Desejo do momento é o caramba | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
80183 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> War is peace; freedom is slavery; ignorance is strength
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Infeliz Dia dos Namorados
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nota Bene
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Comer é viver
>>> Sugerido para adultos?
>>> Ação e Romance
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Plotinus - ennead, v.5 de Plotino; A. Hilary Armstrong pela Loeb-Harvard University P (1984)
>>> O mar de monstros (PercyJackson e os olimpianos - livro 2) de Rick Riordan pela Intrínseca (2009)
>>> Colóquio Artes, número 36, março 1978 de Elena Calas, René Micha, Eduardo Lourenço e outros, pela Fundação Calouste Gulbenkian (1978)
>>> As lágrimas da girafa de Alexander McCall Smith pela Companhia das Letras (2003)
>>> Paul Rudolph 1946-1974 de Vários pela A+U Publishing (1977)
>>> Lições de Economia Política de Temperani Pereira pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Tudo Que Eu Devia Saber na Vida Aprendi no Jardim-de-Infância de Robert Fulghum pela BestSeller (1988)
>>> Documentos do Arquivo da Casa dos Contos de José Afonso Mendonça de Azevedo (Org.) pela Do Autor
>>> Hibisco Roxo de Chimamanda Ngozi Adichie pela Companhia das Letras (2011)
>>> Liberte a Intuição! de Roy H. Williams pela Futura (2003)
>>> O anjo azul de Josef von Sternberg ( um filme de) pela Folha de São Paulo (2014)
>>> Jules e Jim uma mulher para dois de François Trufaut (um filme de) pela Folha de São Paulo (2014)
>>> Dinâmicas de Leitura Para Sala de Aula de Mary Rangel pela Vozes (1990)
>>> Força Interior - Ensinamentos práticos para uma vida melhor de Carlos França pela Circulo do Livro (1988)
>>> Castas, estamentos e clases sociais de Sedi Hirano pela Alfa-Omega (1974)
>>> Word Perfect vocabulary for fluency de Mark Harison pela Nelson (1990)
>>> Plotinus Ennead III de Plotinus; A.H.Armstrong pela Loeb (1967)
>>> Volar Sobre El Pantano - novela de valores para superar la adversidad y triunfar de Carlos Cuauhtémoc Sánchez pela Selectas Diamante (1995)
>>> 200 Sonetos de Luis Vaz de Camões pela Lepm (2001)
>>> Academia Goiana de Letras - História e Antologia de Coelho Vaz pela Kelps (2008)
>>> O Poder Infinito da Oração - Descoberta da força capaz de produzir milagre de Lauro Tevisan pela Mente
>>> Não Mato por Prazer de John Godey pela Nova Época (1974)
>>> A Outra América: Pobreza nos Estados Unidos de Michael Harrington pela Civilização Brasileira (1964)
>>> O Vôo da Borboleta de Morah Lofts pela Melhoramentos (1987)
>>> Encontros Com Homens Notáveis de G. I. Gurdjieff pela Pensamento (1980)
>>> A Morte no Japão de Ian Fleming pela Globo (1965)
>>> Um de Richard Bach pela Record (1988)
>>> Os Grandes Clássicos da Literatura: Elogio da Loucura - O Livre Arbítrio de Erasmo de Roterdã – Artur Schopenhauer pela Novo Brasil (1982)
>>> Esconde-Esconde de James Patterson pela Best Seller / Círculo do Livro (1997)
>>> Sherlock Holmes: O Ritual Musgrave e Outras Aventuras de Sir Arthur Conan Doyle pela Melhoramentos (2006)
>>> Platero e Eu de Juan Ramón Jimenez pela Rio Gráfica (1987)
>>> O Original de Jean-Jacques Fiechter pela Record (1996)
>>> Aura de Carlos Fuentes pela L&PM (1981)
>>> As Ninfas do Vale de Gibran Khalil Gibran pela Catavento (1978)
>>> A Brincadeira de Milan Kundera pela Nova Fronteira (1986)
>>> A Rainha de Provence de Jean Plaidy pela Record (1993)
>>> Esfinge de Robin Cook pela Círculo do Livro (1987)
>>> Cérebro de Robin Cook pela Círculo do Livro (1997)
>>> A Ira dos Anjos de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1985)
>>> Nada Dura Para Sempre de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1998)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1987)
>>> O Outro Lado da Meia-Noite de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1989)
>>> Palavras que Curam - A força terapêutica das hist. bíblicas de Walther H, Lechler/Alfred Meier pela Prestígio (2006)
>>> A História da Primeira Guerra Mundial. 1914-1918 - Com 4 Volumes de David Stevenson pela Novo Século (2018)
>>> Wild Cards: Ases Nas Alturas - Livro 2 de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Wild Cards: Guerra aos Curingas - Livro 9 de George R. R. Martin pela Leya (2018)
>>> Wild Cards: Luta de Valetes - Livro 8 de George R. R. Martin pela Leya (2017)
>>> Wild Cards: Ás na Manga: Livro 6 de George R. R. Martin pela Leya (2017)
>>> Pense e Enriqueça - para Mulheres Texto Completo de Sharon Lechter pela CDG Grupo Editorial (2017)
>>> Atitude Mental Positiva de Napoleon Hill pela CDG Grupo Editorial (2015)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/4/2014
Desejo do momento é o caramba
Marta Barcellos

+ de 2600 Acessos

Depois de onze anos fora, morando em três países com culturas bem distintas, minha amiga estava voltando, feliz da vida, ao Brasil. Saudades do país, sim, mas feliz também porque nos últimos três anos estivera nos Emirados Árabes, com direito a todo tipo de experiência desagradável - para dizer o mínimo - que uma mulher ocidental vivencia por lá. "Vamos nos ver!", passou a escrever, logo que soube a data do retorno. No entanto, quando chegasse, imaginei, sua vida seria uma loucura: procurar apartamento e escola para a filha, além de emprego para ela própria - só o marido já tinha um trabalho em vista.

Mal se instalara, pediu-me dica de babá para poder sair com marido à noite, no estilo baby sitter ao qual estava acostumada. Telefonou para a ex-babá da minha filha, acertou tudo e imediatamente propôs uma data para jantarmos em um restaurante que ela queria conhecer em Ipanema. Nossa, que rápido, pensei. É raro as coisas serem tão descomplicadas. Mas ainda poderia acontecer um imprevisto de última hora - e me preparei para ter um plano B naquele sábado.

Quando chegamos ao restaurante, com a pontualidade da qual às vezes me envergonho, ela já estava lá com o marido. Fiquei surpresa. Tivemos uma noite ótima, cheia de histórias exóticas sobre morar em Abu Dhabi, bem diferente da Escócia, onde a filha nascera, e de Paris, cidade do marido. Carnaval chegando, ela comentou que gostaria de levar a menina a um bailinho infantil, e ficou contente quando contei que haveria um no clube do qual somos sócios. No Rio, às vezes também me envergonho de ser sócia de clube, e logo justifico que é por causa das quadras de tênis.

Minha amiga andava animada com a profusão de blocos carnavalescos, e, como a mãe dela estaria na cidade, disponível para cuidar da neta, achei prudente confirmar no domingo se ela ainda queria ir ao bailinho. No carnaval carioca, é normal se decidir por um bloco em cima da hora. Claro que vamos!, respondeu. Chegou com a menina no horário marcado, e no dia seguinte mandou e-mail comentando como tinha sido ótimo, que o clube era muito bom etc.

Nessas alturas, eu já estava achando tudo muito estranho. Tinha alguma coisa fora da ordem. Mas a gota d'água mesmo foi na semana passada.

Minha amiga ainda não conseguira, desde a volta ao Brasil, reencontrar uma colega que temos em comum. E lhe ocorreu oferecer um almoço em sua casa nova, quase sem panelas (isso eu saberia depois), para nós duas. Poderia ser na quinta ou na sexta-feira, ela propôs às duas por e-mail. A filha estaria na escola, de turno integral, ficaríamos à vontade e ela mostraria a moradia provisória. Seria ótimo.

Ao mesmo tempo em que retornei o e-mail dizendo preferir a sexta-feira, a outra convidada respondeu que só poderia na quinta. Pronto. Finalmente. Agora sim, as coisas começavam a entrar na normalidade. Ficaríamos alguns dias tentando acertar disponibilidades, horários, agendas, cada uma contando seus motivos, o quanto estamos todas tão ocupadas, e que o melhor talvez fosse um happy hour - para uma -, ou quem sabe marcar no fim de semana - diria a outra. Depois de uns vinte e-mails (se houvesse uma quarta amiga, este número dobraria, em um tipo de progressão matemática facilmente comprovável), uma data seria agendada sem convicção, até que uma indisposição ou questão familiar fizesse uma de nós três desmarcar. Ou simplesmente furar.

Foi quando meu celular tocou. "Marta, você não pode mesmo na quinta? E se a gente..." Bem, minha amiga teve o inusitado impulso de ligar para ambas e rapidamente acertar tudo. Na quinta-feira (sim, fui eu que dei um jeito), chegamos ao simpático apartamento quase sem panelas e comemos um delicioso almoço que nada tinha de improvisado. Eu estava tão sensibilizada que tinha vontade de chorar com cada detalhe. Ela não havia achado no supermercado os cogumelos certos e o único pirex havia quebrado, por isso fizera a quiche daquele jeito, e que bom que havíamos gostado (na verdade adorado). Sim, a trufa de chocolate branco era feita de modo um pouco diferente da de chocolate preto, mas aquela sobremesa precisava das duas, para contrastar com as framboesas e o bolo de laranja - a única coisa comprada pronta.

Rimos que era um absurdo ela não ter feito o bolo também, que estávamos indignadas com aquela "falta de consideração". E foi ótimo rir para não chorar, não chorar tardiamente por todos os "bolos" que já levei, compromissos desmarcados em cima da hora, atrasos sem justificativas, convites feitos pela metade ("vamos nos ver!"), pessoas que simplesmente "somem". Não chorar pelo pouco esforço para se promover encontros e gentilezas que se tornou regra.

Nada pessoal, bem sei. Tudo cultural, tento sempre me convencer, e lembro-me de um compromisso profissional que eu tive certa vez na Alemanha; na véspera todos em pânico à minha volta. Descobri que o problema era a entrevista marcada para 9h: além de jornalista, me explicaram, eu era brasileira. E ainda por cima... carioca! Não sou tão carioca assim, garanti, e todos puderam comprovar no dia seguinte.

Bem na semana de meu almoço, a Fifa havia publicado em seu site uma cartilha para turistas na Copa denominada "Brasil para principiantes" que causou o maior bafafá. Entre outros comportamentos atribuídos à nossa cultura peculiar estavam - descritos até com certo jeitinho - a falta de pontualidade e o descompromisso. Como todo brasileiro, ando irritada com a arrogância da Fifa, mas pensei cá com meus botões: é isso mesmo. É verdade. Quando a tal cartilha já havia sido retirada do site, achei curiosa a proposta do colunista do Globo Francisco Bosco: que aceitássemos o diagnóstico sobre nossos comportamentos, contudo notando "outros sentidos e valores desses mesmos fenômenos, que o etnocentrismo da Fifa não permite ver."

OK. Interessante. Vou tentar, pensei. O atraso, por exemplo, revelaria uma relação mais descontraída com o tempo. Bem, eu já vinha pensando nisso, tanto que nem me incomodo mais com atrasos alheios, acho melhor que toda aquela rigidez germânica. Não gosto nem consigo chegar atrasada, mas posso esperar sem problemas, ainda mais se o celular tem bateria e internet.

Quanto a prometer coisas e não cumpri-las, Bosco sugere que este comportamento teria a vantagem de "dar vazão a um desejo do momento". Sim, eu já percebi, diante de um almoço desmarcado uma hora antes, que o outro provavelmente estava dando vazão ao desejo do momento de fazer outra coisa, ou simplesmente de furar. Uma amiga minha, impontual mas do tipo que cumpre compromissos, me contou que teve um almoço de trabalho desmarcado 11 vezes. No décimo primeiro furo, o sujeito mandou a secretária lhe enviar flores. Quem pode ser tão "ocupado" assim?

Depois desta breve reflexão sobre o tal "desejo do momento", respirei fundo e retomei o texto, para tentar me convencer: "Prometer coisas e não cumpri-las é dar vazão a um desejo de momento, e preferir manifestá-lo a submetê-lo à prova de sua duração, como se a duração fosse a "norma" do desejo (há nisso a chave de toda uma economia pulsional diferente da dos europeus)." Reli duas vezes, cogitei sobre a nacionalidade de minha economia pulsional, mas só consegui concluir: depois desse almoço cheio de gentilezas, da próxima vez que alguém for dar vazão ao desejo do momento às minhas custas, juro que reajo. Com um xingamento bem carioca, que ainda nem entrou nessas cartilhas.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 25/4/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Livros e Saúde de Ricardo de Mattos
02. O prazer da literatura em perigo de Jardel Dias Cavalcanti
03. Um pouco de conservadorismo de Eduardo Mineo
04. A comédia de um solteiro de Eduardo Mineo
05. Se a literatura subisse o morro... de Marcelo Spalding


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2014
01. Esquerda x Direita - 24/10/2014
02. Escritor: jovem, bonito, simpático... - 5/9/2014
03. O turista imobiliário - 14/8/2014
04. Quase cinquenta - 14/3/2014
05. Philomena - 7/2/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GALERA DO APITO APRENDENDO FUTEBOL
RICARDO SOUZA
PONTES
(2014)
R$ 6,00



O PEREGRINO
GEORGES BOUDOUKAN
CASA AMARELA
(1999)
R$ 5,00



OPÚSCULOS GEOGRÁFICOS, PENSAMENTO GEOGRÁFICO, VOLUME 4
ORLANDO RIBEIRO
FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
(1991)
R$ 39,08



DALAI LAMA
KAREN GIMENEZ
ABRIL
(2003)
R$ 11,00



EU SOU FELIZ POR SER CATÓLICO
P. MARCELO ROSSI
MAXI GRAFICA
(2000)
R$ 5,00



FRAGMENTOS DE MEMÓRIAS
AVRAHAM MILGRAM
IMAGO
(2010)
R$ 12,90



O BARQUINHO
ILO KRUGLI
ABRIL
(1982)
R$ 25,00



EM NOME DE SUA MAJESTADE
IVAN SANTANNA
OBJETIVA
(2007)
R$ 12,90



OS GRANDES LÍDERES - FRANKLIN ROOSEVELT
RICHARD AMDUR
NOVA CULTURAL
(1988)
R$ 5,00



ISO 9000 PASSAPORTE PARA A QUALIDADE
HEITOR R. DE CARVALHO
CAMPUS
(1996)
R$ 12,00





busca | avançada
80183 visitas/dia
2,2 milhões/mês