Ruy Proença: poesia em zona de confronto | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Zastrozzi
>>> Direita, Esquerda ― Volver!
>>> Como os jornais vão se salvar
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Concisão e sensibilidade
>>> Blog do Reinaldo Azevedo
>>> Alerta aos que vão chegar
>>> Cultura e Patrocínio
>>> Deus, um delírio, de Richard Dawkins
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
Mais Recentes
>>> O Dízimo e o Sábado não são Cristãos de Fernando César Roelis Padilha pela Xxxxxxxxxxxx (1995)
>>> Socorro, Temos Filhos! de Dr. Bruce Narramore pela Mundo Cristão (1992)
>>> Fale a verdade consigo mesmo de Willian Backus Marie Chapian pela Betânia (1989)
>>> Como controlar as Tensões no Camento de Bill e Vonette Bright pela Candeia (1990)
>>> Satanás está vivo e Ativo no planeta terra de Hal Lindsey pela Mundo Cristão (1981)
>>> Venha O Teu Reino de David W. Dyer pela Ministério Grão de trigo (1985)
>>> Eu, um Servo? Você está Brincando! de Charles Swindoll pela Betânia (1983)
>>> Que Há Por Trás Da Nova Ordem Mundial? de E. G. White pela Vida Plena (1995)
>>> Cerco de Jericó a caminho da vitoria de Pe. Alberto Gambarini pela Ágape (2005)
>>> Comunicação a Chave para o Seu Camento de H. Norman Wright pela Mundo Cristão (1983)
>>> Princípios de Interpretação da Bíblia de Walter A. Henrichsen pela Mundo Cristão (1983)
>>> Apocalipse versículo por versículo de Severino Pedro da Silva pela Cpad (1985)
>>> Boas Esposas de Louisa May Alcott pela Principis (2020)
>>> O que o Ato Conjugal significa para o Homem de Tim e Beverly LaHaye pela Betânia (2020)
>>> Crime e Castigo de Fiódor Dostoiévski pela Principis (2020)
>>> Satanismo de Daniel e Isabela Mastral pela Xxxxxxxxxxxx (2001)
>>> Um Espírito Demoníaco de Morris Cerulo pela Imprensa da Fé (1998)
>>> Assassins Creed de Christie Golden pela Galera (2020)
>>> O dia em que o Presidente Desapareceu de Bill Cliton e James Patterson pela Record (2018)
>>> O dia em que o Presidente Desapareceu de Bill Cliton e James Patterson pela Record (2018)
>>> A Canção do Sangue de Anthony Ryan pela Leya (2014)
>>> Memórias de um Suicida (Obra Mediúnica) de Yvonne do Amaral Pereira pela Federação Espírita Brasileira (2003)
>>> Mundo Como Vontade e Como Representação - I Tomo de Arthur Schopenhauer pela Unesp (2005)
>>> As 100 Melhores Histórias Eróticas da Literatura Universal de Flávio Moreira da Costa pela Ediouro (2020)
>>> As 100 Melhores Histórias Eróticas da Literatura Universal de Flávio Moreira da Costa pela Ediouro (2020)
>>> Mahatma Gandhi - Politik und Gewaltlosigkeit de Otto Wolff pela Musterschimidt-Verlag (1963)
>>> Marionetes Populares de Yvonne Jean pela Din (1955)
>>> As Bacanas = Plauto de Newton Belleza pela Emebê (1977)
>>> Trinta Toques de Rogério Viana pela Engenho da Letra (1999)
>>> O Teatro de Cervantes de José Carlos Lisboa pela Os Cadernos de Cultura (1952)
>>> O Teatro de Oraci Gemba de José Plínio pela Do autor (1994)
>>> Teatro Moderno = O Anúncio feito a Maria de Paul Claudel pela Agir (1968)
>>> O Palco dos Outros de Sérgio Brito pela Rocco (1993)
>>> Importe-se o Bastante para Confrontar de David Augsburger pela Cristã Unida (1996)
>>> Mais de Nogueira Salton pela Do autor (2009)
>>> Minha Mente, Meu Mundo de Walter Barcelos pela Didier (2001)
>>> Marketing Pessoal do Personal Trainer. Estratégias Práticas Para o Sucesso - 5D de Cauê Vazquez la Scala Teixeira pela Phorte (2013)
>>> Fortaleza digital - 5D de Dan Brown pela Arqueiro (2015)
>>> Arquivologia e Ciência da Informação - 5D de Maria Odila Kahl Fonseca pela Fgv (2008)
>>> Aristofanes Las Nubes Lisistrata Dinero de Elsa García Novo pela Alianza Editorial (1987)
>>> Fisiologia do exercício - 8C de Marília dos Santos Andrade pela Manole (2016)
>>> Musculação Funcional. Ampliando os Limites da Prescrição Tradicional - 8C de Cauê Vazquez la Scala Teixeira pela Phorte (2016)
>>> Personal Trainer. Uma Abordagem Prática do Treinamento Personalizado - 8C de Fabiano Pinheiro Peres pela Phorte (2013)
>>> Temas Fundamentais De Criminalistica - 3D de Jose Lopez Zarzuela pela Sagra luzzatto (1995)
>>> As sete leis espirituais do sucesso - 3D de Deepak Chopra pela Best Seller (2009)
>>> A Escolha - 3D de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2015)
>>> Ser Elegante É… - 3D de Candace Simpson-Giles pela Sextante (2014)
>>> Seu Sexto Sentido. Ativando Seu - 3D de Belleruth Naparstek pela Rocco (1999)
>>> História geral das Civilizações Volume 1 - O oriente e a Grécia Antiga de Maurice Crouzet pela Bertrand Brasil (1993)
>>> O Diário de Anne Frank de Ane Frank pela Pé da Letra (2019)
COLUNAS

Terça-feira, 23/2/2016
Ruy Proença: poesia em zona de confronto
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3000 Acessos


Após a modernidade a poesia conseguiu unir num mesmo corpo criativo dois elementos que andavam separados: a autoconsciência do fazer poético (o “quis fazer ao invés do quis dizer alguma coisa”, de Valéry) e a reflexão, interesse e/ou rejeição do poeta pelo mundo.



MODERNIDADE:

Baudelaire fez um livro moral, criando poemas como flores maléficas que resultavam de sua ojeriza ao mundo em que vivia. A modernidade para o poeta não era tão positiva quanto faz parecer as suas análises críticas da arte moderna. Rimbaud criou iluminuras brilhantes, mas sem deixar de rebaixar a poesia à uma irmã mais pobre, a prosa-poética (que ele iluminou como ninguém). Em Rimbaud, “o esfacelamento da sintaxe e a dissipação da imagem são respostas adequadas de uma consciência de criação às voltas com as inadequações de relacionamento entre poeta e sociedade” (João Alexandre Barbosa).

Eliot mergulhou seu sofisticado instrumental poético num desalento criado pela sua oposição aristocrática à terra desolada, entendida como esterilidade e falência da cultura. Segundo Malcolm Bradbbury, Ezra Pound sintetizava, dentro desta mesma tradição, a visão ambígua da criação de toda a arte moderna: uma desconfiança em relação ao mundo moderno e ao sentido para o qual ele caminhava e, ao mesmo tempo, um compromisso por criar uma nova poesia com o modernismo.



APÓS A MODERNIDADE

Todo poeta hoje sabe que a linguagem comunica sentidos que estão além do fato semântico-mimético. E no caso da poesia contemporânea, a autoconsciência da crise do dizer, da linguagem, é parte atuante do próprio fazer poético. Se a experiência concreta da realidade se internalizou na poesia, é aquela realidade que as formas possíveis do poema vão permitindo ler por entre as execuções tangíveis da linguagem (em crise) da poesia. (J. A. Barbosa).

Não existe, por isso, transparência imediata entre o real e o próprio poema. O espaço da linguagem não oferece um sentido unívoco ao leitor, pois há o obscurecimento criado nas relações entre imagens e referentes circunstanciais. O poeta está atento ao fato de que há um limite para a designação da realidade e que o espaço do poema é onde se dá também a crise da existência da poesia, que é sua oposição permanente à realidade. Aliás, não era outra coisa que desejava Adorno, quando dizia que a estética e o social devem ser mantidos num estado de tensão irreconciliável.



CAÇAMBAS, DE RUY PROENÇA

O poeta Ruy Proença acaba de lançar pela Editora 34 seu sexto livro de poesia: "Caçambas". O livro divide-se em duas seções, sendo a primeira “Rádio de Galena” e a segunda “Singular coletivo”, com aproximadamente 40 poemas em cada uma das seções.

Na apresentação dessa resenha, chamamos a atenção para o fato da poesia após a modernidade vincular experiência de criação e relação com o mundo. É o que é a base dos poemas de Ruy Proença. A própria epígrafe do livro, onde aparece a frase “porque eu não tenho nada, a cidade não é minha”, já indica a inadequação do poeta ao seu ambiente. O poema, nesse caso, pode aparecer como uma espécie de rádio de galena, o mais simples (também precário?) instrumento de captação das notícias relativas à vida em sociedade. No entanto, elas estão ali, provocando a erupção dos poemas.

O vibrante poema “A noite na coleira”, por exemplo, conjuga a experiência social e alegoriza a condição do próprio poeta, fazendo daquela que seria uma simples denúncia de uma realidade estúpida a possibilidade de uma reflexão mais aberta da própria condição humana (“posso dizer eu?).



A NOITE NA COLEIRA

sou

da cor do asfalto/

da noite



noite antiquíssima

terei quinze?



não sei falar

não sei pensar?

obscuro

cuspo



eu

(posso dizer eu?)

não tenho pai

não sei de mãe/ avó não quer

não tenho teto/ certidão/ cordão



eu/nu

preso

ao poste

pelo pescoço

uma tranca

de bicicleta/ a coleira

de ferro



doem

estrelas/ vergonha

tatuadas

na carne



para mim

vida e sol

se põem

na contramão

sou

a própria noite

no pelourinho



A forma do poema se faz como flashes quebrados diante da realidade. De uma observação interna do personagem, a realidade externa se expõe/explode em seu significado. O leitor do poema passeia por essa vida, dentro de uma sintaxe que vai se recortando/quebrando, como se aquela história pessoal tivesse que se anunciar aos poucos, mas de uma forma que não consegue parar em pé. O que se revela nessas pausas tensas é o anúncio do desfecho trágico da noite histórica que ressalta o antigo pelourinho em plena praça pública de nossa história presente.

A memória revisitada, em um poema como “Baú de família”, que abre o livro, faz-se também a partir de recortes de pequenos elementos (dentes, mãos, uniformes, faces rosadas) que fazem o passado se reavivar num registro da história recuperado, apesar da obscuridade do túnel do tempo.

O tema da cidade percorre de várias formas os poemas de Ruy Proença. A tensão que se estabelece não deixa margem para admirações postais, mesmo quando a cidade é imaginária. “Cidades ocultas” é um poema que não nos deixa relaxar, dado o perigo da “contramão” e a situação da vida: “vida breve/ combustível/ na reserva// meus olhos vagam// pendurados/ em duplo anzol”.

Na série de poemas da seção “Singular coletivo” a ambivalência dos termos aplica-se a cada poema revelando in extremis a incompatibilidade entre cidade e poeta. Em poemas como “Estação” e “Solidários”, revela-se mesmo o confronto físico entre a máquina e o homem (“contra/ o comboio/ de minhas/ vértebras”) e homem e homem (“carne: matéria/ resistente/ escorada/ em barras/ de ossos”). O resultado é a própria desumanização: “sem saber/ se ainda tenho/ braço/ perna (...) sem saber/ se ainda sou eu”.

A existência da poesia, essa antena atenta ao entorno e ao interno de si mesma, vai se fazendo em “Caçambas” no risco dos entre-cortes sintáticos que fazem do mundo o perigo constante e do próprio poeta uma espécie de esquizo-mulambo-autista-adicto. Nesse sentido, vale atentar para poemas como o belíssimo “Acidente” e o auto-referente-irônico “Poeta?”. E mesmo em “Febre” uma caída se anuncia: “mesmo parada/ a esbelta bicicleta/ tinha ares de ícaro”.

Em “Acidente” o que resta é um leque encharcado (de sangue?), uma possibilidade imaginária de ser borboleta, no entanto, sem a mínima possibilidade mais de voo. Se aqui está a alegoria da própria poesia dentro do mundo contemporâneo, que acione-se o sinal de alerta! E que Ruy Proença seja lido com mais atenção.

ACIDENTE

um leque

aberto, encharcado

grudado de mau jeito

no chão



uma asa

de borboleta

sem borboleta

(ou pétala)

pisada



um esqueleto

de vento

sem a mínima palpitação

de voo


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 23/2/2016


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
02. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
03. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016
05. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II) - 1/11/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FISICA VOAZ BOX COMPLETO
ANTONIO MAXIMO BEATRIZ ALVARENGA
SCIPIONE
(2012)
R$ 39,90



HISTÓRIA ORAL: COMO FAZER, COMO PENSAR
JOSÉ CARLOS S. B. MEIHY E FABÍOLA HOLANDA
CONTEXTO
(2007)
R$ 30,00



TEORIA DO ORDENAMENTO JURÍDICO
NORBERTO BOBBIO
UNB
(1999)
R$ 26,00



OS TRABALHADORES DO MAR (LITERATURA FRANCESA)
VICTOR HUGO
NOVA CULTURAL
(2002)
R$ 30,00



ANIMAIS PRÉ- HISTÓRICOS - SÉRIE PRISMA
BARRY COX
MELHORAMENTOS
(1975)
R$ 6,90



AETHER
EMBLA RHODES
FUNALFA
(2007)
R$ 12,00



HISTÓRIAS DE HOMENS CASADOS
MARCELO BIRMAJER
PLANETA
(2006)
R$ 28,00



INTRODUCTION TO INSTRUMENTATION IN SPEECH AND HEARING
EDWARD CUDAHY (CAPA DURA)
WILLIAMS & WILKINS
(1988)
R$ 48,28



SEXUALIDADE DIVINA DESCOBRINDO A ALEGRIA DO TANTRA
MAHASATVAA MA E ANANDA SARITA/ PH. D.
MADRAS
(2012)
R$ 74,11



BENTO QUE BENTO É O FRADE
ANA MARIA MACHADO
SALAMANDRA
(2006)
R$ 21,00





busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês