As fezes da esperança | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
51690 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Prefeitura de SP institui gratificação de até R$ 1.500 reais para diminuir rotatividade de docentes
>>> Queen Immortal faz show em homenagem ao aniversário de Freddie Mercury
>>> Projeto cultural gratuito traz cinema e teatro para cidades goianas
>>> Festival da Linguiça de Bragança retorna com expectativa de 70 mil visitantes
>>> O Buraco d’Oráculo leva dois espetáculos de seu repertório a praça em São Miguel Paulista
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Graciliano Ramos, o gigante
>>> Entrevista com Gerald Thomas
>>> O fim do (meu) automóvel
>>> Sobre o som e a fúria
>>> 27 de Fevereiro #digestivo10anos
>>> Minhas caixas de bombons
>>> Direto do show do Chickenfoot
>>> Suicídio da grande imprensa
>>> Como ser uma webcelebridade
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
Mais Recentes
>>> O Defunto Adão e Eva no Paraiso e Outros de Eça de Queiros pela Edição de Ouro
>>> Encontro À Meia-noite de Liliana Iacocca pela Ftd (1988)
>>> Ó (de) Itabira de Marcus Accioly pela José Olympio (1980)
>>> O Moleque Ricardo de Jose Lins do Rego pela Jose Olympio (1981)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Jose Olympio (1995)
>>> O Velho Feiticeiro de Assis Brasil pela Melhoramentos
>>> A Filosofia Contemporanea de Wolfgand Stegmuller pela Edusp
>>> O Negócio do Século XXI - o Guia do Pai Rico de Robert Kiyosaki pela Campus (2011)
>>> Alimentos Saudáveis, Alimentos Perigosos - Guia Prático de Readers Digest pela Do Autor
>>> Antes Que o Sol Apareça de Lucília Junqueira de Almeida Prado pela Brasiliense (1984)
>>> O Velho da Horta Auto da Barca do Inferno Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente, Segismundo Spina pela Brasiliense (1996)
>>> A Herança de Beni - uma Aventura Histórica e Virtual de Enio Rechtman / Silvio Fisberg pela Hebraica
>>> Feliz Ano Velho de Marcelo Rubens Paiva pela Brasiliense (1995)
>>> O Muiraquitã - Coleção Jovens do Mundo Todo de Odette de Barros Mott pela Brasiliense
>>> Contos de Andersen de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1958)
>>> Aprender Economia de Paul Singer pela Brasiliense (1994)
>>> Jesus de Paulo Leminski pela Brasiliense (1984)
>>> O Romance de Tristão e Isolda de Joseph Bédier pela Wmf Martins Fontes (2012)
>>> Fogo Morto de José Lins do Rego pela José Olimpio (1991)
>>> Qué Camino Tomar? de Edwin Becerra pela Santillana (2005)
>>> O Poder do Super Bicho de Edy Lima pela Melhoramentos (1979)
>>> Regras Oficiais de Beisebol de Não Consta pela Brasil (2008)
>>> Enigma na Televisão - Série Vaga-lume de Marcos Rey pela Atica (1991)
>>> Ímpar de Marcelo Carneiro da Cunha pela Projeto (2002)
>>> O Caso dos Modelos de Pernas Longas de Etle Stanley Garcher pela Circulo do Livro
COLUNAS

Sexta-feira, 1/7/2022
As fezes da esperança
Luís Fernando Amâncio

+ de 2300 Acessos

Em uma mesma manhã, presenciei duas cenas que me levaram da desesperança à fé em um futuro melhor.

A primeira aconteceu em um supermercado. Eu saía com minhas compras – três itens e três dígitos de desfalque no cartão de crédito, como habitual. E, no sentido contrário, um homem discutia com o segurança.

– Então chama o gerente. É um absurdo me barrarem por não usar máscara! Isso não tem embasamento sanitário ou jurídico. Vocês vão cobrar também a cartela de vacinação?

O nervosinho mentia. Há embasamentos científicos e jurídicos para a abordagem. Em Belo Horizonte, o uso de máscaras em lugares fechados voltou a ser obrigatório desde o dia 14 de junho, através de decreto municipal. Mas, como não tenho paciência para defensores do direito de “expor os outros às gotículas de saliva”, segui o meu caminho. Triste, confesso. Qual a dificuldade em usar uma máscara no rosto?

Metros adiante, presenciei a segunda cena. A da esperança. Ela começa com fezes abandonadas em frente a um prédio em que funcionam duas agências bancárias. Não posso afirmar se eram excrementos humanos. Pela proporção, entretanto, me atrevo a dizer que a matéria não seria proveniente de um cachorro pequeno.


Curiosamente, as duas agências bancárias são especiais. Não integram a categoria daquelas em que você enfrenta fila para se decepcionar com seu extrato nos caixas eletrônicos, ou retira a senha para, uma hora depois, ser assediado com a oferta de títulos de capitalização.

São agências prime. Ou personnalité. Afinal, o requinte só é legítimo quando escrito em língua estrangeira. São filiais exclusivas para os clientes VIPs tomarem um cafezinho enquanto discutem com seus gerentes a sigla da vez para investir. E nenhuma delas é título de capitalização. Isso em um ambiente projetado com muita madeira e plantas artificiais que, diferente das que encontramos nas outras agências, parecem-se muito com as naturais.

Enfim. Voltemos para as fezes. No curto período em que observei a cena – pode não parecer, mas tenho ocupações – vi senhores e senhoras, trajando a elegância que o inverno permite, desviando das fezes com desagravo. Torcendo o nariz para demonstrar repugnância.

E isso me deu esperanças.

É sério. Eu pensava que as pessoas andam anestesiadas demais para sentir asco. Que haviam normalizado, para usar uma palavra da moda, a desgraça. Não se importavam mais com o mau cheiro do que encontravam por aí.

Um exemplo fácil é a gasolina. Anos atrás, um aumento de alguns centavos era o suficiente para se instaurar um clima de guerra civil. Repórteres, direto de postos de gasolina, davam o microfone à voz das ruas, que salivava contra o governo. Hoje, com aumentos bem mais robustos, nada acontece. Ou melhor, pouco. A cada anúncio de aumento, nossos bravos motoristas só lançam mão de uma estratégia: abastecer o máximo possível suas máquinas antes do próximo aumento.

Foi um exemplo banal. As notícias ruins são tantas e as reações, tão tímidas, que eu jurava que o espírito nacional estava morto. Ou, ao menos, adormecido. Os assassinatos de Bruno Pereira e Dom Phillips são ultrajantes. Um horror. Que se soma a um longo histórico de execuções de ativistas que deveria envergonhar até os bebês que nascem no Brasil. Porém, parece que se revoltar com esse tipo de crime é “ser de esquerda”. Vide a dificuldade do presidente em ao menos manifestar sincero pesar com a brutalidade.

E já que o tema é governo, horror ali é o que não falta. O mais recente escândalo, o dos pastores ditando o destino das verbas no Ministério da Educação, é um retrato da pilhagem em que nos encontramos. Estamos no quarto ano da presidência de Bolsonaro e talvez o MEC seja a pasta que mais concentrou lunáticos no seu comando. Um feito, já que a concorrência é grande. Entre olavistas e pastores, a educação ficou relegada a interesses políticos. O escândalo que rendeu a prisão de Milton Ribeiro é só a ponta de um iceberg de desmontes que atingem também outros ministérios.

Os exemplos poderiam se alongar, mas já extrapolei meu espaço. O importante é que, apesar de tudo demonstrar que o brasileiro atualmente aceitaria as piores desgraças com a mais pavorosa inércia, há um sinal vital. As pessoas ainda se repugnam com fezes. Torcem o nariz. Desviam do caminho.

Logo, há chances do gigante acordar. Afinal, merd* é o que não falta por aí.

Nota do Editor
Leia também "Pelo Fim da Palavra VIP".


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 1/7/2022


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Gramática da reprodução sexual: uma crônica de Jardel Dias Cavalcanti
02. Cuba e O Direito de Amar (3) de Marilia Mota Silva
03. As maravilhas do modo avião de Julio Daio Borges
04. 4 filmes sobre publicar livros de Ana Elisa Ribeiro
05. Era uma casa nada engraçada de Cassionei Niches Petry


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio
01. 7 de Setembro - 13/9/2019
02. O pai tá on: um ano de paternidade - 28/8/2020
03. Eleições na quinta série - 17/9/2021
04. A barata na cozinha - 26/10/2018
05. O Brasil que eu quero - 22/6/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Tronco no Meio do Caminho
Rosana Rios
Positivo
(2010)



O Símbolo Perdido
Dan Brown
Sextante
(2009)



O Jogo das Contas de Vidro
Hermann Hesse
Brasiliense
(1973)



Sem Trabalho... por Quê?
Cnbb
Salesiana
(1999)



Desen - viver - volvendo ... Repensando o cotidiano
Carpinelli e Schabbel
Iglu
(1996)



Engineers Data Book
Clifford Matthews
Wiley
(2012)



Pandora
Sylvia Fraser
M&s
(1976)



Civilização Planetária
Leonardo Boff
Sextante
(2003)



Sempre Há uma Chance
Lucimara Breve
J. S.
(2000)



Plt 459 Direito Civil Brasileiro 3
Carlos Roberto Gonçalves
Saraiva
(2012)





busca | avançada
51690 visitas/dia
2,0 milhão/mês