Assange: efeitos da internet em nosso cotidiano | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
>>> Arte do Granja
>>> Prorrogadas as inscrições para 20ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
>>> Projeto Trovadores Urbanos 30 anos, live cinco, “Serenata para Silvio Caldas”, segunda dia 19 de abr
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood
>>> 8 de Junho #digestivo10anos
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> Vinicius de Moraes Reeditado pela Companhia das Letras
>>> Deep Purple Made in Japan
>>> The Newspaper of the Future
>>> Se eu fosse você 2
>>> Lady Gaga, uma aula do pastiche
>>> Comunicado importante: TV mata!
>>> A bolha da blogosfera
Mais Recentes
>>> O Carneiro Revoltado de Francisco Candido Xavier ( pela Feb (2008)
>>> O Dia De Ver Meu Pai de Vivina de Assis pela Formato (2007)
>>> Caravana de Amor de Francisco Cândido Xavier e Outros pela Instituto de Difusão Espírita (1985)
>>> Pedrinho Dá o Grito de Ana Cecilia Carvalho - Robinso pela Formato (2014)
>>> Bem-Te-Verde de Santuza Abras pela Formato (2007)
>>> Camila Nao Quer Emprestar Seus Brinquedos de Aline de Delvaux, Nancy Petigny pela Lorousse (2004)
>>> Caca-Fumaca de Eva Furnari pela Paulinas (2003)
>>> Chuveiro de Karen Acioly pela Rocco (2008)
>>> O Soldadinho De Chumbo Em Cordel de João Bosco Bezerra Bonfim pela Prumo (2009)
>>> Amigos Do Mar - Coleção Dedinho Encantado de Nely A. Guernelli Nucci pela Paulinas (2004)
>>> Quem Faz Os Dias Da Semana? de Lúcia Pimentel Goés pela Lorousse (2005)
>>> Eu Vi! de Jonas Ribeiro pela Mundo Mirim (2009)
>>> Rei Artur de Allan Massie pela Ediouro (2004)
>>> Nicola Tem Vergonha Ate de Jogar Bola de Graziela Beting pela Lorousse (2006)
>>> Cadê o Juízo do Menino? de Tino Freitas pela Manati (2009)
>>> Rita Sapeca e o Boneco de Neve de Peral Schumurl pela Lorousse (2006)
>>> A Mão que Conta a História de Márcia Leite pela LeYa (2011)
>>> Na Bucha! de Trambaiolli Neto Egidio pela Uirapuru (2007)
>>> Trilogia do Corpo de Fernando Barreto pela Lge (2009)
>>> É Hora! É Hora! de Anna Claudia Ramos pela Nova Fronteira (2005)
>>> Tempo de Voo de Bartolomeu Campos de Queirós pela SM Paradidático (2009)
>>> Brasília: de cerrado a capital da república de Jô Oliveira pela Cortez (2008)
>>> Sujo, eu? de David Roberts pela Companhia Nacional (2006)
>>> Corpo humano de Charline Zeitoun pela Companhia Nacional (2006)
>>> As cores do arco-íris de Jennifer Moore Mallinos pela Companhia Nacional (2008)
COLUNAS

Quarta-feira, 2/10/2013
Assange: efeitos da internet em nosso cotidiano
Humberto Pereira da Silva

+ de 3700 Acessos

Julien Assange, criador e editor do WikiLeaks, junto com Jacob Appelbaum, Andy Müller-Maguhn e Jeremie Zimmermann, proeminentes personalidades do mundo digital, travaram diálogo sobre o poder e os efeitos da internet nos mais variados domínios da vida contemporânea. Em prisão domiciliar no Reino Unido, em março de 2012, Assange se reuniu com seus três colegas internáuticos. O resultado das conversas foi organizado e publicado com o título Cypherpunk - liberdade e o futuro da internet. A edição brasileira é de responsabilidade da Boitempo Editorial.

Cypherpunk foi estruturado com os seguintes tópicos: observações sobre as várias tentativas de perseguição ao WikiLeaks e às pessoas e ele associadas, maior comunicação versus maior vigilância, a militarização do ciberespaço, combatendo a vigilância total com as leis dos homens, espionagem pelo setor privado, combatendo a vigilância total com as leis da física, internet e política, internet e economia, censura, privacidade para os fracos e transparência para os poderosos, ratos na ópera.

A apresentação dedicada ao público latino-americano foi feita por Assange. Nela, destaque para a afirmação de que na internet todos os caminhos que vão e vêm da América Latina passam pelos Estados Unidos. Todos os dias centenas de milhões de mensagens vindas do continente latino-americano são armazenadas por órgãos de espionagem americana. Governos e empresas latino-americanas protegem seus segredos com hardwares criptografados, mas estes embaralham mensagem e as desembaralham quando chegam ao seu destino. Toda parafernália de softwares e hardwares disponíveis por governos ou empresas na América Latina é controlada pela inteligência americana.

A conversa entre Assange e seus colegas segue tom coloquial. Todos falam de modo espontâneo; são depoimentos soltos, com pontos de vistas genéricos que expressam como percebem e sentem o papel da internet num mundo em que seu uso é cada vez mais presente nas atividades mais ordinárias. O tom coloquial, inevitável, implica em superficialidades, contrabalançadas por terminologias técnicas de informática - tecnicismos provavelmente ignorados por muitos que tomam o computador exclusivamente como instrumento (notas explicativas ao final de cada capítulo são de fato formativas e trazem informações em contraponto à superficialidade da conversa).

A despreocupação com questões de fundo a que o tema dá vazão diz muito da maneira com que entendem o momento. O propósito, de fato, não é o de oferecer reflexão. Seria ingênuo esperar que fizessem exame aprofundado do que sabem e colocam à disposição do público. Assange e seus colegas são declaradamente ativistas. Assim sendo, orientam-se pela urgência, pela utilização de linguagem persuasiva, com apelo típico de quem vê a realidade pelo viés maniqueísta: nós estamos de um lado, o certo; de outro, o errado, nossos inimigos, que representam ameaça àqueles que ignoram haver hoje uma batalha internautica.

Com isso, no dialogo travado, certo ranço de teorias apocalípticas. Quem ler Cypherpunk com predisposição para imaginação, inevitável que seja absorvido pelo clima de paranoia similar a da iminência de conflagração nuclear nos anos de guerra fria: "A internet, nossa maior ferramenta de emancipação, está se transformando no mais perigoso facilitador do totalitarismo que já vimos. A internet é uma ameaça à civilização humana. (...) Se nada for feito, em poucos anos a civilização global se transformará em uma distopia da vigilância pós-moderna, da qual só os mais habilidosos conseguirão escapar". Estas são as linhas que resumem a necessidade de intervenção para Assange.

O sentimento de falibilidade, de autopreservação diante de ameaças que desconhecemos, faz parte da condição humana desde os tempos pré-históricos. Páginas e páginas de filosofia e teologia foram escritas sobre o temor, sobre a força da natureza e a intervenção divina, que nos protegeria ou castigaria. As religiões se fartam disso. O medo levou o filósofo Thomas Hobbes a escrever o Leviathan (1651), que, para situação como a descrita por Assange, é uma referência a se ter em vista.

Certo é que não se deve subestimar o alerta de Assange: a internet, de fato, exige que se repensem as relações humanas a partir de parâmetros que não existiam há pouco tempo. O sentido dado a palavras como "liberdade" e "privacidade" exige nova reacomodação conceitual. Uma simples ligação pelo celular, ou um post no Facebook, pode desencadear reações cujo sentido nos escapa. Assim, ler o alerta de Assange pode bem ser um cálculo utilitário num mundo com novidades tecnológicas as quais, em grande parte, os efeitos são ignorados.

Mas, igualmente, não se deve esquecer que o medo e a paranoia são condicionantes da condição humana. Não fosse seu alerta de histeria com a presença quase totalizante da internet em nossas vidas, seria o aquecimento global (acabo de ler avaliação do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas das Nações Unidas que antecipa para o meio do século verões quase sem gelo no Polo Norte), um cometa vindo de espaços siderais, um meteoro ou que o sol engolirá a Terra daqui a quatro bilhões de anos. É nesse ponto, contudo, que o diálogo entre Assange e seus colegas porta alguns paradoxos.

Destaquemos em especial um: a internet é justamente o veículo que torna possível seu alerta. O perigoso mundo da internet é o mesmo que nos possibilita acessar seu livro. Melhor, qualquer pessoa com acesso à internet pode lê-lo em qualquer lugar do mundo. Na história, basta pensar como o alerta que ele faz transitaria na Idade Média, quando a vida das pessoas era controlada pela Igreja Católica. Num mundo incrivelmente controlado como o atual, Assange, o WikiLeaks, e todo tecnicismo criptográfico estão disponíveis na internet. Como contraponto, pensemos nas sociedades secretas e todo tipo de hermetismo que circularam na Europa pré Revolução Francesa, cujo saber se perdeu e hoje é totalmente inescrutável.

Sim, este um paradoxo que não se pode deixar de lado e que escapa à "generosidade" de Assange: o controle no mundo atual também é movediço; não o fosse, não seria possível, em segurança, ele e seus colegas se encontrarem no Reino Unido e legarem Cypherpunk - liberdade e o futuro da internet. Em suma, vale ler e dar toda atenção a Assange. Mas vale igualmente refletir - o que ele e seus colegas não o fazem - que hordas e hordas ao longo da história não trouxeram o Armageddon, o fim dos tempos. Mais que a internet e seus efeitos em nosso cotidiano, uma ameaça real e concreta à civilização pode bem estar fora de nosso mundo, como não "desconfiavam" os dinossauros sessenta milhões de anos atrás.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 2/10/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu reino por uma webcam de Ana Elisa Ribeiro
02. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
03. O dia que nada prometia de Luís Fernando Amâncio
04. O túmulo do pássaro de Elisa Andrade Buzzo
05. O Brasil não é a Seleção Brasileira de Diogo Salles


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2013
01. Olgária Matos - 1/2/2013
02. Mídia Ninja coloca o eixo em xeque - 21/8/2013
03. Toda poesia de Paulo Leminski - 8/5/2013
04. Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil' - 6/3/2013
05. O Som ao Redor - 13/2/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Un Nouveau Style Dobéissance: Problemas de Vie Religieuse
M. Aunet, P. Charpentier e Outros
Editions Du Cerf
(1968)



As Aventuras do Capitão Pirilampo e do Comandante Noita
Flávio Rezende - Suzana Gasparian
Girafinha
(2011)



A Descoberta do Reino de Deus - Hoje Deus nos Faz Viver Em Seu Re
Editorial Dom Bosco (vol 2)
Editorial Dom Bosco
(1965)



A Ideologia
Ari Herculano de Souza
Do Brasil
(1989)



A Pintura Flamenga e Holandesa da Fundação Medeiros Almeida
Realidade e Capricho Novembro 2008
Fundação Medeiros e Almeida
(2008)



Estratégias empresariais para pequenas e médias empresas
Maurício Sita
Literare Books International
(2015)



Não Me Grite!
Quinto
Don Quixote
(1982)



Perspectiva para Pincipiantes
Arnaldo Belmiro (capa Verde)
Edições de Ouro
(1979)



Objective Ket Students Book
Annette Capel / Wendy Sharp
Cambridge
(2012)



O Noviço/ o Juiz de Paz da Roça
Martins Pena
Sol





busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês