A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020) | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> Espírito de porco
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nine Eleven
>>> E a bomba caiu!
>>> Arte é entropia
>>> Impressões sobre São Paulo
Mais Recentes
>>> Zollinger - Atlas de Cirurgia de E. Christopher Ellison, Robert M. Zollinger pela Guanabara Koogan; (2017)
>>> O Hobbit: A batalha dos cinco exercítos : guia ilustrado de Jude Fisher pela WMF Martins Fontes (2014)
>>> Radiografia da Alma de Pe. Hewaldo Trevisan pela Planeta (2010)
>>> Convênios e outros instrumentos de "Administração Consensual"na Gestão Pública do século XXI - Restrições em Ano Eleitoral de Jessé Torres Pereira Junior e Marinês Restelatto Dotti pela Fórum (2010)
>>> Estalos e Rabiscos - Mãos à Obra Literária de Walter Galvani pela Novaprova (2011)
>>> Distrito Federal Paisagem, População e Poder de Marília Peluso e Washington Candido pela Harbra (2006)
>>> Parto de Mim de Vera Pinheiro pela Pallotti (2005)
>>> Deuses americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> A Ilha dos Prazeres de André Rangel Rios pela Uapê (1996)
>>> A pequena pianista de Jane Hawking pela Única (2017)
>>> Tradição e Novidade na Ciência da Linguagem de Eugenio Coseriu pela Presença- Usp (1980)
>>> Jovens Sem-Terra - Identidade em movimento de Maria Teresa Castelo Branco pela Ufpr (2003)
>>> Os Segredos das Mulheres Inteligentes de Julia Sokol e Steven Carter pela Sextante (2010)
>>> Lettres et Maximes de Épicure pela Librio (2015)
>>> Um Mundo a Construir de Marta Harnecker pela Expressão Popular (2018)
>>> Da RegenciaÀ Queda de Rozas (Rosas)/ Encadernado de Pandiá Calógeras pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> Psicoterapia y Relaciones Humanas de Carl Rogers e G. Marian Kinget pela Alfaguarra (1971)
>>> O Vinho no Gerúndio de Júlio Anselmo de Sousa Neto pela Gutenberg (2004)
>>> Michel Foucault, Filosofia e Biopolítica de Guilherme Castelo Branco pela Autêntica (2015)
>>> Vidas Provisórias de Edney Silvestre pela Intrínseca (2013)
>>> Introdução À Arqueologia Brasileira: Etnografia e História de Angyone Costa pela Cia. Ed. Nacional (1938)
>>> A Glória de Euclides da Cunha ; Edição Ilustrada/ Brasiliana de Francisco Venancio Filho pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> A Glória de Euclides da Cunha ; Edição Ilustrada/ Brasiliana de Francisco Venancio Filho pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> Viñas, Bodegas & Vinos de Argentina de Austral Spectator pela Austral Spectator (2007)
>>> Alexandre, o Conquistador de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> A Fiandeira de Ouro de Sonia Junqueira pela Positivo (2008)
>>> Feudalismo de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> Alfabeto de Histórias de Gilles Eduar pela Ática (2008)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> Marketing Nas Empresas Brasileiras: Organização de Vendas de Joaquim Carlos da Silva pela Record/ RJ.
>>> Dicionário da Língua Portuguesa de Malthus Oliveira de Queiroz pela Sucesso (2014)
>>> Salgueiro 50 Anos de Glória de Haroldo Costa pela Record (2003)
>>> Mitologia Grega de Pierre Grimal pela L&PM (2009)
>>> Além do Bem e do Mal de F. Nietzsche pela Escala (2005)
>>> La Muerte de la Familia de David Cooper pela Paidos (1974)
>>> La Tentation d'Exiter de E. M. Cioran pela Gallimard (1988)
>>> Os Pioneiros - a Saga da Família Kent- Vol. III de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> O Conto da Ilha Desconhecida de José Saramago pela Companhia das Letras (2015)
>>> A Vinda da Família Real para o Brasil de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> O Quarto Pato de Índigo pela Positivo (2008)
>>> Sociedade do Cansaço de Byung-Chul Han pela Vozes (2015)
>>> O Tempo Escapou do Relógio de Marcos Bagno pela Positivo (2011)
>>> A Sujeição das Mulheres de Stuart Mill pela Escala (2006)
>>> Admirável Ovo Novo de Paulo Venturelli pela Positivo (2011)
>>> Pequenas Confissões de Georgina Martins pela Positivo (2008)
>>> Fantasma Equilibrista de Tânia Alexandre Martinelli pela Positivo (2009)
>>> A História de Cada Um de Juciara Rodrigues pela Scipione (2010)
>>> Exercícios de Admiração de E. M. Cioran pela Rocco (2011)
COLUNAS

Terça-feira, 24/9/2019
A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
Renato Alessandro dos Santos

+ de 2000 Acessos


Muitos leitores preferem Angústia a qualquer outro livro de Graciliano Ramos. Não é meu caso. Ainda. Mas até agora Vidas secas é pra mim aquele monolito de 2001: uma odisseia no espaço. Por quê? Se o MacGyver, com um arame, dava vida a um carro, Graciliano, com meia dúzia de personagens, cria um monumento. Mas Angústia, diante do que exige do leitor, pode realmente tornar-se o Graciliano preferido justamente por sua escrita minuciosa e circular. Como em Vidas secas. É uma escolha que, após o mergulho do leitor nas caraminholas profundas de Luís da Silva, personagem-narrador de Angústia, torna tudo mais difícil, tal a altura que Graciliano alcança com sua obra. Não é pouco, e o autor de Memórias do cárcere, Caetés, Infância etc., figura na ordem das coisas como aquele escritor do qual, se tudo correr bem, a gente vai dessa pra melhor só depois de ter lido T.U.D.O. o que ele escreveu.

Luís da Silva, 35 anos, ama Marina, e vão casar, mas ela se engraça com outro, Julião Tavares, que a engravida. O casal até vinha preparando o enxoval, minando as economias do anti-herói, mas ela, feito carrapicho que se enrosca na barra da calça, bastou Julião passar, foi se enganchar no calcanhar dele, que nem tornozeleira eletrônica. Por falar nisso, já viu Vis a vis, na Netflix?

O casamento colapsa e também Luís, que vai atravessar os nove círculos do inferno, sozinho, sem nenhum Virgílio para lhe segurar a mão, além da gente, que não conta. Abismo adentro, ele abre a porta apenas para nos deixar passar, seus seguidores, como você já sabe, nos dando acesso à sua cabeça de esturjão. Estúrdio, estúrdio... Lá dentro, mergulhamos fundo no castigo que inflige a si mesmo, num desabafo sem autopiedade, sem concessão, sem vergonha alheia. Luís pode parecer um niilista, mas é mais alguém que passou por uma experiência traumática, levando sua revolta ao nível daqueles que perdem a razão, e aí fazem besteira. É o caso desse revoltado que tem de, como no primeiro disco do Metallica, procurar e destruir. Procurar o quê? Sarna? Não, V, de vingança, de vendetta. Como muita gente que, desvalorizada, se vê traída, autocomiseração nas alturas, Hosana e tal, ele não vai aceitar os poucos grãos que a vida lhe dá, e armado com uma metralhadora giratória imaginária, que não passa de sua verborragia carregada de rancor e ódio, leva-nos bem no meio da selva onde seu coração, em trevas, queima. É um romance que exige a atenção do leitor e, mais do que isso, paciência, e mais ainda do que isso, releitura.

Paciência, sim. Sabe aquela história de jogar o livro longe, tipo Dorothy Parker? Não faça isso. Luís da Silva passando na rua, talvez, não chamasse a atenção de ninguém, mas ele, sozinho, carregando nas costas seu calvário pessoal, torna-se interessante, interessantíssimo! Com ele, chegamos ao fundo do poço, sem menos nem mais: quer saber o que passa pela moringa de uma pessoa fora de si, transtornada, prestes a pifar? Se você vier a ler Angústia, vai encontrar uma mente em parafuso; não que alguns estejam faltando, ou talvez até estejam, mas o sujeito desinteressante atravessando a rua vira um narrador-personagem de primeira, daqueles que têm algo importante a dizer e, por isso, só por isso, não dá para deixá-lo sozinho, sem nada na despensa, e é meio impossível não se espantar com a esgrima literária de alguém que, tendo acabado de cometer um crime, comenta: “Corria e chorava, certo de que o esforço era perdido, porque o meu chapéu tinha ficado à beira do caminho, sobre as moitas. No dia seguinte passaria de mão em mão e chegaria à minha cabeça”. Essa capota, esse chapéu, é agonia e perplexidade... É preciso partilhar o pão, e Luís o divide com os leitores, mesmo sem nenhuma Coca-Cola ou qualquer outro refrigerante sobre a mesa. O pão está seco, duro e prestes a mofar.

Releitura, sim. Uma boa estratégia a quem não entende totalmente o final do romance é... voltar ao início. Sim, ao início:

"Levantei-me há cerca de trinta dias, mas julgo que ainda não me restabeleci completamente. Das visões que me perseguiam naquelas noites compridas umas sombras permanecem, sombras que se misturam à realidade e me produzem calafrios."


De cara, esse primeiro parágrafo de Angústia já é uma resposta ao último, e é coerente com a narrativa circular, psicológica, que Luís oferece, sofrendo como títere nas mãos de um audacioso Graciliano. É engenhoso. É voltar ao início para reler o que Luís conta e, quando menos se imagina, as fichas vão caindo, uma a uma, para a satisfação do leitor que não se deu por vencido e pelejou, lá e de volta outra vez...

Cordas, círculos, fios, arames, cascavéis

Um personagem não deve chegar ao final de um romance e morrer de pneumonia, se, antes, em nenhum momento, nem sequer tossiu, certo? Certo. Essa é uma lição que grandes autores passam. Não que o protagonista vá morrer de pneumonia, mas por todo o romance, até o clímax - que dura 20 e poucas páginas da mais pura aflição ao personagem e à gente, que, nessas contradições do espírito, até torce para o moço se safar de um crime, sem castigo, se possível, mas se esquecendo de que, na verdade, ele escapou mesmo, certo? Ileso? Não. Psicologicamente, não. Decompôs-se, fragmentando, evadindo sua loucura em algo que, em literatura, pode ser tangível e mensurável -, Luís vai ver a presença de cordas em tudo quanto é canto: fios, arames, cascavéis, canos... O leitor, especialmente aquele adestrado na arte da leitura, desconfia de que virá algo daí e vai se preparando: Luís olha para o encanamento anexado à parede, exposto, e imagina uma corda estendida; nota os fios de eletricidade e pensa em cordas que não afrouxam; nem mesmo a garganta apertada pelo nó da gravata escapa etc., mas nada supera a cascavel que se enrosca no pescoço do avô, Trajano Pereira de Aquino Cavalcante e Silva, numa das invocações que faz do passado — aqui, da infância. Vale a leitura:

"As cascavéis torciam-se por ali. Uma delas enroscou-se no pescoço de Trajano, que dormia no banco do alpendre. Trajano acordou, mas não acordou inteiramente, porque estava caduco. Levantou-se, tropeçando, gritando, e sapateou desengonçado como um doente de coreia. Uma alpercata saltou-lhe do pé. E ele, arrepiado, metia os dedos entre os anéis do colar vivo: — Tira, tira, tira. Quem ia tirar a cascavel que chocalhava no pescoço do velho? Eu era miúdo e olhava aquilo com espanto. Parecia-me que a cobra era um enfeite, uma coisa que Trajano enrolara no pescoço para ficar diferente dos outros velhos. Quem ia tocar nela? — Tira, tira, tira. Quitéria puxava o rosário de contas brancas e azuis: — “Misericórdia!” Trajano Pereira de Aquino Cavalcante e Silva dançava no chão de terra batida. Afinal a cobra se soltou, Camilo Pereira da Silva matou-a com o macete de capar boi e Quitéria levou-a pendurada num pau, a cabeça encostada ao rabo, balançando como uma corda, e foi jogá-la para lá dos juazeiros."

O que dizer dessa sensação por que passa Trajano? Uma corda, ou melhor, uma cascavel enforcando, enforcando... Os dedos do avô entre o pescoço e o bicho, enquanto ele não se livra da... forca... E por que Luís narra com tanta naturalidade o que aí vai terrível, como se uma cascavel no pescoço fosse algo tão comum quanto... atravessar uma rua num domingo à tarde?

A linguagem é uma cavalaria, e no lombo, nós, pendurados à crina do bichinho, e, horas dessas, a gente vai caindo: Luís vai do presente ao passado sem nem mesmo mudar de parágrafo. O mergulho é medula adentro. A narrativa é costurada aqui, ali, com prezar de rendeira — as rugas a despontar uma a uma. É que diante de tamanho engenho, em retribuição, o leitor não deve desistir, e ele não desiste; insiste, sobe de novo no cavalinho, até que cai, e levanta, cai, e levanta, cai e levanta, cai e levanta cai e levanta cai e levanta cai e levanta... Assim mesmo: de tropeço em tropeço até o galope definitivo quando, finalmente, é laçado, numa expressão que leva a gente de novo às cordas.

No romance, o leitor não estranha quando Seu Ivo, um mendigo, presenteia Luís com um pedaço de corda que, em hora grave, o agressor vai encontrar em seu bolso. Como toda vingança, não há paladar que se ajuste ao prato servido cru, e se tudo poderia melhorar, tornar-se um assassino não há de ser nunca uma recompensa adequada ao que há de vir. Assim, no galho de uma árvore (símbolo de vida), um corpo ficará balançando, feito um pêndulo, que de lá para cá vai ceifando a sanidade do narrador, para desespero nosso, seus leitores, que ao final até poderíamos ficar incapazes de saber se um crime teve seu castigo em curso — feito essas maldições que num filme de terror sempre chegam ao seu destino —, o que não foi o caso; o caso é que, longe da prisão, o diabo foi mesmo tomar cachaça dentro da cabeça do protagonista, com as janelas da casa cerradas, enquanto à revelia uma festa ia acontecendo — uma festa à qual Luís da Silva não queria ir e que se estende, circular, ininterrupta, do primeiro ao último parágrafo, feito uma corda, feito a forca de cascavel do avô Trajano.

Nota do Autor
Renato Alessandro dos Santos, 47, é autor de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia e de O espaço que sobra, seu primeiro livro de poesia (ambos publicados pela Engenho e arte).

Nota do Editor
Você encontra várias edições de Angústia no Portal dos Livreiros. Também, outros títulos clássicos de Graciliano Ramos.


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 24/9/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Outros cantos, de Maria Valéria Rezende de Ana Elisa Ribeiro
02. Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1 de Renato Alessandro dos Santos
03. Meu Telefunken de Renato Alessandro dos Santos
04. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar de Jardel Dias Cavalcanti
05. Ação Social de Ricardo de Mattos


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2019
01. Meu Telefunken - 16/7/2019
02. Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva - 19/2/2019
03. K 466 - 26/3/2019
04. Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1 - 20/8/2019
05. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) - 22/1/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EDUCAR SEM CULPA - A GÊNESE DA ÉTICA
TANIA ZAGURY
RECORD
(1991)
R$ 7,50



COMO SE PREPARAR PARA O EXAME DA ORDEM CONSTITUCIONAL 1ª FASE
ADRIANO BARREIRA KOENIGKAM DE OLIVEIRA E OLAVO A.
MÉTODO
(2006)
R$ 4,90



ALMA FORTE - VOLUME ÚNICO
ELIZABETH PICKETT CHEVALIER
IRMÃOS PONGETTI
(1944)
R$ 15,00



UMA QUESTÃO DE HONRA O MORDOMO DE LADY DI CONTA TODA A VERDADE
PAUL BURRELL
EDIOURO
(2003)
R$ 20,00



COISAS QUE TODA GAROTA DEVE SABER - PORTUGUES BRASIL
SAMANTHA RUGEN
MELHORAMENTOS
(2006)
R$ 10,00



PERIGOS NA NOITE ESCURA
ÁLVARO CARDOSO GOMES
QUINTETO EDITORIAL
(1997)
R$ 11,33



ARTE HOJE 9
GABRIELA BRIOSCHI
FTD
(2003)
R$ 18,00



CONTOS DE AMOR RASGADOS
MARINA COLASANTI
ROCCO
(1986)
R$ 9,00



INTERVIEW REVISTA EDIÇÃO ESPECIAL
MALU 40 GRAUS
ABRIL
(1993)
R$ 150,00



A MULHER MUÇULMANA SEGUNDO O ALCORÃO
PAULO EDUARDO OLIVEIRA
PALAVRA E IMAGEM
(2001)
R$ 15,00





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês