A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
34764 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Dragão7 realiza última edição do Circuito de Teatro em Português
>>> Teatro para bebês, A Florestinha da Pati, integra o Circuito de Teatro em Português
>>> Buscapé cria "Vila" para celebrar Black Friday
>>> Vila 567 promove Quintaneja para comemorar feriado prolongado
>>> Musical gratuito "Brincando com a Broadway" chega ao Teatro UMC
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> No tinir dos metais
>>> De(correntes)
>>> Prata matutina
>>> Brazil - An Existing Alien Country on Planet Earth
>>> Casa de couro IV
>>> 232 Celcius, ou Fahrenheit 451
>>> Mãe
>>> Auto contraste
>>> Os intelectuais e a gastronomia
>>> Cabeças Cortadas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Farewell, Pedrinho!
>>> Baratas
>>> Dar de comer ao ódio
>>> Suspeito que estejam sempre conspirando para me fazer feliz
>>> Escrever para não morrer
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> Eu também sou concretista
>>> Geraldo Vandré, 70 anos
>>> Apresentação
Mais Recentes
>>> Colapso de Arthur hailey pela Circulo do livro
>>> Educar sem culpa de Tania zagury pela Circulo do livro
>>> Landschaftsarrchitekten:standorte und perspektiven de Adolf schmitt pela Christians-reim verlag
>>> Para-quedas & beijos de Erica jong pela Circulo do livro
>>> O desafio mundial de Jean-jacques servan-schreiber pela Nova fronteira
>>> A revoluçao dos covardes de David nasser pela Cruzeiro
>>> Do coração de um pastor de Kenneth w Hagin pela Graca editorial (2009)
>>> Oráculo da Grande Mãe - Acomp. 1 Livro e 60 cartas de Claudiney Prieto pela Alfabeto
>>> Tarô das Bruxas - Acompanha 78 cartas de Ellen Dugan pela Isis
>>> Mamãe e o Sentido da Vida de Irvin D. Yalom pela Agir (2010)
>>> Décima Profecia, A de James Redfield pela Fontanar (2009)
>>> Curso Completo de Tarô - Acomp. 1 livro e 78 cartas de Nei Naiff pela Alfabeto
>>> Árabe do Futuro, O de Riad Sattouf pela Intrínseca (2015)
>>> Schraiber - " O reino dos simples" de Vários autores pela Não definido
>>> Selecta homeopathica - Cura e recuperação de Vários autores pela Luz menescal (2002)
>>> Selecta homeopathica - Experimentação patogenética de Vários autores pela Luz menescal (2001)
>>> Cadernos de matéria médica - Vol. 10 Nº 1 de Vários autores pela American journal (2002)
>>> Peter Pan de James Barrie pela Ediouro (2004)
>>> Coors taste of the west de Vários autores pela Better Homes and Gardens (1981)
>>> Party book de Dorothy Marsh e Carol Brock pela Harper & Brothers (1958)
>>> The pocket book of home canning de Elizabeth Beveridge pela Pocket books (1943)
>>> Paisagens Humanas de Antonio Versiani pela Civilização brasileira (1960)
>>> Great Tales of the far west de Alex Austin pela Pyramid books (1956)
>>> The Movie Buff´s book de Ted Sennett pela A pyramid publication (1975)
>>> Hospital de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1959)
>>> Monsenhor Quixote de Graham Greene pela Record (1982)
>>> Salambô de Flaubert pela Max Limonad (1985)
>>> O vale do terror de Arthur Conan Doyle pela Ediouro
>>> A casa morta de Henry Bordeaux pela Figueirinhas (1929)
>>> Ih, esqueceram madame Freud... de Françoise Xenakis pela Rocco (1988)
>>> Platero e eu de Juan Ramón Jiménez pela Rio Gráfica (1987)
>>> The countess de Hans Habe pela A signet book (1964)
>>> Loves of the orient de Giovanni Camisso pela Belmont Book (1954)
>>> Skipping Christmas de John Grisham pela A dell book (2004)
>>> Terra Virgem El Erial de Constâncio C. Vigil pela Melhoramentos
>>> Woodstock - Tomo I de Walter Scott pela H. Garnier
>>> L´Homme qui assassina de Claude Farrère pela Ernest Flammarion
>>> Camille de Alexandre Dumas pela Bantam Books (1949)
>>> Lamentai os honestos de Ed Lacy pela Ibis (1968)
>>> Conspiração nas trevas de Hartley Howard pela Livros do Brasil (1966)
>>> Próxima Viagem - Nº 62, Ano 6 de Vários autores pela Peixes (2004)
>>> Próxima Viagem - Nº 4, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 3, Ano 1 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 6, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 7, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 10, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 12, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 37, Ano 3 de Vários autores pela Peixes (2002)
>>> Próxima Viagem - Nº 22, Ano 3 de Vários autores pela Peixes (2001)
>>> Próxima Viagem - Nº 1, Ano 1 de Vários autores pela Peixes (1999)
COLUNAS

Terça-feira, 8/5/2018
A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
Renato Alessandro dos Santos

+ de 2200 Acessos



Quem gosta de cultura popular não pode deixar de conhecer o que escreveu Lúcio Rangel (1914-1979), cronista da música brasileira que, quando o relógio do século XX marcava por volta de meio-dia, registrou nas revistas A cigarra, Manchete, Senhor, Revista da Música Popular, e outras, o panorama do samba e do jazz que encantava toda a gente, que, do texto elegante dele, se aproximava.

É com esse estado de espírito que o leitor se dedica à experiência de leitura de Samba, jazz e outras notas, livro que o não menos admirável Sérgio Augusto organizou e que veio a lume em 2007, pelo selo editorial da Agir (mais tarde, comprado pelo grupo Ediouro). Obras assim deveriam surgir aos borbotões, em nosso mercado livresco, mas não é o que acontece, e quem perde são os leitores, que, à exceção de pesquisas isoladas em sites obscuros da internet e da escassa bibliografia disponível, ficariam à mercê do descaso à memória e à preservação de histórias que, se não fossem reunidas por jornalistas como Rangel, iriam se perder nas lianas do tempo.



Mas há este livro, e, nele, surge um Rio de Janeiro mítico, com consagradas boates em noites em que nefelibatas notívagos bebiam whisky como se fosse água de coco. Foram embora esses tempos e, hoje, moram naquela esquina onde o ônibus circular não chega, enquanto das sarjetas sambistas com seus cavaquinhos, violões e pandeiros parecem brotar feito geração espontânea, e as grandes estrelas deste livro são pessoas iguais a eles; gente como Noel Rosa (1910-1937), Nássara (1910-1996), Mário Reis (1907-1981), Chico Alves (1898-1952), Almirante (1908-1980), Pixinguinha (1897-1973), Moreira da Silva (1902-2000) e tantos outros que elevaram a música brasileira a uma categoria que poderia competir com o jazz americano, que na parte de cima do mapa vinha desafiando a espontaneidade dos músicos, não fosse a síndrome de cachorro vadio que a gente carrega nas costas, que nem uma corcova. Do calcanhar de Aquiles, uma das crônicas mais evidentes é a que retrata uma noite numa boate carioca em que a plateia, extasiada com os encantos vocais de uma cantora francesa, preservava um silêncio de monastério em que nenhum cigarro era fatalmente puxado, nenhum copo de whisky era à mesa pousado e nenhuma conversa era adiante levada, porque, entre acólitos, estava em jogo esse lado vergonhoso de não reconhecer a capacidade que a gente tem para ser grande e original, um passo além do ufanismo besta que, feito piolho, coça a cabeça, mas sem tirar nada de dentro dela, como uma lufada de vento que faz sacolejar de um lado a outro as franjas, para, em seguida, voltar ao mesmo estágio em que se encontravam antes, antes da brisa redentora.

Lúcio conta que tão logo a litografia mal feita de Piaf encerrou a cantoria, a garganta profunda a não suportar mais e a pedir arrego, a cantora, embevecida pela calorosa recepção carioca, retirou-se para repousar numa alcova à penumbra. Foi quando outra cantora pegou da pena para destilar sua poesia, mas havia um problema: era ela brasileira e, nem bem começou a cantarolar, o salão retornou da pausa e, como se alguém tivesse apertado a tecla play, a algaravia voltou a ecoar pela boate, por todo o show, num desrespeito que, hoje, faria corar qualquer um dos mais estúrdios políticos de nosso planalto. Vai Rangel:

Dois sujeitos disseram qualquer coisa e bateram palmas, numa mesa dos fundos. Foram as únicas. A cantora saiu discretamente e a orquestra tocou um fox-trot qualquer. No entanto, ela tinha cantado dois dos maiores sambas de um compositor chamado Noel Rosa, e é a maior intérprete do samba carioca. Chamava-se Aracy de Almeida.

Na imaginação de alguns o nome de Édith Piaf (1915-1963) deve acender umas luzinhas, já o de Aracy (1914-1988)... O texto chama-se, acertadamente, “Santo de casa” e foi publicado em 1956, no Jornal das Letras. Artigos como esse estão na seleção de Sérgio Augusto e vão apresentando o Lúcio Rangel boêmio, elegante, provocador, menos bairrista do que poderiam supor os mais atilados, porque o cronista, aqui, fala de outra de suas paixões, o jazz, e com a mesma ginga e segurança utilizadas em seus artigos sobre o universo do samba.

Mas nem tudo que reluz é alquimia para Rangel. Carmen Miranda fica atravessada no meio da sala, atrapalhando o trânsito, e, nela, o cronista vê menos a pequena notável do que a mulher que foi devorada pela indústria do entretenimento, que a alçou ao estrelado mundial com aquele chapéu tropical de frutas figurativas. Descomunal. E de gosto duvidoso. Sobra para Chico Viola também, nosso Francisco Alves, figura que causava admiração e, mais tarde, desconfiança em Rangel: onde fora parar o vozeirão de outrora? Mesmo assim, ele não se impediu de, por causa da morte do cantor, dedicar-lhe uma das mais belas crônicas do livro, dando conta de seu legado: Alves gravou mais de 1500 discos, numa época em que os LPs traziam apenas uma música de cada lado.



Rangel tinha convicção, como se nota em “Diário de Jazz”: “Aliás, é magnífica a orquestra de [Claude] Luter (1923-2006). Os músicos dão tudo, tocam o melhor que podem, ao contrário dos nossos que tocam lendo gibi.” Já em “Hugues Panassié em Nova York” afirma: “Como crítico, apesar de sua celebridade e de seus inúmeros livros, Panassié (1912-1974) continua um amador. Faz exatamente o que Michel Georges-Michel (1883-1985) fez em relação aos pintores. E não me consta que tenha alguém aprendido pintura nos livros desse outro francês, amigo de Cézanne e de Manet.” Era um facão afiado a abrir a trilha.

É um livro sobre o cancioneiro nacional, com a marca elegante de Rangel. Ressuscita textos publicados em páginas hoje amarelecidas pelo dobrar de década sobre década, e, em sebos on-line, pode ser encontrado pelo mesmo valor de três ou de duas garrafas de cerveja, a depender do ambiente. Samba, jazz e outras notas, o livro, feito água de mangueira num dia de sol, alegra a gente, com aquele arco-íris que se forma quando há crianças por perto.

Nota do Autor:
RENATO ALESSANDRO DOS SANTOS é editor do site tertuliaonline.com.br


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 8/5/2018


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2018
01. O massacre da primavera - 29/5/2018
02. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba - 31/7/2018
03. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia - 20/3/2018
04. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel - 8/5/2018
05. Claudio Willer e a poesia em transe - 13/2/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DICIONÁRIO DE TEATRO
PATRICE PAVIS
PERSPECTIVA
(2001)
R$ 50,00



CONTOS DE ROÇA E SERTÃO
LEONARDO SILVEIRA
GIOSTRI
(2015)
R$ 20,00



O ENCONTRO MARCADO
FERNANDO SABINO
RECORD
(2014)
R$ 44,00



PENSAR COM OS PÉS
ALLAN PERCY
SEXTANTE
(2014)
R$ 20,00



A ODALISCA E O ELEFANTE
PAULINE ALPHEN
COMPANHIA DAS LETRAS
(1998)
R$ 17,01



ASTROBIOLOGIA
FLAVIO PEREIRA
TRAÇO
R$ 8,00



A ARTE DA GUERRA
COLEÇÃO HISTÓRIA EM REVISTA
ABRIL LIVROS/TIME LIFE
(1991)
R$ 50,00
+ frete grátis



MLLE. FIFI BIBLIOTECA UNIVERSAL FRANÇA
GUY DE MAUPASSANT
TRÊS
(1974)
R$ 15,00



SUDÁRIO
JOHN BENVILLE
BIBLIOTECA AZUL
(2015)
R$ 39,00



A EMPRESA DE CORPO, MENTE E ALMA
ROBERTO ADAMI TRANJAN
GENTE
(2003)
R$ 14,02





busca | avançada
34764 visitas/dia
922 mil/mês