Eugène Delacroix, um quadro uma revolução | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 19/4/2011
Eugène Delacroix, um quadro uma revolução
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5100 Acessos

Delacroix anota em seu Diário que, quando jovem, depois de ser examinado por um astrólogo, ele profetizou: "Esta criança será um homem célebre, mas sua vida será muito difícil e atormentada, sempre sob o poder da contradição".

A profecia começa a se concretizar no momento da exibição da tela Dante e Virgílio no Inferno (Louvre), no Salão de 1822, quando se criou o primeiro escândalo e ao mesmo tempo o início da consagração de Delacroix como grande pintor.

Na obra ecoavam como principais referências dramático-plásticas as obras de dois artistas: A Balsa do La Meduse, de Géricault e "Os náufragos abandonados", do Dilúvio (Capela Sistina), de Michelângelo. O tom trágico da cena em que o remador transporta os dois poetas, Dante e Virgílio, sob um céu infernal, reforçado pela pose michelangesca dos danados que se agarram à embarcação e certa liberdade no tratamento plástico, não encontrou aprovação da crítica e do púbico que atacaram violentamente Delacroix.

No que a tela tem de poder, abundância e dinamismo ardente, não se pode deixar de pensar também na influência de Rubens. Mas Delacroix vai além, imprimindo na pintura um efeito de expressividade levado até o limite da vitalidade e do dinamismo. Tudo isso reforçado pela cor, elemento revolucionário na sua obra, que revela uma influência da pintura veneziana (Ticiano, Veronese, Tintoretto).

O que importava para o artista é que a tela não passou despercebida. Como ele mesmo dizia, "com essa obra eu tentava um golpe de sorte". Um dos membros do júri do Salão, Antoine-Jean Gros, gostou da obra e a definiu como um "Rubens atormentado". Delacroix exaltou-se com a definição e a comparação com um dos artistas que mais admirava.

Outro juízo positivo sobre Delacroix e seu quadro apareceu no jornal Constitutionnel, na coluna de Adolphe Thiers, futuro presidente da República: "O autor possui, além dessa imaginação poética que o pintor compartilha com o escritor, essa imaginação do desenho, que é muito diferente da anterior. Não acredito estar enganado: o senhor Delacroix recebeu a genialidade".

Jules e Edmond de Goncourt afirmaram que "a ação é o gênio e o demônio de Delacroix". Comentário que resume bem a maioria das obras do artista, sempre marcadas por uma forte movimentação ou nas palavras de Baudelaire, por uma "turbulência". Nesse sentido, vale observar, principalmente, A Liberdade guiando o povo, dentre outras obras. Baudelaire, ao ver a pintura, vai dizer que "ninguém, depois de Shakespeare, consegue como Delacroix fundir numa unidade misteriosa o drama e o devaneio".

Por causa desse caráter de sua pintura, o pintor seria sempre visto como um "perturbador da ordem pública". Isso porque a obra de Delacroix era daquelas que "transmitiam convicções fortes, davam um corpo, muitas vezes inesperado, às ideias", como anota Jorge Coli, em um dos textos mais importantes sobre Delacroix, recentemente publicado no livro O Corpo da Liberdade (CosacNaify).

Apesar de ter sido aluno de Guérin, pintor fiel aos princípios clássicos, Delacroix identificava-se com uma tradição literária e pictórica mais romântica (lia Shakespeare e Dante sob esta perspectiva) e retomava pintores barrocos, interessado na tragicidade de suas obras.

Em seu brilhante ensaio "A luta com o anjo: Baudelaire e Delacroix", Leyla Perrone-Moisés comenta que em Dante e Virgílio no Inferno "os corpos nus não têm a nobreza do ideal; mostram uma lividez cadavérica e manchas de decomposição. Não são figuras alegóricas, mas restos humanos lutando por uma sobrevivência que parece ditada mais pelo instinto animal do que pela aspiração à graça divina. O gesto de Dante e a capa de Virgílio imprimem à barca um balanço inquietante. Os representantes do Bem e do Belo parecem tão ameaçados de naufrágio quanto os condenados. A cena toda se passa numa pavorosa escuridão apenas rompida, ao fundo, por vagos clarões de incêndio".

As palavras acima nos mostram o quanto Delacroix era um pintor imaginativo, um apaixonado pelos temas que escolhia e um individualista que encontrou sua própria forma de criar. Defensor da individualidade na arte, jamais abriu seu ateliê para formar discípulos (não suportaria essa incoerência hoje praticada em cursos de artes).

Seu conceito de imaginação se aproximava do de Baudelaire, que a via como "a rainha das faculdades" e como a capacidade de criar imagens de uma qualidade particular, feita de intensidade, de ardor, de paixão, de sonho, de magia, de melancolia. Este conceito se relaciona com a ideia de "desenho de criação", que é aquele que negligencia a natureza para representar uma outra, análoga ao espírito e ao temperamento do artista. Mas a imaginação não está livre da razão para Delacroix, que a vê "não como um devaneio espontâneo mas como uma capacidade construtiva, a aptidão para combinar e compor imagens".

Segundo Perrone-Moisés, "a concepção da natureza como um depósito de imagens que o artista deve ligar e organizar, pelos sentidos e pela imaginação, é um dos legados da teoria romântica". Para Delacroix, no entanto, "é preciso muita inteligência na imaginação". E era justamente esse controle da inspiração pela inteligência construtiva que lançava Delacroix para a modernidade (Cézanne seria a forma acabada desta modernidade, mas menor artista que Delacroix). Nos seus Ecrits sur l´art Delacroix dizia que "o belo é fruto da uma inspiração perseverante, a qual nada mais é do que uma série de trabalhos obstinados".

O pintor se incluía no que ele chamava de "anfíbios", ou seja, artistas que pensavam e escreviam. Reivindicava para a pintura a capacidade de pensar e para o artista a capacidade de manejar a caneta, sendo criador, teórico e crítico ao mesmo tempo. "Seu diário é estimável tanto pelas reflexões estéticas, quanto pelo estilo correto e elegante. Como autor, Delacroix é um hábil expositor de ideias e usuário da retórica em seus registros mais finos, como a persuasão e a ironia. Como teórico, ele se inscreve naquela categoria dos artistas pensadores de sua arte, que se tornou freqüente desde o romantismo alemão e teve sua continuação nos maiores da modernidade", diz Perrone-Moisés.

A segunda geração de artistas do sécuo XIX foi rica em artistas pensadores. Baudelaire dizia que transformou sua voluptuosidade em conhecimento, buscando ter inteira consciência de como o sentimento se transforma em arte. Por isso sua adesão a Poe e Gautier, que cultivavam o estilo puro, frio, tranquilo como um diamante. Matthew Arnold vaticinou no seu ensaio "The function of Criticism" que a atividade criadora do primeiro romantismo foi fraca, apesar de sua energia criadora, porque não tinha conhecimento necessário: "Byron era vazio de conteúdo, Shelley incoerente, Wordsworth profundo mas destituído de inteireza e variedade". O mesmo ele não poderia dizer de Baudelaire.

Delacroix e Baudelaire eram artistas que pensavam sua arte, não se podendo separar talento poético de talento critico neles. Não é outra coisa o que acontece com Mallarmé, Valéry, T. S. Eliot, Wagner, Debussy. Todos eles estavam interessados em entender como a sensação se transforma em arte. Não se trata de se submeter de forma serviu à teoria, mas da capacidade que eles desenvolveram de teorizar à partir da própria arte uma possibilidade de estética.

"Delacroix é o mais sugestivo de todos os pintores, aquele cujas obras mais fazem pensar, e mais lembram à memória sentimentos e pensamentos poéticos já conhecidos, mas que se acredita enterrados para sempre na noite do passado". Estas palavras, escritas por Baudelaire no seu ensaio "A obra e a vida de Eugène Delacroix", definem uma das principais características da obra do pintor francês, que é a sua capacidade de traduzir ao mesmo tempo, numa obra de arte, as potências do pensamento e do sentimento.

Para o próprio Delacroix, como ele anota no seu Diário, "o primeiro mérito de um quadro é o de ser uma festa para os olhos. Isto não quer dizer que não seja necessária a razão". Esta festa é criada principalmente pela cor, mas organizada pela inteligência do olho e da imaginação.

Delacroix não está longe de Goethe, para quem a cor não é um simples jogo de luz, mas uma ação nas profundezas do ser, uma ação que traduz e gera os valores sensíveis essenciais. Contra Newton, que considerava a refração da luz pelo prisma como um simples fenômeno da física corpuscular, Goethe introduziu um sistema de valor, pensando num continuum psicofisiológico, dotando de personalidade as cores que teriam o poder de restituir os estímulos, as sensações, as emoções em uma visão global do homem.

Como diz Jean Clay, no seu livro Le Romantisme, Hegel também subscreve as análises de Goethe em sua Estética, ao falar da "magia das cores" e dá a ela um primado sobre do desenho "que não forma senão a base exterior da pintura", sendo "a cor que constitui o elemento por excelência da pintura, o extremo ponto da sua vitalidade". Baudelaire chegará a dizer que "em Delacroix a cor pensa por si mesma independente dos objetos que elas habitam".

A cor, segundo Delacroix, pertence ao reino da sensibilidade: "O tema, a forma, a linha se dirigem primeiro ao pensamento; a cor não tem nenhum sentido para a inteligência, mas tem poder absoluto sobre a sensibilidade". Dentro de sua pintura a cor funcionava como os sons dentro de uma música, deixando de ser apenas justaposta, mas imprimindo uma relação entre reflexos, animando a pintura como "massas harmônicas", dizia Baudelaire. A cor agora torna-se uma linguagem particular, capaz de criar sentimentos, veicular ideias, fazer sofrer o espectador.

Neste sentido foi rica a relação que Delacroix estabeleceu com o oriente, que o libertou do cromatismo de ateliê, deixando sua pintura tornar-se um verdadeiro manifesto da cor. O que importa para a sua pintura é que a cor assume uma grande importância, tanto na prática quanto na teoria, como força expressiva e constituinte maior do quadro.

As portas da modernidade se abriram através de Delacroix, que ensinaria aos artistas futuros a contestar sempre as convenções representativas, esperando os fauves, os impressionistas e os expressionistas entrarem livremente porta à dentro da revolução artística operada por ele.

Baudelaire fez de sua descrição de Delacroix o melhor retrato do artista, mas pode ser que ai se encontre o melhor retrato da própria obra do pintor: "Tudo nele era energia, mas energia derivada dos nervos e da vontade. O tigre atento à sua presa tem menos luz nos olhos e menos estremecimentos impacientes em seus músculos do que o nosso grande pintor, quando toda a sua alma estava dirigida para uma ideia ou queria agarrar um sonho".


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 19/4/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A fotografia é um produto ou um serviço? de Fabio Gomes
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky de Heloisa Pait
03. Retratos da ruína de Elisa Andrade Buzzo
04. Correio de Elisa Andrade Buzzo
05. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2011
01. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
02. A arapuca da poesia de Ana Marques - 22/11/2011
03. Wagner, Tristão e Isolda, Nietzsche - 13/9/2011
04. Vantagens da vida de solteiro - 23/8/2011
05. Discos de Jazz essenciais - 28/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INGRESO NACIONAL Y CORRIENTE DE FONDOS: CONCEPTOS, CONTABILIDAD Y
JOHN P. POWELSON
FONDO DE CULTURA MÉXICO
(1963)
R$ 18,28



OS SETE PASSOS PARA A CALMA
A. M. MATTEWS
EDIOURO
(1999)
R$ 4,20



RIOS GUAPORÉ E PARAGUAI PRIMEIRAS FRONTEIRAS DEFINITIVAS DO BRASIL
MARCOS CARNEIRO DE MENDONÇA
BIBLIOTECA REPROGRÁFICA XÉROX
(1985)
R$ 500,00



SEGUROS PRIVADOS: DOUTRINA, LEGISLAÇÃO E JURISPRUDÊNCIA
MARCELO DA FONSECA GUERREIRO
FORENSE UNIVERSITÁRIA
(2000)
R$ 9,28



SUPERINTERESSANTE 20 MELHORES MATERIA DA HISTÓRIA DA SUPER
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
R$ 5,99



O MEU PÉ DE LARANJA LIMA
JOSÉ MAURO DE VASCONCELOS
MELHORAMENTOS
(2009)
R$ 20,00



GAROTAS DE VESTIDO BRANCO
JENNIFER CLOSE
BERTRAND BRASIL
(2016)
R$ 14,90



KINGDOM HEARTS
SHIRO AMANO
ABRIL
(2014)
R$ 9,92



SADE UM ANJO NEGRO DA MODERNIDADE
GABRIEL GIANNATTASIO
IMAGINÁRIO
(2000)
R$ 17,85



WORLD WAR I
H. P. WILLMOTT
DK
(2003)
R$ 160,00





busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês