Assange: efeitos da internet em nosso cotidiano | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 2/10/2013
Assange: efeitos da internet em nosso cotidiano
Humberto Pereira da Silva

+ de 3400 Acessos

Julien Assange, criador e editor do WikiLeaks, junto com Jacob Appelbaum, Andy Müller-Maguhn e Jeremie Zimmermann, proeminentes personalidades do mundo digital, travaram diálogo sobre o poder e os efeitos da internet nos mais variados domínios da vida contemporânea. Em prisão domiciliar no Reino Unido, em março de 2012, Assange se reuniu com seus três colegas internáuticos. O resultado das conversas foi organizado e publicado com o título Cypherpunk - liberdade e o futuro da internet. A edição brasileira é de responsabilidade da Boitempo Editorial.

Cypherpunk foi estruturado com os seguintes tópicos: observações sobre as várias tentativas de perseguição ao WikiLeaks e às pessoas e ele associadas, maior comunicação versus maior vigilância, a militarização do ciberespaço, combatendo a vigilância total com as leis dos homens, espionagem pelo setor privado, combatendo a vigilância total com as leis da física, internet e política, internet e economia, censura, privacidade para os fracos e transparência para os poderosos, ratos na ópera.

A apresentação dedicada ao público latino-americano foi feita por Assange. Nela, destaque para a afirmação de que na internet todos os caminhos que vão e vêm da América Latina passam pelos Estados Unidos. Todos os dias centenas de milhões de mensagens vindas do continente latino-americano são armazenadas por órgãos de espionagem americana. Governos e empresas latino-americanas protegem seus segredos com hardwares criptografados, mas estes embaralham mensagem e as desembaralham quando chegam ao seu destino. Toda parafernália de softwares e hardwares disponíveis por governos ou empresas na América Latina é controlada pela inteligência americana.

A conversa entre Assange e seus colegas segue tom coloquial. Todos falam de modo espontâneo; são depoimentos soltos, com pontos de vistas genéricos que expressam como percebem e sentem o papel da internet num mundo em que seu uso é cada vez mais presente nas atividades mais ordinárias. O tom coloquial, inevitável, implica em superficialidades, contrabalançadas por terminologias técnicas de informática - tecnicismos provavelmente ignorados por muitos que tomam o computador exclusivamente como instrumento (notas explicativas ao final de cada capítulo são de fato formativas e trazem informações em contraponto à superficialidade da conversa).

A despreocupação com questões de fundo a que o tema dá vazão diz muito da maneira com que entendem o momento. O propósito, de fato, não é o de oferecer reflexão. Seria ingênuo esperar que fizessem exame aprofundado do que sabem e colocam à disposição do público. Assange e seus colegas são declaradamente ativistas. Assim sendo, orientam-se pela urgência, pela utilização de linguagem persuasiva, com apelo típico de quem vê a realidade pelo viés maniqueísta: nós estamos de um lado, o certo; de outro, o errado, nossos inimigos, que representam ameaça àqueles que ignoram haver hoje uma batalha internautica.

Com isso, no dialogo travado, certo ranço de teorias apocalípticas. Quem ler Cypherpunk com predisposição para imaginação, inevitável que seja absorvido pelo clima de paranoia similar a da iminência de conflagração nuclear nos anos de guerra fria: "A internet, nossa maior ferramenta de emancipação, está se transformando no mais perigoso facilitador do totalitarismo que já vimos. A internet é uma ameaça à civilização humana. (...) Se nada for feito, em poucos anos a civilização global se transformará em uma distopia da vigilância pós-moderna, da qual só os mais habilidosos conseguirão escapar". Estas são as linhas que resumem a necessidade de intervenção para Assange.

O sentimento de falibilidade, de autopreservação diante de ameaças que desconhecemos, faz parte da condição humana desde os tempos pré-históricos. Páginas e páginas de filosofia e teologia foram escritas sobre o temor, sobre a força da natureza e a intervenção divina, que nos protegeria ou castigaria. As religiões se fartam disso. O medo levou o filósofo Thomas Hobbes a escrever o Leviathan (1651), que, para situação como a descrita por Assange, é uma referência a se ter em vista.

Certo é que não se deve subestimar o alerta de Assange: a internet, de fato, exige que se repensem as relações humanas a partir de parâmetros que não existiam há pouco tempo. O sentido dado a palavras como "liberdade" e "privacidade" exige nova reacomodação conceitual. Uma simples ligação pelo celular, ou um post no Facebook, pode desencadear reações cujo sentido nos escapa. Assim, ler o alerta de Assange pode bem ser um cálculo utilitário num mundo com novidades tecnológicas as quais, em grande parte, os efeitos são ignorados.

Mas, igualmente, não se deve esquecer que o medo e a paranoia são condicionantes da condição humana. Não fosse seu alerta de histeria com a presença quase totalizante da internet em nossas vidas, seria o aquecimento global (acabo de ler avaliação do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas das Nações Unidas que antecipa para o meio do século verões quase sem gelo no Polo Norte), um cometa vindo de espaços siderais, um meteoro ou que o sol engolirá a Terra daqui a quatro bilhões de anos. É nesse ponto, contudo, que o diálogo entre Assange e seus colegas porta alguns paradoxos.

Destaquemos em especial um: a internet é justamente o veículo que torna possível seu alerta. O perigoso mundo da internet é o mesmo que nos possibilita acessar seu livro. Melhor, qualquer pessoa com acesso à internet pode lê-lo em qualquer lugar do mundo. Na história, basta pensar como o alerta que ele faz transitaria na Idade Média, quando a vida das pessoas era controlada pela Igreja Católica. Num mundo incrivelmente controlado como o atual, Assange, o WikiLeaks, e todo tecnicismo criptográfico estão disponíveis na internet. Como contraponto, pensemos nas sociedades secretas e todo tipo de hermetismo que circularam na Europa pré Revolução Francesa, cujo saber se perdeu e hoje é totalmente inescrutável.

Sim, este um paradoxo que não se pode deixar de lado e que escapa à "generosidade" de Assange: o controle no mundo atual também é movediço; não o fosse, não seria possível, em segurança, ele e seus colegas se encontrarem no Reino Unido e legarem Cypherpunk - liberdade e o futuro da internet. Em suma, vale ler e dar toda atenção a Assange. Mas vale igualmente refletir - o que ele e seus colegas não o fazem - que hordas e hordas ao longo da história não trouxeram o Armageddon, o fim dos tempos. Mais que a internet e seus efeitos em nosso cotidiano, uma ameaça real e concreta à civilização pode bem estar fora de nosso mundo, como não "desconfiavam" os dinossauros sessenta milhões de anos atrás.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 2/10/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto de Jardel Dias Cavalcanti
02. 'Hysteria' Revisitada de Duanne Ribeiro
03. Notas confessionais de um angustiado (II) de Cassionei Niches Petry
04. Depois do chover de Elisa Andrade Buzzo
05. Necrológico da Biblioteca de Viegas Fernandes da Costa


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2013
01. Olgária Matos - 1/2/2013
02. Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil' - 6/3/2013
03. Toda poesia de Paulo Leminski - 8/5/2013
04. Mídia Ninja coloca o eixo em xeque - 21/8/2013
05. O Som ao Redor - 13/2/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MIRIAM MEHLER - SENSIBILIDADE E PAIXÃO
VILMAR LEDESMA
IMPRENSA OFICIAL
(2005)
R$ 6,90



GRÉCIA UM OLHAR AMOROSO
JACQUES LACARRIÈRE
EDIOURO
(2003)
R$ 30,00



O EDUCADOR: VIDA E MORTE
CARLOS R. BRANDÃO E OUTROS ORGANIZADORES
GRAAL
(1984)
R$ 12,00



DESPERTAR PARA O OUTRO, O
COSTA, CLARICE MOURA
SUMMUS EDITORIAL
R$ 34,68



COMA
ROBIN COOK
CIRCULO DO LIVRO
R$ 4,00



MENTES QUE LIDERAM
HOWARD GARDNER
ARTES MEDICAS
(1996)
R$ 75,00



SESAME STREET - UNPAVED
DAVID BORGENICHT
HYPERION
(1998)
R$ 65,00
+ frete grátis



MANUALE DI PSICOANATOMIA
SEM AUTOR
EDIZIONI ICARO
R$ 6,28



TEORIA DE SISTEMAS OPTICOS
B. N. BEGUNOV. - N. P. ZAKAZNOV
MIR MOSCOU
(1976)
R$ 70,00



HELENA
MACHADO DE ASSIS
SEDEGRA
R$ 18,00





busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês