Ruy Proença: poesia em zona de confronto | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
34746 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 23/2/2016
Ruy Proença: poesia em zona de confronto
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2700 Acessos


Após a modernidade a poesia conseguiu unir num mesmo corpo criativo dois elementos que andavam separados: a autoconsciência do fazer poético (o “quis fazer ao invés do quis dizer alguma coisa”, de Valéry) e a reflexão, interesse e/ou rejeição do poeta pelo mundo.



MODERNIDADE:

Baudelaire fez um livro moral, criando poemas como flores maléficas que resultavam de sua ojeriza ao mundo em que vivia. A modernidade para o poeta não era tão positiva quanto faz parecer as suas análises críticas da arte moderna. Rimbaud criou iluminuras brilhantes, mas sem deixar de rebaixar a poesia à uma irmã mais pobre, a prosa-poética (que ele iluminou como ninguém). Em Rimbaud, “o esfacelamento da sintaxe e a dissipação da imagem são respostas adequadas de uma consciência de criação às voltas com as inadequações de relacionamento entre poeta e sociedade” (João Alexandre Barbosa).

Eliot mergulhou seu sofisticado instrumental poético num desalento criado pela sua oposição aristocrática à terra desolada, entendida como esterilidade e falência da cultura. Segundo Malcolm Bradbbury, Ezra Pound sintetizava, dentro desta mesma tradição, a visão ambígua da criação de toda a arte moderna: uma desconfiança em relação ao mundo moderno e ao sentido para o qual ele caminhava e, ao mesmo tempo, um compromisso por criar uma nova poesia com o modernismo.



APÓS A MODERNIDADE

Todo poeta hoje sabe que a linguagem comunica sentidos que estão além do fato semântico-mimético. E no caso da poesia contemporânea, a autoconsciência da crise do dizer, da linguagem, é parte atuante do próprio fazer poético. Se a experiência concreta da realidade se internalizou na poesia, é aquela realidade que as formas possíveis do poema vão permitindo ler por entre as execuções tangíveis da linguagem (em crise) da poesia. (J. A. Barbosa).

Não existe, por isso, transparência imediata entre o real e o próprio poema. O espaço da linguagem não oferece um sentido unívoco ao leitor, pois há o obscurecimento criado nas relações entre imagens e referentes circunstanciais. O poeta está atento ao fato de que há um limite para a designação da realidade e que o espaço do poema é onde se dá também a crise da existência da poesia, que é sua oposição permanente à realidade. Aliás, não era outra coisa que desejava Adorno, quando dizia que a estética e o social devem ser mantidos num estado de tensão irreconciliável.



CAÇAMBAS, DE RUY PROENÇA

O poeta Ruy Proença acaba de lançar pela Editora 34 seu sexto livro de poesia: "Caçambas". O livro divide-se em duas seções, sendo a primeira “Rádio de Galena” e a segunda “Singular coletivo”, com aproximadamente 40 poemas em cada uma das seções.

Na apresentação dessa resenha, chamamos a atenção para o fato da poesia após a modernidade vincular experiência de criação e relação com o mundo. É o que é a base dos poemas de Ruy Proença. A própria epígrafe do livro, onde aparece a frase “porque eu não tenho nada, a cidade não é minha”, já indica a inadequação do poeta ao seu ambiente. O poema, nesse caso, pode aparecer como uma espécie de rádio de galena, o mais simples (também precário?) instrumento de captação das notícias relativas à vida em sociedade. No entanto, elas estão ali, provocando a erupção dos poemas.

O vibrante poema “A noite na coleira”, por exemplo, conjuga a experiência social e alegoriza a condição do próprio poeta, fazendo daquela que seria uma simples denúncia de uma realidade estúpida a possibilidade de uma reflexão mais aberta da própria condição humana (“posso dizer eu?).



A NOITE NA COLEIRA

sou

da cor do asfalto/

da noite



noite antiquíssima

terei quinze?



não sei falar

não sei pensar?

obscuro

cuspo



eu

(posso dizer eu?)

não tenho pai

não sei de mãe/ avó não quer

não tenho teto/ certidão/ cordão



eu/nu

preso

ao poste

pelo pescoço

uma tranca

de bicicleta/ a coleira

de ferro



doem

estrelas/ vergonha

tatuadas

na carne



para mim

vida e sol

se põem

na contramão

sou

a própria noite

no pelourinho



A forma do poema se faz como flashes quebrados diante da realidade. De uma observação interna do personagem, a realidade externa se expõe/explode em seu significado. O leitor do poema passeia por essa vida, dentro de uma sintaxe que vai se recortando/quebrando, como se aquela história pessoal tivesse que se anunciar aos poucos, mas de uma forma que não consegue parar em pé. O que se revela nessas pausas tensas é o anúncio do desfecho trágico da noite histórica que ressalta o antigo pelourinho em plena praça pública de nossa história presente.

A memória revisitada, em um poema como “Baú de família”, que abre o livro, faz-se também a partir de recortes de pequenos elementos (dentes, mãos, uniformes, faces rosadas) que fazem o passado se reavivar num registro da história recuperado, apesar da obscuridade do túnel do tempo.

O tema da cidade percorre de várias formas os poemas de Ruy Proença. A tensão que se estabelece não deixa margem para admirações postais, mesmo quando a cidade é imaginária. “Cidades ocultas” é um poema que não nos deixa relaxar, dado o perigo da “contramão” e a situação da vida: “vida breve/ combustível/ na reserva// meus olhos vagam// pendurados/ em duplo anzol”.

Na série de poemas da seção “Singular coletivo” a ambivalência dos termos aplica-se a cada poema revelando in extremis a incompatibilidade entre cidade e poeta. Em poemas como “Estação” e “Solidários”, revela-se mesmo o confronto físico entre a máquina e o homem (“contra/ o comboio/ de minhas/ vértebras”) e homem e homem (“carne: matéria/ resistente/ escorada/ em barras/ de ossos”). O resultado é a própria desumanização: “sem saber/ se ainda tenho/ braço/ perna (...) sem saber/ se ainda sou eu”.

A existência da poesia, essa antena atenta ao entorno e ao interno de si mesma, vai se fazendo em “Caçambas” no risco dos entre-cortes sintáticos que fazem do mundo o perigo constante e do próprio poeta uma espécie de esquizo-mulambo-autista-adicto. Nesse sentido, vale atentar para poemas como o belíssimo “Acidente” e o auto-referente-irônico “Poeta?”. E mesmo em “Febre” uma caída se anuncia: “mesmo parada/ a esbelta bicicleta/ tinha ares de ícaro”.

Em “Acidente” o que resta é um leque encharcado (de sangue?), uma possibilidade imaginária de ser borboleta, no entanto, sem a mínima possibilidade mais de voo. Se aqui está a alegoria da própria poesia dentro do mundo contemporâneo, que acione-se o sinal de alerta! E que Ruy Proença seja lido com mais atenção.

ACIDENTE

um leque

aberto, encharcado

grudado de mau jeito

no chão



uma asa

de borboleta

sem borboleta

(ou pétala)

pisada



um esqueleto

de vento

sem a mínima palpitação

de voo


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 23/2/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
02. Shakespeare e as séries na TV de Eugenia Zerbini
03. A besta que pateia na praia de Adriana Baggio


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
02. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
03. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016
05. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II) - 1/11/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONTABILIDADE FINANCEIRA: UMA INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS, MÉTODOS E USOS
CLYDE P. STRICKNEY & ROMAN L. WEIL
ATLAS
(2008)
R$ 45,00



GUIA DE CONVERSAÇÃO MICHAELIS TOUR
CARAS
MELHORAMENTOS
(2001)
R$ 15,00



TEORIA ELEMENTAR DAS FUNÇÕES
MAURÍCIO ZAHN
CIÊNCIAS MODERNA
(2008)
R$ 45,00



AIDS- E AGORA?* SERIE DIALOGO
LUIZ CLAUDIO CARDOSO
SCIPIONE
(1990)
R$ 8,00



JÁ NÃO PRECISO MAIS DE TI - ARTHUR MILLER (LITERATURA NORTE-AMERICANA)
ARTHUR MILLER
LIVRARIA CIVILIZAÇÃO
(1969)
R$ 15,00



LA CALIDAD EN LA EDUCACION PRIMARIA UN ESTUDIO DE CASO
SYLVIA SCHMELKES
CFE
R$ 4,50



QUIÉN SE HA LLEVADO MI QUESO?
SPENCER JOHNSON M. D.
URANO
(1999)
R$ 5,50



SIGNO Y SIGNIFICACIÓN - GONZALO ABRIL (EM ESPANHOL)
GONZALO ABRIL
PABLO DEL RÍO
(1976)
R$ 8,00



ENTRE O ELEVADOR E A PRAÇA
FÁTTIMA BRITTO
PATUÁ
(2012)
R$ 22,31
+ frete grátis



DORA A AVENTUREIRA - COLORINDO COM ADESIVOS ESPECIAL (INCLUI LÁPIS DE COR E 103 ADESIVOS)
EQUIPE ONLINE
ONLINE
(2018)
R$ 27,00





busca | avançada
34746 visitas/dia
1,3 milhão/mês