O verdadeiro legado de 68 | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
49037 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 6/8/2008
O verdadeiro legado de 68
Luiz Rebinski Junior

+ de 2900 Acessos

Algumas efemérides chegam com tamanha carga de nostalgia que muitas vezes o lado festivo da data se sobrepõe ao debate. O Maio de 1968 sofre desse mal. Talvez por ter sido um evento amplo, não apenas político, e que atingiu proporções gigantescas, os acontecimentos dos anos 60 são retratados com uma reverência que, às vezes, extrapola a História.

A visão mítica de um período de plena revolução e de um mundo em chamas domina as publicações que pipocam por conta dos quarenta anos do levante de Paris. A simbologia que tomou conta da data se refere, sempre, a palavras como rebeldia, utopia, direitos civis, igualdade etc. O inventário dos calorosos anos sucumbe sempre à irresistível vontade de mitificar o período. Isso vale para quase tudo que se refere a 68, da música à literatura, passando, claro, pela política.

Se não vai contra essa lógica, O poder das barricadas ― Uma autobiografia dos anos 60 (Boitempo Editorial, 2008, 408 págs.) pelo menos oferece uma visão mais intimista e menos rasa dos acontecimentos, ainda que esteja impregnado de militância esquerdista de seu autor, o paquistanês Tariq Ali. E não poderia ser de outra forma, a começar pelo sugestivo título do livro. Ativo militante de esquerda, Ali oferece o seu 68, em uma prosa que vale muito mais pelo caráter memorialista do que jornalístico. As melhores passagens da obra se concentram em capítulos que reproduzem os diários de Ali durante uma visita ao Vietnã em 1967, em plena guerra contra os Estados Unidos. Há ali trechos comoventes, que denunciam a barbárie da guerra e que são bem mais interessantes do que as brigas entre correntes socialistas da Inglaterra descritas pelo autor e que povoam grande parte do livro. A posição privilegiada de Ali, que esteve ― como militante e jornalista ― sempre no epicentro dos principais acontecimentos da década de 60, dá ao relato um caráter documental importante. Ali mostra os detalhes de cada acontecimento sob um ângulo privilegiado, que ajuda a entender por que tudo ocorreu, deixando momentaneamente a mística em segundo plano, destacando os fatos. São esses os trechos em que o livro ganha importância, como relato jornalístico de qualidade.

Tariq Ali reconstrói os fatos que deram início a toda a agitação em Paris, com o colapso do sistema universitário, que enfrentava à época problemas de ordem estrutural, com alojamentos e instalações sofríveis. Somados a isso, é claro, a situação econômica da França, que sucumbira aos dez anos do gaullismo. Tal descontentamento afloraria nos campi de Nanterre e Sorbonne, que teriam como líderes Daniel Cohn-Bendit e Daniel Bensaïd. Dois rapazes carismáticos que, merecidamente ou não, se tornariam símbolo de todo o culto que envolve o Maio de 68. Os desdobramentos de tudo isso, com a conseqüente adesão da classe operária ao movimento e a grande greve geral que tomou conta do país, são narrados com o esmero que se espera de um militante que vê seus pares chegarem ao topo. Mas e depois? Talvez essa seja a indagação mais importante hoje sobre o que ocorreu nos anos 1960. O papel mais importante da História certamente é o de iluminar o caminho futuro. Assim, se considerarmos que O poder das barricadas foi lançado pela primeira vez na Inglaterra em 1987, após 20 anos dos acontecimentos de Paris, e demorou outras duas décadas para chegar aos leitores brasileiros, o que se lê sobre o legado do Maio de 68 parece insuficiente. É claro que há de se respeitar as duas décadas de atraso com que o livro chegou aos brasileiros, o que poderia ser corrigido no longo prefácio da edição brasileira em que Ali prefere discorrer sobre os conflitos bélicos e sociais de agora, relacionando-os indiretamente com os anos de luta.

É verdade que os acontecimentos de 1968 forçaram o governo francês a empreender reformas nas universidades, multiplicando o número de vagas aos estudantes, por exemplo, sem, no entanto, conseguir uma ampliação mais consistente na infra-estrutura acadêmica. Daí é possível afirmar que as conseqüências mais duradouras e consistentes dos anos 1960 sejam indiretas, muito mais de ordem cultural do que estrutural. E essa talvez seja a chave para se explicar a aura mítica que o período ganhou com o passar dos anos e décadas. Afinal, o objetivo maior dos grupos maoístas ― tomar o poder em parceria com camponeses e operários ― que lideravam os levantes não foi alcançado. Cohn-Bendit é hoje um respeitado deputado europeu do Partido Verde, mas que pouco lembra o rebelde incendiário de tempos idos. Com exceção do Nepal, não se vê hoje maoístas nem mesmo na China. Régis Debray, como escreve o próprio Ali no fim do livro, que foi um dos militantes mais ativos do período, tornou-se "um funcionário pomposo e astuto do Estado francês" no governo Mitterrand, naquele que para muitos foi o fim do Maio de 68 e não o começo e de uma revolução socialista, como se poderia crer. Portanto, politicamente o Maio de 68 foi uma fagulha que logo se apagou. Che Guevara fora morto na Bolívia, a Tchecoslováquia esmagada por tropas de Moscou e a América Latina tomada por coronéis da extrema direita. Então veio a ressaca, amarga e dolorida. Tão amarga que o próprio Ali escreve que "a política dos anos 1960 parece estar muito mais distante do que a meras duas décadas [ele escrevia antes da derrocada da União Soviética] e, em várias cidades européias, podemos encontrar escombros de indivíduos ou de organizações políticas que preferiram fingir que nada mudou. O período pós-1975 foi uma das pausas forçadas da história, prevista para nos fazer pensar e refletir antes da onda seguinte, cujo padrão é tão imprevisível quanto o momento em que virá".

Daí que os ganhos do Maio de 68 hoje passam ao largo da política (haja vista os presidentes "socialistas" que dominam a América Latina) e se concentram muito mais em questões como o respeito às minorias, feminismo, liberdade sexual e a progressiva preocupação com o meio ambiente. O resto, literalmente, virou história.

Para ir além






Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 6/8/2008


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008
05. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CARTAS DE UM ESCRITOR SOLITÁRIO
SAM SAVAGE
PLANETA DO BRASIL
(2011)
R$ 34,00



FAÇA ACONTECER - MULHERES, TRABALHO E A VONTADE DE LIDERAR
SHERYL SANDBERG
COMPANHIA DAS LETRAS
(2013)
R$ 25,00



A AÇÃO DO ESPÍRITO SANTO NA ALMA
ALEXIS RIAUD
QUADRANTE
(1998)
R$ 20,00



COMO LIDAR COM PESSOAS DIFÍCEIS/ DE BOLSO
VICTOR CIVITA
NOVA CULTURA
(2005)
R$ 8,57



TRANSFORMANDO GRAMA EM OURO
JULIO CASARES
GENTE
(2014)
R$ 15,00



A ELEIÇÃO DA CRIANÇADA
PEDRO BANDEIRA
MELHORAMENTOS
(2010)
R$ 13,00



EMERGÊNCIAS CLÍNICAS ABORDAGEM PRÁTICA - 9456
HERLON SARAIVA MARTINS E OUTROS
MANOLE
(2006)
R$ 12,00



ESTAÇÃO DAS CLINICAS
IACYR ANDERSON FREITAS
ESCRITURAS
(2016)
R$ 25,04



O AMOR CHEGOU
MARISA DE LOS SANTOS
RECORD
(2008)
R$ 10,00



O MUNDO É PLANO
SERGIO DUARTE; BRUNO CASOTTI; CRISTINA CAVALCANTI
OBJETIVA
(2009)
R$ 6,00





busca | avançada
49037 visitas/dia
1,4 milhão/mês