Na minha internet foi assim, e na sua? | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
37024 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/5/2013
Na minha internet foi assim, e na sua?
Marta Barcellos

+ de 2800 Acessos

Dizem que a internet induz cada um a procurar a sua turma, e acabar se bitolando nela. Por exemplo: no Facebook, você pode bloquear as publicações de pessoas que o incomodam, por ter uma ideologia ou um senso de humor diferente do seu, ou apenas porque postam bebês e você prefere bichinhos. Dessa forma, o Facebook fica com a sua "cara" e o mundo lá fora passa a refletir seus gostos e opiniões - como, aliás, já é a pesquisa no Google sem que ninguém se dê conta disso.

Na prática, o ato de bloquear ou fugir de pessoas e publicações indesejáveis é bastante compreensível, nem que seja por uma questão de administração de tempo e paciência. Outro dia uma amiga jornalista, que se orgulhava de seu espírito democrático, confessava, em tom de desabafo, ter deletado de suas relações virtuais um simpatizante de Bolsonaro e Feliciano. Tem limite pra tudo, né? Os amigos dela, os de verdade, observaram que ela foi paciente até demais. Afinal, quanta atenção deve merecer um discurso absolutamente inconciliável com o seu, como o de alguém que acredita que o homem não foi à lua ou que o holocausto foi uma invenção?

Mas nada disso é exclusivo da era digital. Segundo uma pesquisa feita pela Universidade de Ohio em 2009, as pessoas passavam até 36% mais tempo lendo um texto que reforçava suas opiniões, em oposição a textos que defendiam visões contrárias. Como também costumamos conversar mais e respeitar mais aqueles com quem concordamos, acabamos ignorando as informações que não confirmam nossas ideias. Resultado: se não houver algum tipo de "pressão externa", ficamos cada vez mais convencidos de que estamos certos, por causa das confirmações que buscamos em espaços privados ou associados a nós.

Só que ainda existe um espaço público - além desse que mistura o público e o privado das redes sociais. E nele hoje domina algo que costuma ser simplificado como o "politicamente correto". Como acredito que as minorias ainda precisam de proteção, e que a revisão de injustiças históricas deve estar na agenda da sociedade, não me incomodo com os eventuais exageros do "politicamente correto". Prefiro do que os preconceitos que corriam soltos antes.

Mas sei que nesse espaço misto das redes sociais, entre o público e o privado, tem muita gente que reclama dele, do politicamente correto. Sei disso apesar de, provavelmente, já ter lapidado a "minha internet" com uma cara mais progressista e de esquerda. Talvez saiba porque, configurações à parte, tento me manter aberta e democrática, como minha amiga que aturou o fascista em suas relações virtuais.

Essa reflexão toda é para contar como, apesar de buscar me manter abertamente informada, me espantei com as repercussões da chamada PEC das empregadas domésticas. Manchete já no jornal, estava eu distraída na academia quando fui abordada por uma simpática senhora que tenta ser minha amiga: "Você viu? Que coisa absurda... E agora, como você vai fazer com a sua empregada?"

Demorei pra entender. Naquele momento, eu ainda não sabia da reação das patroas indignadas que se espalhava por ambientes como aqueles, frequentados particularmente por patroas. Pensando bem, não frequento muitos ambientes agregadores de patroas, e talvez a tal indignação massiva tivesse me passado batida, se não fossem as redes sociais.

Antes que as pessoas pudessem elaborar melhor suas posições e se ater talvez aos problemas de regulamentação, antes que os colunistas de plantão fizessem suas colunas inserindo a discussão da lei em um contexto histórico e social, antes que os politicamente incorretos percebessem que não era momento de reclamar da chatice do politicamente correto, antes disso tudo, espocaram em minha tela reações. Assim, espontâneas. Fiquei atordoada, paralisada. Quer dizer, tive vontade de debater, levar a discussão para o saudável campo das ideias. Mas, por outro lado, me parecia um daqueles casos de discursos inconciliáveis, como se eu precisasse argumentar que "sim, o holocausto aconteceu, com certeza". Como se ainda existissem esquerda e direita, sim!, luta de classes, sim!, e todas as outras velhas dicotomias que meus olhos vinham tentando ignorar, talvez para justificar o interesse por temas mais complexos e novos.

Mas, passado o susto, me dei conta da oportunidade. Da riqueza de termos hoje acesso a reações tão espontâneas, como se a sociedade estivesse no divã, como se pelo menos parte dela - a elite que se autodenomina classe média - pudesse ser compreendida na polifonia das falas da internet, revelando seus temores mais profundos, seus ressentimentos, seus desejos mais inconfessáveis. Quem se choca? Quem se identifica? Quem se dispõe a estudar essa polifonia e investigar o que está acontecendo hoje no Brasil? Pois que se ouçam as vozes, e que se leiam as entrelinhas...

- As empregadas de hoje têm a maior boa vida e ganham mais do que quem tem universidade, um absurdo.

- Essa lei é pura demagogia do governo. Se não fosse a classe média, o que as empregadas fariam? Uma mão lava a outra e assim caminha a humanidade.

- E os nossos direitos? Será que precisamos de um sindicato das patroas?

- Sei muito bem quanto devo pagar, quais são as minhas obrigações, e tudo isso me é atirado na fuça como se, ao dar emprego, eu estivesse explorando alguém.

- E quando elas quebrarem as nossas coisas, arrancarem coisas da parede, mancharem nossa roupa? Dá justa causa ou fica por isso mesmo?

- Tem dó dizer que a PEC é a nova Lei Áurea. Nem todo empregador doméstico é carrasco!

- Quem não teve faxineira que não faxina, cozinheira que não cozinha, passadeira que não passa, eletrodomésticos quebrados, prejuízos de toda a sorte, perdas absurdas?



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 10/5/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Paris de Chico Buarque de Marta Barcellos
02. House e o retorno dos fãs de Carla Ceres
03. Minha cartomante não curte o Facebook de Ana Elisa Ribeiro
04. Erudição e humor na ficção de Ruy Castro de Luis Eduardo Matta
05. Antenas quebradas de Rafael Rodrigues


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2013
01. Para viver de literatura - 7/2/2013
02. Mamãe cata-piolho - 31/5/2013
03. Suicídio - 15/2/2013
04. Suicídio, parte 2 - 15/3/2013
05. Até eu caí nessa - 8/11/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OBRAS PÚBLICAS - LICITAÇÃO, CONTRATAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO - NOVOS TEXTOS SOBRE BDI, REGIME DE EXECUÇÃO, PREGÃO, MEDIÇÕES, PROJETO E ADITIVOS.
CLÁUDIO SARIAN ALTOUNIAN
FÓRUM
(2009)
R$ 6,00



LUXÚRIA DOIS
JUDITH KRANTZ
RECORD
(1994)
R$ 5,00



PROJETO ARARIBÁ GEOGRAFIA 7º ANO
ED. MODERNA
MODERNA
(2010)
R$ 6,00



TEX Nº 77 - JULHO 1977 - PESADELO!
G. L. BONELLI
VECCHI
(1977)
R$ 8,00



FINAL TARGET
IRIS JOHANSEN
BANTAM BOOKS
(2001)
R$ 10,00



O GALO QUE PERDEU O CANTO - COLEÇÃO GIRASSOL
JULIETA DE GODOY LADEIRA
MODERNA
(1990)
R$ 14,50



VISIONS OF THE EAST: ORIENTALISM IN FILM
MATTHEW BERNSTEIN; GAYLYN STUDLAR
RUTGERS UNIVERSITY PRESS
(1997)
R$ 80,00



PRA VALER
MAURICIO LOUZADA
ALL PRINT
(2011)
R$ 10,00



O PRÍNCIPE MAQUIAVEL
MAQUIAVEL
LPM POCKET
(2009)
R$ 5,00



UM DIA DAQUELES
BRADLEY TREVOS GREIVE
SEXTANTE
(2001)
R$ 5,00





busca | avançada
37024 visitas/dia
1,4 milhão/mês