Carles Camps Mundó e a poética da desolação | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
79202 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bate-papo com Jeanette Rozsas
>>> Mais Kaizen
>>> O Cabotino reloaded
>>> Deleter
>>> O roteirista profissional: televisão e cinema
>>> Clínica de Guitarra de Brasil
>>> Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum
>>> Circo Roda Brasil
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães
Mais Recentes
>>> Um Ano Para Enriquecer de Napoleon Hill pela Record (1998)
>>> Leituras De Escritor de Moacyr Scliar pela Sm (2015)
>>> Formaciones Económicas Precapitalistas de Carlos Marx pela Anteo (1973)
>>> A Revolução das Bonecas de José Carlos Oliveira pela Sabiá (1967)
>>> Por Que Ninguém Me Disse Isso Antes?: Ferramentas Para Enfrentar Os Altos E Baixos Da Vida de Julie Smith pela Mixfly (2022)
>>> O Positivismo Jurídico: Lições Da Filosofia Do Direito de Norberto Bobbio pela Icone (1995)
>>> O Falecido Mattia Pascal de Luigi Pirandello pela Civilização Brasileira (1971)
>>> Inovaçao: A Arte De Steve Jobs de Carmine Gallo pela Lua De Papel (2010)
>>> Illustrated Directory Of Guitars de Ray Bonds pela Barnes & Noble (2006)
>>> Dinamite Mental de Napoleon Hill pela Citadel
>>> Amar e Ser Amado de Pierre Weil - Roland Tompakow Ilustrações pela Civilização Brasileira (1965)
>>> Manual De Introdução Ao Estudo Do Direito de Rizzatto Nunes pela Saraiva (2009)
>>> Maneiras De Amar - Como A Ciencia Do Apego Adulto Pode Ajudar Voce A Encontrar ¿ E Manter ¿ O Amor de Amir Levine pela Sextante (2021)
>>> Guia Atemporal Das Noivas Com Estilo de Carol Hungria pela 3R Studio (2018)
>>> Os Cinco Príncípios Essenciais De Napoleon Hill de Napoleon Hill pela Citadel Press (2022)
>>> Os Dez Mandamentos Da Etica de Gabriel Chalita pela Nova Fronteira (2003)
>>> O Quarto Em Chamas de Michael Connelly pela Suma (2018)
>>> Dinamite Mental de Napoleon Hill pela Citadel
>>> Venda À Mente, Não Ao Cliente de Jurgen Klaric pela Planeta Estrategia (2017)
>>> Processo Decisório de Max H. Bazerman pela Elsevier (2004)
>>> O que é leitura de Maria helena martins pela Brasiliense (1982)
>>> Atriz de Mônica de castro pela Vida E Consciencia (2009)
>>> Trilhando a linha do tempo da reforma de Aecep pela Aecep
>>> Reflexões Sobre a Vaidade dos Homens de Matias Aires pela Martins (1966)
>>> Infinitos de John Banville pela Nova Fronteira (2011)
COLUNAS

Terça-feira, 9/2/2016
Carles Camps Mundó e a poética da desolação
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 3000 Acessos


O que restaria para a poesia contemporânea depois que o modernismo fragmentou todas as certezas e instalou a ausência de perspectiva como um carma para o presente?

Ninguém melhor do que o poeta catalão Carles Camps Mundó para responder. E a antologia de poemas editado agora, com seleção, tradução e introdução de Ronald Polito, publicada pela Portal Editora de São Paulo, nos dá a medida da desolação, da certeza de que vivemos numa espécie de campo minado onde a curva da onda da maré da linguagem só pode falar dessa desesperança em queda livre.

Na introdução, onde se apresenta o percurso poético de Mundó, o tradutor Ronald Polito nos dá o topos dessa poesia: “Sem imagens, sem movimentos, sem destinos, o campo da linguagem pode se recolher ou reduzir às experiências tomadas como realmente essenciais ou verídicas: da dor, da ausência, da solidão, da errância, da impossibilidade de diálogo, da perda e do silêncio, corolários naturais de um mundo desprovido de magia, na qual precisamente as palavras estão destituídas de toda esperança e não oferecem a possibilidade de um exorcismo”.

Na coleção de poemas de “O ausente” (1989), a prova dessa desolação é concreta. A nostalgia dolorosa de um suposto lugar que a memória guarda como possibilidade, um jardim primigênio, faz do poeta, “ferido de pretérito”, o que canta sua perda. Já que... “Lá estive”, diz o poeta.

Segundo Polito, no caso de Mundó “as palavras poderiam se aproximar da clara enunciação dessa carência de plenitude”, dentro de “todos os instantes sucessivamente vazios” tal qual existem como legados de certa modernidade: “A escolha dessa alternativa situa a poética de Carles Camps Mundó na fratura de certa modernidade e suas projeções fracassadas, uma modernidade em eterna carência do absoluto, tornada concreta a agonia que não finda de um tempo sem perspectiva”, completa o tradutor.

É notável em Mundó o projeto de uma poesia para esse campo do esgarçamento das forças vitais do presente. Manter-se, ainda assim, como criador da linguagem capaz de enunciar essa “queda” constitui sua poética. Em seu texto em prosa “Ideia do poema”, uma citação de Hegel nos aproxima desse projeto: “a vida do espírito não é a vida que se espanta diante da morte e se mantém pura da desolação, mas a que sabe enfrenta-la e manter-se. O espírito somente conquista a sua verdade quando é capaz de se encontrar em si mesmo no absoluto esgarçamento”.

Como anota Victor da Rosa, no posfácio à tradução de Polito, “o próprio Mundó define o poema como uma viagem do otimismo à decepção”. Essa decepção existe porque o mundo que se coloca ao poeta é, como diz Polito, “sem deuses, sem epifanias, sem resgate pela história pessoal ou coletiva, mas principalmente sem nenhuma essência e sem sossego”.

Em sua “Autoapresentação”, Mundó fala de sua própria poética como “uma metafísica negativa”, alimentada pela "contradição entre o desejo e a realidade do corpo”. A sua angústia existencial se baseia, diz Mundó, nesta “oposição desejo-lembrança que nos impede de viver, como os animais e as plantas, o eterno presente de que nos fala Rilke”. Animais da linguagem, nos homens perdemos a unidade, ainda mais quando na modernidade desfragmentamos a ideia da própria linguagem (“Já nem gemido. Só palavras/ anônimas –/ imagens que me omitem”), sendo expulsas todas as esperanças como Adão foi expulso do Paraíso.



Então, da lembrança de um jardim primigênio,

do anseio sepre irresoluto da memória,

ferido de pretérito,

eu canto minha perda: lá estive.

Unicamente isto, e este irredutível

corrompimento das perguntas

que inda me faço indenes.



O que o poeta invoca é essa fratura do ser, única possibilidade do poema ainda poder dizer algo, mesmo que apenas sobre o que sobra como o oco:



Inclino-me sobre mim mesmo

já oco. Sombra de Narciso:

evaporação da água que

contém o reflexo. E me invoco.



Talvez a parte mais atordoante da seleção dos poemas de Mundó seja o “Livro das alusões”, onde o pessimismo, a dor, a violência da morte se concentram na ideia da ausência de possibilidade de redenção pela palavra do poeta.



Morreste, e vivo com a culpa

da vida: como se viver

fosse não ser triste bastante.

---

Irremissivelmente. Agonizavas.

E te dávamos a mão

para ajudar-te a morrer, para que o tato

- já último dos sentidos –

te fizesse sentir um pouco menos só

na solidão da morte,

mas a mim me parecia notar

- talvez, desamparados, todos o notávamos –

que eras tu que nos seguravas

com tuas benignas mãos

- como quando crianças – para ajudar-nos

a viver.

---

A tua morte fez com que a palavra

mãe – tão terrena e alimentadora –

se haja convertido em mim numa

palavra sem nada tangível

que a assegure,

uma palavra isenta,

como Deus ou ausência.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 9/2/2016

Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
02. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
03. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II) - 1/11/2016
04. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
05. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Jurupari
Francisco Brasileiro
Martins
(1948)



Direito Das Sucessoes
Carlos Roberto Gonçalves
Saraiva
(2002)



Museus do Rio
Neusa Fernandes e Sonia Gomes Pereira
Francisco Alves
(1973)



O que fazer quando a fé parece fraca e a vitória perdida
Kenneth E. Hagin
Graça



Poemas para a amiga e outros dizeres
Helena Parente Cunha
Mulheres
(2014)



100 Dias Em Paris
Tania Carvalho
Ímã
(2013)



Manual do Trabalho Doméstico
Sergio Pinto Martins
Altas
(2002)



Dante Alighieri - o Poeta Filósofo
Carlos E. Zampognaro
Livros Escala
(2011)



Livro Administração Práticas Administrativas Em Escritorio
Eladio Asensi e Outros
Senac Nacional
(2013)



O Negro em Versos
Luiz Carlos dos Santos e outros
Salamandra
(2005)





busca | avançada
79202 visitas/dia
2,3 milhões/mês