Por que os livros paradidáticos hoje são assim? | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
9786 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Livros na ponta da língua
>>> Livros na ponta da língua
>>> Medo e Delírio em Las Vegas
>>> O negócio (ainda) é rocão antigo
>>> O negócio (ainda) é rocão antigo
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Um Brecht é um Brecht
>>> O engano do homem que matou Lennon
Mais Recentes
>>> Ninho de Anjo de Lia- Rosa Reuse pela Cbve (2007)
>>> Para uma Linda Mulher de Tito Alencar pela Maceió Alagoas (2002)
>>> Falsa Impressão - a Rainha do Supra- Sumo - Temporada de Caça - ... de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> Cilada - Rosie - Duas Lindas Meninas de Azul - Órbita de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> O último Jurado - Noites de Chuva e Estrelas - o Vôo da Liberdade .... de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> O Pensamento Vivo de Jorge Luis Borges 16 de Martin Claret pela Martin Claret
>>> Família Trabalho Política de Ireneu Martim Organizador pela Universidade Champagnat (1992)
>>> Flashes de Manoel Ramos e Neide Ramos pela Editoração (2002)
>>> A Biblioteca de Ciências Sociais a Evolução do Capitalismo de Maurice Dobb pela Ed. Zahar (1971)
>>> Princípios de Sociologia Geral de Salim Sedeh pela Edicel
>>> Medidas Educacionais de Richard H. Lindeman pela Ed. Globo/ Mec (1976)
>>> Lima Barreto Crônicas Escolhidas de Folha de S. Paulo pela Ed. ática (1995)
>>> O Cão Amarelo de Georges Simenon pela Ed. Globo
>>> O Maior Milagre do Mundo de Og Mandino pela Record
>>> O Herói da Torre de Hans Hellmut Kirst pela Publicações Europa- América
>>> Brás, Bexiga e Barra Funda de A. Alcântara Machado pela Estadão/ Kilck (1999)
>>> Brás, Bexiga e Barra Funda de A. Alcântara Machado pela Estadão/ Kilck (1997)
>>> Fogo Morto 10 de José Lins do Rego pela Estadão/ Kilck
>>> Romance Edição 16 ao Abrigo de Seus Braços de Jackie Braun pela Harlequin Books (2007)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Clássicos da Literatura Senhora de José de Alencar pela Ed. Sol90 (2004)
>>> O Pensamento Vivo de Machado de Assis 31 de Marcelo Whately Paiva Organização pela Martins Claret (1992)
>>> Barão de Paranapiacaba Vida e Obra de Camilo Abrantes pela Santos (1978)
>>> Guia 2002 Comer e Beber de Veja São Paulo pela Abril (2002)
>>> Redenção a Continuação do Best Seller Trindade de Leon Uris pela Ed. Record (1996)
>>> Relações Perigosas de Laclos pela Ed. Globo (1987)
>>> Raul de Leôni Trechos Escolhidos de Luiz Santa Cruz pela Agir (1961)
>>> O Amante de Marguerite Duras pela Riográfica
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Ed. Record
>>> Petróleo o Preço da Dependência o Brasil na Crise Mundial de Alberto Tamer pela Ed. Nova Fronteira (1980)
>>> Platão por Mitos e Hipóteses de Lygia Araujo Watanabe pela Ed. Moderna (1995)
>>> O Arquivo de Chancellor de Robert Ludlum pela Ed. Record
>>> Maria Madalena e o Santo Graal de Margaret Starbird pela Sextante (2004)
>>> Tocaia Grande- a Face Obscura de Jorge Amado pela Record (1984)
>>> A Herança Scarlatti de Robert Ludlum pela Ed. Nova Fronteira (1983)
>>> A Visita do Casal Osterman de Robert Ludlum pela Ed. Nova Fronteira (1983)
>>> A Agenda Icarus de Robert Ludlum pela Ed, Guanabara (1989)
>>> O Júri de John Grisham pela Rocco (1998)
>>> O Senhor Embaixador de Erico Verissino pela Ed. Globo
>>> O Falcão Maltês de Dashiell Hammett pela Nova Cultural
>>> O Pecado de Liza de Somerst Maugham pela Riográfica
>>> Lembranças de um Dia de Verão de Irwin Shaw pela Nova Cultural
>>> Tira- Dúvidas Ortografia de Douglas Tufano pela Ed. Mordena (2001)
>>> Os Estupradores de Harold Robbins pela Record (1996)
>>> A Intimação de John Grisham pela Ed. Rocco (2002)
>>> Comunicação as Funções da Propaganda de Alfredo Carmo e Outros pela Publinform
>>> Novas Lições de Amor de Eguinaldo Helio de Souza pela Família Com Deus
>>> Special Noite Quentes no Deserto Edição 02 o Príncipe do Desejo de Lucy Monroe pela Harlequin Books (2008)
>>> Paixão Edição 150 Coração Descoberto Grávida! de Trish Morey pela Harlequin Books (2009)
>>> Com a Cabeça Eo Coração de Marcos Antonio Gonçalves pela áurea (2005)
COLUNAS

Segunda-feira, 13/2/2012
Por que os livros paradidáticos hoje são assim?
Gian Danton

+ de 13000 Acessos

Dia desses a minha filha, de 11 anos, me disse: "Pai, eu acho que os livros paradidáticos são feitos para a gente aprender a não gostar de livros". Meu filho, de 17, concordou.

Isso me espantou porque os dois são leitores vorazes. Meu filho mais de livros, principalmente sobre cinema e história. Minha filha de quadrinhos, em especial Turma da Mônica (os números prediletos, alguns, autografados, guardados caixas especiais.) e Mafalda. Somos assinantes de revistas como a Superinteressante, Mundo Estranho e Galileu, que são disputadas a tapa quando chegam em casa.

Então, se os dois gostam de ler, porque não gostam dos livros paradidáticos?

Perguntei se eles não tinham gostado de nenhum livro. Eles me destacaram dois: uma adaptação de Os miseráveis, de Victor Hugo, e ""Durma em paz, meu amor", de Pedro Bandeira, sobre jovens que contam histórias de fantasma em uma noite de tempestade.

Contei a eles que na minha época, os livros paradidáticos eram um passo importante no gosto pela leitura. O primeiro que li foi Aventuras de Xisto, tão manuseado que chegou num ponto em que eu havia decorado todas as páginas. Depois vieram os deliciosos romances policiais de Marcos Rey, como O rapto do garoto de ouro. Eram histórias apaixonantes, que envolviam o leitor com muita aventura, suspense e até humor.

Minha filha me explicou que hoje a maioria dos livros não era assim e deu um exemplo de um livro sobre a família: um professor falava sobre o assunto, os alunos faziam seus trabalhos e depois cada um apresentava. Não havia conflito, trama, nada, apenas uma lição de moral sobre a importância da família.

Isso me fez refletir sobre algo que já desconfiava há muito: os livros juvenis hoje são feitos para não provocarem polêmica, não desagradar a ninguém. Um tema mais espinhoso pode ser a razão pela qual os professores deixam de adotar a obra. Assim, evita-se conflitos, os personagens são todos padronizados, bonzinhos na maioria, como se a trama só existisse para passar uma lição, seja em favor da ecologia, seja contra o preconceito.

O resultado são obras tão assépticas quanto salas de cirurgia. Como dizia Isaac Assimov, se chatice matasse, ler esses livros seria uma sentença de morte.

Existe, por exemplo, um grupo propondo o banimento dos livros de Monteiro Lobato das escolas (não se fala em censura, dizem que estão apenas protegendo as crianças). O mesmo aconteceu com a obra do quadrinista norte-americano Will Eisner, acusado de pedofilia e pornografia por conta de uma história em que uma menina levanta a saia para enganar o zelador de um prédio e de outra em que aparece a costa nua de uma mulher.

O escritor Lewis Carroll não é adotado em escolas públicas por conta da suspeita de que ele seria pedófilo.

Até mesmo o singelo Aventuras de Xisto, que fez a alegria de minha infância, dificilmente existiria hoje em dia. A história de fantasia se passa numa Idade Média imaginária repleta de magia. Já no primeiro capítulo o livro traz motivos de sobra para polêmica. Na escola, Xisto prega uma peça em seu professor rabugento, fazendo-o acreditar que está surdo. A figura do professor rabugento e a brincadeira certamente não passariam em branco hoje em dia. Mas as acusações mais sérias certamente viriam da caracterização dos protagonistas. Xisto, o herói, é loiro e bonito, um encanto. Já Bruzo, o filho da empregada, é moreno e gordo. E burro ("pena que tivesse um raciocínio um tanto confuso..."). Hoje provocaria manchetes de jornais, com pais e professores revoltados com a história por seu conteúdo racista e preconceituoso.

Enquanto nos deliciávamos com as aventuras de Xisto nenhum de nós jamais teve a leitura de se tratava de preconceito, mas hoje um livro desses certamente seria considerado má-influência. Até Maurício de Sousa já sofreu, e muito, nesses tempos de politicamente correto. Uma tira em que o barbeiro usa ferramentas de pedreiro para cortar o cabelo do Cascão foi acusada de racismo por muitos, que preferiram ignorar o fato de que o Cascão é um personagem branco.

A série toda a Turma da Mônica foi acusada de ser um estímulo ao buyiling, numa referência às surras que a Mônica dá no Cebolinha e no Cascão. Segundo a acusação, as histórias em quadrinhos estimulavam as crianças a resolverem os conflitos na base da violência.

Nesses tempos de politicamente correto, a obra juvenil de Marcos Rey seria uma impossibilidade. Títulos como Gincana da morte, corrida infernal, o diabo no porta-malas, O rapto do garoto de ouro e Doze horas de terror jamais seriam selecionados pelos professores justamente pela presença de palavras como "terror", "morte", "infernal", "diabo" e "rapto".

A obra mais famosa de Marcos Rey, O mistério do cinco estrelas, começa com um assassinato. Em Bem-vindos ao Rio um grupo de meninos de rua seqüestra um garoto e uma garota de classe média. Alguém consegue imaginar um livro desses sendo lido nas escolas hoje em dia?

Aliás a própria existência de um Marcos Rey juvenil seria uma impossibilidade. Que editor hoje convidaria para escrever para crianças um cara que passou a década de 1970 vivendo de escrever pornochanchadas? Seria um escândalo nacional, motivo de matérias na grande imprensa e de protestos acalorados de pais e professores.

Felizmente, na minha infância, vivíamos outros tempos, e Marcos Rey não só pôde publicar seus livros como encantou toda uma geração, que se apaixonou pela leitura viajando em suas histórias policiais.

Da mesma forma, gerações e gerações se apaixonaram pela leitura com Monteiro Lobato, Aventuras de Xisto e muitas outras obras. Mas isso foi numa época em que os livros eram apresentados às crianças para que elas mesmas tirassem suas conclusões e interpretações. Hoje, parece, o politicamente correto quer proteger as crianças de tudo e de todos. O resultado estamos vendo aí: uma geração que não gosta de livros e só lê na internet, o único local em que elas mesmas, as crianças, ainda podem escolher o que ler e como interpretar o que estão lendo.


Gian Danton
Macapá, 13/2/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
02. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
03. Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor de Jardel Dias Cavalcanti
04. 12 tipos de cliente do revisor de textos de Ana Elisa Ribeiro
05. O Brasil não é a Seleção Brasileira de Diogo Salles


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2012
01. Por que os livros paradidáticos hoje são assim? - 13/2/2012
02. O desenvolvimento dos meios de comunicação - 27/8/2012
03. Contos de imaginação e mistério - 2/7/2012
04. Um conto de duas cidades - 7/5/2012
05. Contos fantásticos no labirinto de Borges - 26/3/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DEVASSOS NO PARAISO - HOMOSSEXUALIDADE NO BRASIL DA COLONIA A ATUALIDADE
JOAO SILVERIO TREVISAN
MAX LIMONAD
(1986)
R$ 80,00



POR QUE ME ABANDONASTE
MAURO JUDICE
GIZ EDITORIAL
(2008)
R$ 22,28



1890 1914 - NO TEMPO DAS CERTEZAS
LILIA MORITZ SCHWARCZ/ ANGELA MARQUES DA COSTA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 25,00
+ frete grátis



A MENSAGEM DO ISLAM
ABDURRAHMAN AL-SHEDA
OUTROS
R$ 5,00



O LIVRO DA CERVEJA (1185)
TIM HAMPSON
NOVA FRONTEIRA
(2009)
R$ 35,00



APRENDIZAGEM E MOTIVAÇÃO
ANTONIO GOMES PENNA
ZAHAR
(1980)
R$ 26,28



ENSINO RÉGIO NA CAPITANIA DE MINAS GERAIS, O
THAIS NIVIA DE LIMA E FONSECA
AUTÊNTICA
R$ 39,90



A INFORMALIDADE NO MERCADO DE TRABALHO
JULIANO VARGAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



O XIS DA QUESTÃO
RICARDO DA CUNHA LIMA
FTD
(1997)
R$ 15,00



O MEU BRAÇO DIREITO: BASEADO EM FATOS DA VIDA REAL
REGINA CÉLIA CHAGAS DE OLIVEIRA
MILETO
(2003)
R$ 32,28





busca | avançada
9786 visitas/dia
890 mil/mês