Princípio ativo | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> OBA HORTIFRUTI INAUGURA 25ª LOJA EM SÃO PAULO
>>> Bienal On-line promove studio visit com artista argentina Inés Raiteri
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Fiel escudeiro
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Raduan Nassar
>>> Cacá Diegues e os jornalistas
>>> A Casa é de Daniela Escobar
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Ação Afirmativa, Injustiça Insuspeita
>>> A mulher madura
>>> 15 de Dezembro #digestivo10anos
>>> A arte da crônica
>>> Passaralho
Mais Recentes
>>> Adultos sem Filtro e Outras Crônicas de Thalita Rebouças pela Rocco (2012)
>>> 100 Receitas de Saúde - Alimentos para Rejuvenescer de Sarah Merson pela Publifolha (2007)
>>> Manual de Direito Civil de Luiz Fernando do Vale de Almeida Guilherme pela Manole (2020)
>>> Crafts in plastics de Nicholas Roukes pela Pitman (1972)
>>> Athos Bulcão 80 anos. de Sem autor pela Ccbb (1998)
>>> The art and craft of papier mâché de Juliet Bawden pela Chronicle books (1995)
>>> Ismael Nery 100 anos. A poética de um mito de Sem autor pela Ccbb (2000)
>>> Druckgrafik de Liebermann Slevogt Corinth pela Ifa (1980)
>>> The later work (174 plates with 2 in color) de Aubrey Beardsley pela Dover
>>> The Potters Companion. The complete guide to pottery making de Tony Birks pela Collins (1974)
>>> Adoro o Brasil de Sig Bergamin pela A Girafa (2003)
>>> Georges Braque - Oeuvre Gravé de Catalogo pela Maeght ccbb (1994)
>>> História da locomoção terrestre de Maurice Fabre pela Morais (1966)
>>> Vincent Van Gogh - Wie was Who was qui était quien fué de Dr. J Hulsker pela Bert Bakker (1958)
>>> Cultura - Favela é Cidade e o Futuro das Nossas Cidades de João Paulo dos Reis Velloso Coordenação pela Fórum Nacional (2014)
>>> Orquídeas. 430 ilustrações a cores (coleção pequeno guia) de Floyd S. Shuttleworth pela Livraria Bertrand (1970)
>>> Do sonho às coisas: retratos subversivos de José Carlos Mariátegui pela Boitempo (2005)
>>> Gramsci: Periferia e Subalternidade de Marcos Del Roio pela Marcos Del Roio (2017)
>>> A legalização da classe operária de Bernard Edelman pela Boitempo (2016)
>>> Lenin - Um estudo sobre a unidade de seu pensamento de György Lukács pela Boitempo (2012)
>>> Caminhos divergentes: judaicidade e crítica do sionismo de Judith Butler pela Boitempo (2017)
>>> Bibia Quer Tangerica - Autografado de Gilda Rizzo pela Francisco Alves (1987)
>>> Um Lugar Chamado Céu de Regina Rennó pela Ed Lê (1997)
>>> Cropas Ou Praus? de Angela Carneiro; Lia Neiva; Sylvia Orthof pela Ediouro (1994)
>>> Ovos Nevados de Sylvia Orthof pela Formato (1997)
COLUNAS

Terça-feira, 8/1/2002
Princípio ativo
Rafael Lima

+ de 3000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Essa aconteceu com meu irmão. Voltando para casa, foi parado por dois turistas - a área onde moro sempre foi pródiga em turistas - mochilão às costas, pedindo o que todo turista quer: informações. No caso, onde era a entrada da estação do metrô. Meu irmão informou-lhes que a estação de metrô não era a walking distance de onde estavam, mas que era bastante fácil chegar até lá, qualquer ônibus levava. Como não?, retrucaram os gringos: eles sabiam onde era, só não estavam encontrando a entrada subterrânea... Meu irmão insistiu no ônibus, o mínimo necessário até a entrada mais próxima. Diante do impasse, os gringos sacaram o mapa e mostraram, olha aqui, Estação Cantagalo, exatamente onde estamos.

Posso até imaginar a cara de espanto de meu irmão ao ver, afiançada pelo mapa, um projeto de estação que começou em 1986, destruindo completamente a pracinha sob a qual ficaria localizada. Anos e anos de ferragens à céu aberto pareciam ser o destino daquele projeto, até a conversão em estacionamento subterrâneo (hoje desativado) com uma nova, menor e desfigurada praça por cima, na administração seguinte. Meu irmão ponderou que não valeria a pena explicar a história toda, limitando-se a explicar que a tal estação não existia (ainda que constasse dos planos de expansão). E voltou à arenga de pegar um ônibus etc. Pragmaticamente, os turistas assentiram e perguntaram: é para aqui, então?, apontando para a Estação Siqueira Campos no mapa. Situação que colocou meu irmão coçando a cabeça: bom, essa, pelo menos está em fase de construção, se vocês passarem lá vão ver o canteiro de obras... Não, não, peguem na anterior, Estação Arcoverde, que, não há dúvidas, está lá. Os turistas subiram nas tamancas: quer dizer que duas estações no mapa não existem? Como é que a gente pode se orientar assim? Meu irmão ponderou que se eles quisessem, poderiam processar o editor do guia, mas que elas não existem, não existem. E para chegar lá vocês tem que pegar um ônibus... Assumindo a derrota, meio a contragosto, os mochileiros partiram em direção ao Eldorado. Quer dizer, a Arcoverde.

* * *

Essa quem me contou foi um amigo do trabalho, de férias em Lisboa, Portugal. Entrou num táxi e pediu para tocar para um museu. O motorista foi, cruzando destemidamente sinais e avenidas (como qualquer motorista de táxi), enquanto os passageiros contemplavam o descortinar da paisagem (como quaisquer viajantes conhecendo uma cidade) até chegar vitoriosamente ao destino. Abriu a porta, retornou o troco e avisou em seguida:
- Aqui 'stá. Às segundas feiras o Museu não 'stá aberto.
A primeira reação foi de enfiar um murro no motorista. Foi apenas o tempo dele cair em si e ver que não adiantava brigar: era assim que os lusitanos raciocinavam. Ele tinha pedido para ir até o museu, não perguntado se estava aberto ou fechado, e o motorista, muito razoavelmente, cumprira sua missão, qual fosse a de levá-lo até lá.

* * *

O que as duas historinhas - absolutamente reais - têm em comum é o raciocínio de baixo contexto utilizado por ambos os protagonistas. Diretrizes claras e bem definidas seguidas linearmente sem espaço para elucubrações de ordem superior. Pediu para levar até o museu, levei. O mapa disse que tem uma estação aqui, cadê a entrada? Esse raciocínio é tipicamente encontrável entre os povos anglo-saxões, porque direto, focado no resultado, ignorando conscientemente o caminho para chegar até ele. O que, e não como. Ao contrário dos povos latinos, geralmente mais concentrados no processo, a despeito do objetivo. Num balcão de aeroporto norte-americano, a funcionária estará preocupado em fazer a fila andar, a todo custo. O importante é evitar atrasos que comprometam a partida do avião. Assim, todos aqueles procedimentos padronizados para a acelerar o check in das malas, que acabam deixando a impressão de que um chimpanzé bem treinado poderia substituir alguns atendentes. Quem já dialogou pelo vidro através daqueles microfones com bilheteiros de qualquer Multiplex sabe do que estou falando. A mesma situação num aeroporto na França teria desenrolar diferente, onde talvez a funcionária valorizasse a interação humana, ainda que curta e funcional, que acontece no momento do check in - e, eventualmente, ainda aproveitasse para fazer um tricô: "Ah, você é de Nantes? Minha prima mora lá." Papo furado, enfim. Para que serve o papo furado?

* * *

O que nos leva a uma grande ainda que quase imperceptível questão do nosso tempo: o objetivismo, essa ansiedade de se chegar logo ao resultado, ao fim; que parece amoldar a cultura de todos povos para esse admirável mundo novo. Um dos traços dessa homogeneização, de que já falei aqui no Digestivo, é a cultura do consumo, aquele sentimento expresso na frase "o freguês tem sempre a razão", orientação de ordem comercial que infestou todas as demais relações sociais. O raciocínio requerido pela cultura do consumo é exatamente o de baixo contexto - focado na satisfação do freguês - a despeito dos meios. O Bife estava mal passado? Troca-se por um no ponto. O livro chegou com a capa arranhada? A livraria virtual te dá um crédito. O carro foi arranhado no estacionamento? O shopping te paga a pintura. Tudo isso soa, à primeira vista, a melhor das maravilhas, mas tem conseqüências claras, que não se costuma considerar:
1) Só existe acesso às benesses para quem se transforma num consumidor, isto é, entra na roda-viva da remuneração-e-consumo. Esse mecanismo costuma funcionar às maravilhas quando cumpre bem sua função de distribuir os bens que gera. Mas se mostra insatisfatório quando exclui quem não topa suas regras.
2) Os direitos do consumidor convertem-se em direitos do cidadão, banalizando as complexas interações entre indivíduo e Estado em problemas para o manual do Procon. Pague seus impostos, tenha estradas bem conservadas, serviço médico e coleta de lixo. Como deve o Estado administrar o ervanário público? Como a sociedade de consumo pode satisfazer as vontades dos consumidores - vontades muitas vezes criada por ela própria - para que eles não fiquem por aí, gritando que não conseguem se satisfazer, qual Mick Jaggers de esquina? Como evitar que a democracia degenere num balcão de negócios?

* * *

Ao envolver uma relação humana numa transação comercial, compromete-se irreversivelmente a última. Há culturas primitivas que simplesmente repudiam o uso do dinheiro, porque acreditam que ela atrapalha as relações humanas. O comércio é substituído por uma troca ritualizada, de antes presentes do que bens. Não é por acaso que o uso de dinheiro é proibido no Burning Man: privilegia-se a interação entre quem precisa e quem tem sobre as noções de oferta e demanda. Se isso soa apenas como uma burocratização meio inútil para chegar no fim - a obtenção dos bens - é porque a ânsia de respostas já está infestada no comportamento. A importância do processo parece ter sido perdida em alguma curva da estrada. No entanto, a profusão de exemplos mostram que há uma busca quase desesperada pela riqueza que se foi junto com processo. O sucesso televisivo dos reality shows mostra que, cada vez mais sem tempo para viver uma vida entre seus compromissos, os telespectadores a substituem curtindo um simulacro na televisão, relembrando aqueles negócios meio inúteis que a gente faz quando não está fazendo nada - exatamente o que os personagens de um reality show fazem o tempo todo. O mesmo acontece nos blogs, quando se tenta enfileirar acontecimentos ou idéias de forma a se desenhar o perfil de uma coisa por si só fluida e maleável, a vida do redator. É a tentativa de entender o que acontece no processo, de ver como as variáveis se comportam e interferem entre si, pois apesar do comportamento humano se mostrar bastante repetitivo (a ponto de um cientista como Richard Dawkins propor que as idéias se comportam como vírus, e que somos seus meros vetores) ainda é suficientemente complexo para não ter sido completamente mapeado. Também por isso os manuais de auto-ajuda fazem tanto sucesso de vendas, do misticismo de Paulo Coelho ao ócio criativo do Domenico De Masi: o que eles trazem é uma tentativa de objetivar o conhecimento, ou antes, a sabedoria necessária para... como é que se diz? A busca da felicidade, como se fosse fácil assim esquadrinhar em instruções tipo ponha-o-pino-A-no-furo-B a sabedoria que advem de muito papo furado, um certo ócio zen, e a preocupação com "o mínimo e o escondido" onde Machado de Assis dizia gostar de enfiar seu nariz. Ou, como preferia Noel Rosa, o samba que não se aprende na escola. E dá um tempo com esse ISO 9000.

* * *

Conclusão? É no mínimo incoerente uma coluna dessas chegar a qualquer conclusão no final. Se você chegou até aqui esperando por uma, é porque não entendeu nada. E o pior é que não adianta reler.


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 8/1/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu Telefunken de Renato Alessandro dos Santos
02. Antonia, de Morena Nascimento de Elisa Andrade Buzzo
03. Primavera ao ar livre de Elisa Andrade Buzzo
04. Um estranho chamado Joe Strummer de Celso A. Uequed Pitol
05. George Orwell e o alerta contra o totalitarismo de Gian Danton


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2002
01. Coisas nossas - 23/4/2002
02. Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa - 25/6/2002
03. Ar do palco, ou o xadrez nos tempos da Guerra Fria - 16/4/2002
04. Quando éramos reis, bispos, cavalos... - 9/4/2002
05. Quebrar pratos com Afrodite - 14/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/1/2002
18h08min
puxa rafael vc está mal e mau mesmo! seu irmão tem nome?
[Leia outros Comentários de maria lucia puty]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ejercicios Complementarios: Gramatica Practica de Espanol Para
Sánchez, Martin e Matilla
Sociedad General Espanola
(1985)



Espanhol pelo Método Mágico
União de Discos e Fitas
União de Discos e Fitas



A Doce Sinfonia de Seu Silêncio
Luciana Scotti
O Nome da Rosa
(1999)



No Terceiro Dia
Piers Paul Read
Siciliano
(1992)



Se Eu Nao Te Amasse Tanto Assim...
Paulo Sergio Valle
Litteris
(2008)



Resumo de Direito Eleitoral
Marcos Ramayana
Impetus
(2009)



Investindo no Mercado de Opções
Elvis Pfützenreuter
Novatec
(2008)



Você e a Violência
Miguel Darcy de Oliveira e Outros
Vozes e Oab
(1985)



Nur na Escuridão
Salim Miguel
Record
(2008)



A Eleição do Cruzado
Paulo Saab
Global





busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês