkut
>>> Sabe como é, pode rolar...
>>> Zeitgeist
>>> 9° Festival Internacional do Documentário Musical
>>> Até Faustão apoia os protestos
>>> Zastrozzi
>>> Direita, Esquerda ― Volver!
>>> Como os jornais vão se salvar
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Concisão e sensibilidade
Mais Recentes
>>> Freud e a Educação - O Mestre do Impossível de Maria Cristina Kupfer pela Scipione (1997)
>>> Freud Antipedagogo de Catherine Millot pela Jorge Zahar (1987)
>>> Formação de professores indígenas: repensando trajetórias de Luis Donizete Benzi Grupioni (Org.) pela Unesco/Secad (2006)
>>> O Freudismo de Mikhail Bakhtin pela Perspectiva (2001)
>>> De Piaget a Freud - A (Psico)Pedagogia Entre o Conhecimento e o Saber de Leandro de Lajonquière pela Vozes (1998)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geofrey Blainey pela Fundamento (2007)
>>> Piaget - O Diálogo com a Criança e o Desenvolvimento do Raciocínio de Maria da Glória Seber pela Scipione (1997)
>>> Cem Anos Com Piaget – Substratum Artes Médicas – Volume 1, Nº 1 de Ana Teberosky e Liliana Tolchinsky pela Artes Médicas (1997)
>>> Você e eu- martin buber, presença palavra de Roberto Bartholo Jr. pela Garamond (2001)
>>> Piaget - Experiências Básicas Para Utilização Pelo Professor de Iris Barbosa Goulart pela Vozes (1998)
>>> Revisitando Piaget de Fernando Becker e Sérgio Roberto K. Franco (Org.) pela Mediação (1998)
>>> Eu e Tu de Martin Buber pela Centauro (2001)
>>> Jean Piaget Sobre a Pedagogia - Textos Inéditos de Silvia Parrat e Anastasia Tryphon (Org.) pela Casa do Psicólogo (1998)
>>> Cinco Estudos de Educação Moral de Jean Piaget, Maria Suzana de Stefano Menin, Ulisses Ferreira de Araújo, Yves de La Taille, Lino de Macedo (Org) pela Casa do Psicólogo (1996)
>>> Percursos Piagetianos de Luci Banks-Leite (Org.) pela Cortez (1997)
>>> Piaget e a Intervenção Psicopedagógica de Maria Luiza Andreozzi da Costa pela Olho D'Água (1997)
>>> Fazer e Compreender de Jean Piaget pela Melhoramentos (1978)
>>> Dicionário do Renascimento Italiano de John R. Hale pela Jorge Zahar (1988)
>>> A Tomada de Consciência de Jean Piaget pela Melhoramentos (1978)
>>> Psicologia e Pedagogia de Jean Piaget pela Forense Universitária (1998)
>>> Dicionário Temático do Ocidente Medieval de Jacques Le Goff & Jean-Claude Schmitt pela Edusc (2002)
>>> Como Orientar a Criança Excepcional - vol. 8 - Curso de Orientação Educacional de Jay Aruda Piza pela Pontes (2020)
>>> O Estruturalismo de Jean Piaget pela Difel (1979)
>>> Higiene Mental das Crianças e Adolescentes- vol. 7 - Curso de Orientação e Educacional de Dep. de Instrução Pública de Genebra pela Ponte (1972)
>>> O Pós-dramático de J. Guinsburg e Silvia Fernandes pela Perspectiva (2009)
>>> Poesia soviética de Lauro Machado Coelho pela Algol (2007)
>>> Pétala Soletrada pelo Vento de Mariayne Nana pela Urutau (2018)
>>> Tomidez e Adolescência vol. 6 - Curso de Orientação Educacional de Jean Lacroix pela Pontes (1972)
>>> Ensaios Reunidos (1946-1971), V. 2 de Otto Maria Carpeaux pela Topbooks (2005)
>>> Como compreender seu Potencial de Myles Munroe pela Koinonia Comunidade (1995)
>>> Louvai a Deus Com Danças de Isabel Coimbra pela Profetizando Vida (2000)
>>> A missão de Interceder de Durvalina B. Bezerra pela Descoberta (2001)
>>> O Contrabandista de Deus de Irmão André. John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (2003)
>>> Ensaios Reunidos 1942 - 1978 Vol. 1 de Otto Maria Carpeaux pela Topbooks (1999)
>>> O Dízimo e o Sábado não são Cristãos de Fernando César Roelis Padilha pela Xxxxxxxxxxxx (1995)
>>> Socorro, Temos Filhos! de Dr. Bruce Narramore pela Mundo Cristão (1992)
>>> Fale a verdade consigo mesmo de Willian Backus Marie Chapian pela Betânia (1989)
>>> Como controlar as Tensões no Camento de Bill e Vonette Bright pela Candeia (1990)
>>> Satanás está vivo e Ativo no planeta terra de Hal Lindsey pela Mundo Cristão (1981)
>>> Venha O Teu Reino de David W. Dyer pela Ministério Grão de trigo (1985)
>>> Eu, um Servo? Você está Brincando! de Charles Swindoll pela Betânia (1983)
>>> Que Há Por Trás Da Nova Ordem Mundial? de E. G. White pela Vida Plena (1995)
>>> Cerco de Jericó a caminho da vitoria de Pe. Alberto Gambarini pela Ágape (2005)
>>> Comunicação a Chave para o Seu Camento de H. Norman Wright pela Mundo Cristão (1983)
>>> Princípios de Interpretação da Bíblia de Walter A. Henrichsen pela Mundo Cristão (1983)
>>> Apocalipse versículo por versículo de Severino Pedro da Silva pela Cpad (1985)
>>> Boas Esposas de Louisa May Alcott pela Principis (2020)
>>> O que o Ato Conjugal significa para o Homem de Tim e Beverly LaHaye pela Betânia (2020)
>>> Crime e Castigo de Fiódor Dostoiévski pela Principis (2020)
>>> Satanismo de Daniel e Isabela Mastral pela Xxxxxxxxxxxx (2001)
COLUNAS

Terça-feira, 19/4/2011
Eugène Delacroix, um quadro uma revolução
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5400 Acessos

Delacroix anota em seu Diário que, quando jovem, depois de ser examinado por um astrólogo, ele profetizou: "Esta criança será um homem célebre, mas sua vida será muito difícil e atormentada, sempre sob o poder da contradição".

A profecia começa a se concretizar no momento da exibição da tela Dante e Virgílio no Inferno (Louvre), no Salão de 1822, quando se criou o primeiro escândalo e ao mesmo tempo o início da consagração de Delacroix como grande pintor.

Na obra ecoavam como principais referências dramático-plásticas as obras de dois artistas: A Balsa do La Meduse, de Géricault e "Os náufragos abandonados", do Dilúvio (Capela Sistina), de Michelângelo. O tom trágico da cena em que o remador transporta os dois poetas, Dante e Virgílio, sob um céu infernal, reforçado pela pose michelangesca dos danados que se agarram à embarcação e certa liberdade no tratamento plástico, não encontrou aprovação da crítica e do púbico que atacaram violentamente Delacroix.

No que a tela tem de poder, abundância e dinamismo ardente, não se pode deixar de pensar também na influência de Rubens. Mas Delacroix vai além, imprimindo na pintura um efeito de expressividade levado até o limite da vitalidade e do dinamismo. Tudo isso reforçado pela cor, elemento revolucionário na sua obra, que revela uma influência da pintura veneziana (Ticiano, Veronese, Tintoretto).

O que importava para o artista é que a tela não passou despercebida. Como ele mesmo dizia, "com essa obra eu tentava um golpe de sorte". Um dos membros do júri do Salão, Antoine-Jean Gros, gostou da obra e a definiu como um "Rubens atormentado". Delacroix exaltou-se com a definição e a comparação com um dos artistas que mais admirava.

Outro juízo positivo sobre Delacroix e seu quadro apareceu no jornal Constitutionnel, na coluna de Adolphe Thiers, futuro presidente da República: "O autor possui, além dessa imaginação poética que o pintor compartilha com o escritor, essa imaginação do desenho, que é muito diferente da anterior. Não acredito estar enganado: o senhor Delacroix recebeu a genialidade".

Jules e Edmond de Goncourt afirmaram que "a ação é o gênio e o demônio de Delacroix". Comentário que resume bem a maioria das obras do artista, sempre marcadas por uma forte movimentação ou nas palavras de Baudelaire, por uma "turbulência". Nesse sentido, vale observar, principalmente, A Liberdade guiando o povo, dentre outras obras. Baudelaire, ao ver a pintura, vai dizer que "ninguém, depois de Shakespeare, consegue como Delacroix fundir numa unidade misteriosa o drama e o devaneio".

Por causa desse caráter de sua pintura, o pintor seria sempre visto como um "perturbador da ordem pública". Isso porque a obra de Delacroix era daquelas que "transmitiam convicções fortes, davam um corpo, muitas vezes inesperado, às ideias", como anota Jorge Coli, em um dos textos mais importantes sobre Delacroix, recentemente publicado no livro O Corpo da Liberdade (CosacNaify).

Apesar de ter sido aluno de Guérin, pintor fiel aos princípios clássicos, Delacroix identificava-se com uma tradição literária e pictórica mais romântica (lia Shakespeare e Dante sob esta perspectiva) e retomava pintores barrocos, interessado na tragicidade de suas obras.

Em seu brilhante ensaio "A luta com o anjo: Baudelaire e Delacroix", Leyla Perrone-Moisés comenta que em Dante e Virgílio no Inferno "os corpos nus não têm a nobreza do ideal; mostram uma lividez cadavérica e manchas de decomposição. Não são figuras alegóricas, mas restos humanos lutando por uma sobrevivência que parece ditada mais pelo instinto animal do que pela aspiração à graça divina. O gesto de Dante e a capa de Virgílio imprimem à barca um balanço inquietante. Os representantes do Bem e do Belo parecem tão ameaçados de naufrágio quanto os condenados. A cena toda se passa numa pavorosa escuridão apenas rompida, ao fundo, por vagos clarões de incêndio".

As palavras acima nos mostram o quanto Delacroix era um pintor imaginativo, um apaixonado pelos temas que escolhia e um individualista que encontrou sua própria forma de criar. Defensor da individualidade na arte, jamais abriu seu ateliê para formar discípulos (não suportaria essa incoerência hoje praticada em cursos de artes).

Seu conceito de imaginação se aproximava do de Baudelaire, que a via como "a rainha das faculdades" e como a capacidade de criar imagens de uma qualidade particular, feita de intensidade, de ardor, de paixão, de sonho, de magia, de melancolia. Este conceito se relaciona com a ideia de "desenho de criação", que é aquele que negligencia a natureza para representar uma outra, análoga ao espírito e ao temperamento do artista. Mas a imaginação não está livre da razão para Delacroix, que a vê "não como um devaneio espontâneo mas como uma capacidade construtiva, a aptidão para combinar e compor imagens".

Segundo Perrone-Moisés, "a concepção da natureza como um depósito de imagens que o artista deve ligar e organizar, pelos sentidos e pela imaginação, é um dos legados da teoria romântica". Para Delacroix, no entanto, "é preciso muita inteligência na imaginação". E era justamente esse controle da inspiração pela inteligência construtiva que lançava Delacroix para a modernidade (Cézanne seria a forma acabada desta modernidade, mas menor artista que Delacroix). Nos seus Ecrits sur l´art Delacroix dizia que "o belo é fruto da uma inspiração perseverante, a qual nada mais é do que uma série de trabalhos obstinados".

O pintor se incluía no que ele chamava de "anfíbios", ou seja, artistas que pensavam e escreviam. Reivindicava para a pintura a capacidade de pensar e para o artista a capacidade de manejar a caneta, sendo criador, teórico e crítico ao mesmo tempo. "Seu diário é estimável tanto pelas reflexões estéticas, quanto pelo estilo correto e elegante. Como autor, Delacroix é um hábil expositor de ideias e usuário da retórica em seus registros mais finos, como a persuasão e a ironia. Como teórico, ele se inscreve naquela categoria dos artistas pensadores de sua arte, que se tornou freqüente desde o romantismo alemão e teve sua continuação nos maiores da modernidade", diz Perrone-Moisés.

A segunda geração de artistas do sécuo XIX foi rica em artistas pensadores. Baudelaire dizia que transformou sua voluptuosidade em conhecimento, buscando ter inteira consciência de como o sentimento se transforma em arte. Por isso sua adesão a Poe e Gautier, que cultivavam o estilo puro, frio, tranquilo como um diamante. Matthew Arnold vaticinou no seu ensaio "The function of Criticism" que a atividade criadora do primeiro romantismo foi fraca, apesar de sua energia criadora, porque não tinha conhecimento necessário: "Byron era vazio de conteúdo, Shelley incoerente, Wordsworth profundo mas destituído de inteireza e variedade". O mesmo ele não poderia dizer de Baudelaire.

Delacroix e Baudelaire eram artistas que pensavam sua arte, não se podendo separar talento poético de talento critico neles. Não é outra coisa o que acontece com Mallarmé, Valéry, T. S. Eliot, Wagner, Debussy. Todos eles estavam interessados em entender como a sensação se transforma em arte. Não se trata de se submeter de forma serviu à teoria, mas da capacidade que eles desenvolveram de teorizar à partir da própria arte uma possibilidade de estética.

"Delacroix é o mais sugestivo de todos os pintores, aquele cujas obras mais fazem pensar, e mais lembram à memória sentimentos e pensamentos poéticos já conhecidos, mas que se acredita enterrados para sempre na noite do passado". Estas palavras, escritas por Baudelaire no seu ensaio "A obra e a vida de Eugène Delacroix", definem uma das principais características da obra do pintor francês, que é a sua capacidade de traduzir ao mesmo tempo, numa obra de arte, as potências do pensamento e do sentimento.

Para o próprio Delacroix, como ele anota no seu Diário, "o primeiro mérito de um quadro é o de ser uma festa para os olhos. Isto não quer dizer que não seja necessária a razão". Esta festa é criada principalmente pela cor, mas organizada pela inteligência do olho e da imaginação.

Delacroix não está longe de Goethe, para quem a cor não é um simples jogo de luz, mas uma ação nas profundezas do ser, uma ação que traduz e gera os valores sensíveis essenciais. Contra Newton, que considerava a refração da luz pelo prisma como um simples fenômeno da física corpuscular, Goethe introduziu um sistema de valor, pensando num continuum psicofisiológico, dotando de personalidade as cores que teriam o poder de restituir os estímulos, as sensações, as emoções em uma visão global do homem.

Como diz Jean Clay, no seu livro Le Romantisme, Hegel também subscreve as análises de Goethe em sua Estética, ao falar da "magia das cores" e dá a ela um primado sobre do desenho "que não forma senão a base exterior da pintura", sendo "a cor que constitui o elemento por excelência da pintura, o extremo ponto da sua vitalidade". Baudelaire chegará a dizer que "em Delacroix a cor pensa por si mesma independente dos objetos que elas habitam".

A cor, segundo Delacroix, pertence ao reino da sensibilidade: "O tema, a forma, a linha se dirigem primeiro ao pensamento; a cor não tem nenhum sentido para a inteligência, mas tem poder absoluto sobre a sensibilidade". Dentro de sua pintura a cor funcionava como os sons dentro de uma música, deixando de ser apenas justaposta, mas imprimindo uma relação entre reflexos, animando a pintura como "massas harmônicas", dizia Baudelaire. A cor agora torna-se uma linguagem particular, capaz de criar sentimentos, veicular ideias, fazer sofrer o espectador.

Neste sentido foi rica a relação que Delacroix estabeleceu com o oriente, que o libertou do cromatismo de ateliê, deixando sua pintura tornar-se um verdadeiro manifesto da cor. O que importa para a sua pintura é que a cor assume uma grande importância, tanto na prática quanto na teoria, como força expressiva e constituinte maior do quadro.

As portas da modernidade se abriram através de Delacroix, que ensinaria aos artistas futuros a contestar sempre as convenções representativas, esperando os fauves, os impressionistas e os expressionistas entrarem livremente porta à dentro da revolução artística operada por ele.

Baudelaire fez de sua descrição de Delacroix o melhor retrato do artista, mas pode ser que ai se encontre o melhor retrato da própria obra do pintor: "Tudo nele era energia, mas energia derivada dos nervos e da vontade. O tigre atento à sua presa tem menos luz nos olhos e menos estremecimentos impacientes em seus músculos do que o nosso grande pintor, quando toda a sua alma estava dirigida para uma ideia ou queria agarrar um sonho".


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 19/4/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? de Renato Alessandro dos Santos
02. Revolusséries de Luís Fernando Amâncio
03. Antonia, de Morena Nascimento de Elisa Andrade Buzzo
04. Notas confessionais de um angustiado (III) de Cassionei Niches Petry
05. Terna e assustadora realidade de Elisa Andrade Buzzo


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2011
01. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
02. A arapuca da poesia de Ana Marques - 22/11/2011
03. Wagner, Tristão e Isolda, Nietzsche - 13/9/2011
04. Vantagens da vida de solteiro - 23/8/2011
05. Discos de Jazz essenciais - 28/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BRASIL: THE EMERGING ECONOMIC BOOM 1995 - 2005
STEPHEN KANITZ
MAKRON BOOKS
(1995)
R$ 5,00



A SAGA DO IMPÉRIO - VOLUME 3 - A SENHORA DO IMPÉRIO / FICÇÃO NORTE-AMERICANA
RAYMOND E. FEIST E JANNY WURTS / TRADUÇÃO: RUI AZE
ARQUEIRO
(2016)
R$ 20,00



A LEGIÃO (NOVO, LACRADO)
MARCELA DE JESUS
NOVO SÉCULO
(2014)
R$ 18,00



A DESCOBERTA DA AMÉRICA PELOS TURCOS
JORGE AMADO
RECORD
(1994)
R$ 5,00



TUDO POR BILLY
LARRY MCMURTRY
BEST SELLER
R$ 12,00



UM UNIVERSO NUMA CAIXA DE FÓSFOROS
RAMPAZO, ALEXANDRE
PANDA BOOKS
R$ 19,00



A SERPENTINA NUNCA SE DESENROLA ATÉ O FIM
KEYK PIMENTA
7 LETRAS
(2015)
R$ 21,00



O CORTIÇO
ALUÍSIO AZEVEDO
NOSSA CULTURAL
(1981)
R$ 8,90



PARA GOSTAR DE LER 24 - BALÉ DO PATO
PAULO MENDES CAMPOS
ATICA
(1998)
R$ 5,00



TUDO SOBRE MENINAS - PARA MENINAS
CLÁUDIA FELÍCIO
PLANETA JOVEM
(2004)
R$ 8,00





busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês