De onde vem a carne que você come? | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
61534 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Distribua você também em 2008
>>> A proposta libertária
>>> Sátiro e ninfa, óleo s/ tela em 7 fotos e 4 movies
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> As fronteiras da ficção científica
>>> Cebrián sobre o fim
>>> Nem tudo é pessoal
Mais Recentes
>>> O Carvalho de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2020)
>>> Os Clássicos da Política vol. 1- Mquiavel-Hobbes-Montesquieu- Rousseau de Francisco C. Welfort (Org.) pela Ática (2006)
>>> Nacionalismos - O estado nacional e o nacionalismo no século XX de Montserrat Guibernau pela Jorge Zahar (1997)
>>> Bibliografia Estudos Sobre Violência Sexual Contra a Mulher:1984-2003 de Kátia Soares Braga - Elise Nacimento (Orgs.) pela Letras Livres - UNB (2004)
>>> O reino de James T. harman pela Restauração (2013)
>>> A importancia da cobertura de Lance Lambert pela Classicos (2013)
>>> O Reino Entre Nós de Não Informado pela O Lutador
>>> Como Realizar a Aprendizagem de Robert M. Gagné pela Mec (1974)
>>> Yoga para a Saúde do Ciclo Menstrual de Linda Sparrowe/ Patrícia Walden pela Pensamento (2004)
>>> Pequenos Segredos da Arte de Escrever de Luiz A. P. Victoria pela Ouro (1972)
>>> Deus Cristo e Caridade Reformador Revista de Espiritismo Cristão de Federação Espírita pela Federação Espírita (1988)
>>> Deus Cristo e Caridade Reformador Revista de Espiritismo Cristão de Federação Espírita pela Federação Espírita (1989)
>>> Paca, Tatú...Contos Infantis de Malba Tahan pela Cruzada da Boa Imprensa (1939)
>>> A Marquesa de Reval de May Logan pela Anchieta (1944)
>>> Camilo Compreendido Tomo 1 e 2 de Gondim da Fonseca pela Martins (1953)
>>> Técnicas de Yoga de Dr.M.L.Gharote pela Phorte (2007)
>>> A Essência da Alma de Sônia Tozzi (psicografia) pela Lúmen (2006)
>>> Minutos de Oração de Legrand (coord) pela Soler (2007)
>>> A Norma Jurídica de Tercio Sampaio Ferraz Jr. E Outros pela Freitas Bastos (1980)
>>> Le Bateau Ivre Análise e Interpretação de Augusto Meyer pela São José (1955)
>>> Franz Kafka Os Filhos Rossmann Bendemann e Samsa de Ruth Cerqueira de Oliveira Röhl pela Universidade de São Paulo (1976)
>>> Fios de Ariadne - Ensaios de interpretação marxista de Centro de Estudos Marxistas pela Universidade de Passo Fundo (1999)
>>> Três Momentos Poéticos de Nelly Novaes Coelho pela Conselho Estadual de Cultura
>>> A Luz Perdida de Murillo Araujo pela Pongetti (1952)
>>> História e Consciência Social de Leôncio Basbaum pela Globo (1985)
>>> Dostoievsky de David Magarshack pela Aster
>>> Asanas de Swami Kuvalayananda pela Phorte (2009)
>>> A Ciência do Yoga de J.K.Taimni pela Teosófica (2006)
>>> Osso no seu Osso indo além da imitação de cristo de F. j. Huegel pela Restauração (2019)
>>> 100 Kixti (estórias) Tukano de Eduardo Lagório (Coord) pela Fundação Nacional do índio (1983)
>>> O corpo de Cristo uma realidade de Watchman nee pela Clássicos (2006)
>>> Vamos Praticar Yoga? Yoga para Crianças, Pais e Professores de Maria Ester Azevedo Massola pela Phorte (2008)
>>> Revisa-nos novamente de Frank viola pela Restauração (2017)
>>> Os Jardins da Psicologia Comunitária de Israel Rocha Brandão / Zulmira Áurea (orgs.) pela Ufc (1999)
>>> Em seus passos o que faria Jesus? de Charles m Sheldon pela Mundo cristão (2015)
>>> Yoga Terapia Hormonal para Menopausa de Dinah Rodrigues pela Madras (2007)
>>> Fé para a salvação da alma de Philip Mauro pela Restauração (2015)
>>> Do Roraima ao Orinoco - Volume 1 de Theodor Koch-Grunberg pela Unesp (2006)
>>> Reconsiderando a vontade de Deus de Frank viola pela Restauração (2017)
>>> Chamados à comunhão de Cristo de Paulo real pela Garimpo (2017)
>>> Filhos da Cobra de Pedra: Organização Social e Trajetórias Tuyuka no rio Tiquié (noroeste Amazônico) de Aloisio Cabalzar pela Unesp (2009)
>>> O Código do Ser de James Hillman pela Objetiva (1997)
>>> Reconsiderando a vontade de Deus de Frank viola pela Restauração (2019)
>>> A Duração Da Pessoa : Mobilidade, Parentesco E Xamanismo Mbya (guarani) de Elizabeth Pissolato pela Unesp (2007)
>>> Cidade do índio: transformações e cotidiano em Iauaretê de Geraldo Andrello pela Unesp (2006)
>>> Histórias Curativas para Comportamentos Desafiadores de Susan Perrow pela Antroposófica (2010)
>>> O Nome e o Tempo dos Yaminawa: Etnologia e história dos Yaminawa do rio Acre de Oscar Calavia Saez pela Unesp (2007)
>>> Imagens de Foucault e Deleuze - Ressonâncias Nietzschianas de Margareth Rago/Luiz B. Lacerda Orlandi/ Alfredo Veiga-Neto (Orgs.) pela Dp&a (2002)
>>> De volta ao lago de leite: gênero e transformação no Alto Rio Negro de Cristiane Lasmar pela Unesp (2005)
>>> A Ciência Oculta de Rudolf Steiner pela Antroposófica (2001)
COLUNAS

Terça-feira, 15/5/2012
De onde vem a carne que você come?
Wellington Machado

+ de 6700 Acessos

Sempre pensei na possibilidade de me tornar vegetariano um dia. Mas nunca consegui. Gosto de carne; não abro mão de duas feijoadas por inverno a cada ano. Mas a experiência de ser "natureba", comer somente aquilo que me faz bem, despertou meu interesse para o livro Comer animais, de Jonathan Safran Foer. Resolvi ler o livro "avalizado" pela agradável experiência com Extremamente alto e incrivelmente perto, do mesmo autor, um dos mais interessantes romances americanos sobre o 11 de setembro.

Comer animais é uma reportagem investigativa sobre o abate (cruel) de animais nas granjas e matadouros no interior dos Estados Unidos. Poderíamos classificar o livro como um "ensaio jornalístico", de cunho presencial, fundamentado complementarmente por uma extensa pesquisa bibliográfica. A motivação de Safran Foer para dar uma pausa na ficção e se embrenhar numa reportagem foi o nascimento de seu filho. O autor levantou questões como "que tipo de alimento devo oferecer ao meu filho?", "de onde vem a comida que consumimos?", "o que é carne e qual é o caminho percorrido por ela até chegar a nossa mesa?".

Para avaliar a qualidade das carnes (de frango, peixe, porco e boi) que consumimos, Safran Foer decidiu visitar fazendas de criação e abate de animais - muitas vezes de forma clandestina, transpondo muros e cercas, à noite. Sua pesquisa buscou avaliar as condições nas quais viviam os animais em seu ambiente de criação: o nível de conforto da vida em "comunidade produtiva"; a qualidade e quantidade de alimentos que recebiam. Foer queria saber também como eram transportados e abatidos esses animais. O que o autor apurou é estarrecedor, a ponto de lembrarmos de seu livro a cada bife que repousa em nossos pratos. A busca de produções cada vez mais eficientes de animais para consumo humano ignora qualquer padrão, mínimo que seja, de respeito aos animais e ao meio ambiente.

No caso da captura de peixes, Foer revela o "apelo covarde" do homem, que se vale da tecnologia de um "radar GPS" para identificar grandes cardumes no mar. O grande problema apontado pelo escritor é a captura acidental: para cada quilo de peixe colhido na rede, outros 26 quilos de outros animais "inocentes", como cavalos-marinhos, são mortos. Foer argumenta também que a matança desenfreada promove a destruição dos peixes no seu sentido de comunidade, ressaltando até um "valor intelectual" desses animais. Segundo o autor, os peixes são capazes de construir ninhos complexos, têm relações monogâmicas, caçam conjuntamente, têm memória de longo prazo e transmitem conhecimento. Capturá-los seria provocar uma ruptura nessas habilidades comunitárias. Sem contar as técnicas perversas de abate, que incluem deixá-los com fome durante 7 a 10 dias, a fim de eliminar a excreção durante o transporte. Muitos deles têm as guelras cortadas antes mesmo de serem jogados em um tanque e sangrados até morrer.

Safran Foer também exalta a inteligência dos porcos. Esses animais são capazes de abrir trincos de cancelas, atendem quando são chamados e têm um aprendizado que não fica nada a dever aos chimpanzés. Os porcos se estressam como humanos ao ver os outros morrerem: é comum acontecerem ataques cardíacos nesses animais na hora do abate. As técnicas de execução são as mais atrozes possíveis. Incluem um disparo de uma pistola a ar, que fura a fronte do animal com um pino de ferro. Invariavelmente o equipamento fica mal calibrado, produzindo um disparo insuficiente, "fraco", deixando os porcos semi-conscientes. Muitos deles são dependurados pelos pés e esfaqueados ainda com vida. Sem contar os maus-tratos feitos pelos funcionários das fazendas, que dão pauladas em porcas grávidas e usam chave-inglesa para darem pancadas nas costas dos animais.

As galinhas também são impiedosamente manipuladas nas granjas. A luz do ambiente é alterada para aumentar a produtividade. Uma galinha de granja é alimentada de maneira cruel para permitir o abate com apenas 40 dias de vida. 30% delas têm ossos quebrados devido aos ambientes apertados em que são mantidas. No abatedouro, são penduradas em esteiras, onde muitas defecam de dor. A técnica de abate consiste em mergulhá-las em água eletrificada antes de irem para o cortador automático de pescoço.

Com os perus não é diferente. Muitos deles têm o bico quebrado, apresentam feridas, ficam cobertos de sangue e não andam normalmente. Os perus são gerados por inseminação artificial (não fazem sexo, portanto; essa "abstinência" é contestada com veemência por Safran Foer). Muitos perus nascem deformados.

O livro de Safran Foer tem um caráter de denúncia - não poderia ser diferente. Mas o autor visitou também algumas (poucas) fazendas onde a criação de animais é feita de forma mais humanitária. Os bois e porcos são criados ao ar livre, com pasto natural e espaço de sobra para levarem uma vida digna. Há uma preocupação em reduzir ao máximo o sofrimento dos animais na hora do abate e minimizar os riscos de contaminação das carnes. Mas esses bons exemplos são poucos nos Estados Unidos. Ressalte-se que estamos falando de um país desenvolvido, onde as leis sanitárias são reavaliadas a cada 4 anos.

Apesar de o livro de Foer estar recheado de (maus) exemplos no trato com animais, a intenção do autor é levar a discussão para a sociedade e sensibilizar as autoridades governamentais. As alternativas apresentadas pelo autor abarcam três aspectos.

O primeiro, utópico, seria as pessoas optarem pelo vegetarianismo. Safran Foer se tornou vegetariano e o livro tende a convencer o leitor a fazer o mesmo. O autor apela para argumentos como a possibilidade de substituição da carne por outro tipo de proteína, e fala de sua própria experiência ao resistir à tentação que teve de comer carne após tomar a decisão.

O outro argumento é moral: é justo submeter os animais a maus-tratos como os descritos acima para saciarmos nossa vontade? O embate entre o ser humano (onipotente) e os animais (frágeis) é desleal. Safran Foer aborda também a questão ecológica, a redução da camada de ozônio causada pela criação de bois em grandes áreas desmatadas.

A outra alternativa seria de âmbito legal e de envolvimento governamental. Por que as autoridades não se interessam pelo assunto? Por que deixam ocorrer essas atrocidades na produção animal sem uma fiscalização séria? Por que o tema sequer é lembrado nas campanhas presidenciais? Onde estão as leis para obrigar os abatedouros e granjas a tratarem seus animais com dignidade?

A leitura de Comer animais não me fez ser tão radical como Safran Foer. Não me tornei vegetariano, mas mudou a minha maneira de pensar: passei a considerar o sofrimento dos animais, principalmente os de grande porte, como o porco e o boi. Reduzi drasticamente o consumo dessas carnes. Tenho preferido uma dieta com peixes e, muito raramente, frango. Há dias em que, na ausência de peixe, não como carne alguma. Estou me habituando a não fazer da carne um ingrediente tão essencial no meu prato.

Não sei se uma "reação" da sociedade (não comer mais carne), almejada por Foer em seu livro, seria uma alternativa à redução do sofrimento dos animais - temos de avaliar até as consequências econômicas da "abstinência social" da carne. Mas um "livro-denúncia" como o Comer animais certamente é valido para trazer a questão para o debate. Em tempos de Facebook, de ocupe wall street, onde a informação é disseminada num piscar de olhos, pode ser que o tema alcance níveis estratosféricos, forçando governos a colocarem o assunto em pauta.

Para ir além:

Assista ao vídeo Conheça a sua carne , com gravações de maus-tratos aos animais. Atenção: as imagens são fortes.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 15/5/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador de Heloisa Pait
02. 'Hysteria' Revisitada de Duanne Ribeiro
03. Cinquenta tons de cinza no mundo real de Jardel Dias Cavalcanti
04. O preconceito estético de Guilherme Pontes Coelho
05. A morte do homem comum de Jonas Lopes


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2012
01. Hugo Cabret exuma Georges Méliès - 27/3/2012
02. De onde vem a carne que você come? - 15/5/2012
03. Daniel Piza: uma lanterna cultural - 24/1/2012
04. Memória externalizada - 3/7/2012
05. Pina, de Wim Wenders - 24/4/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIREITO ADMINISTRATIVO ESAF
HENRIQUE CANTARINO
FERREIRA
(2008)
R$ 6,00



MAIS COISAS QUE TODA GAROTA DEVE SABER
ANTONIO CARLOS VILELA
MELHORAMENTOS
(1998)
R$ 5,00



INGLÊS EM CASA - THE PASSIVE VOICE - VOL 11
FIRST AMERICAN LANGUAGE CENTER
BIPEM
(1981)
R$ 10,00



BIOLOGIA VOLUME 2 - ENSINO MÉDIO
CÉSAR, SEZAR E CALDINI
SARAIVA
(2011)
R$ 19,00



SELECTA - 10288
GOMES RIBEIRO
DESCONECIDA
R$ 28,00



SELETA DE LINGUA PORTUGUESA
B. SAMPAIO FRANCISCO RIBEIRO SAMPAIO
JOÃO AMENDOLA
R$ 30,00



A BOMBA ATÔMICA DE DEUS
GUIDO WILMAR SASSI
FCC
(1985)
R$ 7,00



REVUE D HISTOIRE DE LA PHARMACIE BULLETIN 199
E. H. GUITARD
E H GUITARD
(1967)
R$ 23,34



O EGOÍSTA
GEORGE MEREDITH
EDIOURO
(1995)
R$ 30,00



ADMINISTRAÇÃO
ROBERT MURDICK
BARROS FISCHER & ASSOCIADOS
(2014)
R$ 15,90





busca | avançada
61534 visitas/dia
2,1 milhões/mês