Um escritor na cidade Fantasma | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/4/2001
Um escritor na cidade Fantasma
Paulo Polzonoff Jr

+ de 3000 Acessos

Há sete anos um dos mais importantes jornalistas culturais brasileiros chegou a Curitiba, sob uma avalanche de ovações. Naquele tempo ele era, de certo modo, a encarnação perfeita do marketing da cidade, que atraía para a Capital Ecológica mais do que turistas ocasionais, empresas interessadas nos incentivos fiscais e bóias-frias fugindo da decadência do campo. José Castello era a prova de que Curitiba poderia atrair também certa nata da inteligência brasileira, que para cá vinha respirar o ar puro dos parques urbanos.

Sete anos passados, o autor de O Poeta da Paixão, biografia de Vinícius de Moraes, resolve se aventurar pela ficção e sente já o peso da cidade que escolheu para viver. Ainda mais em se tratando de um livro, Fantasma, que faz severas críticas não só a Curitiba quanto a seu ídolo literário maior, Paulo Leminski. Hoje, os detratores não poupam esforços para considerar Castello como um estrangeiro para o qual as coisas condizentes com o Paraná não lhe dizem respeito. Outros afirmam que o livro de estréia de Castello não passa de uma tentativa frustada de um jornalista entrar no mercado editorial como ficcionista - a mesma ladainha leite-quente de sempre.

Fantasma foi escrito para integrar uma série de ensaios encomendado pela editora Record, que deveria tratar das maiores cidades brasileiras. O ensaio, no entanto, não agradou a Castello. "Ia ser um ensaio extremamente pessoal. Aos poucos percebi que não tinha o que falar. Enquanto isso, o personagem do arquiteto foi ganhando dimensão em minha cabeça. Falei com a editora e o que era para ser um ensaio acabou por virar um romance", explica.

O tom ensaístico, contudo, permanece neste Fantasma. Não faltam considerações sobre a cidade que Castello escolheu para viver, tampouco. Isto, contudo, não desagrada ao autor. Para José Castello, o tom ensaístico do romance permanece não só pelas considerações que faz a respeito da cidade. "O tom de ensaio se mantém primeiro porque o arquiteto faz várias considerações sobre o gesto maluco de ter destruído o livro sobre Curitiba, escrito anteriormente. Fantasma é, ainda, um livro sobre o fracasso, inclusive, do ensaio como gênero. Porque o ensaio é algo meio em aberto, que arrisca opiniões pessoais, deixa o autor cada vez mais livre para tecer considerações despretensiosas. Paradoxalmente o ensaio se esforça para ser lógico. Em Fantasma, o arquiteto faz um esforço para ser lógico - e eu uso isto como contraponto a Leminski -, o que o acabou aproximando ainda mais da cidade".

Um dos problemas de um jornalista dar uma "guinada literária" em sua carreira são as inegáveis considerações dos críticos ressentidos, que sempre o tratarão antes como repórter do que como literato. No caso de Castello, isto se complica ainda mais porque o autor dedicou anos de sua carreira a tecer comentários - às vezes nada lisonjeiros - a obras alheias. Esta vulnerabilidade, contudo, parece não incomodar José Castello. "Por escrever crítica - acho que não escrevo, mas dizem que escrevo, então está bom, escrevo -, estou sempre nesta posição de dar a outra face, afinal, fiquei meio vulnerável, teve muita gente que ficou ofendidíssima com o que escrevi - e devo ter escrito muita bobagem mesmo", ressalta, mostrando uma humildade nada típica dos intelectuais.

O que não é uma situação tão incomum assim na literatura brasileira. O próprio José Castello cita Silviano Santigo, crítico que volta e meia escreve romances e versos, e que é combatido por isso, como se sua atividade literária fosse algo menor, feita entre o almoço e o café da tarde, a título de distração. Outro exemplo seria o do compositor Chico Buarque, visto por nove entre dez críticos como um mero músico que se "atreveu" a escrever romances. "Para ser sincero, não estou preocupado com isso. Isto não vai afetar minha relação com o trabalho que faço e que pretendo fazer. Tenho idéias rascunhadas para mais duas narrativas grandes. Aos poucos, acho que as pessoas tendem a se acostumar com o José Castello romancista. É natural", afirma, seguro.

A pecha de biógrafo - José Castello escreveu sobre a vida de Vinícius de Moraes, Rubem Braga e do poeta João Cabral de Mello Neto - parece perseguir o agora romancista. Ainda mais porque o "grande" (muitas aspas, por favor) nome da literatura curitibana, o intocável Paulo Leminski, é um dos personagens de seu Fantasma. "Uma biografia do Leminski vai mesmo sair, mas não é um trabalho meu. Não estou preocupado se as pessoas estão esperando uma biografia do Leminski escrita pelo Castello. Fantasma, insisto, é um romance".

O grande mérito deste Fantasma parece ser mesmo o de cutucar a fama de cidade-paraíso que Curitiba carrega e que é divulgada aos quatro ventos inclusive pelos próprios curitibanos. Desde Dalton Trevisan alguém não ataca tão cruelmente a fama de cidade-modelo que Curitiba ganhou à força dos publicitários oficiais. Para surpresa geral, porém, Castello diz que não está havendo uma contra-reação - a não ser o silêncio com que tratou o livro a imprensa local. Pelo contrário, já que uma grande parcela da população atual da cidade é de "estrangeiros" (pessoas que para cá migraram nos últimos dez anos). "O estrangeiro, num primeiro momento, fica deslumbrado com Curitiba, por isso assume o lado curitiboca da cidade. Fica encantado. O marketing está infiltrado em tudo, e isto inebria. Nestes sete anos que estou aqui amadureci e a minha visão da cidade mudou. Entendi este vazio de que o Leminski falava. Hoje, mais do que no tempo dele, Curitiba tem um aspecto pós-moderno, artificial. Com o passar do tempo começa-se a entender que atrás desta fachada existe um vazio que persiste dentro da Curitiba pós-moderna. Curitiba está dentro do Brasil, é uma metrópole que sofre influência da periferia como todas as outras metrópoles brasileiras", disserta o escritor.

Por fazer muitas referências a elementos da cultura curitibana, Fantasma preocupa, porque pode afastar, de modo até inconsciente, o leitor do resto do Brasil. Isto é o que poderia se esperar, uma vez que outros escritores que escreveram sobre a "cidades das araucárias" foram quase que sumariamente ignorados no resto do País. Castello, contudo, se diz surpreso com a aceitação de Fantasma no restante do Brasil. "Os leitores ficam surpresos com o marketing curitibano Claro que há certas dificuldades, como a de visualisar certas coisas, como uma estação-tubo, mas se acaba entendendo que é uma coisa modernosa, não chega a atrapalhar a leitura do livro. Talvez a torne até mais interessante. Porque vai colar menos o real à realidade", especula.

Estilisticamente, pode-se dizer que Fantasma é um livro anacrônico. Anacrônico porque prolixo. Numa época em que a moda em literatura é a economia in extremis de recursos lexicais, José Castello usa e abusa das palavras e das considerações sobre absolutamente tudo. Isto se deve, em parte, à própria personalidade do narrador. "O arquiteto é um obsessivo, um analista, e seu raciocínio é labiríntico, o que o aproxima da cidade, que segue vários caminhos sem chegar a lugar algum", analisa Castello. Alguns amigos, que puderam ler Fantasma ainda nas provas, advertiram o autor para a prolixidade do narrador. "Me disseram que era um 'livro antigo'", desdenha. O objetivo de Fantasma, explica Castello, é mesmo este: ir contra os cânones do modernismo brasileiro. "Me cansei da ditadura do haicai, do modernismo absurdo que não permite a prolixidade. Na poesia, isto chegou às raias do absurdo. Vou contra isto", impõe-se para, em seguida, ser tachativo: "Mais do que com palavras, escreve-se com pensamentos, por isso me preocupo em pensar tanto no que escrevo". Uma raridade.

Em meio à intelligenstia curitibana, José Castello, apesar de estar aqui há tão pouco tempo, já criou algumas inimizades. Resenhas negativas de livros de escritores locais, por exemplo, geraram falsas polêmicas e caras feias. "Isto é provinciano, coisa própria de Curitiba. Tenho grandes amigos de que discordo em quase tudo. Isto dá tesão. Em Curitiba, pelo que estou entendendo, aqui prevalece o pensamento do "quem-não-está-comigo-está-contra-mim", ou seja, aqui todos os escritores têm de viver numa espécie de orgasmo intelectual contínuo".

Para dar um exemplo da boa-convivência intelectual, Castello cita o queridinho da literatura paranaense da hora: Valêncio Xavier. "Pensamos coisas completamente diferentes, mas isto não impede que tenhamos uma relação afetuosa. Isto é uma coisa no mínimo sensata. Não sou dono da verdade, quando digo uma coisa hoje posso mudar de opinião amanhã", reflete. "Odeio estas pessoas que criticam o Fernando Henrique, por exemplo - e eu tenho sérias restrições políticas ao FHC -, pelo que ele escreveu na década de 60 e faz hoje, quando presidente. Ele mudou, talvez para pior, mas o fato de mudar, em si, é positivo", continua.

Sobre o assunto da hora, o empobrecimento da crítica, José Castello tem uma visão bastante cética. Para ele, o fim do pensamento prolixo de um Otto Maria Carpeaux ou Gustavo Corção não tem a ver com um "emburrecimento em massa", como apontam os catastrofistas. "A crítica da época de Carpeaux não era profissional. Na década de 70, ela foi se profissionalizando. Depois surgiram os resenhistas e a crítica tornou-se algo ligado à Universidade, aquela coisa hermética, cifrada. Como contraponto, nos últimos anos surgiu a resenha, cuja responsabilidade foi dada a jornalistas. A crítica não acabou; se transformou. É verdade que a crítica praticada na imprensa se nivelou pela média, empobreceu junto com a imprensa de um modo geral, esta besteira de notícias compactas. A crítica foi perdendo qualidade. Não há mais espaço para reflexões".

Hoje, além da carreira de romancista, José Castello envereda pela crônica semanal, um gênero que vez ou outra é dado como morto. Para Castello, contudo, a crônica fascina justamente por ser um gênero que não é exatamente um gênero. "A crônica nasceu quando os jornais resolveram dar um espaço, um quadrado qualquer, para pessoas que supostamente sabiam escrever, escreverem sobre qualquer coisa. O legal da crônica é que é um espaço ligado à experimentação, mais do que em qualquer gênero", conclui.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 23/4/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol


Mais Paulo Polzonoff Jr

colunista_mais_acessadas_query=SELECT colunistas.iniciais, colunas.ano, colunas.acessos, colunas.codigo, colunas.titulo, colunas.dia, colunas.mes FROM chamadas, colunas, colunistas WHERE colunas.codigo = chamadas.coluna AND colunas.colunista = colunistas.codigo AND colunistas.iniciais = 'PPJ' AND colunas.ano = 2001 ORDER BY colunas.acessos DESC LIMIT 10 Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVISTA NOVA ACRÓPOLE N. 61 OS PERIGOS DO SÉCULO XXI OS SONHOS MENS...
DIVERSOS AUTORES
NOVA ACRÓPOLE PORTUGAL
(1995)
R$ 9,06



DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL
VÁRIOS AUTORES
PEARSON EDUCATION
(2009)
R$ 5,00



PETITE FLORE CONTENANT LES PLANTES LES PLUS COMMUNES
GASTON BONNIER
GÉNÉRALE DE LENSEIGNEMENT
R$ 41,46



E AGORA, MÃE? - COL. VEREDAS - 1ª ED.
ISABEL VIEIRA
MODERNA
(1991)
R$ 7,00



THE MURDER BOOK
JONATHAN KELLERMAN
BALLANTINE BOOKS
(2002)
R$ 20,00



TRAZENDO O PODER DO CLIENTE PARA DENTRO DA SUA EMPRESA
KARL ALBRECHT
PIONEIRA
(1993)
R$ 5,00



RESUMO DE DIREITO ADMINISTRATIVO VOL 7 - COL. RESUMO DOS MAXIMILIANOS
MAXIMILIANUS CLÁUDIO AMÉRICO FÜHRER
MALHEIROS
(2014)
R$ 30,00



A MULHER QUE ESCREVEU A BÍBLIA
MOACYR SCLIAR
FOLHA DE SÃO PAULO
(2012)
R$ 14,00



A GENÉTICA
EZRA MA
ÁRVORE DA VIDA
(2017)
R$ 17,00



PROGRAMAS DE SAÚDE SEGUNDO GRAU
JOSÉ LUIZ VASCONCELLOS E FERNANDO GEWANDSZNAJDER
ATICA
(1986)
R$ 6,90





busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês