Ruy Proença: poesia em zona de confronto | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
Mais Recentes
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
COLUNAS

Terça-feira, 23/2/2016
Ruy Proença: poesia em zona de confronto
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2600 Acessos


Após a modernidade a poesia conseguiu unir num mesmo corpo criativo dois elementos que andavam separados: a autoconsciência do fazer poético (o “quis fazer ao invés do quis dizer alguma coisa”, de Valéry) e a reflexão, interesse e/ou rejeição do poeta pelo mundo.



MODERNIDADE:

Baudelaire fez um livro moral, criando poemas como flores maléficas que resultavam de sua ojeriza ao mundo em que vivia. A modernidade para o poeta não era tão positiva quanto faz parecer as suas análises críticas da arte moderna. Rimbaud criou iluminuras brilhantes, mas sem deixar de rebaixar a poesia à uma irmã mais pobre, a prosa-poética (que ele iluminou como ninguém). Em Rimbaud, “o esfacelamento da sintaxe e a dissipação da imagem são respostas adequadas de uma consciência de criação às voltas com as inadequações de relacionamento entre poeta e sociedade” (João Alexandre Barbosa).

Eliot mergulhou seu sofisticado instrumental poético num desalento criado pela sua oposição aristocrática à terra desolada, entendida como esterilidade e falência da cultura. Segundo Malcolm Bradbbury, Ezra Pound sintetizava, dentro desta mesma tradição, a visão ambígua da criação de toda a arte moderna: uma desconfiança em relação ao mundo moderno e ao sentido para o qual ele caminhava e, ao mesmo tempo, um compromisso por criar uma nova poesia com o modernismo.



APÓS A MODERNIDADE

Todo poeta hoje sabe que a linguagem comunica sentidos que estão além do fato semântico-mimético. E no caso da poesia contemporânea, a autoconsciência da crise do dizer, da linguagem, é parte atuante do próprio fazer poético. Se a experiência concreta da realidade se internalizou na poesia, é aquela realidade que as formas possíveis do poema vão permitindo ler por entre as execuções tangíveis da linguagem (em crise) da poesia. (J. A. Barbosa).

Não existe, por isso, transparência imediata entre o real e o próprio poema. O espaço da linguagem não oferece um sentido unívoco ao leitor, pois há o obscurecimento criado nas relações entre imagens e referentes circunstanciais. O poeta está atento ao fato de que há um limite para a designação da realidade e que o espaço do poema é onde se dá também a crise da existência da poesia, que é sua oposição permanente à realidade. Aliás, não era outra coisa que desejava Adorno, quando dizia que a estética e o social devem ser mantidos num estado de tensão irreconciliável.



CAÇAMBAS, DE RUY PROENÇA

O poeta Ruy Proença acaba de lançar pela Editora 34 seu sexto livro de poesia: "Caçambas". O livro divide-se em duas seções, sendo a primeira “Rádio de Galena” e a segunda “Singular coletivo”, com aproximadamente 40 poemas em cada uma das seções.

Na apresentação dessa resenha, chamamos a atenção para o fato da poesia após a modernidade vincular experiência de criação e relação com o mundo. É o que é a base dos poemas de Ruy Proença. A própria epígrafe do livro, onde aparece a frase “porque eu não tenho nada, a cidade não é minha”, já indica a inadequação do poeta ao seu ambiente. O poema, nesse caso, pode aparecer como uma espécie de rádio de galena, o mais simples (também precário?) instrumento de captação das notícias relativas à vida em sociedade. No entanto, elas estão ali, provocando a erupção dos poemas.

O vibrante poema “A noite na coleira”, por exemplo, conjuga a experiência social e alegoriza a condição do próprio poeta, fazendo daquela que seria uma simples denúncia de uma realidade estúpida a possibilidade de uma reflexão mais aberta da própria condição humana (“posso dizer eu?).



A NOITE NA COLEIRA

sou

da cor do asfalto/

da noite



noite antiquíssima

terei quinze?



não sei falar

não sei pensar?

obscuro

cuspo



eu

(posso dizer eu?)

não tenho pai

não sei de mãe/ avó não quer

não tenho teto/ certidão/ cordão



eu/nu

preso

ao poste

pelo pescoço

uma tranca

de bicicleta/ a coleira

de ferro



doem

estrelas/ vergonha

tatuadas

na carne



para mim

vida e sol

se põem

na contramão

sou

a própria noite

no pelourinho



A forma do poema se faz como flashes quebrados diante da realidade. De uma observação interna do personagem, a realidade externa se expõe/explode em seu significado. O leitor do poema passeia por essa vida, dentro de uma sintaxe que vai se recortando/quebrando, como se aquela história pessoal tivesse que se anunciar aos poucos, mas de uma forma que não consegue parar em pé. O que se revela nessas pausas tensas é o anúncio do desfecho trágico da noite histórica que ressalta o antigo pelourinho em plena praça pública de nossa história presente.

A memória revisitada, em um poema como “Baú de família”, que abre o livro, faz-se também a partir de recortes de pequenos elementos (dentes, mãos, uniformes, faces rosadas) que fazem o passado se reavivar num registro da história recuperado, apesar da obscuridade do túnel do tempo.

O tema da cidade percorre de várias formas os poemas de Ruy Proença. A tensão que se estabelece não deixa margem para admirações postais, mesmo quando a cidade é imaginária. “Cidades ocultas” é um poema que não nos deixa relaxar, dado o perigo da “contramão” e a situação da vida: “vida breve/ combustível/ na reserva// meus olhos vagam// pendurados/ em duplo anzol”.

Na série de poemas da seção “Singular coletivo” a ambivalência dos termos aplica-se a cada poema revelando in extremis a incompatibilidade entre cidade e poeta. Em poemas como “Estação” e “Solidários”, revela-se mesmo o confronto físico entre a máquina e o homem (“contra/ o comboio/ de minhas/ vértebras”) e homem e homem (“carne: matéria/ resistente/ escorada/ em barras/ de ossos”). O resultado é a própria desumanização: “sem saber/ se ainda tenho/ braço/ perna (...) sem saber/ se ainda sou eu”.

A existência da poesia, essa antena atenta ao entorno e ao interno de si mesma, vai se fazendo em “Caçambas” no risco dos entre-cortes sintáticos que fazem do mundo o perigo constante e do próprio poeta uma espécie de esquizo-mulambo-autista-adicto. Nesse sentido, vale atentar para poemas como o belíssimo “Acidente” e o auto-referente-irônico “Poeta?”. E mesmo em “Febre” uma caída se anuncia: “mesmo parada/ a esbelta bicicleta/ tinha ares de ícaro”.

Em “Acidente” o que resta é um leque encharcado (de sangue?), uma possibilidade imaginária de ser borboleta, no entanto, sem a mínima possibilidade mais de voo. Se aqui está a alegoria da própria poesia dentro do mundo contemporâneo, que acione-se o sinal de alerta! E que Ruy Proença seja lido com mais atenção.

ACIDENTE

um leque

aberto, encharcado

grudado de mau jeito

no chão



uma asa

de borboleta

sem borboleta

(ou pétala)

pisada



um esqueleto

de vento

sem a mínima palpitação

de voo


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 23/2/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre os três primeiros romances de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
02. Alcorão de Ricardo de Mattos
03. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem de Duanne Ribeiro
04. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro de Duanne Ribeiro
05. Rimbaud, biografia do poeta maldito de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
02. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
03. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016
05. Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor - 1/3/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NOSSA HISTÓRIA Nº 31-EXCLUSIVO PRINCESA ISABEL - 9120
CRISTIANE COSTA
VERA CRUZ
(2006)
R$ 20,00



CULTURA POPULAR, DISNEY E POLÍTICA PÚBLICA; O EDUCADOR E A CULTUR
REVISTA DO ISEP; FÓRUM CRÍTICO DA EDUCAÇÃO, 2
ISEP
(2003)
R$ 22,82



O AUXÍLIO ADMINISTRATIVO DAS AUTORIDADES TRADICIONAIS EM MOÇAMBIQUE
LUCIANA MARTINS CAMPOS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



TERAPIA DA AMIZADE - VOL.2 - COLEÇÃO TERAPIA
JOHN D. PERRY
PAULUS
(1997)
R$ 6,38



PAVÃO POR UM DIA
REGINA LUCIA PIRES NEMER - VITOR COSTA
AO LIVRO TÉCNICO
(2009)
R$ 14,80



DICCIONARIO DE QUIMICA Y DE PRODUCTOS QUÍMICOS ESP./ING- ING/ESP. 8526
ARTHUR Y ELIZABETH ROSE
OMEGA -BARCELONA
(1959)
R$ 70,00



A NOITE DE NATAL CICLO 2º, GUIÃO PARA UMA LEITURA ORIENTADA
TERESA CERQUEIRA, LUÍSA DE SOUSA E JOSÉ LUÍS
PLÁTANO
(2001)
R$ 18,39



A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA E O DISCURSO SOBRE PRODUÇÃO TEXTUAL
DIRLENE SANTOS DE ARAUJO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



DIABO E FLUOXETINA
MARIANA CORTES
APPRIS
(2017)
R$ 54,00



TECNOLOGIAS DIGITAIS
BARBARA CRISTINA DUQUEVIZ UND REGINA L. S. PEDROZA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês