Princípio ativo | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> São Francisco Xavier II
>>> Rugas e rusgas
>>> Orra, Meu
>>> Uma outra moda
>>> Ler ao acaso
>>> Um ano de reflexões na Big Apple
>>> Steve Jobs apresentando o iPad
>>> De quantos modos um menino queima?
Mais Recentes
>>> Um Amigo da Família de Lisa Jewell pela Record/ RJ. (2006)
>>> Antes Que Eu Queime de Gaute Heivol pela L&pm, Porto Alegre (2013)
>>> Estava Escrito - O que Realmente Sabmos sobre os Nossos Filhos? de Gunnar Staalesen pela Vertigo (2013)
>>> Queimado de Thomas Enger pela Amarilys (2015)
>>> Como Treinar um Grupo de Trabalho Eficiente (com 59 Psico- Jogos, de E de Rainer E. Kirsten / Joachim Müller-schwarz pela Ediouro (1980)
>>> À Margem da Poética Trovadoresca de Celso Ferreira da Cunha/ Autografado pela Dep. Imprensa Nacional/ Rj. (1950)
>>> A Formação Histórica da Língua Portuguesa de Francisco Silveira Bueno pela Livr. Acadêmica (1958)
>>> A Formação Histórica da Língua Portuguesa de Francisco Silveira Bueno pela Livr. Acadêmica (1955)
>>> Constituição do Estado de Minas Gerais: Estatuto dos Servidores Públic de José do Carmo Veiga de Oliveira: Organizad pela Del Rey/ Belo Horizonte (2003)
>>> Compêndio das Etapas do Processo Eleitoral: ... de J. Nepomuceno Silva: Organizador pela Del Rey/ Belo Horizonte (2010)
>>> (Re) Pensando a Pesquisa Jurídica de Miracy Barbosa de Souza Gustin (...) pela Del Rey/ Belo Horizonte (2006)
>>> A C Repórter - Tempo de Arraes e Vietnã do Norte de Antonio Callado pela Agir (2005)
>>> Mahoma, Profeta y Hombre de Estado de W.M.Watt pela Labor (1967)
>>> Em Risco de Stella Rimington pela Record/ RJ. (2010)
>>> O Círculo dos Eleitos de Vialdi Moreira/ Autogrfado pela Imprensa Oficial/ Belo Hte. (1987)
>>> A Amante de Brecht de Jacques- Pierre Amette pela Record/ RJ. (2005)
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2013)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 8/1/2002
Princípio ativo
Rafael Lima

+ de 2600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Essa aconteceu com meu irmão. Voltando para casa, foi parado por dois turistas - a área onde moro sempre foi pródiga em turistas - mochilão às costas, pedindo o que todo turista quer: informações. No caso, onde era a entrada da estação do metrô. Meu irmão informou-lhes que a estação de metrô não era a walking distance de onde estavam, mas que era bastante fácil chegar até lá, qualquer ônibus levava. Como não?, retrucaram os gringos: eles sabiam onde era, só não estavam encontrando a entrada subterrânea... Meu irmão insistiu no ônibus, o mínimo necessário até a entrada mais próxima. Diante do impasse, os gringos sacaram o mapa e mostraram, olha aqui, Estação Cantagalo, exatamente onde estamos.

Posso até imaginar a cara de espanto de meu irmão ao ver, afiançada pelo mapa, um projeto de estação que começou em 1986, destruindo completamente a pracinha sob a qual ficaria localizada. Anos e anos de ferragens à céu aberto pareciam ser o destino daquele projeto, até a conversão em estacionamento subterrâneo (hoje desativado) com uma nova, menor e desfigurada praça por cima, na administração seguinte. Meu irmão ponderou que não valeria a pena explicar a história toda, limitando-se a explicar que a tal estação não existia (ainda que constasse dos planos de expansão). E voltou à arenga de pegar um ônibus etc. Pragmaticamente, os turistas assentiram e perguntaram: é para aqui, então?, apontando para a Estação Siqueira Campos no mapa. Situação que colocou meu irmão coçando a cabeça: bom, essa, pelo menos está em fase de construção, se vocês passarem lá vão ver o canteiro de obras... Não, não, peguem na anterior, Estação Arcoverde, que, não há dúvidas, está lá. Os turistas subiram nas tamancas: quer dizer que duas estações no mapa não existem? Como é que a gente pode se orientar assim? Meu irmão ponderou que se eles quisessem, poderiam processar o editor do guia, mas que elas não existem, não existem. E para chegar lá vocês tem que pegar um ônibus... Assumindo a derrota, meio a contragosto, os mochileiros partiram em direção ao Eldorado. Quer dizer, a Arcoverde.

* * *

Essa quem me contou foi um amigo do trabalho, de férias em Lisboa, Portugal. Entrou num táxi e pediu para tocar para um museu. O motorista foi, cruzando destemidamente sinais e avenidas (como qualquer motorista de táxi), enquanto os passageiros contemplavam o descortinar da paisagem (como quaisquer viajantes conhecendo uma cidade) até chegar vitoriosamente ao destino. Abriu a porta, retornou o troco e avisou em seguida:
- Aqui 'stá. Às segundas feiras o Museu não 'stá aberto.
A primeira reação foi de enfiar um murro no motorista. Foi apenas o tempo dele cair em si e ver que não adiantava brigar: era assim que os lusitanos raciocinavam. Ele tinha pedido para ir até o museu, não perguntado se estava aberto ou fechado, e o motorista, muito razoavelmente, cumprira sua missão, qual fosse a de levá-lo até lá.

* * *

O que as duas historinhas - absolutamente reais - têm em comum é o raciocínio de baixo contexto utilizado por ambos os protagonistas. Diretrizes claras e bem definidas seguidas linearmente sem espaço para elucubrações de ordem superior. Pediu para levar até o museu, levei. O mapa disse que tem uma estação aqui, cadê a entrada? Esse raciocínio é tipicamente encontrável entre os povos anglo-saxões, porque direto, focado no resultado, ignorando conscientemente o caminho para chegar até ele. O que, e não como. Ao contrário dos povos latinos, geralmente mais concentrados no processo, a despeito do objetivo. Num balcão de aeroporto norte-americano, a funcionária estará preocupado em fazer a fila andar, a todo custo. O importante é evitar atrasos que comprometam a partida do avião. Assim, todos aqueles procedimentos padronizados para a acelerar o check in das malas, que acabam deixando a impressão de que um chimpanzé bem treinado poderia substituir alguns atendentes. Quem já dialogou pelo vidro através daqueles microfones com bilheteiros de qualquer Multiplex sabe do que estou falando. A mesma situação num aeroporto na França teria desenrolar diferente, onde talvez a funcionária valorizasse a interação humana, ainda que curta e funcional, que acontece no momento do check in - e, eventualmente, ainda aproveitasse para fazer um tricô: "Ah, você é de Nantes? Minha prima mora lá." Papo furado, enfim. Para que serve o papo furado?

* * *

O que nos leva a uma grande ainda que quase imperceptível questão do nosso tempo: o objetivismo, essa ansiedade de se chegar logo ao resultado, ao fim; que parece amoldar a cultura de todos povos para esse admirável mundo novo. Um dos traços dessa homogeneização, de que já falei aqui no Digestivo, é a cultura do consumo, aquele sentimento expresso na frase "o freguês tem sempre a razão", orientação de ordem comercial que infestou todas as demais relações sociais. O raciocínio requerido pela cultura do consumo é exatamente o de baixo contexto - focado na satisfação do freguês - a despeito dos meios. O Bife estava mal passado? Troca-se por um no ponto. O livro chegou com a capa arranhada? A livraria virtual te dá um crédito. O carro foi arranhado no estacionamento? O shopping te paga a pintura. Tudo isso soa, à primeira vista, a melhor das maravilhas, mas tem conseqüências claras, que não se costuma considerar:
1) Só existe acesso às benesses para quem se transforma num consumidor, isto é, entra na roda-viva da remuneração-e-consumo. Esse mecanismo costuma funcionar às maravilhas quando cumpre bem sua função de distribuir os bens que gera. Mas se mostra insatisfatório quando exclui quem não topa suas regras.
2) Os direitos do consumidor convertem-se em direitos do cidadão, banalizando as complexas interações entre indivíduo e Estado em problemas para o manual do Procon. Pague seus impostos, tenha estradas bem conservadas, serviço médico e coleta de lixo. Como deve o Estado administrar o ervanário público? Como a sociedade de consumo pode satisfazer as vontades dos consumidores - vontades muitas vezes criada por ela própria - para que eles não fiquem por aí, gritando que não conseguem se satisfazer, qual Mick Jaggers de esquina? Como evitar que a democracia degenere num balcão de negócios?

* * *

Ao envolver uma relação humana numa transação comercial, compromete-se irreversivelmente a última. Há culturas primitivas que simplesmente repudiam o uso do dinheiro, porque acreditam que ela atrapalha as relações humanas. O comércio é substituído por uma troca ritualizada, de antes presentes do que bens. Não é por acaso que o uso de dinheiro é proibido no Burning Man: privilegia-se a interação entre quem precisa e quem tem sobre as noções de oferta e demanda. Se isso soa apenas como uma burocratização meio inútil para chegar no fim - a obtenção dos bens - é porque a ânsia de respostas já está infestada no comportamento. A importância do processo parece ter sido perdida em alguma curva da estrada. No entanto, a profusão de exemplos mostram que há uma busca quase desesperada pela riqueza que se foi junto com processo. O sucesso televisivo dos reality shows mostra que, cada vez mais sem tempo para viver uma vida entre seus compromissos, os telespectadores a substituem curtindo um simulacro na televisão, relembrando aqueles negócios meio inúteis que a gente faz quando não está fazendo nada - exatamente o que os personagens de um reality show fazem o tempo todo. O mesmo acontece nos blogs, quando se tenta enfileirar acontecimentos ou idéias de forma a se desenhar o perfil de uma coisa por si só fluida e maleável, a vida do redator. É a tentativa de entender o que acontece no processo, de ver como as variáveis se comportam e interferem entre si, pois apesar do comportamento humano se mostrar bastante repetitivo (a ponto de um cientista como Richard Dawkins propor que as idéias se comportam como vírus, e que somos seus meros vetores) ainda é suficientemente complexo para não ter sido completamente mapeado. Também por isso os manuais de auto-ajuda fazem tanto sucesso de vendas, do misticismo de Paulo Coelho ao ócio criativo do Domenico De Masi: o que eles trazem é uma tentativa de objetivar o conhecimento, ou antes, a sabedoria necessária para... como é que se diz? A busca da felicidade, como se fosse fácil assim esquadrinhar em instruções tipo ponha-o-pino-A-no-furo-B a sabedoria que advem de muito papo furado, um certo ócio zen, e a preocupação com "o mínimo e o escondido" onde Machado de Assis dizia gostar de enfiar seu nariz. Ou, como preferia Noel Rosa, o samba que não se aprende na escola. E dá um tempo com esse ISO 9000.

* * *

Conclusão? É no mínimo incoerente uma coluna dessas chegar a qualquer conclusão no final. Se você chegou até aqui esperando por uma, é porque não entendeu nada. E o pior é que não adianta reler.


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 8/1/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos de Renato Alessandro dos Santos
02. O quanto podemos compreender de Guilherme Carvalhal
03. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
04. Radiohead e sua piscina em forma de lua de Luís Fernando Amâncio
05. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2002
01. Coisas nossas - 23/4/2002
02. Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa - 25/6/2002
03. Ar do palco, ou o xadrez nos tempos da Guerra Fria - 16/4/2002
04. Quando éramos reis, bispos, cavalos... - 9/4/2002
05. Quebrar pratos com Afrodite - 14/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/1/2002
18h08min
puxa rafael vc está mal e mau mesmo! seu irmão tem nome?
[Leia outros Comentários de maria lucia puty]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONSTRUÇÃO CIVIL 1. ADMINISTRAÇÃO E ORGANIZAÇÃO MECÂNICA DOS SOLOS
US NAVY
HEMUS
R$ 183,00



VOZES NO MILÊNIO: PARA PENSAR A GLOBALIZAÇÃO
ANELISE PACHECO; PAULO VAZ
GRYPHUS
(2002)
R$ 9,82



CENSURE ET LIBERTÉ DEXPRESSION
RAOUL DEBOIS, JULES GRITTI E OUTROS
DESCLÉE DE BROUWER (PARIS)
(1970)
R$ 23,82



AS AVENTURAS DO BARÃO DE MUNCHAUSEN
RUDOLF ERICH RASPE
ILUMIURAS
(2011)
R$ 30,00
+ frete grátis



MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS - MÓDULO 3 - MATEMÁTICA
MARIA AUXILIADORA VILELA PAIVA
CECIERJ
(2012)
R$ 30,00



NINHO DE VÍBORAS
LINDA DAVIES
OBJETIVA
(1995)
R$ 10,00



A AMÉRICA LATINA NA ÉPOCA COLONIA
STUART B. SCHWARTZ E JAMES LOCKHART
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(2002)
R$ 100,00
+ frete grátis



500 ANOS
REGINA REMÓ
FTD
(1999)
R$ 4,00



O JARDIM DE MARX COMUNISMO E TEORIA SOCIAL CONTEMPORÂNEA
LUIS CARLOS FRIDMAN
RELUME DUMARÁ
(2003)
R$ 34,90



MEMORIAL DE AIRES
MACHADO DE ASSIS
ÁTICA
(1976)
R$ 4,30





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês